Ir para conteúdo

PedrãodoBrasil

Membros
  • Total de itens

    75
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que PedrãodoBrasil postou

  1. Expedição Extreme e Serra Fina Serra Fina 4 dias 16 a 19 Maio 2019 Saida de Vitória no dia 15 de Maio e nos Hospedamos no Harpia Hostel Pousada Hotel, Do Amigo Alessandro (35) 98894-0533 (Hostel e Transfer) R. Ângelo Dalessandro - Centro, Passa Quatro – MG Participantes Idealizador da Trip https://www.facebook.com/pedraodobrasil 27 99805 8885 Participantes https://www.facebook.com/bruno.languer.9 https://www.facebook.com/patrick.martinscastelo https://www.facebook.com/rosa.natura.rosa 1°dia 16/05/2019 Início 9 hs Fim 16 hs -Toca do Lobo, Quartizito e campi amarelo -Local do Camping : Capim Amarelo (Acampamento 1) *Entre toca do lobo e capim amarelo tem o último ponto de agua do dia a direita no quartizito. -Capim Amarelo. 2491mt de altitude. Muita subida, escalaminhada, muitas cordas. Enfim se vc é nutela não vá . 2°dia 17/05/2019 Inicio 08 hs, termino 17 hs -Capim amarelo -Maracanã -Cachoeira vermelha -Base da pedra da mina (Acampamento 2) *Ultimo Ponto de agua do dia na base da Pedra da Mina. Chegamos neste ponto estava um bento muito forte e chovendo muito e estava muito frio, resolvemos acampar neste local (Base da Pedra da Mina). Isto por volta das 17:00 hs. Os ventos, tempestades e raios se intensificaram. Ficamos na barraca por 20:00 hs, pois durante o dia ficou feia a coisa. Saímos por volta das 14:00 hs do outro dia, devido tempestades e raios. 3°dia 18/05/2019 Inicio 14:00 h Término 18:00 h Saímos da base da Pedra da Mina ainda com chuva e ventos fortes, atingimos o topo da Pedra da Mina com seus 2797 Metros de altitude. Os ventos lá em cima eram muito fortes, além do frio. Descemos e atingimos o vale d Rhuá. Encontramos uns caras que passaram um perrengue durante a noite. Seguimos pelo vale sempre a direita do rio. Passar pelo vale do Rhuá e uma coisa única, um belo vale com capins amarelos bem alto e muita lama. No final do vale foque sempre o V no final do vale. Pegamos agua para o dia seguinte, é importante pegar no mínimo 6 litros de água, pois até o ponto de água seguinte. Saímos do vale e dormimos num camping acima. Agora sim fomos agraciados por um por do sol maravilhoso. (Acampamento 3) 4º dia 19/05/2019 Inicio 08:00hs Término 18:30 hs. Saída do Camping acima do vale do Rhuá e seguimos em frente, hoje porem deu um nascer do sol lindo, indicando que o dia ia ser aberto, pois os dias anteriores não foram de um bom tempo. Passamos Pelo Mirante do Vale das Cruzes, Pelo cume do Cupim de Boi, Pico dos três estados 2656 mt altitude, Ombro dos 3 estados, Cume Bandeirante, Alto Dos Ivos, entroncamento com a garganta do Registro, Ponto de água antes do Sitio do Pierre, Sitio do Pierre e Asfalto, onde o resgate nos aguardava. Volta ao Hostel, dormimos e fomos embora na segunda feira, finalizando assim a trip, que foi umas das mais HARD que já fiz. A Serra Fina para Mim é considerada uma das mais difíceis e pesadas do Brasil. Use sempre Protetor Labial. Dicas Mesmo fazendo a travessia no final da temporada de montanha, bambus e Capim Elefante são uma constante. Luvas e blusa de manga longa é boa pedida. O desespero em saber que a travessia oferece pouca água, não deve ser considerado algo extremo, lembre-se que o corpo necessita de liquidos, não somente água. Eu particularmente, levei sucos prontos, e água de coco e só abasteci a garrafa de água mesmo no terceiro dia. Os dois primeiros só bebia nos pontos de água. Mas isso claro, vai de pessoa para pessoa. Quando fizer paradas próximo ao Capim Elefante, a presença dos ratinhos deve ser considerada e não deixe a mochila aberta de forma alguma. Nos cumes, nada de comida fora da barraca e se possivel, longe dos cantos para evitar o cheiro. Protetor solar e chapeú que cubra o rosto e pescoço é ótimo, pois o bambuzal deixa muito matinho caindo pelas costas. Bandanas também são muito uteis, principalmente nos cumes para não ficar com o nariz vermelho pelo frio.
  2. Trekking de 2 dias e 1 noite no Mestre alvaro Maio de 2019 Guaranhuns Córrego água Funda Pasto alto Três Marias Vale do Munitumba Vale do Walter Trilha do Exército Pirâmide P-25 Sofá da Hebe Risoleta Gruta Alexandria Trilha do Exército Gruta dos Maconheiros Bica do Jardineiro Gruta do Jardineiro Pedra do Apartamento Pique da Globo Trilha pitanga Gruta do Bambuzal Interseção trilha norte Altitude 639 Primeiro Ombro Segundo Ombro Acampamento Neds Vale da Jararaca Gruta da Jararaca Área Restrita Barranco da Onça Morro do Céu Pasto alto Trilha da Preguiça Córrego Água Funda Recanto do Bugio Guaranhuns
  3. Segunda feira 15 abril. Chegada ao Santos Dumont UBER até a portaria . Parada correia para café e compra de comida de trilha. Início 10 hs Termino 16 hs abrigo do Açu 8 km Terça feira 16 Abril ida ao Cruzeiro e cabeça de índio. O portal do Hércules estava fechado. Retorno ao abrigo do Açu, onde dei uma descansada. ah ah . A Noite caiu uma tempestade com raios que balançava o abrigo. Quarta Feira 17 Abril ida para pedra do Sino. Saida as 8 hs, chegada às 14 hs Morro do Marco, Vale da luva, Morro da Luva, Cachoerinha, Elevador, Mergulhão, Vale das Antas, Pedra da Baleia, morro do Dinossauro, Vale da Morte, Cavalinho, Coice do Cavalo, escada, pedra do sino abrigo do sino Quinta Feira 18 Abril. Acordei e simplesmente não fiz nada neste dia, pois o tempo estava fechado. Aguardei meu colega Thiago chegar ao abrigo do sino e partimos para um por do sol maneiro na Pedra do Sino. Sexta feira 19 Abril . Acordamos e fomos na Pedra da Baleia ver o sol e bater umas fotos. As 8 hs iniciamos e a descida até a barragem, passando pelo abrigo 3. Abrigo 2, cahoeirinha, Cachoeira véu de noiva. Logo as 12 hs atingimos a barragem . Descemos até o Rio e fui embora as 17 hs do aeroporto Santos Dumont.
