Ir para conteúdo

Mari D'Angelo

Membros
  • Total de itens

    106
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

31 Excelente

Outras informações

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. @Silvana Almada Já peguei um voo curto, Lisboa - Casablanca e achei tudo muito bom! Não sei como é se for só fazer uma escala em Casablanca, mas o aeroporto de lá é terrível e não gostei nem um pouco da cidade! Se tiver tempo, só o que vale mesmo a pena visitar, na minha opinião, é a Mesquita Hassan II (mas tem horários específicos). :)
  2. @Viviane F Moraes Eu não conheço esses hostels mas vi que são pelo centro (e o Selina tem um na Vila Madalena também acho), o que é bom por estar perto de grande parte do seu roteiro, mas tem que andar bastante atenta - especialmente à noite. Não acho que vale a pena pegar perto do Aeroporto de Guarulhos pq é muito longe da cidade.
  3. @Michellemcalves Em Lisboa é como o @poiuy falou, a maioria dos bares fica no bairro alto e também na região do Cais do Sodré (bares e baladas). Mas eu definitivamente não recomendo ficar lá pq é muita zona mesmo, galera gritando na rua até no mínimo 2h da manhã. Tirando essa parte, o centro (Baixa, Chiado, Rossio, Avenida da Liberdade...) é bom de ficar, mas as opções costumam ser um pouco caras. Na parte velha como Alfama, Mouraria, Castelo também tem algumas opções, mais de apartamentos, aí só precisa ter em conta que provavelmente vai ser na subida rs. Se quiser algo mais barato e ainda assim perto do centro (uma caminhada boa ou rapidinho de metrô) tem bastante opção perto das estações Anjos, Arroios (fechada temporariamente) e Alameda. Depois disso já começa a ficar meio distante demais. Não recomendo ficar em Belém pq é longe de todo o resto. Em Porto fiquei em 2 hostels bem legais, o Canvas Atelier e o Rock'n'Porto. Uma opção pra baratear também é ficar em Vila Nova de Gaia, mas é bom ver algo perto do metrô pq senão também fica um pouco difícil se locomover.
  4. @lydiaazevedoo Em Lisboa está um friozinho, mas não é nada demais. Durante o dia um casaco quentinho é suficiente (se estiver sol nem precisa muito), e a noite pode adicionar uma bota e um cachecol pq as vezes venta e isso que dá mais sensação de frio. Se você for pro Norte, como em Porto, já é mais frio. Como você tem pouco tempo sugiro escolher como base Lisboa ou Porto e dependendo dos seus interesses fazer um bate e volta. Se ficar em Lisboa sugiro um roteiro mais ou menos assim: Dia 1: Chiado, Rossio, Praça do Comércio, Bairro Alto Dia 2: Belém, LX Factory, Mercado da Ribeira (esse pode incluir no primeiro dia também se preferir) Dia 3: Alfama, Mouraria e Castelo Dia 4: Bate volta em Sintra Está tudo bem detalhado aqui. E se quiser mais dicas de Portugal tenho aqui. Se ficar no Porto dá pra ver a cidade em 2 ou 3 dias e ir até a Serra da Estrela e/ou região do Douro que são lugares lindos! Ah, fica sempre atenta à mochila, celular etc pq em lugares com muita gente tem bastante batedor de carteira. Espero ter ajudado, qualquer coisa é só falar!
