Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

dominique91

Membros
  • Total de itens

    13
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

17 Boa

1 Seguidor

Últimos Visitantes

272 visualizações
  1. Desde quando fomos até o Ushuaia de carro e passamos brevemente por Torres del Paine, o parque não saiu da minha cabeça! Finalmente, depois de alguns anos conseguimos voltar para fazer o Circuito W! Com certeza uma das paisagens, se não a paisagem, mais linda que já pude presenciar. Milhas e milhas de natureza bruta, clima Patagônico, gelo, floresta, sol, neve, lagos e montanhas. Sem dúvida um “Must go” para os amantes de Trekking! Bem, vou compartilhar um pouco da minha experiência, vou tentar ser breve e certeira nas informações que mais precisei quando estava me planejando. Insta: @domizila Site: www.embarcandonatrilha.com.br 1 – Qual a melhor época para viajar? Pelas minhas pesquisas, sem dúvidas é o verão. Nós fomos em Março, fim do verão e começo do Outono. Pegamos temperaturas negativas em certos pontos, mas ainda sim foi bem tranquilo. A primeira vez que fui a passeio no parque havia sido em Julho. Me lembro que não dava para abrir a porta do carro por conta do vento fortíssimo, então inverno não é uma opção. 2 – Por onde começar? Laguna Amarga ou Pudeto? A primeira coisa que você precisa definir é por qual lado do parque começar. Você pode iniciar por Laguna Amarga, onde você verá as torres logo no início da viagem ou você poderá iniciar por Pudeto onde você deverá inicialmente pegar o Catamarã e ir para a outra ponta do parque, deixando como a cereja do bolo as torres por último. Dica: Algumas pessoas que conheci iniciaram por Pudeto, mas optaram por ficar um dia a mais. Elas ficaram hospedadas a primeira noite no Abrigo do lado das torres, para ter a oportunidade de pegar 2 janelas de tempo, uma no primeiro dia e outra no último. Para quem não sabe o clima é quase que imprevisível, muitas vezes as torres estão escondidas atrás das nuvens. Nós iniciamos por Pudeto por motivos de força maior. Decidimos viajar 5 meses antes da data escolhida e já estava tudo esgotado (Isso que fomos em Março, que já é considerado baixa temporada), os principais abrigos e melhores opções não estavam mais disponíveis, então adaptamos ao que tinha! Então, antes de mais nada: Agende o quanto antes e escolha o lado que deseja iniciar. 3 – Posso deixar a bagagem extra de viagem em algum lugar enquanto estou na trilha? Sim, e não precisa se preocupar quanto a isso. Acho que posso dizer que 100% dos Hostels em Puerto Natales tem o serviço de guardar sua bagagem extra durante a trilha. Muitos, nem cobram se você voltar e se hospedar no retorno do parque. Custo: Se te cobrarem, será uma média de 3.000 pesos o dia 4 - Como chegar no Parque? É bem simples! Considerando que você chegue de avião, o aeroporto mais próximo será o localizado em Punta Arenas. Do próprio aeroporto saem ônibus para Puerto Natales, basicamente de hora em hora. Se você ficar hospedado em Punta Arenas, na cidade tem uma rua onde estão localizadas basicamente todas as cias de bus, é só chegar e comprar. Custo: $ 16.000 pesos ida e volta Punta Arenas - Puerto Natales Chegando em na estação em Puerto Natales, você poderá comprar as passagens para o Parque. As principais cias que trabalham o trecho são: https://www.bussur.com/ http://www.busesmariajose.com/services.php Dentre outras. Existe diferença de preço entre desembarque em Laguna Amarga e Pudeto Custo: $ 18.000 pesos ida e volta Puerto Natales - Torres Fique de olho nos horários para não perder o ônibus voltando da trilha. Se você quer chegar em Puerto Natales e já ir para Punta Arenas, tem que sair cedo do parque. Nessa opção obrigatoriamente você vai para Puerto Natales e de la para Punta. 5 - Onde comprar meu ingresso do parque? Você pode comprar seu ingresso em dois lugares: Na estação de ônibus de Puerto Natales: Acho que poucas pessoas sabem dessa. Eu encontrei por acaso. No fundo da estação tem um escritório adm do Parque e lá vende os ingressos. Só pode comprar com cartão nessa opção. No parque: Chegando no Parque, obrigatoriamente todos os ônibus param na portaria para a compra de ingressos. Nessa opção só aceitam dinheiro. Custo: $ 21.000 pesos Essa foto é da estação de ônibus de Punta Arenas. Ali ao fundo, no Informacion, você pode comprar o ingresso do parque com cartão. 6 – Passa cartão no parque? Olha, em partes passa, mas eu não contaria com isso. Recomendo levar dinheiro para evitar passar perrengue. Lembre-se que você está literalmente no meio do nada, não tem como sacar dinheiro por lá e se a internet não estiver pegando bem, não tem muito o que fazer. 7 – Onde ficar hospedado dentro do parque? A primeira coisa que você precisa saber é que as hospedagens do parque são parte administradas pela: - Conaf (Campings roots): http://www.parquetorresdelpaine.cl/es - Vertice (Hospedagens do lado de Pudeto): http://www.verticepatagonia.cl/home - Fantastico Sur (Hospedagem desde o Italiano até do lado de Laguna Amarga): http://www.fantasticosur.com/mountain-lodges/ Vou colocar em ordem de barateza rs: - Pela Conaf, seriam os acampamentos roots, experiência total. Você leva sua barraca, seus equipos e paga uma taxa para uso do espaço do camping e banheiro, se não me engano é USD 10,00 por dia - Abrigos (que são bem confortáveis) ou no acampamento em que, você chega e já está tudo arrumado (barraca montada, isolante, colchão, etc). Nessa opção o custo por noite por pessoa seria na média de USD 100 e se quiser incluir o FB (Café, lanche de almoço e jantar) média de USD 150 (Levei minha comida e cozinha, fui bem feliz com essa opção) - Também existem opções dos Domos no acampamento Frances, mas pelo o que escutei eles são desconfortáveis, muitos com goteiras, mas pode ser uma saída caso não tenha mais vaga nos albergues. - E se você já é uma pessoa que está ai, bem de vida, só na alegria e curtição, pode ficar nos hotéis maravilhosos, com direito a piscina aquecida, ofuro ao ar livre, muito vinho e comida boa. Tem algumas opções, não estendi muito a minha busca mas vi que variava entre USD 200 até USD 700 por cabeça. Custo: Vai acabar dependendo de sua escolha. Os valores não permitem parcelamento, tudo à vista pelo paypall 8 – Não levei comida o suficiente, tem como comprar no parque? Se você chegou da caminhada e ficou com a fome de 10 guerreiros e não comprou o Full Board antecipado, avisando um pouco antes do horário da refeição você pode pagar na hora para se alimentar. Também tem vendinhas com chocolate, frutas, até mesmo capas de chuva, mas lembre-se: Você está em um lugar onde o principal meio de transporte são os cavalos e as costas das pessoas. As coisas não são baratas, por motivos óbvios. Inclusive os meios de reciclagem de lixo, água e dejetos são extremamente respeitosos com a natureza, porém tudo tem um custo. Tente levar tudo o que precisa, se não, você pagará R$ 15,00 por uma barra pequena de chocolate. 