  4. Travessia Alto Palácio x Serra dos Alves (3 Dias, 45 km) 22 a 24 Fevereiro 2019 ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA MORRO DA PEDREIRA PARQUE NACIONAL DA SERRA DO CIPÓ A travessia tem seu ponto de partida (ou de chegada, dependendo do sentido escolhido para caminhar) junto à Sede do Alto Palácio, no município de Morro do Pilar-Minas Gerais (Lat 19º15’34” S; Long 43º31’52” O). Integrantes *Pedrão do Brasil *Luciano *Mauro *Leila *Daniela *Dianna *Álisson *Vanessa *Talles *Fernando *Camila *Rafael *David *Ana Saída de Vitoria no dia 21 de Fevereiro de 2019. Chega em Belo Horizonte as 15:00 hs. Ida para o Lá em Casa Hostel no Bairro Santa Tereza. Dia 22 inicio da trip. 1º dia Saímos de Belo Horizonte as 05:00 hs numa Van e chegamos em Alto Palácio as 08:00 hs. e fomos direto para o portal de Alto Palácio. Fizemos Chek-in e partimos para iniciar logo a trilha pois não sabíamos o que nos aguardava. Logo atingimos os campos de altitude da trilha. Logo atingimos umas Pedras onde tem umas Pinturas Rupestres Passamos na Cachoeira do Espelho, Travessão, e a partir dai uma subida tensa e frenética, logo a frente uma descida longa e atingimos a Casa de tábua, nosso primeiro Camping, que por sinal foi muito bom Inicio 08:30 hs Término 18:00 hs 18 km. Os Campos Rupestres Grande parte da trilha passa pelos campos rupestres, que são uma das fitofisionomias mais significativas do Parque, correspondendo a 84% do seu território (Mata Atlântica 8%; Cerrado 8%). Sua diversidade é conhecida em todo o mundo, com mais de 1500 espécies de plantas descritas. A necessidade de se assegurar tamanha riqueza foi um dos motivos que levaram à criação do Parque Nacional da Serra do Cipó. Além da riqueza da fauna e da flora existentes nos Campos Rupestres, as formações rochosas e seus arranjos na paisagem são um espetáculo à parte. As rochas, em grande parte formadas por uma matriz de Quartzito. O trecho entre os abrigos (cerca de 12 Km) é o de maior dificuldade do roteiro. Também é o trecho que passa pelas maiores altitudes de toda trilha, cerca de 1660 metros. Dia 23 2º dia. Saída da Casa de tábua as 08:30 hs Percorremos uma subida interminável e atingimos de novo os pampas das Minas Gerais, onde se tem uma visão do Infinito maravilhosa. Inicia-se uma descida a qual se atinge uma baixada exuberante. Cagada a Casa de Currais, local que mais parece um Resort em meio aos pampas e florestas no serrado da serra do cipó Inicio 08:30 Termino as 16:00. 13 km Dia 24 3º dia Saída do Acampamento (Resort) Casa de Currais e encara-se uma subida boa e logo de novo atinge os pampas do serrado. Em seguida inicia se uma descida e logo se avista a Serra dos Alves Descendo mais ainda chega-se no mirante do Vale da Serra dos Alves. Logo se chega em meio a uma construção que foi abandonada após criação do Parque. Logos abaixo segue por uma Trilha a Direita e chega na Cachoeira da Luci, que por sinal é muito bonita. Nos banhamos e partimos para a Cachoeira dos Cristais, para mim a mais bonita de toda Trilha. Nos banhamos e partimos para a tão chegada ao Povoado da Serra dos Alves. A descida é bem Ingreme e logo abaixo da para se ver a Antiga Pousada da Luci. Continuamos descendo agora em uma estrada de terra batida até atingir o rio e Transpor a Ponte Móvel, onde algumas pessoas arregraram e forma por dentro do rio com medo. Kkkkk. Cânion Boca da Serra onde fica inserido as cachoeiras do final da trilha Inicio 09:00 hs Termino as 16:30 hs. 14 km “As travessias são uma das mais claras vocações do Parque Nacional da Serra do Cipó, já praticadas muito antes da criação do Parque, sendo, na realidade, uma das práticas que levou à sua criação. “ FAÇA A SUA RESERVA Procedimentos para solicitar a reserva e obter a autorização para a travessia IMPORTANTE: as vagas para a Travessia são limitadas a 30 pessoas por roteiro por dia. 1-Entre em contato com o Parque Parque Nacional da Serra do Cipó Rodovia MG 010, Km 97, Distrito da Serra do Cipó Santana do Riacho-Minas Gerais CEP 35847-000 [email protected] 20190224_140147.mp4 20190224_121626.mp4
  5. Sim Grisante Restaurante é o nome e tem uma carne de Sól muito boa. abraços. Ano que vem tem a fase 5
  6. Travessia Chapada Diamantina Extreme (10 Dias, 176 km) (Ibicoara x Lençóis) Sul x Norte 01 a 11 Setembro 2018 Integrantes *Formiga (Guia) https://www.facebook.com/formigueiro.formiga *Pedrão do Brasil (Idealizador do Trekking) *Luciano *Karla Saída de Vitoria no dia 30 de Agosto de 2018. Chega em Lençóis as 14:20 hs. Ida para o Beco Hostel. (www.obecohostel.com.br) Dia 31 ida para Ibicoara. Saímos de Lençóis cedo e fomos para Ibicoara, local onde o trekking iniciou. Nos Hospedamos no Refúgio da Família X no Campo Redondo. Dia 01 de Setembro ida a Cachoeira do Buracão. Liga ímpar e a melhor e mais bonita cachoeira da Chapada Diamantina. Inicio 10:00 hs Término 16:00 hs Ida e volta 7 km. Dia 02 Setembro. início da travessia extreme. Ida ao Baixão, onde se iniciou o Trekking, fizemos Cachoeira da Fumacinha por baixo Chegada ao entroncamento as 12:00 hs. Fumacinha as 13:00 hs. Acampamento entroncamento, Próximo a fenda as 16:00 hs. Inicio 09:30 Termino as 16:00. 12 km Dia 03 Setembro Saída do entroncamento (canyon da Fumacinha.) As 07:30 hs. Subida da fenda. Trilha da Fumacinha por cima.. Trilha da toca do vaqueiro. Trilha do Gerais do Macho Bomba. Pernoite na trilha. (Cela de descida para o Rio Mucugê) Inicio 09:00 hs Termino as 17 hs. 24 km Dia 04 Setembro Saída da cela as 08 hs. Descendo até o Rio Mucugê, passando pela Matinha. Parada na Cachoeira da Matinha .Logo seguimos para Mucugê. Chegando por volta das 17:30 hs. Pernoitamos no (www.hostelmucuge.com.br) Inicio 08:30 hs Término 17:30 hs 22 km Dia 05 Setembro. Saída as 09:30 hs. Pegando trilha para o encontro dos Rios Mucuge e paraguassu, passando pela AABB. Logo em seguida paramos na lapa do caboclo. Logo e seguimos para cachoeira do tomba cachorro. Local de nosso pernoite. Inicio 09:30 hs Término 17:00 hs. 21 km Dia 06 Setembro Saída da cachoeira Tomba Cachorro as 09:00 hs. Chegada no cachoeirao por cima as 12:00 hs. Chegada na igrejinha a tarde, triha irada e com subida bem suave, pois a trilha do Gerais do Rio Preto é muito boa. Inicio 09:00 hs Término 17:30 hs 20 KM Dia 07 Setembro Fomos a Cachoeira do Funis já no Vale do Paty. Afinal a trip merece um bom descanso com Banho. Inicio 10:00 hs Término 15:00 hs e um merecido descanso. 10 KM. Dia 08 Setembro Saída igrejinha as 08:30 h. Subida rampa. Gerais Rio Preto . Descida ladeira quebra bunda. Rancho. Gerais Vieira. Córrego das galinhas.. Bomba. Capão Inicio 08:00 hs Término 19:30 hs 28 km Dia 09 Setembro. Capão Dia de descanso Dia 10 Setembro. Capão Subida fumaça. Águas claras Poney Inicio 09:00 hs Termino as 16 hs 16 km Dia 11 Setembro Poney Trilha lençóis x pai Inácio Gruta do lapão (Passando por dentro dela) Lençóis 16 km 176 KM Hard 20180910_123055.mp4 20180911_085808.mp4