  5. @Frederico de Mario Que legal! Deve ter sido uma experiência incrível! Em Cork tem muito brasileiro também, é difícil fugir rs, mas os irlandeses são super abertos então dá pra conhecer bastante gente legal, especialmente nos pubs! Rsrsrs
  6. @Viviane F Moraes Seu roteiro tem bastante coisa legal, mas concordo com as outras respostas, é muita coisa pra 2 dias. Vou dar minha opinião sobre alguns pontos, mas claro que tudo depende dos seus interesses! Acho que o centro, apesar de estar meio abandonado e de precisar ter bastante atenção, vale super a pena porque é lindo, ainda mais se vocês tem interesse em arquitetura! Aí nessa leva colocaria: - Estação da Luz (só ver por fora) - Pinacoteca (o prédio é lindo e o acervo é bem legal, mas aí teria que cortar outras coisas da lista pra dar tempo) - Mercadão (pra conhecer frutas diferentes e comer - o pastel de alcachofra é divino! rs) - Banespão (edifício Altino Arantes - sugiro só ver por fora pq a visita ao topo é muito rápida e o espaço é minusculo) - Edifício Martinelli (eu acho que é um dos mais legais pra subir pq tem umas varandas bem interessantes e uma vista linda!) - Pateo do Collegio (só ver por fora) - CCBB (entrar no saguão pra ver o prédio por dentro) - Catedral da Sé (só ver por fora) - Viaduto do chá - Theatro municipal (só ver por fora) - Copan (só pra ver por fora. Em baixo tem o Café Floresta que tem um bolo de banana muito bom e é bem antigo e o bar da Dona onça que é bem conhecido tb) - Edifício Itália (só ver por fora) Terminar a noite na Augusta (bares e restaurantes de todos os tipos) e/ou Praça Roosvelt (bares alternativos) e/ou Rua Avanhandava (rua fofinha com restaurantes legais) Se não tiver tempo de ver tudo eu cortaria Edifício Itália e CCBB, Theatro Municipal e Catedral da Sé. No segundo dia eu começaria pelo Ibirapuera (pode ir até o MAC pra ter uma vista do terraço), depois seguiria para a Paulista (se tiver tempo e gostar de arte visitar o MASP e aí os outro pontos só por fora) e Vila Madalena (Beco do Batman + bares). Eu cortaria o MIS e o Tomie Otake, que são mais fora de mão e o Museu de Arte Sacra e o Museu da Cidade que, apesar de interessantes, não valem tanto a pena com o tempo curto. Enfim, é muita coisa mas dá pra ir adaptando de acordo com o que vc curte! Fiz uma listinha de coisas legais pra fazer na cidade, então se te interessar tá aqui! http://www.queroirla.com.br/65-programas-em-sao-paulo/ Ufa, desculpa o texto gigante, espero ter ajudado!
  7. @Frederico de Mario Eu morei em Cork por um ano e fechei a escola (Cork English Academy) com a 2Be Study, como ficamos um tempo maior fechei hospedagem com Airbnb e depois aluguei apartamento. Fechei a escola com a agência só mesmo para ter alguma garantia, pois o preço ficava o mesmo fazendo por conta. Não sei se já decidiram Dublin por algum motivo, mas concordo com o @f0soare, gostei muito mais de Cork e tem as vantagens de ser um pouco mais barata e ter menos brasileiros do que em Dublin (embora ainda tenha muito!), o que é bom pra treinar o inglês. A Irlanda é muito maravilhosa! Se interessar tenho algumas dicas no blog: http://www.queroirla.com.br/irlanda/ Outro lugares bons pra pegar informação também são o https://www.e-dublin.com.br/ e o https://proximacurva.com/ Espero ter ajudado! :)
  8. @Juliana Champi Vai sim que não vai se arrepender! São Miguel é linda demais, mais uma surpresa portuguesa! 😍
  9. @RosiSousa Que bom que gostou! É mesmo um lugar mágico e deslumbrante, vale muito a pena conhecer!
  10. 📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos. O Marrocos foi o destino mais diferente que já visitei até hoje! Apesar de ter sido pouco tempo, conseguimos conhecer bastante coisa em 7 dias. Estar de carro nos deu mais liberdade para explorar do nosso jeito esse maravilhoso país de paisagens, costumes e sabores tão diferentes! É importante entender que a cultura marroquina é muito diferente da ocidental e, assim como em qualquer outro país, é preciso respeitar suas regras e tradições, concordando ou não com elas. Como passar uma noite no Deserto do Saara? Informações básicas Capital: Rabat Moeda: Dirham Marroquino (1€ = 10DH aproximadamente) Língua: A língua oficial é o