Ir para conteúdo

barbara_dbarbosa

Membros
  • Total de itens

    77
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

21 Excelente

1 Seguidor

Sobre barbara_dbarbosa

  • Data de Nascimento 26-02-1986

Bio

  • Ocupação
    Enfermeira

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Bom, sempre tentei organizar minhas férias da melhor maneira possível e ao decidir ir para o Monte Roraima não seria diferente. Tudo decidido, passagem comprada, guia ok...na semana seguinte a crise explode na Venezuela...vou fazer o que: vou igual!!! pra começar que me organizei para chegar em Santa Elena do Uairen no dia 10 e minha subida ao Roraima seria dia 12. Teria um dia livre pra fazer algum passeio por lá. Do dia em que decidi ir para o Monte Roraima até antes de embarcar, conversei bastante com o meu guia, ele me deu todas as dicas possíveis e impossíveis. Os pagamentos tinham sido feitos através de depósitos para o Javier (guia) da empresa Waykyky Tours. No momento em que eu estava pronta para sair de casa e iniciar as minhas férias, o meu guia me manda uma mensagem dizendo que “tivemos” um imprevisto. As outras 3 pessoas que subiriam junto comigo, cancelaram a subida por motivos de saúde. Ele me deu a opção de subir sozinha com ele e um carregador ou tentaria me encaixar em outro grupo que subiria um dia antes do qual eu tinha agendado. Como já tinha me organizado concordei em subir com o outro grupo no dia 11. Cheguei em Boa Vista 01:50. O aeroporto é pequeno, só tem um Bob´s que fecha as 2/3 da manhã. De madrugada estava eu e o pessoal da limpeza lá, não tinha mais ninguém. Fiquei esperando no aeroporto até as 7h da manhã. Peguei um taxi até a rodoviária, como não estava com paciência de ficar buscando preço mais barato, eu paguei 50 reais de taxi. Só havia UM taxi na frente do aeroporto. Cheguei na rodoviária. Gente a rodoviária estava muito suja. Os venezuelanos estavam acampando ali na frente e faziam da rodoviária o lugar de tomar banho/banheiro. Meu guia (Javier da Waykyky Extreme Tours) estava em Boa Vista neste dia, e nos encontramos ali na rodoviária. Fomos “juntos” para Pacaraima, porém ele estava em outros ônibus. Meu ônibus era as 7:30 e atrasou quase 1h, mas pelo o que entendi isso é normal. Eu era a única brasileira dentro do ônibus, os outros eram todos Venezuelanos. O trajeto demora em torno de 3h 30min (220km), no meio do caminho ele para para lanche. Me indicaram comer a tal “Paçoca”, era muito barato, mas quando vi a quantidade de comida...desisti e acabei comendo um pão de queijo recheado com carne seca. Lá pelo meio dia cheguei em Pacaraima, meu guia estava lá me esperando. Ele ligou para virem nos buscar e fomos em direção a Santa Elena do Uairen. Antes disso, parei na Aduana para pegar toda documentação necessária. Para quem vai ir só até o Monte Roraima não precisa carimbar passaporte. Santa Elena fica uns 15 km de Pacaraima, é super rapidinho. Chegando lá, fiquei na pousada Los Pinos (50 reais, quarto individual com ventilador, tem piscina). Almoçamos em um restaurante bem simples que tem próximo a pousada, a comida era muito boa e em conta (em torno de R$12 o prato com arroz, feijão, bife, batata frita e salada). Uma das meninas que subiria junto no grupo estava nessa pousada também. A tarde ficamos aproveitando a piscina e organizando nossa mochila para o dia seguinte. No final do dia fomos até um outro local para pegarmos as instruções do trekking. O local fica em frente ao antigo hostel Backpackers. Meu novo guia seria o Roman e seus carregadores: Arnold, Omar, Jose, Rene e Manuel. Meu novo grupo era formado por dois australianos (John e Ben), duas brasileiras (Alana e Ana) e eu. Orientação ok, no dia seguinte sairíamos para a nossa indiada. Mass...como estávamos na Venezuela, e nossos parceiros de trekking (guias) nos convidaram para ir em uma festa que estava acontecendo em uma comunidade indígena perto da cidade, aceitamos e lá fomos nós e os guias... Comemos empanadas com uma pimenta(com formiga) feita somente pelos índios dessa região, tomamos Maltin e outras duas bebidas indígenas (a base de mandioca) extremamente fortes. Voltei para a pousada, organizei as minhas coisas pois no outro dia o combinado era de eles nos buscarem as 9h. No dia seguinte, acordei e fui tomar café em uma padaria (a única praticamente nesse lado da cidade). Gastei R$ 7 em um sanduiche de presunto e queijo e uma xícara de café preto. Trekking ao Monte Roraima 11/10/18 - 1º dia : Saímos de Santa Elena as 10:30, são uns 100km até a comunidade de Paratepuy. Boa parte é asfaltada, mas quando entra na estrada de chão fomos literalmente “sacolejando”. Chegamos na comunidade 12:45. Tivemos 1h para o almoço. Serviram 2 sanduiches de presunto e queijo, suco de laranja (artificial) e banana. Ali é o último ponto que tem banheiro, então se quiser aproveitar... Passe bastante protetor solar, use camiseta de manga longa, o que achar melhor para se proteger do sol.... O início da caminhada foi as 14h. No início tem uma subida que eles chamam de “La Prueba” hahaha quem passa dela consegue subir o Monte Roraima, achei que ia ficar por ali mesmo, ela é bem íngreme e naquela hora o sol estava maltratando a gente. Há água durante o caminho, a cada 1h30 você tem como encher a garrafinha. Fizemos umas duas paradas, uma logo após o final da subida “La Prueba” e a outra foi lá pelas 16h para lanche, um pouco antes de chegarmos no acampamento Rio Tek. Chegamos no Rio Tek as 18:30, já estava escuro. Foram 16km em 4:30min de caminhada. Na hora em que chegamos no acampamento, os carregadores começaram a montar nossas barracas e a fazer nossa janta. Nós fomos nos organizar e tomar banho no Rio. Já estava noite, descemos até o Rio com as lanternas. Foi estranho ter que tomar banho ali no escuro pois não sabíamos como era o rio, a água inicialmente estava gelada, mas depois comparado aos outros banhos durante o trekking, aquela água estava maraaaavilhosa! Eu levei um sabonete biodegradável, lavei os cabelos e o corpo com ele todos os dias. Dica de ouro: tome banho e lá embaixo na beira do rio já coloque uma calça e uma blusa de manga longa, porque na hora que você subir os puri-puri vão te comer vivo ahahhahahahaha. Eu fiz isso conforme um amigo que já tinha ido pra lá me orientou, e deu beeem certinho. A janta foi macarrão com molho e carne moída. As 20:30 já estávamos dentro da barraca, prontos para dormir. Neste dia não estava frio, eu fiquei tranquila com uma blusa dryfit de manga longa. 12/10/18 - 2º dia: dormi muito mal, quando foi 2h da manhã eu perdi o sono e fiquei entediada até 4:30 da manhã quando decidi levantar. La pelas 5:30 o sol nasceu, lindo em tons de roxo, rosa, laranja e amarelo...7h café da manhã, tinha umas rosquinhas fritas, café preto e omelete. As 7:35 saímos. Sabe o Rio Tek que tomamos banho? Você atravessa ele logo na saída do acampamento, por isso já deixe separado um par de meias para você molhar neste dia. Atravessamos o Rio Tek e logo mais a frente o Rio Kukenam. Neste dia tem muita subida (uns 7km), alias só subida, sol, sol, sol escaldante, vegetação rasteira e o vento que é bom? Naaaaaaaadaaa. O almoço é no meio da subida, em um local onde tem uma árvore. Lá pelas 11:30 serviram 2 fatias de pão; salada de atum, milho, repolho, pepino, cenoura e batata e uma maçã de sobremesa. As 13:30 chegamos no 2º acampamento, na base da montanha. Prepare-se para o banho neste dia. Gente, foi a água mais gelada de todo o trekking. Sério, literalmente dói até os ossos, amortece tudo! Mas fui na cara e na coragem e lavei até o cabelos ahahahha. Depois de dar aquela renovada, ficamos conversando e logo após descansamos um pouco. Choveu bastante neste dia. A chuva parou na hora da janta, serviram arroz, galinha com molho vermelho, cenoura, batata e suco. Neste dia minha lombar sentiu bastante. Tomei Miosan para dormir e até então eu queria subir a La Rampa com a cargueira. Neste dia estava mais frio, fiquei com uma blusa dryfit e um fleece por cima. 13/10/18 - 3º dia: A saída estava marcada para as 7:30. O café foi arepas com queijo ralado e geléia de morango. Como acordei com dor, decidi pegar um carregador para subir a La Rampa. O valor foi R$ 50. Foram 5km em 5horas de subida. Só subida, subida e subida. Ali você passa pelo tão famoso Paso das Lágrimas, um local um pouco perigoso por conta dos cascalhos e pedras soltas que ficam embaixo de uma cachoeira semipermanente, é bem liso, todo cuidado é pouco. E quando você olha....o topo já está ali, depois de quase 5h chega até dar um ânimo para ir mais rápido. Ao chegar no topo ganhamos bombom e balas..:) As 13:30 chegamos ao Hotel índio e almoçamos hambúrguer (pão, ovo, tomate, queijo, pepino e maionese). Ficamos por lá, tem uma área para tomar banho, bem tranquilo. A janta deste dia foi sopa (banana, abobrinha, cenoura, batata e frango), tinha banana na sopa? Sim..mas sabe que não era ruim não? Essa noite estava bem fria, coloquei “toda a minha roupa”. Estávamos no topo, lá não estava chovendo mas, dava pra enxergar os raios longe dali. Geeeente de madrugada quando precisava ir no “banheiro” era o drama kkkkk, lá em cima é muito escuro! E as vezes eles montam a barraquinha do banheiro em um local meio ruim, então dizem que se precisar fazer o número 1 a noite, vá ali perto mesmo com a lanterna ligada e na hora de fazer desligue para ninguém ver hahahahahah....Aquela escuridão, é muito estranho! 