Ir para conteúdo

rodriigoantunes

Membros
  • Total de itens

    45
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que rodriigoantunes postou

  1. Olá mochileiros e mochileiras... estou com muitas dúvidas sobre essa Ilha, mas com a certeza de que ela será minha próxima viagem. Gostaria de saber alguém que já foi e pode dissipar essas dúvidas. Pode ser por aqui ou por whatsapp, e-mail etc. Entre as dúvidas, queria saber se realmente é isso... se um passeio custa 8.000 pesos colombianos, significa dizer, mais ou menos, 8 reais? kkkkkkkkkkkk Juro que não acredito nisso... só acredito vendo! Além disso, sobre transporte, vida noturna, hospedagem e etc... ME AJUDEM PESSOAS!
  2. Mochileiros, descobri esse destino hoje buscando o rumo da nova viagem... Tenho muitas dúvidas referente a San Andres, mas a certeza de que será meu próximo destino. Alguém poderia me ajudar? Quem quiser add pelo WhatsApp aí: 5585989598928. Valeeeeu!
  3. Fala Ramon... seja bem vindo a nossa cidade. Bom, veio numa época boa e ruim ao mesmo tempo. HAHAHA Boa porque é época de pré-carnaval na cidade. Várias marchinhas e blocos de samba se apresentam na cidade de quinta a domingo, geralmente... pode olhar a programação aqui: http://g1.globo.com/ceara/carnaval/2016/noticia/2016/01/confira-programacao-completa-do-pre-carnaval-e-carnaval-de-fortaleza.html O ruim é porque estamos na época de chuvas e GRAÇAS A DEUS o inverno desse ano está bom. Ontem por exemplo choveu mais de 100mm, alagou a cidade inteira. Mas mesmo assim, hoje já fez um Sol e dava pra curtir uma praia. Oito dias são ótimos para fazer várias coisas. Vou citar algumas coisas, aí você vai encaixando da sua maneira. PRIMEIRO DIA = Citytour pela cidade. Pode ver com alguém na beira-mar ou se for alugar carro fazer por conta própria. Ir na Catedral, Praia de Iracema (ponte metálica e espigões), Beira-Mar e Mucuripe, Praça do Ferreira, Dragão do Mar e etc. SEGUNDO DIA = Beach Park TERCEIRO DIA = Jericoacoara. Na Beira-Mar só o que você vai encontrar é gente pra fazer esse passeio... mas sugiro deixar para um dos ultimos dias ou separar um dia depois dele para descansar, pois para se fazer esse passeio em um dia é MUITO cansativo. QUARTO DIA = Praias do lado oeste QUINTO DIA = Praias do lado leste. Esses dois dias você também encontra quem faça na Beira-Mar, eles fazem 3 a 5 praias por dia. SEXTO DIA = Pré-Carnaval SÉTIMO DIA = Praia do Futuro, passar o dia numa barraca pegando Sol, comendo caranguejo e peixe frito. OITAVO DIA = Um shopping, feirinha da Beira-Mar, Mercado Central.
  4. Gente, uma curiosidade que lembrei agora... quando você forem comprar água, pesam água SEM GÁS! Se você não falar, eles vão lhe dar água COM GÁS. Aconteceu umas 3 vezes comigo nos primeiros dias. kkkkkk Lembrando que a água da torneira ela é limpa e pode ser ingerida com tranquilidade. Porém ela é diferente (tanto o gosto como sua composição), algumas pessoas passam mal, tem uma leve dor de barriga e etc. Eu tomei assim que cheguei e não gostei... é meio salgada, sei lá.
  5. Cara, acampar em Fortaleza é meio complicado. Tenho quase certeza que não tem canto aqui pra isso... :XX se tiver, desconheço. Já sobre pousadas baratas, tem na Av. Dom Manuel e na Praia de Iracema. A Dom Manuel tem diárias de 70 reais... mas fica meio longe da praia, mas como você tá vindo de carro, não seria problema. Já na Praia de Iracema sobe um pouco preço, mas você encontra sim. Geralmente, essas pousadas mais baratas não tem tanta divulgação em sites como decolar, cvc e etc.. tampouco na internet como um todo. Só vai pesquisando pelo nome mesmo e ligando ou indo pessoalmente. Mas você encontra sim pousada baratinha pra passar uma noite ou mais. Outra opção são os motéis, se você quiser só um canto pra dormir mesmo e você não tiver problemas quanto a isso (porque tem gente que tem restrição a essas coisas). Nesse caso tende a ficar mais barato ainda... tem pernoitão (8h da noite as 8h da manhã) que ainda vem com café da manhã. Aí esses tem em todo canto do mundo. Tem um site com guia de motéis, não lembro o nome agora, mas se lembrar venho avisar.
