Ir para conteúdo

luutje

Membros
  • Total de itens

    17
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

6 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Mais que uma viagem, conhecer a Índia é uma experiência de vida. No início do ano, passei alguns dias por lá e conheci Nova Delhi, Agra, jaipur e Varasi. Fiz um relato detalhado de cada cidade aqui: https://pelosquatrocantos.com/category/asia/india/ Para quem pretende conhecer a Índia, separei algumas dias que podem ser úteis: - A Índia exige visto dos turistas e, por sorte, todo o processo pode ser feito online. Toma um pouco de tempo...tenha uma foto em boa resolução e uma cópia do seu passaporte digitalizado. O pagamento da taxa pode ser feita por cartão de crédito ou Paypal. A segunda opção é melhor pq evita taxas de transação do cartão - Eles também exigem a certificação da vacina contra febre amarela, que pode ser tomada gratuitamente. - Leve dólares e troque por rupias indianas na índia. - É possível fazer a viagem gastando entre $50 e $60 dólares por dia. Mas é sempre bom levar um extra para emergencias. - Negocie tudo que vc puder. Barganhar faz parte da cultura indiana, mas também tente ser justo. Via muitos tuktuks aceitando preços injustos para corridas longas só pq precisavam; - É sempre bacana comer como um local no país. Mas evite comidinhas de rua... As comidas em restuarantes são baratas e fartas. Com cerca de $8 dólares vc come bastante em um restaurante legal. Os pratos são bem fartos, e é possível sobrar comida. Peça pra embrulhar e dê para alguém na rua. - Falando nisso, se vc tiver alguns sapatos e roupas masculinas para doar, elas são muito bem-vindas por lá. As roupas femininas são muito ocidentalizadas e elas não curtiram muito as que tentei doar... hehe - Ao pegar um tuktuk ou táxi, tenha em mente os lugares que vc quer ir e seja firme. Às vezes eles mentem que um local está fechado ou querem levar para pontos que não te interessam só para aumentar o trajeto e ganhar mais. - Apesar da pobreza gritante, não há sensação de insegurança. Dá pra andar tranquilo com a câmera pendurada... A Índia é bem segura, se vc não for mulher - Para mulheres viajando sozinhas: - Evite roupas curtas ou que marquem demais. Prefira saias longas e sempre carregue oum lenço para cobrir os ombros e a cabeça ao entrar em alguns tempos; - Se estiver sozinha, não saia à noite. Em algumas cidades, quando anoitece praticamente não há mulheres na rua; - Você nao é obrigada a ser simpatica quando perceber que algum homem está sendo insistente demais e começar a te seguir; - Evite quartos mistos nos hostels. Pra ser sincera, essa viagem eu dei preferência apenas para hoteis, que são bem baratos na Índia. Quanto mais liberdade para fazer tudo a pé, melhor; - Evite também pegar táxis e tuktuks sozinha na rua. Peça para o hotel indicar um motorista e, se possível, marque também a volta com o mesmo motorista; - Chegou na época de grandes festivais como o Holi - o festival das cores? Então chegue beeem cedinho para aproveitar um pouco, mas não rola se misturar na multidão.