20180319_193404.mp4 9 – Quero beber uma breja depois da caminhada, tem como? Tem sim! Mas, mais uma vez não espere pagar pouco: Custo cerveja lata: $ 5.000 pesos (média de R$ 25,00) Custo garrafa vinho: $ 30.000 (média de R$ 160,00) – E é um Casillero del Diablo Ou, faça como eu, ignore o peso da mala e leve uns vinhos rs 10 – Quero cozinhar no parque com meu equipo. Como faz? Existem cozinhas comunitárias para fazer fogo com seu equipo e cozinhar. Fazer fogo fora dos lugares indicados é estritamente proibido. É proibido no nível de que se te pegarem, além de ser expulso do parque, você é deportado do Chile e ainda sofre um processo. Em todos os lugares de acampamento/abrigos tem espaço para cozinha, mas nem pense em fazer fogo durante a trilha, além de ser proibido, você pode colocar fogo na oitava maravilha do mundo. Acho que você não quer fazer isso, não é mesmo? Ou pelo menos não deveria querer. 11 – Preciso de Guia? Não. Você não precisa de um guia (O trabalho dos guias é maravilhoso e na grande maioria das trilhas do planeta é recomendado ir com um, porém esse parque foi projetado para ser autoguiado) As trilhas são muito bem demarcadas, o mapa é de fácil leitura. Existem inúmeras pessoas fazendo a trilha, o rastro é muito visível e você pode acompanhar o caminho pelas marcações com estacas e tintas. Claro que você precisa prestar atenção no que está fazendo, enquanto estiver na trilha esteja atento as marcações, preste atenção nas pessoas que passam por você. Enquanto eu estava lá um grupo decidiu “cortar caminho” se perdeu no meio do mato, então, não corte caminho. 12 - É fácil encontrar água durante a trilha? Sim, é muito fácil. Não precisa ficar carregando litros e litros de água. Um cantil de 750ml já basta. Você passa por muitos pontos de água a todo momento. Roteiro Pegamos o primeiro ônibus que saia de Puerto Natales, para chegar no parque a tempo de pegar o Catamarã das 11: 35. O Catamarã das 11:35 é o limite para conseguir fazer o Mirador Grey, se pegar o das 14:00 já era, tem que deixar para o dia seguinte. Mesmo assim tem que andar rápido na trilha. O sol estava se pondo por volta das 20:00 Portaria Laguna Amarga: Pudeto: Aguardando o Catamarã Vista do Catamarã Indo para o Grey Indo para o Grey Friaca indo pro Grey Primeiro Mirador do Grey Primeiro Mirador Voltando do Grey para Paine Grande (Pega na quantidade de roupa que o Gabriel esta usando kk) Chegando em Paine Grande Vista do Refugio Paine Grande Saindo da Cozinha e indo para o Refugio 20180319_193145.mp4 Sobre a Trilha: É uma trilha extensa, sem grandes desníveis. Bem no começo tem algumas subidas, mas depois é bem tranquilo. Muito bonito! Você vai margeando o lago à direita e montanhas à esquerda. Tem que apertar o passo para fazer o bate e volta, é só focar que a trilha sai! Dia 02 Paine Grande Nao da para cansar de ver essas fotos rs Dia 03 Indo para o Italiano Campamento Italiano Subindo Rumo ao Britanico Chegando no Britanico Voltando e Parando no Mirador Frances (Na realidade voce passa por ele na ida e na volta, para mim um dos pontos mais belos ) Campamento Frances Sobre a trilha: Considero o ponto mais alto, depois das Torres. O segundo dia de caminhada é belissimo do começo ao fim, as paisagens mudam constantemente, mantendo você envolvido com cada detalhe. A subida do Frances e Britanico é moderada, muitas pedras, tem que prestar atenção no caminho e onde pisa, mas não é nada extra hard. A todo momento você consegue observar o degelo da montanha formando os rios, é uma beleza indescritivel Sobre o Acampamento Frances: A estrutura é boa. Mas, se estiver chovendo a cozinha é a céu aberto e se tiverem muitas pessoas para tomar banho, você pode acabar ficando com água gelada. Foi o que aconteceu comigo. Sim, tomei banho gelado a 6cs kkk Parece que o sistema de aquecimento leva um tempo para subir a temperatura da água e se várias pessoas usam de uma vez, a água quente acaba e tem que esperar um tempão para aquecer. Mais um detalhes sobre o acampamento: Ele tem infestação de ratos. Inclusive quando entramos na barraca notamos uns buraquinhos, achamos que era normal, mas descobrimos a noite que os ratos tentam entrar na barraca atrás de comida. Então, mantenha toda a comida muito bem embalada e se prepare para escutar alguns roedores pela noite rs Dia 04 Sobre a trilha: O desnível começa a aperecer mais forte no terceiro dia. Na realidade tem muito sobe e desce. É uma trilha mais dura, pois a paisagem não muda tanto e em horas leva bastante tempo para conseguir finalizar. Nós conseguimos vaga somente no Torre Norte, em certo momento a trilha partindo do campamento frances bifurca, um lado vai para a Torre Norte/Central e o outro para o Chileno. Eu realmente recomendo ir para o Chileno. É uma subida consideravel, mas faze-la no mesmo dia de ataque as Torres foi bem pesado. Entao, vá para o Chileno. Repito, Va para o Chileno. Chileno. Dia 05 Comecinho do ultimo trecho para as torres Chegando nas Torres Tudo que sobe, tem que descer, e voltamos das Torres para o Refugio Central/Norte, pegamos um translado até Laguna Amarga e de lá demos um "Até breve" para Torres del Paine Segue uma imagem linda da despedida Sobre a Trilha: O último dia!! Ao mesmo tempo que não queríamos ir embora, foi um alívio. O cansaço começou a bater. É engraçado como muito da nossa questão de alcançar um objetivo, vem da cabeça! Até o penúltimo dia estávamos bem o último, parecia que um caminhão tinha passado por nós rs. Bem, algumas coisas aconteceram, vou colocar na linha: 1. Saímos de madrugada, para tentar chegar no nascer do sol nas torres, porém o caminho do Refugio Norte/Central até o Campamento Chileno (que seria o início da trilha para as torres) é extremamente puxado. É um caminho estreito que vai beirando o abismo, pegamos neve e muito vento. Acabamos indo lentos demais. 2. É muito importante você ter o equipamento correto, dentre eles o Anorak! Meu marido se confundiu na hora de fazer as malas e levou o errado. Compramos o que tinha na hora (capa de chuva) e ele sofreu muito com isso, até troquei de roupa com ele em certo ponto 3. A subida é forte, com muitas pedras. Os último 45 minutos de caminhada são puxados, vi muita gente com cara de desespero na trilha rsrs 4. Chegar no topo não tem preço, me arrepia só de lembrar! Só tenho a agradecer por ter tido esse momento em minha vida. 5. Infelizmente estava nevando muito, a temperatura estava negativa. Não conseguimos ficar muito mais que 10 minutos lá em cima, mas valeu cada segundo dessa trip muito louca O que não pode faltar na mala: Pessoal não vou passar um check-list completo do que precisa levar, mas vou falar do que não pode faltar de jeito nenhum: - Anorak (100% A prova de água) - Calça impermeável - Um bom tênis para caminhada - 3 Boas meias para caminhada (Cano alto, que evita bolhas, comprei na Decatlhon e foi ótima) - Pelo menos 2 blusas respiráveis, para usar como primeira pele - Capa de Chuva para a Mala - Uma mochila de ataque - Um Fleece - Um lenço para enrolar nas orelhas, venta bastante, evite dor de ouvido - Lanterna de Cabeça - Frutas Secas, Comidinhas fáceis como salaminho, levar ovo já cozido, polenguinho Bem, espero ter ajudado! Ficarei mais do que feliz em ajudar e tirar dúvidas de quem esta se preparando para ir!! Um grande beijo e bons ventos!
  2. dominique91

