Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

lucaslaragao

Membros
  • Total de itens

    15
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre lucaslaragao

  • Data de Nascimento 21-01-1991

Outras informações

  1. CAP4: Um cagaço na fronteira: O primeiro dia em San 'Perro' de Atacama! – dia 16/01 Acordamos às 04:00 da manhã. Nada fácil. Até agora, eu não pude dormir mais do que 6 horinhas, então, o cansaço já está um pouco acumulado. Nesse último dia do passeio, tivemos que despedir da boliviana Gabriela, que voltaria para o equador, enquanto nós seguiríamos para o Chile. No lugar dela, entram novos dois companheiros de viagem, Debbie, dos EUA – uma professora de Golf e Jimmy, da Argentina – um jogador profissional de Poker. É isso mesmo, é inacreditável quão diferente são as pessoas que encontramos nessas viagens... e os dois viajavam com um dinheiro de um prêmio que o Jimmy conquistou recentemente... ANIMAL hahaha Levamos uns 30 minutos para chegar nos Geisers e estava bem cheio. Achei bem bacana, deu pra fazer mtas fotos e engolir uns quilos de enxofre hahha =D De lá mesmo conseguimos ver o nascer do sol entre as fumaças... Depois dali seguimos para o Deserto Salvador Dalí, chamam assim pois se parece muito com um quadro que ele pintou, mesmo ele nunca estado lá... era uma parte parecida com o 2° dia em que vimos vários pedregulhos. Ficamos pouco e partimos. Depois seguimos para a Laguna Verde, que não estava verde por falta de vento, segundo o Elvis. Mas é linda, dava pra ver o reflexo do vulcão logo ali, o Licancabur, já no Chile. Também logo em seguida passamos bem rápido numa última laguna, a Laguna Blanca. Depois da laguna blanca, era próximo das 10hrs e já nos dirigíamos à fronteira com o Chile. No meio do caminho, o nosso grande motorista rock n’ roll, Elvis, colocou a mesma música que tinha colocado no 1° dia, para ‘fechar’ a viagem. Bateu a maior nostalgia, a viagem chegava ao fim e sem dúvida meu mochilão começava com CHAVE DE OURO! Com um passeio irado e uma galera irada! Ok chegamos à fronteira e é aí que toda alegria se dissipou e se transformou em desespero. A fronteira era uma casinha menor que meu quarto. Tinha uma pequena fila e algumas outras vans também já na área, trazendo mais turistas. Logo que entrei, os guardinhas pediram um tal papel que ganhei na chegada na Bolívia, o documento da imigração que recebemos dentro do avião, antes de chegar no país... ok, era só procurar na minha pasta de documentos, né? Não estava lá, o canário do papel não estava em lugar nenhum. E pra piorar, os guardinhas disseram que para quem não tem esse papel, deveria pagar 300 Bolivianos........ NEM FU*!!! Voltei pra van, abri minha bolsa inteira desesperado, enquanto todos já estavam prontos e o ônibus já esperava a todos para partir para o Chile, e NADA...perguntei pro Elvis o que faria e ele estava com uma cara de... ‘brother, sei lá!’, pensei, putz, beleza, vou ter que pagar isso não acredito... só que na hora entra em cena o Jimmy, o jogador de Poker profissional, ele fala que não vai dar em nada, que ninguém ia pedir isso, que os bolivianos não tinham controle algum no sistema para perceber que eu não tinha entregue.. de que ele já fez isso várias vezes e talz.. hahaha... cara, na hora eu não sabia o que fazer, mas esse cara me deu tanta confiança de que ia dar tudo certo que eu confiei nele, mesmo não confiando... hahah, entrei no busão de ‘ilegal’ me cagando de medo de alguém fazer algum tipo de chamada com o que foi feito na casinha com os bolivianos... mas nada ocorreu, só uma lista com os nomes das pessoas lá. Fui tenso a viagem inteira de 15 minutos até o Chile... e só relaxei quando entreguei o novo papel da imigração Bolívia-Chile e tinha o carimbo que atestava estar oficialmente no Chile, pulei de alegria e agradeci muito ao Jimmy... hahahah.. certeza que os bolivianos iriam colocar os 300 bob no bolso se eu tivesse pagado... mas, não façam isso que eu fiz, aliais, recomendo que não percam esse papelzinho =p Papel fronteira https://www.google.com.br/search?q=papel+imigra%C3%A7%C3%A3o+bol%C3%ADvia&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwip9MHcvtPNAhWKlZAKHQdmA0sQ_AUICCgB&biw=1366&bih=643#imgrc=wNFU1CtGgjY8dM%3A É só você passar a cancela da ‘fronteira’ que tudo começa a mudar repentinamente. Placas, sinalização bem feita, a estrada ótima e bem pintada... enfim chegávamos ao Chile! Saíamos do país mais pobre e íamos para o país mais desenvolvido da Am. Latina, é chocante a experiência... Wi-fi! Comida boa! Um pouco mais de conforto... Salmão! Hahahah... estávamos animados. A imigração no Chile foi de boa. Rápida e sem perguntas. Você ganha um papelzinho dentro do ônibus mesmo para preencher antes das filas. Estava quente viu... putz, devia estar mais de 30 graus e aquele clima seco que não ajuda em nada. A primeira impressão do Atacama foi ótima. Uma pessoa na rua parou para ajudar a gente, sem ao menos pedirmos ajuda e nem pediu proprina por isso! Os cachorros eram mais limpos, mais bonitos e pareciam até mais alegres e saudáveis que os pobres cachorros da bolívia... kkkk e é pela quantidade de cachorros que também chamam San Pedro de Atacama de San ‘PERRO’ de Atacama.. haha. A cidade é super jeitosa, parece um vilarejo, super roots, LOTADA de turistas e cachorros e mais cachorros... eles entram nas agências e até fazem tours.. =P Era mais ou menos 12:00 quando chegamos no Chile e dava pra fazer ainda algum passeio hoje, por isso fomos correndo trocar moeda, comer rápido, encontrar o hostel e ir direto já fechar o passeio do Valle da Luna hoje, que começava às 16hrs. Para trocar moeda, tinham várias casas de câmbio, então fomos de uma para outra, nos dividimos em 3, depois nos juntamos para verificar a melhor cotação. Fechamos a 715 por dólar na época, uma cotação até boa! Também aproveitei e troquei alguns pesos chilenos posteriormente com outros brasileiros... isso é uma ótima ideia pra quem tem alguns restos de moedas ou pouco dinheiro de um país que não vai voltar mais, geralmente acaba se conseguindo uma cotação bem legal também... Almoçamos salmão com batatas frita e suco de pêssego, tudo por 4000 pesos (+- 6 dólares, pouco mais de 20 reais, ou seja, de boa!)