árabe, mas o francês também é muito falado. Há também o berbere, que é a língua do povo do deserto. Dá pra se virar bem com inglês e em alguns casos espanhol. Religião: O islamismo é a religião predominante. Cerca de 99% da população é muçulmana. Fuso horário: O Marrocos está 4 horas adiantado em relação ao Brasil (horário de Brasília) e é o mesmo horário de Portugal continental. Glossário Medina: Parte mais antiga da cidade, geralmente composta por uma praça central e um labirinto de ruas e becos cercados por uma muralha. Souks: Mercados de rua onde se vende de tudo: Temperos, roupas, artesanato, itens de decoração etc. Eles ficam sempre dentro da medina. Riad: Casa típica marroquina transformada em alojamento para hóspedes. Geralmente há um pátio central e os quartos são dispostos ao redor dele, espalhados pelos andares do pequeno prédio. Há desde opções mais simples, como hostels, até os riads de luxo. Mesquita: Local de culto religioso dos muçulmanos. Sukran: Obrigado Salaam Aleikum: Expressão usada para cumprimentar ao chegar em um lugar. Literalmente traduzido como “que a paz esteja convosco”. Como se vestir no Marrocos? Tanto mulheres quanto homens marroquinos usam muito o djellaba, uma espécie de túnica longa de manga comprida, com ou sem capuz, geralmente usada com calças por baixo. As mulheres geralmente usam o véu na cabeça e os homens costumam usar o babouche, uma sandália de bico pontudo aberta no calcanhar. As cores e estampas são as mais diversas possíveis. As mulheres de uma das vertentes do islã usam a burca, peça única que cobre todo o corpo, deixando só os olhos descobertos (as vezes cobertos com uma rede). As mãos ficam cobertas por luvas. Essa vestimenta é mais comum nas pequenas vilas do interior do país do que nas cidades maiores como Casablanca e Marraquexe. Para os turistas não há muitas regras. É recomendável usar roupas mais discretas como calças, saias ou vestidos longos, preferir blusas sem decotes ou alças e evitar peças muito justas. O lenço não é obrigatório para as mulheres, mas é um bom item para cobrir ombros ou pernas caso esteja se sentindo desconfortável com os olhares. É só usar o bom senso e respeitar a cultura deles que estará tudo certo! Quando viajar para o Marrocos? O clima no Marrocos é bem variado, até porque é um país que tem uma geografia que vai da praia ao deserto, da cidade à montanha. A minha experiência foi no começo de Junho, quase Verão. Já estava bem quente, pelos 30º, mas nada impossível de lidar. Tanto nas cidades quanto no deserto fazia muito calor durante o dia e uma brisa bem leve à noite. Nos meses de inverno a temperatura cai um pouco, há mais umidade e até neve nas montanhas do Médio e Alto Atlas. De modo geral as épocas mais recomendadas para visitar o Marrocos são a Primavera e o Outono, quando o clima está mais equilibrado. Se o destino for de praia, o Verão pode ser uma boa opção, assim como o Inverno, caso queira esquiar na neve. Como dirigir no Marrocos? Para dirigir no Marrocos não é preciso carteira de habilitação internacional. Tanto a brasileira quanto a europeia são válidas. É muito recomendado reservar o carro com antecedência. Há muitas blitz nas estradas, especialmente nas entradas e saídas das cidades, por isso esteja sempre atento à velocidade, cinto de segurança na frente e atrás e documentos em dia, claro! Caso leve multa, o pagamento é feito na hora. A maioria dos policiais foram simpáticos, mas eles claramente buscam algo de errado para poderem aplicar uma multa. As estradas são boas e tem sinalização em árabe e (geralmente) francês, mas nas cidades o trânsito é completamente caótico! Em muitos lugares há “flanelinhas” para estacionar na rua, se for o caso, negocie o preço. Os trajetos costumam ser longos e as vezes muito sinuosos, então o ideal é ter mais de uma pessoa para revezar na direção. Se for no verão ou mesmo um pouco antes, certifique-se de que o carro tem ar condicionado! Segurança no Marrocos No geral, eu me senti bastante segura no Marrocos, mas estávamos em um grupo de dois homens e duas mulheres. Talvez para uma mulher sozinha seja preciso um pouco mais de cuidado. Por ter lido muitos relatos preocupantes em relação à isso, estávamos