14/10/18 – 4º dia: Quase não consegui dormir, levantei as 7h, tomei café (panquecas com geléia de morango) e as 8:30 saímos em direção ao Hotel Quati. Foram 13km em 5h. É neste dia que você passa pelo Ponto Tríplice (Venezuela, Guina e Brasil). O dia foi bem cansativo, é um sobe e desce nas rochas, e sol o tempo inteiro, não tem vento. O Hotel Quati fica dentro de uma caverna e é deslumbrante! Ao lado, tem um riacho em que você toma banho, e pertinho dali tem um mirante muito bonito onde você consegue ver a “selva” da Guiana e também o Roraiminha. O almoço foi massa com molho de tomate e carne moída. Neste dia jantamos super cedo lá pelas 18h, o cardápio foi arroz com carne e molho. Dormimos em três na barraca, pois até então estávamos dormindo em duas e a outra menina sozinha na barraca porém, ela passou bastante frio lá no Hotel Índio e eu também quase congelei lá. Claro que nesta noite não passamos frio, mas também não conseguíamos nos mexer dentro da barraca hahaha. 15/10/18 – 5º dia: levantei as 6:30, tomei café (empanadas com queijo), caminhamos até o Lago Gladys, ida e volta deve dar uns 10km. Durante o trajeto o tempo fechou diversas vezes. E ao olhar para os lados você pensa: Meu deus! Onde eu tô? Tô perdida! Se me largassem lá e falassem...volta sozinha, eu não sei o que faria! É tudo igual, rocha, pedra, rocha e assim vai! É literalmente outro mundo. Fomos até o abismo....estava bem fechado ficamos uns 30min esperando e nada...fomos no Gladys, andamos mais um pouco e nada do tempo abrir! Na montanha é isso mesmo, faz parte! Na volta tomamos banho no Rio de Ouro, a água tava gelada mas na cara e na coragem foi de boa haahhaahah. Almoçamos por ali mesmo, tinha arroz, calabresa, verduras e melão de sobremesa. Chegamos de volta ao Hotel Quati as 16h. A janta foi massa com carne e vegetais. 16/10/18 – 6º dia: Levantei as 6:00, tomei café (panqueca com queijo). Saímos as 7:30 e chegamos ao Hotel Vasillo as 12:30. Tinha começado a chover, e enquanto nós descansávamos na barraca os meninos faziam o almoço (arroz, ovo frito, salada de batata, cenoura, milho, ervilha e maionese). Ficamos a tarde inteira literalmente descansando, estava chovendo e bateu uma preguiça gigante de sair de lá. As 18h jantamos, estava bem escuro. 19:30 fui dormir, estava muito frio. 17/10/18 – 7º dia: Acordei as 5:30, o café foi aveia com leite e sucrilhos. No meu caso eles fizeram aveia com água pois sou intolerante a lactose. É importante você informar isso na hora que contrata o trekking ok? Qualquer alergia, problema de saúde...eles precisam saber! Neste dia saímos do acampamento as 7:30, seriam pelo menos 8h de caminhada pois desceríamos a La Rampa, atravessaríamos os dois rios e chegaríamos até o acampamento base. Chegamos no segundo acampamento (base da montanha as 10h), e as 11h estávamos almoçando (arroz, salada de ervilha, pepino, tomate, cenoura, batata, milho, repolho, atum com maionese). As 11:30 estávamos saindo novamente. Na descida todo cuidado é pouco, foi nesse dia que caí e “ralei” minha perna. No meio do caminho vimos uma cobra. Chegamos ao acampamento base as 15:45. Bom, seria a nossa última noite ali, a última noite dormindo na barraca... A janta demorou um pouco mais para ficar pronta e enquanto isso ficamos conversando e dando muita risada com os meninos da equipe. O tempo estava fechado neste dia, e como estávamos na base da montanha não poderíamos sair dali sem saber como era a chuva do Roraima. Gente choveu...choveu muito que eu achei que “já eras” tudo que tinha dentro da barraca. Estávamos no local onde se fazia as refeições e não deu tempo nem de pensar, quando começou vento, chuva, raio, não tinha como sair dali, alagou , minha roupa ficou molhada, os pés sujos de barro. A nossa barraca molhou um pouco, a água entrou pelo “respiro”. A sorte que tinha deixado a capa de chuva da mochila em cima dela, e protegeu bastante. Minhas botas estavam dentro de um saco plástico. O que molhou um pouco mais foi a toalha de banho e o saco de dormir. Comemos dentro do local onde os guias estavam preparando a comida. Depois fomos dormir e continuou a chuva. Como era a última noite...a roupa ficou molhada. Não tinha o que fazer. Bom, no café da manhã sempre tem algo do tipo: arepas,empanadas, panquecas, omelete suco, café, chá, leite com nescau, frutas como abacaxi, melão, tangerina. Eles servem um lanche da tarde que pode ser pipoca, uma bolachinha salgada, com chá, leite com nescau enfim... 18/10/18 – 8º dia: Acordei as 5:30, o café seria servido as 6:10 e saímos as 6:50. Como choveu muito na noite anterior o caminhado estava uma lama só. A bota em alguns momentos afundava e ficava bem pesada. No último dia parece que você não chega nunca no povoado de Paratepuy, é cada subida que você pensa: é a última, opa, tem mais uma e depois tem outra e assim vai. Chegamos lá era 11h, nosso motorista querido estava esperando nosso grupo com uma caixa de Polarcita. Foi a melhor cerveja que tomei na minha vida hahahahhaha. Fomos almoçar no povoado de São Franscisco, fizemos umas comprinhas por ali. Tem artesanato e a famosa pimenta com formiga. A tarde chegamos em Santa Elena. A noite fomos comer uma pizza num local ao lado do Mijo (esqueci o nome da pizzaria, mas é grudada nesse bar). 19/10/18: Bom, meu plano era na olta do Monte fazer a Gran Sabana, porém a Venezuela estava em crise. O litro da gasolina chegou a R$15 e todos os passeios foram cancelados. Fiquei ali por Santa Elena mesmo, dei uma volta na cidade pra olhar as lojinhas, porque não tem nada pra fazer ali não. Voltei pra pousada e fiquei vendo TV. Fomos jantar no Mijo´s, comi hambúrguer R$12 e tomei um suco R$7. 20/10/18: Como meu planos não deram certo, eu fui fazer um rapel com o pessoal da Waykyky Tours. A noite fomos na pizzaria ao lado do Mijo´s, comi uma lasanha por R$17 e suco R$ 5 21/10/18: Dia de voltar para casaaaaaaa....Ai vem todo aquele fluxo, taxi até Pacaraima, bus até Boa Vista, Voo até SP – POA, Bus até Passo Fundo.. Missão cumprida!! Trajeto de Ida: Ônibus: Passo Fundo – Porto Alegre Voo: Porto Alegre – Boa Vista Ônibus: Boa Vista – Pacaraima Carro: Pacaraima – Santa Elena do Uairen Pousadas que fiquei em Santa Elena do Uairen: Los Pinos – R$ 50,00 quarto individual, com chuveiro com água quente e ventilador. Não tem café da manhã Lucrecia – R$ 50,00 quarto duplo (R$ 25 por pessoa) com chuveiro com água quente e ar condicionado. Tem piscina mas não entrei. Tem filtro de água disponível aos hóspedes. Não tem café da manhã. Pousada Nativa (ao lado do mercado Nativa) – R$ 40,00 quarto duplo (R$20 por pessoa), com chuveiro com água GELADA e ventilador. Não tem café da manhã. Pense bem antes de subir o Monte Roraima, eu gosto dessas indiadas e em alguns momentos poderia ter sido melhor. Por exemplo: meu isolante era desses comuns, eu sentia todo o frio da pedra no meu corpo. Peguei um saco de dormir da Waykyky, para temperatura de 10 graus porque o meu era pra frio de -5 e era muito pesado. Talvez se tivesse levado o meu não teria passado tanto frio. Subi com uma cargueira de uns 10/11kg, mas se você me pedir tinha tudo que precisava dentro da mochila. Levei um carregador portátil de 500g que a bateria durou os 8 dias e ainda carregou outro celular e go pro. Leve bobagens para comer, tem hora que dá uma vontade de comer qualquer coisa que não tem lá em cima ahhahahaha, faça um estoquezinho de barrinha, chocolate, amendoim, bolachinha e tal....eu levei uma boa porção de castanha de caju e do pará, nozes, damasco dentro de um saquinho fechado e as formigas atacaram e eu fiquei quase uma hora limpando pra tirar as bichinhas hahahahahahaha. Sobre as roupas: leve uma roupa só para dormir, você não pode pensar em molhar esta roupa. Não economize nas meias, caminhar com meia molhada e fedendo a carniça ninguém merece né? Coitado do coleguinha que depois tem que ficar sentindo o cheiro da tua bota podre de fedida... quando chegar nos acampamentos, lave a tua roupa, não se preocupa pq ela vai secar tá? Tome banho, não seja fresco, tá lá no Roraima e vai fazer mimimi? Toma banho gelado mesmoooo! Sintaaa na pele o que é estar lá! Tome água, bastante água sem Clorin como eu fiz! Deus é Pai e eu não tive nenhum piriri durante os 8 dias. Se liberte, ninguém que está lá tá ligando para o teu cabelo, a tua roupa, a tua unha...a busca é por outra coisa! Aproveite o tempo na montanha para refletir. Fique sozinho, acorde cedo, veja o sol nascer, durma mais tarde, fique lá fora da barraca sentindo o vento, olhando aquele céu maravilhoso. Converse, sorria, demonstre carinho e agradeça, agradeça muito aos teus guias..pois eles levam tudo o que é necessário pra você durante esses 8 dias, não pense que eles levam 30kg nas costas porque gostam....fazem porque precisam! Valorize teu guia! Valorize teus carregadores! Eles merecem. Fica aqui meu registro destes dias que levarei pra sempre na minha memória. Obrigada ao povo Venezuelano por me receber tão bem! Contato do pessoal que eu fui: https://www.facebook.com/Waykyky.Extreme.Tours/ https://www.facebook.com/javiersagitar?fref=search&__tn__=%2Cd%2CP-R&eid=ARAh8isHMXqALQu3oGx6xabmaIoUKf7X-4zzXHEmt-3mz_qtv2he3qyBvXrvz0IBoeUwHMOqy0_sOwC2 https://www.facebook.com/denisson.marin Se alguém quiser o contato no Whats é só me pedir! Espero ter ajudadoo!!! Qualquer coisa que precisarem é só gritar..
