Ir para conteúdo

Rodrigo Bruxel

Membros
  • Total de itens

    58
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

2 Neutra

1 Seguidor

Sobre Rodrigo Bruxel

  • Data de Nascimento 30-05-1989

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Caro Marllon! Vou dar um pitaco aqui, mas claro que vai de cada um, até porque eu particularmente admiro natureza, história e cultura, enquanto que você pode estar atrás de outras coisas! Portanto, se fosse eu (digo eu), a partir de Passo Fundo-RS ao invés de seguir pelo planalto médio e alto uruguai do RS, seguiria rumo a região das missões brasileiras, argentinas e paraguaias! Lugar rico em história e cultura, além de ruínas fantásticas. Poderia conhecer as principais atrações no lado brasileiro (não podendo faltar São Miguel das Missões), em seguida ir até Posadas na Argentina e visitar as ruínas de Santa Ana e San Ignácio, depois rumar para Encarnacion (PAR) e visitar as ruínas de Trinidad. Feito isso seguir adiante até Foz de Iguaçu. Desconsidere esse dica caso já conheça esses lugares, ou, caso pretenda conhecer outros lugares entre Passo Fundo-RS a Foz do Iguaçu-PR pelo que você traçou. Obviamente que você vai levar um tempo a mais para percorrer esse trajeto que lhe sugeri, digo algo em torno de 4 dias . No mais era isso... Grande abraço Rodrigo Bruxel
  2. Fala Otávio, tudo certo?! Sinceramente não conheço ainda a praia de Garopaba, embora sempre tive vontade e nunca visitei por relaxamento! Tive poucas oportunidades de conhecer o litoral catarinense, mais exatamente três vezes: a primeira vez em Ferrugem; outra na Guarda do Embaú, onde aproveitei e realizei uma caminhada costeira em que pude conhecer a Prainha (chamada por alguns de praia Gaúncha Pelada), o Vale da Utopia com a praia do Maço, e finalizando a caminhada na praia da Pinheira; e por último essas praias que acabo de relatar! Não sei como é em Garopaba, mas imagino que seja parecido com a Ferrugem, onde é infestado de argentinos, e as pousadas, restaurantes, e festas são todas direcionadas ao povo argentino (eu me sentia turista estrangeiro na Ferrugem). Tenho curiosidade, e talvez até possa me responder: existe algum conjunto de trilhas que façam a junção entre as Praias de Ferrugem-Garopaba, em seguida Garopaba-Gamboa/Siriú/Guarda?? Notei que existem poucas informações ou nenhuma sobre essas trilhas, exceto as trilhas na ilha de Florianópolis! Grande abraço, e boas caminhadas!
  3. TRILHA PRAIA VERMELHA - PRAIA DO ROSA (TERCEIRA TRILHA) Ao final da orla da Praia Vermelha, próximo às rochas, existe uma placa indicando o início da trilha para a Praia do Rosa, sendo a trilha mais curta dentre as três. Como todas as outras trilhas, ela vai costeando as bordas junto ao mar! A trilha percorre algumas centenas de metros em um zig-zag, sob um leve aclive em mata fechada na face norte do morro! Algumas janelas se abrem durante o trajeto, até que começa novamente uma descida que te remete próximo às encostas. Na descida é possível deslumbrar melhor todo o litoral, inclusive visualizando a praia da Ferrugem. Nesse trecho também existe um barraco 1x1m com uma cadeira de madeira em seu interior, que de trás mais se parece com uma “capunga”, ali dava para ficar horas sentado apenas admirando a paisagem. A trilha continua e te leva para o extremo leste do morro, onde a partir dali começa a subida mais forte dentre todo o percurso, incluindo as três trilhas. A trilha é cercada por um túnel verde, o que lhe traz sombra para a cabeça, porém é desgastante percorrê-la depois de algumas horas de caminhada! A subida te leva quase ao pico, de onde se dá inicio a descida definitiva da trilha. Dali em diante na trilha é possível sempre avistar o mar a esquerda, e ao sul até mesmo visualizar o porto da cidade de Imbituba. Após o começo da decida se chega à borda sul do morro, onde se tem uma bela paisagem de toda praia do Rosa (Norte e Sul), com suas belas ondas. Esse trecho é bem movimentado por pessoas que sobem a trilha para registrar algumas fotos. Sem mais delongas, a trilha se termina logo após passar por um deck, transpondo a vegetação do lugar, e lhe levando até as pedras que ficam junto ao inicio da orla da praia! Paramos em um quiosque e compramos dois refrigerantes, e fomos dar um merecido mergulho. Em seguida fomos atrás de um ônibus para retornar até a Praia da Ferrugem (a volta merece quase outro relato, e era quase mais válido voltar todo percurso pelas trilhas do que voltar de ônibus). Distância percorrida entre Praia Vermelha – Praia do Rosa: 2,0 km A praia do Rosa é a mais movimentada dentre as quatro, infestada por surfistas, e as ruas um caos em busca de estacionamento para os carros. É bastante badalada, e a orla fica bem movimentada.