atentos à possibilidade de golpes, mas com o tempo relaxamos e percebemos que apesar de existir esse tipo de perigo, a maioria dos marroquinos está realmente só querendo ajudar e ser atencioso. O tempo todo há pessoas oferecendo insistentemente de tudo: produtos das suas lojas nos souks, passeios, restaurantes e até drogas! Mas se não der atenção por algum tempo eles param, não há violência. O que existe de fato, assim como no Brasil e na Europa, são batedores de carteira. Mas é só ter atenção com seus pertences, especialmente nas Medinas, que estará tudo bem. Casablanca foi o lugar onde me senti mais intimidada, tanto com os olhares quanto com a dinâmica da cidade, caótica e muito suja. Mas ainda assim não houve nenhum perigo real. Uma coisa a ter atenção para não criar problemas é com o registro em fotos e vídeos. Se você pedir autorização prévia, eles geralmente aceitam aparecer ou deixam que fotografe seus produtos, caso contrário eles podem pedir que apague e muito provavelmente vão te dar uma bronca! Alimentação no Marrocos A gastronomia marroquina é muito rica em sabores! Ao andar pelas medinas a fome é constante, já que é impossível não se embriagar com o aroma dos temperos das mais variadas cores e paladares, sempre empilhados em formato de pirâmide. Os pratos mais famosos são o tajine e o cuzcuz. O primeiro é como um cozido, preparado em um recipiente que também se chama tajine e é geralmente feito de barro. A receita pode variar muito, geralmente as opções são carne, frango ou vegetariano. O cuzcuz marroquino também tem opções carnívoras e vegetarianas, sendo que a “mistura” fica por cima de uma base de cuzcuz. Outros itens na lista de iguarias maroquinas são o shoarma, espécie de sanduíche de carnes variadas enroladas no pão pita, entradinhas como o baba ganoush e o hummus, e ingredientes como azeitonas, tâmaras e frutos secos. Pela manhã é comum ter uma espécie de panqueca, sempre acompanhada de geléias e mel. No Marrocos praticamente não há bebida alcoolica. Em geral só é possível encontrar vinho, cerveja ou qualquer outra bebida em mercados grandes e afastados do centro ou em hóteis e restaurantes internacionais. O que se bebe frequentemente no país é chá de menta, faça frio ou calor! Não tivemos nenhum problema em relação à alimentação, mas é importante ficar atento pois nas barracas de rua não há muita higiene. Também não é recomendado consumir água da torneira. Roteiro 7 dias no Marrocos Nosso roteiro foi de 7 dias, ida e volta de Lisboa para Casablanca em Junho de 2019. Todo o trajeto foi feito de carro. Dia 1 – Lisboa -> Casablanca -> Marraquexe Chegada em Marraquexe no fim da tarde. Janta e passeio pela Medina. Hospedagem: Oasis Hostel Tempo aproximado dirigindo: 03:00 Dia 2 – Marraquexe Dia inteiro em Marraquexe. Passeio pela Medina, compras no souk, visita ao Palais Bahia. Hospedagem: Oasis Hostel Tempo aproximado dirigindo: 00:00 Dia 3 – Marraquexe -> Ouarzazate -> Garganta de Dades Saída de Marraquexe de manhã, parada para almoço em Ouarzazate, passeio pela Garganta de Dadès e pernoite em Boumalne. Hospedagem: Dar Outeba Tempo aproximado dirigindo: 06:00 Dia 4 – Garganta de Dades -> Garganta de Todra -> Merzouga (noite no deserto) Saída de Boumalne de manhã, passagem pela Garganta de Todra, chegada em Merzouga no meio da tarde e saída para a noite no deserto pelas 17:00. Leia aqui como é passar uma noite no Deserto do Saara! Hospedagem: Tenda no Deserto Tempo aproximado dirigindo: 04:00 Dia 5 – Merzouga -> Casablanca Saída de Merzouga de manhã e chegada à Casablanca no final da tarde. Hospedagem: Airbnb Tempo aproximado dirigindo: 09:00 Dia 6 – Casablanca Visita à Mesquita Hassam II, passeio pela Medina e o Souk, caminhada na beira do mar. Hospedagem: Airbnb Tempo aproximado dirigindo: 00:00 Dia 7 – Casablanca -> Lisboa Entrega do apartamento e saída para o aeroporto. Hospedagem: – Tempo aproximado dirigindo: 00:30 A única coisa que eu mudaria desse roteiro seria o trecho de Casablanca. Só há uma atração que realmente vale a pena na cidade, a Mesquita Hassan II, então meio dia é suficiente. Acho que teria sido mais interessante conhecer Fez ou Chefchaouen. 📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.
