Ir para conteúdo

Luciahito

Membros
  • Total de itens

    34
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Luciahito postou

  1. Ola Roberto, Apliquei o visto pela internet e é super tranquilo. Nao tem muito segredo pra preencher. Tem um passo a passo em portugues para baixar. O meu visto saiu na hora.
  2. Olá Thiago Qual a agencia que vc fechou Rainbow Montains? Achei o preço muito bom.... ouvi dizer que era USD180!!!
  3. Muito legal o seu relato, definitivamente é para lá que tenho que ir! Estava com receio de ir sozinha e não conseguir fechar os passeios sem ser enrolada, mas parece que é tranquilo! Obrigada!
  4. Yulla pode usar o e-mail do Cordial House
  5. Olá Sueli Obrigada pela visita! Como fechei um pacote, eu não tenho o valor deles. O que eu paguei e lembrei, está no relato. Se lembrar de mais, vou atualizando. Abrçs
  6. Olá Samanta Levei 800 euros e deu pra pagar tudo, inclusive fazer umas comprinhas. Isso sem passagem. A passagem sai por volta de USD1000. Bjos Lucia
  7. Olá Lana Obrigada por ler o relato. Coloquei umas fotos a seu pedido. Bjos
  8. Olá mochileiros Deixo aqui a minha contribuição ao site que muito me ajuda nas minhas aventuras pelo mundo. Fiz uma viagem de 12 dias para a Turquia, e recomendo muitíssimo! Lugar maravilhoso e fácil de viajar. Os turcos são bem receptivos. Em 10 dias dá pra conhecer bastante coisa, mas é meio corrido. Tem lugares que merecem mais atenção. Antes de viajar já tinha reservado o albergue em Istanbul e os demais passeios deixei pra ver lá. Queria ir pra Capadocia, Pamukkale e Ephesus. Para referência: 1 EUR = 2 a 2,10 TL Garrafa de Água 500ml = 0,50 a 1TL Dia 14/08 – sai de São Paulo com destino a Istanbul no vôo da Turkish Airlines. O vôo saiu as 23h45min, escala em Dakar e chegada em Istanbul às 20h20min do dia 15/08. Bem tranqüilo. Dia 15/08 - Cheguei ao aeroporto Ataturk. Istanbul tem dois aeroportos, o Ataturk e o Sahyba, no lado asiático. Já tinha reservado um transfer com o hostel, já que o vôo chegaria de noite e eu não sabia se era seguro ir de transporte público. Custou EUR22. Achei um absurdo, pois depois que cheguei à cidade, vi que tinha serviços de transfer cidade/aeroporto por EUR 8!!! Fiquei no Sultan Hostel (http://www.sultanhostel.com), em Sultanahmet. Peguei um quarto compartilhado feminino com banheiro privativo. Custou 14EUR com café da manhã. Gostei do hostel, tem um bar muito legal com mesinhas na calçada e outro na cobertura, com vista para o Mar de Marmara. Uma noite teve show de dança do ventre e churrasco. Outro ponto importante, o hostel é bem localizado, perto dos principais pontos turísticos, como Aya Sofia, Mesquita Azul e Topkapi Palace. A rua é bem movimentada com vários restaurantes, bares e agências de turismo etc. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916081630.JPG 500 375 Sultan Hostel]Sultan Hostel - Istanbul[/picturethis] Dia 16/08 – tomei o café da manhã turco, que inclui fatias de pepino e tomate, azeitonas pretas, ovo cozido, queijo e pão. Fui andando do hostel até Aya Sofia (TL20), Mesquita Azul (grátis), Basilica Cistern (10TL) e Spice Bazar. A cidade estava lotado, então é melhor chegar cedo ao Aya Sofia pra não pegar muita fila. Em Eminonu onde fica o Spice Bazar, comi um sanduíche de peixe que é vendido nos barcos. Muito bom e barato! Claro que a noite, não pude deixar de experimentar o kebab. Tem vários restaurantes na Divan Yolu que vendem o famoso sanduíche grego. Muito bom tb! Tem de preços de turista e preço de locais. Uma faixa de 5TL. É legal provar com o Ayran, tipo de um iogurte salgado que se bebe junto com o kebab. Com relação às roupas, tudo muito tranqüilo. As européias andavam de mini saia e blusa de alcinha. Pra entrar nas mesquitas, é preciso cobrir os ombros e os joelhos. Garotas, é sempre bom ter uma echarpe na mochila. Atenção se vc estiver viajando sozinho/a: tem muitas historias de pessoas que caíram no conto do tipo “boa noite Cinderela” e foram assaltadas ou de pessoas extorquidas. Claro que isso não é pra todas as situações, mas é sempre bom confiar desconfiando e não se envolver em situações que possam estragar a viagem. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916082052.JPG 500 375 Legenda da Foto]Aya Sofia[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916082304.JPG 500 375 Legenda da Foto]Aya Sofia[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916082456.JPG 500 375 Legenda da Foto]Basilica Cistern[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916082736.JPG 500 375 Legenda da Foto]Blue Mosque[/picturethis] Dia 17/08 – junto com duas garotas francesas que conheci no hostel, fui ao Topkapi Palace (25TL). Imperdível! Passei a manhã e uma parte da tarde admirando o palácios dos sultões otomanos. Atenção, o palácio tem um anexo, chamado Harem, que é a parte mais legal. Tem que comprar um ingresso a parte (15TL). Pausa para o kebab. Depois fui até o Cordial Hostel, fechar o meu passeio para a Capadocia. Já tinha negociado aqui do Brasil, mas deixei pra fechar lá, pois poderia comparar os preços. Eu tinha feito contato com o Tugrul, dono do Cordial Hostel. O Renato, que eu conheci no site do mochileiros tinha me passado o contato dele. O Tugrul é muito simpático e atencioso e adora brasileiros. Ele costuma fazer um descontinho. Fechei o pacote ônibus Istanbul/Capadocia, uma noite de hotel, dois dias de tour com almoço incluso, passeio de balão, ônibus para Pamukkale, tour em Pamukkale, ônibus para Selçuk, tour em Ephesus e ônibus de volta para Istanbul, tudo por 395 EUR. O preço foi muito bom, pois só o passeio de balão custava 150EUR nas agências locais. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916083022.JPG 500 375 Legenda da Foto]Entrada do Topkapi Palace[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916083517.JPG 500 375 Legenda da Foto]Topkapi Palace[/picturethis] Dia 18/08 – fui até Eminonü de manhã e comprei um ticket para o barco do Estreito de Bósforo. O que eu comprei era o transporte público normal, mas tem a opção de barcos turísticos, quase que pelo menos valor, com a diferença de que o transporte público vai até o final do estreito e, os turísticos, somente até o forte, na metade do trajeto. Fui até Anadolu Kavagi, um balneário com diversos restaurantes de frutos do mar e um forte no topo. Fica do lado asiático. Fiquei lá por umas 3 horas, até o barco sair de volta a Istanbul. De volta a Istanbul, fui até a Galata Tower (ingresso a 10TL) admirar uma vista 360° de Istanbul. Depois fui até a Estação Sirkeci, comprar o meu ingresso para assistir a apresentação de dervixes (ingresso a 35TL). Tem vários shows na cidade, mais baratos e mais caros, com jantar etc. Eu escolhi esse porque eu lido no livro do Zeca Camargo sobre essa apresentação e ele gostou muito. Eu estava bastante ansiosa por essa apresentação. Realmente é muito bonito, até meio hipnótico, com aqueles dançarinos rodando no mesmo lugar, por vários minutos. Dizem que tem uns que rodam por horas e não caem. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916083904.JPG 500 375 Legenda da Foto]Estreito de Bosphorus[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916083319.JPG 500 375 Legenda da Foto]Galata Tower[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916084337.JPG 500 375 Legenda da Foto]Dervixes[/picturethis] Dia 19/08 – Fui ao Grand Bazaar. Parece uma 25 de março coberta. Tem tudo que vc possa imaginar. Impossível sair sem uma lembrancinha: lojas de tapetes, echarpes, lamparinas, pratas etc. Têm umas lembrancinhas tipo chaveiro, pulseiras, carteirinhas por 1TL. O prédio é muito bonito, com