    Relato e Dicas - Púcon, a cidade do Villarica

    Nos fomos sozinhos, fazendo as pesquisas e reservas!
  3. dominique91

    Santiago em marcha lenta...8 dias no Chile

    eh... vou para o chile desde 2012 e sempre achei caro, principalmente gasolina! Todo estrangeiro que converso sobre o Chile também acha o pais caro, nao eh tanta questao de conversao nao
  4. dominique91

    Santiago em marcha lenta...8 dias no Chile

    Ai que mara esse post!! Parabens pela viagem! O Chile é um dos meus países favoritos, ja fui algumas vezes, mas nunca fui para Santiago! Vou deixar salvo aqui as dicas para quando tiver a oportunidade. Das cidadades que ja visitei no Chile, nenhuma se salva, todas carissimas... voltei agora de Torres del Paine, até doi o coraçao pensar em quanto que foi rs mas todo investimento em viagem é valido!!
  5. Opa, tudo certinho Guto? Me desculpe a demora, estava em uma outra aventura e retornei hoje! Fiquei sem internet por alguns dias rs. Li o que o pessoal falou aqui e tudo é bem válido. Quando fui em 2014, o booking era uma boa opção, mas de fato, fiz agora uma viagem ao Chile e no booking nunca mostra a tarifa... Me parece que se paga em dólar não há essa cobrança, porém se pagar com cartão ou efetivo tem. De fato, disponibilidade sempre há, mas entendo a preocupação por viajar com criança! Acho que já deixar tudo reservado te da uma paz. Vi que sugeriram chegar cedo nas cidades para alugar casa, pode ser uma opção, seria necessario dirigir a noite para chrgar pela manha...mas eu não recomendo dirigir pela noite... Uma grande parte das estradas sao de uma faixa de ida e outra de volta... A noite não é muito bem sinalizada e se tiver algum motorista vacilando pode ter algum acidente... além de que o ponto máximo, para nós pelo Menos, foi olhar a paisagem das estradas de dia que são incríveis. Uma coisa importante... Algumas aduanas mais ao sul fecham as 7 da noite! Quebrei a cara uma vez...saindo de Bariloche não chegamos a tempo e tivemos que dormir em um hostel de última hora! Foi fácil achar, mas n tinha calefação quase viramos picolé rs E quanto a planilha, puxa infelizmente ao tenho com a acomodação e tudo mais. Na época ficamos em hostes beeem baratinhos e como já foi há 4 anos pode ser que os preços subiram um pouco! A comida a gente fazia um cardápio mesmo e ia comprar no mercado. Levamos aqueles fogareiros de butano e cozinhavamos na rua mesmo, quando estávamos indo para alguma cidade.
  6. Olá! me nome é Dominique (insta @domizila) e gostaria de compartilhar como foi nossa expedição ao Ushuaia! Uma vez que se faz uma expedição de carro, viagens de avião sempre deixam um gosto de quero mais! Essa é uma experiência que desejo a todos a oportunidade de vive-la um dia. Abrir um mapa, fazer as malas, entrar no carro e sentir uma emoção diferente a cada dia. Planejamento é preciso, porém nesse tipo de viagem o que mais temos são imprevistos, precisamos ficar atentos a eles, prever os acontecimentos. A partir do momento em que você decide fazer uma expedição, é preciso estudar muito os destinos, as regras, ter alternativas de caminho, ter um plano B, não contar com a sorte (por mais que usamos dela por muitas vezes nessa viagem) e sempre manter as pessoas informadas de onde você está. Aqui você vai encontrar dicas preciosas, com base em nossa experiência de uma expedição de carro de São Paulo para o Ushuaia – Tierra del Fuego. Porque fazer uma expedição de carro? Gostaria de começar por essa pergunta frequente! Já escutei muito... - “Mas, de avião você chega muito mais rápido” - “Você não tem medo de sofrer um acidente?” - “Da para chegar de carro tão longe?” - “Nossa, deve ser muito desconfortável” Pois é, nenhuma dessas perguntas é absurda! Acredito que a partir do momento em que você decide passar dias e mais dias dentro de um carro indo para lugares tão tão distantes, você tenha que ter a consciência de que essas perguntas tem fundamento. De todas as viagens que já fiz na vida, nenhuma bate a expedição, mas nem tudo são flores! Tivemos momentos de dificuldades, um pequeno acidente, enfrentamos alguns momentos de desconforto. Então, se você está querendo fazer essa viagem, acredito que essas são algumas das perguntas fundamentais para engatar a primeira e cair na estrada: - Eu sei que haverão dias desconfortáveis, estou disposta a passar por eles com positividade? - Barreiras da língua! Estou disposta a aprender um pouco mais sobre os lugares que estou indo? - Ao menos que você esteja disposto a investir muito dinheiro, não terei luxo, talvez não possa ir naquele restaurante, naquele bar, naquela balada, comprar aquela lembrancinha. Estou disposta a abrir mão de certas facilidades para viver a viagem em si? - Sei que será estressante, se for acompanhada, farei o máximo para não despejar as inseguranças no meu parceiro(a)? - Estou pronto para a aventura dos meus sonhos? *-* Claro que existem muitas outras perguntas, mas eu sou uma pessoa racional até demais rsrsr quero deixar claro que a viagem é MARAVILHOSAMENTE INACREDITÁVEL, mas mais uma vez, nem tudo são flores, saiba que dificuldades irão acontecer e você tem que estar de coração aberto para enfrenta-las. Quanto tempo levo para chegar até o destino e voltar? Nós concluímos a viagem em 42 dias, mas sabemos que é possível fazer em menos tempo. De acordo com alguns relatos, vi pessoas que fizeram o trajeto com uma média de 25 dias. Como foi um ano que tínhamos disponibilidade, acabamos estendendo. Ida e Volta aproximadamente 16.000 km (considerando tudo o que fizemos, não apenas o caminho de ir e voltar) Onde dormir? Nós decidimos ir no Outono, como foi nossa primeira experiência desse tipo preferimos não acampar. Tanto por medo do frio como falta de experiência. Pelo o que leio dos relatos a grande maioria viaja com as barracas da Camping World, param em acampamentos pelo caminho ou vão de motor home. É muito fácil encontrar acampamentos pela viagem toda. Em nosso caso, todo dia na noite anterior fazíamos uma reserva em algum hostel bem baratinho para a próxima noite. Não tivemos nenhum problema fazendo isso. Utilizamos sempre o booking... mas, em tempos atuais temos a trivago tb rs Quando ir? Nossa viagem aconteceu em Junho para Julho, pois era o período que tínhamos disponibilidade. Tivemos que tomar alguns cuidados a mais por conta de neve e vento. Acredito que a melhor época para essa viagem seja o verão. Preciso de um GPS? Nós fomos com um GPS Garmin, todo atualizado nos paranaue, mas mesmo assim precisamos usar o mapa. Aquele de papel rs. Inclusive, foi bem legal se guiar pelo mapa. Aconteceu que em alguns pontos, principalmente na Carreteira Austral, o GPS nos deixou na mão. Como passar nas fronteiras com o carro? O procedimento é simples e até que rápido. Somente nas fronteiras entre grandes cidades que demorou um pouco mais. Para você não ter problemas para entrar no país: - O carro precisa ter o seguro “Carta Verde” – É o seguro obrigatório para carros andarem pelo Mercosul - Documento do carro em dia - Caso seu carro esteja financiado ou em nome de terceiros, precisa