Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Vitorvenancio12

Membros
  • Total de itens

    14
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

18 Boa

1 Seguidor

Sobre Vitorvenancio12

  • Data de Nascimento 26-04-1990

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Bolívia, Peru, Chile e Argentina.
    Genebra.
  • Próximo Destino
    Tailandia
  • Tópicos que recomendo
    Solteiro
  • Ocupação
    Enfermeiro não praticante. Estudante de mestrado de saúde coletiva.
  • Localização
    ., Brasília, Distrito Federal, ., Brasil

Últimos Visitantes

116 visualizações
  1. Sucre: os museus, as zebras e o parque cretácico. Memórias de um turista. Novamente gostaria de pedir desculpas pelo tempo sem postar. Muitas das minhas memórias estão salvas no meu caderninho. Como em algum momento parei de anotar, tenho medo disso prejudicar a qualidade do meu relato futuramente. Problemas futuros. Rs A data era 16/05/2015. Tinha cruzado a fronteira dia 13. Seguindo as orientações do Allan, fui ao centro da cidade ver museus e outros monumentos. Antes disso, passei em um parque que tinha uma mini torre Eiffel, vista abaixo. Ironicamente, duas outras francesas nesse parque. Dessa vez não tão simpáticos. Tudo bem que eu sou uma pessoa estranha as abordando na rua, em um país desconhecido, pedindo para falar inglês e tratando chamando França de Paris. Mas sob uma perspectiva individual e nada construtivista/reflexiva, acredito que não faça sentido esse comportamento tão negativo por parte delas. Vivendo e aprendendo, errando e se fudendo. Com o perdão do termo. Torre Eiffel de Sucre. Mais acessível que a original. Já na praça central da cidade, sozinho, percebi que muita coisa ali estava fechada. Uma das exceções foi a Casa da Liberdade. Esse é um museu contando um pouco da história da Bolívia e a influência de Simão Bolívar e Antônio Sucre em seu processo de independência. Também mostrava a bandeira dos povos andinos da Bolívia, que é totalmente colorida. A Whipala. Bom, sobre essa bandeira não falarei muito para não correr risco de dizer besteira. Mas para os curiosos de plantão, peguei um link que considerei interessante: http://desacato.info/conheca-o-significado-das-cores-da-wiphala-a-bandeira-da-unidade-dos-povos-andinos/ Observe que a bandeira tem a cor branca, diferente da LGBT. Acho que esse museu me fez pensar muito em como muitas vezes menosprezamos na nossa cultura sul americana. Mas esse tipo de reflexão, acredito que é muito pessoalizada. Afinal, viajar proporciona diferentes experiências para cada pessoa e naturalmente diferentes reflexões. Mas só uma coisa bizarra que notei comparando minha experiência na Bolívia com a de ter ido para França. Na Bolívia, o turista não quer se misturar com o povo nativo. Na França, é o povo nativo que não quer se misturar com o turista. Não quero ser injusto, acho que cada experiência individual é diferente. Mas é interessante pensar em como esses comportamentos sociais são moldados. E como eles variam de país para país. Ou de diferentes cidades e regiões.. Gastei todo meu dia no museu. E nessas reflexões. A praça central era cheia de pombos. Não muito diferente da minha cidade. Em alguma parte do meu caminho vi pessoas fantasiadas de Zebras, sendo hiper simpáticas, interagindo com pessoas na rua. Essas zebras faziam parte de uma campanha de transito para conscientizar motoristas a dirigirem melhor. No final do post, uma sequência de fotos. Praça central cujo nome não me lembro. Muitos pombos. Fácil de achar. Amiga zebra e eu. No domingo, fui ao Parque Cretácico. Sim, a Bolívia tem um sitio arqueológico aonde foram descobertas pegadas de dinossauros na América do Sul. Acredito que para quem vá a Sucre, vale a pena. Do conteúdo do parque, também não vou falar muito. Deixo para quem for. Acredito que tenha sido o primeiro lugar que visitei com um empenho maior e preparo para turistas. O que me deixa triste é saber que se tratava de uma empresa privada, e não de algo realizado pelo estado.. Apenas uma lembrança do parque cretácico. Voltando a casa do Allan, acabei parando com sua família na casa de outro Brasileiro que morava na Bolívia, amigo deles. Confraternização gostosa em meio a cachaças. Outra coisa que esqueci de mencionar. Toda noite ia ao Bar do Jelson