Ir para conteúdo

debalves

Membros
  • Total de itens

    367
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    10

Tudo que debalves postou

  1. Oi juliad ! Aguardando o término do seu relato aqui e o seu novo relato sobre a Itália! Hehehehe! Tenho muita vontade de conhecer a Itália também, mas dessa vez (nesse ano de 2016) não deu e optamos por ir para a Alemanha que ficava mais econômico! Mas tô ansiosa para ler seu relato e ver dicas para quando eu puder ir! beijos e boa viagem!
  2. debalves

    Munique

    Oi Luiz Beduino ! Voltamos da Alemanha há alguns dias e tanto em Berlim quanto em Munique meu marido e eu conseguimos nos orientar pelo Google maps mesmo. Ele colocava o destino que a gente queria ir e o Google mostrava o trajeto e as opções de transporte, inclusive de tram. E mostrava todos os "pontos" (ou estações) pelos quais o tram ia passar pelo caminho, o que facilitava para a gente ir acompanhando. Andamos muito de tram em Munique, já que tinha um "ponto" de tram quase em frente ao hotel que ficamos. Em pouquíssimo tempo íamos de tram do hotel para a Karlstor. E o hotel ainda vendia o ticket de transporte, o que facilitava mais ainda! Espero que eu tenha ajudado! Abraços!
  3. Olá pessoal! Voltei há pouco tempo da Alemanha e em Munique nos hospedamos no hotel Jedermann. Nós tivemos um pouco de dificuldade de conseguir hospedagem antes de ir pois fomos em uma data muito próxima a Oktoberfest e todos os hostels e hotéis que foram recomendados aqui no Mochileiros já não tinham mais vaga! Procuramos no Booking e achamos esse e não nos arrependemos! Esse hotel fica próximo a estação (realmente o lugar onde fica a Hauptbahnhof é movimentado e não é bonitinho não, mas não me senti insegura em momento algum). Não tivemos qualquer problema na região, andamos à noite também (voltando dos passeios + lanche à noite) e não nos sentimos inseguros. Compramos tickets de transporte no hotel (eles vendem), de tram (que você pega praticamente na porta do hotel) até o Karlstor é muito rápido! O hotel é muito confortável, o staff muito prestativo e o café da manhã maravilhoso! Recomendo!
  4. No dia seguinte, teríamos que fazer check out até às 11h e o ônibus para Munique era às 14h. Como estávamos muito cansados, resolvemos tentar não ir ao Castelo de Praga novamente e ver se poderíamos ver mais alguma coisa (também corríamos o risco de perder a hora do ônibus) Tomamos café da manhã, arrumamos as coisas com calma, fizemos o check out e pedimos se era possível guardar as malas em algum lugar do hotel para que pudéssemos almoçar mais livre e nos mostraram uma sala onde as malas poderiam ficar (e já tinha mais um monte de malas lá também!). Como era domingo, resolvemos não ficar rodando procurando por algum lugar que estivesse aberto e fomos até o shopping e ficamos procurando onde comer... Até que decidimos por comer em uma lanchonete de peixes, chamada Nordsee. Achei bem gostosa e mais saudável do que as de hambúrguer que estamos acostumados! Por aqui pelo Rio de Janeiro também existem algumas parecidas, mas a especialidade delas acaba sendo o camarão e quem não come camarão, como eu, acaba não tendo opção (já tiraram até o salmão do cardápio, me deu uma dor no coração quando eu soube!) Após almoçarmos, o Rodrigo finalmente achou um quiosque de vender sorvete dentro do shopping e matou sua vontade do dia anterior. Voltamos para o hotel, pegamos as malas, as levamos até a rodoviária novamente e procuramos onde estava o ônibus da Flixbus indo pra Munique. Deixamos as malas no bagageiro, apresentamos o passaporte para o motorista, entramos no ônibus e só tinha mais alguns lugares bem perto do motorista. Ou outros lugares perto do motorista foram ocupados por cinco crianças, filhos de uma mulçumana, que estava viajando no mesmo ônibus e que estavam fazendo a maior bagunça, interrompendo o silêncio de nossa viagem. Dessa vez o motorista do ônibus falava em alemão e tcheco (Nos ônibus anteriores, só ouvimos alemão), mas como ninguém queria falar inglês, ficamos sem saber do que se tratava (mas devia ser algo do tipo como estava o trânsito e o clima na cidade destino). A viagem ocorreu sem nenhum problema, dormimos tranquilos nela (tirando a parte da bagunça das crianças ãã2::'> ) e chegamos por volta de 19h em Munique. Ao chegar na Rodoviária (que fica em anexo a estação de trem e de metrô), ficamos procurando por onde sair dali para chegar ao hotel (o Rodrigo tinha visto que o hotel era perto dessa estação central). Agora já tínhamos celular com internet novamente (não passaríamos mais o sufoco que passamos em Praga), por causa do chip alemão que o Rodrigo comprou assim que chegamos em Berlim! No caminho entre a estação central e a rua do hotel, avistamos uma outra ratazana enorme correndo, atravessando a rua e constatamos que definitivamente, existem várias ratazanas enormes na Alemanha! Não era um problema só de Berlim! Achamos o hotel facilmente. Ficamos no Hotel Jedermann e definitivamente, esse foi o melhor hotel que ficamos. Quarto espaçoso e confortável, café da manhã gostoso, parecendo uma casa de avó, tão lindinho por dentro! As construções em Munique me lembraram muito as casinhas no Sul do Brasil e realmente, temos a quem puxar! Perguntamos na recepção do hotel onde poderíamos comer e nos indicaram 2 lugares: Um restaurante italiano na esquina, e um Biergarten de um restaurante próximo, o Augustiner Keller. Rumamos para esse restaurante local e não estava tão cheio. Garçons vestidos com a roupa local, local agradável, tudo bem animado. Escolhemos uma mesinha, pedimos nosso salsichão alemão (aqui em Munique tem aquela salsicha branca! Amei!) e comemos satisfeitos. Pena que o prato que tinha chucrute, era muito mais caro (em média, o prato sem chucrute, era em torno de 8 ou 9 Euros e o prato com chucrute, 14 Euros. O chucrute foi facilmente dispensado, ainda mais que não sabíamos como nosso sistema gastrointestinal iria reagir a ele!) Um único porém é que nosso prato veio com raiz forte e eu achei que era queijo ralado e me dei mal, juntando ele com a batata. Mas graças a Deus meu sistema gastrointestinal não reagiu tão mal em Munique quanto em Berlim e minha barriga pôde ir à forra! Após jantar, ficamos passeando perto do hotel para conhecer melhor o local, mas como era domingo, de noite, o movimento era muito pouco, estávamos cansados e resolvemos ir dormir logo. No dia seguinte, conheceríamos o que Munique tem a oferecer!
