Ir para conteúdo

Mari D'Angelo

Membros
  • Total de itens

    93
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

17 Boa

Outras informações

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Portugal é um país pequeno, mas tem 9 pedacinhos paradisíacos destacados bem no meio do Oceano Atlântico, o Arquipélago dos Açores! São Miguel é a maior das ilhas, e com voos low cost regulares à partir de Lisboa e Porto, é também uma das mais visitadas. A Ilha de São Miguel é um dos lugares mais lindos que já vi! De origem vulcânica, a terra das “vacas felizes” tem paisagens deslumbrantes que vão da montanha ao mar. As estradas, sempre enfeitadas por hortências brancas e azuladas, levam à lagoas cenográficas e praias de areia escura. É o destino perfeito para quem gosta de estar em meio a natureza. O idioma falado é o português, mas o sotaque dos micaelenses (originários da Ilha de São Miguel) é tão diferente do resto de Portugal que muitas vezes parece que eles estão falando francês! A moeda corrente é o euro. Como se locomover nos Açores? A primeira coisa a se pensar ao planejar uma viagem para os Açores é alugar um carro! Não sei sobre as outras ilhas (imagino que seja o mesmo), mas em São Miguel é sem dúvidas a melhor opção. Até há transporte público e ônibus turísticos Hop On Hop Off, como o Yellow Bus, que passam pelos principais pontos, mas lá é daqueles lugares em que o caminho é tão interessante quanto o destino final. Estar de carro vai te dar muito mais liberdade e conforto, além de otimizar o tempo. Caso decida se deslocar de transporte público, confira aqui as linhas e horários. As locadoras de carro já ficam logo em frente ao portão de chegada no Aeroporto João Paulo II, em Ponta Delgada, e de lá até o centro da cidade não dá nem 10 minutos. O ideal é já ter feito a reserva com antecedência. É fácil se locomover na ilha pois as distâncias são curtas (uma volta completa, de ponta a ponta dá 4h de viagem), as estradas são boas e não há pedágios. Quanto tempo ficar na Ilha de São Miguel? Tivemos apenas 3 dias inteiros na Ilha. Dá pra conhecer bastante coisa, mas definitivamente é pouco! Imagino que 5 dias inteiros, ou até uma semana seja o ideal, assim dá pra fazer as coisas com mais calma e ficar mais tempo curtindo cada lugar. É bom também levar em conta a época do ano. Como a maior parte das atrações são à céu aberto, faz bastante diferença se os dias são mais curtos ou mais longos. No verão o sol se põe por volta das 21:00 enquanto no inverno é pelas 18:00. O fuso horário também é diferente do de Portugal continental, sendo 1 hora a menos. Onde se hospedar na Ilha de São Miguel? Nós ficamos hospedados em Ponta Delgada, bem no centrinho da cidade. É a melhor opção para quem quer sentir um pouco de movimento, ter opções de restaurantes, cafés, lojas… mas ainda assim é uma cidade pequena e tudo fecha cedo. Para quem prefere mais tranquilidade, há vários pequenos vilarejos com opções de hospedagem perto do mar e das lagoas. Ficamos na Casa Conforto, um alojamento local bem simpático, com instalações novas e bem decoradas, funcionários super atenciosos e café da manhã no quarto (entregue todos os dias em uma cestinha de picnic ♥). Tem uma cozinha compartilhada caso queira guardar algo na geladeira ou tomar um café. Há um estacionamento público gratuito a 5 minutos a pé e vagas pagas nas ruas próximas. Como é o clima nos Açores? A fama é de ter as 4 estações do ano em um só dia, então acho que a palavra para o clima nos Açores é “instável”. Fomos em Julho, pleno verão, e estava bem quente! A temperatura estava sempre por volta de 24º mas a sensação era de bem mais. Pegamos alguns momentos nublados mas nenhuma chuva. Para essa época recomendo roupas leves, um casaquinho para usar a noite, roupa de praia e calçados confortáveis, pois as melhores vistas vem sempre acompanhadas de alguma caminhada. Nosso roteiro de 3 dias na Ilha de São Miguel Dia 1 No primeiro dia fomos explorar o lado leste da ilha. Começamos pelo Miradouro Pico do Carvão, meio improvisado no meio da estrada mas com uma vista impressionante! Um pouco mais a frente fica o Aqueduto do Carvão e atravessando da estrada, a entrada para o Miradouro Pico do Paul. Dá pra ir de carro até lá mas (apesar da subida) é um caminho agradável para fazer a pé, passando pelas aconchegantes Lagoa das Empadadas e Lagoa de Eguas. Seguindo ainda pela mesma estrada chegamos ao cartão postal dos Açores, o Miradouro da Boca do Inferno (ou Miradouro da Grota do Inferno). Ele fica dentro do Parque Florestal da Mata do Canário e tem horário pra fechar – 19:00 no verão e 15:00 no inverno. No começo da escadaria que leva à vista mais linda da Ilha de São Miguel, está estrategicamente posicionado um carrinho de sorvete artesanal com ingredientes típicos dos Açores. Pode ousar sem medo! A vista lá de cima é surreal! Vai revelando aos poucos a Lagoa e o vilarejo das Sete Cidades e as lagoas de Santiago, Rasa e do Canário. Há um trilho que leva à uma placa explicativa e muita gente para por aí, mas se caminhar um pouco para a esquerda a visão é ainda mais ampla e não é preciso dividir o espaço com quase ninguém. Se tem um lugar perfeito para um picnic, é este! E a rota dos miradouros ainda não acabou, seguimos para o da Vista do Rei, outra imagem bem conhecida da Ilha de São Miguel. Daqui vê-se a Lagoa das Sete Cidades, que tem um lado esverdeado e outro azulado, deslumbrante! Para ter a melhor vista da Lagoa das Sete cidades aconselho cometer um pequeno delito e “invadir” o hotel abandonado Monte Palace. O que parece ter sido um luxuoso refúgio, é hoje quase um cenário de filme de terror, com todo o interior destruído. Ainda assim dá pra imaginar o privilégio que era se hospedar em um daqueles quartos com varandas imensas de frente para as lagoas. Bateu a fome e decidimos descer até o vilarejo das Sete Cidades. Esse trecho da estrada é forrado de hortências e só por isso já valia a viagem, mas a cidadezinha também é um encanto! O gramado arborizado à beira da lagoa é um bom lugar para um momento relax. O almoço foi no Restaurante Lagoa Azul, que tem um buffet cheio de opções deliciosas e bem temperadas! Aliás, esteja atento ao horário se quiser parar para almoçar. Não há nada pelas estradas, é preciso entrar nas cidades e na grande maioria delas os restaurantes fecham entre o almoço e a janta (as vezes ficam abertos mas só para bebidas). A próxima parada foi a Ponta da Ferraria. Além de ser mais uma vista linda, lá em baixo há uma piscina natural de formações vulcânicas onde a água do mar fica quentinha! Essa é de acesso livre e tem duchas, banheiros e vestiários (tudo meio improvisado mas super útil!). Um pouco antes fica o Termas da Ferraria, um espaço com spa, piscinas e restaurante. Terminamos o dia no Miradouro da Ponta do Escalvado, quase um camarote para o pôr do sol. Dia 2 Como ficava pertinho do nosso Airbnb, passamos para conhecer o Mercado da Graça, onde se encontra frutas (especialmente o famoso ananás dos Açores) e vegetais fresquinhos, produtos regionais como queijos, geléias e biscoitos e até souvenirs. Depois partimos para Vila Franca do Campo, na expectativa de comprar o bilhete para visitar o Ilhéu de Vila Franca no dia seguinte. Não conseguimos, mas continuamos o roteiro pelo lado oeste da Ilha. Ali perto fica a Ermida de Nossa Senhora da Paz, uma igrejinha que além de já ficar no alto da colina, ainda está no topo de uma uma incrível e imensa escadaria. Lá de cima a vista para a cidade, o mar e o Ilhéu é fantástica! Outra coisa imperdível em Vila Franca do Campo são as Queijadas da Vila, um docinho típico da região que ganhou tanto meu coração que voltei no dia seguinte pra comprar uma caixa inteira! Clique aqui e conheça mais doces típicos de Portugal! E falando em comida, paramos em um restaurante na cidade para provar uma das especialidades açorianas, as lapas grelhadas! Lapas são um tipo de molusco geralmente encontrados em pedras nas regiões marítimas. As “conchinhas” chegam espalhadas por uma chapa fumegante e são temperadas com um molho de alho e limão. O sabor é bom, mas o fato de elas terem umas anteninhas me deixou um pouco agoniada. Para acompanhar pode provar a cerveja Especial Melo Abreu, também original dos Açores. Continuamos até o Jardim da Lagoa de Furnas, um parque super agradável que tem a Ermida Nossa Senhora das Vitórias como cartão postal. Na outra ponta da Lagoa de Furnas, em uma área de solo vulcânico, é onde é preparado o famoso cozido de furnas, outro prato típico açoriano. O cozido leva variados tipos de carnes branca e vermelha, além de embutidos e legumes. Como sou semi-vegetariana, não experimentei, mas se tiver coragem, deve ser uma experiência gastronômica diferente! O diferencial desse prato é o modo de preparo. Tanto os restaurantes da região quanto pessoas avulsas levam as panelas para serem “enterradas” nas caldeiras, onde cozinham por cerca de 6 horas. Há pessoas responsáveis no local para ajudar no processo. A região de Furnas é aliás muito conhecida pelas caldeiras em ebulição e pelas águas termais. Para chegar até lá mais facilmente pode procurar por “Largo das Caldeiras”, quando começar e ver focos de fumaça saindo do chão, chegou! Há várias bicas de águas com diferentes propriedades espalhadas pela cidade e as pessoas são encorajadas a provar. Eu não dei muita sorte e escolhi uma que tinha gosto de ferro gaseificado! Há alguns lugares em que a água tem uma coloração meio avermelhada devido a presença de enxofre e ferro. Para ter uma vista aérea da Lagoa de Furnas, seguimos até o Miradouro do Pico do Ferro. E com tanta água envolvendo essa paradisíaca ilha, não dá pra não falar de praia também. Escolhemos para