muitos mosaicos. Neste dia aproveitei pra comer um milho. Por toda a cidade tem uns carrinhos que vendem milho cozido e milho assado, por 1TL. Muito bom. À noite, a van passou no hostel para ir até o ônibus que seguiria para a Capadocia. Seriam 12 horas até Ürgup. O ônibus tinha as poltronas muito desconfortáveis e não tinha banheiro. OBS: Nenhum ônibus na Turquia tem banheiro. Então, não tomem cerveja antes de embarcar quem nem eu fiz rssssss [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916084440.JPG 500 375 Legenda da Foto][/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916084542.JPG 500 375 Legenda da Foto][/picturethis] Dia 20/08 – O ônibus foi até uma cidade chamada Nevsehir e de lá trocamos para uma van que foi até Ürgup. Chegando lá, deveria ter uma pessoa esperando pra me levar até o hotel, mas não tinha ninguém. Estava eu e um italiano, perdidão. Depois de muito perguntar, um turco que parecia ser de uma agência, nos levou até o hotel. O dono do hotel veio se desculpar, dizendo que houve um desencontro do motorista que deveria estar nos esperando. Enfim, deu tudo certo. Fiquei hospedada no Dedeli Konak Cave Hotel. Fiquei num quarto-caverna, muito comum na Capadocia. Às 09h30min, a guia passou no hotel, e fui para o primeiro dia de tour na Capadocia. Eu particularmente não gosto de tours organizados, mas como eu tinha pouco tempo, decidi fechar um. Na Capadocia, isso fez muita diferença, pois os lugares são muito distantes um dos outros. Só não escapei daquela passadinha numa demonstração de alguma loja e no final, tem uma lojinha com preços absurdos. No primeiro dia, fui ao Devrent Valley, Monkey Valley, Gorëme Open Air Museum e Uçhisar Castle. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916084906.JPG 500 375 Legenda da Foto]Devrent Valley[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916085029.JPG 375 500 Legenda da Foto]Goreme Open Air Museum[/picturethis] Dia 21/08 – acordei às 04h30min para ir ao passeio de balão. Tive um pequeno problema, a agência não tinha confirmado a minha reserva e fiquei esperando um tempão no hotel. A sorte foi que o dono do hotel estava acordado, pois era o primeiro dia do Ramadã. Ele ligou pra agência e conseguiu avisar. O balão estava me esperando pra sair. É maravilhoso ver aquelas formações de cima sob os primeiros raios da manhã. Foi uma hora de passeio, e quando o balão desceu, teve um brinde com champagne e recebi um diploma de que havia feito o passeio. Retornei ao hotel, e às 09h30min, a van saiu para o segundo dia de tour: Red Valley, Çavusin Village, Pigeon Valley, Kaymakli e Ortahisar Castle. À noite, sai de ônibus para Pamukkale. Foi meio confuso pegar o ônibus, eu ia pra Pamukkale mais tinha que pegar o ônibus que ia pra Denizli, e de lá pegar um micro-ônibus para Pamukkale. O motorista não falava inglês então não deixava o pessoal de Pamukkale entrar no ônibus. Mas no fim, estava tudo certo. Seria 12 horas de viagem. Sem banheiro. Pra não assustar, o ônibus pára várias vezes nos postos de estrada. Com relação ao Ramadã, pra quem não sabe, os muçulmanos ficam sem comer e beber desde o amanhecer até o cair da noite, por 30 dias. Os restaurantes funcionam normalmente. Não tem problema de ficar sem comida. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916085221.JPG 500 375 Legenda da Foto]Passeio de Balão[/picturethis] 22/08 – chegada em Denizli. Tinha uma van da agência aguardando para nos levar até Pamukkale. Fui até um hotel e fiquei esperando até as 09h30min pra ir para Hierapolis. Em Hierapolis, tem as ruínas e os travertinos, umas piscinas naturais de calcário. É muito bonito, as piscinas são branquinhas e a água fica azul bem clarinho. As pessoas vão lá para tomar banhos terapêuticos. Tem também um parque aquático com águas termais. No final da tarde, a van nos deixou na rodoviária para pegar o ônibus para Selçuk. São 3 horas até lá. Cheguei à rodoviária e peguei a van do Atillas Getaway Hostel (http://www.atillasgetaway.com), onde eu iria ficar. Tem um meeting point e o cara da agência da frente liga pro hostel, avisando que vc está esperando. O hostel era demais, tinha piscina com vários almofadões ao redor. Fiquei no quarto coletivo por 10EUR com café da manhã e jantei uma comida muito boa por 8TL. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916085457.JPG 500 375 Legenda da Foto]Travertines[/picturethis] 23/08 - dia de descansar. Dia sim dia não era acordando cedo e dormindo nos ônibus noturnos. Esse dia eu acordei tarde, aproveitei a piscina do hostel e fui a uma praia próxima, Pamuçak. Dizem que essa é uma das praias mais bonitas e mais tranqüilas da Turquia. Era tranqüila, mas bonita... me decepcionei. Não querendo comparar com as nossas praias, mas as nossas são muito melhores. Peguei um micro-ônibus na rodoviária por 2,50TL pra ir até Pamuçak. 24/08 – Muito calor. Tomei café, por sinal muito bom, com várias opções no cardápio. Às 09h30min o tour passou pra me pegar e fomos à casa da Virgem Maria, e logo depois para Ephesus. Muito bonito e muito calor. Lotado de turistas. Vá preparado com chapéu, água e protetor solar. Neste dia, fui numa demonstração de artigos de couro. Tinha um desfile com música e luzes, e modelos vestindo jaquetas de couro! Claro que os preços eram exorbitantes... Retornei do tour às 16h30minhrs e o ônibus para Istanbul era somente às 21h15min. Fiquei no hostel curtindo a piscina, jantei e o pessoal me levou na rodoviária. Esse ônibus era muito bom, da empresa Kamel Koc. Tinha filme, rádio e serviço de bordo. Mas sem banheiro. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20090916085627.JPG 500 375 Legenda da Foto]Ephesus[/picturethis] 25/08 – cheguei a Istanbul na rodoviária. A empresa de ônibus oferece um serviço de transfer para alguns pontos da cidade. Peguei o que ia pra Sultanahmet, porém ele me deixou numa estação de tram. Peguei o tram e fui até Çemberlitas e fui pro hostel Cordial Hostel (http://www.cordialhouse.com). Peguei um quarto coletivo por 8EUR (preço camarada, pois o normal é 10EUR). O hostel é bem legal, limpo, e bem localizado. Fica numa travessa da Divan Yolu e perto do Grand Bazaar. Dia das compras no Grand Bazaar e no Spice Bazaar. Comprei uns chaveirinhos e o loküm, um doce turco, tipo uma gelatina com pedaços de pistache, amêndoas e coberto por açúcar. Muito gostoso. Tem de dois tipos, o adoçado com açúcar e o adoçado com mel. Achei o de mel melhor. E mais caro, meio quilo, 15TL negociados. Os de açúcar tem por 8TL. Tinha uma feirinha de artesanato na frente do Spice Bazaar. Comprei um chaveirinho com o nome do meu namorado escrito em caligrafia otomana por 5TL. Neste dia tinha um festival do Ramadã perto da Mesquita Azul. Mas as barraquinhas de comida só começariam a funcionar a noite, quando termina o jejum. Fui também no Mc Donald’s. Comi um Mc Turco, tipo um pão sírio com hambúrguer e salada. Nada de mais. 26/08 – acordei cedo e peguei o transfer para o aeroporto Ataturk. O meu vôo saia às 09h45min. Temos que passar as bagagens duas vezes no raio X, quando entra no aeroporto e antes de entrar no avião. Seriam 14 horas de vôo até chegar a São Paulo, às 19h45min.
  9. Olá Vanessa Tudo bem? Parabéns pela viagem, muito lina. Vi o clip no YouTube e aquela musiquinha impreguinou na minha cabeça!!!! Em maio vou para a Colombia, sozinha, só eu e Deus, pra passar uns vinte dias. Vc acha que é seguro viajar sozinha por lá? Pretendo fazer os trechos de avião (Bogotá, Cartagena e San Andres). Obrigada! Abrçs
  10. Com dólar vc se vira bem, só trocar nas casas de câmbio que são super fáceis de se encontrar por lá.
  11. Luciahito