... estava tudo incrível, neste momento, zero saudade da Bolívia... hahah, é foda como ficamos comparando tudo né. O nome do restaurante é Cafeteria Yalí, acredito que seja na calle Caracoles, uma das ruas que partem da pracinha principal. Ficamos no Hostel Backpackers San Pedro, que saiu bem em conta (já adiciono quanto paguei) > fotos aqui: https://www.tripadvisor.com.br/Hotel_Review-g303681-d2502155-Reviews-Backpackers_San_Pedro_Hostel-San_Pedro_de_Atacama_Antofagasta_Region.html O hostel tinha um preço legal pro Atacama, com um ambiente bem jovem e ‘relax’... Deixamos nossas coisas lá na recepção mesmo e fomos fechar o passeio. Como tínhamos pouquíssimo tempo, só olhamos duas agências. Acabamos fechando na Colque Tours por 8000 + 3000 de entrada no Parque. Era um preço em conta na época, pelo que tinha pesquisado. O guia foi normal, mais calado no durante, mas sempre fazendo as explicações. O microbus era confortável e com ar. Junto com a gente tinham um grupo de 4 brasileiros que vinham de moto do Brasil até o Chile. Eles chamavam o guia de Evo e zuavam tudo... logo ficamos amigos e foi bem divertido. Após o Valle da Luna, seguimos por alguns caminhos entre pedras e fomos ver as Três Marias... uma formação que foi quebrada por um turista alguns anos atrás, por isso não podíamos nos aproximar mais... (fiquei imaginando a sensação do cara de quebrar uma obra de arte da natureza milenar... kkk) Após as 3 Marias, fomos ver o pôr do sol, no Valle da Morte. Um pouco antes, nosso guia o Evo, fez uma explicação muito bonita - sob rajadas de vento - sobre o Por do Sol, que significava uma renovação. Fez isso e apontou para um dos brasileiros que tinha caído de moto.. foi mágico e um momento bem espiritual... todos ouvimos atentamente e em silêncio. O pôr do sol nesse terreno exótico foi indescritível... Uma coisa que ví em outros relatos é que alguns tiveram a tal Piedra Del Coyote onde puderam ver o pôr do sol. Nós não passamos nela, mas subimos nesse morro que era um dos pontos mais altos da área do Vale da Morte e valeu muito a pena mesmo assim, verifiquem isso antes. Chegamos de volta à vila próximo das 22hrs. Como a maioria das agências já estavam fechadas, só deu tempo de fechar lá na Colque Tours mesmo. Fechamos os outros dois passeios que queríamos fazer: Lagunas Altiplanicas por 40000 + 5000 entrada e Salar de Tara por 73333 pesos chilenos. Os valores caíram um pouco porque pechinchamos e estávamos em 3 pessoas. No caminho de volta para o Hostel passamos num pequeno mercado onde compramos macarrão, molho, bananas, água e fizemos um rango tarde da noite. Foi 3500 para cada um. Voltamos pro Hostel e sobrava pouco tempo para acessar wi-fi, dar um alô para família, tomar banho e se preparar para amanhã, o passeio das Lagunas Altiplânicas, às 07hrs da matina. Gastos: - Almoço: 4000 pesos chilenos - Passeio Valle Luna + Valle Morte: 11000 pesos chilenos - Passeio Lagunas Altiplânicas: 45000 pesos chilenos - Passeio Salar de Tara: 73333 pesos chilenos - Mercado: 3500 pesos chilenos TOTAL: 130 dólares Próximo capítulo: Lagunas Altiplânicas e o INCRÍVEL Salar de Tara
  2. CAP 3 - Na Bolivia 'Tudo es posible, pero nada Seguro' - Dia 03 Acordamos por volta das 06:30, e tomamos o café da manhã simplão. Hoje seria o dia mais divertido e longo, muitas atrações para ver: lagunas altiplânicas, aquelas belezas de lagoas coloridas lotadas de flamingos, Árbol de Piedra e o Deserto de Siloli. Nesse dia estava me sentindo bem mais disposto... o que concluí foi que a altitude tinha me pegado um pouco desde que tinha chegado... mas no geral em Uyuni, nos 3 dias, eu mal senti efeito da altitude. No caminho, a primeira parada foi num trilho de trens para tirar umas fotos. Lá deu pra se divertir com as pedrinhas. Saímos de lá e seguimos por esse caminho bonito, rodeado de montanhas e vulcões. Tinha montanha tanto à direita como à esquerda... todas naquele mix de cores laranja, vermelho, cinza, verde claro...Eu estava bobo... tudo era tão incrivelmente bonito e diferente do Brasil... ãã2::'> pelo menos aqui no ES as ‘montanhas’ são todas baixas e chapadas, nada de picos igual uma seta apontando pro céu. À esquerda já era o Chile. Depois fomos para próximo de uma fronteira com o Chile, com mais um cemitério de trens. Esse era mais feio e não era tão bom para o parkour como o primeiro hahah...Num dos vagões eu encontrei um cara que estava simplesmente acampando alí... hahaha esse é corajoso... No fim achei parar lá desnecessário, podíamos ter pulado. A terceira parada foi numa espécie de mirante, onde vimos o vulcão Ollague ao fundo. Eram umas formações geológicas de cor alaranjada, cheio de curvas. Depois disso fomos ver a primeira laguna, a Cãnapa. Nela passamos muito rápido e depois fomos almoçar na segunda laguna, a Hedionda. Saímos antes e fomos caminhando na beirada dela. Elvis foi na frente para preparar o almoço. A lagoa é bem bonita, deu pra ver os flamingos de perto. Até tentei contar hahahaha, mas parei nuns 300 e poko... devia ter mais de 2000 lá fácil... ãã2::'> O almoço foi bacana! Um frangão empanado que parecia uma panqueca e um macarrão ok, mas estava tudo muito bom! Lá descobrimos que a coreana Isabel não gostava do nome dela... (Na verdade o nome dela não é Isabel, é costume de chineses, coreanos e países em geral com nome difícil terem um nome ‘ocidental’). Fiquei pensando que maneiro seria poder escolher um segundo nome... hahahahaha.. Ela diz saber diferenciar chinês de coreano, de japonês... daí eu aponto para um casal em outra mesa e ela diz serem chineses. Fui perguntar e eram Taiwaneses... kkkkk.. acho que é realmente impossível diferenciá-los. Ao sair do local, quando ajeito meu óculos no rosto, um barulho, TEC! Ele se parte... =’/ foi triste , deu ate pra usar uns dias, mas depois ele se esfacelou todo.. no Chile foi um pouco ruim estar sem ele, é muita luz gente, invistam bem num óculos bacana e confiável. Saímos de lá e pegamos um caminho bem longo, rumo a algumas lagunas e ao Árbol de Piedra... Colocamos todo tipo de música, e quando o Elvis gostava, ele estendia um papel para a gente anotar o nome da música hahah... Lá ele fez várias piadinhas... perguntou se conhecíamos a Biscate boliviana... disse que veríamos ‘logo ali’... na verdade ele estava falando é da Biscacha, um roedor que parece um coelho e que se esconde em pedras no deserto hahaha... Logo depois, passamos bem rápido pela laguna Honda e por uma outra laguna que não lembro o nome... Segundo o Elvis, não era muito normal parar alí não. Passamos por um caminho