de novo. Pude conhecer algumas figurinhas interessantes. Uma menina do Cazaquistão (sábado) e o casal de argentinos que viajava na Kombi falado no post passado. Acho que eles acabaram desistindo da internet. Ou da aventura. Mas para maiores informações tem o link: https://www.facebook.com/lakombiviaja/ Produtos vendidos pelo casal Busquei com o irmão do Jelson uma recomendação de hostel em Potosi. Em meu ultimo dia em Sucre, visitei vários museus ali mesmo pelo centro. Me desculpem, mas não me recordo os nomes deles. Apenas do museu de anatomia humana. Coisa de profissional de saúde. Me disseram que o cemitério da cidade era bonito, mas não acho que seja algo realmente atrativo. Pela noite de segunda, me despedi de todos da casa. Agradeci a estadia. Tomei um táxi até a rodoviária. De lá um ônibus. A principio não havia lugar no ônibus. Mas por um preço especial, pude ir na cabine de descanso do piloto, como estou mostrando na foto abaixo. Notas sobre a Bolívia: na Bolívia tudo es negociable. Já disse isso antes, favor não esquecer. Vagão especial Por hoje fico por aqui. Minha estadia em Sucre é rica em registros. Espero que ajude alguém, de alguma forma. Posso postar mais fotos dos lugares descritos se quiserem. Valeeu
  2. A estadia em Sucre, os primeiros efeitos da altitude e a participação na cirurgia. Antes de contar de Sucre em si, preciso contar de como conheci o Allan. Mas para falar do Allan, preciso comentar como consegui minha mochila: Assim como todo mochileiro, precisava ver uma boa mochila para viajar. Tinha olhado algumas na internet, dicas no site e tudo mais. Eu decidi que ia chorar por todos descontos possíveis e impossíveis, mas que precisaria ver a mochila antes de comprar. Existem algumas atitudes minhas que podem ser vistas como teimosia, mas que fazem sentido para que eu fique bem comigo mesmo. Pesquisei lojas de camping, e achei uma interessante em aqui em Brasília. Quando cheguei na loja, tinham dois vendedores. O dono de fato mostrando uma arma para um cara que era promotor de justiça (pesquei a conversa deles). E outro que me mostrou a mochila. Pude perceber que aquela loja era para poucos e bons clientes. O outro vendedor foi me mostrando a mochila e falando dos descontos possíveis e coisa e tal. Em algum momento percebi que o nobríssimo excelentíssimo promotor de justiça (me desculpem, não sei ao certo como chamar essa galera importante) olhou para mochila, pescou minha conversa e interagiu comigo. Ele achou a mochila interessante. Gente, se uma autoridade pública e pessoa importante, aprova a mochila minha mochila, sabe o que isso quer dizer? Nada. Pedi um tempo para pensar se comprava ou não. Não queria decidir na emoção. No dia seguinte voltei a loja, disposto a comprar. Chegando na loja, a mesma dinâmica do outro dia. Um cara olhando armas, parecendo muito amigo do dono da loja. Interação entre os lojistas e clientes. Clientes trocando ideia. Logo eu que detesto armas. Dessa fez o cliente se chamava Terra. Acredito que era o último nome dele. Ele competia tiro profissionalmente. Perguntou para onde eu ia. Comentei da Bolívia e Peru e do meu medo da fronteira da Bolívia. Então o cara começou a listar algumas pessoas que tinham passado por essa fronteira. Me deu telefone de dois. E ai ele se lembrou do Stuart. O Stuart era um amigo dele que tinha um primo que estudava Medicina na Bolívia. O Allan. Ele ligou pro Stuart na minha frente e anunciou que eu ia ligar pra ele buscando o telefone do Allan. Alguns dias depois, eu fiz. Allan se mostrou receptivo em me ajudar. Me deu algumas dicas importante em relação a altitude, a levar dólar e ao câmbio aceitável. Ele também terceirizou as dicas de turistas para outros amigos dele. Passando os dias, fico mais amigo do Allan. Perguntava coisas sobre a vivencia na cidade. Ele mostrava fotos de cirurgia que ele fazia na medicina e coisa e tal. Como enfermeiro, aquilo ali não era novidade pra mim. Embora esteja longe de ser minha área. Um dia rolou o convite de eu me hospedar na casa dele durante a viagem. Inclui Sucre em meu roteiro. Chegando a cidade, primeira coisa que fui buscar era a casa do Allan, obviamente. Notas sobre Sucre: Os taxis tem uma logística estranha. Eles carregam duas, três pessoas desconhecidas e levam elas até o seu destino