  2. Oiee, desculpa a demora pra responder. Tenho sim! O nome dele é Joel, o telefone é 0xx9887490847 qualquer dúvida, só me perguntar!
  3. Oiee, desculpa a demora pra responder. Tenho sim! O nome dele é Joel, o telefone é 0xx9887490847 qualquer dúvida, só me perguntar!
  4. @Melquisedeque Olhaaaa, só não sei a questão do nível de água nas lagoas, mas acho que fora isso não tem nenhuma contra indicação não.
  5. O contato dele é (98) 87490847, pagamos R$ 100,00 a diária fora alimentação e hospedagem
  6. O contato dele é (98) 87490847, pagamos R$ 100,00 a diária fora alimentação e hospedagem
  7. Foi exatamente o que eu fiz só a única coisa que em fevereiro as lagoas estarão vazias
  8. Ah..acho que esqueci de comentar, foram 4 noites dormindo em redes. Desde a noite em que dormimos no Sr Antônio até o final da travessia....😄
  9. Oii mochileiros de plantão! Vou deixar aqui algumas informações sobre minha viagem aos Lençóis Maranhenses. Meu objetivo principal era realizar a travessia a pé nos lençóis. O que foi realizado com muito sucesso. Encontrei aqui no Mochileiros.com o Francisco, que topou fazer a viagem comigo. O Joel foi o nosso guia na travessia, encontrei ele em algum relato aqui do site. Agendei a data do trekking meses antes (pois seria próximo ao feriado). Pedi todas as informações pra ele, foi ele quem indicou pousada em Santo Amaro, super gente boa!! Indicooo sem medo!!! Bom, meu voo saiu de Porto Alegre – Guarulhos – São Luís... 05/09/17 - Chegamos ao aeroporto de São Luís as 01:45. Combinamos o transfer (van) com o pessoal do nosso Hostel. Pegamos a van com o Paraíba, saímos próximo as 4 da manhã e chegamos em Barreirinhas as 8:15. Próximo as 6:30 eles fazem uma parada para café e banheiro. Quando chegamos em Barreirinhas largaram cada pessoa na frente do local (casa ou hostel). Valor: R$ 60,00 Observação: Procurei na internet pessoas que realizassem transfer de São Luís até Barreirinhas e encontrei o Denilson (contato 0xx98 98488-6346) conversei com ele pelo whats, ele cobra R$60,00 sai as 3h e chega as 7h em Barreirinhas. Mas no fim das contas, não precisei utilizar os serviços dele. Chegamos no nosso Hostel Cama, Café e Aventura https://www.booking.com/hotel/br/cama-cafe--e-aventura.pt-br.html ,fica longe do centro, em torno de 15min caminhando. Fizemos a reserva pelo booking em quarto duplo com banheiro compartilhado, no valor de R$ 50,00 cada diária com café da manhã (realizamos o pagamento em dinheiro). Tem wifi disponível 24h. Não tem ar condicionado, e nos fundos do hostel tem uma saída direta para o Rio Preguiças. Chegamos cedo e o pessoal que estava no nosso quarto já estava saindo. A Ana e o Alexandre nos deixaram totalmente a vontade para tomar um café, enquanto limpavam o quarto. O café da manhã é completinho : café, leite, pão, presunto, queijo, bolo, pão de queijo, e algumas frutas. Pessoal, tenham um pouco de atenção quando reservarem hostel, não é um hotel ok?? No caso deste hostel, eles abriram a casa deles para que as pessoas se hospedassem, me senti totalmente em casa, ficávamos conversando na sala, vendo tv, como se fizéssemos parte da família mesmo. O local é simples. A noite tem muita muriçoca (pernilongo) por isso leve repelente. A tarde realizamos o Circuito Lagoa Bonita: O passeio sai as 14h e volta em torno de 19h. Realizamos com a empresa Mar Azul (pagamento pode ser realizado no cartão). A empresa te busca no local combinado, você irá em uma Hilux adaptada. Antes de iniciar o passeio eles param em um mercado para que você compre água e algo para comer de lanche. São 16km em uma 4x4, na areia fofa, em torno de 1:20min balançando no carro. Cuide se você ficar na ponta do banco, pois a vegetação é de muitos galhos e podem te machucar. Na chegada, antes se subir, tem umas barracas com pessoal vendendo água, castanha, tapioca. Para chegar as lagoas, você terá que subir uma duna de 70m bem íngreme, até tem uma corda para ajudar. Leve água, protetor e lanche. Você verá o pôr do sol. Jantamos na Beira Rio (onde se encontram alguns poucos restaurantes). Comemos uma pizza média a moda do pizzaiolo e 4 queijos + suco no Barlavento. Gastamos R$ 26,00 por pessoa. 06/09/17 - Pela manhã ficamos no hostel, e fomos até o centro dar uma volta. Genteeee do céu!!! Que calor hein! Só deu tempo de ir e voltar, não aguentava mais hahahah, sou gaúcha e literalmente estava derretendo lá. Voltamos para o hostel e fomos curtir um pouco do Rio Preguiças. A tarde realizamos o Circuito Lagoa Azul: também fizemos este passeio pela parte da tarde. Saímos as 14 e voltamos um pouco antes das 19h. Diferente do circuito anterior, lá nas lagoas não tem estrutura nenhuma, então compre tudo antes de ir. A distância é de 12km. Na volta do passeios, temos que atravessar a balsa, ali tem umas pessoas vendendo tapioca, comi uma de carne seca – valor R$ 5,00. Na volta jantamos em um local chamado Lanchonete Central, que fica bem em frente a ao Pague Menos na av principal. Pagamos R$10,00 em um prato feito com arroz, feijão, massa, salada e carne (a escolher entre frango, carne de boi, peixe). 07/09/17 – Marcamos o passeio pelo Rio Preguiças, que vai a Vassouras (onde tem os pequenos lençois e o macaquinhos), Mandacaru e Caburé. No caso faríamos a travessia de Caburé até Atins em lancha. As 8:00 da manhã deixamos o hostel e pegamos a lancha. Em Mandacaru subimos no farol e na volta comprei um picolé de cupuaçu (R$ 2, 00) na lanchonete bem em frente onde as lanchas param. Em Caburé tem praia, ficamos um pouco por lá e depois almoçamos no Restaurante Portal do Caburé. Comi peixe frito com arroz verde e camarão, vinagrete e suco de Bacuri (500ml). Gastei 43,00 e o local aceita cartão. As 14h realizamos a travessia para Atins. Lembre-se de avisar o local onde você ficará lá em Atins, que você está fazendo a travessia e chegará próximo horário. Porque isso?? Não avisamos, e tivemos que ir caminhando da praia até o nosso hostel. Pensa: 14:20 , sol raiando, você pisando em uma areia fofa quente (pegando fogo) , de havaiana com mochila pesada nas costas. Impossível né? Kkkkk aquilo foi momento crueldade do dia! Ficamos no hostel O Peixe de Boa Hostel https://www.booking.com/hotel/br/o-peixe-de-boa-hostel.pt-br.html#tab-main , reservado pelo booking em cama beliche, quarto misto, com banheiro compartilhado, no valor de R$35,00 a diária sem café da manhã. Não tem ar condicionado e o wifi informado no site só existe em horários determinados, é oculto e somente o dono do local coloca a senha! O bar não abriu no dia em que estávamos lá. Primeiramente, não tem recepção no hostel, chegamos lá e ficamos procurando alguém para nos atender. O local é meio escuro, chegamos a tarde e estava insuportável ficar lá dentro. No hostel eles só fazem cavalgadas , no caso me orientaram a procurar outros passeios na pousada ao lado, que foi onde fechei o Passeio da Revoada dos Pássaros. Voltando a falar sobre o hostel: hoje em dia as pessoas estão conectadas 24h, seja no celular, no computador, enfim... muitos dependem da internet por algum motivo. Quando você olha no site e lá diz que tem wifi, você já sabe que por pior que seja o sinal, em algum momento você terá o wifi disponível ok? O que aconteceu foi que chegamos e pegamos a senha somente as 19h. Mandei algumas mensagem para o meu Guia do Trekking pois queria combinar de despachar um pouca das minhas coisas e aliviar o peso da mochila. Um outro hóspede estava vendo sobre sua volta para Barreirinhas no outro dia. Bom, como não sabíamos do fato de que a internet era desligada as 21h, saímos, fomos jantar e na volta....não existia mais internet! Paciência...no dia seguinte 7h da manhã quando o dono chegou fomos pedir a senha novamente. Ele ficou super indignado, como que nós precisávamos de internet as7h da manhã?? Estávamos ali, e o objetivo não era ficar “conectado” e sim sair, conversar ir a praia blá blá blá....ok, cada um com seus problemas. Mas mesmo liberando a internet por 30min, não resolveu os problemas de ninguém! Lembre-se lá o sinal de telefone é péssimo, só pega OI e olha lá.... Enfim, só para lembrar que jantamos em uma pizzaria italiana que tem bem no final da cidade. Estávamos em 3 e pedimos 2 pizzas (gigantes) + 2 sucos e 1 capirinha, R$ 60,00 por pessoa. Após fomos tomar uma cerveja no bar em frente ao nosso hostel. 