  5. Ponte Carlos Ponte Carlos - Quase chegando! Igreja de Nossa Senhora Vitoriosa Mais da Igreja de Nossa Senhora Vitoriosa Menino Jesus de Praga John Lennon Wall Pensei que era a entrada do Castelo, só que não... Aqui dá pra ter uma noção que do lado do castelo tem uma vista muito bonita! Catedral de São Vito A caminho da Golden Lane Golden Lane Museu com as armaduras Casa dançante Voltando para o hotel, vista do castelo de Praga Praga à noite
  6. No dia seguinte, acordamos e fomos em direção a Praça da Cidade Velha novamente. Paramos em algumas lojinhas para comprar ímã de geladeira, cartão postal e algumas dessas coisinhas que a gente gosta de guardar das viagens e ainda assistimos o relógio astronômico tocar novamente. Seguimos em direção a Ponte Carlos (de novo) e dessa vez a atravessamos, tirando fotos e observando tudo. Como a ponte está sempre muito cheia de turistas, é necessário tomar cuidado com batedores de carteira. Chegando do outro lado da ponte, fomos visitar a Igreja de são Nicolas, porém como a entrada era paga e eu queria visitar uma outra igreja que era mais especial pra mim (e de graça), rumamos para essa outra igreja. Para explicar melhor: Minha mãe, desde que eu me entendo por gente, sempre teve uma imagem do Menino Jesus de Praga e a imagem sempre foi muito importante pra ela e eu sempre a vi com muito carinho. Quando vi que uma amiga tinha ido para Praga recentemente e tinha visitado essa igreja, vi que era possível eu visitar também e pesquisei como ir para lá. A igreja, na verdade, é de Nossa Senhora Vitoriosa e a imagem do Menino Jesus de Praga ocupa um altar lateral que é bastante visitado. Fomos à procura da igreja e chegamos na hora da bênção final, na missa, o que eu achei um ótimo sinal! Retornamos para perto da Igreja de São Nicolas e fomos procurar um lugar para almoçar, para sem seguida, ir ao Castelo de Praga de tarde (a ideia era: se fôssemos naquela hora, provavelmente iríamos perder a hora do almoço e almoçar muito tarde!) Paramos em um pequeno restaurante/café chamado Cafe22 e almoçamos ali mesmo. A comida estava gostosa. Eu pedi um goulash com panquecas de batata e o Rodrigo pediu alguma coisa com camarão. Assim que terminamos de almoçar, ficamos fuçando a internet aproveitando wi-fi para ver como chegar nos próximos locais a serem visitados e o garçom trouxe a conta, sem ao menos termos pedido! Acho que estavam tentando expulsar a gente! Hehehe Pagamos e saímos tão depressa que esquecemos de aproveitar o banheiro do restaurante. E aí, a vontade apertou e entramos no Starbucks próximo para ir ao banheiro e eu aproveitei pra beber algo gelado, já que estava fazendo calor. Depois disso, o Rodrigo cismou que queria tomar um sorvete, mas ele queria um sorvete de casquinha e não estávamos encontrando nenhum! Será que não existe porque lá quase não faz calor?! Perdemos algum tempo nessa hora, mas resolvemos seguir em frente , mesmo sem sorvete. Não sem antes procurar o John Lennon Wall! Não era nossa intenção ir visitá-lo, mas como descobrimos que estávamos perto, resolvemos ir lá espiar. Fomos orientados pelo mapa que ganhamos no hotel, mas acabou que entramos em alguma rua errada e perdemos algum tempo procurando por ele também, mas o encontramos (muito cheio de turistas fotografando), tiramos algumas fotos e procuramos o caminho do castelo! Esse é um muro que tem muitas mensagens de Paz e Amor e retratos de John Lennon. O primeiro desenho naquela parede, o retrato do John Lennon, surgiu no início da década de 80, quando o comunismo soviético já estava bastante desgastado na antiga Tchecoslováquia e o mundo estava comovido com a morte de John Lennon. A polícia comunista logo entendeu como uma forma de protesto e vandalismo e em pouco tempo o desenho já estava apagado. Mas outras pessoas começaram a ir lá e pintar o retrato dele de novo. A cada vez que o governo mandava limpar o muro, um novo desenho de Lennon voltava a aparecer. E hoje o muro ainda é repleto de mensagens boas e turistas para eternizar tudo. Dali, seguimos em direção ao castelo, passando pela Igreja de São Nicolas de novo e depois subimos, subimos e subimos... ãã2::'> e confesso que tive que parar algumas vezes.. é exaustivo! E chegamos na porta do Castelo. Tiramos várias fotos (principalmente porque lá tem uma vista legal da cidade) e seguimos para tentar entrar. Na verdade, na verdade, o Castelo de Praga não é muito bem um castelo, mas um conjunto com vários palácios, igrejas, museus.... Imenso! Onde a gente pensa que é a entrada, é a saída. A entrada fica meio escondida, na lateral. Na entrada encontramos uma lixeira cheia de garrafas de água e bebidas abandonadas e os soldados revistando bolsas e pessoas passando pelo detector de metais... Achamos que não podia entrar com água e estávamos com uma garrafa cheia dentro da bolsa. Mesmo assim, resolvemos arriscar. Entramos com a garrafa d’água na mão e ninguém falou nada. Olharam nossas bolsas e passamos pelo detector de metais e nos liberaram e passamos para o lado de dentro. Todo esse esquema, pois ainda há sede do governo lá dentro. Entramos e fomos procurar a bilheteria. Já eram 16h e a moça da bilheteria nos avisou que só poderíamos entrar em cada local até às 17h. Ficamos um pouco chateados, pois achamos que funcionava até às 18h e o sol ainda estava iluminando tudo até umas 19h, mas mesmo assim compramos o ingresso, pois eu queria muito conhecer a Golden Lane e lá só entra com o ingresso. Existem algumas opções de “circuitos” a serem visitados e optamos pelo que era mais barato e com menos coisas a se visitar, que incluiria a Golden Lane. Se você não quiser gastar com as entradas, você pode visitar tudo por fora, sem problemas e não gasta nada... Mas para entrar em cada local lá de dentro do castelo, é necessário esse ingresso. A moça da bilheteria explicou que poderíamos voltar no dia seguinte com o mesmo ingresso e ver os locais que não tínhamos entrado ainda, mas aquele que já tínhamos entrado, não poderia ser visitado duas vezes. Ficamos apreciando um pouco a Catedral de São Vito pelo lado de fora e depois rumamos para a Golden Lane. Entramos e ficamos observando cada espacinho lá dentro. Achei muito legal! É uma rua cheia de casinhas coloridas, onde moravam trabalhadores que serviam ao castelo (artesãos, ferreiros, ourives) e algumas fora transformadas em museus e outras são lojinhas. Em cima há um museu de armaduras, bem interessante. Quando saímos de lá, já passava das 17h e realmente não conseguimos mais entrar em lugar nenhum, mas ainda tinha muita gente circulando por lá por dentro. Tiramos mais fotos e saímos, por onde achamos a saída... depois descobrimos que era uma “saída lateral’, que dava em uma rua lateral, próximo a uma praça muito bonitinha. Verificamos o mapa, atravessamos a praça e chegamos em local conhecido novamente. A nossa visita ao Castelo de Praga não foi tão proveitosa quanto eu gostaria, mas pelo menos conseguimos conhecer o que a gente tinha mais vontade de conhecer! Voltamos para o Starbucks novamente para usar o wi-fi (dessa vez não compramos nada, eu confesso, foi só pra usar o wi-fi mesmo, que vergonha! Nem água não compramos, pois lá só vendia água natural e não gelada... Aliás, são pouquíssimos os locais que dá pra encontrar água gelada tanto lá quanto na Alemanha!) e ao usar o wi-fi descobrir como chegaríamos na Casa Dançante, que era outro local que queríamos conhecer e não sabíamos se teríamos tempo, mas como a visita ao castelo foi mais rápida do que esperávamos, resolvemos ir lá. A casa (ou prédio) dançante também é conhecido como Fred e Ginger (Fred Astaire e Ginger Rogers - a casa lembra vagamente um par de dançarinos) e é muito interessante! O chato é que essa Casa dançante fica um pouco mais afastada dos outros pontos turísticos e teríamos que comprar um bilhete de tram. Tentamos descobrir como a maquina de vender bilhetes funcionava, mas não entendíamos nada. Vimos uma moça tentando comprar e não conseguindo e perguntou em um quiosque perto e a funcionária do quiosque indicou uma vendinha de bebidas/jornaleiro que havia perto, pra comprar o bilhete. E nós fomos lá também. Compramos o bilhete nessa vendinha (um que era válido por 90 min) e pegamos o tram que o Rodrigo viu pelo celular que nos levaria lá. O Rodrigo também salvou no celular, como fazer pra voltar, já que não teríamos o wi-fi para pesquisar lá por perto. Chegamos lá perto, tiramos várias fotos, ficamos contemplando o local e resolvemos procurar o tram de volta. O problema é que não encontrávamos o ponto do tram que teríamos que voltar. Quando encontramos, o tram que tínhamos que pegar, não passava de jeito nenhum (ficamos muito tempo esperando no ponto). Quando vimos, os 90 min do bilhete já tinham ido embora... e nós resolvemos voltar à pé, com medo da fiscalização nos pegar com um bilhete vencido dentro de um tram. Fomos andando margeando o rio Moldava ( Ou Vltava) até chegar na Ponte Carlos Novamente. Andamos bastante, mas estava bem movimentado e a vista do Castelo de Praga iluminado à noite, do outro lado, estava bem bacana... Mas tive que escutar o Rodrigo reclamar dos seus pés doendo (e os meus também estavam acabados!) e com cara emburrada! O Rodrigo até tentou entrar em alguma lojinha pra saber como comprar outro ticket de tram, mas as lojas do local só tinham orientais (mas hein?!) que não falavam inglês. Ao chegar no centro histórico novamente, eu queria parar em um restaurante italiano com mesinhas de toalha quadriculada, para comer, mas nenhum garçom nos dava atenção e sempre que vagava uma mesa, tinha já alguém correndo pra sentar. Desistimos e fomos até o shopping e comemos em uma lanchonete de pizza lá mesmo. E a pizza estava bem gostosa, não sei se era a fome! Antes de chegar ao shopping, descobrimos que tinham "fechado" a rua em frente ao shopping, para ter uma maratona da cidade. Passamos por ali bem na hora que tinham vários corredores chegando na linha de chegada. Ainda tivemos que descobrir como passar para o outro lado da calçada (e descobrimos porque observamos algumas pessoas entrando por uma entrada de estacionamento subterrâneo e saindo do outro lado e fomos atrás. será que foi por isso que o tram que esperávamos não passava de jeito nenhum?! (mudança no trânsito devido a maratona?!) Retornamos para o hotel e fomos descansar, pois o dia foi desgastante hoje e no dia seguinte viajaríamos para Munique!
  7. Gente, se alguém estiver lendo o relato e puder me dar um feedback, se está legal, eu agradeço! Abraços a todos!
  8. O tal do ônibus da FlixBus (já estávamos na rodoviária de Praga) Torre da Pólvora E mais Torre da Pólvora Já avistando a Praça e o Relógio Astronômico Close no Relógio Astronômico A Praça da Cidade Velha, sempre cheia de gente Tentando tirar foto com o Relógio Astronômico Tentando entender Kafka A Sinagoga Espanhola Chegamos a Ponte Carlos (já estava escurecendo) A Ponte Carlos e o outro lado, o Castelo de Praga.