  2. Acho que quando falamos em Nordeste, a primeira coisa que vem a mente quando falamos de turismo são as praias incríveis. Mas ele é bem mais que isso! Dia desses resolvi me aventurar pelo sertão alagoano e conhecer o Cânion do Xingó e Piranhas. Tem mais detalhes aqui: https://pelosquatrocantos.com/category/brasil/alagoas/piranhas/ Muitos turistas optam por fazer um bate e volta saindo de Maceió. Só que acho um desperdício passar 8 hororas do dia ( 4 pra ir e 4 pra voltar), dentro do ônibus para conhecer os cânions e não aproveitar o tanto de atrações que a região tem para oferecer. Acabei fazendo uma road trip, saindo de João Pessoa, e percorri 566 quilômetros para chegar em Piranhas (AL). O caminho é longo, mas vale a pena. A estrada é boa e é muito legar ver a mudança de paisagem ao longo do caminho. Para quem sair de Maceió, o caminho é bem mais curto - são apenas 290 km e a estrada é boa. Só evite dirigir à noite, pois ouvi vários relatos que não é seguro dirigir depois que escurece por lá. De ônibus "normal" a única opção é saindo de Aracaju e ir até Canindé do São Francisco (SE), que fica a 15 km de Piranhas. As passagens custam entre R$32 e R$36. No centro de Piranhas, tem o Albergue Maestro Egídio Vieira, que é bem arrumadinho: https://www.facebook.com/Alberguemaestroegidiovieira/ ( Dei uma olhada no lugar, realmente achei legal, mas tinha feito reserva em outro local). Piranhas tem um centro histórico lindo, fica às margens do São Francisco e é a cidade de interioro mais bonita que visitei no Nordeste. O passeio mais caro é o do Cânion do Xingó, em Sergipe, que custa R$ 100. A rota do Cangaço, que passa por um vilarejo na primeira parada e depois leva os visitantes para uma trilha onde o grupo de Lampião foi morto, custa R$ 50. Como os passeios são longos, é interessante levar sempre água e algum lanche na mochila. As refeições são bem baratas. Dá para gastar cerca de R$ 30 com alimentação. No centrinho, tem agumas mercearias onde dá para comprar umas besteirinhas e água. Lá é absurdamente quente, então ficar hidratado e retocar sempre o protetor solar é essencial.
  3. Para quem quiser saber mais: https://pelosquatrocantos.com/category/brasil/pernambuco/olinda/ O Carnaval pernambucano é intenso. O Carnaval de Pernambuco é intenso. Durante cinco dias de festa, uma multidão de foliões lota as ruas de Olinda de dia e, quando anoitece, o centro da festa passa a ser o Recife Antigo, onde acontecem os shows. Acho muito difícil conseguir explicar a emoção do Carnaval. Eu passo o ano inteiro esperando por esses dias de festa e acho impossível não se contagiar com a energia! Aqui estão minhas dicas para aproveitar bem muito: 1. O Carnaval começa com o Galo da Madrugada, em Recife. Como são cerca de 2 milhões de pessoas eu acho que o melhor - e mais seguro - é optar por um camarote. 2. Por muitos anos, Olinda ficava vazia no dia do Galo, mas hoje não é assim. As ruas são sempre bem cheias! 3. Se vc estiver hospedado em Recife, esqueca o carro. Vá de ônibus ou de táxi. 4. Caso você seja novato no Carnaval pernambucano, tente sair com todos os seus amigos de um vez só. Marcar para se encontrar por lá pode ser bem trabalhoso. Mas é sempre bom estabelecer um ponto de encontro caso alguém se perca do grupo. 5. O carnaval é muticltural, mas basicamente você vai ouvir as mesmas músicas centenas de vezes: O Hino de Pernambuco, Hino do Elefante, Vassourinhas, Poron pom pom ( até hj não sei o nome oficial da música) são hirs eternos do Carnaval de PE. Mesmo que vc chegue sem saber a letra, vc irá aprender 6. Viu um bloco? Junte-se a ele ou fique no cantinho da rua esperando ele passar. Nunca vá contra a maré e tente ir na direção oposta, não importa o tamanho do bloco: você será arrastado. 