08/09/17 – Na noite anterior fechamos uma passeio para a Lagoa da Capivara e já nos deixariam em Canto de Atins (de onde sairíamos para o trekking). Durante este passeio você passa primeiro no Restaurante do Sr Antônio para pedir o almoço, depois passa um tempo na lagoa da Capivara, vai um pouco na praia e volta para uma lagoa para tirar o sal do corpo e segue para o Almoço, em torno de 12:30. No início do passeio já deixamos nossas mochilas no restaurante do Sr Antônio, pois dormiríamos lá. A diária em rede é R$35,00. Para o almoço pedimos Camarão Grelhado, arroz, feijão, farofa e salada de tomate R$90,00 + suco de caju 1litro R$ 15,00. Comi bombom de cupuaçu e bacuri (R$ 2,50 cada). As 14h nosso guia chegou e as 17:30 nosso fomos ver o pôr do sol e comer uns cajus. Aqui não tem wifi, não tem sinal de telefone, energia elétrica somente das 18:30 às 22h. Jantamos algumas coisas que tínhamos levado na mochila. Durma nas redes que estão longe do restaurante (próximas ao banheiro) é melhor pois eles atendem até umas 21:30, então terá barulho, luz etc.... 09/09/17 Levantamos as 04:30 para tomar café (pão, margarina, bolacha salgada, leite e café). Combinamos com nosso guia Joel (quem quiser contato só pedir) que devido ao peso das nossas mochilas (em torno de 8kg) faríamos os 10km inicias do trekking (a parte que é na praia) de quadriciclo, pois a areia é dura, assim pouparíamos nossos pés. Pagamos R$100,00 por pessoa para realizar este trajeto. Nós tomando uma tiquira com Caju com nosso Guia Joel! Vimos o nascer do sol (fantástico). Começamos a caminhar as 6h. Paramos em uma lagoa. Chegamos em Baixa Grande as 9:30. Distância de 13km. Ficamos na casa do seu Moacir e da Bete. Tem banheiro feminino e masculino, tem uns 4 chuveiros com água temperatura ambiente. Dormitório com rede. Energia elétrica somente das 18:30 as 21h. Almoço e janta: arroz, feijão, massa, farofa e frango (a carne você pode escolher entre frango, peixe e cabrito). Jogamos sinuca com os guias e as duas francesas que estavam lá. Tomamos tiquira com caju. Subimos até as dunas para ver o nascer da lua. Fizemos uma fogueira e assamos umas castanhas de caju. Fomos dormir era umas 22:30. Neste dia gastamos R$ 107,00 : R$35,00 cada refeição – almoço e janta + R$35,00 da diária com café + R$ 2,00 refri o qual dividimos. 10/09/17 - Acordamos as 5h, tomamos café (pão, ovo, manteiga, bolacha salgada, café e leite). Saímos as 6h em direção a Queimada dos Britos. Distância: 12km. Atravessamos o Rio Negro que divide a região de Barreirinhas e Santo Amaro. Fomos na lagoa das queimadas. Chegamos na casa do Sr Raimundo (pai do Carlos Queimada, um guia conhecido pelo pessoal do mochileiros) e da Dona Joana as 09:45. Na entrada do povoado tem muito caju, mirim(uma frutinha pequena, de cor preta bem docinha). Aqui neste apoio os banheiros eram separados dos chuveiros. Tomamos uma tiquira com caju, conversamos com o Sr Raimundo e mais um primo dele que chegou ali também. Almoçamos peixe frito, arroz, feijão, massa, salada de tomate e de sobremesa uma fatia de goiabada. Após fomos descansar na rede embaixo do cajueiro (ô coisa boa). Lá pelas 16h quando o sol já estava menos quente, fomos na lagoa que tem atrás do apoio, uma lagoa cor de coca cola. No final do dia fomos até as dunas ver o pôr do sol. A janta foi praticamente a mesma coisa do almoço. Nesta noite comecei a sentir minha panturrilha. Tomei um relaxante muscular e fui dormir as 20:45. Neste dia gastamos: R$ 118,00: R$35,00 cada refeição – almoço e janta + R$35,00 da diária com café + 1 água de litrão e 1 tiquira. 11/09/17 – Acordamos as 4h. Tomamos café (bem reforçado) café, leite, tapioca, ovo, banana, laranja. Saímos 5h em direção a Betânia. Distância 18km. Paramos três vezes neste dia, quando chegamos na subida da última duna, eu estava acabada, o sol estava forte, a areia começando a esquentar e eu morrendo de calor. Chegamos no apoio, Restaurante Cantinho da felicidade as 10:45. Tomamos 4 cervejas de litrão rapidinho hahaha. Neste apoio tem energia elétrica, mas não tem sinal de telefone. Pedimos cabrito para o almoço: arroz, feijão, massa e carne de cabrito. Após o almoço descansamos na rede. Após fomos caminhar pelo povoado. Assamos umas castanhas de caju, tomamos água de coco. O restaurante fica bem em frente ao Rio, consequentemente tem uns mosquitos, leve repelente. A janta foi a mesma coisa do almoço+ salada. Neste dia gastamos R$ 126,00 : R$35,00 cada refeição – almoço e janta + R$35,00 da diária com café + 1 água de litrão e 2 cervejas. Fui dormir próximo das 21h. 12/09/17 - Acordamos as 4h. Tomamos café (tapioca, bolo, ovo, café, leite, frutas). Saímos 5h em direção a Santo Amaro. Distância 12km. Chegamos em Santo Amaro as 08:30. Ficamos na Pousada Lagoa Azul https://www.tripadvisor.com.br/Hotel_Review-g1397862-d4945559-Reviews-Pousada_Lagoa_Azul-Santo_Amaro_do_Maranhao_State_of_Maranhao.html pagamos R$ 70,00 na diária em quarto duplo, com banheiro, wifi, ar condicionado(ufa) e café da manhã. Chegamos e já nos ofereceram café (pão, presunto, queijo, tapioca, ovo frito, café, leite, frutas) . Almoçamos no Restaurante do Gordo, fica umas 4 quadras da Pousada. O restaurante é simples, a comida e boa e o valor é maravilhoso. Um prato feito de carne de sol, arroz, feijão, farofa e salada R$15,00, a coca litro R$6,00. A tarde fomos dar uma volta para conhecer a cidade. Encontramos a Casa do Picolé, que fica atrás da igreja. Peguei sorvete de tapioca e de coco verde. R$ 10,00. A cidade é pequena e não tem muita coisa para fazer. Não marcamos passeio para as lagoas. 13/09/17 – Tomamos café, organizamos nossas coisas e fomos almoçar no restaurante Caminho das Dunas, o local é simples, a comida é boa e um pouco mais cara que o outro restaurante. Gastamos R$ 28,00 por pessoa na refeição que foi: carne assada, arroz, feijão, massa, farofa + suco de maracujá. Não conseguimos comer toda a comida então, a dona do restaurante fez uma marmitinha para nós . Tinhamos agendado a o transfer para São Luís para as 14h. Fomos de hilux adaptada até um certo ponto, descemos e seguimos com o carro de um nativo até São Luís. Chegamos no aeroporto de São Luís as 18h. Pagamos R$ 70,00. Gastos: Guia Joel: R$ 400,00 (pois foi divido em duas pessoas) Hostel Cama, Café e Aventura (Barreirinhas): R$50,00 a diária x2 = R$ 100,00 Hostel O Peixe de Boa (Atins): R$ 35,00 Passeio Circuito Lagoa Bonita: R$ 70,00 Passeio Circuito Lagoa Azul: R$ 60,00 + 5,00 Passeio Rio Preguiças + Travessia de lancha Atins: R$ 80,00 (50,00 + 30,00) Passeio Lagoa da Capivara: R$ 70,00 Alimentação em Barreirinhas : R$ 26,00 + 10,00 Alimentação em Atins : R$ 60,00 Alimentação em Caburé: R$43,00 Alimentação em Santo Amaro: R$ 17,00 + 10,00 + 28,00 Restaurante Sr Antônio: R$90,00 + 15,00 + 35,00 + 5,00 Água , Cerveja, Picolé : 28,00 Quadriciclo: R$ 100,00 Baixa Grande: R$ 107,00 Queimada dos Britos: 118,00 Betânia: 146,00 Pousada Lagoa Azul (Santo Amaro): 70,00 Transfer São Luís a Barreirinhas: R$ 60,00 Transfer Santo Amaro – São Luís: R$ 70,00 Gastos sem passagens aéreas: R$ 1858,00 O que achei? O lugar é lindo, as pessoas são super receptivas, um ponto complicado é que as duas cidades de entrada para os Lençóis, Barreirinhas e Santo Amaro não tem estrutura suficiente para receber os turistas, mas talvez seja isso que faça com que o local esteja cuidado ainda. Barreirinhas tem alguns locais para comer na Beira Rio, já Santo Amaro é praticamente os restaurantes simples. Eu não ligo para isso, mas tem pessoas que já foram e ficaram apavoradas com isso. O que levar para o trekking? Blusa de manga longa, shorts, protetor, boné, havaiana ou uma papete...você caminhará em vários tipos de solo como areia dura, areia fofa, areia úmida, passará por lagoas. Leve uma mochila pequena somente com o básico: os guias indicam no máximo até 5kg, assim não cansará tanto. Leve lanches como barrinhas de cereal, bolachas, amendoim, chocolate (que vai derreter), e em torno de 1l de água, ou mais se achar necessário. Leve dinheiro pois em nenhum apoio passa cartão hein! Sobre o trekking? Vá de coração aberto! Você estará convivendo com pessoas simples mas que tem um coração imenso, que estão ali para te receber, te oferecer o conforto e a alimentação necessária para você continuar a caminhada. Conversar, dar risadas, tudo é experiência! Estar em um lugar onde o homem ainda não tem muito acesso, ou seja que ainda não conseguiu destruir e tirar a beleza daquele lugar é algo maravilhoso. Poder ver o nascer do sol, da lua, ver o pôr do sol, que por mais simples que seja, no nosso dia a dia quem faz isso??? É um momento no qual paramos e valorizamos totalmente a natureza. Ficamos no meio de animais, ali tem porcos, galinhas, patos, cachorro, gato, sapo, cabra, ovelha, enfim....todo mundo junto em total harmonia. É nesse momento em que aprendemos a ser mais humildes, em ter certeza que o SER é melhor que o TER. Que naquele momento aquilo é o suficiente, e nada mais é necessário. Aprendi muito...e com certeza mudei, e mudei para melhor! Ahhh... Dica para tomar tiquira: tome a tiquira e chupe um caju azedo kkkkkkkkkk Obrigada Maranhão!