  9. No dia seguinte, acordamos cedo, tomamos café, fizemos check out no hotel e nos dirigimos ao ponto do ônibus, arrastando mala pelas ruas, para estar lá às 8h. O ponto do ônibus era pertinho do hotel e a empresa se chama FlixBus (É um ônibus verde). Tinham vários ônibus parados no ponto, mas nenhum era o nosso. O nosso ia para Praga, mas a gente teria que fazer uma pequena baldeação em Dresden. Aguardamos um pouquinho e quando chegou, deixamos as malas no bagageiro e entramos no ônibus, nos acomodando. Logo depois o ônibus partiu e depois de mais ou menos 2h30 min (de estradas perfeitas e paisagens legais, mas dormimos a maior parte do tempo), chegamos em Dresden. O ônibus passou por paisagens lindas nessa cidade, se tivéssemos mais tempo e mais dinheiro, poderíamos pernoitar lá. Sabíamos que o ônibus iria parar em uma rodoviária, ou estação de trem, não lembro agora, mas assim que ele parou em um espaço grande, com uma construção antiga, que achamos que era a rodoviária, descemos, pegamos as malas e perguntamos ao motorista onde pegávamos o outro ônibus... E o motorista falou que descemos no lugar errado! Deixamos as malas de novo no bagageiro do ônibus, subimos e continuamos mais uns poucos minutos, até o destino certo, quando todo mundo desceu e nós também. O ponto do ônibus, era do lado de fora, numa via grande da cidade. Novamente perguntamos onde pegaríamos o outro ônibus para Praga e o motorista nos indicou um ponto do outro lado da rua. Fomos para lá e nada do ônibus chegar. Tinham outros ônibus que iriam para Praga nessa mesma calçada, mas de outras empresas. Como o nosso ônibus atrasou um pouco, fica sempre o receio de termos perdido o próximo... Mas o Rodrigo viu que tinha um escritório da própria FlixBus nessa mesma calçada e qualquer coisa iríamos lá reclamar. Esperamos uns 15 min, quando o ônibus finalmente chegou e fez um tumulto de gente tentando colocar as malas no bagageiro e entrar no ônibus. E nos juntamos a eles. Precisou mostrar o passaporte para o motorista do ônibus. O ônibus era de 2 andares e ficamos em cima. Novamente mais 2h30 min de paisagens legais e estrada boa (mas dormimos de novo) e chegamos ao nosso destino: a rodoviária de Praga. Ao chegar, o Rodrigo já tinha visto o caminho que tínhamos que fazer para chegar ao hotel (que era perto da rodoviária). E lá fomos nós arrastando mala pelas ruas de Praga. Ficamos em um hotel de nome AXA, de aparência um pouco moderninha, com elevador e bastante confortável. Antes de irmos para Praga, li que os hotéis mais próximos do centro histórico, são prédios antigos que não podem ser reformado e não têm elevador. E esse hotel ficou a meia distância da rodoviária e do centro histórico: perfeito! O café da manhã não era tão bom quanto o de Berlim, mas dava para o gasto. Deixamos nossas malas no quarto e fomos caçar onde comer, já que estávamos azuis de fome, já era umas 15h. Teríamos que trocar nosso dinheiro para Coroas Tchecas, já que lá eles não usam o Euro e perguntamos no hotel onde poderíamos fazer isso. O staff do hotel informou que perto do hotel não teria nenhum lugar para trocar, que casas de câmbio, somente na rodoviária ou na parte do centro histórico, mas a da rodoviária, tinha que tomar cuidado com ladrões e só funcionavam até às 18h, se não me engano. Mas que grandes estabelecimentos comerciais aceitavam cartão de crédito e alguns lugares também aceitavam Euros. Sabíamos que tinha um shopping perto do hotel (o Palladium) e rumamos para lá. O local onde poderíamos comer mais rápido no momento era o Burguer King e eles aceitavam cartão de crédito e também Euros. Almoçamos hambúrguer e depois de matar o que nos estava matando (a fome), fomos passear pela cidade. Foi quando descobrimos que estávamos bem perto do centro histórico! Achei tudo perto nessa cidade, andando dá pra conhecer todos os pontos turísticos. O Rodrigo tinha pensado em comprar um bilhete para a gente andar de tram, que passava pelo hotel e também pelo centro histórico, mas no final das contas, a gente acabou fazendo tudo à pé mesmo (só o caminho do centro histórico para a Ponte Carlos que eu achei um pouco mais distante, antes da viagem, olhando o mapa, achei que poderia ser mais rápido ir para lá). Do lado de onde fica o shopping, andamos um pouco e já achamos a torre da pólvora. Trocamos um pouco do dinheiro em uma casa de câmbio ali perto e seguimos. Andando pela rua em frente à torre da Pólvora, repleta de lojas de souvenir e casas de massagem tailandesa, achamos, no final da rua, a Praça da Cidade Velha, cheinha de turistas, com o Relógio Astronômico, as Igrejas e tudo mais. Paramos para comer o trdelnik (um pão de gosto doce, que pode ter recheio ou não, típico de Praga, que é gostosinho, mas não achei lá o doce mais gostoso que eu já provei, não!). Ainda conseguimos chegar em frente ao relógio astronômico em uma hora cheia e assistir a movimentação dos personagens que o rodeiam. A praça fica muito cheia de gente para assistir! É simples, mas se a gente pensar que quando ele foi construído, os recursos eram escassos e mesmo assim ele é perfeito, a gente fica muito surpreso com tudo! Antes de viajar, pesquisei sobre a representação dos personagens e sobre o relógio e achei tudo muito interessante! Continuamos seguindo o fluxo da multidão e as placas das ruas, vielas adentro e fomos parar no bairro judeu. Vimos tudo por fora, não fomos ao cemitério (nunca gostei dessa história de visitar cemitérios, ainda mais os que tem que pagar pra visitar!) procuramos a sinagoga espanhola (que é muito bonita!) e a estátua que foi inspirada em um dos contos de Kafka que está lá pertinho. Voltamos para a Praça da Cidade Velha e dali fomos andando, seguindo o fluxo e procurando as indicações das placas de rua, até chegar na Karlův most (Ponte Carlos). Ficamos por ali um pouquinho, anoiteceu, e voltamos pelo mesmo caminho, até o hotel. Chegando ao hotel, descansamos um pouco e fomos procurar algum lugar para comer. Fomos até o shopping novamente, mas muita coisa já tinha fechado (já passava de 21h) e percebemos que lá os lugares fecham cedo também. Com o wi-fi do shopping, pesquisamos um restaurante que fosse bem indicado e achamos o Kotleta, que ficava pertinho do shopping. Fomos para lá. Ambiente diferente e comida boa. Eu pedi uma salada com pato e o Rodrigo pediu carne de porco com purê. E estava muito bom! A cidade está repleta de lojas de marionete (mas achei tudo caro, apesar de lindinho) e pelo que eu soube, à noite, existem lugares que têm apresentações de teatro negro (com jogo de luz e sombra), mas estávamos muito cansados para procurar e o tempo que passamos lá não foi folgado também, uma pena. Voltamos para o hotel descansar porque no dia seguinte iríamos tentar visitar o famoso Castelo de Praga.