se for caminho. Isso acontece em poucas cidades que eu passei. Sucre foi uma delas, além de Iquique (no Chile). Na Rodoviária, quando entrou outra pessoa comigo no carro, fiquei assustado e sai. O motorista me xingou. Peguei outro taxi, outro estranho entrou. Ok, passou o choque cultural e eu pude entender que era uma pratica comum lá. A mulher do Allan (Leticia) me recepcionou. Ela fez um sanduiche pra mim. Pessoas fofas. Assim como ele, era brasileira e estudava medicina. Os dois tinham uma filha. A Lana tinha 3 anos de pura ternura. Não tardou para o Allan chegar. Fui cumprimenta-lo, conversamos um pouco sobre a vida lá e a paixão dele por cirurgias. De repente senti uma tontura forte. Eu já sabia o que tinha que fazer. Mas tinha vergonha pacas, porque mal o conhecia. Ele me viu branco e já me deitou na cama dele (eu todo sujo de viagem). Colocou meus pés para cima. Me deu a bomba de sabutamol da filha para eu respirar. Após o susto, fui descansar um pouco. Tentei não sentir vergonha. Quem é que não passa mal com altitude?! Pós almoço, mais descanso. A noite, quando acordei, soube pela Letícia que o Allan estava fazendo uma cirurgia. Estávamos conversando e ele ligou perguntando se queria topávamos ver. Eu era visita, estava descansado, topava tudo. A Leticia convenceu a babá a ficar mais duas horas com a Lana. Fomos ao hospital, colocamos a roupa cirúrgica. A Letícia foi colocada para participar da cirurgia. O Allan conheci todos os outros médicos, era bem relacionado. Passado a cirurgia (implante de marcapasso), sucesso. Foto com toda equipe. Eu perdi essa foto. Não briguem comigo! rs Fui com O Allan conhecer um bar de um amigo perto da casa dele enquanto a Leticia esquentava a comida. Novamente o Allan parecia conhecer todos no Bar. O Jelson era o dono. Ele tinha um amigo que fazia passeios turísticos para o Salar de Uyuni. O Ouscar. Antes de viajar, já havia trocado mensagens com o Jelson, tentando o contato do Ouscar. Allan articulou isso. O Bar era frequentado por muitos estrangeiros, já que o Jelson fazia parte de grupos de Counting surf. Um estilo de comércio promissor, eu acho. O Allan me falou de um casal hippie que estava parado com a kombi na frente do bar. O casal Hippie argentino que dormia na kombi, fazia pulseiras e camisas para ganhar dinheiro. A meta deles era chegar ao México. Passada experiência antropológica, voltamos para casa, comemos com a Leticia e fomos dormir. Eu, bem satisfeito com a estadia e o primeiro dia de aventuras. Hoje meu depoimento é mais curto. O importante é fazer da escrita um hábito. Obrigado a todos.
  3. As mochileiras, o avion pirata, meu preconceito contra israelenses e os riscos para se chegar em Sucre Em toda minha viagem desliguei os dados moveis do celular. Só usava internet onde tinha Wi fi. Imagino que seja uma prática comum a todos aqui. Mas caso você seja muito dependente de internet (como eu me vejo as vezes), uma viagem como essa é um bom modo de te fazer desapegar um pouco. A noite tive um banho quente que foi um dos melhores da minha vida. Meu vizinho de quarto no hotel roncava muito. Talvez fosse alguém exausto como eu. Após avisar a todos que estava pelo celular, dormi horrores. Mas coloquei o celular para despertar relativamente cedo. Não era interessante ficar dormindo o dia todo. Tomei café da manha no hotel. Nota importante sobre viajar fora: aqui no Brasil estamos muito acostumados a café da manhã incluso em hotéis e hosteis. Em alguns países isso pode variar bastante. Em geral, na América do sul, não pagamos pelo café. Mas isso pode variar, inclusive de lugar para lugar. Importante checar sempre. Já tinha visto por depoimentos nesse site que em Santa Cruz uma das poucas coisas para se fazer, além da praça 24 de Septiembre, era ver o avion pirata. Resolvi sair para procurar. Arrumei minha mochila, que na época ainda não era uma prática tão rápida, e fiz o check out. Para achar o avion, fui perguntando para as pessoas na rua. Já no início da minha pernada, uma surpresa. Avistei as duas mochileiras da rodoviária de campo grande e da fronteira. Não pensei duas vezes e fui do outro lado, falei com elas com meu portunhol nível iniciante. As garotas eram francesas. Estavam viajando a américa do sul. Ficaram 3 meses no Brasil e agora iam conhecer o resto