  10. Oii mochileiros de plantão! Vou deixar aqui algumas informações sobre minha viagem aos Lençóis Maranhenses. Meu objetivo principal era realizar a travessia a pé nos lençóis. O que foi realizado com muito sucesso. Encontrei aqui no Mochileiros.com o Francisco, que topou fazer a viagem comigo. O Joel foi o nosso guia na travessia, encontrei ele em alguém relato aqui do site. Agendei a data do trekking meses antes (pois seria próximo ao feriado). Pedi todas as informações pra ele, foi ele quem indicou pousada em Santo Amaro, super gente boa!! Indicooo sem medo!!! Bom, meu voo saiu de Porto Alegre – Guarulhos – São Luís... 05/09/17 - Chegamos ao aeroporto de São Luís as 01:45. Combinamos o transfer (van) com o pessoal do nosso Hostel. Pegamos a van com o Paraíba, saímos próximo as 4 da manhã e chegamos em Barreirinhas as 8:15. Próximo as 6:30 eles fazem uma parada para café e banheiro. Quando chegamos em Barreirinhas largaram cada pessoa na frente do local (casa ou hostel). Valor: R$ 60,00 Observação: Procurei na internet pessoas que realizassem transfer de São Luís até Barreirinhas e encontrei o Denilson (contato 0xx98 98488-6346) conversei com ele pelo whats, ele cobra R$60,00 sai as 3h e chega as 7h em Barreirinhas. Mas no fim das contas, não precisei utilizar os serviços dele. Chegamos no nosso Hostel Cama, Café e Aventura https://www.booking.com/hotel/br/cama-cafe--e-aventura.pt-br.html ,fica longe do centro, em torno de 15min caminhando. Fizemos a reserva pelo booking em quarto duplo com banheiro compartilhado, no valor de R$ 50,00 cada diária com café da manhã (realizamos o pagamento em dinheiro). Tem wifi disponível 24h. Não tem ar condicionado, e nos fundos do hostel tem uma saída direta para o Rio Preguiças. Chegamos cedo e o pessoal que estava no nosso quarto já estava saindo. A Ana e o Alexandre nos deixaram totalmente a vontade para tomar um café, enquanto limpavam o quarto. O café da manhã é completinho : café, leite, pão, presunto, queijo, bolo, pão de queijo, e algumas frutas. Pessoal, tenham um pouco de atenção quando reservarem hostel, não é um hotel ok?? No caso deste hostel, eles abriram a casa deles para que as pessoas se hospedassem, me senti totalmente em casa, ficávamos conversando na sala, vendo tv, como se fizéssemos parte da família mesmo. O local é simples. A noite tem muita muriçoca (pernilongo) por isso leve repelente. A tarde realizamos o Circuito Lagoa Bonita: O passeio sai as 14h e volta em torno de 19h. Realizamos com a empresa Mar Azul (pagamento pode ser realizado no cartão). A empresa te busca no local combinado, você irá em uma Hilux adaptada. Antes de iniciar o passeio eles param em um mercado para que você compre água e algo para comer de lanche. São 16km em uma 4x4, na areia fofa, em torno de 1:20min balançando no carro. Cuide se você ficar na ponta do banco, pois a vegetação é de muitos galhos e podem te machucar. Na chegada, antes se subir, tem umas barracas com pessoal vendendo água, castanha, tapioca. Para chegar as lagoas, você terá que subir uma duna de 70m bem íngreme, até tem uma corda para ajudar. Leve água, protetor e lanche. Você verá o pôr do sol. Jantamos na Beira Rio (onde se encontram alguns poucos restaurantes). Comemos uma pizza média a moda do pizzaiolo e 4 queijos + suco no Barlavento. Gastamos R$ 26,00 por pessoa. 06/09/17 - Pela manhã ficamos no hostel, e fomos até o centro dar uma volta. Genteeee do céu!!! Que calor hein! Só deu tempo de ir e voltar, não aguentava mais hahahah, sou gaúcha e literalmente estava derretendo lá. Voltamos para o hostel e fomos curtir um pouco do Rio Preguiças. A tarde realizamos o Circuito Lagoa Azul: também fizemos este passeio pela parte da tarde. Saímos as 14 e voltamos um pouco antes das 19h. Diferente do circuito anterior, lá nas lagoas não tem estrutura nenhuma, então compre tudo antes de ir. A distância é de 12km. Na volta do passeios, temos que atravessar a balsa, ali tem umas pessoas vendendo tapioca, comi uma de carne seca – valor R$ 5,00. Na volta jantamos em um local chamado Lanchonete Central, que fica bem em frente a ao Pague Menos na av principal. Pagamos R$10,00 em um prato feito com arroz, feijão, massa, salada e carne (a escolher entre frango, carne de boi, peixe). 07/09/17 – Marcamos o passeio pelo Rio Preguiças, que vai a Vassouras (onde tem os pequenos lençois e o macaquinhos), Mandacaru e Caburé. No caso faríamos a travessia de Caburé até Atins em lancha. As 8:00 da manhã deixamos o hostel e pegamos a lancha. Em Mandacaru subimos no farol e na volta comprei um picolé de cupuaçu (R$ 2, 00) na lanchonete bem em frente onde as lanchas param. Em Caburé tem praia, ficamos um pouco por lá e depois almoçamos no Restaurante Portal do Caburé. Comi peixe frito com arroz verde e camarão, vinagrete e suco de Bacuri (500ml). Gastei 43,00 e o local aceita cartão. As 14h realizamos a travessia para Atins. Lembre-se de avisar o local onde você ficará lá em Atins, que você está fazendo a travessia e chegará próximo horário. Porque isso?? Não avisamos, e tivemos que ir caminhando da praia até o nosso hostel. Pensa: 14:20 , sol raiando, você pisando em uma areia fofa quente (pegando fogo) , de havaiana com mochila pesada nas costas. Impossível né? Kkkkk aquilo foi momento crueldade do dia! Ficamos no hostel O Peixe de Boa Hostel https://www.booking.com/hotel/br/o-peixe-de-boa-hostel.pt-br.html#tab-main , reservado pelo booking em cama beliche, quarto misto, com banheiro compartilhado, no valor de R$35,00 a diária sem café da manhã. Não tem ar condicionado e o wifi informado no site só existe em horários determinados, é oculto e somente o dono do local coloca a senha! O bar não abriu no dia em que estávamos lá. Primeiramente, não tem recepção no hostel, chegamos lá e ficamos procurando alguém para nos atender. O local é meio escuro, chegamos a tarde e estava insuportável ficar lá dentro. No hostel eles só fazem cavalgadas , no caso me orientaram a procurar outros passeios na pousada ao lado, que foi onde fechei o Passeio da Revoada dos Pássaros. Voltando a falar sobre o hostel: hoje em dia as pessoas estão conectadas 24h, seja no celular, no computador, enfim... muitos dependem da internet por algum motivo. Quando você olha no site e lá diz que tem wifi, você já sabe que por pior que seja o sinal, em algum momento você terá o wifi disponível ok? O que aconteceu foi que chegamos e pegamos a senha somente as 19h. Mandei algumas mensagem para o meu Guia do Trekking pois queria combinar de despachar um pouca das minhas coisas e aliviar o peso da mochila. Um outro hóspede estava vendo sobre sua volta para Barreirinhas no outro dia. Bom, como não sabíamos do fato de que a internet era desligada as 21h, saímos, fomos jantar e na volta....não existia mais internet! Paciência...no dia seguinte 7h da manhã quando o dono chegou fomos pedir a senha novamente. Ele ficou super indignado, como que nós precisávamos de internet as7h da manhã?? Estávamos ali, e o objetivo não era ficar “conectado” e sim sair, conversar ir a praia blá blá blá....ok, cada um com seus problemas. Mas mesmo liberando a internet por 30min, não resolveu os problemas de ninguém! Lembre-se lá o sinal de telefone é péssimo, só pega OI e olha lá.... Enfim, só para lembrar que jantamos em uma pizzaria italiana que tem bem no final da cidade. Estávamos em 3 e pedimos 2 pizzas (gigantes) + 2 sucos e 1 capirinha, R$ 60,00 por pessoa. Após fomos tomar uma cerveja no bar em frente ao nosso hostel. 