muito estreito, era tipo um vale com pedras de todos os tipos de tamanho. Pareciam que iam rolar por cima da gente a qualquer momento =p Segundo Elvis, eram pedras de erupções antigas... Acabamos chegando na parte mais alta do deserto de Siloli, um dos desertos mais áridos do mundo. Estava a mais de 4500m de altitude (estou sem fotos =/) Depois fomos para o Arbol de Piedra. Sou suspeito, mas eu achei aquele lugar o mais completo do dia, quase um PARQUE DE DIVERSÕES hahahaha, a ‘árvore de pedra’, não foi nada se comparado ao ‘resto’ kkk... Ao lado do Arbol tem imensas pedras recortadas de uns 4 metros pra cima, próximas umas das outras... escalei todas, sem exceção, , macaquei muito mais que no cemitério! Sério, pra quem gosta de escalada ou parkour, aquele lugar é um paraíso, além de muito bonito! O engraçado é que muita gente pode se machucar lá, mas no geral na Bolívia, não tem cercas, avisos ou guardinhas tomando conta de você ou das coisas... se você quiser entrar na laguna pra brincar com os flamingos, fique a vontade! Só vai sentir uma leve coceira nos seus ossos... hahaha... foi meio que nesse contexto que o Elvis depois falou: ‘Na Bolivia, tudo es posible pero NADA seguro’ Kkkkkkkkkkkkk... Logo depois fomos para a tão esperada Laguna Colorada. A mais bonita do passeio! Para entrar lá, pagamos outra taxa, pois ela fica dentro do Parque Avaroa. A entrada custa 150bob. Não perca isso - os guardinhas estarão loucos para te cobrar novamente - Chegamos lá meio que em cima da hora. Elvis diz que, por causa disso, teríamos que ficar só 20min... A lagoa é espetacular, tem um tom rosado/vermelho junto com a maior quantidade de flamingos entre todas as lagoas, mais de 11mil, com uma vista repleta de montanhas e vulcões ao fundo, sério, é surreal esse lugar, colocaria fácil numa das 7 maravilhas do mundo... Fiquei inconformado por ser só 20 minutos, tentei aproveitar ao máximo tudo, mas é difícil ‘sentir’ o lugar nessa correria... uma hora, tentei ver a lagoa do outro lado, onde tem menos turistas, e quando estava indo, vejo o resto do grupo já entrando no carro, ‘Putz, vou atrasar geral’, por isso comecei a correr para chegar logo perto da lagoa, para ver e voltar. O que eu não imaginava é que, a 4700m, correr não era nem um pouco aconselhável... Voltei pro carro muito ofegante, faltava muito ar, fiquei um bom tempo sugando ar até me acalmar de novo.. hahahaha... não tem MESMO oxigênio..., não vem nada, não importa o quanto você respire fundo.. hahahah Dica: Galera, a lagoa colorada, é, sem dúvida, o ponto auge do passeio. Não foi nada legal chegar naquele paraíso e só ficar 20min, foi uma das coisas que a Cordillera pecou ao meu ver, por isso, saibam antes bem o roteiro, tracem antes com o guia e converse com seu grupo para priorizar os lugares que querem ficar mais tempo! Também vi, no relato do Rodrigo, que o guia deixou eles na Laguna e eles voltaram andando. Se eu tivesse lembrado dessa ideia eu com certeza optaria por isso. No fim, achei esse dia, muito cheio de atrações, com todas meio corridas. Podiam ter passado por menos lagoas e dar mais tempo para a Colorada, ou poderia eliminar o outro cemitério de trens... Peço desculpas pro pessoal.. e seguimos para ir embora, achei que fosse levar horas, mas o hotel é logo alí mesmo, dentro do Parque Avaroa, não deu nem 15 minutos, fiquei bem bolado na hora, pra quê a pressa se o hotel era logo ali? O hotel dessa vez não é de sal e tem uma estrutura melhor. Também parecia um hotel só para clientes da Cordillera, o que foi legal, realmente parece que eles tem uma certa exclusividade, mas não sei como é com as outras agências... Alí esfriou bem mais que no primeiro dia #sepreparem. É bom lembrar que o banho quente custou 15bob. Não deixei de tomar depois desse passeio hardcore e cheio de poeira... O jantar foi sopa e macarrão, tudo ok =) Depois tomamos banho e compramos uma cerveja por 10bob (QUENTE) mas foi, depois daquele dia cansativo, não podia faltar uma cervejinha pra fechar a noite! hahaha. Dormimos logo, amanhã seria o dia dos Gêiseres e teríamos que acordar cedin às 04:00. -- Gastos dias 03 – Uyuni 2° dia Cerveja: 10 bob Banho quente: 15bob Entrada Parque Avaroa: 150bob Total: 170bob = US$ 25.17 Próximo Capítulo: Um cagaço na fronteira: O primeiro dia em San 'Perro' de Atacama!
  3. Vale muito a pena! Seu esforço não foi nem um pouco em vão... e me fez querer também retribuir! É assim que a gente fortalece o mochileiros valeu!!
  4. (...) continuação: CAP 2 Depois de comer, sozinhos alí no nada, fomos fazer as fotos de perspectiva *-* Foi divertidasso... soltamos a criatividade e o Elvis ajudou muito a gente! Foi super disposto, deu várias ideias, se jogou no chão para tirar uma foto melhor que a outra e deu dois dinossauros para a gente o ‘Luis Mario’ e o ‘Luisinho’... haha Caso vcs queiram fotos maneiras, é importante levar uma boa câmera, que seja diferente de uma GOPRO (como foi meu caso – a GOPRO abre a imagem e impede fotos de perspectiva assim), graças a meus amigos que eu consegui essas fotos. Depois de relaxar, curtir e tirar 1212919 fotos , saímos para o próximo destino: A Isla Incahuasi. Um dos lugares que mais gostei. Muito exótico! É como se fosse uma ‘ilha’ no meio da brancura do deserto de sal, com cactos milenares e uma vista sensacional. É bom lembrar que a entrada não está inclusa no passeio, custou 30bob! Ficamos em torno de 1h lá. É rápido e fácil subir até o topo. Ao descermos já era perto de uns 17hrs... daí lembrei do tal ‘Pôr do Sol no Salar’ que o @Rodrigovix falara tão bem... Mas não foi possível , o Elvis disse que o pôr seria tarde e que teríamos que chegar logo no hotel para o jantar. Também disse que fica escuro rápido e que, até o hotel, era +- 1h:30. Então, infelizmente, para nós não rolou. Na volta, um sol infernal, e eu sentado alí na frente, ao lado do Elvis, com um puta sol na cara . Como sou bem branquelo, brinquei que ‘eu não pego cor, pego CANCER’ e dai o Elvis, entendeu que eu estava reclamando e começou a dar lições de moral e sabedoria, de que se estamos na Bolívia e alí no deserto, devemos lançar mão de nossa zona de conforto e aceitar a natureza como ela é O hotel era de sal mesmo! Lambi a parede para verificar! .. enfim, chegamos e já tinha uma galera nesse primeiro Hotel. O que achei bacana era que os carros do lado de fora eram tudo da Cordillera, ou seja, me pareceu que