do nosso continente. Falei para elas do avion, toparam ir comigo procurar. Eram a Marion e a Marjorie. Ambas cuidaram de idosos na França para juntar dinheiro e realizar essa viagem. Achei interessante a ideia. Talvez inviável por aqui. Almoçamos, conversamos bastante, hora em inglês, hora em portunhol, sobre a situação política na França e coisas do tipo. Em seguida, achamos o avion. Era uma coisa meio estranha na verdade. Como mostrado na foto abaixo: Um avião que ficou grudado no meio da praça. Nenhuma placa, nenhuma explicação nem nada. Notas sobre a Bolívia: ainda que faça quase 4 anos do início da minha viagem, quero ter muito cuidado ao fazer críticas aos países que fui. Mas ao mesmo tempo, entendo que fazem parte da minha experiência. Dito isso, preciso dizer que a Bolívia não sabe explorar turismo de forma alguma. Que existisse um motivo explicado para aquele avião estar ali, que colocassem uma placa, nos fizéssemos pagar uma moeda para visualizar o interior do avião ou algo do tipo. Turista é bicho burro e adora deixar dinheiro para conhecer as coisas. Afinal de contas, viajamos para isso. Basta organizar melhor e arrecadar mais. Pós decepção, voltamos a praça e tomamos um café lá por perto. E a partir dai tomamos rumos diferentes. Eu ia para Sucre, me hospedar na casa do Allan (um Brasileiro que estudava medicina na Bolívia). As meninas iam para o Uyuni. Se não me engano, estávamos em rodoviárias diferentes, por isso me despedi delas perto do meu hotel. Mochileiras francesas e eu Ainda chequei com a recepcionista um fator curioso. Passagem de avião de Santa Cruz para Sucre era cerca de 400 ou 500 Bolivianos (ou Bs). Isso dá cerca de 200 a 250 reais, fazendo a conversão de 2 para 1. A viagem durava 30 minutos. A viagem de ônibus me custou 110 bs. Mas ali o problema era a quantidade de horas...12 horas no minimo! Notas sobre dinheiro: tenham sempre uma forma rápida e aproximada de fazerem as conversões para saberem o quanto estão gastando. Ou não convertam, se divirtam e deixem o seu bolso sangrar. Tomei um taxi, fui até a Rodoviária. Notas sobre Rodoviárias: esses tempos, em uma outra viagem que não um mochilão, tive oportunidade de ficar 3 meses em Genebra, na Suiça. A rodoviária de Genebra parecia um shopping de tão bonita e estruturada. Já a de Santa Cruz era cheia de pedintes, sujeira e pobreza. Acredito que a rodoviária de um país é um retrato fidedigno do povo ali. Amigos viajantes, pensem nisso. Como foi dito, muita desorganização na rodoviária. O que me animou eram os mochileiros. Minha meta era conseguir um ônibus com Wifi igual da outra vez. Infelizmente para Sucre aquele serviço não era possível. Lembro de alguém comentar que os ônibus ali não eram muito bem cuidados porque era uma estrada difícil. Então não era um bom negocio colocar um ônibus bom na região porque ele ia quebrar de todo jeito. Me prometeram 12 horas de viagem até Sucre. Não acreditei, mas paguei. E porque paguei se não levava fé no serviço? Faz parte de uma espécie de descrença e desapego que a gente desenvolve ao viajar para alguns lugares. Entendam: fortes desigualdades sociais levam a necessidade de dinheiro a todo custo. A necessidade de vender leva a mentira, para convencer o cliente. Só é errado quando vidas estão em jogo. Como disse em relatos anteriores, na Bolívia vi as piores facetas do capitalismo. Não é a toa que era uma cia boliviana responsável pelo maior desastre aéreo com o avião da Chapecoense. Resolvi encarar essa aventura sem sentido para o Sucre. Podemos até romantizar a viagem. Dizer que foi pela aventura. E foi! Podemos dizer que era muito louco. E que só vivemos uma vez na vida. Esses motivos me levaram a ir. Mas após aquela tragédia de avião mencionada no paragrafo anterior, me questiono em relação aos riscos que nos colocamos. E se vale a pena. E se internamente foi feito algo para melhorar aspectos ligados a segurança após a tragédia da Chapecoense e nesses anos. São reflexões extremamente sinceras e que acho oportuno a partilha. Gostaria de deixar claro que mesmo com ciência dos riscos e refletindo bastante sobre isso, tomaria aquele ônibus de novo se tivesse chance. Afinal só se vive uma vez na vida. E eu ainda não tenho filhos ou parceira que me façam pensar o contrário. Os mochileiros nessa