  11. Portugal é um país pequeno, mas tem 9 pedacinhos paradisíacos destacados bem no meio do Oceano Atlântico, o Arquipélago dos Açores! São Miguel é a maior das ilhas, e com voos low cost regulares à partir de Lisboa e Porto, é também uma das mais visitadas. A Ilha de São Miguel é um dos lugares mais lindos que já vi! De origem vulcânica, a terra das “vacas felizes” tem paisagens deslumbrantes que vão da montanha ao mar. As estradas, sempre enfeitadas por hortências brancas e azuladas, levam à lagoas cenográficas e praias de areia escura. É o destino perfeito para quem gosta de estar em meio a natureza. O idioma falado é o português, mas o sotaque dos micaelenses (originários da Ilha de São Miguel) é tão diferente do resto de Portugal que muitas vezes parece que eles estão falando francês! A moeda corrente é o euro. Como se locomover nos Açores? A primeira coisa a se pensar ao planejar uma viagem para os Açores é alugar um carro! Não sei sobre as outras ilhas (imagino que seja o mesmo), mas em São Miguel é sem dúvidas a melhor opção. Até há transporte público e ônibus turísticos Hop On Hop Off, como o Yellow Bus, que passam pelos principais pontos, mas lá é daqueles lugares em que o caminho é tão interessante quanto o destino final. Estar de carro vai te dar muito mais liberdade e conforto, além de otimizar o tempo. Caso decida se deslocar de transporte público, confira aqui as linhas e horários. As locadoras de carro já ficam logo em frente ao portão de chegada no Aeroporto João Paulo II, em Ponta Delgada, e de lá até o centro da cidade não dá nem 10 minutos. O ideal é já ter feito a reserva com antecedência. É fácil se locomover na ilha pois as distâncias são curtas (uma volta completa, de ponta a ponta dá 4h de viagem), as estradas são boas e não há pedágios. Quanto tempo ficar na Ilha de São Miguel? Tivemos apenas 3 dias inteiros na Ilha. Dá pra conhecer bastante coisa, mas definitivamente é pouco! Imagino que 5 dias inteiros, ou até uma semana seja o ideal, assim dá pra fazer as coisas com mais calma e ficar mais tempo curtindo cada lugar. É bom também levar em conta a época do ano. Como a maior parte das atrações são à céu aberto, faz bastante diferença se os dias são mais curtos ou mais longos. No verão o sol se põe por volta das 21:00 enquanto no inverno é pelas 18:00. O fuso horário também é diferente do de Portugal continental, sendo 1 hora a menos. Onde se hospedar na Ilha de São Miguel? Nós ficamos hospedados em Ponta Delgada, bem no centrinho da cidade. É a melhor opção para quem quer sentir um pouco de movimento, ter opções de restaurantes, cafés, lojas… mas ainda assim é uma cidade pequena e tudo fecha cedo. Para quem prefere mais tranquilidade, há vários pequenos vilarejos com opções de hospedagem perto do mar e das lagoas. Ficamos na Casa Conforto, um alojamento local bem simpático, com instalações novas e bem decoradas, funcionários super atenciosos e café da manhã no quarto (entregue todos os dias em uma cestinha de picnic ♥). Tem uma cozinha compartilhada caso queira guardar algo na geladeira ou tomar um café. Há um estacionamento público gratuito a 5 minutos a pé e vagas pagas nas ruas próximas. Como é o clima nos Açores? A fama é de ter as 4 estações do ano em um só dia, então acho que a palavra para o clima nos Açores é “instável”. Fomos em Julho, pleno verão, e estava bem quente! A temperatura estava sempre por volta de 24º mas a sensação era de bem mais. Pegamos alguns momentos nublados mas nenhuma chuva. Para essa época recomendo roupas leves, um casaquinho para usar a noite, roupa de praia e calçados confortáveis, pois as melhores vistas vem sempre acompanhadas de alguma caminhada. Nosso roteiro de 3 dias na Ilha de São Miguel Dia 1 No primeiro dia fomos explorar o lado leste da ilha. Começamos pelo Miradouro Pico do Carvão, meio improvisado no meio da estrada mas com uma vista impressionante! Um pouco mais a frente fica o Aqueduto do Carvão e atravessando da estrada, a entrada para o Miradouro Pico do Paul. Dá pra ir de carro até lá mas (apesar da subida) é um caminho agradável para fazer a pé, passando pelas aconchegantes Lagoa das Empadadas e Lagoa de Eguas. Seguindo ainda pela mesma estrada chegamos ao cartão postal dos Açores, o