08/09/17 – Na noite anterior fechamos uma passeio para a Lagoa da Capivara e já nos deixariam em Canto de Atins (de onde sairíamos para o trekking). Durante este passeio você passa primeiro no Restaurante do Sr Antônio para pedir o almoço, depois passa um tempo na lagoa da Capivara, vai um pouco na praia e volta para uma lagoa para tirar o sal do corpo e segue para o Almoço, em torno de 12:30. No início do passeio já deixamos nossas mochilas no restaurante do Sr Antônio, pois dormiríamos lá. A diária em rede é R$35,00. Para o almoço pedimos Camarão Grelhado, arroz, feijão, farofa e salada de tomate R$90,00 + suco de caju 1litro R$ 15,00. Comi bombom de cupuaçu e bacuri (R$ 2,50 cada). As 14h nosso guia chegou e as 17:30 nosso fomos ver o pôr do sol e comer uns cajus. Aqui não tem wifi, não tem sinal de telefone, energia elétrica somente das 18:30 às 22h. Jantamos algumas coisas que tínhamos levado na mochila. Durma nas redes que estão longe do restaurante (próximas ao banheiro) é melhor pois eles atendem até umas 21:30, então terá barulho, luz etc.... 09/09/17 Levantamos as 04:30 para tomar café (pão, margarina, bolacha salgada, leite e café). Combinamos com nosso guia Joel (quem quiser contato só pedir) que devido ao peso das nossas mochilas (em torno de 8kg) faríamos os 10km inicias do trekking (a parte que é na praia) de quadriciclo, pois a areia é dura, assim pouparíamos nossos pés. Pagamos R$100,00 por pessoa para realizar este trajeto. Nós tomando uma tiquira com Caju com nosso Guia Joel! Vimos o nascer do sol (fantástico). Começamos a caminhar as 6h. Paramos em uma lagoa. Chegamos em Baixa Grande as 9:30. Distância de 13km. Ficamos na casa do seu Moacir e da Bete. Tem banheiro feminino e masculino, tem uns 4 chuveiros com água temperatura ambiente. Dormitório com rede. Energia elétrica somente das 18:30 as 21h. Almoço e janta: arroz, feijão, massa, farofa e frango (a carne você pode escolher entre frango, peixe e cabrito). Jogamos sinuca com os guias e as duas francesas que estavam lá. Tomamos tiquira com caju. Subimos até as dunas para ver o nascer da lua. Fizemos uma fogueira e assamos umas castanhas de caju. Fomos dormir era umas 22:30. Neste dia gastamos R$ 107,00 : R$35,00 cada refeição – almoço e janta + R$35,00 da diária com café + R$ 2,00 refri o qual dividimos. 10/09/17 - Acordamos as 5h, tomamos café (pão, ovo, manteiga, bolacha salgada, café e leite). Saímos as 6h em direção a Queimada dos Britos. Distância: 12km. Atravessamos o Rio Negro que divide a região de Barreirinhas e Santo Amaro. Fomos na lagoa das queimadas. Chegamos na casa do Sr Raimundo (pai do Carlos Queimada, um guia conhecido pelo pessoal do mochileiros) e da Dona Joana as 09:45. Na entrada do povoado tem muito caju, mirim(uma frutinha pequena, de cor preta bem docinha). Aqui neste apoio os banheiros eram separados dos chuveiros. Tomamos uma tiquira com caju, conversamos com o Sr Raimundo e mais um primo dele que chegou ali também. Almoçamos peixe frito, arroz, feijão, massa, salada de tomate e de sobremesa uma fatia de goiabada. Após fomos descansar na rede embaixo do cajueiro (ô coisa boa). Lá pelas 16h quando o sol já estava menos quente, fomos na lagoa que tem atrás do apoio, uma lagoa cor de coca cola. No final do dia fomos até as dunas ver o pôr do sol. A janta foi praticamente a mesma coisa do almoço. Nesta noite comecei a sentir minha panturrilha. Tomei um relaxante muscular e fui dormir as 20:45. Neste dia gastamos: R$ 118,00: R$35,00 cada refeição – almoço e janta + R$35,00 da diária com café + 1 água de litrão e 1 tiquira. 11/09/17 – Acordamos as 4h. Tomamos café (bem reforçado) café, leite, tapioca, ovo, banana, laranja. Saímos 5h em direção a Betânia. Distância 18km. Paramos três vezes neste dia, quando chegamos na subida da última duna, eu estava acabada, o sol estava forte, a areia começando a esquentar e eu morrendo de calor. Chegamos no apoio, Restaurante Cantinho da felicidade as 10:45. Tomamos 4 cervejas de litrão rapidinho hahaha. Neste apoio tem energia elétrica, mas não tem sinal de telefone. Pedimos cabrito para o almoço: arroz, feijão, massa e carne de cabrito. Após o almoço descansamos na rede. Após fomos caminhar pelo povoado. Assamos umas castanhas de caju, tomamos água de coco. O restaurante fica bem em frente ao Rio, consequentemente tem uns mosquitos, leve repelente. A janta foi a mesma coisa do almoço+ salada. Neste dia gastamos R$ 126,00 : R$35,00 cada refeição – almoço e janta + R$35,00 da diária com café + 1 água de litrão e 2 cervejas. Fui dormir próximo das 21h. 12/09/17 - Acordamos as 4h. Tomamos café (tapioca, bolo, ovo, café, leite, frutas). Saímos 5h em direção a Santo Amaro. Distância 12km. Chegamos em Santo Amaro as 08:30. Ficamos na Pousada Lagoa Azul https://www.tripadvisor.com.br/Hotel_Review-g1397862-d4945559-Reviews-Pousada_Lagoa_Azul-Santo_Amaro_do_Maranhao_State_of_Maranhao.html pagamos R$ 70,00 na diária em quarto duplo, com banheiro, wifi, ar condicionado(ufa) e café da manhã. Chegamos e já nos ofereceram café (pão, presunto, queijo, tapioca, ovo frito, café, leite, frutas) . Almoçamos no Restaurante do Gordo, fica umas 4 quadras da Pousada. O restaurante é simples, a comida e boa e o valor é maravilhoso. Um prato feito de carne de sol, arroz, feijão, farofa e salada R$15,00, a coca litro R$6,00. A tarde fomos dar uma volta para conhecer a cidade. Encontramos a Casa do Picolé, que fica atrás da igreja. Peguei sorvete de tapioca e de coco verde. R$ 10,00. A cidade é pequena e não tem muita coisa para fazer. Não marcamos passeio para as lagoas. 13/09/17 – Tomamos café, organizamos nossas coisas e fomos almoçar no restaurante Caminho das Dunas, o local é simples, a comida é boa e um pouco mais cara que o outro restaurante. Gastamos R$ 28,00 por pessoa na refeição que foi: carne assada, arroz, feijão, massa, farofa + suco de maracujá. Não conseguimos comer toda a comida então, a dona do restaurante fez uma marmitinha para nós . Tinhamos agendado a o transfer para São Luís para as 14h. Fomos de hilux adaptada até um certo ponto, descemos e seguimos com o carro de um nativo até São Luís. Chegamos no aeroporto de São Luís as 18h. Pagamos R$ 70,00. Gastos: Hostel Cama, Café e Aventura (Barreirinhas): R$50,00 a diária x2 = R$ 100,00 Hostel O Peixe de Boa (Atins): R$ 35,00 Passeio Circuito Lagoa Bonita: R$ 70,00 Passeio Circuito Lagoa Azul: R$ 60,00 + 5,00 Passeio Rio Preguiças + Travessia de lancha Atins: R$ 80,00 (50,00 + 30,00) Passeio Lagoa da Capivara: R$ 70,00 Alimentação em Barreirinhas : R$ 26,00 + 10,00 Alimentação em Atins : R$ 60,00 Alimentação em Caburé: R$43,00 Alimentação em Santo Amaro: R$ 17,00 + 10,00 + 28,00 Restaurante Sr Antônio: R$90,00 + 15,00 + 35,00 + 5,00 Água , Cerveja, Picolé : 28,00 Quadriciclo: R$ 100,00 Baixa Grande: R$ 107,00 Queimada dos Britos: 118,00 Betânia: 146,00 Pousada Lagoa Azul (Santo Amaro): 70,00 Transfer São Luís a Barreirinhas: R$ 60,00 Transfer Santo Amaro – São Luís: R$ 70,00 Gastos sem passagens aéreas: R$ 1458,00 O que achei? O lugar é lindo, as pessoas são super receptivas, um ponto complicado é que as duas cidades de entrada para os Lençóis, Barreirinhas e Santo Amaro não tem estrutura suficiente para receber os turistas, mas talvez seja isso que faça com que o local esteja cuidado ainda. Barreirinhas tem alguns locais para comer na Beira Rio, já Santo Amaro é praticamente os restaurantes simples. Eu não ligo para isso, mas tem pessoas que já foram e ficaram apavoradas com isso. O que levar para o trekking? Blusa de manga longa, shorts, protetor, boné, havaiana ou uma papete...você caminhará em vários tipos de solo como areia dura, areia fofa, areia úmida, passará por lagoas. Leve uma mochila pequena somente com o básico: os guias indicam no máximo até 5kg, assim não cansará tanto. Leve lanches como barrinhas de cereal, bolachas, amendoim, chocolate (que vai derreter), e em torno de 1l de água, ou mais se achar necessário. Leve dinheiro pois em nenhum apoio passa cartão hein! Sobre o trekking? Vá de coração aberto! Você estará convivendo com pessoas simples mas que tem um coração imenso, que estão ali para te receber, te oferecer o conforto e a alimentação necessária para você continuar a caminhada. Conversas, dar risadas, tudo é experiência! Estar em um lugar onde o homem ainda não tem muito acesso, ou seja que ainda não conseguiu destruir e tirar a beleza daquele lugar é algo maravilhoso. Poder ver o nascer do sol, da lua, ver o pôr do sol, que por mais simples que seja, no nosso dia a dia quem faz isso??? É um momento no qual paramos e valorizamos totalmente a natureza. Ficamos no meio de animais, ali tem porcos, galinhas, patos, cachorro, gato, sapo, cabra, ovelha, enfim....todo mundo junto em total harmonia. É nesse momento em que aprendemos a ser mais humildes, em ter certeza que o SER é melhor que o TER. Que naquele momento aquilo é o suficiente, e nada mais é necessário. Aprendi muito...e com certeza mudei, e mudei para melhor! Ahhh... Dica para tomar tiquira: tome a tiquira e chupe um caju azedo kkkkkkkkkk Obrigada Maranhão!