de uma autorização para tráfego do veículo fora do território nacional (O pessoal que aluga tem que estudar um pouco como fazer tudo certinho) - Carteira de motorista + RG ou passaporte - Toda vez que você entra no Chile/Argentina a própria aduana faz um documento de entrada de veículo, ao sair você PRECISA apresentar esse documento e refazer o processo para a próxima fronteira - Não pode cruzar fronteira com comidas perecíveis, grãos e frutas O que preciso saber para não levar multas nas estradas? Nós fomos de caminhonete... lemos muito sobre as possíveis chances de sermos parados por policiais corruptos e tudo mais... não tivemos esse problema, talvez por ser inverno e o fluxo ser menos intenso... De qualquer forma, as principais regras para evitar multas e ser parado pela polícia são: - Respeitar sempre o limite de velocidade e regras básicas do transito - Cambão ou cabo de aço: Como parte da legislação da Argentina, o motorista precisa ter disponível esses itens para caso necessite um reboque - Triângulo adicional: Não basta um triângulo, precisa de dois - Kit de primeiros socorros: Sim, precisa - Adesivo de velocidade máxima: Para veículos de grande porte como caminhonete, motor home, trailers... - Faróis baixos acesos sempre - Colete refletor - Lençol branco: Diz a lenda que pedem um lençol branco para caso ocorra algum acidente fatal, poder cobrir o corpo...algo assim. Não há nada oficial, mas os boatos dizem que policiais já fizeram a requisição e se o motorista não tinha, cobraram uma multa... levamos por desencargo Onde comer? Nós levamos todo o equipo de cozinha, para economizar. Bujãozinho de gás, panelas, talheres, tuppware. Claro que tentávamos ao máximo economizar, mas também fomos para curtir férias... as vezes comíamos em restaurantes, bares, tomavamos um vinho, uma cerveja... isso aumentou um pouco os gastos nesse quesito. É importante projetar bem o quanto de comida você precisa dentro do período em que você está no mesmo país. Como disse a cima, existe uma série de alimentos que não se pode levar de um país ao outro. Como é necessário cruzar muitas vezes a fronteira Chile/Argentina, se você fizer muitas compras em um país e em poucos dias tiver que entrar no outro, vai ter que jogar fora. Carretera Austral, como é? Muitas pessoas que decidem por fazer a expedição, querem e vão passar pela Carretera Austral! Vale muito a pena, a estrada é linda, as cidades próximas a Carretera são lindas. Mas, não é uma das mais seguras. Foi na Carretera que tivemos um pequeno acidente e por muita sorte resolvemos rápido. Acontece que toda a estrada é de Rípio, são aquelas pedrinhas em solo batido de terra que acaba tirando um pouco da estabilidade do carro. A Carretera tem elevação e muitas curvas sem Guard Rail, em nosso caso, muita neve também. Mesmo com as correntes nas rodas derrapamos, batemos e atolamos. O nosso problema foi que no Outono/Inverno a estrada não é muito utilizada, havíamos visto somente 2 carros em quase 6 horas de direção. No ponto em que batemos estávamos a 80km da cidade mais próxima e já estava escurecendo. Tínhamos comida e água para alguns dias, mas bateu o desepero kkk. Por um milagre do destino, 10 minutos depois de atolarmos, um caminhão do exército Chileno passou e nos rebocou. Amem rs Videozinho que fizemos da Carretera (TGI era o nome antigo do blog) Dicas Gerais Viaje sempre com pelo menos água e comida para 2/3 dias Se houver espaço em seu carro, leve um galão a mais de gasolina Ande com papel moeda na carteira Cheque sempre os pneus Programe sempre o dia seguinte, o que vai comer, qual o caminho vai pegar Avise seus amigos e parentes onde você esta Tente ir o mais leve o possível, pois isso reflete em quanto seu carro vai fazer por km Nunca esqueça de abastecer. Roteiro Bem, aqui segue o roteiro que fizemos! Optamos por descer pela Carretera Austral e subir pela Ruta 3 Vou colocar a rota, porém houveram várias cidades que passamos mais de 2 dias para conhecer e passear Ida São Paulo – Foz do Iguaçu Foz do Iguaçu – Resistencia Resistencia – San Carlos Paz San Carlos Paz – Mendoza Mendoza – Santiago Santiago – Pucon Pucon – Bariloche Bariloche – Coinhaque Coinhaque – Puerto Tranquilo Puerto Tranquilo – Calafate Calafate – Puerto Natales Puerto Natales – Rio Gallegos Travessia de Ferry pelo Magalhães Ushuaia Volta Na volta nós decidimos subir rápido, então houveram trechos que dirigimos muito tempo sem parar, foi relativamente rápido Ushuaia – Comodoro Rivadavia Comodoro Rivadavia – Puerto Madryn Puerto Madryn – Buenos Aires (Foram quase 20horas no carro, um dormia e o outro tocava) Buenos Aires – Entramos no Brasil pelo o Rio grande do Sul e seguimos até onde aguentamos Não me lembro o nome da cidade em que paramos, foi uma bem pequena e dela voltamos para SP Valor Muito bem, chegamos na parte que interessa a muitos rs Com base em nossa viagem: - Fomos com nosso próprio carro (Gasolina) - Não acampamos, ficamos em hostels - Comemos fora em alguns dias Nosso foco foi ir econômico, mas com certas regalias. Sim, tem como gastar menos do que gastamos, principalmente no quesito acomodação e tempo de viagem. Nossa intenção era uma viagem de aventura, mas queríamos curtir como uma viagem a passeio também e isso custou um pouco mais. Carro e Gasolina São aproximadamente 16.0000 km ida e volta. Leve em conta que existem coisas que você faz durante a viagem que aumentam essa km, como visitar pontos turísticos e tudo mais. Durante a viagem também é necessário trocar o óleo do carro, dependendo o estado que o seu pneu começa a viagem, pode ser necessário trocá-lo durante o trajeto. Em nosso caso tivemos que comprar as correntes e os itens obrigatórios mencionados. Rodamos um total de 16.000 km levando em consideração a média de R$ 4,50 o litro da gasolina em nossa caminhonete que fazia 8km por litro = R$ 9.560,00 Itens obrigatórios, troca de óleo: Média de R$ 300,00 Comida Íamos ao mercado com a lista pronta, tentávamos evitar ao máximo entrar nas conveniências dos postos de gasolina e definimos as principais cidades que gostaríamos de curtir um jantarzinho fora como Pucon, Bariloche, Santiago, Mendoza e Ushuaia. Somando tudo, o que gastamos no dia a dia mais essas saídas pontuais, vinhos, cerveja... deu uma média de 55 reais por dia = R$ 2.310,00 (2 pessoas, 42 dias) Acomodação Nossa meta era se hospedar em locais que não passavam de 110,00 por noite, dentro disso o gasto geral ficou em torno de R$ 4.620,00 (2 pessoas, 42 dias) Total: R$ 16.790,00 para duas pessoas em 42 dias de viagem Ficarei feliz em tirar dúvidas que alguém possa ter, dar dicas e falar mais um pouco da viagem, vou deixar aqui algumas fotos da expedição! SMLXL SMLXL SMLXL SMLXL
  7. dominique91

    Relato e Dicas - Púcon, a cidade do Villarica

    @Helosouzaa A primeira vez fui de carro de Santiago a Pucon! De fato o combustível não é barato, pelo menos quando fui! A segunda vez fui de avião, desci em Temuco e de lá peguei um translado! Mas, como voce ja fechou o carro, tenho certeza que vai curtir muito as estradas, a região é muito bonita!
  8. dominique91