  4. TRILHA PRAIA DO OUVIDOR – PRAIA VERMELHA (SEGUNDA TRILHA) Chegando à praia fomos em busca de água, pois só tínhamos levado uma garrafinha de água (como havia comentado, não tínhamos levado mochila para mantimentos), e tinham nos informado ainda em Ferrugem que na praia do Ouvidor haviam quiosques para venda de bebida. Pois bem, estávamos com muita sede, e quem disse que havia um maldito quiosque aberto naquele lugar? Coisa nenhuma! Não estávamos cansados, porém com sede! Percorremos toda enseada e nada, até que chegamos ao início da segunda trilha que dá acesso a Praia Vermelha, quando avistamos um gentil senhor que nos abanou e por conta própria nos ofereceu água (fato curioso é que a água que nos ofereceu é retirada a +/- seis metros do mar, ainda mesmo na areia, onde jorra água de uma vertente... nunca havia visto coisa igual!!). Agradecemos e seguimos a pernada. Essa segunda trilha é bem demarcada e sinalizada, a todo o momento existem barrotes com setas de indicação esculpidas na madeira, também existem escadas feitas de pedra, pontes, decks, etc. A trilha começa com vários sobe/desce acentuados, sobre mata nas laterais, até surgir uma forte subida onde no final existe uma cerca com uma enorme placa indicativa que te orienta a seguir a trilha pela esquerda. Seguimos a esquerda conforme indicação e começamos a rumar para a ponta leste do morro, contornando próximo às rochas que surgem entre o mar e a terra firme. Próximo a extremidade leste do cujo morro é possível avistar dois barrocões, que imagino eu que sirvam como garagem de pequenas embarcações. A partir dali começa novamente um vegetação rala, com uma subida a direita sentido sul/sudoeste. No topo dessa subida já existe uma placa indicando o nome da Praia Vermelha (mas não se engane, tem um bom pedaço de chão até chegar lá). A trilha vai sempre costeando o mar, oscilando entre mata fechada e janelas abertas para visualização do litoral... ao horizonte às vezes já é possível avistar a praia Vermelha. Passamos por vários surfistas, onde eu creio que utilizam a trilha para migrar de uma praia a outra em caso de uma praia estar com ondas melhores que a outra. Logo a trilha começa a descer, passando por uma ponte, e em seguida se chega a uma escadaria de madeira, que dá acesso a orla da praia. Distância percorrida entre Praia do Ouvidor – Praia Vermelha: Aprox. 2,1 km A praia Vermelha diferentemente das outras, é meio isolada. No morro central é possível avistar três a quatro mansões onde é possível chegar de carro, sendo que essa estrada é a mesma que dá acesso à praia do Ouvidor. Também não existe comércio de bebida, não existe salva-vidas, e assim por diante. Mas a praia é muito bonita, pois é margeada totalmente pela mata, e nas suas extremidades bloqueadas pelo surgimento de rochas e morros.
  5. A seguinte trilha foi realizada no dia 31/02 juntamente com minha namorada e parceira de pernadas. A caminhada é um conjunto de três trilhas, que fazem a conexão entre cinco praias: Praia da Ferrugem – Praia da Barra – Praia do Ouvidor – Praia Vermelha e Praia do Rosa. Na verdade as duas primeiras praias (Ferrugem e da Barra) não são unidas por uma trilha, e sim divididas pelo canal da lagoa da Ferrugem que desemboca no mar. Abaixo a localização das praias e percurso realizado: Tudo começou quando decidimos ir até o litoral catarinense curtir alguns dias de praia, sendo que teríamos quatro dias de folga. A ideia era apenas de descansar acompanhado de algumas caipiras e cervejas. Mas como não somos de ferro, fomos em busca de outras alternativas. Foi então que ouvimos no hostel onde estávamos hospedados, que havia um conjunto de trilhas que ligavam a praia da Barra até a praia