    Dicas da Tailândia

    Veronica Eu não tenho nenhum contato de e-mail pois eu fui sem reservar nada e não acabei anotando os endereços (que furada!!!). Mas teve um pessoal aqui do mochilieros que foi a pouco tempo que tz possa ajudar. Galera, alguém pode ajudar a nossa amiga???
  12. Luciahito

    Dicas da Tailândia

    Posted: 30 Mar 2006 19:34 Post subject: -------------------------------------------------------------------------------- Muitas pessoas vão lá principalmente dos lados que estavam envolvidos na Guerra. PAra alguns chegam lá e se decepcionam pois não tiveram o trabalho de ler um pouco sobre a ponte antes de ir. Tem tambem muitas opções sem ser por pacote para ir.
  13. Luciahito

    Dicas da Tailândia

    Posted: 13 Mar 2006 19:22 Post subject: -------------------------------------------------------------------------------- Olá Roberto, A ponte do rio Kwai é famosa por causa de um filme, A ponte do Rio Kwai (não sei bem se é esse o nome...) Comprei um pacote de dois dias para Kanchanaburi e que incluia um passeio de trem que o embarque era na estação da ponte. Depois de umas 2 horas de trem, descemos numa estação de trem que supostamente alguém iria nos pegar para nos levar a acomodação na qual passaríamos a noite. Tardou mas chegou. Os thais são um tanto confusos. Mas o passeio vale a pena, pois a região oferece cachoeiras, caminhadas e o bambu rafting, em que vc desce o rio em jangadas de bambu. As paisagens são lindas!!!
  14. Luciahito

    Dicas da Tailândia

    Posted: 24 Dec 2005 23:57 Post subject: -------------------------------------------------------------------------------- Olha eu estive la (Kachanabury)por poucos dias e valeu. Assim como toda Tailandia é bem turistica, mas é pequena e vc pode curtir e até fugir um pouco dos pacotes. Alugar uma bicicleta é uma boa pedida. Tem um parque nacional com cachoeiras bacanas para nadar. Vc pode se hospedar em casas flutuantes, tem um mercado legal, e varios lugares ligados a WW2. Tem varios tours de passeios de elefantes, jangadas de bambu etc que podem agradar dependendo do gosto do viajante. Eu fui de onibus de linha a partir de Ayutayua. Foi uma boa pedida. Passar por cidades que não tem turismo, nem nosso alfabeto, nem falam Ingles é bom num pais tão poluido com o turismo. No caminho de la para Bangkok tem um mercado flutuante, que vale a pena se vc não tiver visitado em outra cidade.
  15. Luciahito