fazer uma pausa com uma imperial a beira mar, a Praia dos Moinhos, na região norte de São Miguel. A entrada da praia fica quase escondida nas curvas de uma sinuosa estrada e ao chegar, a surpresa fica por conta da cor acinzentada da areia. Uma boa pedida para petiscar é O Moinho Terrace Café, com um ambiente interior agradável e uma ampla esplanada de frente para o mar. A menos de 10 minutos de carro da Praia dos Moinhos fica o Miradouro de Santa Iria, com uma vista espetacular das falésias açorianas. Por ser uma ilha de origem vulcânica, há várias opções de termas em São Miguel, sendo as mais conhecidas a do Parque Terra Nostra e a Poça da Dona Beija. Deixamos essas duas fora do roteiro e optamos pela Caldeira Velha, um pequeno paraíso natural de águas escaldantes. As piscinas do Centro de Interpretação Ambiental da Caldeira Velha, envoltas por uma vegetação diversa, tem águas de diferentes temperaturas, sendo que a mais quente pode chegar a 38º! Parece impossível mas na verdade é bem agradável – claro que por pouco tempo. A maior e mais concorrida atração é a cascata, que tem uma coloração avermelhada devido ao ferro presente na água. Aliás, o ideal é não ir com roupas novas ou claras pois podem ficar com manchas. O tempo máximo de permanência é de 2 horas e há um limite de 250 pessoas por vez. O valor do ingresso é de 8€ (ou 3€ caso não queira entrar nas poças termais) e grátis para residentes nos Açores. Há banheiros e uma estrutura simples de vestiários e lockers. Mais informações aqui. Dia 3 No nosso último dia na Ilha de São Miguel, acordamos cedinho com destino (de novo) a Vila Franca do Campo para fazer a travessia para o Ilhéu de Vila Franca. Leia aqui tudo sobre o Ilhéu de Vila Franca do Campo. No Norte da Ilha, já próximo à vila de Nordeste fica o Parque Natural da Ribeira dos Caldeirões. O acesso é bem fácil e a estrada corta ao meio dois lados igualmente dignos de cenários encantados. Em um deles, uma cachoeira que brota por entre as árvores e é rodeada por uma abundante natureza. Do outro um riacho salpicado por pequenas quedas d’água e casinhas dignas de aldeia. Sem dúvidas vale a parada. Uma das paisagens mais famosas da Ilha de São Miguel é a Lagoa do Fogo. O acesso de carro só vai até um certo ponto, depois é preciso fazer uma trilha de mais de uma hora. Para ter uma vista aérea basta subir ao Pico Da Barrosa. Como é um dos pontos mais altos da ilha, recomendo checar a visibilidade aqui antes ou corre o risco de chegar lá e não enxergar absolutamente nada por causa da neblina (que infelizmente foi nosso caso). À noite ficávamos sempre pelo centro histórico de Ponta Delgada. As Portas da Cidade, a Câmara Municipal e a Igreja de São Sebastião demarcam o miolo central, onde turistas e micaelenses se misturam. As ruas adjacentes estão repletas de opções de cafés, bares e restaurantes. Uma boa pedida é o Calçada do Cais, que recomendo pelo risoto e pela sangria! A região em frente ao cais também é uma opção agradável para ver o cair da noite. Há sempre alguma coisa acontecendo em Ponta Delgada, consulte o site da Câmara Municipal para saber o que vai estar rolando nos dias da sua visita! 📷 Relato oficial com fotos e mapas aqui
  2. @FlavioToc Obrigada Flávio! Concordo plenamente, o Marrocos é uma experiência maravilhosa! Vou ler seu relato! Beijos
  3. @Debora Simões Obrigada Debora! Fechamos a viagem direto com o Mohamed, ele fala português e é super simpático. Pode mandar mensagem pelo insta dele que ele responde: https://www.instagram.com/mohaachieve389/ (@mohaachieve389)
  4. 📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/ilheu-de-vila-franca-do-campo/ Na Costa Sul da Ilha de São Miguel, entre as deslumbrantes paisagens dos Açores, está o famoso e pitoresco Ilhéu de Vila Franca do Campo, um dos lugares mais incríveis de Portugal! A pequena ilha é resultado de um vulcão submarino, sua cratera inundada formou um círculo quase perfeito chamado de “Anel da Princesa”. Há uma pequena abertura para o mar, mas como fica em sua maior parte protegida, a água é calma e sem ondas (mas bem gelada!). No quiosque de venda dos bilhetes é possível alugar equipamento para praticar snorkel. Há oito anos o Ilhéu de Vila Franca é também cenário para a etapa açoriana do Red Bull Cliff Diving, campeonato de saltos para água que atrai amantes de esportes radicais! Como chegar ao Ilhéu de Vila Franca do Campo? Para chegar no Ilhéu de Vila Franca é preciso ir até a cidadezinha de Vila Franca do Campo, a mais ou menos 25 minutos de carro de Ponta Delgada. Os barcos que fazem a travessia até a ilha saem da Marina de Vila Franca do Campo a cada uma hora entre as 10:00 e as 18:00. No dia em que estivemos lá os barcos estavam saindo com mais regularidade, mas nos dias de mais afluência pode haver fila de espera. O trajeto dura menos de 10 minutos. Os regressos costumam ser 10 minutos após a hora cheia, também de hora em hora. Há vagas públicas para estacionar o carro próximo à Marina. Só é possível visitar o Ilhéu no Verão (consulte as datas exatas no site) e com o barco oficial. Outros barcos até podem se aproximar, mas as pessoas não podem desembarcar na ilha. Quanto custa e como comprar o bilhete? O valor do bilhete para viagem de ida e volta para o Ilhéu custa 8€ para não residentes nos Açores e 6€ para residentes. É possível comprar o bilhete pela internet através do site oficial, porém não para o mesmo dia. A venda online é limitada a 200 bilhetes por dia. A outra opção é comprar no próprio quiosque de vendas na Marina de Vila Franca do Campo, que abre pontualmente às 09:45 (já conte com uma pequena fila neste horário). A entrada no Ilhéu de Vila Franca é limitada a 400 pessoas por dia, por isso é melhor garantir o bilhete com antecedência. O que esperar do Ilhéu de Vila Franca? O Ilhéu de Vila Franca do Campo é classificado como Reserva Natural, então requer total cuidado e respeito dos visitantes. Como infra estrutura há um banheiro e algumas áreas pavimentadas para facilitar a circulação, porém há também muitas áreas de terreno irregular onde é preciso ter atenção. Dois salva-vidas ficam na ilha para emergências. Não há quiosques ou vendedores então leve tudo o que precisar (e um saquinho para levar o lixo de volta). Na maré baixa há uma pequena faixa de areia descoberta, mas como a maior parte da ilha é de pedra, uma toalha de praia é bastante útil! Alguns dos “habitantes da ilha” são os graciosos garajaus, uma ave marinha que parece andar mascarada e os avermelhados carangueijos-fidalgo, que podem ser vistos bem na chegada ao Ilhéu. Em relação ao clima, nos Açores em geral é sempre muito instável, então as precauções podem incluir tanto um protetor solar quanto uma capa de chuva. A temperatura em Julho é de agradável à muito quente. Ah, e aproveite a sua passagem por Vila Franca do Campo para visitar a incrível Ermida de Nossa Senhora da Paz (de onde se avista o Ilhéu) e experimentar as deliciosas Queijadas da Vila! 📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/ilheu-de-vila-franca-do-campo/
  5. 📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/deserto-do-saara-roteiro/ É difícil não colocar uma noite sob o estrelado céu do Deserto do Saara como a melhor parte de uma viagem cheia de pontos altos pelo Marrocos! Várias empresas, hotéis e hostels oferecem roteiros até o Deserto saindo de Marraquexe e outras cidades do Marrocos, mas como estávamos em quatro e a ideia de passar a maior parte do tempo em um ônibus turístico não agradava a nenhum de nós, decidimos alugar um carro e fazer o trajeto por conta. Depois de passar pelas cidades de Marraquexe e Ouarzazate, pelas sinuosas montanhas do Alto Atlas e as cenográficas Gargantas de Dadès e Todra, chegamos finalmente à Merzouga, a porta de entrada para o Deserto do Saara! Estávamos confusos sobre como reservar a hospedagem no Deserto. Nossa ideia inicial era chegar até Merzouga e lá encontrar uma empresa ou hotel que oferecesse esse serviço. Nas pesquisas que fizemos parecia ser uma prática comum e em Marraquexe nos disseram que não haveria problemas. Mas na noite anterior, já no meio do caminho, descobrimos que a possibilidade de conseguir algo em cima da hora para o mesmo dia seria baixa. A solução foi inusitada, mas não poderia ter sido mais perfeita! Com a ajuda do Said, simpático funcionário do Riad Dar Outeba, onde estávamos hospedados, fechamos um acampamento de luxo no Deserto! Em todas as vezes que me imaginei dormindo no Deserto do Saara, nunca pensei que seria possível ter uma cama enorme e um chuveiro quentinho. Como a palavra “luxo” não combina muito comigo, fiquei com medo de que esse conforto a mais tirasse um pouco a autenticidade da experiência, mas logo ao chegar vi que estava completamente enganada. O valor oficial do acampamento onde ficamos é de 600DH (Dirhams) por pessoa, o que convertendo dá por volta de 60€ e inclui: Transporte ida e volta de 4×4, tenda privativa para 2 pessoas com banheiro e chuveiro, jantar completo, café da manhã, garrafinhas de água gelada, chá de boas vindas e estacionamento em Merzouga. Fomos no mês de Junho, já quase verão, e estava muito quente, então roupas leves e confortáveis bastam. Você muito provavelmente vai parar em algum lugar no caminho e comprar um lenço (é irresistível) e sairá já com ele na cabeça para encarar o calor do deserto. Todos os vendedores ensinam como usar, e se não fizerem, os guias o fazem. Se for muito friorento(a) vale levar um casaquinho fino para a noite. Chegando em Merzouga, fomos encaminhados para uma pousada onde deixamos o carro estacionado e esperamos (tomando chá de menta num calor de 40º) até que fosse a hora de partir pra dentro das dunas de Erg Chebbi! Há