  11. Camila, gastei R$ 5,500 no total, com translados, taxis, alimentação, hospedagem, passeios, passagens aéreas e de ônibus. Tudooo mesmo ehehhehe
  12. olha na época que eu fui tava compensando levar dolar e trocar por cop la... mas o bom é ver os valores antes, pq o real é mto desvalorizado. Cartagena e Bogotá você troca real fácil, San Andres não. Então caso for levar real troque em um destes lugares onde é mais fácil.
  13. Segue o whats da Briggette ( a dona do apto) +57 320 403 395 62 Se interessar, realizei o Parasail com o pessoal da Multi Tours
  14. eles também tem pelo airbnb -> https://www.airbnb.com/rooms/13870427 não sei te dizer o email deles pq eu conversava pelo booking mesmo.... Sobre Cayo Bolivar : sempre tem pessoas oferecendo o passeio! Acredito que só vá 8 pessoas por dia na ilha, e tem que dar a sorte do tempo estar bom. Mas pergunta por ali, que alguém te chama no cantinho e te ajuda ahahahhaha. O povo é meio discreto já que não pode ir até lá. Li em vários relatos que algumas pessoas pagavam em torno de 160mil COP pra ir até lá. Não encontramos ninguém que fizesse menos que 250mil COP, ou 100 dólares.
  15. De Cartagena fomos para San Andres... Pegamos um taxi do Getsemani até o aeroporto (13mil COP). Meu voo foi com a empresa aérea Viva Colômbia. Chegue cedo, pois esta empresa sempre tem uma fila gigante já que é uma das mais em conta para mochileiros ahhahaha....os voos estão sempre lotados!!! Lembre-se que pagar chegar em San Andrés é necessário pagar uma taxa de turismo (tarjeta de turismo) no valor de 105mil COP. Chegando no aero de San Andrés, pegamos um taxi (10mil COP) até o apartamento em que ficaríamos. Aqui: https://www.booking.com/hotel/co/san-andres-living-apartments.pt-br.html?aid=357028;label=bin859jc-hotel-pl-co-sanNandresNlivingNapartments-unspec-br-com-L%3Apl-O%3AwindowsS10-B%3Afirefox-N%3AXX-S%3Abo-U%3Ac-H%3As;sid=fc50d626b3b3e960e622e31d8440968b;dist=0;lang=pt-br;sb_price_type=total;soz=1;type=total;lang_click=top;cdl=pl O apto era muito bom, igualzinho as fotos do booking. Desde o primeiro contato com os donos, fui sempre muito bem atendida, mandava os e-mails e logo logo vinha a resposta! E olha que foram muitos e-mails ehhehehehe. O depósito foi realizado pelo Western Union (50% do valor). Sinceramente em nenhum momento fiquei com medo de alugar com eles, todas as avaliações eram ótimas, então confie e realmente vale muito a pena. Não é a beira mar, mas fica 5-10min a pé. Tem mercado (super todo, super êxito), padaria, restaurante e muitas lojinhas próximo dali. Não é no centro, mas é seguro. A noite o local é meio escuro e vazio, mas como em qualquer cidade é melhor evitar transtornos né? Então evitava andar por ali sozinha. Mas até as 22-23h sempre tinha movimento na rua. Bem na frente do apto tem uma empresa que começa cedo (tipo 6h) e ai tem um pouco de barulho, mas eu nem ouvia nada hahahah. Era um apto bom, com ar condicionado, cobertas, banheiro com “chuveiro” que era somente um cano com água fria, o que não fez a menor diferença devido ao calor da cidade. Juro...faz muito calor! Você nem sentira falta de água morninha ahhahahaha. No apto tem xícara, talheres, frigobar e eles lavam todo dia a louça. Então se quiserem ficar num lugar bom e barato indico a pousada da Briggette. Obs: o esposo dela trabalha em uma empresa de turismo – Beethoven Tour´s então você pode fechar todos os passeios com eles e conforme for eles dão o passeio de menor valor (os preços são os mesmos das outras empresas). Bom.. após nos organizarmos, fui encontrar um amigo láá no centrinho ahhahaha o lugar onde o povo todo se encontra, onde tem os bares, restaurantes, baladinhas e tal. Neste dia aproveitei pra comprar uma sapatilha (12.500mil COP), uma canga (15mil COP) e um conjunto de snorkel (30mil). Não deixe de comprar a sapatilha e o snorkel pois você irá utilizar em todos os passeios, já que a água é transparente e tem muitos peixes e corais por lá!!!! Vale muito a pena! Ali no centro do lado do café Juan Valdez (que alias tem wifi grátis kkkkkk), tem o El Corral que é tipo um McDonalds e também tem o Beer Station. No Beer Station a comida é muito boa, tem petiscos e lanches, o problema é que é muuuuuuito demorado tanto para vir a comida quanto para realizar o pagamento. Então tenha muita paciência. Ex de valores: cachorro quente (18mil COP), suco ou limonada (7mil COP), lula envenedada (18milCOP) tem um combo de batata frita com carne (38mil COP). Os picolés vendidos por ali são em torno de 5mil COP. Fomos a procura de um carrinho de golfe ou mula pra fazer o passeio de volta a ilha no outro dia. Conseguimos uma mula por 160mil COP para 5 pessoas + 15mil COP de gasolina. Você paga somente o valor gasto de gasolina, pode encher o tanque ou pagar para quem alugou o carrinho. Durante a volta a ilha os preços são bem mais caros, uma limonada de coco era 12mil COP. Paramos em West VIew, a entrada custa 4mil COP. Lá tem um tobogã e um trampolim direto no mar. Tem muitos peixes, na entrada você ganha um pedaço de pão pra jogar pra eles. Esse lugar rende muitas fotos. Ahhh pra você que não quer pular tem uma escadinha pra descer na água ok?? Lá também tem o tal do jet boat (barco em alta velocidade que faz manobras no mar), mas não vi valores e nem horários. Não paramos na la piscinita que é onde tem o passeio do Aquanautas (mergulho com escafandro, onde você pode caminhar no fundo do mar) e a estátua do Poseidon. No hoyo soplador não tem nada demais. É um buraco e quando as ondas quebram vem um vento por ali, SÓ ISSO. Quando chegamos no Aquaclub resolvemos parar e almoçar por ali, o bom é que você usa a infraestrutura do lugar (que é mara), tem banheiro, a comida é boa e tem acesso a praia de Rock Cay. Só tem um porém, você tem que consumir no mínimo 20mil COP, mas isso vai no prato de camarão (25mil COP), ceviche (21mil COP), limonada (5,500milCOP), cerveja club colombia (5.500mil COP). Porque preferimos ficar por ali??? Tem segurança na entrada do lugar e estacionamento. A pessoa que alugou o carrinho para nós, nos orientou a sempre ver a quantidade de gasolina disponível antes de sair de perto do carrinho, pois em alguns lugares podem ter pessoas que tiram a gasolina. Por isso é sempre bom estar de olho no seu carrinho. Ficamos um bom tempo ali no Aquaclub e depois voltamos para o centro de San Andrés para devolver a mula kkkkkkkk. Jantei em um restaurante bem pertinho do apto, um lugar muito simples, com preço bom e comida bem caseira. Talvez se não tivesse pego a dica no insta da Viajandocomgabi, eu não teria prestado atenção no lugar. O lugar tá sempre lotado! Tem muitos nativos e claro o pessoal que ta fazendo mochilão... um prato de comida lá custa em torno de 15mil cop (arroz, feijão, carne, salada e batata frita). A bandeja paisa é um prato com todo tipo de carne: almondega, linguiça, bacon, arroz, feijão, abacate, ovo, batata frita e custa 18mil. Segue o endereço: http://www.viajeros.com/destinos/isla-de-san-andres/2-restaurantes/el-parqueadero-san-andres fica do ladinho do hostel El viajero. Na manhã seguinte fui para Jonhy Cay (que estava fechada fazia uma semana devido ao vento e ondas muito fortes naqueles dias), o lugar é lindo, mas no dia em que fomos as ondas estão muito fortes, os barcos se batiam ao chegar na ilha, povo caindo, gente com medo ahhaha mas passou. Quando você chega na ilha e olha em direção a praia de San Andrés, é inacreditável, aqueles sete tons de azul sabe? É algo incrível, parece que a foto tem filtro e ninguém acredita que existe aquele lugar! Para ir a Johny Cay o custo é de 15mil COP + 5mil COP de taxa. O almoço é 25mil COP (peixe, salada de repolho, arroz de coco e patacones – banana frita). O aluguel de guarda-sol é 25mil COP. Explore a ilha, é linda! Lá dentro tem muitos coqueiros e algumas iguanas gigantes! Tem também tipo um lagartinho azul bem bonitinho. Na parte de tras da ilha não é permitido banho, já que