  7. Travessia Extreme Parque Nacional do Caparaó *ES x MG 11,3 Km *MG x ES 11,3 Km *VALE ENCANTADO 2 Km Total de 26 km 3 dias efetivos. 20 a 24 Agosto de 2018 1º Dia-20 Agosto Saída de Vitória as 07:00 hs, chegando em Pedra Menina as 12:00 hs. Existem 2 maneiras de se chegar no Parque Saindo de Vitória. Pela BR -262, Iúna, Ibitirama, Santa Martha, Patrimônio da Penha, Pedra Menina. E Por Cachoeiro do Itapemirim, Alegre, Guaçuí, Dores do Rio Preto e Pedra Menina, neste caso fui Pelo Lado do ES. As 13:00 hs chegada ao Parque Nacional do Caparaó. Fiz o Chek-in na portaria e logo decidi subir para Casa Queimada, Local onde ia acampar a Primeira Noite, já que no outro dia iria iniciar efetivamente a Travessia. Da portaria até a Casa Queimada são 9,5 Km de estrada boa e íngreme. Existem 2 Campings pelo Lado do ES, *Macieira 4,5 km da Portaria *Casa Queimada 9,0 km da Portaria. Me instalei e armei barraca, pois o tempo além de estar bom, logo começa o frio da noite. 2º Dia-21 Agosto Neste dia acordei cedo e logo me preparei para o Inicio da travessia. Sai as 09:00 hs, passando pelas Duas Irmãs, ponto de água, Pico do calçado, avistando o Pico do Cristal e logo acima atingindo o Pico da Bandeira, são 4,5 Km até o topo pelo lado do ES. Como o tempo estava meio ruim, fechando e abrindo não subi o topo e decidi ir logo para o meu Camping, neste caso o Terreirão, que fica 3,5 km descendo pelo lado de MG. Cheguei as 16:00 hs e logo montei a Barraca, pois quando cai a noite esfria muito. Cuidado ao acampar no terreirão, pois os quatis entram nas barracas e também sobem em mesas atrás de comidas, kkkkk. Logo caiu a noite e com ela o frio chegou. A noite a lua Estava Linda. 3º Dia-22 Agosto Acordei e logo tratei de tomar um bom café, pois o dia seria hard. Iniciei a descida até a Tronqueira, loca onde se chega de carro pelo Lado de MG. Desci até o Rancho dos Cabritos, passando pela entrada do Vale Encantado, local onde na volta iria conhecer. Logo abaixo está a Tronqueira, Local de Camping, com estrutura de banheiro, casa dos guarda parques etc. Após um almoço iniciei a Subida, pois o tempo estava fechado. Atingi o Vale Encantado, local de beleza ímpar, pois tem uns poços com água clara e de beleza exuberante, vale a pena conhecer. Voltei para trila Principal e de novo Rancho dos Cabritos e Terreirão. Jantei e dormi. 4º Dia-23 Agosto Ao acordar tive um Surpresa, tinha geado durante a madrugada e a barraca estava com uma camada de Gelo. Impressionante. Tomei café e iniciei a subida as 09:00 hs, atingindo o Mirante da Trilha de MG, e logo acima parei para lanchar algo. Em seguida atingi o Topo, agora sim fui e me deslumbrei de toda a Beleza que é o Pico da bandeira na sua plenitude. Lugar impar e está entre os 10 Picos mais altos do Brasil. Desci e atingi a Casa Queimada as 15:30 hs. Tomei banho e aguardei a noite chegar. 5º Dia-24 Agosto Acordei as 05:40 hs e logo tratei de tomar aquele café para aquecer, pois estava muito frio. Arrumei as coisas e logo tratei de descer até a portaria, pois precisava chegar em Vitória cedo rsrsrsrsr. Desci até a Macieira e logo até a Portaria, fiz o Chek out e parti em direção a casa. Cheguei em Vitória as 13:00 hs, finalizando assim a travessia. Pontos de Interesse: Lado ES: -Pera Menina -Macieira -Casa Queimada -Pedra Duas Irmãs -Pico do Calçado -Pico do Cristal -Pico da Bandeira Lado MG -Terreirão -Vale Encantado -Tronqueira 20180822_130308.mp4
  8. Expedição Lima x Nazca x Deserto do Atacama x Salar de Uyuni x Sucre 18 Julho a 02 Agosto 2018 LIMA 18 de Julho Saída Brasil, chegando em Lima as 23:00 hs. Ida para o 151 hostel em Miraflores. Dia 19 saida para o centro de Lima. Conhecendo as atrações. Não fui no Cerro San Cristovam devido o mesmo estar fechado em função de um acidente que aconteceu . Onde 10 turistas morreram. Ainda pelo centro comemos o famoso CEVITE. Que por sinal é muito bom. Rodamos e no final do dia me desloquei para o Malecon ( calçadão) a beira do mar do pacifico. Dia 20 foi o dia de conhecer bem Miraflores que por sinal é o melhor lugar para se ficar em Lima Suas ruas e calcadoes são top. Mais segurança etc... O point de Mirafloes é sem Dúvida o Lacomar Lugar que é o ícone local. Neste mesmo dia fui para Nazca, chegando lá as 23:00hs. Onde me hospedei no Braban Hostel NAZCA Dia 21 manhã acordei e tomei café e parti para o tão esperado vôo para ver as linhas de NAZCA. Foi sensacional poder ver as linhas de Nazca. Parece coisa de ETS. poder ver estas linhas são uma dádiva, pois são extremamente surrealistas. Tinha pessoas de todo o mundo. Dia 21 Tarde. Contratei um tour no próprio Hostel por 80 soles. Embarcamos numa espécie de aranha, estes carros que só tem motor e estrutura. Foi alucinante. Passamos pelo Aqueduto Ocangalla, Piramide cahuachi, Cemitério Cahuachi , Sandboard em Cahuachi em dunas na areia. Iradooo. Voltamos para Nazca a noite. Dia 22 fiquei descansando e a noite embarquei num ônibus para Tacna. Arica e são Pedro do Atacama. TACNA E ARÍCA Parti as 21:00 h e rodamos a noite toda e parte do dia, chegando em Tacna em torno do meio dia. Durante a viagem pude observar o quão é deserto entre cidades. As estradas são perigosas demais. Precipícios gigantes estão a todo instante aparecendo. O ônibus da Cruz del sur é muito confortável. Tem cama e semí cama. Servem refeições e desaiuno. Dia 23 Chegamos em Tacna as 12:00 h. Logo paguei um microonibus par Arica,o qual levou cerca de 01:30. SÃO PEDRO DO ATACAMA Comprei passagem pela www.turbus.cl para São Pedro do Atacama as 21:00 hs, chegando as 08:00 hs do dia Seguinte. Dia 24 . A cidade é muito legal. Povo acolhedor. Fiquei no hostel la florida, que por sinal é muito legal. Tem um Jardim interno. Cozinha etc... Dia 25 descansei e fiz um tour na parte da tarde. Laguna Cejar. Laguna Piedra e laguna Baltinache, todas salgadas. Lagunas Ojos del salar, Tebenquinche Pela Agencia volcanoaventura DESERTO DO ATACAMA Deixamos de conhecer laguna Verde, Águas Termales e Geyser devido ter nevado muito e interrompeu a estrada. Dia 26 saímos as 04:00 hs da manhã em direção ao então alvo da trip, o DESERTO DO ATACAMA. Logo atingimos 4000 mts de altitude. Atravessamos a fronteira do Chile e da Bolivia. E chegamos ao mirante do Vulcão Ollangue. Muito frio neve etc... Seguimos em frente e pararmos na lagoa Hedionda, onde ficamos maravilhados com os Flamencos. Eles deram um show a parte. Almoçamos e partimos para a lagoa de Canapa., lagoa Chiarkota e Lagoa Honda que é um show. Logo atingimos ó Arbol de Piedra, um ícone do desero do Atacama. Continuamos e alcançamos a lagoa Colorada cheia de Flamencos. Pernoitamos no Arbol de Piedra Hostel. Estas Lagoas situam-se a +- 4500 mts de Altitude e o Mal da Montanha ataca rápido. Dia 27 acordamos tomamos café e partimos para o segundo dia da expedição. Detalhe ninguem do grupo tomou banho, pois estava a -5 ° c. Kkkkkkk. Poder conhecer o deserto do atacama é uma oportunidade. Diferente de todos os desertos que já fui. Semi árido e seco, é importante que todos bebam bastante água, usar bastante protetor labial e principalmente fazer uso do remédio para o mal da montanha. Saimos e atingimos o povoado de Villa Mar, Rocas ( Itália Perdida), Laguna Vinto. Chegamos na laguna Catal local onde almoçarmos. Mais adiante chegamos ao Canhão de Anaconda , lugar fantástico, destes que parece que foi criado pela queda de um meteoro. Logo depois adiante chegamos em Sora. Lugar magnífico onde se tem uma visão surrealista do Atacama. A frente chegamos em San Augustin. Cidade pacata. O engraçado é que todas as cidades os cidadãos pagam para passar, uma espécie de pedágio. Logo chegamos ao Salar de Chiguana. Paramos para lanchar e adiante chegamos no Hotel de Sal Tambo Loma. Um hotel difefente onde as paredes são de Sal. Saímos do hotel as 05e30 da manhã e logo atingimos o Salar de Uyuni. De repente furou o pneu do carro. Feito o reparo partimos e logo chegamos na ilha Incahuasi, uma ilha irada no meio do deserto de sal. Repleta de Cactus gigantes. Estava muito frio algo em torno de 0 °c. Saímos e logo chegamos no Dakar, o primeiro HOTEL DE SAL do Salar. Logo próximo na saída do deserto chamado Colchani, lugar onde se compra artesanatos etc... Na parte da tarde fomos ao Cemintério de Trens. Interessante que eles guardam esta memória. CIDADE DE UYUNI Di 28 Logo apos o cemintério de trens chegamos na Cidade de Uyuni, lugar legal porem meio sem nada para fazer na cidade, já que ela é porta de entrada do salar. Me hospedei num hostel , já que não tinha reserva. Dei um rolê para descansar. Dia 29 viagem BUS até Sucre passando por Potosi. Cheguei em sucre no dia 29 noite. SUCRE Dia 30 acordei e dei um rolê pela cidade que se mostrou interessante com seus monumentos, parques e Jardins. Sucre é a quinta cidade mais populosa da Bolívia. Dia 31 Ida a Santa Cruz de La Sierra pela Amaszonas, uma cia aérea, pois só tinha ônibus a noite e eu estava cansado da trip. Sai as 15:25 e cheguei em Santa Cruz de La Sierra as 16e30 hs. Pernoitei Dia 01 Agosto Santa Cruz de La Sierra. Conhecendo a cidade que não tem muito a oferecer. Dia 02 ida para o Brasil Pela Gol Dicas: -Se prepare para as altitudes. -Leve remédio para dor de cabeça, pois a Sorose (Mal da Montanha Ataca). -Se prepare para baixas temperaturas.