algumas formas de chegar até os acampamentos; de 4×4, de quadriciclos e o mais comum, montado em dromedários. Eu estava decidida a não ir com a última opção, pois acho que é uma forma de exploração animal e apesar de saber que o corpo deles é preparado para esse tipo de clima e de “função”, não acho certo e não quis apoiar a prática. Como o quadriciclo era a opção mais cara, decidimos ir de 4×4. Ficamos sabendo que atualmente, para a segurança dos turistas, não é mais permitido que os acampamentos sejam montados em partes mais afastadas do Deserto do Saara, então todos eles agora ficam a uma curta distância da cidade. De 4×4 o trajeto dura por volta de 10min e tem a emoção de um rali pelas dunas! De dromedário o tempo é em média 1h30. O acampamento fica em um vale em meio às dunas e é encantador! No nosso caso tivemos uma enorme tenda privativa com banheiro, chuveiro e até tomadas e entradas USB! São 8 tendas e mais um espaço comum para as refeições. Do lado de fora, tapetes e lanternas davam o charme àquele lugar que parecia cenário de filme! Ao chegar fomos recebidos pelo Mohamed, que além de extra simpático, adora falar português! Conversamos um pouco com ele enquanto tomávamos mais chá de menta (sim, chá quente, no deserto!) e depois partimos para vivenciar um pouco do Deserto do Saara! Caminhamos até o topo de uma duna, de onde a vista é de tirar o fôlego, e arriscamos algumas descidas de sandboard. Lá de cima vimos um pôr do sol tão lindo que entrou para o top 5 da minha lista imaginária! Mesmo não sendo tão afastado da civilização, a sensação é de estar no meio do nada. É uma emoção incrível caminhar por aquelas enormes dunas e se sentir como um grãozinho de areia! Naquele momento estávamos animados demais para apreciar o silêncio do Deserto, mas não imagino lugar melhor no mundo pra passar horas sozinha pensando na vida. Na volta para o acampamento passamos pelo “estacionamento de dromedários” e obviamente não resisti àquelas carinhas sorridentes! Eles são dóceis e fofos, nos deixam chegar perto e interagir um pouco. Nessa hora fiquei muito feliz com a minha escolha de não ter ido até lá sobre suas corcovas. Não é que eles não sejam bem tratados, mas vê-los presos por cordas, um colado ao outro como escravos acorrentados não me pareceu certo. Cheguei em um estado tão deplorável na tenda que só consegui pensar que ter aquele chuveiro só pra mim foi mesmo um bom investimento! Depois de um tempinho de relax, chegou a hora da janta! Era tudo tão delicioso que me senti em um restaurante cinco estrelas, mas ainda melhor, porque lá eu podia estar de chinelo e sentia a brisa do Deserto batendo no meu rosto. Foi um jantar completo, com entrada, salada, prato principal e sobremesa! Regado a muita água porque aquele calor todo desidrata e porque praticamente não há bebida alcóolica no Marrocos. Embora as especialidades marroquinas sejam o cuscuz e o tajine, eles não estavam no menu dessa vez, o que achei ótimo pois era só o que estávamos comendo durante a viagem. Quando já estávamos todos rolando de tanto comer, sentamos em volta da fogueira para ver uma animada apresentação de música berbere, um som alegre e hipnotizante, marcado pela batida dos tambores e outros instrumentos típicos. De forma bastante simplificada, os berberes são o povo do deserto. Há diferentes ramificações e diferentes línguas (que são no geral mais orais do que escritas), mas a bandeira deles é de ser um povo livre. Talvez por seu passado nômade, tenham se tornado mais abertos em relação à várias ideias, e essa foi uma das mais agradáveis surpresas da viagem. Os berberes são pessoas simples e extremamente gratas pela vida, são todos muito simpáticos e acolhedores, e ficam super felizes em mostrar sua cultura aos viajantes. E é exatamente por isso que digo que o fato de ser um acampamento de luxo não tirou a autenticidade da experiência, porque eles foram eles mesmos, e não funcionários de um alojamento de luxo. Nós rimos juntos, conversamos, aprendemos palavras, dançamos, contamos piadas e tivemos uma troca incrível, de gente pra gente. E para terminar esse dia perfeito, subimos novamente as dunas só pra ficar olhando um pouco aquele céu estrelado. Tinha esperanças de ver estrelas cadentes, mas o Mohamed disse que elas só apareceriam mais no meio da madrugada. Juro que queria ter levantado pra tentar a sorte, mas acho que o cansaço era tanto que perdi a oportunidade. Eu sei que a essa altura você deve estar se perguntando, e os escorpiões? Nós não vimos nenhum, mas tenho que confessar que estava bem apreensiva. Não fiquei descalça e andava com a lanterna do celular iluminando meus passos. Segundo os locais não é muito comum vê-los durante o dia, eles preferem sair à noite quando o clima está mais ameno. Durante a viagem ouvimos relatos de gente que viu escorpiões enormes e até cobras. Lá eles estão preparados caso avistem um, mas é sempre bom ficar atento. No dia seguinte acordamos às 05:50 pra ver o nascer do sol, outro espetáculo inesquecível! E depois de um café da manhã dos deuses nos despedimos do Saara, voltando pra casa com o tênis cheio de areia e o coração cheio de amor. 📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/deserto-do-saara-roteiro/
  6. 📷 Texto original com fotos aqui Hamburgo é uma cidade moderna, mas tem aquele charme europeu e uma identidade forte que vem das águas! É banhada pelos rios Alster e Elba, sendo esse último a porta de entrada para o imenso Porto de Hamburgo. Ao longo de sua história, a cidade passou por períodos críticos de destruição e mortes, sendo os mais relevantes o grande incêndio de 1842 e os bombardeios no período da Segunda Guerra Mundial. Embora seja a segunda maior cidade da Alemanha, atrás apenas da capitalBerlim, é possível conhecer relativamente bem Hamburgo em 2 ou 3 dias. A cidade é bem plana e simples de ser explorada a pé, mas se for preciso o metrô também funciona muito bem. Para chegar do aeroporto ao centro, o jeito mais simples é pegar o trem (S1 – Direção Hamburg-Blankenese) até a Estação Central (Hauptbahnhof). O valor do bilhete é 3,30 € e a viagem dura cerca de 25 minutos. Veja aqui mais informações sobre o transporte publico de Hamburgo. Acabamos ficando hospedados em dois hotéis diferentes. A primeira noite em uma das unidades do Novum, próximo à Estação Central e o resto dos dias no City Hotel Hamburg Mitte. O primeiro é mais barato, tem boa localização e um café da manhã eficiente, mas recomendo mais o segundo! Apesar de ter o café da manhã pago a parte (que achei caro e não experimentei), os quartos são bem modernos e dos andares altos tem-se uma super vista da cidade! O entorno do Lago Alster é uma das regiões mais fotogênicas da cidade, e um bom ponto de partida para explorá-la. O cenário com as altas torres das igrejas atrás do conjunto de prédios que circundam o lago dão a impressão de estarmos em uma ilustração de lata de biscoitos. No inverno, adicione o fato de o lago estar quase congelado e o resultado é uma vontade de ficar ali olhando aquela paisagem até que o frio não permita mais sentir as mãos, hora de encontrar um lugar quentinho! Caminhando por essa região super sofisticada, cheia de lojas de grife e hotéis caríssimos, me deparei com o simpático Big Fat Unicorn, que já me ganhou pelo nome! O café, todo fofo, serve sanduíches coloridos e outras delícias para encher a barriga e o feed do Instagram. A poucos minutos de lá fica a Rathaus – o prédio da prefeitura, um dos cartões postais de Hamburgo. O edifício é lindo, uma imponente construção de arquitetura neoclássica que domina a Rathausmarkt, praça onde está localizado. É possível acessar gratuitamente o hall de entrada. Nas ruas ao entorno, especialmente na Mönckebergstrasse, há muitas lojas, cafés e restaurantes. Embora existam diversas igrejas em Hamburgo, foram duas as que me chamaram mais atenção. A primeira é a St. Nikolai, que na verdade hoje funciona como um memorial, tendo preservada apenas sua torre e algumas ruínas. A igreja foi bombardeada pelos ingleses durante a Segunda Guerra Mundial em um ataque conhecido como “Operação Gomorra”. Na área externa há algumas obras de arte como a escultura “The Ordeal“, onde um homem está sentado tristemente sobre os tijolos originais do campo de prisioneiros deSandbostel. A torre, que já foi a mais alta do mundo, hoje ocupa o quinto lugar entre as maiores torres de igreja. A subida ao topo é feita através de um elevador e a vista lá de cima deve ser fantástica! A outra igreja que achei diferente do comum é a St. Michaelis. Seu interior, de tonalidades claras e detalhes dourados, parece muito um ambiente de teatro, com um auditório no mezanino e grandes janelas envidraçadas onde imaginei camarotes reais. A entrada na igreja é grátis, mas também há ingressos para quem quiser subir na torre. À noite tive que ir conhecer a tão falada Rua Reeperbahn, famosa por ser um pouco como o Red Light District de Amsterdam. É aquele lado meio caótico da cidade, onde os letreiros em neon atraem já embriagado turistas e hamburgueses. Tanto a via principal quanto as adjacentes tem opções de “entretenimento adulto” para todos os tipos de público. A região, chamada St. Pauli, ganhou essa fama por ser próxima ao Porto de Hamburgo, se tornando então o local de diversão dos profissionais do mar.Mas St. Pauli também não é só sacanagem. Há quase 60 anos, quando os Beatlesainda estavam no começo da carreira, eles fizeram ali algumas das suas primeiras apresentações fora da Inglaterra. Por sua história com a cidade, ganharam há alguns anos uma homenagem: a Beatlesplatz! A praça fica no final da Reeperbahn e tem esculturas dos integrantes da banda Mas o que eu gostei mesmo naquela região