Ir para conteúdo

Paulo Metchko

Membros
  • Total de itens

    21
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Paulo Metchko postou

  1. Segue o mapa da Rota W 55, usado em todos os pontos turísticos da cidade, com os pontos de cachoeira, mirantes, localização, etc. http://www.chapadamt.com.br/mapaturisticoW55.htm'>http://www.chapadamt.com.br/mapaturisticoW55.htm http://www.chapadamt.com.br/ http://www.chapadadosguimaraes.com.br/
  2. Fiquei 3 dias por lá, só deu para conhecer o Balneário Salgadeira, a cidade da Chapada, Caminho das Águas (que leva quase o dia todo), Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, Véu de Noiva, Portão do Inferno. Devido ao pouco tempo, não deu para conhecer o Caminho dos Paredões, Caminho das Pedras, Caverna Aroe Jari, Lagoa Azul e o Mirante do Centro Geodésico. Fora que tem Nobres e o Pantanal que fica perto.
  3. Segue abaixo um artigo com anexo do arquivo "Albergue da Juventude", que tinha feito na faculdade a muito tempo, espero que ajude. Se puder compre esse livro: Turismo da juventude. Autora: Maria José Giaretta. Editora: Manole. Vai te ajudar muito sobre a escolha da área no TCC. INTRODUÇÃO A Hostelling International é a maior rede de hospedagem do mundo, a forma mais prática, divertida, segura e barata de se viajar. Com cerca de 3,7 milhões de associados, mais de 4 mil albergues em 80 países, 300 mil leitos e 34 milhões de pernoites em todo o mundo, a Hostelling International contribui com US$ 1,5 bilhão por ano para a economia do turismo mundial. A Hostelling International é uma entidade com normas de convivência, regulamento próprio, padrão internacional de atendimento e controle de qualidade em todos os Hostels - Albergues da Juventude da rede. O Hostels - Albergues da Juventude são regidos por suas premissas básicas: segurança, higiene, conforto, hospitalidade, bom preço e meio ambiente. Esses standars oferecem ao associado uma hospedagem segura e agradável durante sua viagem. Os hostels se preparam para atender seu público "plugado" no mundo das informações. Desde a década de 90 que os Hostels possuem sistemas de reservas, onde o usuário pode fazer sua reserva e sair com a confirmação através do seu computador. Um Hostel-Albergue da Juventude é um meio de hospedagem para pessoas de todas as idades e com espírito de viajante. ALBERGUES DA JUVENTUDE DEFINIÇÃO Segundo a Embratur, os albergues consistem em um Meio de hospedagem peculiar de turismo social, integrado ao movimento alberguista nacional e internacional, que objetiva proporcionar acomodações comunitárias de curta duração e baixo custo com garantia de padrões mínimos de higiene, conforto e segurança. EMBRATUR. Projeto dos Albergues da Juventude. Rio de Janeiro, 1987. Segundo Trotta, Os Albergues da Juventude Internacionais existem para ajudar jovens a viajar, conhecer e amar a natureza e apreciar os valores culturais das pequenas cidades e grandes metrópoles. Estes variam de região para região, mas as características gerais são as mesmas, ofertam dormitórios, toaletes separados por sexo, sala de estar e cozinha e são regidos por uma filosofia mundial. TROTTA, Joaquim. Educação e correlação. Experiência internacional e regional. Os Albergues da Juventude para jovens e jovens de espírito. Rio de Janeiro, Associação dos diplomados da Faculdade de Educação da UERJ, 1978, p. 17. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ALBERGUISMO MUNDIAL O precursor do movimento alberguista foi Guido Rotter, com os albergues escolares em 1884. Porém, esses albergues atendiam a somente 2% dos alunos alemães e eram voltados apenas aos escolares. A idéia dos albergues da juventude mundiais, denominados Youth Hostel até 1990, surgiu com o professor Richard Schirrmann, nascido na Prússia e que tinha como método didático ministrar aulas fora da sala. Em 26 de agosto de 1909, em uma das excursões-aula, pegou uma tempestade e teve de buscar abrigo em uma escola em Brol Valley (Alemanha). Por causa da tempestade, enquanto os alunos dormiam, ficou imaginando que as escolas poderiam ser usadas como alojamentos nas férias. Assim que retornou para a escola de Nette (Alemanha), na qual lecionava, implantou o primeiro albergue da juventude. A partir dessa idéia começou a escrever em periódicos alemães sobre o assunto, ganhando simpatizantes. Em 1912, foi aberto o primeiro albergue da juventude de fato, que funciona até hoje em Altena (Alemanha), em um monumento histórico restaurado, contando com dormitórios, banheiros coletivos separados por sexo e cozinha. Nesse mesmo ano, aconteceu a primeira Conferência do Conselho de Turismo da Juventude e foi publicado o primeiro guia de albergues da juventude na Alemanha, contando com 40 unidades. Em 1913, já existia na Alemanha 301 albergues da juventude, passando em 1914 para 535 unidades. Em 1914, o movimento ficou estagnado por causa da Primeira Guerra Mundial. Em 1919, formou-se um Comitê Central de Albergues da Juventude, com a finalidade de retomar a idéia do movimento, no momento em que a Europa estava arrasada pela guerra e com a inflação altíssima. Em 1920, realizou-se a primeira publicação completa sobre os albergues da juventude, contendo 700 unidades. Em 1926, Schirrmann escreveu uma manual de orientação sobre a construção de albergues da juventude, denominado Concepção de Albergues da Juventude, no qual recomendava albergues simples, funcionais e a preservação da paisagem. Em 1932, foi criada a International Youth Hostel Federation - IYHF (Federação Internacional de Albergues da Juventude), e a partir desse momento o movimento torna-se de fato internacional, com entrada em diversos países. Durante a Segunda Guerra Mundial, grande parte dos albergues foi ocupada como abrigo de emergência. Em 1946, a maior parte das cidades nas quais os albergues se localizavam estavam em ruínas e membros da Associação Americana, juntamente com Shirrmann, saíram juntos pela Europa reabrindo e reconstruindo muitos albergues da juventude. Nos anos de 1950 e 1960 houve um grande crescimento do movimento alberguista no mundo, especialmente na década de 1960, década representativa para a massificação do turismo no mundo, quando o turismo de forma geral teve um crescimento em grande escala. Nessa mesma década, foi criado um fundo internacional denominado Fundo Schirrmann, com o objetivo de apoiar localidades na implantação de albergues e na capacitação de recursos humanos. Na década de 1970, o movimento voltou a se expandir em todo o mundo em conseqüência do importante segmento de hospedagem econômica, chegando a ter 10 mil albergues da juventude espalhados pelo mundo. Nesse período, foi iniciado um estudo de suas características primordiais, com a contratação de mão-de-obra especializada, deixando o trabalho voluntário para as diretorias de associações. Assim, os recursos humanos dos albergues da juventude começaram a ser trocados por profissionais. A década de 1980 foi marcada por grandes alterações nos albergues da juventude, quando a questão da tecnologia começou a ser avaliada, como o estudo de um sistema mundial de reservas. Foi um período de muitas reuniões e cursos de capacitação para pessoas que trabalhavam nos albergues, bem como da implantação de albergues-chave (Albergues que têm a função de receber alberguistas estrangeiros e distribuí-los para os demais albergues do país) em diversos pontos do mundo. Nesse mesmo período, foi elaborado um plano de marketing mundial, a fim de repensar a marca, a questão da rigidez, o limite de idade e de implantação do sistema de controle de qualidade, agências de turismo nas principais associações do mundo e proposta da troca de idealismo por profissionalismo. Em 1989, a Federação Internacional contava com 60 associações no mundo e 6 mil albergues da juventude. Na Conferência de 1990, realizada no