rodoviária andavam em grupos. E para minha surpresa, pareciam muito fechados. Havia uma garota sozinha. Ela era Belga. Achei em uns registros antigos (tentei fazer um diário de viagem, mas depois abandonei a ideia), seu nome era Luiza. Ela morava no Equador durante um tempo. Luiza parecia ser mais inteligente que os outros mochileiros ali. Ela reclamou da falta de educação de uns mochileiros israelenses que colocavam suas bagagens no bagageiro por conta própria, sem avisar a nenhum funcionário da cia de ônibus nem nada. Parei para observar alguns grupos de mochileiros no ônibus. Muitos eram de Israel. Infelizmente não sentei junto da Luiza. Tínhamos lugar marcados em diferentes lugares. No inicio da viagem o ônibus fez uma parada. Um policial entrou no ônibus e pediu para ver o documento de todos ali. Eu fui o primeiro estrangeiro que ele viu o documento. Mostrei meu passaporte. E ele disse: “abajo”. Me gelou a espinha. Um dos meus principais medos era de sofrer extorsão por parte dos policiais. Abaixo tento reproduzir o diálogo com o policial: -No compreendo. -downstairs -No te compreendo -You neeed to go down - No compreendo... (policial foi ver outra pessoa) A cada estrangeiro que ele olhava documento, mandava pra baixo. Quando vi que Luiza se levantou, fiquei perto dela. Minha logica foi simples. Em caso de abusos machistas, eu tento protege-la. Em caso de extorsão, tentamos nos proteger juntos. Ainda que fossemos a parte fraca nessa cadeia alimentar chamada capitalismo selvagem ou suposto abuso de poder policial, entendo que juntos estávamos mais amparados que sozinhos. Percebi alguns israelenses com um certo medo também. Fomos os primeiros a descer. Nos mandaram para uma cabana onde outro policial olhou nossos documentos. O cara simplesmente queria fazer o trabalho dele. Brincou comigo por eu ser brasileiro. "Brasil! O país mais bonito do mundo". Não sei porque os Bolivianos adoravam repetir isso. E olha que de beleza natural eles entendem. Bolívia tem paisagens fantásticas. Sobre os policiais que foram ver nossos documentos, eu acredito que as vezes nos armamos a toa... mas nunca podemos prever o que pode nos acontecer. A vida tem dessas situações. Após ver os documentos, seguimos viagem. O ônibus fez outra parada para jantarmos. Sentei com Luiza para comer um ensopado de frango que era de terrível sabor pra mim (me considero fresco com comida as vezes). Ao passar por um grupo de mochileiros Israelenses, um garoto brincava com um isqueiro. Por acidente ele acendeu bem perto da minha cara. Não houve nenhum pedido de desculpas por parte dele. Notas sobre meu mochilão: é possível desenvolver preconceito contra uma nação inteira por conta de atitudes individuais, embora de mau caráter, de grupos de pessoas? Sim! Carrego comigo antipatia pelos Israelenses até hoje pela péssima impressão passada até hoje. Ao longo do meu relato, provavelmente falarei mais disso. Em meio a viagem outra agitação. Após catarmos um buraco grande alguns passageiros anunciaram que um pneu havia furado. O motorista parou o ônibus. Haviam uns 3 funcionários no ônibus. Eles iniciaram a troca de pneus. Desci do ônibus. Quando me deparei estávamos a noite, em meio ao deserto, subindo uma montanha em zig zag. Olhei para baixo e vi outro ônibus passando. Em cima também. Mas esses ônibus demoraram para cruzar conosco. O Brasil e a Bolívia tem algo em comum: não são para amadores. Assim como eu, alguns passageiros saíram do ônibus para ver a troca de pneus. Tentei conversar com um deles. O menino era sisudo. Adivinha da onde era? Obvio, daquele simpático país chamado Israel. Tirei uma foto aleatória do escuro. Com mais calma pude ver que era um cacto. Tretas internacionais a parte, após 16 horas de viagem cheguei em Sucre. Me despedi da Luiza na rodoviária. De lá ia para casa do Allan. Falarei mais sobre como conheci o Allan e sobre Sucre em meu próximo post. Por hoje, fico por aqui, Essa é a parte detrás do ônibus onde ficava o pneu reserva. Ainda bem que tinha pneu reserva. Nome da empresa: El mexicano. Recomendo fazer o testamento antes de embarcar. E sinceramente não creio que existam empresas melhores.
  4. Agradeço muito ao reforço positivo dado aqui. Sim, escreverei mais. Só não sei se conseguirei hoje. Mas tenho isso como um compromisso.