foi a Cervejaria Astra, pertinho da Beatlesplatz. O espaço é enorme, com uma decoração meio industrial e uma mesa de pebolim (pra jogar de graça)! Essa cerveja é bem comum em Hamburgo, mas lá é possível experimentar os diferentes tipos, como a IPA e a Stout. Vale a pena pegar o kit degustação. A comida também é deliciosa e bem variada, das tradicionais salsichas à pratos vegetarianos. A bagunça de St. Pauli é legal, mas como estava em uma vibe mais intimista, fomos até o Cotton Club, um bar de jazz pequenininho e aconhegante. Não é a opção mais barata, mas o lugar é único e a banda era incrível, liderada pelo sueco Bent Persson. Valeu cada centavo! Uma das regiões mais peculiares de Hamburgo é a Speicherstadt, um bairro inteiro ocupado por antigos armazéns. Pode não soar muito interessante, mas os prédios, todos em tijolinhos avermelhados, ficam lindos espalhados pelos vários canais que cortam esse pedaço da cidade. Hoje alguns desses edifícios são ocupados empresas e museus, como o Miniatur Wunderland e o Museu Marítimo. Quando avistar uma grande e ousada silhueta à beira-rio, chegou a Elbphilharmonie! O monumental prédio mistura o estilo industrial dos antigos armazéns com formas e materiais modernos. Em seu interior funcionam duas salas de concerto, alguns bares e restaurantes e até um hotel! Há um espaço aberto ao público que oferece uma ampla vista da cidade. A entrada é gratuita se retirar o ingresso na hora (disponibilidade mediante lotação), mas também é possível reservar pelo site. Nesse caso há um custo de 2€ por pessoa. Apesar do clima frio e molhado, a caminhada pela borda do Elba até o Fish Market é agradável. Um pequeno desvio para as ruas do bairro Portugeisenviertel nos faz pensar que estamos em Portugal! Se quer trocar a salsicha por um bacalhau, siga para ruas como a Rambachstraße e a Ditmar-Koel-Straße, onde há diversos restaurantes de comida portuguesa. Há também alguns italianos, espanhóis e até brasileiros, mas o foco mesmo é a culinária lusitana. O antigo mercado de peixes atualmente funciona só aos domingos e até as 09:30. Eu como estou longe de ser uma pessoa matutina, só conheci mesmo por fora. Mas dizem ser tradição passar por ali saindo dos bares e baladas da Reeperbahn para comer sanduíche de arenque ou outros peixes. Falando em comida, duas coisas bastante típicas por lá são o Currywurst, uma salsicha com molho de tomate e curry e o Franzbrötchen, um pãozinho doce com gostinho de canela que é simplesmente delicioso (aliás, pão é uma coisa que os alemães sabem fazer muito bem)! Além disso, não dá pra ir à Alemanhae não comer um Apfelstrudel, né? Se tiver mais de dois dias, vale a pena fazer um bate-volta em Lübeck. Essa pequena cidadezinha medieval fica há aproximadamente 50 minutos de trem de Hamburgo e é encantadora! 📷 Texto original com fotos aqui
  7. 📷 Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/roteiro-sevilha/ A Espanha fica tão pertinho de Portugal que já estávamos há um tempo ansiosos por cruzar essa fronteira ibérica! O destino escolhido para a primeira viagem aos vizinhos foi Sevilha, capital da Andaluzia, no sul da Espanha! Sem maiores expectativas, achei que seria só mais uma cidade fofinha, mas surpreendentemente, foi amor a primeira vista! O trajeto entre Lisboa e Sevilha demora (descontando as paradas) por volta de 4h30, com estradas boas e pedágios só em Portugal. E foi só chegar no centro histórico da cidade que já comecei a me empolgar com as ruelas estreitas e a arquitetura dos prédios. É bem complicado encontrar vagas nas ruas do centro, muitas são só para residentes e as que não são, raramente estão disponíveis. O jeito é mesmo estacionar um pouco mais afastado. Apesar de ser uma cidade bem segura, fomos orientados a tirar tudo do carro (tudo mesmo, até uma caneta ou uma moeda de 0,2€!) e deixar o porta-luvas aberto. Seria um sinal de “aqui não tem nada pra roubar”. Nós ficamos 4 dias (2 inteiros + os da ida e da volta). A ideia era em um deles fazer um bate-volta em Córdoba, mas gostamos tanto de Sevilha que decidimos curtir a cidade com calma! E com o calorão de agosto, foi a melhor opção, já que paradinhas para cervezas e helados se tornaram um tanto frequentes. Sevilha é uma cidade espanhola, mas sua essência é claramente árabe! Depois de ter passado pelo domínio de vários povos, especialmente os romanos, os mouros ocuparam a região e detiveram o poder por oito séculos, até serem expulsos pelo rei Fernando III, que cristianizou o território. Mas foi só sair do Airbnb onde estávamos hospedados e dar alguns passos em direção ao centro histórico que já começaram a aparecer os primeiros sinais do passado mouro de Sevilha. É especialmente no bairro de Santa Cruz, a antiga juderia, que se notam azulejos em coloridos padrões geométricos, casas e hotéis com pátios árabes e aromáticas lojas de temperos e ervas. É uma atmosfera diferente, e a maior vontade é de simplesmente andar sem rumo por suas tortuosas ruas. Inevitavelmente a gigantesca Catedral de Sevilha vai surgir por entre as callese plazas. É uma das maiores construções religiosas do mundo e sua versão, hoje católica, foi construída sobre uma antiga mesquita. Essa mistura do islã com o cristianismo ocidental fica evidente na torre anexa à igreja, a La Giralda, um dos cartões postais da cidade. E pra imergir de vez na herança muçulmana de Sevilha é só adentrar o complexo de jardim e palácios reais batizado de Real Alcazar. Na verdade há uma mistura de estilos arquitetônicos nos diversos ambientes que compõe o conjunto, mas as salas árabes, com todos aqueles detalhes do chão ao teto, arrancam os mais maravilhados suspiros! Os jardins também encantam, mas é preciso ter tempo para percorrê-los com a calma que merecem. É também dessa mistura de povos, entre eles árabes, judeus e ciganos, que surgiu, na região da Andaluzia, o mais tradicional estilo musical espanhol: o flamenco! Tanto a dança quanto o canto, acompanhado das batidas fortes das guitarras, são intensos, daquele tipo de experiência que arrepia os pelinhos do braço e faz o coração pulsar mais forte! Não dá pra descrever Sevilha sem falar do seu cartão postal, a Plaza de España! Criada pelo arquiteto Aníbal González para a Exposição Ibero-americana de 1929, ela pode até ser um ponto turístico fabricado, com seu canal artificial e charretes carregando turistas levemente desinteressados, mas é absolutamente deslumbrante! Ao longo do edifício semi-circular, diversos painéis de azulejos detalhadíssimos representam todas as províncias espanholas. Em seu interior tudo é ricamente ornamentado, das paredes à escadaria. Do piso superior tem-se uma dimensão mais ampla da praça, que inundada pelo dourado do fim do dia fica ainda mais mágica! A praça fica na verdade dentro do Parque de María Luisa, cheio de fontes e cantinhos aconchegantes para uma paradinha relax. Os Jardines de Murillotambém são uma opção agradável para estar em meio à natureza e à vida cotidiana dos Sevilhanos. Já às margens do Guadalquivir, a Torre del Oro é o ponto turístico, mas o mais gostoso mesmo é o caminho até lá, uma caminhada pelo Paseo de las Delicias,que pode incluir uma paradinha em um dos bares beira-rio. E se até agora tudo parece muito harmonioso, uma estranha e gigante estrutura de madeira bem no centro histórico quebra bruscamente os padrões. É o Metropol Parasol ou Las Setas (os cogumelos), de onde se tem uma vista 360º de Sevilha! O valor da entrada inclui um pequeno desconto na consumação do bar no topo. Não é uma má ideia terminar o dia brindando o pôr-do-sol com uma cerveja artesanal espanhola. A Espanha é o paraíso das tapas! Em Sevilha elas são geralmente baratas e bem servidas. Não há programa mais local do que escolher uma mesa pelas praças e calçadas para tapear, acompanhado de uma cerveja ou uma jarra de sangria. É particularmente bom para vegetarianos, já que há muitas boas opções sem carne (embora o jamón seja uma paixão nacional). Tive duas paixões gastronômicas que salivantemente recomendo: as tortillas de patata e o gaspacho. Sim, a ideia de uma sopa fria de tomate e outros vegetais parece no mínimo questionável, mas acredite, é maravilhoso! Sevilha é também muito conhecida pelas touradas, mas como essa é uma prática que eu abomino, não assisti à nenhuma e nem visitei a Plaza de Toros. Não sou do tipo que impõe meus princípios por aí, mas sugiro pesquisar um pouquinho sobre essa prática, que traz tanto sofrimento aos animais, antes de decidir financiá-la. Sevilha me conquistou! Por sua cultura, sua história, pela simpatia de seu povo e claro, pelo estômago! 📷 Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/roteiro-sevilha/
  8. @janes87 Não sou muito de balada então a noite dei só uma volta pelo centro e pelos beergardens! :)