  9. EXPEDIÇÃOLENÇÓIS MARANHENSES EXTREME FASE III 27 de Junho a 06 de Julho de 2018 (Lua cheia) Guia: https://www.facebook.com/patricio.zelarayan.3 https://www.facebook.com/patricio.zelarayan.3 A expedição lençóis maranhenses começou em 2016, com a ideia inicial do nosso amigo Pedrão do Brasil, um amante da natureza como nós, que ao caminhar por essas dunas se apaixonou por sua trilha e suas historias. Em 2018 será a fase III, a primeira estivemos no deserto por 5 dias, a segunda travessia já ficamos 7 dias, e esta que virá a ser a maior expedição dos lençóis maranhenses com 10 dias e 9 noites. Na expedição lençóis maranhenses extreme fase III atravessaremos o parque nacional dos lençóis maranhense em 10 dias/ 9 noites. Serão 4 noites nos oásis onde ficaremos acampados nas casas de moradores locais para vivenciar os costumes e o modo de vida local. Os “oásis baixa grande” “queimada dos Britos”e “Queimada dos Paulos” , serão nossas moradas por esses dias no meio do deserto, e mais 5 noites com acampamento armado frente as lagoas de aguas cristalinas. Preparamos uma fantástica vivência pelos Lençóis Maranhenses, uma das mais singulares regiões do globo. Paisagens surreais serão observadas no “deserto” brasileiro. Visitaremos comunidades perdidas no tempo, rios intocados, dunas gigantescas e lagoas multicoloridas. Conheceremos de perto como é viver em uma área onde a natureza é quem dita as regras, vivenciando o modo de vida dos nativos. Uma experiência transformadora e inesquecível, indicadas apenas para os fortes de corpo e alma. As caminhadas exigem bom condicionamento físico, com alto grau de dificuldade e a vivência cultural e troca de experiências exige coração aberto e muito amor! Momento único para estar em contato de forma mais intima com essa natureza. É uma ótima oportunidade para conhecer este maravilhoso e inexplorado pedaço do Brasil, considerado por muitos uns dos locais mais bonitos do mundo. O parque nacional dos lençóis maranhenses é um paraíso ecológico com 155 mil hectares de dunas, rios, lagoas e manguezais. raro fenômeno geológico, foi formado ao longo de milhares de anos através da ação da natureza. suas paisagens deslumbrantes em meio à imensidão das dunas de areias o tornam único no mundo. não perca esta oportunidade e venha se aventurar conosco. PONTOS DE INTERESSE -Curtir um passeio de barco pelo Rio Preguiças, com uma parada no Farol do Rio Preguiças. -Curtir Caburé -Apreciar a beleza de Atins, Canto do Atins, saboreando o famoso Camarão grelhado da região -Mergulhar e se refrescar nas lindas lagoas de água transparente, no interior -dos Lençóis -Descer e caminhar pelas gigantes dunas dos Lençóis. -Acampar no meio do deserto e ter a experiência de dormir diretamente nas dunas. -Caminhar por lugares em que poucos chegaram, explorando cada pedacinho no Parque Nacional. -Levar renda para as comunidades locais, gerando impacto positivo social, ambiental e econômico. -Interagir com as culturas locais e aprender com seu modo de vida -Se surpreender com a beleza dos Lençóis Maranhenses -Pernoitar em verdadeiros oásis no meio dos Lençóis Maranhenses -Vislumbrar o intenso céu estrelado, sem a interferência de qualquer iluminação -Fazer um dos trekkings mais incríveis do Brasil. INFORMAÇÕES TÉCNICAS: Duração: 10 Dias/ 9 noites Data: 27 de Junho a 06 de Julho de 2018 Idade mínima: 18 anos Ponto de encontro: Hostel e camping Paraíso do caju – Barreirinhas - MA Hospedagem do grupo no camping: www.paraisodocaju.com ITINERÁRIO Dia 27/06 BARREIRINHAS / VASSOURAS / CABURÉ. 08:30 embarcaremos em uma voadeira (lancha rápida) em direção a vassouras que vai ser nosso ponto de inicio para o trekking nos lençóis, uma acolhedora Vila de Pescadores dentro da área de proteção ambiental denominada de “pequenos lençóis maranhenses”. Desde barreirinhas vamos passar em vassouras para primeiramente visitar o farol de mandacaru, um povoado de barreirinhas próximo a foz do rio preguiças. Do farol podemos avistar e ter uma prévia da exuberância e beleza dos Lençóis Maranhenses. O percurso de lancha pelo Rio Preguiças é de aproximadamente 1 hora de duração, 45 minutos ate o farol de mandacaru e depois mais 15 ate vassouras. já em vassouras, teremos a manha livre para banhar nas lagoas dos pequenos lençóis e apreciar a floresta de mata atlântica rica em manguezais, aves e observar a colônia de macacos pregos que vive na região. Almoço em vassouras R$ 35 por pessoa descanso no redario em vassouras após o almoço. Inicio do trekk as 15:00, 10 km / 3-4 horas de duração. Chegada à praia de caburé no por do sol. Acampamento da expedição no restaurante do “Dudu” porto da lua. O restaurante oferece cardápio para quem quiser fazer a refeição do jantar, demais integrantes estarão a vontade para preparo individual de suas refeições. Noite livre com fogueira e horas livres para o grupo festejar o inicio da grande travessia. Obs: opcional levar comida para o dia e a noite, haverá pontos de apoio neste local. Responsabilidade individual de consumir ou levar sua alimentação. Dia 28/06 MANDACARU (FAROL) / ATINS / CANTO DE ATINS / PONTA DO MANGUE. Despertar às 04;00hs, desmontagem do acampamento e café da manhã em caburé. Travessia em barco desde a praia de caburé ate a praia de Atins. R$ 15 (duração 30 minutos). Chegada em Atins, e inicio do trekking as 07:00. 8 km / 2-3 horas de caminhada desde atins ate a vila de canto dos lençóis, o primeiro povoado já dentro dos limites do parque nacional leste/oeste. Já iniciaremos nossa caminhada em direção ao interior dos Lençóis Maranhenses. No começo do trekking caminharemos dentro da vila para conhecer o povoado e observar a atuação do turismo e influencia do parque nacional no modo de vida local. No caminho ate cantos dos lençóis, terreno arenoso, de restinga até o início do campo de dunas, de onde avistaremos o conjunto exuberante de dunas a perder de vista e o Oceano Atlântico. Durante o percurso cruzaremos dunas e lagoas de diversos tamanhos. Suas águas, com tonalidades de diversas cores, variam do verde esmeralda ao azul profundo. Na caminhada, faremos parada para banho. Chegada prevista para as 11:00. o descanso e o almoço será realizado do restaurante do sr. Antonio (morador, nativo da região e proprietário do restaurante mais famoso dos lençóis maranhenses apreciado por todo mundo por ter o melhor camarão e pescado grelhado da região. Prato típico do local! R$ 35 – 45.Demais participantes estarão a vontade para preparo individual de suas refeições. Logo as 15:00, preparação e inicio da segunda etapa do dia. Uma caminhada por dunas e lagoas desde o canto dos lençóis, ate uma região conhecida por nos locais de ilha grande ( uma pequena região de vegetações remanescente do processo de desertificação dos lençóis. Em media caminharemos 10 km , 3-4 horas de caminhada. Ao longo do caminho faremos pausa para banhos e apreciaremos o primeiro por do sol já no parque nacional dos lençóis maranhenses, um verdadeiro espetáculo da natureza. A noite na chegada, montagem de acampamento e jantar nas dunas. montaremos nosso acampamento próximo de alguma lagoa exuberante, onde poderemos tomar banho de lagoa refrescante a noite. Jantar no acampamento - Dentro dos Lençóis. Obs.: necessário levar comida para esta noite, não haverá pontos de apoio neste local. Responsabilidade individual de levar sua alimentação. Dia 29/06 PONTA DO MANGUE / LAGOA BONITA / DUNAS. Despertar as 04:00hs, após o café da manhã o grupo inicia a primeira etapa do dia que será feita pela manha. Serão 14 km ate o povoado lagoa bonita, na chegada teremos apoio para com sombra para almoço e descansar a tarde. Inicio da tarde as 15:30 partimos para a segunda etapa do dia, serão mais 6 km ate o interior dos lençóis, ali montaremos acampamento e passaremos mais uma noite do meio do deserto. Ao longo de todo o dia vamos apreciar as mais belas lagoas da região, e apreciar o belíssimo nascer do sol e se despedir do mais lindo sol que se põe no horizonte de dunas. Jantar no acampamento - Dentro dos Lençóis. Obs.: necessário levar comida para esta noite, não haverá pontos de apoio neste local. Responsabilidade individual de levar sua alimentação. Dia 30/06 DUNAS / OASIS BAIXA GRANDE. Despertar às 04 :00hs, desmontagem do acampamento e café