do Rosa (até então não tínhamos conhecimento das trilhas, muito menos das duas praias que intermeiam ambas, praia do Ouvidor e praia Vermelha). Com isso pegamos algumas informações básicas, apenas básicas, porque ninguém ali tinha informações detalhadas, e resolvemos realizar o percurso no dia seguinte. Eu não tinha nada comigo para realizar a trilha com maior conforto, roupa propícia, tênis ou bota, nem uma mochila de ataque em que pudesse levar comida e água, então resolvi pernear com os meus havaianas, e munido do casco duro dos meus pés, afinal, fui criado no interior e nunca tive medo de “roseta”! TRILHA PRAIA DA FERRUGEM - PRAIA DO OUVIDOR (PRIMEIRA TRILHA) Acordamos cedo no domingo, tomamos um café de manhã bem caprichado no próprio hostel, e por volta das 8:30 horas partimos em direção a praia da Ferrugem (o hostel fica a poucos metros da praia). Dali rumamos ao sul, percorremos 600 metros e já estávamos no canal da lagoa em que separa as praias da Ferrugem e da Barra. O canal é estreito e raso, mas ambos podem variar conforme o dia e horário (quando passamos a água batia na altura da cintura, e devia ter uns 15m de largura). A orla da praia da Barra tem aproximadamente 800 metros, e no extremo sul da praia é onde se dá o início da primeira trilha. Antes de começarmos a trilha aproveitamos para tirar algumas fotos nas formações rochosas que estão localizadas bem no final da praia/início da trilha. Feito isso adentramos a trilha, onde existe uma placa indicativa de propriedade particular, mas que menciona a permissão em executar a trilha. O início da trilha ainda é sobre areia, e logo após uma leve subida já existe a primeira bifurcação, onde se deve pegar a trilha da esquerda, pois a trilha que segue reto dá acesso às dunas, que também é um ponto turístico do lugar (a trilha que dá acesso às dunas é bem mais batida e larga, e pode te dar e sensação de ser a trilha certa). O começo da trilha é margeado por mata, onde existem lateralmente outras trilhas (agora siga sempre a principal, onde o solo está mais batido). A trilha vai serpenteando suavemente por aproximadamente uns 600 metros, dentre a mata aberta sobre a cabeça, com o surgimento de apenas algumas janelas laterais para deslumbrar o litoral. Percorrido os 600 metros surge uma cerca de arame farpado, com uma pequena passagem para pessoas, e dali em diante até a praia do Ouvidor é que o visual se torna realmente bonito. A trilha vai contornando por lugares de vegetação rasa, o que chamamos na minha terra de potreiro por se tratar de um lugar onde existe criação bovina, deixando a vegetação como um tapete. A trilha continua bem batida, com marcas de patas de gado, e em alguns lugares até é meio lamacenta devido às chuvas e o pisoteamento do gado. Paramos dezenas de vezes para tirar fotos, e logo chegamos no que seria talvez o pico do morro! Ao horizonte (Sul) pudemos ver o que seria a praia da Barra , e a oeste se tinha as dunas que havia comentado anteriormente. Começamos a descer o morro e logo nos deparamos com dezenas de vacas, bois e sei lá mais o que, tivemos que contorná-las em direção ao mar, porque a minha namorada ficou meio receosa com a reação delas (me pareciam amigáveis, sequer se movimentavam, porém lançavam um olhar de poucos amigos). Mais alguns metros estávamos na praia do Ouvidor Distância percorrida entre Praia da Barra – Praia do Ouvidor: Aprox. 2,5 km. A praia do Ouvidor é praticamente uma praia sem casas, avistei apenas duas no final da orla. A praia em si até é bem movimentada, pois se dá para chegar até ela de carro, e até por isso que a orla parece mais um estacionamento, onde os carros ficam enfileirados e cada qual seu dono e sua família curtindo a praia na frente de seus veículos.
  6. Carlos, aqui quem vos fala foi o parceiro de pernada do Spiekermann! Veja bem, esse valor é de ida e volta pois não existe rota de fuga, ou seja, é ir e voltar pelo mesmo caminho percorrido... a não ser que tenha sorte e consiga voltar de barco com algum pescador que por ventura estiver acampado por lá! Outra coisa, de caminhada foram três dias apenas, pois o primeiro dia foi apenas de deslocamento até a cidade de Tapes! Creio que três dias são suficientes, sendo que dois dias terão que ser bem caminhados (partindo cedo e parando ao anoitecer), e o terceiro podendo chegar perto do meio dia na cidade de Tapes! Reforço o que foi salientado no relato: não tente contornar o pontal, pois será inútil a tentativa... ao chegar no extremo e avistar apenas água e juncos sobre a água, dê meia volta e retorne tudo novamente (perdemos quase 2 horas tentando contornar, em vão )! Espero ter ajudado, qualquer coisa é só prender o grito! Rodrigo Bruxel