  9. Leia o relato original com fotos aqui! 📷 É em um pequeno pedaço de terra entre Bélgica, França e Alemanha que se encontra Luxemburgo. O país tem grandes influências dos vizinhos, seja na língua, na cozinha ou na arquitetura. Há tanta mistura que acabamos descobrindo que na capital, também chamada Luxemburgo, moram mais extrangeiros do que locais! Achamos as pessoas bem simpáticas no geral. Luxemburgo é o único grão-ducado ainda existente no mundo, isso significa que não há presidente mas sim grão-duque. Aliás, ele e sua esposa são celebridade, basta entrar em qualquer loja de souvenir para ver a foto dos dois estampada em imãs, camisetas, cartões postais e por aí vai. Mas apesar de parecer tudo muito “Real”, eles vivem em uma democracia parlamentar e não em uma monarquia. Os idiomas oficiais são o alemão, o francês e o luxemburguês e a moeda corrente é o euro. É um lugar bastante caro, mas em compensação não há muitas atrações pagas. É só sair andando pela cidade que descobrirá lugares encantadores! O jeito mais econômico de ir do aeroporto ao centro da cidade é através dos ônibus 16 ou 29, custa €2 e demora por volta de meia hora. Veja outras opções aqui. Ficamos hospedados no Youth Hostel, que mesmo sendo a opção mais barata, ainda era caro! Ele não é bem no centro mas é simples de chegar a pé. Tem luzes, tomadas e armários para todas as camas e um café da manhã bem OK, recomendo. Chegamos à noite e percebemos que as coisas fecham bem cedo. Como não encontramos algo realmente típico de Luxemburgo que valesse o investimento, partimos para o Maharaja, um restaurante indiano com uma comida gostosa e bom preço no menu. Dia 1 No dia seguinte saímos meio sem rumo, era novembro e já estava bem frio! Do caminho que liga o hostel ao centro histórico se tem lindas vistas da parte baixa da cidade. Nessa rota há a entrada para as Cassemates du Bock, que são percursos nos túneis dentro da muralha do século XIV que rodeia a cidade. Mas como fecha no inverno, não pudemos conhecer. Caminhamos até a Trois Tours, uma das 5 “portas-torre” da cidade que davam acesso ao interior da muralha medieval existente na época. O lugar já serviu de prisão, alojamento e até escritório. De lá seguimos para o centro histórico, onde encontramos a Passage du Palais, um cantinho bem medieval da cidade! O estilo arquitetônico está bem preservado e alguns detalhes dão uma ideia de como se vivia nesse período. Descemos para caminhar na beira do Rio Alzette, na região chamada de Grund, onde fica a igreja St. Jean e a curiosa escultura da sereia Melusina, que de acordo com a lenda, vive hoje dentro do rio. Essa parte baixa da cidade é muito fofa, parece que estamos num cenário de filme antigo! Paramos para um chocolate quente na charmosa Pâtisserie Viaduc, porque acredite, com aquele frio, qualquer oportunidade de entrar em um lugar quentinho é válida! Continuamos sem rumo definido até chegar em outra das torres da muralha. Existem trilhas oficiais que a percorrem, elas estão sempre indicadas em placas, então se quiser fazer algo mais organizado, é possível. De volta ao centro da cidade, passamos pelo ornamentado Palácio Grão-ducal, residência oficial do grão-duque, visitamos a Catedral de Notre-Dame e partimos para os mercados de Natal! Eu amo Natal, e desde fui a primeira vez em um desses mercados, na Bélgica, fiquei maravilhada! As decorações são sensacionais, as barraquinhas vendem produtos encantadores (e caríssimos) e as comidinhas de inverno são deliciosas! Pedimos uma raclette, batatas fritas ao estilo belga e vinho quente! O mercado maiores estavam pelas praças principais como a Place de la Constituition, a Place d’Armes e a Guillaume II, mas tinham vários outros espalhados pela cidade. A noite caminhamos até a parte da cidade que fica depois da Ponte Adolphe, cartão postal de Luxemburgo! Pelo que percebemos é um lugar mais empresarial, os prédios eram todos lindos, mas não tinha muito o que fazer por lá. Para a janta, pegamos a indicação de um lugar bem legal perto do hostel. O Les Rives de Clausen é uma área meio moderninha-industrial com vários bares e restaurantes. Escolhemos o Maybe Not Bob’s, meio ao estilo Outback, que serve burguers e pratos. Tínhamos passado por um lugar no centro chamado Café des Artistes que parecia ser legal, um piano-bar bem intimista. Acabamos não indo, mas fica a dica! Dia 2 No dia seguinte fomos direto à parte baixa da cidade para passear pelo Vallé de la Petrousse, um delicioso caminho verde beirando o rio e de onde se pode ver a famosa ponte de outro ângulo. Percebemos que é um pedaço bem local, onde o luxemburgueses vão para passear com os cachorros e crianças. Por fim demos mais uma voltinha na cidade, parando em um Irish Pub (pra matar um pouquinho a saudade da Irlanda) e em uma das fantásticas e deliciosas lojas de chocolate belga! E pra terminar a viagem do jeito mais perfeito, caíram sobre nós alguns floquinhos de neve! Luxemburgo foi uma surpresa boa! Vale bem a pena passar pelo menos um dia por lá se estiver em países próximos ou conseguir uma promoção de passagem low-coast! Leia o relato original com fotos aqui! 📷
  10. Leia aqui o texto original com fotos e gráficos! Quem tem um bichinho de estimação sabe, dói viajar sem eles! Mesmo deixando com alguém de confiança ou em um hotelzinho, ficamos sempre preocupados, querendo saber como estão e sofrendo por estar longe. Viajar de avião com animais de estimação requer um processo geralmente demorado, trabalhoso e não exatamente barato. Mas garanto que todo o esforço vale a pena! O ideal é começar o processo com uns 5 meses de antecedência. Muitos passos são os mesmos para diferentes destinos, mas a documentação e as vacinas necessárias podem mudar de país para país e de acordo com o animal. Vou relatar detalhadamente aqui o nosso caso, viajando com um cão, de Lisboa para São Paulo (ida e volta) com a TAP. Ou seja, fizemos todo o processo em Portugal, podem haver diferenças caso o processo seja feito no Brasil. Espero que esse relato te ajude a também viajar com seu bichinho, pois achei bem difícil conseguir informações concretas nos sites das cias aéreas e órgãos responsáveis! Passo a passo para viajar de avião com animais: 1. Colocar o chip no animal O primeiro passo de todos é fazer a implantação do chip. Atualmente isso é obrigatório para todos os animais com viagens de/para a Europa. É lá que vão constar todos os seus dados e dos dados dele/a caso aconteça alguma coisa. Quando adotei o meu, na Casa dos Animais de Lisboa, ele já tinha o chip. Caso o seu não tenha, procure um veterinário de confiança para te orientar e fazer a aplicação. 2. Dar a vacina da raiva Em alguns países, como Portugal, a raiva está erradicada, mas para viagens à países com risco, como o Brasil, a vacina é obrigatória! Em Lisboa, a Câmara Municipal tem um programa de vacinação que leva uma base móvel cada semana a um bairro. O custo é de 5 euros, veja aqui a programação. A vacina também pode ser dada no veterinário, e é importante fazer isso depois da colocação do chip, caso contrário será preciso aplicar a vacina novamente depois desse passo. Verifique atentamente se a data e outros dados inseridos na carteira de vacinação do animal estão certas, e peça sempre o selo comprovante 3. Exame de sorologia (titulação de anticorpos contra o vírus da raiva) Depois de vacinado contra a raiva, é preciso submeter o animal ao exame de sorologia. É como um exame de sangue, que servirá para verificar se a vacina está fazendo efeito. Para isso vá ao seu veterinário de confiança e avise que o motivo é uma viagem para o Brasil, pois o exame só será válido se feito em laboratórios certificados para este fim. É muito importante que o laudo final seja algo como este da imagem. No nosso caso havíamos recebido um outro mais simples e não era válido oficialmente. A sorologia pode demorar até 3 meses para ficar pronta. Nós recebemos o resultado muito rápido, mas é melhor contar com esse prazo para programar a viagem. Uma observação importante: O resultado do exame deve ser igual ou superior à 0,5 U.I./ml. Caso o valor seja menor, vai ser preciso vacinar novamente e submeter o animal à sorologia outra vez, ou seja, mais possíveis 3 meses. Em Lisboa pagamos € 150,00 nesse exame. Ele é válido por toda a vida desde que as vacinas estejam sempre em dia. 4.Comprar a passagem É claro que esse passo pode ser feito a qualquer momento, mas recomendo que já comece a pensar nisso assim que marcar a sorologia. É importante ser feito com antecedência pois nem todas as cias aéreas aceitam animais e as que aceitam podem ter uma limitação de no máximo 3 por voo. Vamos combinar que já é difícil achar um voo que se encaixe no nosso orçamento e planejamento, né? Melhor não arriscar. Assim que comprar a sua passagem, é preciso ligar na cia aérea para comprar a passagem do animal. Depois há um tempo até a transação ser aprovada e você recebe o comprovante por email. Pela TAP nós pagamos, só a parte dele, 400 euros ida e volta (são 200 por trecho). Isso varia muito se o cão ou gato vai na cabine ou porão e o peso total dele + a caixa de transporte. Veja aqui uma tabela com esses valores e outras informações da cia aérea sobre viagens com animais. Geralmente o peso máximo limite para que o bichinho possa ir na cabine é de 8kl (animal + caixa de transporte). O Banoffe foi no porão pois além de ele pesar mais que isso, é muito alto e não caberia na caixa de transporte de cabine (vou explicar sobre isso mais pra frente). 5. Comprar a caixa de transporte Algumas cias aéreas aceitam animais de pequeno porte ou cães-guia na cabine. Nesse caso, uma caixa de transporte maleável é suficiente. Se o seu pet for no porão, terá que ir em uma caixa de transporte rígida e compatível com os padrões da IATA, que basicamente são: O animal tem que caber na caixa em pé e sentado, sem encostar a cabeça no teto; Ele tem que conseguir dar uma volta completa em torno de si mesmo; A caixa tem que ser rígida, com uma porta de metal e aberturas para ventilação em pelo menos 3 lados, A caixa não pode conter rodinhas. Caso tenha, vai ser preciso retirá-las antes de embarcar. Nós compramos o modelo Skudo da marca Trixie. Como não estava muito fácil encontrar uma que se encaixasse no tamanho dele, não tivemos tantas opções, mas ela atendeu perfeitamente às nossas necessidades. Pagamos € 101,99 na loja Fish Planet. O ideal é comprar a caixa o quanto antes depois de comprar a passagem, assim você já vai acostumando seu pet com ela e ele vai ficar menos tenso no dia da viagem. No nosso caso o Banoffe se acostumou super rápido, colocamos a caminha dele dentro da caixa e no segundo dia já entrava sozinho para dormir lá. Com o tempo colocamos também a porta e de vez em quando fechávamos com ele dentro e ficávamos interagindo com ele. No dia da viagem, forre a caixa com tapetes higiênicos, coloque a caminha dele ou o cobertor onde ele esteja acostumado a dormir, os bichinhos ou brinquedos que ele goste (se a cia aérea permitir) e uma peça de roupa sua, para que ele fique com o seu cheiro durante o vôo. Para os compartimentos de água e comida, não encontramos nada pronto a um preço acessível, então o elaboramos uma solução com um suporte de shampoos de banheiro + tupperwares, deu super certo! Não tivemos problema em ser algo adaptado, mas é importante se certificar que não esteja oferecendo nenhum risco de machucar o animal. Certifique-se de que as travas estão todas bem presas, e se necessário coloque parafusos nos espaços livres para isso (em algumas cias isso é obrigatório). Veja também se não tem cantos pontudos ou algo que possa machucar o animal duante o vôo, se for preciso lixe ou cubra essas partes. 