da manha. Caminhada de 14 km ate o esperado oásis. A sensação de estar no meio do deserto começa a ficar mais nítido durante esse dia, a caminhada ate o oásis baixa grande (pequena vila de moradores dentro dos lençóis, são 2 oásis em todo o parque nacional e este será o primeiro que vamos visitar) se passa por longo campo de dunas livres, durante a caminhada vamos fazer pausas para descanso e banho numa das regiões mais linda dos lençóis maranhenses. A chegada ao oásis baixa grande é prevista para o almoço. A tarde montaremos nosso acampamento próximo da base familiar onde teremos acesso a agua encanada, banheiros, luz, eletricidade para carregar telefones, câmeras fotográficas e outros equipamentos eletrônicos. Taxa de contribuição para área de acampamento, agua, luz e banheiros R$ 15 Cada refeição no oásis baixa grande R$ 35 por pessoa. Obs.: opcional levar comida para esta noite, haverá pontos de apoio neste local. Responsabilidade individual de consumir ou levar sua alimentação Dia 01/07 OASIS BAIXA GRANDE As 06:00 desmontamos acampamento, logo após o café da manha partiremos para uma pequena caminhada onde iremos visitar uma outra casa familiar no mesmo oásis baixa grande. O intuito disso é aproveitar para conhecer uma outra região do oásis, além de conhecer uma outra família local e com isso ter novas experiências reais. Uma caminhada de cerca de 1 hora apenas, porem dificultosa pelo volume d’gua encontrado no meio da vila. O acesso é difícil e desafiador mas a coragem deve ser maior. A tarde é livre para que todos possam descansar e aproveitar o oásis por mais um dia. Obs.: opcional levar comida para este dia, haverá ponto de apoio neste local. Responsabilidade individual de consumir ou levar sua alimentação. Dia 02/07 OASIS BAIXA GRANDE / OASIS QUEIMADA DOS BRITOS. As 04:00 desmontamos acampamento, logo após o café iniciamos mais um dia de caminhada, seguindo os dias anteriores um dia leve . O destino é o oásis queimada dos britos, ultrapassando os limites de barreirinhas já adentramos no município de santo amaro do maranhão. O oásis queimada dos britos é realmente o coração dos lençóis, neste dia serão 10 km, de muitos rios cruzados e muitas lagoas gigantes para percorrer. Ao longo do dia faremos pausas para se refrescar em lagoas azuis e profundas no interior do parque. É sem duvidas umas das paisagens mais linda do trekking nos lençóis. A chegada é prevista para o almoço, no local vamos poder armar acampamento para descanso e noite no oásis. Tarde e noite livre para desfrutar do oásis . Taxa de contribuição para área de acampamento, agua, luz e banheiros R$ 15 Cada refeição no oásis baixa grande R$ 35 por pessoa Obs.: opcional levar comida para este dia, haverá ponto de apoio neste local. Responsabilidade individual de consumir ou levar sua alimentação. Dia 03/07 OASIS QUEIMADA DOS BRITOS Neste faremos o mesmo como no oásis baixa grande, vamos visitar uma outra parte da região do oásis. Dentro do oásis queimada dos britos vamos passar o dia na região conhecida como “queimada dos paulos” ou “queimada de baixo”, ficaremos numa outra casa familiar a fim de aumentar nosso grau de envolvimento e experiência com os nativos da ilha. De uma casa ate a outra são cerca de 20 minutos de caminhada, faremos isso pela manha. O restante do dia, tarde e noite ficam livres para atividades que vamos desenvolver. Taxa de contribuição para área de acampamento, agua, luz e banheiros R$ 15 Cada refeição no oásis baixa grande R$ 35 por pessoa Obs.: opcional levar comida para este dia, haverá ponto de apoio neste local. Responsabilidade individual de consumir ou levar sua alimentação Dia 04/07 OASIS QUEIMADA DOS BRITOS / DUNAS As 05:00 levantamos acampamento e logo após o café iniciamos mais uma etapa da travessia nos lençóis. Obs.: opcional levar comida para o almoço neste dia, haverá ponto de apoio neste local durante a manhã. Responsabilidade individual de consumir ou levar sua alimentação. A tarde segue as 15:00 com mais uma caminhada para interior dos lençóis, mais 5 km de percurso ate uma região repleta de lagoas e dunas gigantescas que fazem dessa paisagem um lugar especial para poder admirar e compreender a imensidão do campo de dunas no parque nacional. Montaremos acampamento próximo a uma lagoa, onde teremos oportunidade para banhar em lagoas durante a noite. Jantar no acampamento - Dentro dos Lençóis. Obs.: necessário levar comida para esta noite, não haverá pontos de apoio neste local. Responsabilidade individual de levar sua alimentação. Dia 05/07 DUNAS / BETHÃNIA / DUNAS Desmontamos acampamento as 05:00, logo após o café iniciarmos mais uma etapa da travessia em direção ao povoado Bethânia, um paraíso dos lençóis. Nesta manhã serão 6 km ate o povoado, durante o caminho inúmeras lagoas para banho. Chegada prevista para o almoço no local terá eletricidade para carregar equipamentos eletrônicos. Obs.: opcional levar comida para este dia, haverá ponto de apoio neste local. Responsabilidade individual de consumir ou levar sua alimentação A tarde seguimos com mais uma parte da caminhada, agora serão mais 6 km, partiremos para nossa ultima noite no deserto maranhenses. Neste vamos montar acampamento na região mais bonita de santo amaro, vamos poder aproveitar ali os últimos momentos nas dunas. Esperamos que seja uma noite bem feliz e de muita descontração com todos do grupo. Montagem do acampamento no final da tarde Jantar no acampamento - Dentro dos Lençois. Obs.: necessário levar comida para esta noite, não haverá pontos de apoio neste local. Responsabilidade individual de levar sua alimentação. Dia 06/07 DUNAS / LAGOAS / SANTO AMARO (RESGATE NAS DUNAS PARA SANTO AMARO). Desmontamos o acampamento as 05:00, já vamos poder assistir ao ultimo nascer do sol da expedição nos lençóis maranhenses. Agora serão mais 6 km ate o final do trajeto proposto inicialmente, a chegada é dentro da cidade de santo amaro. Durante o caminho será feita pausa para banho nas ultimas lagoas dos lençóis e também as ultimas para todos que finalizam a expedição lençóis extreme. No total de quase 120 km percorridos durante 10 dias/ 9 noites, cruzando o parque nacional dos lençóis maranhenses por entre dunas e lagoas a expedição lençóis extreme termina aqui. Expedição"Lençóis Maranhenses Extreme" Fase III 118 km 27 Junho a 06 Julho 2018 10 dias, 9 noites 118 km percortidos Roots nas Dunas 1 dia Barreirinhas Vassouras Pequenos lençóis Parque eólico Caburé 12 km 2 dia Caburé mandacaru farol Atins Canto de atins Ponta do mangue 21km 3 dia Ponta so mangue Lagoa Bonita Dunas 22 km 4 dia Dunas Baixa grande Casa do Sr moacir e dona Odete 10 km 5 dia Baixa grande Pernoite sr Moacir Lagoas e Dunas 3 km 6 dia Baixa grande queimada dos Britos Sr Bagardo 12 km 7 dia Queimada dos britos Sr Mansur Lagoas e Dunas 10 km 8 dia Queimada dos britos Pernoite nas Dunas Dunas 12 km 9 dia Dunas Bethânia Pernoite na lagoa das Gaivotas 13 km 10 dia Lagoa das Gaivotas Santo Amaro 3 km Transportes de são luis/barreirinhas/são luis Informações para quem precisa de transportes para chegar em barreirinhas desde são luis: Onibus na rodoviária em 4 horarios distintos, diariamente as Ida : 06:00, 08:45, 14:00 e 19:30. Volta: 06:00, 09:00, 14:00 e 18:45 http://www.cisnebrancoturismo.com.br/mobile/compre.asp telefone: (98) 3243-2847 - Rodoviária Coopcart (cooperativa de taxi são luis/barreirinhas) (98) 32589239 Van: tigrão turismo (98) 996113331 – messias Van : levatur (98) 9 999694544 – Jorge GOPR9617.MP4 GOPR9618.MP4 GOPR9647.MP4 GOPR9658.MP4 GOPR9701.MP4