  5. O outro lado da fronteira, primeiras noções da Bolívia e a chegada em Santa Cruz de la Sierra De antemão agradeço as manifestações aqui. Me fizeram antecipar a minha escrita. Ainda não manjo bem dos fóruns aqui então espero não desorganizar esse por acidente. Vivendo e aprendendo, vamo nessa! Sobre custos: Juntei cerca de 15 mil reais. Mas MUITA CALMA. Porque terminei minha viagem com cerca de 6 mil. Sendo que chegando no Brasil, me senti mais livre para gastar dinheiro. E fiquei um mês viajando por aqui. Em outras experiências que eu tive viajando fora, passei a entender que fronteiras em geral são lugares para se passar rápido. Pelo intenso fluxo de pessoas, acredito que existe uma tensão velada em algumas fronteiras. Isso pode ser um preconceito meu talvez. Na época, li alguns depoimentos aqui no site de policiais pedindo propina para passar que colaboraram com essa minha visão. Como disse no depoimento anterior, tinha 3 horas de espera. Dica útil para viajantes: sempre pesquisem se fronteiras fecham ou não. Isso pode te poupar algum tempo/estresse. Quando cheguei haviam duas pessoas na fila. Um homem brasileiro que gastava o espanhol com uma simpática boliviana. Comecei a conversar com eles. Logo mais pessoas chegaram a fronteira. E fui percebendo que esse cara que era o primeiro da fila era uma espécie de chato legal. Daqueles caras que falam todo tempo, brincam e tiram todo mundo de forma bem gaiata mesmo. Apesar da minha falta de paciência inicial com esse perfil, entendi que estar em um grupo me fazia mais forte em relação a uma possível situação de abuso de poder por parte das autoridades, sejam brasileiras ou bolivianas. A conversa foi rolando solta com membros da fila. Sem nunca descuidar dos meus pertences e documentos. Entre as pessoas que chegaram a fila, haviam duas garotas mochileiras que já haviam chamado minha atenção desde a rodoviária de Campo Grande. Sou bom com rostos. E as duas tinham mochilas nas costas, assim como eu. O restante da fila parecia fazer aquele percurso com mais frequência. Um pouco antes da fronteira abrir, a Boliviana simpática se ofereceu para me ajudar a trocar meu dinheiro. Seu nome era Alexandra, e ela tinha acabado de voltar de uma experiência de 4 meses no Brasil onde também ajudaram muito ela. Passado as horas e a fronteira, finalmente estava no lado Boliviano, em Puerto Quijarro. Dica para viajantes: Levem dólar! Do meu dinheiro total, saquei 5 mil e comprei dólar com isso, ainda no Brasil. Levei escondido o dinheiro separado em 5 lugares diferentes, entre eles doleira, bolso falso e coisa do tipo. De resto, habilitei meu cartão internacional para sacar. Alexandra me ajudou a trocar dinheiro e identificar possíveis notas falsas. Acredito que fronteiras são lugares para se gastar dinheiro. Um dólar custava 3,90 bolivianos, enquanto em outros lugares como La Paz, o custo era de 3,95. Fico pensando que talvez tivesse valido a pena procurar uma casa de cambio em Campo Grande para isso. Pão durice a parte, Alexandra me ajudou muito. Ela me deu dicas. Me orientou onde eu acharia o famoso trem da morte. Mas disse que o ônibus era o mesmo preço. Ela era de Santa Cruz de La Sierra, então íamos para o mesmo lugar. Até me despedi temporariamente dela para procurar o trem da morte. Na cia de trem, vi que o horário de saída do trem era mais a tarde. E eu não estava interessado em esperar tanto naquele lugar. Preciso fazer aqui uma pausa para escrever um pouco sobre eu: sou muito territorialista. Mas Puerto Quijarro era uma cidade bem pobre mesmo. A diferença com Corumbá era nítida. Já fiz muito trabalho com população de rua e coisa e tal. Em geral, não me incomodo de estar em um lugar como aquele. Mas eu tinha uma mochila, barba feita e rostinho de europeu. Era facilmente notado. Queria ir embora rápido, de preferência. Reencontrei Alexandra na rodoviária da cidade. Decidimos viajar juntos. Primeira grande dica da Bolívia passado por nossa querida nativa: “Vitor, na Bolivia es tudo negociable”. Ela dominava espanhol, ela pechinchava. Eu confiava. Segunda grande noção da Bolívia: lá é aonde testemunhei a atuação mais escrota do Capitalismo na vida dos comerciantes. Enquanto Alexandra negociava com uma Cia de ônibus, veio outra e tentou furar o negócio, oferecendo valores mais baixos pela passagem. Em segundos apareceu um terceiro buscando a mesma coisa. E um quarto, e um quinto...