Ir para conteúdo

Fábio Almeida_

Membros
  • Total de itens

    37
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

7 Neutra

Sobre Fábio Almeida_

  • Data de Nascimento 16-09-1988

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Praias da Tailândia Nossa passagem pelas praias da Tailândia foi bem rápida e não há muito o que falar, mas vamos lá. Ao Nang e Railay Pegamos um vôo de Chiang Mai direto pra Krabi. Depois, um transfer para Ao Nang. Li que melhor que se hospedar em Krabi, é se hospedar em Ao Nang, e, melhor que os dois, é ficar em Railay Beach. Infelizmente não conseguimos reservar nada em Railay com preço acessível, de última hora (1 semana de antecedência), então ficamos em Ao Nang mesmo. Por ser uma região extremamente turística, os preços de hospedagem, comida e passeios em geral são bem mais
  2. Chiang Mai Terminada nossa incrível passagem por Bagan, seguimos para Yangon num ônibus noturno para para pegar nosso vôo para Chiang Mai, cidade ao norte da Tailândia. Chiang Mai possui uma atmosfera calma, pacata, que não se assemelha em nada à Bangkok. Nos domingos há o “Sunday Market”, que abre das 16h a meia-noite. Esse mercado é focado no artesanato, mas há barraquinhas de comida também. É um bom lugar pra fugir dos chaveiros e camisas I S2 Thailand, e comprar um presente mais genuíno, como uns sabonetes em formato de frutas que comprei para os amigos, e uns bonequinhos de lã para me
  3. Bagan Nossa rotina nesses 5 dias em Bagan foi repetitiva, mas muito agradável. Ver o nascer do sol, tomar café vendo os balões surgirem na névoa, explorar os templos, conhecer pessoas, procurar lugares isolados para ver o pôr do sol. Algumas fotos aleatórias do lugar: No primeiro dia cada um alugou sua moto, nos outros alugamos apenas uma para os dois. Apesar de não ter muita potência (a velocidade máxima era 60 km), a motinha aguentou bem as estradas de terra. É muito fácil de dirigir, só tem 3 marchas, acelerador e freio. O primeiro templo que conhec
  4. À caminho de Bagan No dia seguinte, depois de tomarmos novamente o caminhão para descer a pedra (não sem disputar assentos com os nativos por quase 1 hora), enquanto esperávamos o ônibus de volta pra Yangon, umas menininhas com sorrisinhos tímidos olhavam de soslaio para Alana. Após um tempo, uma delas tomou coragem e falou: “Hmm, excuse me. You’re so cute! Can i take i pic with you? hihihi”. As mocinhas ficaram super felizes quando a simpatia delas foi retribuída com o bonito sorriso da foto abaixo. . Depois que tirei as fotos, fui passear pelos arredores, a me divertir com o
  5. Indo para o Myanmar Precisávamos estar no aeroporto às 4:30 da madrugada. Como um taxi do hotel para o aeroporto sairia por mais de 100 reais, pegamos o trem para a estação mais próxima do aeroporto para depois pegar um táxi. Estava com receio de chegar na estação, não encontrar taxi algum e ficar vagando pelas ruas de madrugada, com uma mochila enorme nas costas, ser assaltado, seqüestrado, transformado em lady boy e condenado a vagar eternamente pelos becos da redlight. Todavia, sortudos que somos, assim que descemos da estação localizamos um taxista parado. O cara era uma figura estranh
  6. Publico mais um relato de viagem, dessa vez para o Myanmar e Tailândia. Como escrevo com um atraso de 4 meses, muitas informações sobre preços, transportes e gastos acabaram sendo esquecidas. Resolvi então focar nas impressões pessoais sobre lugares e experiências com pessoas, deixando um pouco de lado as informações práticas, que podem ser obtidas em outro dentre os vários relatos já publicados aqui no fórum. Mas vamo lá. Comprei a passagem para Bangkok com 1 mês e meio de antecedência, por impulso, numa promoção da empresa Ethiopian, esquecendo (ou ignorando) outra viagem que já ha
  7. Fala Filipe! Sem dúvidas eu iria pra Islândia, alugaria um carro e ficaria apenas na região sul e sudeste, mudando de hospedagem de acordo com a previsão de abertura de nuvens, indice Kp etc. Não arriscaria fazer o ring road no inverno com o tempo curto de 7 dias. Se ficares na região sul, sudeste ou nas regiões próximas à capital, são boas chances de você conseguir ver o fenômeno. Fora isso, a Islândia tem muitas opções de passeios, trilhas etc. A findândia seria minha segunda opção. Eu ficaria hospedado na região de kilpisjarvi, fronteira com a Noruega e próximo da Suécia. Noruega é muito
  8. Mesmo com inglês fraco, dá pra se virar! Se fosse vc, eu tentaria achar alguem para dividir o aluguel de um carro. Existem pouquíssimas informações sobre transporte público na Islândia, portanto eu não arriscaria de se informar na hora, ainda mais com um inglês fraco.
  9. Olá diogo, peço desculpas pelo atraso na resposta. Ultimamente não tenho acompanhado o forum com tanta frequencia. Primeiramente, antes de tentar responder as suas dúvidas, eu desaconselharia sua ideia de ficar 4 noites em reykjavik. Também não acho interessante a ideia de pagar por tour para caçar a aurora na Islândia. Na noruega até que vai, mas na islândia eu li que é jogar dinheiro fora. As empresas de turismo consultam o clima, os ventos, a previsão de aurora e a abertura de nuvens pelo mesmo site que todo mundo consulta, ou seja, é mais um serviço de transfer do que uma "caça a aurora"
  10. Valeu bobwolf80! Quando será seu RTW? Como vc faria pra incluir lugares mto frios como alaska ou noruega na sua viagem? iria levar as roupas de frio do brasil e ir despachando de volta pelos correios ou iria alugar? Pergunto isso pq tbm tenho planos de fazer um RTW de 3 meses, e queria incluir aurora boreal denovo, mas a logística parece ser bem complicada. Obrigado e abração! Grande Fabio, estou planejando o RTW para 2016/2017. Tenho algumas decisões de trabalho que influenciam fortemente nesta data, então, por enquanto ainda estou roteirizando e fazendo a cabeça ferver.
×
×
  • Criar Novo...