o hotel só recebia gente dessa agência. Na sala principal, em poucos minutos encontramos brasileiros (é incrível como estamos em todos os lugares..). Fizemos rápido amizade e fomos tentar ver o resto do pôr do sol enquanto o lanche não estava pronto. Já esfriava muito rápido. O lanche foi bem sem graça... café solúvel, leite em pó, poucos pães para cada um... com isso, já estava me acostumando a ter uma expectativa MUITO baixa para os ‘banquetes’ na Bolívia... e foi pensando assim que tivemos uma surpresa das mais incríveis no Jantar.. hahahaha ... Primeiro veio uma sopa e pães para o nosso grupo. Logo que acaba, a Coreana vem e fala ‘Não tem mais nada não?’ eu falei ‘Olha, eu acredito que não, se tem uma coisa que eu aprendi aqui é a ter baixa expectativa’ blabla.. quando nos vem o segundo prato... Coxa de Galinha recheado de batatas fritas em volta! Hahahah, foi surreal! Foi tão inesperado que a Coreana deu um grito de alegria hahahah... comemos felizes até cansar. O fim da noite foi tomar um banho pra tirar a nhaca e se preparar para o próximo dia. Eu e Leo demos uma volta na vila, mas estava completamente sem iluminação. O céu alí já era repleto de estrelas, muito bonito. Mal deu tempo para jogar um jogo ou conhecer outras pessoas. Logo estava tudo apagado e fomos dormir. -- Gastos do dia 03 (Inicio Passeio Salar de Uyuni – dia 01) - Desayuno migué: 15 bob - Misto para realmente matar a fome: 15 bob - Água 4l: 12bob - Papel Higiênico: 2bob - Chips Ahoy: 12bob - Passeio Cordillera: 850bob - Entrada Isla Incahuasi: 30bob TOTAL: 936 bob (US$ 130.35) *1 dólar = 6,95 bob
  5. Cap2: Brasileiros are everywhere, um bom time e o início do Salar Chego as 05 e poko da matina em Uyuni, depois de uma noite bem mal dormida. Fico me perguntando por que não trouxe dramin... Logo ao sair, um susto. Frio do kcete!!! Eu estava só com um casaco fino. Minhas orelhas começam a congelar e busco a minha toca rápido enquanto sofro um ataque de vendedores de tours de Uyuni, sobretudo da Betto Tours (muito recomendada por alguns brasileiros). Digo não a todos, pois não queria fechar alí na hora. Já tinha em mente fechar com a Esmeralda Tours – com muito boas referências aqui. Estava escuro ainda e eu não tinha ideia de onde ir. Não tinha quase ninguém na rua... fui andando e perguntando, onde é a praça das agências, até que uma moça me aborda e pergunta se queria um café da manhã por 10bolívianos, embarquei na hora! Chegando lá, adivinha? Era 15. Pqp... tá de brinks né? Se tem uma coisa que eu odeio é ser passado a perna, ser taxado de trouxa, por esses caras malandros de tours... e lendo relatos, eu sabia que tinha muito disso na Bolívia! Cuidado galera! Ao chegar, vejo que o local do café da manhã é do mesmo espaço da Betto Tours – booooa estratégia galera! Haha. Sento e tomo um café da manhã simplão, por 15bob vem café solúvel ruim ou chá, geleia e manteiga (numa quantidade mínima) e um pão redondo. Lá já estava cheio de turistas. Quando estava iniciando meu café, vejo uns dois carinhas passando para ir na mesa ao fundo, uhmmm.. bolsa de marca meio conhecida, aquela calça de sempre, botas meio suspeitas, o cara era moreno... enfim, me cheirou a brasileiro e na hora gritei. ‘Ei, vcs são brasileiros?’. Quando fui ver, uma surpresa, era o Leonardo, um amigo que tinha encontrado aqui no Mochileiros e tinha trocado uma ideia pelo site. Era possível encontrar ele, mas não era certo... aquela coisa, ‘se você estiver lá a gente se fala’. Cagada né! Estava ele e o primo dele, o Alexandre. Nesse momento, fui super sortudo, pois acabei conseguindo um grupo para poder pechinchar e fazer a trip do Salar de 3 dias. Uma das minhas maiores preocupações, era o grupo que iria estar comigo nesses 3 dias... dependendo, pode ser um grupo chato, pouco animado, que só fica dentro da van o tempo inteiro... e com brasileiros eu sabia que a zuera seria certa! Fechando o Passeio Lá pras 08hrs as agências começam a abrir...elas ficam dentro e ao redor da praça principal, muito fácil de achar e todos sabem, não se preocupem. Diferente de mim, a Cordillera era a primeira opção do Leo. Segundo ele, por lá sairia mais de 1000 e pouco bolivianos, pois eles tinham reservado antes. Uma coisa que tinha lido, era que fechar previamente passeios da Bolívia era cilada. Eu esperava fechar a 900bob no máximo na Esmeralda, daí resolvemos tentar nos dois e ver qual que oferecia os melhores serviços e preços. Também não queria o mais barato. Desconfie do mais barato na Bolívia! Antes de começar as negociações, pensei minhas estratégias pra pechinchar : 1) Pede pra explicar o serviço e espera o valor. Faz um ‘uhmmmmm’ e cara de pensativo e espera pra ver se ela fala.. ‘ah, mas posso te dar um desconto X’... (legal dai vc vai pra próxima etapa); 2) Se ela não te fez um preço melhor, PEÇA um preço melhor. É bem provável que ela abaixe. Mesmo ela já te fazendo um preço melhor sem você pedir, peça de novo. Ela abaixando ou não você tenta mais uma estratégia; 3) Se nada aí em cima der certo, ou se você ao menos, conseguiu um desconto, pergunta pra ela se ela faz um preço melhor se você chamar mais amigos. Geralmente eles abaixam! *Isso funcionou de certa forma em todos os passeios em todos os países kkkk, vale o mesmo para a compra de moeda! :'> :'> No fim, fomos e voltamos na Cordillera e na Esmeralda umas vezes. Percebemos que era basicamente o mesmo roteiro e o no final, foi o mesmo preço! Acabamos sentindo mais confiança na Cordillera. Eles pareceram mais profissionais e ela nos ganhou falando que iria uma moça que era tipo uma ‘fiscal’ com a gente, que analisaria todo o passeio para fazer uma avaliação... dai né, pensei, ‘os caras não são loucos de mandar mal com a fiscal..’ e fechamos lá mesmo. Uma coisa que ficou claro em todo o passeio da Cordillera, é que eles são bem restritos com o horário, pelo menos com relação à volta! Tínhamos sempre que chegar no horário certo no hotel, e esse foi um dos argumentos do guia para a gente não ficar para o por do sol no primeiro dia... O que eles pecaram - que foi mais erro do guia na minha opinião - foi no final 2° dia, que ficou muito corrido e ficamos com pouquíssimo tempo na Laguna Colorada, a lagoa mais bonita de todas as lagoas dos 3 dias. Depois falo melhor sobre minhas impressões gerais sobre a Cordillera. O Roteiro - Salar de Uyuni passeio 3 dias 2 noites pela Cordillera: Dia 1: Cemitério de Trens + Monumento Rally Dakar + Passeio no Salar + Isla Incahuasi Dia 2: Passeio Lagunas Altiplânicas: Laguna Honda, Hedionda, Cañapa, Arbol de Piedra + Laguna Colorada Dia 3: Geisers ‘Sol de la Mañana’ + Termas de Polques + Deserto Dali + Laguna Blanca + Laguna verde + Transfer pro Atacama *Não inclusos no valor: Entrada Isla Incahuasi (30bob) + Parque Avaroa (150bob) **Com hotel e comida. Banho quente somente no primeiro hotel. Incluso transfer pro Atacama ***TOTAL: 850 Bob Outra preocupação pertinente é com o guia. Acho que vocês já leram muito que isso é igual loteria né, tem guia bêbado, tem guia chato e sério, tem guia que apressa todo mundo... e tem guias que caem de cabeça na viagem, se divertem e viram seu amigo! Perguntamos muito sobre esse guia, se ele era da companhia, se ele era bom... enfim, perguntei muito para ter certeza de que ela tinha certeza de que o guia era bom e sabia do que estava falando... hahahah No nosso caso, foi o Elvis, isso, o Rei Elvis Presley Um moleque novo, de 25 anos, super alegre. Ele foi excepcional com a gente! Fez a viagem ser muito mais maneira! Deixou a gente colocar música, contava inúmeras piadas e dava conselhos sábios hahaha. Após fecharmos , fomos num mercado ao ar livre para comprar papel higiênico, bastante água, alguns snacks (comprava Oreo direto, Chips Ahoy...). COMPRE MUITA ÁGUA! Você ficará por 3 dias viajando no meio do nada, a água depois é mais cara, então compre no mínimo um galão de 5L para você ou 2 ou 3 garrafas de 2,5L que fica mais fácil de carregar. Às 10:30 em frente a Cordillera, encontramos os nossos novos amigos: A ‘fiscal’ – Gabriela, boliviana, e a coreana Isabel. Fiquei felizão de saber que seria um grupo internacional e também um grupo pequeno – 5 pessoas! A maioria das agências coloca 6 pessoas. 7 eu não sei se acontece na Pickup. As meninas pareciam bem simpáticas e divertidas! O carro era daqueles off-road 4x4, tudo OK. Tudo vai em cima, por isso, coloque tudo que você precisa na sua bolsa menor ou de ataque. Nesse primeiro dia (pra quem vai no verão) não é necessário pegar casacos pesados. Só o basicão do Brasil. Embarcamos. Dica matadora: Se você é grande ou quer mais espaço, nunca vá no fundo, fique no meio. Na frente corre o risco de você tomar muito sol, não é tão ruim, mas no fundo é osso, sério! Tirando a parte do Salar, a estrada te faz quicar na velocidade 7 da dança do crew. Treme muito e seu popozão não vai aguentar. Você não vai conseguir tirar uma soneca esperta, porque vai ficar quebrando pescocinho a viagem toda. É infernal (experiência própria). A primeira parada foi no cemitério de trens ou um parquinho altamente perigoso e divertido no meio do deserto, ou até mesmo um local perfeito para parkour. É interessante ver os vagões e toda a estrutura lá, no meio do nada, mas nada imperdível. Quando chegamos lá pras 11hrs estava um pouco cheio de turistas. Gente pra tudo quanto é lado, subindo nos trens, entrando nos vagões e vários fazendo macaquices. Ficamos imaginando muito quantos acidentes deveriam ocorrer lá. Aos poucos fui vendo que o grupo era bem divertido e todos entrosaram bem rápido! Ficamos uma meia hora. Resolvemos ir logo para fugir dos turistas. Isso é algo importante! Se você conseguir um guia bacana, combina com ele de dar umas fugidas dos outros turistas, ir em horários alternativos...! Aos poucos fomos entrando no Salar propriamente dito. Era dia 14 e infelizmente ele não estava alagado... =’/ É incrível aquele lugar... um branco sem fim... Elvis podia ter colocado 180km/h lá, mas ele mesmo não passava de 80km/h. Era bem contido no quesito segurança. Fizemos algumas poucas paradas rápidas e fomos rumo ao monumento da Dakar e, ao lado, uma parte onde tem várias bandeiras de países, incluindo uma do Atlético Mineiro (imensa), Corintians... hahahah que tomavam lugares de outros países. Depois, teríamos almoço. Elvis deu duas opções: Comer numa estrutura coberta ao lado do monumento ou comer no meio do nada no Salar. O que vocês acham que escolhemos? Fomos comer no meio do nada de sal! Os rangos quem prepara sempre são os motoristas. Eram simples, mas saborosos, nada de luxo. to be continue....
  6. Valeu galera Adicionei umas coisas sobre os busus, muito necessário a saber para quem viaja na bolívia!
  7. CAP 1 – Aquele começo cansativo... – dia 01 e 02 Era minha segunda trip sozinho. Ano passado 2015 em janeiro, eu tinha viajado para a Argentina por duas semanas e foi uma experiência maravilhosa! Lá tinha prometido pra mim, juntar mais dinheiro para gastar mais em viagens, menos em materiais. E era isso que um ano depois estava fazendo novamente... bate aquela ansiedade boa... quem eu vou encontrar? Que paisagens vou ver? Que perrengues vão acontecer? Eu iria sozinho, mas a decisão não era de ficar sozinho. Antes de embarcar no Aeroporto de Vitória, vem um amigo que insistia em me encontrar. Ele aparece com uma caixa de Redbull e me dá um convite para participar de um desafio da Redbull. Que surpresa! Calculei e percebi que teria apenas uma semana quando voltasse da viagem pra fazer o vídeo e participar do desafio. Mofei por umas 11 horas e fiquei pensando no que ia fazer pro desafio, até embarcar as 23h no voo de noite para Santa Cruz de la Sierra, a Bolívia me esperava. No voo, recebo o papel da imigração. Preencho ele todo e passo rápido (por favor, não percam isso... vocês vão ver lá na frente, a merda que deu). A fila de brasileiros era extensa. Reduzo em 2 horas o horário e vejo: Eram 00:40 ainda, e meu voo da Amaszonas para Sucre era só as 10hrs da manhã. Putz, já estava catinguento de ter ficado esparramado em Guarulhos e ia ficar mais 10h jogado no chão da Bolívia tentando dormir (o que obviamente eu não conseguiria). Vale lembrar que a Amaszonas me trocou o voo, que era as 7hrs, e passou para as 10hrs (isso faltando apenas dois dias, recebo por email). Então acabei mofando mais no aero. Como eu estava com fome, fui na casa de câmbio trocar uns Bolivianos, lá eu pude encontrar uns brasileiros e fui rápido fazendo amizade. Encontrei um mineiro gente boa que iria ver novamente, na cagada, só no final da viagem, Rodrigo Maciel. A cotação estava 1 dólar = 6,85bob (cotação levemente ruim na época, que girava mais lá pra 6,95), então, comprei pouco só pra comer ali no aero e depois trocaria em Sucre (6,95, o real estava 1 real = 1,60 Bob, façam as contas, fica