7. Ficar em uma Casa / República é a melhor opção para quem quiser aproveitar o carnaval o tempo inteiro. É possível reservar uma casa a partir de abril e pagar parcelado, assim a estadia não pesa tanto no bolso. 8. Há alguns anos existem os camarotes. Os principais são o Carvalheira na Ladeira, Mansão do Bonfim e Camarote Olinda. Eles trazem diversas atrações “ecléticas” como Timbalada, Wesley Safadão, Monobloco… Geralmente essas festas são open bar e custam em torno de R$ 400. (Oush!) Na minha opinião, o melhor do Carnaval de Olinda nao tem preço ( literalmente). Amo percorrer as ladeiras atrás dos blocos <3 9. Recife é carinhosamente chamada de "Hellcife" por um bom motivo. É quente com força! Então dê preferência a roupas leves. Para as meninas é sempre bom colocar o top biquini por baixo Na hora do calor insuportável é só tirar. E, claro que isso não impede a criatividade na hora de montar a fantasia. O melhor é usar sapatos fechados. 10. Algumas casas disponibilizam o banheiro para quem pagar, mas isso não é regra. As que fazem deixam um plaquinha na frente com o valor. Existem banheiros químicos espalhados pela rua. A fila quase sempre é grande. Para as meninas é sempre bom levar alguns lencinhos na bolsa, pois não tem papel. 11. Se alimente bem e beba muita água durante o dia todo! Como disse, o carnaval em Olinda é intenso. Mas nãi invente de testar as comidas pesadas do NE antes da folia! haha 12. Eu levo sempre dinheiro trocado. Coloco parte em uma doleira, outra no bolso da frente e outra em uma bolsinha pequena, onde também tem uma cópia dos documentos. Nunca levo o celular. Mas se você não conseguir ficar sem, opte por um que não cause sofrimento se quebrar ou perder. 13. Leve protetor solar para retocar durante o dia. Já falamos sobre o calor de lá, não é? Itens como lenços de papel e elástico de cabelo são sempre úteis. Lee sempre o óculos de sol. Ah, e se conseguir pensar em uma fantasia que tenha chápeu, você já se protege do sol. 14. Imagine o furdunço que é quando, no final do dia, todos descem para pegar ônibus ou batalhar por um táxi. O melhor é voltar por entre 16h e 16h30, quando a multidão ainda não desceu toda para voltar para casa. 15. Tá com pique ainda? Vá para o Marco Zero. Lá rolam shows todas as noites
  4. Giovanna, os locatários geralmente pedem um valor de 50% justamente para evitarem o calote. Geralmente esses apartamentos também pedem um valor para calção, que é devolvido no último dia. É super importante nunca mandar o dinheiro sem um contrato assinado e nunca alugue sem referências ( o alugue por temporada e airbn permite que as pessoas deem um feedback, então vc tem noção do que vai encontrar). No ano passado fiquei em um apartamento em Copa, a uma quadra da praia. Estávamos em 5 para o carnaval. A dona tem vários apartamentos no prédio. Se vc quiser, te passo por mensagem privada os telefones.
  5. Oi, Crisley! Eu não sei como funciona a retirada, acho que você eles te passam um e-mail com um código de barras como acontece em outros sites de venda de ingressos. Eu achei esse número de contato do site: Central de Atendimento e Vendas Tel: (21) 2233-8151. sobre o transporte, acho que a melhor maneira é pegar um Uber que sai por volta de R$ 30. Existem ônibus tb, mas eles demoram cerca de 1 hora.