  10. Travessia Pico Paraná Picos visitados Camapuã Tucum Cerro Verde Itapiroca Pico Paraná 11 A 13 Maio 2018 Integrantes Pedrão Do Brasil Mario Firmino Hernan Gélson Edinei Karla Patrick Luciane Guia https://www.facebook.com/mariocesarfirmino 1° Dia Saímos de Florianópolis no dia 11 de Maio às 03:00 . Chegamos na fazendo do Bolinha as 07:30 hs. Nossa meta era começar pelo pico Camapuã , O que aconteceu. Iniciamos o trekking as 08:00 h como previsto. No início tudo bem. Mas logo apareceu um Morro maneiro, (Camapuã) daqueles que abrem o pulmão de qualquer um. Logo em seguida descemos e atingimos o (Tucum). Pico imponente daqueles que o sujeito pensa logo em desistir da empreitada, mas nada que não possa ser transposto. Descemos, subimos e atingimos o (Tucum). Em seguida descemos e como já era tarde optamos por ir dormir no Itapiroca, já que tínhamos que manter o conograma. Descemos e longo atingimos uma floresta densa e úmida. Iniciamos uma subida hard e logo caiu a noite. De lanternas chegamos ao cume (Itapiroca). Armamos barraca e logo veio uma chuva irada que se estendeu durante toda a noite. 2° Dia Acordamos tomamos café e o tempos ainda estava meio fechado. Desmontados barraca descemos uma descida muito inclinada e hard. Chegamos no entroncamento do Itapiroca com o Pico Paraná. Fomos em direção ao nosso objetivo. Passamos pelo acampamento A1. Logo seguimos nossa trilha, agora a qual ficou mais difícil, agora com obstáculos tipo grampos , cordas, correntes etc.... Trilha de ascensão difícil devido os obstáculos que requerem tempo, atenção e muito calma. Seguimos e logo atingimos o acampamento A2. Descansamos pegamos Água no Camelo, Pois na casa de pedra não havia água. Lembrando gente no topo não tem água. Seguimos em frente e logo nos deparamos com imensos abismos , os quais merecem atenção devida , pois um vacilo e pode se acidentar. Seguimos e logo atingimos o topo do (Pico Paraná) nosso alvo. Acampamos no pico. Irado Tempo bom Pessoas maravilhosas. Jantamos e fomos logo Dormir, pois estavamos todos exautos. 3° Dia Acordamos com o tempo fechado , tomamos café e iniciamos nossa descida, Pois ainda tínhamos que chegar na fazenda do Dilson antes do anoitecer. Descemos todos os grampos , passando pelo A1, A2, entroncamento Pico Paraná e Itapiroca. Descemos a biquinha, entroncamento com o (Caratuva) e seguimos até o Morro do Getúlio e atingimos a fazenda do Dilson as 18:30 hs. Após um merecido Banho quente descemos até Florianópolis onde chegamos as 00:00 hs. Finalizamos a travessia de corpos no limite do cansaço físico e mental. Trilha não recomendada para iniciantes. Tem que ter um bom preparo físico e psicológico. Guia: Mario Cesar Firmino (Montanhista Descalço) https://www.facebook.com/mariocesarfirmino
  11. Expedição a Serra dos Órgãos Fase 3 Expedição a Serra dos órgãos Fase 3 Portal do Hércules. 48 Km 19 a 22 Abril 2017 O roteiro recomendado tem início na Portaria do parque em Petrópolis, localizada no bairro do Bonfim. O sentido Petrópolis-Teresópolis se justifica tanto pela menor dificuldade na passagem de determinados trechos críticos, quanto pela beleza da paisagem, podendo-se admirar de frente a majestosa cadeia de montanhas da Serra dos Órgãos. Primeiro dia: Bonfim-Castelos do Açú Duração estimada: 6 horas A travessia começa na Sede Petrópolis do PARNASO, no bairro do Bonfim. Após cerca de 40 minutos na trilha chega-se à entrada para a Gruta do Presidente e a Cachoeira Véu da Noiva. Mais 50 minutos de caminhada e chega-se à Pedra do Queijo, um bom local para descanso com vista panorâmica para o Vale do Bonfim e os picos da Alcobaça, do Alicate e outras montanhas de Petrópolis. Após mais 40 minutos de subida chega-se ao Ajax, local com fonte de água. O acampamento é proibido no local. Após a passagem pelo Ajax inicia-se o trecho de subida mais íngreme de Petrópolis. Conhecido como Isabeloca, em homenagem a uma suposta passagem pelo local da princesa Isabel em lombo de mulas, este trecho encontra-se bastante erodido. A situação é agravada pelos diversos atalhos que a equipe do parque e voluntários vêm tentando fechar para evitar o agravamento da situação. Ao fim da Isabeloca chega-se ao Chapadão do Açu, trecho mais plano de onde já se avista a Pedra do Açu, também conhecida como pico do Cruzeiro, ponto mais alto de Petrópolis, e os Castelos do Açu, interessante formação rochosa cheia de reentrâncias onde é possível se abrigar da chuva e do vento. Próximo aos Castelos do Açu existe um dos dois Abrigos de Montanha ao longo da Travessia (o outro sendo na Pedra do Sino) e a área de camping adjacente. Este é o local do primeiro pernoite. Segundo dia: Portal do Hércules- Interior Castelos do Acú- Cabeça de Índio- Cruzeiro Duração aproximada: 6 horas Seguindo na direção leste chega-se ao Morro do Marco após cerca de 30 minutos. O local é facilmente identificado pela pirâmide de pequenas pedras que dá nome ao morro. No Morro do marco é possível pegar uma variante da trilha e conhecer os Portais de Hércules. Retornaremos para o castelo do açu, onde conheceremos o interior do Castelo e logo após vamos na cabeça de Indio e no Cruzeiro ver o por do sol Terceiro dia: Castelos do Acú-Pedra do Sino Duração estimada: 7 horas Seguindo na direção leste chega-se ao Morro do Marco após cerca de 30 minutos. O local é facilmente identificado pela pirâmide de pequenas pedras que dá nome ao morro. No Morro do marco é possível pegar uma variante da trilha e conhecer os Portais de Hércules, uma espécie de mirante na beira das vertentes mais inclinadas da Serra dos Órgãos, com bela visão do vale da Morte. Descendo o Morro do Marco, em cerca de 30 minutos chega-se ao Vale da Luva, local coberto pela interessante mata nebular, com grande abundância de plantas epífitas, entre as quais destacam-se orquídeas endêmicas da Serra dos Órgãos. O Vale é cortado por um pequeno riacho onde é possível se refrescar e encher os cantis. O local é uma alternativa de acampamento para aqueles que pretendam fazer a travessia com apenas um pernoite ou para roteiros mais longos do que três dias. Em seguida inicia-se a subida do Morro da Luva. O cume é atingido em cerca de 30 minutos. Após a descida em superfície rochosa, onde a trilha não é bem marcada e o risco de se perder em dias de neblina é alto, chega-se à Cachoeirinha (mais 30 minutos), local com água abundante e ponto recomendado para descanso. A subida do Elevador, logo após a Cachoeirinha, é uma escada de ferro que exige equilíbrio para passar com mochilas cargueiras (foto ao lado). Na seqüência chega-se, após cerca de 40 minutos, ao Morro do Dinossauro, um dos pontos mais altos do parque, de onde já é possível avistar a Pedra do Sino, o Vale das Antas e a Pedra do Garrafão. A descida até o Vale das Antas leva cerca de 40 minutos. No vale estão outras nascentes do Rio Soberbo e o local tem água o ano inteiro. O camping é proibido no local em função da fragilidade do ambiente e das nascentes do rio Soberbo. Após mais uma subida íngreme chega-se ao Dorso da Baleia, em frente à vertente da Pedra do Sino. Do local é possível avistar a maior parede de escalada (bigwall) do Brasil, onde estão as vias Franco-Brasileira e Terra de Gigantes. Após a descida de uma grota, inicia-se a subida do paredão que leva à Pedra do Sino. A subida é íngreme e a passagem conhecida como Cavalinho é o ponto mais perigoso da travessia (foto abaixo), sendo obrigatório o uso de cordas. Após o Cavalinho, o montanhista segue por uma, estreita trilha que contorna a Pedra do Sino até encontrar a trilha de subida para o cume, ponto culminante da Serra dos Órgãos (2.263m). Dependendo da hora de chegada neste ponto, pode-se optar pela subida ao cume ou descida para montar o acampamento ou se instalar no abrigo da Pedra do Sino (Abrigo 4). É proibido acampar no cume da Pedra do Sino. A subida até a Pedra do Sino à noite é altamente recomendável, principalmente em noites de tempo bom. A vista da cidade do Rio de Janeiro à noite é impressionante e vale o passeio. Quarto dia: Pedra do Sino-Teresópolis Duração estimada: 5 horas O percurso do terceiro dia inclui apenas a descida da Pedra do Sino até a Sede Teresópolis do PARNASO. São 11 Km de descida relativamente suave com belas vistas do município de Teresópolis e do Parque Estadual dos Três Picos. Recomenda-se uma nova subida ao cume da Pedra do Sino para admirar o nascer do sol. Abaixo da cota 2000m, a estrutura da vegetação começa a mudar. O campo de altitude é substituído por uma mata nebular, com grande quantidade de bromélias e orquídeas. A trilha sombreada pela mata passa pelas ruínas do antigo Abrigo 3, local de descanso com mirante. Os vestígios do antigo Abrigo 2 são difíceis de reconhecer em meio à vegetação. Uma alternativa para aqueles que desejam mais aventura é fazer outras trilhas com acesso a partir do Abrigo 4, como a trilha do Garrafão, antes de descer. Na descida passa-se por duas cachoeiras, com destaque para a Véu da Noiva de Teresópolis com cerca de 16 metros de queda.