    Dicas da Tailândia

    Posted: 27 Nov 2005 17:21 Post subject: Ponte do rio Kwai - Colabore com suas dicas! -------------------------------------------------------------------------------- Oi pessoal, alguém já incluiu essa atração (Ponte do rio Kwai) em algum roteiro de viagem? Como faço pra chegar até lá? Vale a pena? Abraços Roberto Fabri
  16. 12/09/2005 - 16h09 Ponte do rio Kwai é ponto de partida para explorar a Tailândia ANA LUCIA BUSCH Diretora-executiva da Folha Online http://www1.folha.uol.com.br/folha/turismo/noticias/ult338u5288.shtml Ponte sobre o rio Kwai, que ainda mantém os arcos da estrutura original A história real de Kanchanaburi (oeste da Tailândia), durante a Segunda Guerra Mundial, começou no início de 1942, após o país ter declarado guerra à Grã Bretanha e aos EUA e permitido que tropas do Japão ocupassem seu território. Os japoneses planejaram construir, em cinco ou seis anos, uma ferrovia para ligar a Tailândia à Mayanmia (antiga Birmânia), incluindo uma ponte sobre o rio Kwai Yai, em Kanchanaburi. A obra terminou em menos de três anos e provocou a morte por maus-tratos ou doenças de cerca de 16 mil prisioneiros de guerra, além de 240 mil asiáticos, empregados na construção. O episódio virou sucesso no cinema na pele do coronel britânico Kol Nicholson, vivido por Alec Guiness em "A Ponte do Rio Kwai" --em versão bastante romanceada. O filme, rodado na verdade no Sri Lanka, além de ter ganho sete Oscars, conseguiu chamar a atenção para uma das regiões mais belas da Tailândia --ponto de partida para explorar as belezas naturais do país. A cidade fica na junção de dois rios --o Kwai Noi e o Kwai Yai. O cenário montanhoso, que acompanha as margens dos rios, combina vegetação de selva --com samambaias gigantes e bambuais que lembram os filmes sobre Vietnã-- com locais para pesca, rafting, cachoeiras e até golfe. O parque nacional de Erawan, com 550 m2 revela os pontos culminantes --uma reserva com 80 espécies de animais, cavernas e um conjunto de cataratas com quedas divididas em sete níveis, em um total de 1.500 m. Para os mais entusiasmados, uma trilha percorre toda a extensão da 'ferrovia da morte', por dentro da selva. No caminho, banhos de cachoeira, passeios por orquidários naturais ou visitas a pequenas aldeias de nativos. Para quem dispensa aventuras em favor da história, o roteiro deve começar pela própria ponte, a cerca de 4 km do centro da cidade. A obra foi concluída com trabalho de prisioneiros de guerra, com peças trazidas de Java (Indonésia). Bombardeada várias vezes, a ponte foi reconstruída após o guerra, mas ainda mantém parte da original, em arcos. A ponte fica aberta para caminhadas --uma experiência que mexe com os nervos: o espaço entre os dormentes deixa ver a água do rio. Próximo da ponte, o Jeath Museum, construído em bambu e sapé, como os barracões dos prisioneiros, mantém mostra fotográfica permanente com cenas da guerra e do dia-a-dia dos presos, além de objetos pessoais e recortes de jornal. Há ainda um cemitério de guerra (Kanchanaburi War Cemetery) com 6.982 sepulturas de prisioneiros de guerra. Acesso A Tailândia não pede visto de entrada de brasileiros com passaporte dentro da data de validade --desde que o objetivo seja turismo e o período da viagem não ultrapasse 30 dias. Mas o serviço de imigração no aeroporto de Bancoc exige de todos os passageiros vindos do Brasil vacina contra febre amarela, aplicada no mínimo dez dias antes da chegada. Extraído de www.folha.com.br.
  17. 13/07/2006 - 11h53 Tailândia: Rei e Buda "disputam" a atenção de turistas MARISTELA DO VALLE Colaboração para a Folha de S.Paulo, na Tailândia http://www1.folha.uol.com.br/folha/turismo/noticias/ult338u5633.shtml Na Tailândia, além de real, a festa é oficial. Neste ano, o país comemora o 60º aniversário da coroação do rei Bhumibol Adulyadej. As cidades estão salpicadas de bandeiras amarelas (a cor do rei, porque ele nasceu numa segunda-feira), placas comemorativas e fotos do monarca em várias fases da sua vida, principalmente as mais jovens, dando a impressão de que ele ainda não envelheceu, apesar dos seus 78 anos. ] Toda essa homenagem tem um motivo simples: os tailandeses adoram o seu rei, que mantém o mais longo reinado do mundo --a rainha Elizabeth 2ª chegou ao trono em 1952. Dos taxistas aos vendedores, dos funcionários dos hotéis aos guias turísticos, todos dizem que seu soberano é um homem bom, que só fez o bem para os seus súditos. E sempre se referem a ele com respeito, sem fazer fofocas sobre sua vida pessoal, a qual, aliás, muitos desconhecem. Até os jornais diários tratam o soberano apenas como "Sua Majestade", sem citar o seu nome. Moedas, selos e cartões comemorativos, exposições especiais e espetáculos de teatro e dança são outras maneiras de celebrar a data (mais informações no http://www.60thcelebrations.com). Além da imagem do rei, a imagem de Buda também é onipresente no Reino da Tailândia. Há altares que a ele aludem nas entradas, nos arranha-céus, nos jardins dos parques, nas casas construídas à beira dos rios e mesmo nos aposentos das residências tailandesas, nas quais, inclusive, "Sua Majestade" aparece. Cerca de 95% da população é budista, e o país todo tem 32 mil templos dedicados à religião. Destes, 400 ficam na caótica Bancoc e 320 estão em Chiang Mai, a segunda cidade do país, a 700 km da capital. Além do budismo e da paixão pelo rei, outros aspectos tornam tão diferente para os brasileiros esse país asiático, a mais de 20 horas de vôo (mais o tempo de espera em aeroportos) e com o fuso horário dez horas à frente do Brasil. Os tailandeses têm língua e alfabeto próprios, ambos totalmente incompreensíveis para os falantes da língua portuguesa, e vivem atualmente o ano de 2049, número que é grafado em algumas das notas fiscais. Um hábito que faz parte do cotidiano da população é a massagem. Não faltam casas de massagem em cidades como Bancoc e Chiang Mai. Elas são muito fáceis de identificar, com letreiros em inglês e às vezes também os preços de cada terapia (cerca de 700 bahts, ou R$ 40). Muitas têm ainda funcionários nas portas distribuindo folhetos. A oferta é tão grande que confunde o turista. "Os tailandeses fazem massagem pelo menos uma vez por semana", conta a guia Krittanan Thonguipawon, para quem cada sessão tem de durar pelo menos duas horas. Na dúvida, peça indicações para um guia ou para o concierge do hotel. Ou então confie na tradição e experimente os serviços dos alunos da escola de massagem existente do lado do templo do Buda Deitado. E não se trata de uma massagem leve qualquer. Pelo contrário. Além das mãos, a massagista usa, por exemplo, os joelhos e as pernas para apalpar e dobrar o corpo do cliente. No começo dá até para dormir. Mas o freguês já está bem acordado quando ouve e sente um craque no pescoço, causado por um movimento brusco. Ou quando a massagista puxa a pele do seu antebraço repetidas vezes, proporcionando uma sensação de choque esquisita. Por fim, uma relaxante massagem facial o faz esquecer todos os tremores de minutos antes. A presença da massagem tailandesa em muitos spas brasileiros é um dos sinais de que o país asiático começa a se aproximar do Ocidente. Outro é a construção de um novo aeroporto em Bancoc, que deve ser inaugurado neste ano. O Suvarnabhumi será cinco vezes maior do que o atual e terá capacidade para 45 milhões de passageiros por ano, que deve crescer para 100 milhões quando estiver totalmente pronto. Maristela do Valle viajou a convite da operadora Raidho, da South African Airways (SAA) e da Thai Airways. Artigo extraído do site http://www.folha.com.br.
  18. Luciahito