  6. Oi, Crisley! Ano passado eu fiquei no setor 13 e paguei R$ 100 tb com cambista. o Setor 3 eles estavam pedindo R$ 200 na hora para arquibancada. No site da Liesa ( http://liesa.globo.com/), que vendem os ingressos por telefone, os preços para o setor 3 são R$ 140 e 220
  7. Fiz alguns posts falando sobre o Carnaval do Rio aqui: https://pelosquatrocantos.com/tag/carnaval/ Passagem Para quem mora em regiões mais afastadas do Rio, é preciso começar a planejar com mais antecedência. Como moro no Nordeste, eu costumo ligar o alerta do Skyscanner em setembro e tento fechar a passagem em dezembro. Em outras datas eu pago entre R$ 400 e R$ 500 reais pela passagem, mas no Carnaval o preço é bem salgadinho, por volta de R$ 700. Onde Ficar Não é preciso dizer que os preços sobem muito nessa época do ano. Como até os hostels colocam preços bem salgados, a melhor relação custo-benefício, na minha opinião, é alugar um apartamento caso você vá em um grupo grande. Para quem vai sozinho, vale tentar cuch surfing. Transporte Esqueça carro durante o Carnaval. Muitas ruas são fechadas e não tem Waze que dê conta de tantas mudanças no trânsito. Além disso, os estacionamentos são caros e difíceis de achar. E eu não teria coragem de deixar o carro na rua. Tentar pegar um táxi durante os blocos é bastante difícil, já que eles são super disputados. Não é impossível, mas tem que ter um pouco de paciência. Os ônibus vão estar quase sempre muuuuito cheios e demoram uma eternidade para passar. A opção mais viável é o metrô. Assim que chego faço uma recarga no cartão no metrô . A passagem custa R$ 4,10. Blocos O mais bacana do carnaval do Rio são os mais de 500 blocos espalhados pela cidade. Tudo é gratuito e, no máximo, você vai ver algumas pessoas vendendo camisetas do bloco. Eu sempre baixo um aplicativo tipo "guia da Boa" ou "Carnaval O Globo", que em os horários e locais de saída. Segurança Em geral, acho o Carnaval do Rio bem seguro. Quase todos os blocos que fui tinha um bom policiamento e nunca tive maiores problemas. Claro que é preciso ter em mente que uma multidão de pessoas nos blocos e nos transportes públicos é o cenário ideal para os batedores de carteiras. Por isso, eu sempre levo uma doleira, dinheiro trocado ( que deixo parte na doleira e parte no bolso da frente). Na bolsa levo cópia de documentos. Eu nunca levo camêra ou celular, a não ser que seja um aparelho bem velho que não vá me fazer falta.
  8. localizada em Tibau Sul, a Praia de Pipa é uma das mais famosas do Litoral Norte. Embora ela tenha perdido a vibe alterna nos últimos anos, as praias e as beleas naturais de Pipa fazem o lugar valer muito a pena! Para quem quiser mais informações, pode dar uma olhada nos meus posts aqui: https://pelosquatrocantos.com/category/brasil/rio-grande-do-norte/pipa/ Como chegar: O jeito mais fácil é de ônibus saindo de Natal, pela Viação Oceano. É possível ver Pipa em m dia? Sim. Mas para curtir mesmo, eu aconselharia uns quatro dias. Onde Ficar Meu lugar favorito é o Pipa Hostel, que tem diárias de R$ 40. Praias Praia do Centro: Embora não seja a mais bonita, é a que recebe um maior número de visitantes por conta da localização. Como ali existem muitos hotéis e restaurantes, normalmente ela a primeira parada dos visitantes. Quando a maré está baixa é possível ir até a Praia do Amor caminhando em alguns minutos. Praia do Amor: Fica pertinho do centro, cerca de 10 minutos caminhando. Possui uma ótima estrutura de barracas e é um ótimo lugar para quem gosta de praticar kite e surf. O acesso geralmente é feito por uma escadaria "improvisada" na falésia, Praia das Minas: Acredito que seja a mais deserta de Pipa. Embora o mar seja forte, ela é boa para caminhadas. Baía dos Golfinhos: Mais ao norte e um pouco mais deserta, é o melhor lugar para avistar golfinhos. Praia do Madeiro: Essa é a praia mais bonita de Pipa! Cercada de falésias, é possível fazer caiaque, stand up paddle, surf. Além disso, é possível avistar golfinhos mesmo da areia. Para quem não está de carro, o melhor é pegar uma van pq é bem longe para ir caminhando do centro Cacimbinhas: Geralmente os turistas param apenas para fotos na parte de cima das falésias. Mas para quem gosta de um lugar mais tranquilo e praticar kite, esse pode ser um ótimo lugar. Como não possui estrutura de barracas, é sempre bom levar um lanche e água. Praia do Giz: Com águas tranquilas e também menos frequentada, o lugar tem poucas barracas e o melhor caranguejo de Pipa. Tibau Sul: Embora não seja a mais bonita, o pôr-do-sol é algo que vale a pena! Além disso, é dali que saem os passeios de buggy pelas dunas, lagoas e outras vilas.