pior) ou Uyuni. Ok né, alí na fila da casa de câmbio do aero, percebi que eu seria o único a mofar no aero, a maioria ia para um hostel. Fiquei lá, mas encontrei 2 brasileiros e mais um outro que morava lá e estudava medicina, o Ítalo. Foi bom conhecer ele, ficamos conversando muito sobre o país, já que ele morava lá há um bom tempo. Deixou claro para não comer nada na rua (kkkkkkk) que existem problemas sérios de higiene... e suas outras impressões. Comi um pedaço de pizza no Aero, o pior investimento da minha vida, a pizza era bem gordurosa e com cara de feita há uma semana, custou 4 dólares, nada barato. Naquela hora quase tudo estava fechado, não tive opção. O aero parecia bem seguro, me esparramei lá no segundo andar e próximo as 9 embarquei no terminal para ir a Sucre. O voo que era para 10:30, atrasou e só entrei lá pras 11:15. Uma pena, a Bolívia já estava me parecendo desorganizada. Cheguei em Sucre logo depois, o voo é bem rápido. Lá na saída faço amizade com uns franceses. A ideia é nunca pegar taxi sozinho né, haha, fui com eles depois de negociar um pouco com os taxistas lá fora (tudo é pechinchável, não tem preço certo, tudo, tudo mesmo, é negociável, aproveite para testar seus dotes de negociador). O taxista falava pouco e se chamava Euro, haha, brinquei com ele. Saiu 40 bob o total do Aero ao centro, se não me engano, como dividimos, ficou 10bob pra mim. A gente iria primeiro trocar dólares (o taxista mesmo parou e esperou a gente, do lado da calçada) e depois desembarcar próximo à rodoviária, para comprar a passagem para Uyuni para o mesmo dia (para poder chegar lá cedinho). A rodoviária é tristona, sério, bem suja, pedintes, cachorro pra tudo quanto é lado... Por indicação, fui na 6 de Octubre e paguei 70bob para sair as 20:30 e chegar lá cedinho às 05 da matina. O ônibus foi basicão, nada demais, um pouco sujo e tem boliviano até no teto... haha mas tinha gente no corredor... não sei como aguentaram. Sucre me pareceu bem feiona, como fiquei pouco e só andei perto da rodoviária e o caminho de taxi, só vi uma faveleira. Tem gente que fica lá um, dois dias, mas eu não tive vontade não... Assim, não hesitem em pagar para um ônibus melhor na bolívia, como já dito aqui inúmeras vezes, os ônibus são geralmente parecidos (velhos) e podem quebrar no caminho (acreditem, rolou comigo, mas em outro país, cenas do prox capítulo haha). Os preços giram por aí mesmo, 70bob e só a 6 de Octubre e mais uma que não me lembro, fazem direto para Uyuni. Os horários não passam de 20:30 ou 21:00 para a saída para Uyuni direto. Também tem aquela outra opção de ir para Potosí e de lá comprar outra passagem para Uyuni, que saem de 30 em 30 minutos vide alguns relatos. De qualquer forma, gravem as boas companhias e vão nelas, pq há muitas lá! E todas parecem meio iguais... Ahh... vale lembrar que não tem banheiro, geralmente na Bolívia o busu não vai ter banheiro, eu inclusive viajei em um na volta para Santa Cruz, que tinha, mas estava fechado! Durante a viagem, uma hora eles pararam (era de madruga, sei lá que horas) um frio considerável, mas foi a primeira mijada mais bonita da viagem até então! O céu estava estreladasso! As Cholas levantavam a saiona e agachavam alí mesmo, na tora... hahahaha Eles ligam as luzes na nossa cara direto, por qualquer coisa... param muito para pegar gente no caminho.. ou seja... mal dormi, e estava mal dormido já há quase 3 dias.... Agora que tinha o ticket do busão, fiquei mais tranquilo. Mas eu estava morto, não tinha dormido e com aquele sebo catinguento. Eu queria um hotel só prum banho rápido e pra poder dormir um pouco. Daí rolou uma coisa legal, encontrei um outro cara que parecia um mochileiro e estava meio puto com uns dois hotéis que estavam abertos, mas não tinham ninguém na recepção. Como eu também fiquei de cara com isso, fiz amizade com ele e fomos procurar outros hotéis. Não lembro o nome dele, mas era um boliviano que trabalhava na estatal de petróleo do governo da Bolívia. Ele, ao contrário da maioria, parecia ter boas condições. Achamos um hotel marromenos e quando eu chego lá, eram 60bob para um quarto individual por noite, putz! #caro!! Como eu ia ficar só 6hrs, tentei negociar, mas não rolou. O que acontece é que o cara vem e insiste pagar a diária pra mim, pois ele tinha direito àquilo e que ele podia bancar pois vinha da estatal. Minha mãe me disse que ele tava me querendo, hauhahua, ele não parecia ter interesse em homens, #nemeu , mas o cara insistiu muito em pagar, pegou a chave e vazou pro quarto dele. Eu pensei, tô podre, com dor de cabeça (a soroche, mal da altitude, batendo de leve), morrendo de sono, cansadão, não achava mais nenhum hotel... quer saber? Aceitei mesmo. Agradeci bastante a ele! Que pessoa boa, fiquei surpreso! Subi e tomei um banho tão frio que lavou a sujeira a alma e todos os pecados. O quarto era simplão. Logo depois fui num supermercado e comprei muita água, bananas e uns snacks, pensando na viagem. Comi e tomei o Diamox, o remédio pro mal da altitude. Eu sentia uma dor de cabeça leve e me sentia meio tonto, meio lerdo... depois disso desabei na cama. Acordei em cima da hora e fui correndo. Cheguei lá 20:34, 4 minutos atrasado, todos já estavam no ônibus e o motorista faz uns gestos meio puto pra mim. ‘Caraio, o ônibus sai no horário! Quase perco!’. Subestimei a Bolívia e exagerei no jeitinho brasileiro. Prometi não repetir isso novamente =P -- Gastos do dia 01 - No brasil ainda - Croissant Starbucks: 10 reais - Café Starbucks: 10 reais TOTAL: 20 reais Gastos do dia 02 - Santa Cruz e Sucre Câmbio Aeroporto: 1 dólar = 6,85bob; troquei 20 dólares Câmbio Centro de Sucre: 1 dólar = 6,95bob - Pizza zuada, de uma semana, roubo: 27bob - Ônibus para Uyuni: 70bob - Táxi sucre: 10bob - Compra mercadinho: 22,5 bob (bananas, água, biscoitos) TOTAL: 129,5 bob PROXIMO CAPÍTULO: Brasileiros are everywhere, um bom time e o início do Salar