    Relato e Dicas - Púcon, a cidade do Villarica

    @mateusbatera Ola!! desculpe a demora!! Entao, de fato a subida no inverno é mais dificil, porque o clima no vulcao muda muito rápido e se torna meio imprevisivel. Eu acredito que a subida no inverno estará diretamente ligada a altura da neve próxima ao cume... Quando fui em Julho, bem no meio do mes, a neve estava muito alta e nao estava rolando a subida... Quando subi foi em Maio (na segunda vez que fui para la), Outono, entao ainda estava tranquilo em relacao a neve, mas em Julho a neve estará bem alta para fazer ascensoes! Infelizmente =( Se voce nao conseguir o Villarica, veja como estarao as condicoes do "Quetrupillan" pode ser uma alternativa tb!
  9. dominique91

    Relato e Dicas - Púcon, a cidade do Villarica

    @Jhonatan Vargas Olaaa! Entao, quando fui pela primeira vez, cheguei em junho e estava bem frio... Na cidade não é necessário 3 camadas, mas para fazer as trilhas e passeios pelos vulcoes eu recomendo que use sim! Quanto a calçado, uma bota ou aqueles tenis de trekking ja sao o suficientes!! =)
  10. dominique91

    Relato e Dicas - Púcon, a cidade do Villarica

    @Helosouzaa Ola!! Voce pegou um hotel com cozinha?? Seria uma boa alternativa para comprar as coisas no mercado e fazer em "casa". Lá a maior parte dos restaurantes sao meio carinhos, mas se voce andar e olhar com carinho na rua principal, tem algumas lanchonetes e vendinhas com lanches! Voce vai adorar Pucon!!!
  11. Pucón Me chamo Dominique e queria compartilhar um pouco sobre a cidade de Púcon! Quando falo sobre Pucón para as pessoas, a grande maioria desconhece esse destino! Em um primeiro momento, a cidade pode ser um pouco desvalorizada pelos turistas. Acredito que por não ser tão grande e não ter tanto destaque na internet, ela acaba ficando em segunda opção, mas aqui está a dica de quem já foi duas vezes para lá e pretende voltar em breve: Só vai! Localizada a 780km para baixo de Santiago, Pucón reserva muitos encantos naturais. De um modo, até grosseiro, posso dizer que seria como a Campos de Jordão para São Paulo. Vulcão Villarica A maior referência que posso dar da cidade é que ela fica as margens do Vulcão Villarica. Está situado na cordilheira dos Andes e ainda esta ativo! Sua última erupção foi em 03 de Março de 2015. Erupção: Sempre foi possível realizar um trekking ao topo do vulcão, dependendo das condições climáticas é possível ver a lava!porém desde a última erupção as regras estão mais rígidas e também esta mais caro. Durante o inverno o vulcão se transforma em uma estação de ski, com vários níveis de descida! Tem teleférico e tudo. Vista do Villarica da cidade - Sim, aquilo lá na pontinha é fumaça de lava, não é nuvem (Foto de Maio de 2016) Skiando no Villarica no inverno. Ao menos tentando né meu povo rs (Foto de Julho de 2014) Qual época visitar Púcon? A maioria esmagadora prefere visitar Pucón no verão! Nessa época você poderá curtir as "praias" formadas pelos grandes lagos, cachoeiras, um milhão de opções de trekkings, acampar, rapel, escalada, rafiting e também aproveitar os bares, restaurantes e lojas de sorvete! Ao contrário dessa idéia as duas vezes que fui a Púcon foram em épocas frias. Uma no Outono, outra no inverno e da mesma forma consegui curtir demais! A cidade fica mais tranquila do que no verão, curtimos muitos trekkings (passando um pouco de frio), fizemos ascensão a um dos vulcões, curtimos os lagos da areia mesmo, muito vinho e churrasco. Melhor, parrilla. Nossa próxima ida será no verão para poder fazer as comparações. De qualquer forma, não posso brigar com a maior parte das pessoas e até mesmo os locais que conhecemos, o verão em Pucón é maravilhoso, a temperatura pode chegar na casa dos 35o. C. Top passeios A cidade é lotada de agências de turismo para se fechar os passeios. Não precisa se preocupar em como fazer o passeio x ou y, é muito fácil de se encontrar por lá! 1. Vulcão Villarica Esta aqui um passeio a ser feito. Ir até o vulcão! Se não gostar do trekking, que é puxado até o topo, pelo menos 8 horas andando, vá conhecer a região, curtir o teleférico, a paisagem! Se for no inverno, não deixe de skiar no vulcão! É uma delícia. 2. Termas geométricas Essa é uma das várias termas em Púcon que vale a pena visitar! De todas ela é a mais "chique" e também a mais cara. O lugar é surreal, o local é todo arquiteturado destacando a natureza ao redor. Existem diversas termas, cada uma com uma temperatura diferente, chegando até muitos graus rs. Você também encontra 2 cachoeiras geladíssiiiiimas, para cortar a vibe do calor. No final, coma algumas empanadas e tome uma cerveja no restaurante local! SMLXL 3. Curtir os lagos Como fui em época fria, nem passou pela minha cabeça entrar no lago rs. Os lagos são maravilhosos, vale a pena levar um livro, escutar a natureza, passar um tempo conversando! SMLXL SMLXL SMLXL 4. Termas Los Pozones As termas pozones tem uma pegada diferente comparando as geométricas. Elas são mais naturais, as estruturas são mais básicas e ela fica em um caminho um pouco mais chato de se acessar. Acho que vale a pena conhecer por conta da diferença entre ambientes. Parece uma vila Hobbit rs SMLXL SMLXL SMLXL 5. Fazer trilhas - Parque Huerquehue Esse parque é maravilhoso! Não pegamos um dia tão bonito, e para economizar pegamos carona para chegar lá rs, inclusive foram 2 suécos que nos ajudaram, qual a chance? rsrs Mas, tem como agendar um transporte pelas agências e existem 2 onibus que saem em horários marcados para o parque! Lá você pode fazer uma trilha desde 2 horas de duração até 12 horas de sobe e desce! É maravilhoso! SMLXL SMLXL SMLXL SMLXL 6. Vulcão Quetrupillan Vamos lá! A cidade conta com 3 principais vulcões. Um ativo, que é o Villarica e outros dois, o Lanin (3.747m) e o Quetrupillan (2.360m). Eu adoro montanha, inclusive tenho alguns projetos de ascensões. Ao invés de subir o Vilarica, decidimos subir o Quetrupillan. É uma caminhada intensa, saimos as 4 da manhã e voltamos as 17hrs. Valeu cada segundo. Esse vulcão, há milhares de anos teve uma erupção tão forte que o topo dele partiu no meio. Então ele não tem aquele formato típico. O mais interessante é que de á podemos ver perfeitamente o Vilarica soltando fumaça! SMLXL SMLXL Vilarica soltando um fumace SMLXL Vilarica ao fundo SMLXL Lanin ao fundo SMLXL SMLXL SMLXL 7. Visitar os Mapuche Os Mapuche são os índios, os regionais, dessa região da Patagonia! É arrepiante a vibe deles. Todas as histórias por trás da cidade e da Patagonia em si! Fizemos um passeio a cavalo junto aos Mapuche, depois fizemos uma refeição junto a eles, com comidas típicas e caseiras! Foi um dos pontos altos! SMLXL SMLXL 8. Passeios de Água Não tivemos a oportunidade. Na realidade no inverno esses passeios também rolam, mas o frio, é insuportável rs. Mas, você poderá econtrar passeios de Rafiting, Rapel e Cachoeiras locais. 9. Bares e restaurantes Como toda boa cidade, não faltam restaurantes e bares! No verão acontecem muitas festas pela rua principal. Uma infinadade de restaurantes estão sempre à disposição para uma boa refeição. Mas, cuidado, não espere gastar pouco. A maioria esmagadora de bares e restaurantes tem seu luxo e um precinho não tão camarada. SMLXL