  10. Nós e a cúpula do Reichstag Por dentro da cúpula do Reichstag Descobrindo Nikolaiviertel Nikolaiviertel Ursos em Nikolaiviertel Mais Nikolaiviertel Nikolaikirche Sâo Jorge Às margens do Rio Spree, pertinho da Catedral de Berlim
  11. No dia seguinte acordamos cedo (e dessa vez correu tudo bem) e fomos tentar visitar o Reichstag, novamente (pela segunda vez, já que na primeira nos atrasamos e tivemos que marcar de novo). Dessa vez o Rodrigo, já adaptado à procura de meios de transporte e suas rotas pelo celular, falou que se fôssemos de ônibus seria mais rápido e assim o fizemos e chegamos rapidinho mesmo (tirando uma pequena retenção no trânsito no meio do caminho que me deixou meio tensa) Chegando lá, apresentamos o papel que comprovava o horário marcado na porta e nos deixaram entrar. Passamos por detector de metais e Raio-x para as bolsas e em seguida ficamos em uma fila esperando uma guia que ia nos orientar. Ao chegar todo mundo que estava previsto para o horário, a guia nos levou até a porta e nos desejou uma boa visita (mas hein?!) A segurança lá é enorme e nós só conseguíamos passar pelos locais que nos eram orientados. Após passar pela porta, só tinha um caminho: o do elevador (que dava pra morar lá dentro de tão grande e chique!). Subimos e só tinha um caminho que poderíamos seguir: o de pegar o áudio-guia. Pedi os áudio guias em português e o rapaz nos deu e passamos pelo lado de fora, onde tem a cúpula. O áudio guia era em português de Portugal, foi engraçado ter que ouvir desse jeito. Tiramos várias fotos pelo lado de fora pra depois iniciar a visita pela rampa da cúpula. Assim que você começa a subir, o áudio guia recebe um sinal (que eu acredito que seja algum dispositivo no chão) e o mesmo começa a falar sozinho. Á medida que a gente vai andando e passando por outros pontos, ele começa outro texto. Achei tudo muito interessante (OBS: não ande correndo, senão ele “pula” para a “faixa seguinte” antes de terminar aquela que se está falando!). O áudio guia vai explicando sobre o prédio em que estamos e sobre todos os outros que se encontram ao redor, que dá pra ver pelo vidro. É muito legal. Ao chegar lá em cima, mais explicações sobre a estrutura do prédio, toda moderna, e depois de um breve descanso, descemos e tinha mais explicações na descida! Quando chegou ao final da rampa, terminada a gravação do áudio-guia, saímos pelo único caminho que nos era possível, até a porta de saída. Existem outras visitas pelo prédio do legislativo, mas optamos por essa, só pela cúpula, que já é bem legal e curta, o que nos agrada bastante, já que não somos tão curiosos a respeito da política alemã. Depois de visitar o Reichstag, passamos em algumas lojinhas de souvenir e depois voltamos para o hotel, para deixar as coisas lá. Encontramos uma loja de blusas perto do hotel com promoção, o que foi muito legal, já que o Rodrigo queria comprar uma blusa da Alemanha pra ele! Fomos procurar algum lugar para almoçar e o Rodrigo viu uma indicação no TripAdvisor, de um restaurante que estavam falando muito bem, de massas (meu sistema gatro-intestinal ainda não estava totalmente bom devido ao choque com a comida e o tempero alemão), que ficava dentro de uma galeria (a galeria kaufhof), perto da torre de TV. Entramos na galeria e procuramos daqui e dali e nada... até que achamos no cantinho (a gente até acha que é a galeria mesmo, mas é o espaço do restaurante) e resolvemos experimentar. O nome do restaurante é Sapori Italiani e realmente estava muito gostoso. Eu comi uma massa com salmão e o Rodrigo uma massa à bolonhesa. Após almoçar, seguimos rumo a uma indicação que li antes da viagem e que, se tivéssemos tempo, iríamos lá visitar. É a parte da cidade onde ela “surgiu”. Tirei as dicas de um blog chamado “simplesmente Berlim”: O Nikolaiviertel é uma área com cara de cidadezinha medieval que se localiza às margens do rio Spree, próximo à Rotes Rathaus (Prefeitura de Berlim) e à Catedral de Berlim. É a área mais antiga de Berlim, sendo onde a cidade se originou. Na Idade Média, esta área era uma rota de comércio e os comerciantes e artesãos se estabeleceram ali, na junção do rio Spree com a estrada. Com isto se desenvolveu um povoado com duas áreas centrais: Berlim, o povoado maior que ficava ao leste da margem do rio Spree e Cölln que ficava em frente da vila Berlim. Com o tempo as duas áreas cresceram a acabaram se fundindo. Dados exatos sobre o “nascimento” de Berlim não existem e como documentos datados de 28 de outubro de 1237 mencionam Cölln pela primeira vez, esta é a data que é considerada o nascimento da cidade e assim este é o dia em que se comemora o aniversário de Berlim. O Nikolaiviertel, com a igreja e suas casas antigas, havia sido preservado durante séculos até que ataques aéreos na Segunda Guerra Mundial o destruíram, permanecendo por muito tempo uma área em ruínas. Somente em 1981, por causa dos preparativos para o aniversário de 750 anos de Berlim, o governo da Alemanha Oriental (a área fica onde era Berlim Oriental) iniciou a sua reconstrução, sendo finalizada em 1987. Os poucos prédios que existiam foram restaurados e com base em modelos históricos novas casas e ruas foram construídas. O Nikolaiviertel é hoje uma mistura de alguns prédios históricos e réplicas de construções antigas. O Rodrigo pesquisou no Google como poderíamos chegar lá e descobriu um ônibus que passava por uma rua perto da Alexanderplatz, chamada Otto-braun-strasse. Fomos para o ponto do ônibus e nada deste passar. Quando passou, o ponto já estava lotado de gente e todos entraram no ônibus e este ficou lotado. Não pegamos, até porque achamos que não era o nosso ônibus, pois apesar de ser o mesmo número, tinha escrito outra coisa nele, mas depois descobrimos que servia também. Já estava quase falando para o Rodrigo para desistirmos de ir lá, quando veio outro ônibus não tão cheio e conseguimos entrar. Descemos no lugar indicado, onde tem uma pracinha, com uma escada para descer para um lugar mais rebaixado. Descemos e qual não foi a nossa surpresa, ao andar mais um pouquinho, entre as casas e as construções?! Um lugar lindo e bucólico, com praça e casinhas lindinhas, e igreja. Se eu tivesse desistido de ir, me arrependeria! Ficamos um bom tempo por ali, andando entre as casinhas e tirando fotos. Tinham grupos de estudantes fazendo passeios pelo local também. Andamos até o Rio Spree e ficamos mais um pouquinho admirando o lugar e a estátua de Sâo Jorge, que parece que vai ganhar vida a qualquer momento. Voltamos para a frente da igreja, na praça, nos sentamos e ficamos descansando um pouco, observando o movimento. Não visitamos a igreja (que virou um museu), pois descobrimos que o Berlim Welcome-card só dava direito a 20% de desconto na entrada e não estávamos muito animados com a visita ao interior dessa igreja que virou museu. Ficamos curtindo a fossa do último dia na cidade, pois no dia seguinte partiríamos, e conversando sobre o que tínhamos visto até então. Não visitamos muitos lugares que poderíamos ter visitado (com mais dias, acho que daria pra ver tudo com folga), mas tudo o que conseguimos fazer em Berlim gostamos muito! Voltamos andando, pela margem do rio Spree, até a Catedral de Berlim novamente, onde achamos a sorveteria, comemos mais um sorvetinho (estava fazendo calor!) , e voltamos de tram dali para o hotel. Descansamos mais um pouquinho no hotel, já que estava um tanto cedo para comer alguma coisa e acabamos perdendo a hora... Ficamos indecisos sobre o que jantar naquele dia e lembrei que passamos por um restaurante, perto do hotel, chamado kartoffelhaus (tipo “casa da batata”) e achei muito interessante e quis comer lá. O Rodrigo deu a sugestão de voltarmos naquela praça com os restaurantes, do primeiro dia, mas tenho certeza que se fossemos lá, ficaríamos rodando a praça, sem saber onde comer. Já passava das 22h e o nosso medo era que os restaurantes fechassem (lá são poucos os que funcionam até tarde, depois das 23h) e a fome já apertava e a gente poderia ficar sem ter onde comer, ou ter que comer um lanchinho pequeno, menor que nossa fome! Rumamos para esse restaurante e eu pedi um schnitzel com salada e batata, que estava muuuito bom (mas não aguentei comer tudo, meu estômago definitivamente não vai com a cara da comida alemã) e o Rodrigo pediu novamente Currywurst, que a porção era grande também! A parte mais engraçada desse restaurante, é que sentamos nas mesinhas do lado de fora e, assim como nós, várias pessoas estavam ocupando aquelas mesinhas, quando de repente vimos uma ratazana correndo de um canteiro para o outro, próximo da gente. Ficamos apavorados, mas... O que fazer?! Já tínhamos pedido a comida e se saíssemos de lá, não sabíamos se encontraríamos outro restaurante aberto, por causa da hora. Tinha um rapaz próximo a gente que sinalizou que também tinha visto a ratazana e que ela era grande, mas continuou no mesmo lugar. E assim o fizemos também, rezando para a ratazana não querer ir pra perto da gente! Comemos nossa comida, enquanto isso, as outras pessoas foram terminando, pagando suas contas e saindo, e nós fomos os últimos a sair de lá, mas não vimos mais a ratazana... E foi aí que, conversando, percebemos que não vimos nenhum gato pelas ruas de Berlim... Nem no parque! Será que é por isso que os ratos estão à solta?! Na Alemanha também avistamos muitos corvos, dividindo os espaços com os pombos... E achei muito diferente, pois não tinha visto ainda nenhum corvo de perto (lembrei de alguns desenhos animados de antigamente, que tinham corvos como personagens) e eles fazem um barulho característico, que nos acompanhou durante toda a viagem, nas nossas andanças por lá! Outro detalhe que queria comentar também é que a grande maioria da população alemã anda de bicicleta pela cidade e as ciclovias são bem estruturadas e todo mundo se respeita. É muito bacana ver como tudo funciona bem! Adorei ver essa parte! Bem, depois de matar a fome, fomos procurar onde era o ponto do ônibus que pegaríamos no dia seguinte (e graças aos céus era bem pertinho do hotel) e fomos descansar novamente, pois no dia seguinte, viajaríamos cedo para Praga.