    Dicas da Tailândia

    Verônica Para o Camboja, o ideal é vc buscar as agências na Tailândia, que providenciam diversos tipos de serviços, como o visto para o CAmboja e transporte, mas vc perderá uns dias em Bangkok para isso, pois leva pelo menos uns 3 dias para tirar o visto. Abrçs
  19. Luciahito

    Dicas da Tailândia

    Por Veronica - recebido por e-mail em Fri, 14 Jul 2006 20:35:50 -0300 (ART) estou planejando ir para a Tailandia em Janeiro com o meu marido. Infelizmente em janeiro, pois acho que é mais caro. Mas como estou fazendo um curso será o único periodo que poderei ir. Vc pode me dar um help me passando alguns e-mails de hoteis que vc ficou? Estou querendo trocar alguns e-mails e verificar se o preço não é absurdo por ser depois do reveillon. A passagem que consegui eu chegaria em Bangkok em 1 de janeiro. Vc tem indicação de agencia que vão para o Camboja? Obrigada, Verônica
  20. Luciahito

    Dicas da Tailândia

    Queridos Mochileiros Estou abrindo este tópico para tentarmos reunir dicas, críticas, elogios, furadas sobre as hospedagens na Tailândia. Contribuam para tornamos o fórum interessante e útil.
  21. Racery Concordo com vc, não há como se decepcionar, fui aos fiordes e a paisagem é indescrítível, só indo lá pra saber, não há foto que mostre o que são aquelas montanhas e aquela água. O négocio é não ficar convertendo muito e curtir. Abrçs
  22. É verdade galera... "Good for me, good for you and my boss". Tenho boas lembranças de Chaweng e do Charles Hut, fiquei uma semana na casa de uns amigos que moravam lá. O pôr-do-sol no Big Budháááá é maravilhoso!!! O seu relato me fez sentir no novamente na Tailândia. Abrçs
  23. Que exame de saúde é esse, Leandro?!?!?! Nossa... qdo eu fui, eles só pediram a carteira de vacinação.
×
×
  • Criar Novo...