as ondas são muito fortes! Já ouviu falar na COCOLOCO? A balada mais conhecida em San Andrés, a entrada é 20mil COP, e é reggaeton das 11 até as 3 da manhã. Tem muito estrangeiro por lá. Na sexta e sábado é lotadoo!!!! NO fundo tem um deck que dá pro mar, é bom pra refrescar, já que aquele ar condicionado não funciona direito ahhahaha. Para ir ao Aquário você paga 15mil COP + 10mil locker. O pessoal vende umas empanadas (4mil COP), manda deves com sal (3mil COP). O aquário é só um pedaço de areia, não pegue o passeio de dia inteiro, porque cansa demais e não tem local pra você se esconder do sol. Já viu o que aconteceu né? Sim....fiquei tipo camarão frito e empanado ahhahahah. Na frente do aquário tem a Haynes Cay, outra ilha, você vai até lá caminhando, pela água mesmo. Não pague para fazer o passeio da Mantarrayas, se você gosta de animais, em hipótese alguma pague!!!! Este “passeio” é feito lá no aquário e uma pessoa fica segurando o coitado do animal para ele não fugir, enquanto os descerebrados (nós seres humanos) ficamos tirando foto com o bicho. Achei o fim!!!! Não fiz, não tirei e odiei aquela situação. O lugar é lindo e conforme o momento você pode ver as arraias passeando no mar. No dia em que meus amigos foram para Johny Cay, eles foram embora bem no final e tiveram a oportunidade de ver uma “família” de arraias nadando do ladinho deles, fizeram vídeo e tudo! No outro dia fomos a Rock Cay de van, pois estávamos em 6 pessoas e combinamos com o motorista de nos buscar em determinado horário. Custou 6mil COP ida e volta. Voltamos ao Aquaclub, mas agora com a intenção de ir até a ilha de Rock Cay. Para chegar até lá não se apavore, pois a água começa a subir e no dia em que fomos eu que tenho 1,64cm, fiquei na ponta do pé e a água batia no queixo em certos momentos. Atrás da ilha tem um navio naufragado, e também tem alguns destroços dele espalhados ao redor da ilha, cuide para não se cortar. Tem gente que vai até o navio (meu amigo foi). Tem relato de pessoas que subiram lá e pularam (mas não sei se pode mesmo). Fechamos o passeio de Parasail com o Kramelo https://www.facebook.com/krmelo.berrio se alguém precisar do contato (whats) só entrar em contato comigo. Pagamos 160mil COPm dura em torno de 2h o passeio, mas o voo é rapidinho 15min. Mas como vai várias pessoas demora. Uma dica: Não vá por primeiro, deixe algumas pessoas irem, fique lá pelo 3 ou quarto que ai o barco está mas longe da estrada e mais em direção ao aquário. Ai as fotos ficam MAIS maravilhosas (se é que tem como). Vá com uma roupa que possa molhar, pois você vai cair na água SIM . Ali na marina, sempre tem uma mulheres vendendo uns doces de coco, uma obleas (tipo waffle) com doce de leite, cocada...bem bons e custam tipo 2,3 mil COP cada um. Fomos jantar em uma turminha de brasileiros e somente um argentino lá no Peru Wok. Pagamos 100mil COP em uma lagosta para duas pessoas e refri. Tem um lugar chamado Seaweed cevicheria, https://www.tripadvisor.com.br/Restaurant_Review-g297482-d7608429-Reviews-Seaweed-San_Andres_Island_San_Andres_and_Providencia_Department.html a pizza (10mil COP) é uma delícia, os sucos então nem se fala, o wrap de carne custa 18mil. As comidas são leves e deliciosas. Pegamos uma pizza na pizzaria ao lado do Café Café . Valor 30mil COP – carbonara e marguerita (boaaaa). E ai para finalizar os meus dias em San Andrés, conseguimos ir a Cayo Bolivar. Sim, a ilha não está aberta para visitação, e a maioria diz que não faz o passeio. Tem que ter cuidado, pois umas meninas que conheci lá, tentaram ir em um dia que o mar estava muito agitado e voltaram no meio do caminho pois todo mundo achava que o barco ia virar no meio do mar. Faça o passeio quando o tempo realmente estiver bom...porque?? pra você chegar na ilha Cayo Bolivar você enfrenta 1h20min em alto mar! São ondas grandes e bem altas, onde o barcos literalmente vai picando de San Andrés até chegar em Cayo! Você chega lá ensopada hahahaha e com dor na bunda! É muita água, muita sal... Mas quando você chega lá, vê aquela ilha onde está você e mais umas 5 pessoas, todo o sofrimento vale a pena! Enquanto nós conhecíamos a ilha, nossos guias faziam nosso almoço. Ficamos umas 5 horas lá na ilha, é muito lindo! Para quem gosta de snorkel tem espaço sobrando pra isso ahhahahaha. Lembre-se é mar aberto então pode sim ter tubarões pequenos por lá! Eu não vi, mas já vi muitos vídeos do pessoal fazendo snorkel e aparecendo um tubarão do lado. O que vimos foram duas arraias brincando com a gente. Vinham bem próximas a nós, só para aparecer na foto e saiam hahahaha. A volta da ilha é super tranquila. No dia em que ia pegar meu voo para Bogotá, o marido da Brigette nos levou até o aeroporto, sem cobrar nada. Ahhhh se tiver coragem, experimente as comidas vendida pelos nativos ali na avenida da praia. Porque eu falo “se tiver coragem”??? Na minha viagem para o Peru, tive uma infecção intestinal onde precisei internar ahahha então morro de medo de comer qualquer coisa na rua. Mas, eu tive coragem e comi... uma empanada deliciosa de siri e um bolo de banana que tava uma delícia (e nem passei mal ahhahaha). Esqueci de falar, mas também viajei com o seguro viagem da Mondial, já que no Peru eu precisei dele e fui muito bem atendida. Sei lá, muita gente viaja sem e não tem problema! Mas ai vai de você analisar a sua situação e no meu caso, devido algumas complicações que eu tenho, sempre vale a pena investir. Resumindo, San Andrés é uma cidade linda, povo educado, alegre, gentil! Amei!! Amei!!! Tive vontade de ficar mais tempo lá, tenho vontade de voltar logo! è uma cidade calma, extremamente limpa, as praias são super tranquilas para quem quer viajar com crianças. O Sol ahhhh o sol, sempre torrando na minha cabeça, das 8 da manhã até as 17h ahhahahaha. Aquele calor absurdo, aquele mar verde, azul, transparente. Aquela água morna....é saudade que fica, e só tenho a agradecer por ter conhecido este lugar, fora que também fiz amigos por lá, pessoas super queridas, onde em poucos dias vivemos muitas coisas! Vá, vá a San Andrés o mais rápido possível!!!!! O paraíso está lá... Obsssss: Sobre voar com a Viva Colômbia: não tive problema nenhum, as pessoas falam é um horror, tem que pagar tudo a parte! Meu bem, em qualquer empresa você vai pagar por todo serviço, não se engane! A única diferença é que na LATAM , na AVIANCA você não precisa ficar selecionando pelos serviços e paga tudo no final. Quando for comprar a passagem pela Viva Colômbia, preste atenção: você precisa selecionar se quer bagagem despachada( e quantas precisa), se você quiser selecionar o assento também tem que pagar (o lado direito do avião é lotado, porque quando você está chegando a San Andrés diz que a vista é linda – mas eu não quis pagar não), você precisa dizer se quer imprimir a passagem (lembrando que aqui você precisa imprimir o papel da passagem em algum lugar, e ela é liberada somente algumas horas antes do voo). O que eu escolhi? Peguei uma bagagem de 20kg, sim somente 20kgpra despachar! Preste atenção, se der mais vai ter que pagar os kg em excesso!!!!!, também escolhi a impressão da passagem no aeroporto já que não teria onde imprimir a tal da folha e não estava afim de ficar procurando lugar lá em Cartagena. É um preço bem barato essa impressão da passagem. Os valores abaixo dependem do trajeto escolhido tá??? Geralmente voos para San Andrés tem tarifas mais caras... Preço para despachar bagagem até 20kg: 36mil COP *Pessoal é somente 20kg, se der 21kg não tem choro ok??? Tinha gente desmanchando mala, jogando fora shampoo, comida e outras coisas mais pesadinhas pra fechar certinho o peso. Impressão da Passagem no aero: 5,500 COP Escolha de assento: não era muito caro, mas não lembro o valor Ahhhh....Existe uma empresa chamada WINGO, que o pessoal falou que é boa, mas é no mesmo esquema da Viva Colômbia, tem que escolher e pagar pelos serviços que você quer....
×
×
  • Criar Novo...