  9. Conhecer a Chapada Diamantina inteira é praticamente impossível em uma única viagem. Acredito que para ver tudo é preciso de, pelo menos, um mês. E não dúvido nada que muita coisa ainda esteja de fora do mapa turístico da Chapada. Como tudo por ali fica muito longe, decidi alugar um carro em Salvador. Isso me deu muito mais liberdade para montar meu roteiro,fazer as coisas no meu tempos sem depender de nenhuma agência. Dia 01 Cheguei em Salvador às 5h e fui direto pegar pegar o carro. Ao contrário da maioria das pessoas que começa a viagem por Lençóis ( 420 km de Salvador), decidi iniciar por Ibicoara, bem no sul da Chapada. O caminho é longo: 530 km separam Salvador de Ibicoara, cerca de 9 horas na estrada, que é muito boa por sinal. Passar um dia dirigindo no interior da Bahia não é, nem de longe, uma perda de tempo. As cidadezinhas são muito fofas e o trajeto é cheio de paisagens lindas. Dia 02 O plano inicial era passar dois dias fazendo a Fumacinha por baixo. Iríamos acampar em uma parte da trilha, mas como estava chovendo bastante tivemos que mudar os planos e fazer tudo em um dia só. São 9 km de caminhada até a Cachoeira da Fumacinha e a trilha é MUITO difícil. A primeira hora costuma ser bem tranquila, mas ao chegar no leito do rio a trilha é feita basicamente caminhando sobre pedras, que estavam bem escorregadias por conta da chuva.Em algumas partes é preciso “escalar”, então para quem tem bastante medo de altura é melhor nem ir. Dia 03 O segundo dia foi dedicado a Cachoeira do Buracão, uma queda d’água de 85 metros. A trilha é de uma hora e bem leve, pode ser feita inclusive por crianças. O acesso é feita pelo Parque Nacional do Espelhado, que cobra uma entrada de R$ 3, e só é permitida com um guia credenciado. Os primeiros 45 minutos são um caminhada leve, pelas margens do rio e depois uma descidinha de 15 minutos até o Buracão. Mesmo vendo a cachoeira por cima, você não está preparado para o quão bonita ela é por baixo. Você chega até ela nadando por meio de um cânion, que tem algumas das formações rochosas mais bonitas que já vi. Dia 04 A ideia inicial era pegar a estrada cedo e ir direto para o Vale do Capão, que fica umas 3h30 dirigindo de Ibicoara. Mas achei que seria um ótima ideia desviar um pouco o caminho e passar por Mucugê, Igatu e Andaraí. Passei mais um dia na estrada, o que foi ótimo. É importante lembrar de deixar o tanque do carro sempre cheio. Muitas vezes você vai dirigir por um bom tempo no meio do nada e tudo que você não precisa é ficar sem gasolina em uma área que não tem nem sinal de posto por perto. Dia 05 Esse foi o primeiro dia oficial no Capão. Embora cansada, eu ainda estava super acelerada por conta do dos últimos dias e o Capão segue um ritmo próprio. Ali tudo é feito com calma, lugar é super místico e tem uma energia muito forte… você desacelera sem sentir. Caminhei um pouco pelo centrinho, que é cheio de lojas com artigos místicos. Ali também ficam alguns bares, vários restaurantes e mercadinhos. Segui de carro para a Cachoeira do Riachinho, que acabei indo quase todos os dias, nem que fosse para dar uma passadinha. Dia 06 Foi o dia de conhecer o Lago da Pratinha, que fica em uma fazenda com o mesmo nome. A propriedade é particular e é preciso pagar uma taxa de manutenção de R$ 15. Como a maioria dos rios da Chapada têm cor de âmbar, a Pratinha e Gruta Azul destoam dos outros lugares da região. Os tons de azul ali são por conta dos minerais presentes na água. Na Pratinha é possível fazer flutuação dentro da gruta ( R$ 20). É preciso alugar colete, pé de pato, snorkel e lanterna e o trajeto é todo acompanhado por um guia. Com a lanterna