  12. Finalmente nossas férias começaram! Os dias mais esperados do ano, ainda mais, para essa mais nova aventura em nossa vida, uma expedição de carro! Depois de muito nos programarmos e claro deixarmos quase tudo para a última hora, conseguimos sair para viajar, relaxar... E dirigir muito. Ainda está um pouco difícil de desapegar do trabalho e dos problemas cotidianos, mas acredito que isso logo acaba. Ontem ficamos até as 2hrs da manhã arrumando o carro, ou pelo menos tentando ajeitar tudo dentro do carro para sairmos hoje as 6 da manhã! A ansiedade não deixou o sono nos abater, logo que o alarme tocou acordamos ligados no 220V. Bom, os primeiros dias serão beeeem corridos. Como nosso objetivo é curtir a Patagônia, a neve, o friozinho, não iremos parar em muitos lugares legais de se conhecer também. De São Paulo até aqui, Foz do Iguaçu, são aproximadamente 1.050km que nos renderam quase 13hrs ao volante. É bem cansativo sim, mas nada muito absurdo para quem está disposto a dirigir, se não, aconselho parar em alguma cidade após as primeiras 6hrs dentro do carro. Depois de 6hrs as músicas se repetem, o assunto começa a acabar e a grama já não é tão interessante de se olhar. Depois de 16 pedágios e muito e muito...Pasto, chegamos na metade do caminho. Paramos nos postos somente para abastecer, nosso combinado é gastar menos o possível, sendo assim, nada de petiscos nos restaurantes de estrada, nos abastecemos de muito miojo e bolachas para a viagem. Você que quer comer bem, bom, vai ter que economizar o dobro! Nossa meta é chegar em nossos destinos antes do pôr do sol. Experienciamos hoje como é dirigir a noite em estradas desconhecidas e assim como a frase soa, realmente não é legal, é muito desgastante e perigoso. Então a partir de hoje, não faremos mais viagens com mais de 8hrs de duração, mesmo que isso nos leve alguns destinos desejados. Mas, como tudo tem o lado bom, o pôr do sol nos rendeu uma bela vista. Chegamos em Foz! Muita chuva por aqui, já tínhamos nos informado que estava meio ruim a situação aqui e realmente está. Pretendíamos acampar, mas não vai ter jeito, teremos que ficar em Hostel. Nós recebemos uma recomendação do Hostel PAUDIMAR, o local é um Hostel e um Camping também com valores a partir de R$ 25,00 por pessoa! Logo quando chegamos simpatizamos com o lugar e fomos muito bem atendidos, recebemos dicas para a nossa rota, alguns itens de segurança adicionais, que na real não são obrigatórios, mas os policiais a fim de uma gorjeta exigem, segue a dica para quem quer ir para a Argentina de carro e algumas dessas coisas nós nem sabíamos que pediam... Então vou complementar: Cambão Carta Verde 2 Triângulos Lençol branco (Sim, nos informaram que eles pedem isso, para caso você bata o carro e venha a falecer, eles terem com o que cobrir o corpo. Bizarro, porém real) Para caminhonetes, adesivo colado de velocidade máxima 110km Colete que brilha (Aquele que sinaliza, nos informaram que os policiais pedem, porque para sair no acostamento precisa estar usando um) Kit primeiros socorros Depois dessas informações discutimos algumas possíveis rotas, porque amanhã de manhã, se não estiver esse chuva tremenda, queremos ver as cataratas e de lá cruzar a fronteira e parar em alguma cidade lá nas terras hermanas. Assim que conversamos bastante, nos levaram para nosso quarto do hostel, logo que passamos pelo bar e área comum, adoramos o clima! Música boa, muitos estrangeiros e principalmente viajantes! Nossa, tem um suiço com um caminhão de luxo, ele está viajando com o cachorro dele, um pastor alemão, adorei!! Agora, precisamos descansar, mas claro, merecemos aquela cervejinha antes da soneca né! Rs Até amanhã gente! Dia 02 18/06/2014 Total 1.700 km Rodados Hoje logo acordamos saudosos do Hostel! O café da manhã foi super reforçado e como bons brasileiros levamos a informação de "All you can eat" bem a sério. Pedimos mais algumas informações e nos apontaram um senhor de uns 60 anos que estava no Hostel, pois ele sabia de tudo do Sul e da Argentina. O nome dele era Miguel, um Argentino muito simpático que logo se interessou pelo nosso destino. Depois de muito conversarmos descobrimos que ele é o Presidente da Hostel International! Adoramos conhece-lo e saber de algumas histórias dele por ai a fora! Essa é a melhor parte da viagem, conhecer pessoas. Saindo de lá, fomos atrás de um mecânico para tirar nosso reboque, porque podem falar que está tapando a placa. Em suma, não vimos as cataratas, o lado brasileiro estava fechado e porque tínhamos que fazer isso também. Saindo do mecânico, em 15 minutos estávamos cruzando a fronteira! Ficamos um pouco nervosos porque nunca fizemos isso de carro. Assim que paramos na cabine o atendente já nos atendeu sorrindo, nos pediu os documentos, a carta verde e nos perguntou para onde iríamos. Como quase todos que contamos, se surpreendeu e deu uma risada "Vocês tem um bom caminho pela frente" (nesse ponto as pessoas só falam espanhol, mas como eu falo portunhol não me arrisco a escrever em Espanhol). Saindo da cabine a polícia estava esperando para fazer a revista do carro. Paramos ao lado do policial, ele também nos perguntou o destino. Como sempre, sorridentes, falamos Ushuaia! E a resposta foi... EU SOU DO USHUAIA! Passamos uns 15 minutos conversando com ele, ele nos passou dicas de como dirigir na neve, onde comprar as correntes, o que precisaremos nas estradas... As pessoas já estavam buzinando atrás da gente, porque é uma fila que se forma para parar com os policiais e ele fingia que estava pedindo documentos! Resumo da ópera, nem fomos revistados e saímos de lá quase que com um amigo da aduana. Logo depois da aduana a primeira cidade que temos pelo caminho é a de Puerto Iguazu. Lá compramos o colete sinalizador e o adesivo de 110km para a caminhonete. Fomos muito bem atendidos também. Dai para frente quem ficou no volante foi o Ga. Como esse começo de estradas pós fronteira tem muitos polícias e não sabemos se quem deve estar ao volante é o proprietário do carro, ele dirigiu os 640km. Pegamos a Rota 12 e fomos embora! Todos nos falaram que os policiais são bem rígidos nessas vias ou por serem muito certos ou por serem errados, se é que vocês me entendem. De fato existem muitos comandos na estrada, passamos por uns 8, mas não fomos parados em nenhum. Não sabemos se foi o colete (que costuma ser a principal coisa que as pessoas esquecem de levar) que penduramos atrás do banco para ficar visível ou se foi nossa oração diária para Deus que nos tirou dessa, mas ficamos bem felizes por não passar pela situação. A rota 12 é bem bacana, mas é uma reta sem fim. Sem exageros, são quase 400km retos, entre pastos e cidades super pequenas. Esse caminho vai beirando a fronteira com o Paraguai é legal acompanhar pelo GPS as distâncias. Tem que tomar cuidado nessa rota porque o povo vai chutado! Não tem radares, ou seja, a galera acha que tá de Ferrari. Nós procuramos manter a nossa velocidade a 110km tanto quanto para um bom desempenho do carro, redução de gasto com gasolina e segurança. Falando em gasolina, SANTO DEUS a gasolina está 15 pesos por aqui, mais ou menos R$ 4,00 POR LITRO. Vimos que teremos que economizar mais ainda. Chegamos na cidade de Resistencia uma hora atrasados, mas foi devido ao transito para cruzar a ponte que liga Corrientes a Resistencia. A ponte tem uns 10km e são duas faixas, umas para ir e uma para voltar. É um transito danado, mas mais um vez curtimos o por do sol do carro! Chegando na cidade, passamos um pequeno aperto no hotel na hora do pagamento, o cartão não queria passar, nós precisávamos trocar dólar por peso, enfim no final do certo. Aprendemos que sempre temos que reservar o hotel com um dia de antecedência pela net. Fomos para o quarto e saímos atrás de um mercado. Nossa as coisas estão caras aqui na Argentina! A gasolina, a comida... Compramos o mínimo necessário e fizemos do limão uma limonada! Nos divertimos muito cozinhando escondidos no hotel. Agora vamos curtir um pouco a preguiça e dormir para mais um dia ao volante!! Dia 03 19/06/2014 Total 2.650 km rodados 12 horas de Viagem Muito pasto. De novo. Acordamos bem cedo no hotel, as 6hrs da manhã, abrimos a janela e ainda estava completamente escuro! Já tínhamos deixado nossas coisas arrumadas para de manhã só jogar tudo dentro do carro e ir embora. Descemos, tomamos café com uns pães argentinos muito gostosos e aproveitamos para pegar muitos saches de manteiga e doce de leite para a viagem. A nossa primeira missão do dia era trocar nossos dólares por peso. Estranhamos muito o caminho até agora, as pessoas não sabem passar o cartão de crédito, somente em alguns lugares aceitam cartão de crédito então para evitar mais uma dor de cabeça decidimos trocar uma boa quantia. Arrumamos o quarto fizemos o check out e fomos atrás da casa de câmbio. No caminho vimos um posto de gasolina e paramos para abastecer, mas não foi tão simples. Vimos o posto de gasolina de longe e já saímos na fúria para abastecer, entramos no posto direto em direção a bomba, só que a reação dos frentistas foi muito entranha porque eles ficaram olhando feio para a gente e maior galera nos xingando. Não vimos que para abastecer tinha uma fila imensa na avenida esperando a vez, não sabíamos onde