6. Fazer o passaporte Sim, eles também tem passaporte! Você pode fazer esse passo quase a qualquer momento, mas recomendo ser o quanto antes, só por precaução. É na própria clínica veterinária e geralmente sai na hora. Pagamos € 20,00 euros pelo dele. Vai ser preciso constar lá todas as comprovações de vacinas, exames etc, pois isso será checado no aeroporto. 7. Desparasitação interna e externa Com no máximo 15 dias antes da viagem, é preciso fazer a desparasitação interna e externa do animal. Mesmo que você vá fazer isso em casa, é preciso ir ao veterinário pois ele deve apontar qual foi o desparasitante e a data de aplicação no passaporte! Atenção, é preciso fazer os dois! Tínhamos feito só o interno e tivemos que voltar para fazer o externo também, que é obrigatório para o Brasil. Pagamos € 2,50 pelo interno e € 23,50 pelo externo (esse valor é para 3 meses, mas há uma opção mais barata para apenas mês). 8. Atestado de saúde do veterinário Com no máximo 10 dias antes da viagem é preciso levar o cão ou gato ao veterinário para que seja examinado e pegar o atestado dizendo que está apto para viajar. Atenção: Em Portugal o atestado deve ser como esse da foto. Ao solicitar esse documento ao veterinário, lembre-se de dizer que é para uma viagem intercontinental, caso contrário pode ser que receba um atestado comum, que não é válido para viagens. 9. Entregar a documentação na DGAV Estamos chegando na fase final! Caso esteja viajando de Portugal para o Brasil, vai ser preciso reunir todos esses documentos acima e entregar na DGAV (Direção geral de Alimentação e Veterinária). Recomendo fazer isso assim que tiver o atestado do veterinário (ou seja, entre 9 e no máximo 3 dias antes da viagem), só pra garantir caso tenha que refazer alguma coisa. Na unidade de Lisboa não é preciso marcar horário, normalmente funcionam de segunda à sexta, das 9h-12h30 e das 14h-17h30. Clique aqui para mais informações. Os documentos necessários são: Passaporte do animal Atestado do veterinário Resultado da sorologia Carteira de vacinação Formulário que vão te entregar lá mesmo preenchido (com dados do voo, endereço de origem e destino e etc). Com isso eles vão te fornecer o Certificado Veterinário Internacional (CVI), um papel que vai juntar toda essa informação para que você entregue quando chegar no destino. O custo foi de 25 euros e ficou pronto no dia seguinte (mas isso não é uma regra). Se o seu pet tiver um passaporte europeu (que substitui o CVI na volta para a Europa) ou se for voltar em menos de um mês, o prazo não importa muito. Caso contrário é preciso ficar atento pois no Brasil o CVI tem validade de 30 dias. 10. Check-in No dia da viagem, chegue com pelo menos 3 horas de antecedencia para garantir um embarque tranquilo. No nosso caso, fomos pela TAP e era só se dirigir ao balcão normal de check-in. Além das malas, o animal será pesado, assim como a caixa de transporte. Você receberá um termo de responsabilidade para ler e assinar. Pudemos ficar com ele até 1h antes do embarque, achei melhor assim para que ele ficasse menos tempo sozinho. Tente deixá-lo o máximo alimentado e hidratado possível, e leve sempre com você alguns tapetes higiênicos, saquinhos e panos para limpar as possíveis necessidades que eles farão dentro do aeroporto! Conversei bastante com a veterinária sobre como deixar ele mais tranquilo na viagem e ela me recomendou o Sileo, um calmante leve em forma de gel para darmos um pouco antes da viagem. Verifique se a sua cia aérea permite tranquilizantes e não dê algo muito forte, pois ou eles podem perder muito a consciência e não conseguir reagir caso precisem, ou, dependendo do calmante, eles relaxam por fora, mas o cérebro continua muito ativo por dentro, o que pode deixá-los angustiados! Fale com seu veterinário para chegar à melhor solução! 11. Embarque Agora vem a hora mais tensa de todas, entregar o bichinho! Primeiro a funcionária da TAP nos leva para passar a caixa em um Raio X, em seguida vamos até o setor de cargas onde colocaremos o animal na caixa. É nessa hora que você coloca água e comida. Segundo eles, ninguém vai lá checar durante o vôo, então é bom colocar uma boa quantidade, só tomando cuidado para não correr o risco de cair com as manobras do avião. Lembrando que a caixa deve estar forrada com tapetes higiênicos e é ideal deixar o espaço o mais confortável e conhecido para ele. Deixe lá uma peça de roupa com o seu cheirinho! Também coloquei plaquinhas com a foto, o nome dele, origem, destino e número do vôo e nossos contatos em Portugal e no Brasil. Precaução nunca é demais, né?! Ps. Mães, agora entendo o que vocês sentem quando deixam os filhos na escola no primeiro dia de aula ou os vêem passando pela porta de embarque para um intercâmbio, que angústia! 12. Desembarque Ao chegar no Brasil, é preciso se dirigir à esteira de bagagens especiais (que fica parada, não é como as de bagagens convencionais, claro!). Quando chegamos ele estava lá sozinho! Achei isso meio absurdo, mas Ok. Seguimos então para a Vigiagro, que fica logo após a polícia federal. Lá recolheram o certificado internacional e verificaram o passaporte, informando que para a volta deveríamos checar a legislação de Portugal. Ele parecia bastante tranquilo quando o pegamos. Um pouco assustado, mas logo que saiu da caixa já abanava o rabinho e caminhava normalmente! 13. Volta Na volta a coisa já foi um pouco mais complicada. No caso de voltar para Portugal, é preciso entrar em contato por escrito com o Ponto de Entrada dos Viajantes pelo menos 48 antes da chegada, informando os dados do voo (confira aqui a lista de emails de acordo com a cidade de destino). Por segurança enviamos também todos os documentos do cão para conferir se estava Ok e se precisava de mais alguma coisa. A resposta foi que estava tudo correto e só seria necessário apresentar o passaporte dele no check-in. Só que chegamos lá e pediram também o CVI, alegando então que ele não poderia embarcar pois o documento estava datado com mais de 30 dias. Como era regresso à Portugal, o passaporte europeu é válido em substituição ao certificado sanitário (essa informação constava inclusive no folheto que nos deram na chegada ao Brasil para saber como proceder na volta). Depois de muita troca de informação entre a funcionária do balcão (muito atenciosa) e o superior dela (que deu de ombros para o nosso caso), conseguimos embarcar graças ao email da DGAV confirmando que estava tudo Ok. No Brasil as regras são um pouco diferentes. O animal não pode estar de roupa nem coleira e não podem ter brinquedos ou outros itens que possam ferí-lo durante a viagem. É preciso preencher diversos formulários e colar na caixa os adesivos que eles fornecem. Depois é como em Portugal, a caixa de transporte passa pelo raio-X, você coloca água e comida para o bichinho e entrega ele. Ao chegar no Aeroporto de Lisboa, há uma porta perto da esteira 9 onde ele vai ser entregue. A hora que ele chegar, um funcionário vem avisar e confere a passagem. A última coisa é passar pela consulta do veterinário lá dentro do aeroporto mesmo. Eles verificam o chip, conferem os documentos e pronto! Essa consulta é obrigatória e custa 40 euros. Custo total em euros baseado na nossa experiência: Lisboa – São Paulo (ida e volta) Vacina da raiva: 5,00 Sorologia: 150,00 Passagem (do cão): 400,00 Passaporte: 20,00 Caixa de transporte: 101,99 Desparasitação externa (Bravecto): 23,50 Desparasitação interna (Caniquantel Plus): 2,50 Consulta para pegar o atestado do veterinário: 30,00 Certificado veterinário na DGAV: 25,00 Tranquilizante (Sileo): 10,00 aproximadamente Exame pericial veterinário no aeroporto de Lisboa: 40,00 TOTAL: € 807,99 (não esqueça de contar outros gastos como os tapetes higiênicos, saquinhos de recolher o cocô etc) Links úteis: DGAV (Direção Geral de Alimentação e Veterinária) Vigiagro (Vigilância Agropecuária Internacional) Consulado Brasileiro em Portugal Consulado Português no Brasil TAP Aeroporto de Lisboa Viajar com animais (blog com muita informação / E-book) O ideal é ter sempre o acompanhamento do seu veterinário de confiança. Em Lisboa recomendo o Hospital Veterinário Arco do Cego. É 24h e a equipe sempre foi muito atenciosa com o Banoffe! Como eu disse, tudo pode mudar de caso para caso, então certifique-se sempre de toda a documentação necessária com a cia aérea e os órgãos responsáveis dos dois países. Peço desculpas pelo texto tão longo, mas senti muita falta de explicações detalhadas e centralizadas quando foi minha vez, então espero que isso ajude você que também quer levar seu bichinho para outro país! Leia aqui o texto original com fotos e gráficos!