  7. Leila, Começamos pela rodoviária: Morei alguns anos em POA e desembarcava na estação de trem Mercado ou Rodoviária (ambas ficam próximas a região da Rodoviária) pelo turno da noite, por volta das 23:00/00:00, e caminhava um bom trecho em meio ao lugar! Nesse horário o lugar é bem hostil, pois os moradores de rua começam a se acomodar nas ruas ali próximas, e a região se torna menos movimentada e menos policiada, logo, você vai se sentir desconfortável em andar por aquelas bandas. Mas de qualquer forma nunca fui assaltado (mas pode ter o azar de ser assaltada no primeiro dia ). Resumindo, se você precisa passar por lá nesse horário, tenha bom senso e não carregue coisas valiosas consigo (deixe sua mochila guardada na rodoviária), e tente evitar a passarela/viaduto/e regiões próximas ao mercado. Já durante o horário de pico a noite e um pouco além desse horário, até as 21:00 (ainda mais que será horário de verão), a região é bem movimentada e você será apenas mais em meio a multidão. Mas de qualquer forma todo cuidado é pouco. Mas veja bem, caso estiver passeando pelo centro ainda a noite acho cômodo você pegar o trensurb na estação do Mercado Público e descer na estação da Rodoviária. Como irá passar nem um dia completo em Porto Alegre, recomendo visitar o que tem no centro da cidade: Mercado Público, Praça da Alfândega (multidão), Casa de Cultura Mário Quintana (Segundas-feiras: 14h às 21h), talvez pegar o busão e dar uma passeada na parque Farroupilha (meio vazio em segundas) e terminar com o pôr do sol na Usina no Gasômetro. Pode também conhecer o monumento O Laçador (não sei como chegará em Porto Alegre, mas caso chegue de avião obrigatoriamente passará por ele). O MARGS, Museu da PUC, Iberê Camargo estarão fechados na segunda feira, outros museus ou fundações eu nunca fui e não sei te responder! A noite pode curtir um barzinho na cidade baixa ainda, se der tempo! Espero ter ajudado Abs
  8. Pois então.... realmente foi algo chocante, ainda mais para um vilarejo pequeno e com uma pessoa influente no cenário nacional do surf. Mas vejo o acontecido mais como uma fatalidade, algo esporádico, que pode acontecer em qualquer pedaço do Brasil. A vila continua tranquila, e boa de ser curtida (exceto para crianças, pois como sempre a "cannabis" anda em alta por lá). Abs
  9. E ai Onassis, tranquilo? Existem dezenas de relatos sobre Gramado/Canela, chegastes a ler bastante deles? Pois na medida em que você vai lendo esses relatos tenho certeza que irá chegar num concesso sobre o que visitar em Gramado/Canela, porque veja bem, a "maioria" das opiniões coincidem! Mas se puder ser mais específico e citar aquelas que alguns dizem não ser satisfatórias, talvez outros possam confirmar! Também seria interessante mencionar qual tipo de turismo você busca (museus, passeio urbano, parques, belezas naturais) e o quanto você pretende gastar! Tchê, de festa conheço o Bill Bar e o Botequim Santana! Existem alguns pub's que funcionam como restaurante também! Att Rodrigo Bruxel
  10. Saulo, fantástico a rota, e, parabéns pelo seu relato! Mas me responda, quantos dias você levou para fazer todo percurso? Terei 3 dias disponíveis em fevereiro, porém não sei o que dará para fazer com o tempo disponível! Partirei de Lajeado/RS domingo de manhã bem cedo, e na quarta-feira já preciso me fazer presente no trabalho. Imagino que dê apenas para fazer o lado brasileiro com esses 3 dias (contando ida e volta da cidade de partida), porém queria aproveitar a deixa para conhecer o salto yucumã, já que fica perto das missões! Abraço, e bons ventos R. Bruxel