é possível avistar alguns peixinhos, fendas enormes e eu posso jurar que vi uma tartarugazinha passando. A Gruta Azul fica na mesma propriedade e o melhor horário para visitar é entre 11h e 13h. Não é possível nadar ali, mas nessas horinhas do dia entra um feixe de luz azul por uma fenda da gruda e isso uda toda a perspectiva do lugar. Muito massa! A Fazenda possui um restaurante. Achei a comida bem ruinzinha e o atendimento muito lento. Levaria uns lanches da próxima vez. Dia 07 A principal cidade da região, Lençóis, ficou para a reta final da viagem. Para quem quer trilhas mais pesadas é possível fazer a trilha da Cachoeira da Fumaça e a do Mosquito. Como eu já tinha tido minha cota de fortes emoções em Ibicoara, acabei optando pelo Ribeirão do Meio, que fica em uma trilha muito fácil dentro da cidade mesmo. Dia 08 Como era o primeiro dia do ano, bateu uma preguiça infinita. Aproveitei para ir nas outras cachoeiras do Vale do Capão, mas não fiquei muito impressionada. Dia 09 No final da tarde fui finalmente conhecer o Morro do Pai Inácio, principal cartão-postal da Chapada Diamantina, que fica 23 km de Lençóis.Se você estiverde carro, pode dirigir até a entrada, mas muitas agências oferecem o passeio. É possível visitar o Pai Inácio entre às 8h e 17h e é cobrada uma taxa de R$5 por visitante. O melhor horário para visitar é no final da tarde, já que ele tem uma vista privilegiada para o pôr do sol. A subida leva cerca de 15 minutos e é bem tranquila. A vista é realmente sensacional. No caminho de volta, parei no Rio Mucugezinho. A entrada fica na própria BR e o acesso é feita por uma trilha simples. Dia 10 Como era meu último dia no Capão, resolvi me “despedir” da cidade e aproveitar parte do dia tirando algumas fotos, organizando o chalé e da Cachoeira do Riachinho. Voltei para Salvador pegando a BR no sentido de Lençóis logo depois do almoço. Contei minha experiência com mais detalhes no blog: https://pelosquatrocantos.com/category/brasil/chapada-diamantina-brasil/
  10. Noronha inibe muitos mchileiros por conta dos preços altos, mas é possível conhecer e aproveitar muito a ilha gastando menos do que se imagina. Vá na baixa temporada Os preços em Noronha são mais convidativos entre abril e julho. Fomos em junho e pagamos um pacote de 6 dias por R$ 1500 por pessoa que incluia aéreo saindo de Recife, hospedagem, transfer ida e volta para o aeroporto e uma caminhada histórica que não fizemos. Muitas pessoas tem receio de viajar nessa época por conta das chuvas frequentes no Nordeste. Durante nossa estadia, realmente choveu por volta de meia hora diariamente, mas o céu estava limpinho durante todo o resto do dia. Não tivemos nenhum problema por conta do tempo nos passeios e a visibilidade da água estava ótima. Hospedagem Embora não tenha hostels ou campings, Fernando de Noronha é relativamente democrática em relação aos preços da hospedagem. AS pousadas familiares, com diárias a partir de R$ 90. Elas são mais simples e não aparecem em sites de busca. O contato de muitos é feito pelo Facebook: Graça Golfinho: https://www.facebook.com/graca.golfinho?hc_location=ufi Pousada da Iris: https://www.facebook.com/pousadairis?fref=ts&hc_location=ufi Casa de Mirtes: https://www.facebook.com/casa.demirtes?fref=ts&hc_location=ufi É comum que nas pousadas familiares eles deixem você utilizar a cozinha, então você pode preparar suas refeições por lá mesmo. Comida Para quem não tem frescura, a quentinha do Valdêncio (81 3619-1872) é uma opção muito comum entre os locais e custa apenas R$ 15. O PF vem com salada, arroz, feijão preto e filé de peixe fresco. Acompanha bebida e ele ainda entrega onde