  8. CHILE BOLÍVIA E PERÚ - 27 DIAS DE AVENTURA POR US$ 1800 DÓLARES (JAN/2016) *Agradecimento especial ao meu conterrâneo de Vitória-ES também, RODRIGOVIX que deixou um dos relatos mais geniais que ví aqui no Mochileiros e me ajudou MUITO e foi basicamente pelo relato dele que fiz meu roteiro, com algumas poucas mudanças. @Rodrigovix, valeu por todo seu esforço de compartilhar sua trip! Venho aqui com o mesmo espírito para tentar devolver um pouquinho para o Mochileiros e para quem tanto me ajudou, valeu galera, esse fórum é do Carvalho! [Relato do Rodrigo, complementar ao meu, vocês tem que ler: bolivia-chile-peru-26-dias-abril-2015-tudo-por-1-600-dolares-t114832.html] -- Pré Viagem Era junho de 2015 quando comecei a pesquisar um pouquinho sobre que viagem bacana seria a das férias de 2015/2016, em janeiro. Sabia que não poderia ser uma viagem cara, e por isso pensei em viajar aqui pela América Latina mesmo. Porém, o dólar na época não estava ajudando nem um pouco: Lá pra junho já estava próximo de R$ 4,00 e acabei tendo que comprar dólares a R$ 4,15 em dezembro =’/ O que basicamente me fez querer viajar para Chile Bolívia e Perú, foi o relato do Rodrigo. Percebi que tinha um roteiro já pronto, com diversas cidades bacanas, nos 3 países, fazendo tudo de ônibus, vendo paisagens muito diversas e desconcertantes! Também continha bastante aventura, o que me fez querer mais ainda fazer aquele roteiro! Foi meio que por essa comodidade de já estar tudo alí pronto que eu embarquei nessa. A princípio o roteiro era idêntico ao do Rodrigo, mas fui já com a expectativa de que poderia mudar ou teriam alguns pequenos ajustes. Eu iria com um amigo, mas depois ele decidiu não ir mais. Acabei indo sozinho mesmo (gosto de viajar sozinho) e fiz diversos amigos no decorrer da viagem. Valeu muito a pena! E mesmo indo sozinho, não fiquei sozinho em nenhum momento da viagem, nem na volta, porque sozinho você se força a sair da zona de conforto e acaba tendo que fazer amizades mesmo por sobrevivência e também por economia, Haha... A antena natural ‘buscar amigos’ soava sempre que trocava de cidade e tinha que dizer mais um Adeus a mais um grupo de amigos viajantes. O custos da viagem são para US$ 1.800 dólares TUDO: Passagem + Hospedagem + Transporte + Passeios + Alimentação + cervejas... está incluso também um óculos que acabei tendo que comprar. Tudo fecha 1800 dólares, talvez 1700 dólares sem o óculos. Vou colocar a conversão padrão de 1.00 dólar = 4,00 reais ÍNDICE(a ser construído ) Cap1: Aquele começo cansativo... Cap2: Brasileiros are everywhere, um bom time e o início do Salar Cap3: Na Bolivia 'Tudo es posible, pero nada Seguro' Cap4: Um cagaço na fronteira: O primeiro dia em San 'Perro' de Atacama! Cap5: Lagunas Altiplânicas e o INCRÍVEL Salar de Tara Cap6: Aniversário especial no Cãnion e uma surpresa Cap7: A ideia errada de querer subir mais de 6000 metros - Subindo o Vulcão Chachani Cap8: GotInca? Os Incas são foda! - Voltando ao passado em Cusco Cap9: Conhecendo finalmente Machu Picchu Cap10: Numa ilha bucólica a mais de 4000m - Isla del Sol Cap11: A trilha mais linda que já ví - altas emoções na estrada da morte Cap12: Tentando ir embora, perrengue nas estradas da Bolívia e o fim da Trip Meu estilo de viagem e umas dicas Eu queria uma viagem de aventura, que pudesse conhecer muita gente diferente no caminho e pudesse aprender muito sobre a cultura dos locais. Gosto de ir sozinho, pois me forço a buscar pessoas, a me virar, passar uns perrengues não imaginados mas que dão boas histórias... e tudo fica mais excitante! De qualquer forma, mesmo gostando das coisas não tão planejadas, tive que me planejar, porque se não, poderia gastar o dobro! Por isso fiz o roteiro eu fui para seguir ele mesmo. Tinha ideia de hostels e agências, mas sempre fechei lá na hora mesmo, muitas vezes em grupo ou com boas indicações. Não sou um cara que vai com o mínimo! Separei uma grana pra me divertir, tomei muita cerveja, fui para festas, gastei um bocado na parte de diversão. No dia-dia, aproveitei ao máximo os cafés da manhã e comia coisas em conta na rua. Não eram aquelas das mais baratas, também me preocupei com intoxicações que poderiam rolar na Bolívia, por exemplo, por isso, na grande parte da viagem comi poucas vezes em lugares muito bons e na maioria das vezes tinha um almoço num preço que achava bacana. Nada de luxo. Com relação às aventuras, eu sabia que iam ser caras, a maioria em dólares, tudo saiu um pouco mais caro que imaginava, mas mesmo assim, como era meu objetivo, já fui esperando isso. Segue meu roteiro final abaixo, o primeiro que eu imaginei antes de viajar está aqui by Rodrigovix: bolivia-chile-peru-26-dias-abril-2015-tudo-por-1-600-dolares-t114832.html 12/01 - Vitória x São Paulo x Santa Cruz de la Sierra 13/01 - Santa Cruz de la Sierra x Sucre x Uyuni 14/01 - Salar de Uyuni 15/01 - Salar de Uyuni 16/01 - Salar de Uyuni x San Pedro de Atacama (Valle da Morte + Valle Luna) 17/01 - San Pedro de Atacama (Lagunas Altiplanicas) 18/01 - San Pedro de Atacama (Salar de Tara) x Arica 19/01 – Arica x Tacna x Arequipa 20/01 – Arequipa 21/01 – Arequipa (Canon del Colca) 22/01 – Arequipa (Canon del Colca) 23/01 – Arequipa 24/01 – Arequipa 25/01 – Arequipa (Vulcão Chachani) 26/01 – Arequipa (Vulcão Chachani) x Cusco 27/01 – Cusco 28/01 – Cusco 29/01 – Cusco 30/01 – Cusco x Aguas Calientes (Rumo a Machu Picchu) 31/01 – Machu Picchu 01/02 – Aguas Calientes x Cusco x Copacabana 02/02 – Copacabana (Isla del Sol) 03/02 – Copacabana x La Paz 04/02 – La Paz 05/02 – La Paz x Santa Cruz de La Sierra 06/02 – Deveria chegar em Santa Cruz 07/02 – Santa Cruz de la Sierra 08/02 – Santa Cruz de la Sierra x Gru x Vitória A principal diferença do meu Roteiro e do Rodrigovix, é que acabei cortando Huacachina e trocado por mais dias em Arequipa para subir o Vulcão, por isso Arequipa parece que tem dias demais. Como queria muito subir o Vulcão e estava difícil fechar um grupo, acabei perdendo tempo de viagem, mas como disse, minha prioridade eram os passeios/aventuras. Também, por falta de tempo e uns outros problemas de protestos na Bolívia... acabei não conseguindo fazer o Chacaltaya + Valle Luna em La Paz. O que levar: Antes de iniciar a trip, fiz um checklist do que eu precisava. E faltava bastante coisa! Escolher a bota foi a parte mais difícil, busquei muitas referências aqui mesmo, até decidir pela Bota Vento - Finisterre, ela é animal, super confortável e comprei a um preço muito bacana na loja online Arco e Flecha. A bota é essencial nesse tipo de roteiro que envolve montanha, trilha, água, gelo. Só uma coisa que ela não foi realmente boa e na verdade, nem acredito que seja para isso: baixas temperaturas. Mais pra frente meu pé quase congelou quando fui subir o Vulcão Chachani em Arequipa, mesmo usando duas meias. 