Miradouro da Boca do Inferno (ou Miradouro da Grota do Inferno). Ele fica dentro do Parque Florestal da Mata do Canário e tem horário pra fechar – 19:00 no verão e 15:00 no inverno. No começo da escadaria que leva à vista mais linda da Ilha de São Miguel, está estrategicamente posicionado um carrinho de sorvete artesanal com ingredientes típicos dos Açores. Pode ousar sem medo! A vista lá de cima é surreal! Vai revelando aos poucos a Lagoa e o vilarejo das Sete Cidades e as lagoas de Santiago, Rasa e do Canário. Há um trilho que leva à uma placa explicativa e muita gente para por aí, mas se caminhar um pouco para a esquerda a visão é ainda mais ampla e não é preciso dividir o espaço com quase ninguém. Se tem um lugar perfeito para um picnic, é este! E a rota dos miradouros ainda não acabou, seguimos para o da Vista do Rei, outra imagem bem conhecida da Ilha de São Miguel. Daqui vê-se a Lagoa das Sete Cidades, que tem um lado esverdeado e outro azulado, deslumbrante! Para ter a melhor vista da Lagoa das Sete cidades aconselho cometer um pequeno delito e “invadir” o hotel abandonado Monte Palace. O que parece ter sido um luxuoso refúgio, é hoje quase um cenário de filme de terror, com todo o interior destruído. Ainda assim dá pra imaginar o privilégio que era se hospedar em um daqueles quartos com varandas imensas de frente para as lagoas. Bateu a fome e decidimos descer até o vilarejo das Sete Cidades. Esse trecho da estrada é forrado de hortências e só por isso já valia a viagem, mas a cidadezinha também é um encanto! O gramado arborizado à beira da lagoa é um bom lugar para um momento relax. O almoço foi no Restaurante Lagoa Azul, que tem um buffet cheio de opções deliciosas e bem temperadas! Aliás, esteja atento ao horário se quiser parar para almoçar. Não há nada pelas estradas, é preciso entrar nas cidades e na grande maioria delas os restaurantes fecham entre o almoço e a janta (as vezes ficam abertos mas só para bebidas). A próxima parada foi a Ponta da Ferraria. Além de ser mais uma vista linda, lá em baixo há uma piscina natural de formações vulcânicas onde a água do mar fica quentinha! Essa é de acesso livre e tem duchas, banheiros e vestiários (tudo meio improvisado mas super útil!). Um pouco antes fica o Termas da Ferraria, um espaço com spa, piscinas e restaurante. Terminamos o dia no Miradouro da Ponta do Escalvado, quase um camarote para o pôr do sol. Dia 2 Como ficava pertinho do nosso Airbnb, passamos para conhecer o Mercado da Graça, onde se encontra frutas (especialmente o famoso ananás dos Açores) e vegetais fresquinhos, produtos regionais como queijos, geléias e biscoitos e até souvenirs. Depois partimos para Vila Franca do Campo, na expectativa de comprar o bilhete para visitar o Ilhéu de Vila Franca no dia seguinte. Não conseguimos, mas continuamos o roteiro pelo lado oeste da Ilha. Ali perto fica a Ermida de Nossa Senhora da Paz, uma igrejinha que além de já ficar no alto da colina, ainda está no topo de uma uma incrível e imensa escadaria. Lá de cima a vista para a cidade, o mar e o Ilhéu é fantástica! Outra coisa imperdível em Vila Franca do Campo são as Queijadas da Vila, um docinho típico da região que ganhou tanto meu coração que voltei no dia seguinte pra comprar uma caixa inteira! Clique aqui e conheça mais doces típicos de Portugal! E falando em comida, paramos em um restaurante na cidade para provar uma das especialidades açorianas, as lapas grelhadas! Lapas são um tipo de molusco geralmente encontrados em pedras nas regiões marítimas. As “conchinhas” chegam espalhadas por uma chapa fumegante e são temperadas com um molho de alho e limão. O sabor é bom, mas o fato de elas terem umas anteninhas me deixou um pouco agoniada. Para acompanhar pode provar a cerveja Especial Melo Abreu, também original dos Açores. Continuamos até o Jardim da Lagoa de Furnas, um parque super agradável que tem a Ermida Nossa Senhora das Vitórias como cartão postal. Na outra ponta da Lagoa de Furnas, em uma área de solo vulcânico, é onde é preparado o famoso cozido de furnas, outro prato típico açoriano. O cozido leva variados tipos de carnes branca e vermelha, além de embutidos e legumes. Como sou semi-vegetariana, não experimentei, mas se tiver coragem, deve