  12. Alexanderplatz Tram em Alexanderplatz As costas da Berliner Dom Descansando na Ilha dos museus enquanto Rodrigo tirava fotos A frente da Berliner Dom O Pergamon é um tanto escondido, o último da ilha, e está em obras. Pergamon - Porta de Ishtar Pergamon - Portão do Mercado de Mileto Pergamon - História do Assírios Pergamon - mais Assírios Pergamon - No segundo andar: cultura islâmica Nós no Neues Museum Gendarmenmarkt (na foto, a casa de concertos com uma das catedrais) Neue Wache (Pietá)
  13. Bem, realmente no dia anterior fizemos muuuitas coisas e ficamos bem cansados! Crianças, não façam isso! Mas confesso que ficamos um pouco empolgados no primeiro dia! No dia seguinte, quarta-feira, visitamos a Alexanderplatz somente para fazer algumas fotos (já que a toda hora estávamos lá entrando ou saindo do metrô/trem, passando por lá) e nesse dia encontramos alguns pedintes (refugiados?!) nos abordando... Eles tinham até discurso em inglês, mais chatos e mais bem vestidos que os pedintes brasileiros... Tratamos de sair rápido de lá (estava uma situação um tanto chata) e fomos em direção a ilha dos museus. Nesse dia eu queria conhecer muito algum museu e, se possível, 2, mas não sabia se o tempo ia permitir! Tinha escolhido o Pergamon (onde você encontra antiguidades mostradas com suas devidas proporções, como o Altar de Pérgamo, o qual da o nome ao museu, mas que infelizmente não pode ser visitado no momento; uns dos portões de acesso da cidade da Babilônia; o Portão do Mercado de Mileto; entre outros) ou o Neues Museum (que tem o busto da Nefertiti) Dá pra ir à pé da Alexanderplaz até a Catedral e de lá até a Ilha dos Museus, mas é uma boa caminhada... Ou se pode pegar o tram da Alexanderplatz até o meio do caminho também. Passamos rapidamente pela loja do Ampelmann (o homenzinho do sinal de trânsito), mas é tudo muito caro! E, em seguida, continuamos nossa jornada. Paramos na Catedral de Berlim (Berliner Dom), vimos que pertinho estava o museu do DDR (se tivéssemos tempo, poderíamos visitá-lo também) , tiramos várias fotos por ali e mais na frente, na ilha dos museus também. Eu entrei na Catedral para ver como ela é por dentro, mas o Rodrigo optou por ficar descansando e esperando do lado de fora. E o lado de dentro é tão lindo e suntuoso quanto o de fora! Em seguida, rumamos para o Pergamon. Com o Berlin WelcomeCard (o que dá direito à ilha dos museus) que compramos, entramos direto e sem pagar ingresso. Deixamos a mochila do Rodrigo no locker e seguimos para a visita (atenção para os Brasileiros que não estão acostumados com isso: Para o locker funcionar, você deve inserir uma moeda de 1 ou 2 Euros e só assim ele tranca e você pode levar a chave consigo. Quando você vai pegar suas coisas novamente, ao final da visita, ao girar a chave para abrir o armário, ela libera sua moeda e você consegue reaver seu dinheiro e suas coisas... País desenvolvido é outra história! Ficamos um tempinho tentando descobrir como era o esquema, igual a dois patetas, não precisa nem explicar, né?! E o pior é que antes de viajar, eu tinha visto um vídeo sobre isso, falando dos carrinhos de supermercado, que são no mesmo esquema, que o cliente só consegue tirá-lo do lugar quando insere a moeda e quando o coloca no seu lugar novamente, consegue a moeda de volta... Mas eu nem associei o mercado com o locker do museu!) Eu simplesmente amei o Pergamon... Os portões da Babilônia e o Portão do Mercado de Mileto, em suas proporções gigantescas são de cair o queixo... Adorei ver a parte dos Assírios também... Tudo inimaginável dentro de um museu para mim, até então! Demoramos tanto nessa visita, vendo cada detalhe, que quando vimos, já passava das 15h e nem tínhamos almoçado (e a fome apertou). Vimos o segundo andar meio correndo (sobre a cultura islâmica) e saímos em busca de algo pra abrandar a fome. Encontramos em frente às costas da Catedral (em frente ao Rio Spree), uma lanchonete que vendia Currywurst a preços baratos (e estava gostoso, não sei se era a fome!), naquele pratinho de papelão. Comemos satisfeitos, mas meio incomodados pelas vespas (A Alemanha é cheia de vespas que parecem abelhas e ficam importunando muito a gente!) e depois ainda tomamos um sorvetinho em uma sorveteria do lado. Voltamos para a ilha dos museus, e já era 17h. Eu achei que não conseguiríamos mais entrar em museu nenhum, mas o Rodrigo foi perguntar na porta do Neues Museum e eles viram nosso Berlim Welcomecard e nos deixaram entrar. Vimos algumas coisas um pouco corrido, sem tempo de ficar apreciando.. Até chegar no busto da Nefertiti Geeennnteeemmm... ela é linda mesmo! Pena que não pode tirar fotos! Após algum tempo apreciando, fomos ver outras partes do museu meio corrido novamente, até que ouvimos o sinal dizendo que o museu ia fechar em 15 minutos e fomos nos dirigindo à saída. Não conseguimos ver o tal do “Chapéu de Ouro de Berlim”, que também é peça importante desse museu... mas convenhamos, a Nefertiti é mais! e fiquei satisfeita com nossa visita! Como o dia ainda estava claro, perguntei ao Rodrigo se ele não queria ir conhecer outro lugar famoso de Berlim... E nós pegamos um tram perto dos museus e fomos até a Bebelplatz , que foi palco de queima de livros na época do nazismo e hoje há uma placa de vidro no chão que revela, sob a praça, prateleiras de livros vazias.... Por ali também fica a Universidade Humboldt, onde estudaram Karl Marx, Albert Einstein... Porém qual não foi nossa surpresa ao chegar lá e encontrar uma obra com tapumes, que tomavam grande parte da praça. Andamos por todos os lados e não encontramos essa placa de vidro... vimos turistas que estavam procurando, assim como nós... e desistimos... visitamos a Neue Wache , que fica ali perto (ou “Memorial Central da República Federal da Alemanha para as Vítimas da Guerra e da Tirania”. Dentro do prédio há uma única escultura: de uma mãe com seu filho morto no colo) e fomos à pé até a Gendarmenmarkt, perto também, onde no centro há a Konzerthaus (Casa de Concertos) e ao lado as praticamente idênticas Französischer Dom (Catedral Francesa), à direita e a Deutscher Dom (Catedral Alemã), vimos todas por fora. Aquela região parece muito bonitinha, mas com uns restaurantes com cara de caros também! Saímos de lá via tram novamente e fomos para perto da Alexanderplatz novamente. O Rodrigo achou pelo TripAdvisor um restaurante de massas e pizzas, do estilo "monte seu prato", chamado Vapiano, que não era muito caro e que as pessoas estavam falando bem dele, perto da torre de TV (ou seja, perto de nós) e fomos lá conferir. Pedimos pizza, que realmente estava muito gostosa e valeu a pena! O ambiente do lugar também é bem agradável. Depois disso, voltamos para o hotel para descansar novamente, pois no dia seguinte tinha mais!
  14. Reichstag pelo lado de fora. Portão de Brandemburgo Topografia do terror O que sobrou do muro, espalhado pela cidade Sony Center Memorial do Holocausto Tiergarten Memorial de Guerra Soviético Brincando com o sensor, na passagem que vai para a Coluna da Vitória Coluna da Vitória Local indicado que é bom para selfies em frente a Coluna da Vitória (uma boa dica!) Kaiser Wilhelm Gedächtniskirche Infelizmente estava fechada e eu só pude espiar pela grade Oberbaumbrücke East Side Gallery Rio Spree, anoitecendo
  15. Oi Juliana! Vi o seu relato e gostei bastante. Sei que foi há bastante tempo, mas ainda está empolgando! Obrigada por compartilhar! Abraços!