você estiver. Na Vila dos Remédios você encontra tapiocas e pastéis po R$ 8. Transporte Noronha possui uma linha de ônibus que liga a praia do Porto até a Praia do Sueste e passa pelos principais pontos. O serviço funciona entre às 5h e às 22h, com ônibus a cada 30 minutos. A passagem custa R$3,10. Para quem tem disposição, vale alugar uma bike (R$ 16 a normal e R$ 25 a eletrica). Vale lembrar que além das ladeiras, Noronha tem vários trechos sem asfalto, o que pode dificultar o caminho. No blog tem várias dicas, além de orientações básicas, sugestão de passeio, mergulho, praias: https://pelosquatrocantos.com/2016/10/05/fernando-de-noronha-para-lisos-dicas-de-como-economizar/
  11. Daniel, eu comprei o visto no aeroporto, na hora do check in e foi super simples. Ele custa 20 dólares (Paguei em reais mesmo: R$ 80). Chequei com uma amiga que foi na semana passada, o procedimento continua o mesmo. Fui pela Copa Airlines. Se você se sentir mais tranquilo, dá uma ligada para sua cia aerea e confirma. (Eu só sosseguei quando fiz isso). Se precisar de mais alguma informação, pode falar.
  12. Cuba foi um destino que sonhei por muito tempo. Talvez por ser um "sonho" tão pessoal, sempre quis fazer a viagem sozinha e muita gente sempre me questiona sobre uma mulher viajando sozinha por Cuba. A melhor coisa que você pode fazer antes de marcar sua passagem é desconstruir parte da imagem que criamos sobre o país, seja ela positiva ou negativa. Por mais que você leia, estude e acha que entenda a ilha...acredite: vc não entende até chegar lá, até se hospedar na casa dos cubanos, até ouvir os relatos de quem realmente vive Cuba. Quem vai a Cuba pode visitar diversas cidades históricas, praias que parecem proteção de tela do Windows, cavalgar por campos de tabaco, conhecer cachoeiras, rios, cavernas…. De longe, esta foi uma das minhas viagens mais marcantes. Quantos dias ficar Se você tiver mais de 20 dias, é possível conhecer praticamente todo país, incluindo a parte oriental. E, olha, vale a pena! infelizmente, a parte oriental vai ficar para uma segunda visita ao país, já que não tinha tanto tempo. Entre 15-20 dias é possível fazer com calma as cidades principais: Havana, Varadero, Vinãles, Trinidad, Santa Clara, Remédios, Cienfuegos e alguns Cayos. Para quem tem apenas uma semana Havana – Varadero- Vinales é opção viável ou apenas Havana e Cayo Largo. Visto Quando comecei a pesquisar vi que há muita confusão nas informações em relação ao visto. Na verdade, é possível solicitá-lo na hora da viagem ou nos consulados. Ao comprar a passagem, entre em contato com a companhia aerea e pergunte se é possível comprar a “tarjeta de turista” na hora da viagem. Fui de Copa Airlines, que oferecia esse serviço. Na hora do check-in paguei uma taxa de US$ 20 (R$ 80, na cotação do dolar do dia). Caso eles não tenham as tarjetas, também é possível pegar o documento no Panamá. Achei essa maneira bem mais prática. Dinheiro Pode exercer o desapego pelo cartão de crédito: praticamente todos os lugares aceitam apenas dinheiro. Na verdade, só vi cartões sendo aceitos nos resorts dos cayos. Gastei cerca de US$ 50 doláres por dia, contando com a hospedagem. Apesar de um ensaio de reaproximação com os Estados Unidos, ainda é cobrada uma multa de 10% para trocar a moeda americana por CUC, a moeda turistica cubana. É muito mais vantajoso trocar euros nas diversas Cadecas (casas de câmbio) espalhadas pela cidade. Na época que fui, o 1 Euro valia cerca de 1.08 CUCs. Como as casas de câmbio são do governo, não há variações de preço. Para quase tudo você vai usar CUCs, mas também é possível utilizar pesos, a moeda nacional. Com