Japão, foi apresentado o Plano de Marketing para o desenvolvimento do movimento naquela década, resultando em pesquisas de marketing, propostas de tecnologia, meio ambiente, política de divulgação mais agressiva, profissionais envolvidos e a mudança da marca de Youth Hostel para Hostelling International. Na década de 1990, os jovens se encontravam "plugados" na internet, o movimento alberguista desenvolveu sistemas de reserva on-line e disponibilizando uma página na internet para acompanhar a mudança dos usuários. Em 1992, a Federação Internacional de Albergues da Juventude lançou, durante a Conferência Internacional em Copenhagen (Dinamarca), o sistema de reservas on-line, denominado International Booking Networking (IBN), onde, a partir desta data, o alberguista passou a sair de seu país com seu comprovante garantindo a reserva, com endereço, telefone, mapa do local e ponto de referência em quatro idiomas (inglês, francês, alemão e espanhol). Esse sistema foi lançado em agosto de 1992, operando em 51 países, 390 pontos de reserva e funcionando 24 horas por dia. Para os albergues participarem desse sistema, tornou-se obrigatório um bom padrão de qualidade (bons dormitórios, recepção eficiente, limpeza e segurança). No mesmo período, foi inserida no guia internacional uma carta ambiental destinada aos sócios e aos albergues. A carta aos sócios tratava da importância do cuidado com a natureza, com a água, da economia de energia elétrica, do uso de transportes não-poluentes, como andar mais a pé, de bicicleta e utilizando transporte público. A carta aos albergues, que tratava de cuidados na hora da construção, reciclagem de lixo, conservação de energia e uso de produtos biodegradáveis, convidava os proprietários ao desenvolvimento sustentável. Em 1994, a Conferência Internacional foi realizada na Austrália, quando foi amplamente discutida a questão do padrão de qualidade e modernidade da rede mundial. A partir de 1996, as carteiras de sócios passaram a ter um modelo único no mundo, fazendo com que todas as federações as comprassem da IYHF, de Londres. Além da padronização da carteira, a Federação Internacional passou a ter um controle maior sobre as federações dos países. No mesmo período, a IYHF mudou o critério de inserção dos albergues da juventude no guia internacional, priorizando os albergues-chave com todas as informações sobre os mesmos, tais como mapa de localização, número de leitos, principais serviços e informações acerca dos arredores desses albergues, seguidos dos principais albergues de cada país, contendo apenas informações básicas. Em 1997, a Federação Internacional de Albergues da Juventude lançou o "Manual de Construção de Albergues da Juventude". Em novembro de 1999, apresentou o planejamento estratégico para a rede mundial, contendo as oportunidades e os desafios das mudanças para o período entre 2000 e 2006. Em fevereiro de 2001, o sistema IBN passou a ser operado pela internet, com a denominação de IBN Web-based booking system, trazendo ao movimento internacional maior rapidez, segurança e economia. No ano de 2002, a Federação Internacional de Albergues da Juventude passa a orientar, à todos os participantes da Rede, o uso de imagens únicas, visando ao fortalecimento da marca, trabalhada por todas as Federações, Associações e Albergues da Juventude: um ônibus colorido cheio de malas e um casal com mochila e microcomputador, representando a tecnologia e as facilidades para fazer reservas e obter informações. HISTÓRICO DO ALBERGUISMO NO BRASIL O primeiro contato dos fundadores do movimento no Brasil deu-se em 1956, na França, quando um casal de brasileiros, Yone e Joaquim Trotta, que estudavam em Paris, conheceram o movimento e resolveu trazer a idéia ao Brasil. Em 1957, o casal levou um grupo de brasileiros para fazer excursão cultural na Europa, hospedando-se em albergues da juventude. Na volta ao Brasil, em uma fase