7 camisetas 1 camisa manga longa segunda pele 1 Casaco bom (para aguentar até 0 graus) 1 Camisa/casaco manga comprida 1 calça-bermuda 1 Calça 3 bermudas 8 cuecas 1 Bolsa de ataque (bolsa menor de 20l da Quechua) 3 pares de meias grossas cano alto 2 pares de meias finas (liners) – não usei, só as grossas 1 toca 1 par de luvas 1 Cachecol – não usei 1 toalha microfibra (secagem rápida) 1 money belt 1 sabonete 1 shampoo médio 1 protetor solar grande - tive que comprar outro lá! 1 protetor labial 1 repelente 2 cadeados 1 escova de dentes 1 creme dental 1 barbeador elétrico 1 desodorante rolão (menor) 1 perfume 1 cortador de unhas 1 canivete 1 kit remédios (enjoo, dormir, dores e gripe) 1 par de óculos de sol 1 carregador celular 1 par de fones de ouvido 1 GOPRO e Acessórios 1 IPOD NANO 1 caneta 1 bloco de anotações – livro da viagem 1 capa de chuva para a mochila 1 pasta plástica flexível para documentos 1 Carteira identidade e Cartão de Crédito Internacional 1 Papel Higiénico 1 Livro 1 Fita crepe para embalar a mochila (só usei na ida) 1 Boné 1 Passaporte 1 Seguro viagem e CNH 1 Remédio DIAMOX para altitude, floratil (estômago), hipogloss 1 Sunga 1 Chinelo Comprei muita roupa de trekking na Decatlhon, elas foram muito úteis. Repeti inúmeras vezes a calça, que era leve e poderia abrir para virar bermuda. Bermudas leves também. Boné e óculos também são essenciais uma vez que você vai entrar em contato direto com sol e principalmente na Bolívia, no Salar, os raios solares vão com tudo nos seus olhos e podem até cegar! Escolham um bom óculos, porque o meu se esfacelou nos primeiros dias... hahaha.. Levar só um calçado também valeu mto a pena. Vc fica sempre de bota pra tudo né, vai pra boate igual pedreiro, com as botas sujas... mas bom, achei melhor do que carregar mais um tênis pesado! O casaco corta vento foi muito importante no Salar de Uyuni de noite e no vulcão, que chegou a -2 de noite. Ele só era meio grande e incomodava levar ele pra lá e pra cá, invistam num casaco mais enxuto, não precisa ser aqueles de neve gigantes. As temperaturas variavam muito nos desertos, então, se preparem que vai ter muito tira e põe, faz parte. Eu já tinha uma bolsa de Mochileiro 75 litros. Ela é meio velha e um pouco desconfortável mas serviu muito bem. Comprei tbm uma capa de chuva que acabei não usando porque ficou muito grande e geralmente não peguei chuva com a mochila nas costas, mas poderia facilmente e ia molhar tudo! Outras coisas importantes pré-viagem - Para uma viagem dessas, tem coisas que é bom antecipar. Uma delas é o ingresso de Machu Picchu. Caso você esteja pensando em subir Machu Picchu e o Waynapicchu (a montanha mais alta que fica em frente a cidade), é bom comprar antes online. O site é esse aqui: http://www.machupicchu.gob.pe/ sei que muita gente tem problema para comprar, mas segui a receita da galera, pedi para habilitar o Certified by Visa e depois de ligar várias vezes, parece que uma das mulheres entendeu e consegui comprar pelo site. No entanto, um amigo meu conseguiu comprar lá em Cusco, faltando 3 dias para subir, então, vai de cada um assumir o risco. - Passagem Brasil – Santa Cruz de La Sierra (Bolívia): Optei por essa passagem porque batia com o roteiro e também os preços em janeiro não variaram muito se fosse para outras cidades. O preço não foi muito bom: R$ 1689,00 com taxas pela GOL. - Passagem de Santa Cruz de La Sierra para Sucre: Como meu voo seria para Santa Cruz de La Sierra, tive que pegar outro voo de lá para Sucre. Duas agências fazem esse trajeto, Amaszonas e Boa. Ouvi falar que a Boa é melhor. O voo custou US$ 56.00 dólares. - Comprar dólares: Fui só com dinheiro. Não usei nada de cartão para fugir do IOF. Deu tudo certo usando um bom Money belt para carregar tudo. Levei 1200 dólares e uns 600 reais. No geral o dólar sempre valeu mais que qualquer outra conversão. Real estava sempre um pouco pior. Comprei dólares 600 dólares a R$ 3,98 e outros 600 dólares a R$ 4,15. Triste, eu sei. O dólar foi aumentando muito de setembro para frente, não deu nem pra pegar uns 3,80... - Seguro Viagem: É super importante ter, nunca se sabe né gente, não arrisquem, nesse meio de aventura aí pode acontecer de tudo! Invistam num segurozin que vale a pena Comprei pela Mondial mesmo, foi R$200,00 tudo. - Altitude e Remédios: Olha, são lugares altos. Existe sim o mal da altitude e eu comecei realmente a acreditar que a altitude nos jogos de futebol pioram o desempenho deles. Senti uma dor de cabeça doida ao subir o vulcão. Levei Diamox, mas sinceramente, não sei até que ponto ele realmente me ajudou, tomei algumas vezes e tomei antes de chegar em Sucre, mas continuei tendo leves dores de cabeça, algo parecido com uma ressaca. Ao longo da trip masquei muito as folhas de coca, mas sinceramente, não sei se evitaram de verdade a altitude, na dúvida, eu enchia a boca de folha Tem gente que passa muito mal mesmo, busquem informações e não deixem de levar algo para a altitude! Pega muita gente! Outra coisa importante foi levar remédios para dor de cabeça e hipogloss (vc acaba andando mto). Floratil eu não usei, não tive nenhum problema com qualquer comida. - Espanhol. É de boa, todas essas cidades recebem muito turistas e muitas entendiam bem o português. Eu fui lá pra treinar então, o portunhol funciona tranquilamente AGORA, VAMOS COMEÇAR...
  9. Galera, alguém sabe mais informações sobre compra com ISIC online?
  10. lucaslaragao

    Machu Picchu

    Galera, estou tentando comprar para 2016 e no site parece que não tem disponibilidade, está zero lá em vários meses além de janeiro e fevereiro... será que vai abrir ainda?
  11. Pessoal, vou fazer a Atacama, Bolivia e Perú agora no verão. São ambientes diferentes, parte frio parte quente... isso muda minha escolha das meias? Teria alguma 'meio termo?' Valeu!
  12. Opa, Ricardo, topo hem! To indo alone dia 12 de janeiro. Você diz grupo de viagem pra se esbarrar ou pra fazer viajem junto? De qualquer maneira vai ser bom ver brasileiros no meio do caminho! Farei o mesmo roteiro do Rodrigovix, abraço!
  13. Rodrigo, do carvalho seu relato! Massa saber que vc é daqui de Vitória, também sou! Facilitou muito a minha trip agora em Janeiro e vou (até o momento) copiar tudo, até os sofrimentos no canon del coca, que me pareceu bastante desafiador hahah.. Espero que consiga terminar até janeiro, viajo dia 12 e fico 26 dias nesse roteiro. Keep going man, tá demais! Abraço!
×
×
  • Criar Novo...