çocorro! Estávamos cercados de comerciantes! Alexandra deu um basta e disse que não ia comprar de ninguém. Fomos almoçar, mas a real é que ela já tinha escolhido onde queria nossas passagens. Pós almoço, fomos até a banca que ela gostou. Pedimos para ver a qualidade do ônibus. Terceira dica importante da Bolívia: não acredite no que te falam. Acreditem no que vocês veem. É comum prometerem mundos e fundos para mochileiros e o serviço real ser aquém. Nota importante sobre a Bolívia: Não tenho a intenção de só falar mal do país, muito pelo contrário. Entendo que muitas dessas situações desagradáveis são causadas pelas desigualdades sociais. E ai temos um problema muito mais complexo a ser analisado e certamente não conseguiria fazer isso por aqui. O ônibus que viajamos era ótimo. Mas não tinha o wi fi prometido. Segundo a Alexandra, isso já era esperado. Vou destacar da viagem o conforto do ônibus, a vista da estrada, as crianças vendendo pollo (frango) e refresco, uma garotinha fofa (tá ai na foto)que percebeu meu portunhol e ficou curiosa e um Brasileiro que estudava medicina em Santa Cruz e se juntou a nós. Nota sobre Santa Cruz: Se tacarmos uma pedra na cabeça de alguém por lá, 120% de certeza de chance de acertarmos a cabeça de um Brasileiro estudante de medicina. As crianças que vendiam frango entravam no ônibus nas paradas e ofereciam para todos ali. Para elas, era uma forma de diversão, além de trabalho. Não querendo romantizar essa relação trabalhista escrota encontrada. Mas me confortou ver que de alguma forma elas se divertiam fazendo aquilo. Já tinha lido muito sobre essas crianças por aqui. O Brasileiro que estudava em Santa Cruz se chamava Adolfo. Seguimos nós três conversando até o fim da viagem. Chegando em Santa Cruz, Alexandra despediu rápido. Foi correndo ver o namorado. Adolfo me deixou num taxi e negociou um valor rápido pra mim para praça 24 de Setiembre. Sabia da praça por conta de depoimentos desse site. A partir dali, fui procurar estadia por conta própria. Perto da praça, tinha hotéis pertos. E muita gente falando português nas ruas. Chegando ao hotel, percebi meu bolso cheio de papeis que considerei inúteis. Amassei um deles que me deram na fronteira. Fiz menção de jogar no lixo, mas uma voz divina ecoou na minha cabeça e disse para eu não fazer aquilo. Guardei o papel amassado em meu bolso de novo. Conversando com a dona do hotel em que fui me hospedar, descobri que quase joguei fora o comprovante de que eu posso ficar na Bolívia. Ou seja, quase me auto deportei em menos de 24 horas em um novo país. Seria tragicômico. Então ai vai outra dica importante sobre a fronteira. Guardem papeiszinhos. Não joga nada fora! Isso pode salvar sua vida. Por hoje encerro meu depoimento por aqui. Espero que esteja sendo útil, apesar desse nível de detalhismo. Em algum momento a história vai correr mais rápido, mas considero fundamental explicitar alguns detalhes para viajantes inexperientes como eu. Espero que gostem Vitor Adolfo, Alexandra e eu. E uma moça boliviana ao fundo.
  6. Sim, você não leu errado. Foram 5 meses. Eu demorei mais do que deveria para começar a contar essa história. Mas acho que devo isso a meus possíveis leitores. Afinal, tive muita ajuda desse site para planejar minha viagem. E acredito que posso fazer o mesmo por alguém. Eu vou tentar fazer um depoimento breve, que seja acessível e ao mesmo tempo divertido. Posso entrar em detalhes, postar fotos. Escrevo, acima de tudo, para partilhar experiências e encorajar quem queira viajar. Espero conseguir contribuir. Meu nome é Vitor, tenho 28 anos. Em 2015 tive a melhor oportunidade da minha vida. Me descobrir e descobrir nosso continente durante 5 meses. Sou enfermeiro, me formei final de 2013. Em 2014 atuei em um programa do governo com duração de um ano, sem prazo prorrogável. Meu contrato acabou em março de 2015. Na época do meu trabalho me mantive na casa dos meus pais e fui juntando dinheiro. Sei que é uma oportunidade que poucos tem. Não tinha filhos, namorada e emprego (continuo não tendo nada disso, mas atualmente falta dinheiro mesmo). Inicialmente planejei ir para Bolívia e Peru apenas. Sem data para voltar. E porque esses dois países? Tinha medo da grana acabar e eu estar longe. Sim, pode parecer até piada para quem já visitou. Mas foi um medo real de alguém que era extremamente inexperiente com esse tipo de viagem. Além disso, sentia uma vergonha de ter ido para Europa mas não conhecer os países vizinhos. Conforme visto no título, acabei passando por outros países. Meu roteiro deve começar como muitos outros aqui. Peguei um avião de Brasília (aonde vivo) para Campo Grande. Do Aeroporto para a Rodoviária com uma mochila de 10 kg nas costas de moto taxi. Recomendo. Porque é barato e porque só se vive uma vez na vida. Caso sua crença religiosa discorde disso, sugiro aceitar respeitosamente que pensamos diferente. Em tempo: não recomendo 10 kg de mochila. Pesava na época 80 kg. O ideal seria carregar até 8 kg. Mas é complicado essa relação de peso de mochila quando sua casa passa a estar nas suas costas. Da rodoviária de Campo Grande, peguei o ônibus noturno para Corumbá, que fazia fronteira com a Bolívia. Um detalhe: meu avião fez conexão com São Paulo. E quando cheguei a Corumbá percebi que tinha outra viajante que fez o mesmo itinerário que eu desde Brasília até Corumbá. Bom, preciso fazer uma pausa nesse