anterior à da implantação dos albergues da juventude, o casal passou a divulgar o movimento no país, realizando palestras em colégios e universidades. Em 1961, os educadores resolveram implantar os albergues da juventude no Brasil, realizando contatos com as federações européias, para adquirir mais conhecimento a respeito do movimento. Em 1965, foi instalado o primeiro albergue da juventude no bairro de Ramos, na cidade do Rio de Janeiro, com o nome de Residência Ramos, com 36 leitos, que funcionou entre 1965 e 1973, no qual hospedavam-se estudantes de outros estados brasileiros e os mochileiros vindos do Uruguai, Chile, Alemanha, Suíça e Inglaterra. Em 1966, foi instalado um albergue da juventude na cidade de São Paulo. Em 1970, a Federação Internacional de albergues da Juventude convidou o casal Trotta para participar da Conferência Internacional de Albergues da Juventude, na Finlândia, o que foi marcado como a primeira participação do Brasil no movimento internacional. No retorno do casal ao Brasil, eles deram várias entrevistas à mídia brasileira, contribuindo para a divulgação do movimento no país. Em 9.12.1971, foi criada a Federação Brasileira de Albergues da Juventude, no Rio de Janeiro, a emissão de carteiras de sócios dos albergues da juventude foi iniciada. No período de 1964 a 1971, época da ditadura militar, quando o movimento ficou estagnado no Brasil. A década de 1980 foi marcada com o período de expressivo desenvolvimento no alberguismo brasileiro, decorrente do apoio fornecido pela Embratur. No ano de 1987, aconteceu a grande divulgação do movimento à mídia, que se deu por meio de campanhas dirigidas ao público-alvo, para geração de demanda, e aos possíveis empreendedores, com o objetivo de atrair proprietários de imóveis que tivessem o interesse despertado em se tornar um proprietário de albergues da juventude. A campanha trouxe resultados positivos por ter atingido resultados desejados tanto em número de alberguistas quanto em número de albergues em vários estados brasileiros. A década de 1990 representou ao alberguismo brasileiro o período de consolidação do movimento, marcada pelas seguintes ações: modernização da rede nacional; elaboração de procedimentos e matriz de controle de qualidade dos albergues da juventude; elaboração do "Manual de abertura e operação de albergues da juventude", determinando os padrões mínimos de qualidade; cursos de capacitação para inspetores de qualidade, gestão de albergues da juventude; participação do Brasil nos encontros internacionais; implantação do sistema internacional de reservas; consolidação dos sistemas estaduais de reservas, entrada do alberguismo na era da internet, com reservas, páginas de divulgação; maior enfoque aos cuidados com a natureza, tanto para alberguistas quanto para as administrações de albergues da juventude, trabalhando educação ambiental com usuários e determinando procedimentos ambientais adequados nos aspectos de construção e operação, como reciclagem de lixo, uso de produtos biodegradáveis, economia de energia elétrica, entre outras medidas ambientais. Em 1991, a sede da Federação de Albergues da Juventude mudou-se para espaço próprio, na cidade do Rio de Janeiro. Em 1992, o Brasil realiza o primeiro controle de qualidade em âmbito nacional, excluindo todos os albergues que não atendiam aos padrões mínimos de qualidade. Em 1996, a FBAJ adotou o sistema de classificação dos albergues da juventude em três categorias: muito bom, bom e regular, dependendo da pontuação, excluindo os albergues da juventude que não atingissem a pontuação mínima para um albergue de categoria regular. Em 2003, FBAJ passou a ter representação, junto com as demais entidades de turismo, no Conselho Nacional de Turismo. O FUTURO DA HOSTELLING INTERNATIONAL A Hostelling International colabora com os governos e organizações beneficentes de todos os países para abrir as portas do mundo ao