  16. No dia seguinte era dia de conhecer o Reichstag e tudo o que se encontra perto dele. Tínhamos reservado horário para a visita, por volta de 9:30 (o melhor horário disponível pela parte da manhã, quando fomos reservar on line), mas nos atrasamos para levantar da cama e ficamos meio perdidos procurando qual o melhor meio de transporte pra ir (fomos em um guichê de informação na estação de trem de Alexanderplatz, e a pessoa que estava lá, era uma senhorinha que não falava inglês, mas entendeu o que a gente queria e indicou coma mão o número 4, que era a plataforma... Mas o Rodrigo foi olhar no Google e achou outra informação, então ficamos na dúvida e procurando se tinha outra informação mais concreta. Acabou que pegamos o trem da plataforma 4 mesmo, e o local que o trem nos deixava, era um tanto distante, tivemos que andar um pouquinho para chegar ao Reichstag, mas vimos um pouco da cidade, uma paisagem bem bonita...) e acabamos chegando uns 10 minutos atrasados. Como na Alemanha é tudo muito certinho, decidimos por não tentar usar o "jeitinho" brasileiro pra entrar e ir no guichê ver se tinha outros horários disponíveis. Haviam horários disponíveis à noite, e na quinta-feira pela manhã, reservamos novamente na quinta de manhã. Tiramos, então, algumas fotos do lado de fora (é um prédio muito bacana) e fomos em direção ao Portão de Brandemburgo, pertinho. Tiramos mais fotos (só que tinha um caminhão levando umas pessoas lá em cima do Portão de Brandemburgo –será manutenção?!) e isso atrapalhou um pouco nossas fotos! O nosso próximo ponto de visita era o Memorial do Holocausto, mas ao Rodrigo jogar no Google para ver o caminho que tínhamos que andar pra chegar lá, o Google o enviou para um museu, que ficava mais longe e ele reclamou que era longe... Achei estranho, pois tinha deixado tudo que era pertinho pra ver uma coisa atrás da outra e lembro de ter visto algumas pessoas comentarem que era pertíssimo do portão, mas pensei que depois a gente iria lá ver. Seguimos para o Check Point Charlie, passamos pelo Reichsluftfahrtministerium ( Esse prédio era o Ministério da Aviação do Reich durante o período da Alemanha Nazista, sendo o maior edifício de escritórios de toda a Europa na época. O ministério era dirigido por Hermann Göring e era responsável pelo desenvolvimento e produção de aeronaves para a Força Aérea Alemã (a Luftwaffe). Foi um dos poucos edifícios que sobreviveram aos bombardeios aéreos dos aliados em Berlim e após o final da Segunda Guerra Mundial o edifício passou a desempenhar o papel de Casa dos Ministérios da República Democrática Alemã (RDA). Desde 1999, após a reunificação, ele é a sede do Ministério das Finanças Alemão (Bundesministerium der Finanzen)) Tinha um pequena exposição na frente, mostrando vídeos com a história da Alemanha, dentre primeira Guerra, nazismo, segunda Guerra e divisão de Berlim, muito interessante, tiramos algumas fotos, seguimos para a Topografia do Terror (muito interessante também), e em seguida fomos para a Potsdamer Platz (Sony Center), muuuito interessante, tudo muito moderno. Resistimos ir conhecer a Legoland e deixar para quando tivermos nossos filhos, voltarmos lá com eles! Muito próximo tem alguns pedaços do muro de Berlim em exposição nas ruas também. Almoçamos em um Pizza Hut (minha tentativa de fugir do tempero alemão) próximo ao Sony Center e seguimos passeio. Descobrimos que o Google estava tentando nos trollar com relação ao Monumento ao Holocausto e fomos para lá, conhecer. Não vou dizer que me senti emocionada ao estar nesse lugar, mas a sensação é estranha e há muito o que se refletir sobre isso. Voltamos ao Portão de Brandemburgo e tiramos mais fotos, dessa vez sem o caminhão atrapalhando! Seguimos, então, para conhecer a Coluna da Vitória. Eu convenci o Rodrigo a ir á pé, por dentro do Tiergarten e depois eu mesma me arrependi por causa da distância que andamos! Hehehehe. Fiquei na esperança de ver algum esquilo no Parque, mas não consegui! Mas o mais interessante é que no meio do caminho avistei o Memorial de Guerra Soviético e fomos lá visitar. Era algo que, a princípio, não nos tinha chamado atenção para visitar antes da viagem, mas estando lá, em frente, achamos legal ir conhecer! E depois continuamos nossa jornada rumo a Coluna da Vitória! Chegando lá, passamos pela passagem subterrânea para chega a coluna da Vitória que tem um sensor de movimento e acende umas luzes, muito legal! Na coluna da Vitória, tiramos muitas fotos, mas não ficamos muito animados de subir tantos degraus pra ver a vista lá de cima não. Achei interessante que em frente a coluna tem um ponto que foi pintado no chão, que indica o melhor ponto para se tirar um selfie dali! Legal! Terminados os lugares próximos que poderíamos visitar, mas ainda com sol iluminando tudo, fomos à procura de outros lugares que poderíamos visitar. O Rodrigo pesquisou na internet qual o meio de transporte que poderíamos sair dali para outros lugares (o que é um pouco difícil naquela região) e descobriu um ônibus, que nos levou até a região da Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche, a igreja que foi bombardeada na segunda Guerra e não foi mais reconstruída. Chegamos lá e a parte antiga já estava fechada, mas ainda conseguimos ver uma parte do mosaico pelo vidro... Não sabemos se estava fechada porque chegamos tarde ou se era devido a um evento de rua próximo, que estava acontecendo. E visitei a igreja nova, que apesar de moderna e simples, é interessante. Ainda estava claro e o Rodrigo pesquisou como poderíamos sair dali e ir no East Side Galerie, seria a última visita antes do dia terminar, já que já ia escurecer logo. Primeiro “perrengue” da viagem: Pegamos o metrô e, por um descuido de observação, pegamos ele indo para o outro lado. O vagão só tinha mais um casal e na próxima estação eles desceram correndo e nós ficamos e achamos meio estranho, parecia tudo bem vazio... O metrô continuou andando até que... foi para o túnel e parou... e nós ficamos desesperados! Como alguém ia saber que nós estávamos presos dentro do metrô, estacionado dentro do túnel?! Pra quem ligar nessa situação ?! O que fazer?! Rodrigo e eu começamos a apertar todos os botões de emergência do vagão (a porta entre um vagão e outra estava trancada, não dava pra passar de um para outro) e quase que ele usou a machadinha de emergência para quebrar o vidro... Foi quando um funcionário passou pelo nosso vagão (e começamos a falar para ele nos socorrer) e ele falou alguma coisa em alemão e em seguida... o metrô começou a andar pelo outro lado de novo... Ufa! Ficamos aliviados e sentamos quietinhos, fingindo que nada tinha acontecido, quando outras pessoas começaram a entrar no vagão e nos olhar com cara estranha (afinal, o metrô tinha acabado de sair do túnel, na última estação, não foi?!) Mas acontece que esse metrô era muito do mal e não foi só isso que nos aconteceu... quando já estávamos quase chegando na estação final, onde tínhamos que descer, foi falada uma mensagem em alemão e inglês no alto-falante e a gente não entendeu direito o que era. E o metrô parou na estação e quando voltou a andar, voltou a andar na direção contrária... Como assim?! Estávamos voltando! Descemos do metrô e o pegamos indo novamente... e novamente a mesma mensagem e ele começou a voltar... Mas dessa vez entendemos que tinha acontecido alguma coisa no meio do caminho entre as estações. Pegamos ele indo novamente, descemos naquela última estação que ele parava antes de voltar, e encontramos algumas placas sinalizando que tinha outro meio de transporte... fomos seguindo as placas e também as pessoas que iam para o mesmo caminho. No final do caminho, um ônibus. Todo mundo subiu nele (e quando eu achava que ele iria nos levar até a última estação, que era a que a gente tinha que descer) e ele nos levou até a próxima estação, e tivemos que subir e pegar o metrô novamente! E o resto do caminho (que a essa momento já era curto), foi tranquilo. Descemos do metrô e já estava escurecendo, depois dessa jornada toda! Fomos rapidamente até a Oberbaumbrücke, tiramos algumas fotos e depois rapidamente novamente até o East Side Galery, pertinho, onde andamos e tiramos fotos, e encontramos alguns pedintes também... Como já tinha escurecido, e é uma região com alguns pedintes, tratamos de não ficar muito tempo por ali e voltamos andando até a ponte. Eu tinha visto algumas recomendações de uma lanchonete que vende uns hambúrgueres muito bons ali por perto, mas quando chegamos no lugar, a fila era simplesmente imeeensa e os lugares pra sentar, pouquíssimos... Como estávamos bem cansados, resolvemos procurar um outro restaurante no local (achamos alguns variados, próximo) e resolvemos comer comida mexicana, que o dono era indiano, mas tudo bem, estava gostoso, apesar de um pouco diferente do que o que a gente está acostumado de comida mexicana aqui no Brasil (o meu taco mais parecia uma lasagna!) Em seguida, traumatizados com o metrô, pegamos o trem para voltar ao hotel e fomos descansar, pois no dia seguinte teria mais!