depoimento coisa: algumas cidades acabam deixando as pessoas mais tímidas e introspectivas. Não é exatamente meu caso. Mas é o caso do Brasiliense comum. Fazer amigos viajando sozinho é fundamental. Ao longo do depoimento vou contar mais histórias de mais pessoas que conheci. Recomendo que pessoas tímidas, querendo viajar só, tentem em seu limite, quebrar essa barreira. A viajante em questão era bióloga e fazia pesquisa em Corumbá. Ela aguardava uma amiga local. Conversamos um pouco, contei da minha ideia de ir para Bolívia e Peru. Ela me recomendou outra rodoviária onde passariam moto taxi que poderiam me levar a fronteira. E me ofereceu carona com a amiga que estava vindo busca-la. Caso vocês passem por Corumbá: considerem andar de moto taxi. Caso tenham medo como eu: só se vive uma vez na vida. Mas em caso de acidente, não me responsabilizarei. Dito isso, um outro conselho da minha amiga Bióloga (que infelizmente esqueci o nome) que não precisei usar: considerem a possibilidade de comprar Furosemida para liberar liquido em caso de edema pulmonar causado pela altitude. Obvio, conversem com amigos Médicos antes para eles te detalharem melhor isso. Mas em caso de uma reação desagradável e prolongada a altitude, pensem nisso. Ou façam seguro saúde e não pensem em nada. Outra dica valiosa: vão ao banheiro sempre que tiverem vontade. Respeitem seu corpo. Perto da outra rodoviária tinha um hotel. O dono do hotel era moto taxista e topou fazer minha corrida até a fronteira. Antes pedi para ir ao banheiro. Ele me deu a chave de um quarto vazio. Esse quarto era maravilhoso. Tinha 3 camas, um ventilador, banheiro e só. A gente não precisa de muito pra ser feliz. Esvaziada bexiga, fomos a fronteira. Essa por sua vez estava fechada e demorava 3 horas para abrir. Por isso que enfatizei a dica do banheiro no início desse parágrafo. Bom gente, esse depoimento ta grande pra caralho, super detalhista, diferente do que planejei. Mas vou mandar assim porque a escrita foi espontânea e de coração aberto. De acordo com os comentários, sugestões, criticas ou dúvidas, posso mudando o ritmo da narrativa. Se você leu até aqui, você é um vencedor. Parabéns. Tópicos da viagem: O outro lado da fronteira, primeiras noções da Bolívia e a chegada em Santa Cruz de la Sierra As mochileiras, o avion pirata, meu preconceito contra israelenses e os riscos para se chegar em Sucre A estadia em Sucre, os primeiros efeitos da altitude e a participação na cirurgia. Sucre: os museus, as zebras e o parque cretácico. Memórias de um turista.
  7. Oi Diana, tudo bem? Vou fazer um mochilão em maio. Vou atravessar a fronteira na Bolivia e depois vou ao Peru. De Cusco pretendo voltar ao Brasil pelo Acre. Por isso gostaria de saber como vc fez na sua volta. Você voltou de onibus? Sabe como funciona? Alguma empresa que vc recomenda? sabe o valor? hahahaha Muitas perguntas, eu sei! Qualquer coisa que você puder responder já é uma otima ajuda. Obrigado desde já. ;D
  8. Oi luiza, tudo joia? Estão, estou montando meu roteiro também. Queria muito uma ajuda com planejamento de custos. Se vc puder me enviar o arquivo por email, agradeceria também. [email protected] Grato desde já! ;D
  9. Luana, Cara, achei seu depoimento sensacional. Pretendo fazer um mochilão lá pra Maio desse ano, de forma bem semelhante ao seu. Sozinho, com 5.000 reais reservados para isso. Acho que depoimentos como o seu com essa grande riqueza de detalhes e recomendações tem muito a acrescentar para quem lê. De antemão te agradeço muito. Em relação a grana, queria saber como você fez. Levou tudo contigo em dinheiro mesmo? Achou arriscado? Se outra pessoa que viajou quiser opinar sobre isso, também agradeceria. Assim como você, sou péssimo em ler mapas. Geografia definitivamente não era minha matéria favorita na escola. É possível ir de La Paz para Potossi? Quero acrescentar no meu roteiro o Salar de Uyuni e estou com essa dúvida. Existe algum hostel na Isla del Sol? Vale a pena pernoitar por lá e aproveitar o lugar com mais calma? Obrigado desde já.
  10. Boa tarde Debora, Andre e demais. Estou querendo fazer meu mochilão em meados de maio também. Pela descrição da Debora, meu roteiro é parecido com o de vcs. Se importariam de colocar o roteiro disponível pra gente? Acho que é mais fácil do que adicionar milhões e milhões de e-mails. Caso se importem, ficaria feliz em me mandarem também. [email protected] grato desde já! (:
  11. Erick, lamento o que aconteceu. Estou planejando um Mochilão para Bolivia e Peru. Adianto que sou um ignorante geográfico e estou estudando cada parte do roteiro cuidadosamente. Lógico que seu depoimento e outros encontrados aqui me ajudam pra caramba. O plano inicial era ir de La Paz para o Peru. Mas depois do seu depoimento, bateu a curiosidade, é possível ir de Copacabana para o Peru? Como? Alguém sabe responder? rs Obrigado desde já!
×
×
  • Criar Novo...