turismo. Juntos fomentam a educação em seu sentido mais amplo e brindam a todos a oportunidade de descobrir novas culturas de uma forma intensamente satisfatória. As entidades comerciais também desempenham um papel no movimento e se beneficiam por sua vez da ideologia. Ao associar-se e apoiar o trabalho do movimento, ajudam a traçar o caminho rumo ao êxito, sem que para isso deixe de comprometer os princípios fundamentais, nem perder de vista os objetivos. As exigências da vida moderna submetem os jovens a um número sempre crescente de pressões de todo tipo. A luta da IYHF para alcançar as metas nunca foi mais importante nem pertinente que hoje e nunca houve um momento mais oportuno para esforçar-se em vencer. Graças a estrutura e filosofia únicas, e graças também ao respaldo dos sócios comerciais, dos diversos governos e dos próprios jovens, a IYHF se encontra em uma situação ideal para alcançar esse fim e manter as portas do mundo abertas à juventude. NORMAS MEIO-AMBIENTAIS A Federação se esforça por fomentar entre suas Associações, a consciência meio-ambiental e procura unir métodos de trabalho dentro do contexto ecológico, para que o movimento dos Albergues da Juventude desempenhem o papel que lhes corresponde na conservação do meio-ambiente. A fim de que possa realizar esse objetivo, a Federação estabeleceu metas baseado nos sete princípios seguintes: (1) Conservação da Energia As Associações controlam periodicamente o consumo de energia, visto que a produção de energia é a causa principal da redução dos recursos naturais, do aquecimento global, da chuva ácida e das mudanças climáticas. Deve fazer todo o possível para se consumir um mínimo de energia. A IYHF se esforça para utilizar fontes renováveis de energia e, sempre que possível, apóiam a realização de projetos tendentes a este fim. (2) Reciclagem As Associações se comprometem a usar, sempre que as circunstâncias econômicas lhes permitirem, produtos total ou parcialmente reciclados. A separação de desperdícios tais como papel, plástico, pilhas, garrafas e latas, demonstra aos jovens e demais usuários dos albergues da juventude, de uma forma muito visível, o cuidado com a utilização dos recursos do planeta. Tomar-se medidas para garantir a qualidade da água, para que se desperdice o mínimo possível e para minimizar os vazamentos. (3) Contaminação As Associações adotam meios razoáveis, entre os que se conta a ajuda das autoridades locais e outros organismos, para reduzir ao mínimo a contaminação. A eliminação de desperdícios, incluindo a cesta de lixo, deverá ser eficaz e aceitável do ponto de vista ecológico. (4) Transporte As Associações fomentam o uso dos transportes públicos sempre que estejam disponíveis. Como alternativa, aconselham aos alberguistas que compartam seu automóvel. Todos os albergues da juventude devem fornecer informações detalhadas sobre os transportes públicos da área. Se incentivará aos alberguistas com carro, que explorem os atrativos dos arredores empregando o transporte público, a bicicleta ou a pé. Com o fim de facilitar esse objetivo, os albergues devem proporcionar estacionamento prolongado sempre que seja possível. (5) Natureza As Associações apóiam a formação de reservas naturais, parques nacionais e outras zonas criadas, com o fim específico de oferecer tanto um habitat para os animais e para as plantas como um lugar para o descanso das pessoas, as Associações dedicam parte do terreno de seus albergues a "jardim selvagem", sempre que o lugar o permita, no que possam cultivar uma variedade de plantas ou algumas ervas específicas cuja função seja alimentar a determinadas espécies de animais e insetos. (6) Educação Meio-ambiental As Associações consideram a criação de meios específicos para a provisão de educação meio-ambiental nos albergues da juventude que sejam aptos para tal. Os albergues podem ser lugares idôneos para a obtenção de material didático