  17. Após uma longa viagem de avião (e eu nunca consigo dormir bem em viagens de avião), pela Lufthansa (que foi tão boa quanto a TAP, com televisãozinha com filme, comida que não foi das piores e bom serviço de bordo, sem sumiço da bagagem – o que também é muito importante), fazendo conexão em Frankfurt, iniciamos o vôo às 22h e conseguimos chegar no aeroporto de Berlim por volta de 17h no dia seguinte. O Rodrigo e eu tratamos de procurar um stand que vendia o Berlin WelcomeCard (do que dava pra passear em qualquer meio de transporte por 3 dias e ainda dava desconto em algumas atrações, principalmente os museus da ilha dos museus) e quase que andamos o aeroporto todo a procura disso (essa parte não é muito bem sinalizada). O Rodrigo também comprou um chip para o celular que dava direito a 1giga de internet na Alemanha, para que a gente pudesse pesquisar melhor os meios de transporte que poderíamos usar na cidade, para chegar aos locais. O chip ele encontrou em uma loja de artigos eletrônicos (ele ficou procurando uma loja específica, mas acabou achando só em uma loja que vendia muita coisa diferente e não só celular) e nos ajudou bastante! Em seguida fomos procurar onde tinha um ônibus que nos levaria ao hotel e ao entrar em uma fila para o guichê dos ônibus, uma funcionária com uma maquininha nos abordou na fila mesmo e nos deu a informação necessária e nos vendeu o ticket (iríamos começar a utilizar o Berlim Welcome card só no dia seguinte). Ela já era uma senhora e quando perguntamos, disse que não sabia falar muito bem o inglês, mas até que falou bem demais pra quem não sabe! Eu lembro que o ônibus que a gente pegou tinha escrito TXL, não lembro maiores informações sobre ele. Mas não sei se a gente que não entendeu quando ela explicou, ou o que foi que aconteceu, o ônibus foi até a Hauptbahnhof (Estação Central de Trens) e fez ponto final ali, todo mundo do ônibus desceu. Descemos também, vimos que estava longe do nosso destino e entramos na estação. Pedimos informação no posto de informações e nos falaram qual o trem que poderíamos pegar para chegar perto do hotel, só mais umas 2 estações mais a frente, e que o nosso ticket comprado também valia para o trem (tínhamos validado ele dentro do ônibus). Pegamos o trem e logo fomos abordados por um fiscal, para olhar nosso ticket e o dos outros passageiros. Ainda bem que estávamos certinhos! O hotel que nos hospedamos fica perto da Alexanderplatz, uma praça grande e famosa de Berlim. Ficamos perto também da torre de TV, um dos símbolos da cidade, dá pra ver ela da cidade toda! Descemos do trem na Alexanderplatz e fomos andando até o hotel, o H2 Hotel Berlin-Alexanderplatz , um hotel muito bom, quarto pequeno, porém confortável e café da manhã muito bom! Também deixei a escolha dos hotéis um pouco mais a cargo do marido, já que das últimas vezes que tentei o convencer a ficar hospedado em hostels, para baratear mais as viagens, não deu muito certo, já que ele gosta de um pouco mais de conforto e um bom café da manhã de hotel (e quem não gosta?!). Só fiz uma exigência: que os hotéis não ficassem tão afastados dos centros, como aconteceu em nossa viagem para Portugal (não foram hotéis ruins e nos viramos bem indo ao centro histórico de ônibus nessa viagem a Portugal, mas ele escolheu hotéis mais distantes justamente para ficar mais barato, mas eu confesso que fiquei um pouco cansada das locomoções). Tivemos bastante dificuldades para achar hotéis mais baratos e perto dos centros, mas foram boas escolhas as que fizemos! Como chegamos no hotel já perto das 19h, tratamos de deixar nossas coisas no quarto e procurar um local para comer. Perguntamos, e o funcionário do hotel nos recomendou dois lugares: O Hofbrauhaus Berlim, que ficava pertinho (mas achamos um pouco caro e muito cheio!) e uma praça, que ficava um pouco mais distante (caminhamos mais ou menos uns 15 min) e que tinha várias opções de restaurantes, mais em conta. O nome da praça é Hackeshermarket e a achamos bem bacaninha. Jantamos em um restaurante chamado 1840, que tinha comida local a um bom preço. Eu pedi um prato com almôndegas de Berlim com salada de batata (duas enormes almôndegas que nem aguentei comer tudo!) e o Rodrigo pediu um prato de Currywurst com batatas fritas, comida muito facilmente encontrada em toda a Alemanha. O problema é que desde essa refeição, eu não me dei muito bem com a comida de Berlim. Achei o tempero muito picante pra tudo o que comia - e não estou acostumada - e ficava com dor de barriga e estômago embrulhado e reclamando todo dia... Nesse dia comi essas almondegas, mas fiquei "conversando" com elas até o dia seguinte, por volta da hora do almoço. Graças a Deus essa indisposição ainda me permitia passear durante o dia, mas depois de notar que eu ia ter problemas com a comida, comecei a tentar pegar mais leve, o que me rendeu uma frustração (queria comer muita comida local! ) e a perda de alguns quilinhos, que depois foram readquiridos quando consegui comer melhor! Nesse dia estava bem frio (principalmente à noite), mas nada absurdo, e foi o dia mais frio que passamos durante a viagem. Voltamos para o hotel e apesar da vontade de começar a passear logo, fomos descansar e nos recuperar da viagem de avião que sempre é muito cansativa!
  18. Olá amigos do Mochileiros.com! Novamente grata por todas as informações colhidas por aqui, posto esse relato de nossa mais recente viagem pela Alemanha (passando rapidamente pela República Tcheca também), por mais ou menos 11 dias (tirando os dias que passamos no avião). Foi a quarta viagem que realizamos por conta própria, para nossa felicidade. Antes de tudo, inicio meu relato contando que a minha ideia era planejar uma viagem pela Itália, mas devido à situação econômica não tão favorável, mudamos o roteiro para que ficasse mais barato... E como sempre foi uma vontade do meu marido conhecer a Alemanha e nossa vontade também conhecer Praga, planejamos essa viagem que acabou saindo uma viagem muito legal, pra gente guardar no coração e na memória! Só para reclamar um pouquinho: Senti falta de ler mais relatos de viagem por aqui sobre esses destinos. Existem tópicos muito interessantes sobre as cidades, mas sou viciada em ler relatos de viagens e dentre os poucos que existem, vários estão incompletos... E por falar nisso: Vou fazer o possível para eu não entrar nas estatísticas aqui de relatos incompletos também! Antes de mais nada, também, algumas considerações: Essa viagem começou com um pouco de preocupação (além da situação econômica não tão favorável, ainda teve episódios de familiares doentes e precisando de ajuda e por isso demoramos um pouco mais para comprar as passagens e reservar quartos de hospedagem (e tudo com cancelamento incluído, para se algo desse errado), mas tudo correu bem, graças a Deus! Por esse motivo, perdemos uma promoção de passagens pela TAP (que voamos pelas últimas vezes), e ficamos tristes, mas conseguimos uma promoção pela Lufthansa, o que nos salvou. Descobrimos que nosso último dia de viagem era praticamente o primeiro dia da Oktoberfest em Munique (mas peraí, não era em Outubro?! Não, começa em Setembro, mesmo! Mas como não bebemos cerveja, não ficamos tristes, só um pouco preocupados, pois foi um pouco difícil conseguir hospedagem e acabamos achando um pouco afastado do centro histórico, mas acabou sendo muito boa hospedagem!) Reservamos um horário para a visita no Reichstag, para visitar a cúpula, que só se consegue se reservar horário (é gratuito) e reservamos também um horário para o Castelo de Neuschwanstein, pois eu queria muuuito conhecer e não queríamos dar o azar de depois de muito custo, ao chegar lá, não ter horário disponível! Os tickets só podem ser comprados na hora no Ticket Center, mas é possível reservar um horário com antecedência online por uma taxa extra, de 1.80 Euros por pessoa, por castelo, sendo que se perder o horário reservado, parece que eles cobram o preço do ticket no cartão do crédito. Acho que foi só isso que tivemos que reservar com antecedência. Tivemos um pouco de sorte para trocar os Euros, pois o câmbio não estava favorável, até a notícia da saída da Inglaterra da união Européia, quando o Euro abaixou e nós aproveitamos para trocar bastante! Li muitos blogs, os Mochileiros.com e assisti vlogs de viagens sobre a Alemanha antes de ir e em vários deles, se dizia que na Alemanha é difícil os lugares comerciais aceitarem cartões de crédito (diziam que até em supermercados não se aceitava). Ficamos muito preocupados e eu queria levar muuuuito dinheiro, mas meu marido ficou preocupado de levar tanto em espécie e resolveu arriscar. Acabou que deu certo, pois os estabelecimentos médios e maiores aceitam cartões, só as lanchonetes, padarias, jornaleiros, etc é que não aceitavam. Até lojinha de souvenir maiorzinha também aceita cartão! Embora o cartão não seja também a melhor opção, devido ao IOF, sempre rola uma preocupação em levar uma grande monta em espécie! E os alemães são muito gente boa! São reservados e diretos, mas são gente boa! O mais engraçado é que se a gente floreava um pouco pra explicar uma situação, ao pedir uma informação, eles logo perguntavam no estilo: "afinal de contas, o que a vocês querem?!" Mas assim como acho que os Espanhóis também não são grossos, são diretos, os alemães também não compartilham desse "mimimi" que nós, os brasileiros, estamos acostumados e por isso o choque cultural. E a grande maioria deles fala inglês (os mais jovens, então, diria que 100%). Tivemos algumas situações que a comunicação foi difícil, pela pessoa não saber falar inglês, ou a gente também demorar pra entender o que estava sendo dito, mas no final, até com um pouco de mímica, deu tudo certo! Teve até uma moça que, em Berlim, veio nos pedir informação em alemão, sobre onde era o ponto do ônibus e ao informar que não falávamos alemão, ela nos perguntou em inglês e a gente que a ajudou a se encontrar. O Rodrigo, meu marido, estudou o basicão de alemão, mas não dava pra ter uma conversação na língua deles, teve que ser em inglês, mesmo... E ele que me salvou no inglês, pois nesse quesito, eu não estou lá muito fluente (que tristeza!) A idéia de visitar Praga veio depois que vi um vlog de viagem dando dicas de como deixar sua viagem mais barata (e eu estava vendo se faltava mais alguma coisa que pudéssemos fazer pra isso!) e no vlog a dica era tentar visitar cidades perto, como um "bate-volta" ou um 'pit-stop" e a dica era Berlim-Praga-Outra cidade... e me deu um estalo que poderíamos fazer isso com Berlim-Praga-Munique, já que Praga fica no meio do caminho, e nós sempre tivemos vontade de conhecer (só que eu, não sei o porquê, achava que era um sonho meio distante). Também vimos em vlogs/blogs de viagem, recomendando viajar de ônibus pela Alemanha, de uma cidade a outra, pois em muitas das vezes, o preço saía mais barato e as estradas são maravilhosas... E resolvemos pesquisar e realmente conseguimos baratear um pouco mais a viagem (agora não lembro quanto que foi a diferença, pois isso ficou a cargo do meu marido... Mas lembro que a gente conseguiu melhorar o custo!). Bem, acho que por enquanto, é só... E vamos ao que interessa: o relato da Viagem!