  11. Leia aqui o relato original com fotos! 📷 Porto Covo é uma pequena vila do litoral alentejano na linha da magnífica Costa Vicentina, a menos de 2h de carro de Lisboa, no conselho de Sines. Um combo de cidadezinha charmosa com paisagens naturais incríveis! A cidade em si é bem pequena, são basicamente umas três ruas principais e uma praça central. No verão, turistas e portugueses enchem as esplanadas dos cafés e restaurantes e as lojinhas praianas. As encantadoras casas típicas alentejanas, brancas com detalhes azuis, e a igrejinha no Largo Marquês de Pombal dão aquele ar aconchegante de interior. Ficamos acampados no Camping do Vizir, que é bem pertinho do centro e tem uma super infra estrutura! Pra quem não quiser ficar em barraca, há outras opções como os bungalows. Os valores para campismo são bem simpáticos e o lugar é pet friendly! Para comer indico o restaurante Taska do Xico, bem no centro. Ficamos na área externa por causa do Banoffe, mas há uma varanda interna com uma vista linda (e provavelmente bem disputada, talvez seja melhor reservar)! Provamos a feijoada de choco, deliciosa e bem temperada! Os preços são bem justos, especialmente se comparado à outros restaurantes da cidade. Para o cafézinho vale conhecer a Gelataria e Cafetaria Marquês, bem ao lado da igreja. A área externa é agradável pra ficar vendo a vida passar, mas a decoração do lugar também é um charme! A especialidade doce da casa é o pastel de laranja, amêndoa e gila (um tipo de abóbora). Muitas das praias são acessíveis a pé, entre elas a famosa Praia Grande. O nome talvez não seja o mais adequado, já que a extensão dela não é assim tão grande (o que eu particularmente prefiro), mas por ser uma das mais procuradas, é uma das praias que tem mais infra estrutura e consequentemente, que ficam mais cheias. As praias vizinhas, delineadas pela encosta de falésias, são mais vazias e poéticas. Para ir de uma a outra há um caminho simples e plano, com paisagens que vão ficando mais lindas a cada quilometro percorrido por entre campos de suculentas e flores exóticas. O acesso até as praias é feito através de escadinhas nas encostas. Só não se anime muito, apesar de lindas, o mar de azul profundo é gelado como a grande maioria das praias da costa portuguesa! Pode ser que a melhor pedida seja mesmo ficar pela areia. No fim do dia escolha um cantinho bem em frente ao mar pra admirar o pôr do sol perfeito! Estar de carro (ou bicicleta) facilita no acesso à outras praias mais distantes, como a Praia da Ilha do Pessegueiro. A estradinha de acesso já revela ao longe a ilha que dá nome à praia. Não cheguei a conhecê-la mas durante o verão há travessias de barco até lá. Achei a paisagem bem impactante! Meio Irlanda, meio Star Wars! ❤️ Se tiver mais de um dia, vale a pena esticar mais meia hora até Vila Nova de Milfontes. O vilarejo é tão fofo quanto Porto Covo, mas as paisagens são um pouco diferentes. A cidade é banhada pelo Rio Mira, que proporciona um pedacinho de águas límpidas e calmas ao pé do Forte de São Clemente. Do outro lado do rio, a Praia das Furnas se estende até a abertura para o Oceano Atlântico. Um bom lugar para ver tudo isso do alto é a rotatória do Farol de Milfontes, onde também fica a estátua do Arcanjo. De lá se tem acesso a algumas praias mais voltadas para o lado do rio, mas fomos atraídos por um campo de flores no lado oposto, digno de fundo de tela do Windows, e acabamos descobrindo a Praia do Carreiro das Fazendas. Linda, enorme e vazia! Essa é uma sugestão de roteiro para 2 dias pelas praias alentejanas, mas se tiver mais tempo, certamente vale a pena percorrer com mais calma a Costa Vicentina! Leia aqui o relato original com fotos! 📷
  12. Leia aqui o relato original com fotos e mapa! A curta viagem que fizemos para a Serra da Estrela e arredores foi uma das que mais gostei até agora aqui em Portugal! Foram 3 dias, partindo de Lisboa e conhecendo além da Serra, algumas das aldeias históricas de Portugal! Fomos de carro e sem dúvidas essa é a melhor opção. Não tivemos problemas quanto à neve na estrada, mas se for nos meses mais rígidos de inverno pode ser que seja preciso tomar algumas precauções, como colocar corrente nos pneus. Dia 1 – Aldeias de Piódão e Folgosinho Nossa primeira parada foi em Piódão, uma das mais famosas aldeias históricas de Portugal! É diferente de tudo que já tinha visto. Uma pitoresca vila, quase que inabitada, com casas de xisto (pedra que conhecemos no Brasil como ardósia) amontoadas morro acima e uma igrejinha branca contrastando com todo o resto! Há uns poucos cafés e restaurantes e algumas lojinhas de produtos artesanais como queijo, pães, artigos em lã e souvenirs. Os pastos, em camadas atravessando riacho, compõe a paisagem bucólica, onde, não fosse o burburinho de quem visita o vilarejo, só se ouviria o barulho da água e os sininhos das ovelhas. Piódão é conhecida como a “aldeia presépio”, e é fácil entender o motivo quando se olha a cidadezinha de longe. Não tive a oportunidade de conhecer esse lugar mágico à noite, mas posso imaginar como fica ainda mais encantador com luzes salpicadas por entre as casinhas. De lá seguimos para a aldeia de Folgosinho, já dentro da Serra da Estrela, onde alugamos o Airbnb mais fofo da vida (e pet friendly, o que agora faz toda a diferença pra nós)! A cidade é conhecida por ter sido, supostamente, onde nasceu o guerreiro Viriato, um dos líderes lusitanos nas guerras contra os romanos. Também é famosa por suas águas, já que há diversas fontes de água potável espalhadas pelas ruas e praças. Além disso, há vários versinhos com essa temática pela cidade, como esse: “As fontes são como nós: ás vezes cantam de magua. Que doce fio de voz… há dentro dum fio d’água”. Outro ponto de interesse em Folgosinho é o castelo, erguido sobre uma maravilhosa montanha de quartzo rosa! Hoje não é muito mais que um mirante, mas sua posição privilegiada revela uma vista 360º de paisagens bem típicas do campo. As opções para comer por lá são basicamente duas: “O Mocas” e “O Albertino”. Escolhemos a segunda e acabamos descobrindo que é um lugar super tradicional e parada certa de muita gente que vem para a Serra da Estrela. Fiquei mais de meia hora só pra conseguir fazer a reserva! O esquema do jantar é com preço fixo (15€ por pessoa) incluindo uma entrada com queijos e embutidos, 5 pratos principais (todos de carnes da região) um trio de sobremesas caseiras e a bebida. Eles fazem outras coisas além de carne mas tem que ser combinado na reserva. Eu não sabia disso e não comia absolutamente nenhum dos pratos servidos, mas eles foram super atenciosos e preparam um enorme e delicioso bacalhau! No fim, o café e licores são servidos no Hins Bar (provavelmente o único da cidade), alguns metros à frente, onde você pode continuar a noite se quiser. E já que estamos falando de comida, aqui vai um alerta: não volte dessa viagem sem provar um queijo da Serra da Estrela! Sério, é apenas divino!!! Talvez Folgosinho não seja tão atraente para uma visita se não for caminho para o destino final, mas ficar hospedada lá foi definitivamente uma experiência única! Por dois dias pude sentir o dia a dia simples e gostoso de um vilarejo que provavelmente tem menos habitantes do que tenho de amigos no Facebook (e olha que nem tenho muitos). Além disso, é um lugar estratégico pra quem quer conhecer a região pois fica mesmo dentro da Serra da Estrela. Daquele tipo de lugar que a gente cai meio que sem querer e fica apaixonado! Dia 2 – Manteigas, Vale Glaciar do Zêzere, neve no topo da Serra e Covão d´Ametade No dia seguinte, após uma voltinha pela cidade, começamos a explorar de fato a Serra da Estrela. Apesar de ter alguns pontos específicos a visitar, em viagens como essas o caminho em si já é o destino. Pode soar clichê, mas é verdade! A única coisa triste foi ver centenas de árvores queimadas, já que algumas partes daquela região foram atingidas pelos incêndios de verão (que são um problema todo ano por aqui). E logo nos primeiros quilômetros de estrada, já nos deparamos com um senhorzinho simpático e sorridente pastoreando suas ovelhas! Depois percebemos que essa cena fofa e quase cinematográfica pra nós, gente da “cidade grande”, é super comum por ali, os carros simplesmente param e esperam o rebanho passar como se fosse a coisa mais normal do mundo. Nossa primeira parada foi em Manteigas, cidadezinha que fica bem no meio da Serra e que