sobre o meio-ambiente. (7) Consumo As Associações devem ter em conta os fatores ambientais na hora de realizar qualquer compra. Existe toda uma gama de produtos que dizem ser ecológicos; as circunstâncias locais são as que determinem a maior ou menor transcendência desses produtos. As Associações devem manter-se a par das últimas pesquisas nesse âmbito por tratar-se de uma área que muda com muita rapidez. Sempre que for possível, devem utilizar: papel reciclado, alimentos produzidos no local, procedentes talvez do próprio jardim do albergue, materiais para a construção apropriados que deveram incluir materiais fabricados localmente ou reciclados sempre que isso seja viável economicamente, e quantidades mínimas de produtos de limpeza químicos, a fim de proteger a saúde e garantir a higiene. REFERÊNCIAS EMBRATUR. Projeto dos Albergues da Juventude. Rio de Janeiro, 1987. FEDERAÇÃO BRASILEIRA DOS ALBERGUES DA JUVENTUDE. Disponível em . Acesso 09 de setembro de 2005. GIARETTA, Maria José. Turismo da juventude. Barueri, SP: Manole, 2003. TROTTA, Joaquim. Educação e correlação. Experiência internacional e regional. Os Albergues da Juventude para jovens e jovens de espírito. Rio de Janeiro, Associação dos diplomados da Faculdade de Educação da UERJ, 1978, p. 17. Albergue da Juventude.doc
  4. Boa tarde Avila, Legal de sua parte em fazer o TCC sobre mochileiros, vejo que vai precisar de muita ajuda em referências bibliográficas e principalmente TEMPO! Pois é uma área muito grande e também muito nova para o ramo acadêmico, mas no que precisar de ajuda pode contar comigo, pois sou formado em Turismo em 2006, em Campo Mourão - PR, onde nasci e moro atualmente. Seu TCC é para quando? Em qual faculdade ou universidade estuda? Assim posso ter uma noção de tempo e do local que poderá aproveitar. Abraços, Paulo André Metchko Campo Mourão - PR
  5. Bom dia Beto, Sobre suas perguntas, os horários de ônibus são esses abaixo que tirei do site www.chapadadosguimaraes.com.br HORÁRIO DE ÔNIBUS: CUIABÁ / CHAPADA 06:30 Coletivo 07:30 Coletivo 08:30 Coletivo 09:30 Convencional 10:30 Coletivo 12:00 Coletivo 13:00 Convencional 14:30 Convencional 16:00 Coletivo 17:30 Coletivo 19:00 Convencional Coletivo: Ônibus simples, tarifa de R$ 8,85 por pessoa mais R$ 0,50 taxa embarque, com bagageiro menor. Convencional: Ônibus convencional de viagem com poltronas reclináveis, água, banheiro e bagageiro maior. Tarifa R$ 9,35 por pessoa mais R$ 0,50 taxa embarque. PREÇOS SUJEITOS A REAJUSTES E A MUDANÇAS DE HORÁRIO. Sobre alugar o carro, para mim seria o mais aconselhado, devido que irá ficar poucos dias em MT e visitará diversos lugares, pois se for de ônibus, teria que depender dos horários, apesar que de carro gasta mais, mas em relação a tempo é mais rápido. Sobre a agência, tinha feito com Eco Turismo, excelente o atendimento, o guia que me desculpe não lembro o nome, era muito atencioso e rico em conhecimentos sobre os lugares onde visitávamos. Deixo abaixo as informações para entrar em contato: Júnia Belfort Eco Turismo Cultural - Desde 1989. R. Cipriano Curvo, 655 A - centro - Chapada dos Guimarães - Mato Grosso +55 (65) 3301-1393 Ou (65) 9202-6496, 9952-1989 www.chapadadosguimaraes.com.br msn: [email protected] / nos siga no twitter: @chapada Skype: ecoturismocultural11
  6. Nobres nunca fui, mas tinha vontade de conhecer. Sobre a chapada, fiquei no Hotel Chapadense (65) 3301-1711 ou (65) 9907-8013 - http://www.hotelchapadense.com.br O hotel é simples e o mais barato que achei na época, mas tem um excelente atendimento familiar, peço desculpas por não lembrar o nome do dono, mas é uma pessoa fantástica, e fica próximo da igreja, aproximadamente 600 m. Pelo site do hotel, tem um mapa de localização. Restaurante Popular - (65) 3301-1109 Rua Cipriano Curvo, 683 - Chapada dos Guimarães - MT Se for no restaurante popular, aconselho a pedir a Picanha Cuiabana, é divino!!!