ser uma experiência gastronômica diferente! O diferencial desse prato é o modo de preparo. Tanto os restaurantes da região quanto pessoas avulsas levam as panelas para serem “enterradas” nas caldeiras, onde cozinham por cerca de 6 horas. Há pessoas responsáveis no local para ajudar no processo. A região de Furnas é aliás muito conhecida pelas caldeiras em ebulição e pelas águas termais. Para chegar até lá mais facilmente pode procurar por “Largo das Caldeiras”, quando começar e ver focos de fumaça saindo do chão, chegou! Há várias bicas de águas com diferentes propriedades espalhadas pela cidade e as pessoas são encorajadas a provar. Eu não dei muita sorte e escolhi uma que tinha gosto de ferro gaseificado! Há alguns lugares em que a água tem uma coloração meio avermelhada devido a presença de enxofre e ferro. Para ter uma vista aérea da Lagoa de Furnas, seguimos até o Miradouro do Pico do Ferro. E com tanta água envolvendo essa paradisíaca ilha, não dá pra não falar de praia também. Escolhemos para fazer uma pausa com uma imperial a beira mar, a Praia dos Moinhos, na região norte de São Miguel. A entrada da praia fica quase escondida nas curvas de uma sinuosa estrada e ao chegar, a surpresa fica por conta da cor acinzentada da areia. Uma boa pedida para petiscar é O Moinho Terrace Café, com um ambiente interior agradável e uma ampla esplanada de frente para o mar. A menos de 10 minutos de carro da Praia dos Moinhos fica o Miradouro de Santa Iria, com uma vista espetacular das falésias açorianas. Por ser uma ilha de origem vulcânica, há várias opções de termas em São Miguel, sendo as mais conhecidas a do Parque Terra Nostra e a Poça da Dona Beija. Deixamos essas duas fora do roteiro e optamos pela Caldeira Velha, um pequeno paraíso natural de águas escaldantes. As piscinas do Centro de Interpretação Ambiental da Caldeira Velha, envoltas por uma vegetação diversa, tem águas de diferentes temperaturas, sendo que a mais quente pode chegar a 38º! Parece impossível mas na verdade é bem agradável – claro que por pouco tempo. A maior e mais concorrida atração é a cascata, que tem uma coloração avermelhada devido ao ferro presente na água. Aliás, o ideal é não ir com roupas novas ou claras pois podem ficar com manchas. O tempo máximo de permanência é de 2 horas e há um limite de 250 pessoas por vez. O valor do ingresso é de 8€ (ou 3€ caso não queira entrar nas poças termais) e grátis para residentes nos Açores. Há banheiros e uma estrutura simples de vestiários e lockers. Mais informações aqui. Dia 3 No nosso último dia na Ilha de São Miguel, acordamos cedinho com destino (de novo) a Vila Franca do Campo para fazer a travessia para o Ilhéu de Vila Franca. Leia aqui tudo sobre o Ilhéu de Vila Franca do Campo. No Norte da Ilha, já próximo à vila de Nordeste fica o Parque Natural da Ribeira dos Caldeirões. O acesso é bem fácil e a estrada corta ao meio dois lados igualmente dignos de cenários encantados. Em um deles, uma cachoeira que brota por entre as árvores e é rodeada por uma abundante natureza. Do outro um riacho salpicado por pequenas quedas d’água e casinhas dignas de aldeia. Sem dúvidas vale a parada. Uma das paisagens mais famosas da Ilha de São Miguel é a Lagoa do Fogo. O acesso de carro só vai até um certo ponto, depois é preciso fazer uma trilha de mais de uma hora. Para ter uma vista aérea basta subir ao Pico Da Barrosa. Como é um dos pontos mais altos da ilha, recomendo checar a visibilidade aqui antes ou corre o risco de chegar lá e não enxergar absolutamente nada por causa da neblina (que infelizmente foi nosso caso). À noite ficávamos sempre pelo centro histórico de Ponta Delgada. As Portas da Cidade, a Câmara Municipal e a Igreja de São Sebastião demarcam o miolo central, onde turistas e micaelenses se misturam. As ruas adjacentes estão repletas de opções de cafés, bares e restaurantes. Uma boa pedida é o Calçada do Cais, que recomendo pelo risoto e pela sangria! A região em frente ao cais também é uma opção agradável para ver o cair da noite. Há sempre alguma coisa acontecendo em Ponta Delgada, consulte o site da Câmara Municipal para saber o que vai estar rolando nos dias da sua visita! 📷 Relato oficial com fotos e mapas aqui
×
×
  • Criar Novo...