diziam ser parada obrigatória, mas, apesar de fofinha, não achei assim tão imperdível. Pode ser uma boa opção para hospedagem, pela localização e por ser também um pouquinho maior do que as aldeias. Depois fomos até o Vale Glaciar do Zêzere, bem pertinho de Manteigas. Que lugar maravilhoso! É tanta natureza, tanto silêncio, que dá vontade de ficar lá o dia todo! E é assim que a gente vai aprendendo geografia, né? Não fazia ideia do que era um vale glaciar, mas aprendi que é um vale em formato de “U”, nesse caso cortado pelo Rio Zêzere, que foi moldado em meio à montanhas após o derretimento de geleiras nas eras glaciais. Ou seja, há milhares de anos atrás aquilo era uma paisagem totalmente diferente e coberta de gelo! E falando em gelo, já estava ansiosa pra chegar lá no topo da serra e afundar meus pézinhos na neve! No caminho, formações rochosas bem peculiares e uma imagem de Nossa Senhora da Boa Estrela cravada na pedra nos obrigaram a fazer algumas paradinhas. Na verdade não fomos literalmente até o ponto mais alto, onde fica a torre e o começo das pistas de esqui. Como estava muito cheio, preferimos ficar um pouco mais em baixo, sem tanta gente e ainda com bastante neve, formando paisagens fantásticas! Só fiquei decepcionada por achar que seria fácil fazer um boneco de neve… Não é, #fail! Se você é mais da aventura, pode alugar os equipamentos para descer nas pistas. Também vimos muitos portugueses escorregando com umas pás de plástico que depois até vimos pra vender ali perto. Então, se é um fanático da neve, pode investir em uma dessas e voltar lá todo inverno! Fomos em Fevereiro e mesmo já tendo passado um pouco da época ideal para ver neve, tinha bastante gente, então a parte final para chegar ao topo da serra estava bem congestionada. Estacionar também não é tarefa fácil, os carros ficam parados meio no improviso, dos dois lados da estrada. Tem que ter paciência! Já no caminho de volta para Folgosinho caímos meio que sem querer no Covão d´Ametade, outro lugar surpreendente de geografia glaciar! Pelo que entendemos é também uma área de camping gratuita e com alguma infra-estrutura como banheiros. Já planejo acampar lá da próxima vez! Dia 3 – Belmonte O último dia foi só mesmo a volta para Lisboa, com uma parada em Belmonte, aldeia onde nasceu Pedro Álvares Cabral (e por isso rola até uma bandeirinha do Brasil lá). A cidadezinha tem como atração principal o Castelo de Belmonte, e apesar de também ser uma graça, não me encantou tanto quanto as outras. Se curte cerveja artesanal dê uma passada na Cabralina! Apesar de não ser muito barata, a pequena loja é simpática e além da cerveja, de produção própria, tem também outros produtos artesanais. Ficamos só 3 dias, mas tem tanta coisa pra ver que acho que mais uns 2 ou 3 dias seria o ideal! Leia aqui o relato original com fotos e mapa!
  13. Oi @Vivian Lira Liverpool é bem interessante, mesmo pra que não é fã de Beatles, mas entre essas opções acho que Edimburgo vale mais a pena, é linda!
  14. Post original com fotos e mapas aqui: http://www.queroirla.com.br/roteiro-3-dias-em-liverpool/ Sim, 3 dias é bastante pra conhecer a pequena cidade inglesa berço da banda mais famosa do mundo, os Beatles! Mas quando rola uma passagem baratinha da Ryanair, vale a pena esticar a visita em Liverpool e conhecer com calma alguns lugares menos explorados. Ps. Não, infelizmente isso não é um post patrocinado pela Ryanair! Rs Para ir do aeroporto (que chama John Lennon Airport, já pra desembarcar no clima!) ao centro, pegamos o ônibus 500, que custa algo em torno de 2 libras e demora por volta de meia hora. Ficamos hospedados no Euro Hostel e gostei bastante! Bem limpo e profissional, fica no centro da cidade (quase vizinho do Cavern e outros pubs) e tem um café da manhã baratinho! DIA 1 Já tínhamos feito um bate-volta a partir de Londres (leia aqui: http://www.queroirla.com.br/liverpool-para-beatlemaniacos-ou-nao/), mas sem tempo de conhecer muita coisa, então dessa vez começamos pelo que estava faltando, o The Bealtes Story. O museu é fantástico e conta a história da banda do início ao fim através de ambientes recriados, objetos originais – como o piano branco de John Lennon, fotos, vídeos e é claro, muita música! O áudio-guia é grátis e está disponível em várias línguas, inclusive português. O museu fica na Albert Dock, a região das docas que foi revitalizada e hoje é um agradável espaço com vários bares, restaurantes, lojas e museus. É um dos lugares mais caros pra comer, mas vale a pena dar uma volta por lá. Paramos pra comer no Wahaca, um tex-mex moderninho e gostoso, vale pelo ambiente e atendimento também! Seguimos caminhando até a St. Luke’s Church, uma igreja que foi bombardeada pela Alemanha nazista em 1941. O que sobrou dela foi mantido como homenagem aos que foram mortos na guerra. No momento estão reformando então estava fechado para visitação. Ainda sobre igrejas, visitamos também a Liverpool Cathedral, a maior catedral do Reino Unido! A rua em frente a igreja e várias outras nessa região são repletas de casinhas estilo georgiano, bem característico da Inglaterra. Ali do lado fica a Chinatown, que não passa de uma rua com um lindo portal chinês e várias lojas e restaurantes orientais (pra quem é de São Paulo, é tipo a Liberdade só que em escala bem reduzida!). Depois disso fomos tomar um pint no pub preferido do Lennon na época que morava lá, o Ye Cracke, que é um pub como qualquer outro, mas né!? De noite fomos no Cavern Club, é claro! Já falei sobre ele no primeiro post, mas foi o primeiro bar onde os Beatles se apresentaram. O local foi demolido e reconstruído exatamente igual ao original alguns metros para frente, hoje em dia rolam bandas cover incríveis! A entrada é free em alguns horários mas geralmente a noite custa £5. Na Mathew Street existem vários outros bares além do Cavern, inclusive o Cavern Pub, bem em frente, ele é quase que uma filial do “original”, geralmente mais vazio e com entrada free (mas não deixe de ir no “verdadeiro” por nada!). Rola música ao vivo na maioria deles. DIA 2 Assim como da outra vez, também fechamos o tour pelo Fab4 Taxi, que passa pelos locais importantes na história dos Beatles. Estávamos em 3 então já saia mais barato do que o ônibus Magical Mystery. Dessa vez fechamos por 3 horas, então passamos por alguns lugares diferentes, como o hospital onde Lennon nasceu, as casas onde Lennon e Ringo nasceram, o pub que aparece na capa do primeiro disco solo de Ringo, Sentimental Journey, entre outros. Eles te buscam e deixam no hostel (ou onde preferirem, sendo caminho de volta deles). Leia aqui o post contando como é o passeio: http://www.queroirla.com.br/liverpool-para-beatlemaniacos-ou-nao/ Uma curiosidade é que apenas as casas de Paul e John pertencem hoje ao patrimônio histórico britânico, isso porque foram lugares onde eles compuseram grande parte das músicas, e por esse motivo são hoje museus abertos ao público. No fim do tour o guia nos indicou o Philarmonic Dining Rooms, um restaurante/pub com mais de 100 anos, que impressiona pela arquitetura e decoração dos ambientes! Apesar da atmosfera aristocrática, o valor não é tão acima dos demais restaurantes, vale a visita! Pra terminar o dia fomos até a região do porto admirar um pôr-do-sol perfeito! Impossível não notar o imponente conjunto de prédios beirando o mar, a arquitetura diferenciada do Museum of Liverpool e a simpática estátua dos “quatro rapazes de Liverpool”. DIA 3 Começamos o último dia subindo até o St. John’s Gardens, uma bonita e bem cuidada praça rodeada por edifícios históricos. Um desses prédios é a Central Library, que mescla o antigo e o moderno de uma forma fantástica! Mesmo que você não seja um entusiasta dos livros vale passar por lá, nem que seja só pela vista da cidade a partir do terraço. Seguimos para a Tate Liverpool, na Albert Dock, uma galeria de arte moderna e contemporânea com obras de artistas britânicos e internacionais. A entrada é free! Antes de pegar o ônibus de volta para o aeroporto paramos pra comer no Côte Bistrô, na parte mais moderninha do centro de Liverpool. Posso dizer que foi o segundo melhor mousse de chocolate da minha vida!!! Liverpool é uma cidade pequena e dá pra ser bem explorada a pé, vale passar um fim de semana ou como bate-volta de Londres! Post original com fotos e mapas aqui: http://www.queroirla.com.br/roteiro-3-dias-em-liverpool/
×
×
  • Criar Novo...