  7. Oi gracebalves, Aconselho a ler o tópico acima que passei para o Oliglath. Sobre os passeios, aconselho a Eco Turismo Cultural - Tel. (65) - 3301-1393 - Celular 24 horas (65) 9952-1989 (Júnia) ou (65) 9202-6496 (Lui), que oferece os passeios com guias, fica do lado da Igreja de Santana. Dependendo dos passeios que for fazer, pode durar 1, 4, 6 ou 8 horas. Aconselho o Caminho das Águas, achei o melhor de todos, ainda mais nesse calor, rsrs. Mas existem outros passeios, dá uma olhada no site da Eco. http://www.chapadadosguimaraes.com.br/ No link: "Monte seu pacote", tem os atrativos na Chapada dos Guimarães.
  8. Oliglath Quando fui para chapada tinha pegado ônibus pela empresa Rubi até Balneário Salgadeira (é aberto ao público) que tem uma cachoeira muito boa, e ia explorando as cachoeiras mais a baixo da trilha. Fiquei 4 dias na chapada e fazia tudo de ônibus nos pontos turísticos que não precisam de guia, como: Parque Nacional, Mirante, Portão do Inferno. Outros pontos são feitos por guias. Já que pretende ficar poucos dias, aconselho alugar um carro, que aproveita mais o tempo para os passeios. E procure a Eco Turismo Cultural - Tel. (65) - 3301-1393 - Celular 24 horas (65) 9952-1989 (Júnia) ou (65) 9202-6496 (Lui), que oferece os passeios com guias, fica do lado da Igreja de Santana. O Restaurante Popular fica na mesma avenida da Eco Turismo, e é um excelente lugar para as refeições, a picanha na chapa é um excelente pedido, a carne do MT não tem comparação.
  9. Paulo Metchko

    Ajuda

    Já nas cidades de Nova Petrópolis e Bento Gonçalves, compensa ir de tour. Em Bento Gonçalves vale a pena fazer o tour uva e vinho, tem informações na http://www.jardineiradashortensias.com.br/ na seção Tour Uva e Vinho. Também tem Tour em Nova Petrópolis, o que mais gosto nessa cidade é os produtos da empresa Piá. Muito bons, o doce de leite uns dos melhores que já experimentei. Mas espero ter ajudado, se tiver mais tempo dá um pulo aqui no Paraná. Rsrsrsrs. Qualquer coisa, me liga que passo maiores detalhes dos lugares, pq também escrever demora muito, kkkkkkkkkkkk. Tim (44) 9969 4136. Bjs e bom passeio.
  10. Paulo Metchko

    Ajuda

    3º Canela http://www.canelaturismo.com.br/ Se for se hospedar em Canela tem o http://www.pousadadoviajante.com.br/ fica em frente a rodoviária de Canela. Em Canela não deixe de conhecer o Parque do Caracol, e descer a escadaria, o duro é na hora de subir, rsrsrsrsrs. Castelinho Caracol, nossa eu adoro esse lugar, e ainda mais o apfelstrudel, uma delícia!!!!!!!!! Parque da Ferradura, Catedral de Pedra, a igreja toda construída em pedra, Mundo a Vapor e o Alpen Park, que tem várias atividades, mas o que mais gostava era descer de trenó. Em Canela, acho que uns 3 dias ou 4, dependendo da sua disposição, rsrsrsrs.