  11. E ai Rafa, Bueno? Sobre Bento fica a dica de passar pelos tópicos referentes a serra gaúcha, pois achará respostas sobre o assunto. Mas de qualquer forma vou dar um ctrl "c" ctrl "v" do que deixei em outro tópico sobre minha opinião de Bento: "...como havia comentado anteriormente, em Bento existe o roteiro Caminhos de Pedra, roteiro este que abrange várias propriedades particulares de descendentes de imigrantes que possuem a arquitetura singular (casas de pedra e de madeira) e também fazem demonstração e degustação de seus produtos coloniais (alguns lugares cobram taxa) ,e de quebra, pode também contemplar outras tantos pontos observação. Mas para isso terá que estar de carro, pois o percurso acontece no interior de Bento, ou, fechar um grupo e contratar uma agência de turismo. Então, só esse roteiro pode te custar um dia inteiro, mas vai depender do seu estilo (meus pais fizeram e gostaram, eu já não curto muito esse tipo de passeio). Para conhecer melhor o roteiro você pode acessar o site: http://www.caminhosdepedra.org.br Em Bento você pode também realizar o passeio da Maria Fumaça, que passa por Carlos Barbosa e termina em Garibaldi. Fiz quando era pequeno, e na época achei bacana (sempre fui fissurado em trem), realizam apresentações dentro do trem, e no início e chegada oferecem espumantes e sucos de uva. Agora também é a época forte da uva, então também poderá fazer o enoturismo, conhecer inúmeras vinícolas que oferecem degustação e todo aquele lero lero. No centro vale caminhar pelo Rua Marechal Deodoro, este passeio é guiado gratuitamente pelos fones: 0800-603-6060 ou (54) 3453-6699...." Como pode notar não manjo muito sobre o enoturismo de Bento Gonçalves, mas se é fissurado por vinho acredito que Bento Gonçalves seja a melhor pedida. O pessoal fala muito da Vinícola Aurora, porém já ouvi várias pessoas optarem pelas vinícolas de menor porte, onde o processo é um pouco mais rudimentar e o atendimento é mais familiar. Pelo que entendi ficará dois a três dias em POA, e esse tempo me parece que consegue ver quase tudo que se tem na cidade, pra não dizer tudo! PS: Em 2015 serei U de Chile desde pequeno
  12. Boa tarde pessoal! A Universidade Federal de Santa Maria/RS disponibilizou em seu site um aplicativo onde é possível visualizar as cartas topográficas georreferenciadas do estado gaúcho, onde estão inseridas dentro do aplicativo Google Earth. Achei interessante, pois é possível traçar trilhas simultaneamente sobre as cartas topográficas como também sobre as imagens (basta selecionar a caixa "cartas", situado no canto esquerdo do GE). Talvez para a maioria isso não seja novidade, mas eu particularmente não tinha conhecimento desse aplicativo! Segue o link para Download http://coral.ufsm.br/cartografia/index.php?option=com_content&view=article&id=40:navegacao-no-google-earth-cartas-topograficas&catid=2:mapas-e-imagens&Itemid=36 Grande abraço Rodrigo Bruxel
  13. VonScheibler, eu não queria me precipitar em reclamar do lugar, pois achei que talvez só eu que tivesse essa impressão negativa! A muito tempo atrás fui com minha namorada tomar um chopp e comer pastéis, e o chopp estava quente e os pastéis demoraram uma eternidade (até aí tudo bem), porém os garçons eram desqualificados ao extremo, muito mal educados (pra não dizer coisa pior)! E de quebra o preço é elevado, ainda mais para pelo atendimento fracassado! É uma pena, pois o visual é fantástico, então se pode resumir assim: RBC: ruim, bonito e caro! Espero que o atendimento tenha melhorado, já que faz tempo que fui até lá. Quando você foi VonScheibler?? Att Rodrigo Bruxel
  14. Rodrigo Bruxel

    destino no RS

    João, existe uma gama de coisas para se fazer no Rio Grande do Sul. Talvez tivesse que ser mais específico para que o povo pudesse lhe auxiliar em seu roteiro (preferências, tempo disponível, meio de locomoção, de onde você vem, etc)! O estado é grande, e existem belezas e turismo disponível espalhado por boa parte do território gaúcho, por exemplo, Porto Alegre, região serrana (só aí dá já dá muito pano pra manga), região das missões jesuíticas, alguma coisa na região da campanha, talvez litoral. Enfim, dá uma pesquisada nestes links abaixo que irão te ajudar bastante! Destinos Rio Grande do Sul rio-grande-do-sul-f140.html Relatos na região sul do País brasil-sul-relatos-de-viagem-f769.html Abraço
×
×
  • Criar Novo...