enfiar a cara. Demos a volta e pegamos a fila. Saindo de lá fomos atrás da casa de câmbio no endereço que o hotel nos passou. SABE DE NADA INOCENTE. Primeiro o GPS nos mandou para o outro lado da cidade. Pegamos um mapa local e fomos caçando a rua, quando encontramos, não conseguíamos para o carro. Pedi para o Gabriel ligar o pisca alerta que eu ia até lá e já voltava, quando cheguei no número o lugar era um banco, não uma casa de câmbio. De qualquer forma entrei para perguntar se eles trocavam dólar e é claro que a resposta foi não, mas a moça bem simpática me indicou onde a casa de câmbio ficava. Corri no carro falei para o Gabriel ficar me esperando e fui atrás da bendita casa de câmbio. Depois de uns 3 quarteirões, vi uma placa escrito cambio. Sai feliz da vida em direção a ela, quando cheguei, uma placa estaca na porta: CERRADO. Já passavam das 10:00. Eu comecei a rir. A rir mesmo, as pessoas me olhavam com medo. Voltei para onde o Gabriel estava me esperando dando gargalhadas, mas quando virei a esquina, no lugar do carro dele, estava um carro forte. Pensei que eu não seria tão sortuda assim, será que o Gabriel tinha ganhado na loto? Claro que não né, o carro forte estava entrando no banco e tirou todos os carros e taxis que estavam parados perto. Como nosso combinado é sempre voltar no último lugar que nos vimos, fiquei lá esperando ele dar a volta no quarteirão. Depois de um tempo vi ele lá de longe e para tentar quebrar o stress e manter a harmonia, fui saltitando meio que na rua em direção ao carro para fazer graça. É claro que o Gabriel estava tentando pegar sinal de Wi-fi no celular e quase passou em cima de mim. (Não temos fotos do momento, porque né... Não temos fotos) Voltamos ao hotel e perguntamos se eles conheciam alguém que poderia fazer a "funça" de trocar os fucking dólares e eles conheciam! Só que a pessoa não estava. Paramos o carro e fomos batendo de hotel em hotel até achar um que finalmente tinha interesse em trocar. Segue uma ótima dica para que está de olho no cambio. No Brasil trocamos 1 Peso = R$ 0,34 Ainda no Brasil, trocamos 1 Dólar = R$ 2,32 No "mercado alternativo" ou seja, essas pessoas que trocam o dinheiro por fora, nos ofereceram 10 pesos por 1 dólar. Ou seja, está valendo muito apena trocar real por dólar no Brasil e quando chegar na Argentina, procurar essas pessoas e trocar pelo câmbio mais alto. Acompanhe o pensamento: 1 Dólar = 10 Pesos 1 Real = 0,34 Pesos 1 Dólar = 2,32 reais 2,32 reais compram 7,88 pesos. Um aviso para aqueles que querem pegar o carro e descer! A gasolina ao norte da Argentina é extremamente cara, chegamos a pagar 15 pesos o litro, mais ou menos R$ 5,00 por litro! Lembrando que na Argentina ou você compra Nafta (gasolina) ou Diesel, não tem álcool por aqui não. Posso estar enganada, mas acho que o Brasil é o único lugar que tem álcool. Então, abasteça seu carro antes de cruzar a fronteira e encha o máximo de galões de gasolina extra que você puder. O "bicho tá pegando aqui". Já passavam das 11:00 da manhã e nós infelizmente tínhamos que quebrar nossa regra em não dirigir mais de 8hrs para evitar a noite... Era uma viagem de 12 horas pela frente, 940km. Pelo menos, no caminho, fizemos algo que queríamos fazer há muito tempo, cozinhar na estrada! Muitas e muitas horas de estrada atá Vila Carlos Paz! Mais um pôr do sol na estrada. Chegando em Carlos Paz, no APAIXONAMOS pela cidade! Cidade linda, tranquila, com cara de outro país. As pessoas foram super agradáveis e demos muita sorte no hotel, pagamos barato para um ótimo local. Lindo, lindo o lugar, já estamos pensando em quando iremos voltar para curtir a cidade. Como chegamos muito tarde, fomos comer algumas deliciosas empanadas fora e passear um pouco pela cidade, lá tem um lago lindo para sentar e ficar contemplando e finalmente começar a sentir frio! Amanhã iremos curtir um pouco mais a cidade!! Até lá Dia 04 20/06/2014 Total 3.250 km rodados 07 horas de viagem Perrengues...Muitos perrengues rsrs Acordamos em Villa Carlos Paz relativamente cedo para curtir um pouco. A cidade é toda rodeada por montanhas e venta muito nas ruas! Achamos uma delícia. Lá parece ser bem legal para acampar e curtir as montanhas, fazer trekking e escalada! Nos programamos para sair ao meio dia, sendo assim somente demos uma volta pelo grande lago e as ruas simpáticas. http://syscall.ws/static_img/266775/resize-500x333_foto05.jpg Bem esse nosso dia, não foi lá aquelas coisas. Parece que quando você acorda com o pé esquerdo tem que dormir de novo para as coisas voltarem ao normal. Tudo começou pela internet. Como nós dependemos de wi-fi para nos comunicar, sempre estamos atrás de algum lugar que nos possibilite a tanto. A internet do hotel estava ruim e não conseguíamos reservar o próximo hotel em Mendoza. Saímos caçando sinal pela rua e assim que achamos reservamos rapidamente um hostel e fomos embora. Nosso tanque estava quase vazio, mas tínhamos um galão cheio na caçamba, pensamos em parar na próxima cidade para abastecer porque lá a gasolina estava absurdamente cara, assim fomos embora. Até esse ponto tudo ainda estava lindo, as estradas começaram a mudar e nós começamos a subir e subir. Ao mesmo tempo que subir é legal, gasta gasolina... E o nosso tanque chegou na reserva. Paramos na estrada, fomos curtir a vista, tudo lindo, até decidirmos encher o tanque. Pegamos a gasolina e fomos abrir o tanque e...quem disse que conseguíamos? É certo que os frentistas tem um curso avançado de como conseguir destrancar a portinha do tanque de caminhonetes. Estava impossível e acabamos desistindo e ao mesmo tempo descobrimos que a cidade mais próxima estava a 50km. Ah...e nessa o celular do Gabriel caiu no chão e quebrou. Fomos o caminho inteiro mudos. E o tempo parecia que não passava e a gasolina indo embora. Até que achamos um posto... De gás. Paramos lá e pedimos ajuda para abrir e nem eles conseguiam, parecia que uma pecinha tinha quebrado e a portinha não abria. Nós desesperados e os Argentinos "Mas, me diga de novo porque vocês não estão no Brasil vendo o Mundial?" hahahah. Depois de algum tempo, conseguimos abrir!! Abastecemos o carro e dirigimos até um posto de gasolina 10km de lá e enchemos o tanque o galão. Ficamos felizes de novo. Enfim fomos para Mendoza. Começar a ver os Andes de longe não tem explicação, é lindo! Achamos engraçado que para entrar na província de Mendoza você passa em uma mina Aduana. Tem revista e tudo e um pedágio bem do caro. Seu carro ganha até um "banho" afim de descontaminação. Bom chegando em Mendoza havíamos reservado um quarto no HOSTEL RUCA POTU. Chegamos onde o GPS nos mandava, era um local muito escuro, até feio. Perguntamos onde ficava o hostel e ninguém conhecia e ainda nos alertaram para tomar cuidado que a região era perigosa. Uma amiga ligou lá e eles somente falaram que realmente o Hostel ficava escondido e era difícil de achar. Um parenteses: Mandamos uma mensagem para o Hostel explicando o porque não aparecemos e resposta que recebemos foi: Comprem um GPS. Sendo assim, passem longe desse Hostel. Já estava ficando tarde e é feriado na cidade. Tudo com pouco movimento e já ficamos assustados por nos falarem que era perigoso e não conseguíamos internet de jeito nenhum para procurar outros lugares. Paramos em um posto e perguntamos para uma pessoa que estava abastecendo qual era a rua mais conhecida e tal que os turistas iam e eles nos indicou a Rua Las Heras. Realmente lá é o point. Mas, tudo estava lotado, depois de muito tempo encontramos uma espelunca com vaga. O lugar era estilo "O Iluminado", mas pelo menos encontramos. Fomos estacionar o carro e o Gabriel torceu o pé... Há dois dias de escalarmos o Vallecitos. BOOOOOOOUA. Deixamos as coisas no Hotel e fomos até o mercado comprar comida, a coisa boa foi que finalmente pudemos usar o cartão de crédito. Mas, chegando no hotel e vendo direito a carne que compramos, ela estava quase estragando. Bom, começamos a cozinhar o que tínhamos, mas no meio o gás butano do nosso fogareiro acabou e o outro estava no carro, que estava no estacionamento a 3 quadras dali. Desencanamos de tudo e fomos dormir. hahahah Quem disse que seriam só flores!! Aprendizagem do dia: Nem tudo o que é muito barato é bom.
  13. dominique91