  12. Travessia Pico da Bandeira Trekking ES X MG MG X ES 23 km 2 dias 27/28 Março 2018 1° dia 11.5 km 27/03 Iniciamos na casa queimada as 08:00 hs Subimos até as Duas Irmãs, subida irada. Logo atingimos a trilha que leva ao Pico Do Cristal. Seguimos e atingimos o Pico do Calçado. Logo avistamos o pico da Bandeira ao longe. Chegamos ao cume do Pico da Bandeira as 12 :00 hs. Iniciamos a descida para MG logo em seguida . Descemos até o Terreirão onde esta proibido o camping devido problemas no tratamento de esgoto. Continuamos descendo e passamos pelo Rancho dos Cabritos , vale encantado e logo atingimos a Tronqueira. Lugar irado onde pernoitamos. 2°dia 11.5 km 28/03 Saímos da Tronqueira as 09:30 h. Meio cansado devido ao dia anterior seguimos em direção ao Terreirão. Passamos pelo vale encantado, Rancho dos Cabritos onde tem uma Araucária que é símbolo desta trilha. Atingimos o terreirão as 11:20 hs. Almoçamos e seguimos em direção ao topo, onde chegamos as 14:00 hs. Iniciamos a descida para Casa queimada as 14:30 hs. Passamos pelo Pico do Calçado e logo a frente fomos surpreendidos por uma chuva de GRANIZO. Optamos por seguir em frente para chegar com luz do dia. Passamos pelo mirante das duas irmãs e a chuva não dava trégua. Chegamos na casa queimada as 17:30 h. E assim finalizou mais uma travessia. 20180328_110117.mp4
  13. Travessia Chapada Diamantina Sul x Norte Travessia Extreme Chapada Diamantina 120 Km 5 dias Média de 24 km/dia Esta Travessia é puxada , anda-se muito 15 a 20 de março de 2018 1° dia 15 km Arvore x Cela via Machonbomba. Ínicio 10 hs Término 17 hs Iniciamos na trilha que leva a Cachoeira da Fumacinha na parte sul da Chapada. Pegamos a Trilha que vai para toca do Vaqueiro , em um certo momento deixa esta trilha e segue no Gerais do Machobomba Finalizamos as 17 hs na Cela que leva ao Rio Mucugê. Pernoitamos Roots na Trilha. 2° dia 25 km Cela x Mucugê Ínicio 9 hs Término 19 hs Saimos as 9 hs enm direção a Mucugê. Iniciamos coloca do totem e reabrindo a trilha. Atingimos o Rio Mucugê e des emos até o entroncamento com o Capão do Corrêa. Almoçamos e continuamos desce do o rio, agora em uma trilha e depois uma estrada até o centro. Pernoitamos no www.hostelmucuge.com.br da nossa amiga Bel. 3° dia 32 km Mucuge x paty Ínicio 9 hs Término 19 hs Iniciamos nossa incursão neste dia pelo acesso a trilha indo andando atéa AABB. dali pegamos meio que um misto de estrada e trilha de areia até a junção do Rio Preto com o Rio Paraguaçu. Tivemos que agravessar sem as botas. Tinha chovido muito e o rio estava cheio. Caminhamos até a Toca do Caboclo , lugar irado bom para Pernoitar. Tomamos um bom café e seguimos em direção a Serra do Palmito. Subimos ainda mais e chegamos na entrada do Cachoeirão por cima , Matinha e depois quando já era noite descemos o Arrodeio e chegamos na Igrejinha já no Vale do Paty. 4° dia 25 km Paty Igrejinha x vale do Capão Ínicio 9 hs Término 18 hs Neste dia saímos andando do Vale do Paty (Igrejinha) pelo Delson, uma trilha pouco usada por trilheiros e sim por mulas que levam os alimentos para o vale. Seguimos com muita chuva e trilha com muita água ao ponto de encharcar a bota. Depois de 3 horas andando atingimos o Rancho do Vaqueiro , lugar de descanso e de recuperar as energias. Dali seguimos pelo Gerais do Vieira e logo atingimos o Córrego das Galinhas. Seguimos de descemos o Bomba. Como estava tarde optamos por seguir a pé até o Capão. 5° dia 23 km Vale do Capão x Lençóis Ínicio 9 h Término 18 hs Na ultima pernada da trip foi iniciada com muito sol. Fomos em direção a Águas Claras e pegamos a interseçào para o Grisante que é uma cachoeira irada. Passamos pelo Rio Piaba. Entroncamento com o Fundão e 21. Seguimos em frente em uma trilha fantastica a qual não é vendida pelas agências de Trekking. Logo frente aparece Lençóis ao longe. Descemos mais e atingimos a Cachoeira do Grisante. Lugar irado.