  11. Paulo Metchko

    Ajuda

    Em POA dá para conhecer bem a cidade com uns 3 dias. Para ir a Gramado, será de ónibus pela empresa: http://www.citral.tur.br/ Tem saída de ónibus pela rodoviária e também pelo aeroporto em POA. 2º Gramado: Tem o hostel que é muito bom e barato, http://www.gramadohostel.com.br/index.php Fica um pouco longe do centro da cidade de Gramadoo hostel. Mas aconselho primeiro a fazer um passeio na jardineira, http://www.jardineiradashortensias.com.br/ Nesse passeio você conhece toda a cidade, depois você aluga uma bicicleta para conhecer bem a cidade. A pé é mais no centro da cidade, nos bairros e portais, vai de bicicleta que é melhor. Fazia isso todo o dia. Até ia de bike para Canela e nos parques também. Em Gramado, gostava muito de ir na http://www.pizzariascur.com.br/ muitas variedades e preço muito bom. Os cafés coloniais são muito bons, tem os tours das Raízes de Gramado, onde tem colônias de imigrantes italianos e alemães. Se você gosta de founde, aconselho o Le Chalet De La Fondue, é um pouco caro, mas é muito bom. O Lago Negro, eu gostava de fazer minhas caminhadas matinais, a noite na Rua Coberta era muito bom. Mas tem muita coisa em Gramado que uns 3 a 4 dias conhece muito bem. http://www.gramadosite.com.br/
  12. Paulo Metchko

    Ajuda

    Boa tarde Margarida! É um prazer em poder ajudar, mas sou natural do PR e moro aqui em Campo Mourão – PR, cidade famosa da Festa Nacional do Carneiro no Buraco, e da Coamo, a maior cooperativa da América Latina. Mas fiquei alguns meses em Gramado e Canela, fazendo estágio em turismo. Mas vi que vai ficar quase 12 dias no RS, dá para aproveitar muita coisa, com isso vamos por partes e vou postar o site para maiores informações: 1º - POA Aconselho a dar uma ligada ou mandar e-mail solicitando lugar para hospedar em outro hotel, já que o Hostel de POA só vai abrir em início de agosto, mas pode pedir maiores informações nos fones (51) 3226-5380 / 3228-3802, e-mail: [email protected] Já no aeroporto tem o Centro de Informações Turísticas – CIT, lá eles te dão panfletos e mapas dos lugares para conhecer. Antes de conhecer POA, dá uma passada na Secretaria Municipal de Turismo, para fazer um City tour da Linha Turismo Centro Histórico, para você conhecer boa parte da cidade fazendo esse trajeto de ônibus. http://www2.portoalegre.rs.gov.br/turismo/default.php?p_secao=285 Existe outra Linha Turismo Zona Sul, mas esse é novo e nunca fui, pois conhecia a região de carro, mas alguns pontos são muito interessantes: Calçadão de Ipanema, que é muito bom para fazer caminhadas ao lado do Lago Guaíba; Morro da Pedra Redonda que dá para ver toda a cidade, é um espetáculo esse lugar!!! http://www2.portoalegre.rs.gov.br/turismo/default.php?p_secao=286 Tem um mapa ilustrado que irá te ajudar nos pontos turísticos: http://www.photomundi.com.br/photomundi/flash/mapa14.htm Mas em POA o que mais gosto de fazer no final de tarde é olhar o por do sol, muito lindo.
  13. Ao Dieg0, ytux e Sandro, vale cada minuto desse filme e até hoje é um dos melhores filmes que assiti em toda minha vida sobre a vida de um mochileiro e recomendo a todos!!! Só de assistir o filme, dá uma vontade enorme de fazer uma aventura como essa.
  14. Boa tarde pessoal! Estou indo para chapada agora dia 09/10 até 15/10, vou mais com a intenção de desenvolver projetos para o parque e seu entorno e também conhecer a Betinha, que nos conhecemos aqui no site, o qual ela precisou de dicas para Curitiba - PR isso em julho deste ano. Na volta conto toda a história, pois é sempre bom trocar idéias e experiências. E agradeço desde já a Maria Emilia e a Daliana Gabriella pelas dicas, valeu!!!!!
  15. "Daqui a alguns anos você estará mais arrependido pelas coisas que não fez do que pelas que fez. Então solte suas amarras. Afaste-se do porto seguro. Agarre o vento em suas velas. Explore. Sonhe. Descubra." - Mark Twain
  16. Sempre penso nessa frase e recomendo a todos!!! "Não vá por onde o caminho te leva. Vá por onde não haja caminho, e deixe uma trilha." - Ralph Waldo Emerson Texto tirado do filme: A Arte de Viajar - The Art Of Travel - 2008 Assistem esse filme é excelente e trata bem nossa vida de Mochilerio.
×
×
  • Criar Novo...