    Expedição Ushuaia de carro!

    Olá Pessoal!! Sou a Dominique e sou nova aqui no site!! Espero poder ajudar muitas pessoas e também receber muitas dicas!! Eu e meu noivo, Gabriel, somos APAIXONADOS por viagens. Decidimos ir para o Ushuaia de carro agora no fim de Maio. Estamos com um blog e uma página no Facebook, todos que quiserem acompanhar nosso dia a dia de preparação e depois, nossa viagem é só curtir nossa página! https://www.facebook.com/tgitravelbr?fref=ts Nós já fizemos muitas viagens, mas essa esta tirando nosso fôlego! São muitos preparativos, sair do país de carro é dureza rsrs. Com ajuda de muitas pessoas fizemos um roteiro que irá girar em torno de 31 dias até o Ushuaia passando por lugares incríveis como loberias, pinguineras e el calafate! Para quem planeja viajar de carro para fora do país é importante atentar-se a detalhes como, não ser possível alugar um carro para cruzar a fronteira, o veículo deve estar em nome do condutor, para não levar multa nas estradas devemos levar não um, mas dois triângulos de segurança, quite primeiro socorros completíssimo, corrente para os pneus não derraparem na neve, step, extintor de incêndio, sempre andar com farol aceso mesmo que esteja dia. Infelizmente as estradas que viajaremos são conhecidas por terem policiais corruptos, sendo assim verificar todos os itens de segurança estão Ok e lembrar de levar uma camisa do Brasil para tentar barganhar =). É interessante viajar com um passaporte ao cruzar as fronteiras e não somente o RG, pois as filas são menores para quem porta o passaporte! Alguns países como o Chile, exige que o carro tenha o "seguro verde"para entrar no país, sem ele a entrada não é permitida. Existem muitos detalhes e caso alguém queira alguma informação, nos mande uma mensagem!! Segue a baixo nossa rota!! Dia Destino km 1 São Paulo - Porto Alegre 1133 2 Porto Alegre - Gualeyguachú 1177 3 Gualeyguachú - Mendoza 1156 4 Mendoza - Santiago 359 5 Santiago - Pucon 782 6 Pucon 7 Pucon - Puerto Montt 321 8 Puerto Montt - Chaitén 9 Chaitén - Coihaique 408 10 Coihaique - Puerto Tranquilo - Chile Chico 383 11 Chile Chico - El Chaiten 654 12 El Chaiten - El Calafate 214 13 El Calafate - Glaciar Perito Moreno 14 El Calafate - Puerto Natale 283 15 Puerto Natales - Torres Del Paine 16 Puerto Natales - Punta Arenas 248 17 Punta Arenas - Ushuaia 406 18 Ushuaia 19 Ushuaia 20 Ushuaia 21 Ushuaia - Rio Gallegos 550 22 Rio Gallegos - Caleta Olivia 708 23 Caleta Olivia - Puerto Madryn 517 24 Puerto Madryn - Peninsula de Valdes 300 25 Puerto Madryn - Bariloche 926 26 Bariloche 27 Bariloche - Bahia Blanca 963 28 Bahia Blanca - Buenos Aires 636 29 Bueno Aires 30 Buenos Aires - Foz do Iguaçu 1351 31 Foz do Iguaçu - São Paulo 1033 O que acham??
×