  14. Guia Volta na Ilha Grande Extreme Trekking 06 a 12 Novembro 2017 (7 dias) 120 km https://www.facebook.com/pedraodobrasil 27-99805-8885 Guia: https://www.facebook.com/ivojunior.brito 1°dia 6/11 Saída de barco de Conceição do Jacareí. 8e30 Chegada Vila do Abraão. 9 hs. Início Trekking 10 hs Termino 21 hs Distância 21,6 km. Hard Vila Abraão Juliana Palmas Castelhano Farol de Castelhano (Esta Trilha só tem um ponto de água. além das casas) Lopes Mendes Pernoite roots na Praia Lopes Mendes 2°Dia 7/11 Lopes Mendes Trilha Santo Antônio x Cachadaço (Trilha hard) Praia de Cachadaço Trilha hard. Não indicada para iniciantes. Início 8 hs Termino 14 hs. Distância 10 km Hard. Distância 14 km Pernoite Praia de Cachadaço 3°Dia 8/11 Cachadaço Dois Rios Paranóica Praia do leste Praia do Sul Praia do Demo Aventureiro Distância 20 km Pernoite em Aventureiro Início 8 hs Termino 21 hs 4°Dia 9/11 Aventureiro Proveta Praia Grande de Araçatiba Tempo 7 hs Distância 13 km 5°Dia 10/11 Praia Grande de Araçatiba Praia de Itaguaçu Praia Vermelha Gruta do acaia Praia Grande de Araçatiba Distancia 13 km Início 9 hs Termino 14 hs 6°Dia 11/11 Praia Grande de Araçatiba Lagoa Verde Uberabinha Praia Sitio Forte Matariz Bananal Freguesia de Santana Japariz Saco do Céu Aqueduto Praiade Abraão Hard Início 9 hs Termino 23 hs Distância 27 km 7°Dia 12/11 Praia de Abraão Pico do Papagaio Praia de Abraão Início 10 hs Termino 17 hs Distância 11.4 km
  15. Pico da Bandeira (Travessia) ES X MG , MG X ES 1° dia: Saída de Vitória as 07 hs. Chegada portaria Pedra Menina as 13 hs. Entrada no Parque as 14 hs. Pernoite Casa Queimada. 2°dia: Saida Casa Queimada as 7 hs. Pedra Duas Irmãs. Pico do Calçado Pico do Cristal Pico da Bandeira Terreirão Retorno para Casa Queimada Tempo 11 hs distância 18 km 3° dia: Casa Queimada Cachoeira da Farofa Cachoeira dos Sete Pilões Portaria Pedra Menina Mundo Novo Patrimônio da Penha (Festival Jazz e Blues)
  16. O Monte Mochuara é um maciço de pedra com 718 m de altura e pode ser visto de vários pontos da Região Metropolitana. Habitat natural de diversas espécies ameaçadas de extinção, é considerado o principal ponto turístico natural de Cariacica. De origem indígena e com influências das culturas negras e europeias, Cariacica é a imagem da miscigenação brasileira. Segundo os antigos habitantes, o nome surgiu da expressão “Cari-jaci-caá”, utilizada pelos índios para identificar o porto onde desembarcavam os imigrantes. Sua tradução é “chegada do homem branco”. A cidade reúne o urbano e o rural em plena harmonia e, de forma sustentável. O centro urbano abriga grande área comercial e cerca de 90 % da população, mas a região rural se estende por uma ampla área do território e, é marcada pela diversidade natural principalmente aos pés do Monte Mochuara. Monte Mochuara possui 728 metros de altitude. Esta montanha (a segunda mais alta da Grande Vitória) possui um paredão de cor esbranquiçada com cerca de 300 metros de altura que no momento está recebendo sua primeira via. Na base da montanha encontra-se um grande bloco negativo que possui boas vias esportivas. Outro local para se conhecer é a Estação Ferroviária de Cariacica, juntamente com a Estrada de Ferro Vitória-Minas. Um dos principais programas dos antigos moradores era ver o trem passar pela manhã em direção a Minas e à tarde em direção a Vitória. Segua abaixo algumas fotos
  17. Patrimônio da Penha Como chegar em Patrimônio da Penha Existem algumas maneiras de chegar em Patrimônio da Penha vindo de Vitória, com caminhos pela BR-262 e pela BR-101, mas vou focar somente na que o Google Maps indica, justamente o trajeto que fizemos para voltar da Penha e que é totalmente asfaltado – apesar de ter muuuitos buracos na estrada. A distância a ser percorrida desde a Rodoviária de Vitória é de 235 Km, indo pela BR-262, o que dá umas 4 h de viagem, a depender do trânsito de caminhões lentos que você irá encontrar pelo caminho. Onde se hospedar em Patrimônio da Penha A zona urbana do distrito não tem nem 1 Km, mas, ainda assim, só nessa pequena área, você já encontra algumas opções de hospedagem. A primeira são os campings, e aqui eu destaco dois: o Cachoeira da Vó Tuti, que fica a poucos metros da rua principal e tem a sua própria cachoeira no quintal, além de um espaço para esportes de aventura. As cachoeiras de Patrimônio da Penha Patrimônio da Penha possui uma fantástica sequência de cachoeiras que iremos apresentar para você agora. No alto dessas cachoeiras está uma “praça” com um balanço pendurado em uma enorme árvore, a Casa de Vidro e o Portal do Céu, mas não conseguimos visitar esses dois últimos locais, e você vai entender o porquê mais adiante. O percurso para passar pelas Cachoeiras da Penha é por uma estrada de terra, com o rio passando sempre do lado esquerdo e com as cachoeiras acessíveis basicamente por trilhas, e a distância de caminhada para chegar até a praça do balanço, seguindo sem nenhum desvio desde a guarita da entrada das cachoeiras, é de 1,3 Km – na descida, percorremos esse trecho em 25 minutos de caminhada direta. *Cachoeira Vó Tuti Saímos da CasaZen já no final da tarde e fomos caminhando mesmo, tendo o primeiro contato com a parte urbana de Patrimônio da Penha. Em uns 600 m, após passarmos pela entrada do campo de futebol à esquerda, viramos à direita na placa que indicava o caminho para a Cachoeira Vó Tuti e percorremos mais uns 300 m até a propriedade, que possui bar, restaurante, área de camping e espaço para atividades radicais, como escalada e tirolesa. Ah, claro, tem também uma cachoeira no quintal. *Cachoeira Beija-Flor Tomamos café no dia seguinte e a Tetê sentou com a gente para nos passar as instruções a fim de conhecermos as demais cachoeiras de Patrimônio da Penha. Saímos então às 8:30 h de carro mesmo – poderia ser a pé, mas foi mais cômodo assim – e, em 400 m, viramos à direita na placa que indicava “Acesso às Cachoeiras do Patrimônio da Penha”, na esquina da Assembleia de Deus. *Cachoeira Caldeirão das Maravilhas Essa aqui é uma cachoeira escondida, pois não há placa na estrada indicando a existência dela. Saindo da Beija-Flor, caminhe só por uns 200 m e à esquerda haverá uma casa abandonada. Siga pela lateral esquerda da casa e você verá uma trilha com descida – o caminho é esse. A trilha aqui já é mais rústica e inclinada, precisando em alguns pontos de um apoio nos galhos. *Cachoeira Arco-Íris Bem pertinho da Caldeirão das Maravilhas está a Cachoeira Arco-Íris, voltando para a estrada e pegando novamente uma trilha à esquerda mais adiante. Ela tem uns três poços com pequenas quedas d’água e outra queda d’água bem maior mais acima nas pedras. Para ir nessa outra queda d’água, volte para a trilha e logo vire à esquerda. Essa cachoeira mais acima no rio tem um poço maior e melhor para banho. *Cachoeira da Purificação De volta à estrada, continuamos o caminho e logo nos deparamos com uma bifurcação: para a esquerda, mais alguns poços; para a direita, uma ladeirinha com trilha bem estreita que é o caminho para o balanço, o Portal do Céu e a Casa de Vidro. Seguimos para a esquerda. Na verdade, estávamos meio perdidos nesse momento, pois achávamos que a Casa de Vidro era por ali, o que não tem nada a ver. Logo à frente, a pista de carros termina no rio, onde poderíamos atravessá-lo ou pegar um caminho pela direita – a Cachoeira da Purificação é por essa direita. Mas antes fomos em direção ao rio e paramos um pouco para apreciar a vista maravilhosa do alto de uma queda d’água, que era a cachoeira mais acima da Arco-Íris. O que mais tem para fazer em Patrimônio da Penha e nas redondezas? Para finalizar as atrações da Penha, vamos deixar duas atrações para curtir à noite: o Bar Destino e o Armazém, todos ali pertinho, na rua principal. O Bar Destino (que não tem nenhuma relação com o Destinões :P) tem um cardápio variado, que flerta mais com as comidinhas de boteco, mas também é restaurante e cafeteria. Já o Armazém é uma pizzaria, e em alguns finais de semana ou em datas específicas, como feriados, rola alguma banda – na noite que estivemos por lá tinha um forró pé-de-serra. Em todos dá para tomar uma gelada, aquela pinga e outras bebidas para esquentar a noite. Balanço, Casa de Vidro e Portal do Céu O caminho que leva ao Portal do Céu é bem fácil de identificar, que é essa subida pela direita da imagem abaixo, passando por uma trilha apertada – e também porque tem uma placa escrita “Trilha Portal do Céu”. PEDRA ROXA, IBITIRAMA Patrimônio de Pedra Roxa é uma região de Santa Marta distrito de Ibitirama. Também esta no entorno do Caparaó. Fica a 22 km da sede do município. É no caminho de Ibitirama para Pedra Roxa (depois de Santa Marta) que fica a Tecnotruta. Uma propriedade muito conhecida, responsável pela criação de trutas, peixe que veio do frio polar canadense e se adaptou às montanhas do Espírito Santo. A temperatura baixa e o clima ameno das montanhas tornaram-se o cenário perfeito para a criação de trutas. A Tecnotruta cria e vende o peixe inteiro ou em forma de filé. Vale a visita pela beleza do lugar, com todos aqueles tanques. E há um pesque e pague e um restaurante onde você pode apreciar o peixe em pratos diferenciados. *Cachoeira Pedra Roxa *Cachoeira Do Granito IUNA Dentre as cachoeiras pode se citar: Cachoeira do Rio Claro, Braz, dos Jesuítas, Chiador, São João do Príncipe, Recanto do Príncipe, Poço dos Guardas. Cachoeiras com piscinas naturais de águas cristalinas propiciando lazer a milhares de turistas capixabas e de outros estados. Nas comunidades de Rio Claro, São João do Príncipe e Santa Clara, estão localizados ótimos pontos de visitação, com estrutura de restaurante, pousada, camping e local de banho muito aconchegante. HIDROLÃNDIA. Hidrolândia, uma verdadeira raridade paradisíaca do nosso Espírito Santo. Com águas cristalinas, linda fauna e flora. ….nada se tira a não ser fotos, nada se deixa a não ser pegadas, nada se mata a não ser o tempo…
×
×
  • Criar Novo...