  19. Obrigada cesareller e maremontanha pelas dicas! Abraços!
  20. Agradeço por você compartilhar as informações por aqui! Estou fazendo uma pesquisa sobre como visitar esse castelo numa futura viagem!
  21. Agradeço por compartilhar as informações de sua viagem conosco! Estou procurando informações sobre viagem para a Alemanha: Berlim e Munique
  22. Plaza de Toros Colônia Del Sacramento - entrada Colônia Del Sacramento - Farol Colônia Del Sacramento - Uma casinha portuguesa ao lado de uma espanhola Colônia Del Sacramento - O Rio de la Plata atrás de nós Colônia Del Sacramento - a praça e a igreja ao fundo Colônia Del Sacramento - Calle de los Suspiros, sempre cheia de turistas
  23. E chegamos ao último dia útil da viagem! Aaaahhh... que dó! Dia de visitar Colonia Del Sacramento! Fomos no mesmo esquema de empresa de passeio (mencionado no post anterior, no passeio para Punta Del Este), já que não conseguimos soluções para ir por conta própria, quando ainda estávamos planejando a viagem. Antes de falar sobre esse passeio, vou fazer um adendo falando que nesse dia descobrimos, pelo noticiário, que na sexta (o dia anterior, que enfrentamos muita chuva em Punta Del Este), um tornado atingiu a cidade de Dolores, causando bastante estrago. Nesse momento demos graças aos céus por não termos enfrentado um tornado, mas só chuva, ainda que esta tenha sido forte em muitos momentos, em Punta! De manhã cedo ficamos esperando a van passar no hotel, quando para a nossa surpresa, passou um ônibus (com a guia do dia anterior), que nos levou até uma outra rua larga e então tivemos que trocar para outro ônibus. Os que ficaram naquele iam fazer um city tour, e nós fomos para o outro ônibus que ia para Colonia. Nesse novo ônibus, não ficamos com os últimos lugares e ficamos mais confortáveis, apesar de ainda lá atrás. Tinha um grupo grandinho de chilenos e um indiano passeando junto com os brasileiros (em sua maioria). O guia era bem animado e também falava em espanhol, português e inglês. E ele deu uma atenção até especial ao indiano, já que estava sozinho e era o único que falava inglês... muito legal da parte do guia! Seguimos algumas horas de viagem e o guia também foi explicando algumas coisas sobre o passeio, a região, tudo muito interessante. Paramos em um hotel fazenda no meio do caminho, bem bonito, onde tomamos um café simples e depois seguimos adiante. Entrando em Colonia, a primeira parada foi em uma antiga Plaza de Toros, que só podemos tirar fotos do lado de fora, pois há risco de desabamento, já que está abandonada há anos. Ela foi construída, inaugurada em 1910 e dois anos depois foram proibidas “as corridas”, ficando abandonada... Poxa, é uma pena... Poderiam pegar o exemplo de tantas outras cidades e construir algo que seja por fora a mesma fachada (que é muito bonita), mas por dentro um shopping ou uma casa de shows... sei lá... é uma ideia! Voltamos ao ônibus e este nos levou próximo ao centro histórico. Descendo do ônibus, o guia nos deu um mapa e nos explicou onde iríamos todos nos encontrar mais tarde. Ele foi entrando na cidade e quem quisesse acompanhar, ele foi explicando a história do lugar, que foi dominado por portugueses e por espanhóis, que guerreavam bastante por ali, e o porquê das construções das casas e das ruas, que são diferentes umas das outras. Achei muito legal tudo o que ele explicou sobre a cidade e fiquei encantada com as histórias! O último ponto que ele falou sobre, foi a igreja e dali ele seguiu para um restaurante que iria indicar para a gente. Mas, depois falou que o restaurante não aceitava cartão e como estávamos com o orçamento meio baixo (já no final da viagem), ficamos procurando um restaurante que aceitasse cartão. Encontramos um que aceitava cartão chamado Casa Grande. O ambiente era bem legal e pedimos pratos com carne e acompanhamento (o Rodrigo pediu com batatas e eu pedi com abóbora) . Colocaram as entradas na mesa e vimos chegarem os pratos dos outros clientes e os clientes comerem e irem embora e nada dos nossos pratos serem servidos. Até gente que chegou depois da gente foi servida e foi embora. Colocaram mais entrada na mesa e pediram desculpas por nossos pratos estarem demorando tanto... A essa altura eu já estava mega impaciente, pois queria passear mais pela cidade, mas tínhamos horário para voltar para o ônibus. Expliquei isso ao garçom (que parecia ser mais que um garçom, um gerente do lugar) e ele falou calmamente que daria tempo sim. Fiquei mais nervosa depois disso. Quando finalmente nossos pratos chegaram, a carne, que tínhamos pedido bem passada estava era bem mal passada e não achei gosto nenhum no acompanhamento, sem sabor. Fiquei pensando se demoraram muito para nos servir porque foram matar o boi pra depois fazer o prato! Almoçamos rápido e saímos o quão rápido pudemos do restaurante, muito chateados. Tentamos passear pela cidade no restante de hora que nos sobrou, mas fiquei com a impressão que poderia ter visto mais e ter apreciado mais a cidade com mais calma, se não fosse a demora absurda do almoço! Mas tirando esse estresse, achei a cidade encantadora e me apaixonei por ela! É muito lindinha e vale a pena conhecê-la! Voltamos para o ônibus um tanto atrasados (mas tinha mais gente que chegou depois da gente) e seguimos passeio. O ônibus nos levou a um museu que tinha no meio do caminho, de um homem que colecionava todo e qualquer tipo de coisas, que era até um pouco interessante, mas sem expressão nenhuma também. Junto a esse museu tinha uma lojinha de doces e todo mundo se acabou comprando os doces da lojinha (mas nós fomos comedidos!) Depois, ao tentar seguir viagem, o nosso guia e o nosso motorista descobriram que choveu muito no meio do caminho (embora não tenha chovido na cidade e o passeio tenha sido lindo, choveu na estrada e nos atrapalhou a volta), e uma das pontes que teríamos que passar estava com problemas (não entendemos muito bem o que era) e não poderíamos passar por ela. Eles tentaram pegar informação com a polícia rodoviária, mas parecia que o único caminho viável para voltar a Montevideo era muito maior, levando mais horas para chegar lá. Ficamos um tanto assustados, mas não havia outro jeito. E assim o ônibus seguiu viagem e nós dormimos e acordamos e o ônibus ainda seguia viagem. Eu confesso que fiquei do formato da poltrona do ônibus e bastante ansiosa, pois parecia que não iríamos chegar nunca! O ônibus parou em uma cidade no meio do caminho para quem quisesse ir ao banheiro, ir numa loja de conveniência que tinha nessa cidade e comprar coisas para comer e beber também. O guia tentou fazer da viagem a menos cansativa possível, nos ofereceu água e até nessa cidadezinha da loja de conveniência, comprou um DVD de filme e colocou no ônibus para assistirmos... Achei que o guia e o motorista foram muito profissionais e bem legais nessa parte! Chegamos em Montevideo por volta de 22h , moídos da viagem e ainda tivemos que trocar para uma van menor para esta nos levar até o hotel. Chegamos ao hotel e ficamos pensando em onde poderíamos comer, o shopping a essa altura já estaria fechado. Voltamos ao Don Ciccio (onde comemos pizza outro dia, perto do hotel) e ao invés de pizza, pedimos massa, que estava bem gostosa também! Fiquei pensando que talvez se tivéssemos ido por conta própria a Colonia, talvez não conseguiríamos voltar tão fácil e teríamos que pernoitar na cidade e perder o voo que era no dia seguinte, cedo... Bem, tudo tem o seu lado bom nessa vida! Voltamos ao hotel e fomos descansar. No dia seguinte, arrumamos as coisas, fizemos check out do hotel e este pediu para nós um táxi que aceitava Reais (se perguntar, previamente, segundo o hotel, tem alguns táxis que aceitam Reais! Legal!) Fomos ao aeroporto e pegamos o nosso voo de volta, para chegarmos ao Brasil felizes por termos conhecido esse país tão encantador e tão perto que é o Uruguai! Agradeço quem acompanhou meu relato e também de quem pude pegar dicas antes de viajar! E até o próximo relato, pessoal!
  24. Piriápolis - capela de Santo Antõnio Piriápolis e o vento frio! Punta Ballena - Casa Pueblo (entrada) Casa Pueblo - dentro (exposições) Nós na Casa Pueblo Casa Pueblo - céu de raios anunciando chuva La Mano con lluvia Punta Del Leste Ponte ondulada (com chuva) Nós no Conrad
×
×
  • Criar Novo...