pesos é possível pagar passagens de ônibus, mercado e comer em algumas lanchonete. Na hora de comprar qualquer coisa preste atenção se o preço mencionado é em CUCs ou pesos, pois há uma enorme diferença: 1 CUC vale cerca de 23 pesos cubanos. Hospedagem A minha melhor decisão foi optar por ficar em “Casas Particulares” em todas as cidades. Minha viagem teria sido infinitamente menos rica sem as histórias que ouvi e sem conhecer as famílias que me hospedaram. Todos os lugares eram extremamente limpos e organizados. Reservei apenas a primeira casa em Havana. Lá eles me deram a indicação de casas em outras cidades. A diária varia entre 15 CUCs e 30 CUCs. O valor é por quarto independe do número de pessoas, então se você tiver alguém para dividir melhor ainda! O café da manhã é sempre cobrado a parte e custa entre 3 CUCs e 5 CUCs. Sempre comi muito bem nas casas: sucos, torradas, queijo, muitas frutas… se sobrar algo você pode levar para comer durante o dia ou guardar na geladeira. As casas também oferecem almoço e jantar, mesmo para quem não está hospedado por lá. Depois de ler muito, me decidi pela casa de Clarita y Orlando (20 CUCs por noite). Fiquei no apartamento da filha deles, Klensy, que é no mesmo prédio e eles foram uma das melhores coisas que me aconteceram em Cuba. Me senti visitando velhos amigos. Klensy é uma pessoa super alegre, sempre disposta a ajudar, me passou contatos de ótimas casas para as próximas cidades. Ela também me ajudou a arrumar uma casa em Havana para os últimos dias da viagem, procurou carro compartido para viagem. Sempre negocie o preço da casa. Se te cobram 25 CUCs, diga que você paga 15 e provavelmente você vai conseguir fechar em 20 CUCs com café da manhã. Faça sempre cara de quem não está impressionado, diga que vai ver outras casas e depois decide. Há grandes chances que o dono da casa aceite o preço proposto. Internet Foi-se o tempo que a ilha de Fidel era um pontinho isolado de comunicação no mapa. Em todas as cidades existem pontos de wi-fi que são facilmente reconhecidos: são famílias amontoadas em torno de um celular em uma vídeo conferência com algum parente que mora fora, diversos jovens e, claro, turistas. para acessar é preciso comprar uma tarjeta de internet, que pode ser comprada nas casas oficias Etecsa (2 CUCs por uma hora). Eles quase sempre pedem para ver o passaporte – ou uma foto dele- na hora da compra. Os hotéis cobram cerca de 4 CUcs. Em todos os pontos de wi-fi é possível encontrar algum “cambista” vendendo as tarjetas ilegalmente, por 3 CUCs. Nesses casos, você se sente como comprando drogas: ele te oferece a targeta falando baixinho, pega o dinheiro olhando pros lados e retira o cartão que está malocado em algum esconderijo, como um maço de cigarros em um arbusto. Mulher viajando sozinha? Cuba é um país extremamente seguro, mais do que cidades como Bruxelas. Paris ou Amsterdam. Não há assaltos, caminhava por ruas pouco ou nada iluminadas de madrugada e me sentia segura. É normal ver crianças brincando sozinhas em parques nada iluminados tarde da noite. No entanto, para mulheres que viajam sozinhas – ou com amigas- o assédio dos homens é constante, especialmente em Havana. É algo que irrita depois de um tempo: você sempre vai ouvir alguma piada de to-dos os homens que passam na rua, do taxista, do garçom que atende. É algo incessante e desagradável. Eu fiz um relato dos meus 20 dias por lá no blog: http://www.pelosquatrocantos.com . Ali tem detalhado minha passagem e impressões sobre cada cidade (https://pelosquatrocantos.com/tag/cuba/)
  13. Gente, devo ir no mesmo período, só que sozinha. alg tem interesse?
×
×
  • Criar Novo...