  6. Ola Rodrigo, qual o melhor meio de ir do aeroporto para o centro, visto que em muitos relatos, o pessoal tem problemas com taxi, e não sei se tem onibus que faça esse trajeto e sim transfer na sua opinião qual seria a melhor opção... Vou dar minha opinião, achando que esse é o melhor meio, que é por transfer. De táxi você paga cerca de 15 mil pesos, se você for com mais de 2 pessoas compensa ir de táxi. Porém, ir só ou de casal, é melhor o transfer, que custa 7 mil pesos por cabeça. Mas é como você disse, todo mundo tem problema com táxi... eles são muito enrolões. Sobre ter ônibus, eu não faço ideia, pouco andei e nem me interessei por ônibus.
  7. Mônica, semana passada estavam encontrando na Rua Agustinas a compra por 709 pesos chilenos. Quando eu fui tava 640. Eu tive o maior azar do mundo quanto a isso. Faltando um mês para minha viagem, todos os dias diminuia de dois a três pesos. Peguei cotação de 175 pesos no real, hoje tá 202.
  8. Bom, faz tempo que não apareço aqui... acabei foi esquecendo desse post. kkkkkkk Sei que as duas pessoas que perguntaram já até vieram pra cá, mas mesmo assim, pode ser que tenha alguém interessado nas respostas. Então vamos responder: - Sobre os assaltos: tá difícil viver em tranquilidade aqui em Fortaleza. Mas não é assustador ao ponto de não poder sair de casa. A maioria das mortes que acontecem é nas favelas por disputa do tráfico. Em Fortaleza existem pontos em que tem assalto quase toda hora, mas tem outros que são tranquilos. O segredo é o mesmo para toda cidade DO MUNDO: evitar! Evitar andar com máquina/celular dando sopa, deixar bolsa em algum lugar e as vezes até um cordãozinho no pescoço. - Sobre aluguel de cadeiras: Tanto na Beira-Mar como na Praia do Futuro existem as barracas de praia. Essas você pode sentar e não consumir nada, isso é o que deve ser, mas não é o que acontece. Algumas barracas lhe expulsão mesmo o 'cliente' que não consumir nada. Mas algumas deixam. Peçam pelo menos um refrigerante, que acho que dá certo. Sobre cadeiras para alugar, eu nunca vi! Não vou dizer que não tem, porque pode ter e eu não saber (acho difícil). - Sobre os valores nas barracas: Um peixe frito é em torno de $40, um caranguejo uns $5, refrigerante $4, batata frita $12... Porém tem barracas que são beeeem mais caras e tem também opções mais baratas. - Sobre levar comida para praia: Acho que eu citei as praias que não tem nenhuma estrutura, mas a maioria tem algum restaurante ou barraca de praia. - Sobre a estrutura de Jeri: eu diria que os melhores restaurantes do Ceará estão em Jericoacoara. E o melhor: com preço mais acessível. Mas você tem que procurar bem... sair procurando os preços. Eu gosto de Canoa Quebrada e só depois da 4ª vez lá descobri um restaurante com comida boa e barata. Mas a estrutura de Jeri é excelente. - Sobre mosquitos: Em Fortaleza, alguns bairros tem algum canal próximo e quando há limpeza nesses canais os arredores enche de mosquitos. Em Jeri eu acho que não tem, mas não tenho certeza. - Sobre ir pra Canoa Quebrada: SEMPRE VALERÁ A PENA.
  9. Se alguém precisar de ajuda, de como chegar em canto, como eu fiz pra ir pra tal canto ou qualquer outra dúvida ou dica, é só me avisar que eu respondo.
  10. DIA 08 O DIA QUE NADA (ABSOLUTAMENTE NADA) DEU CERTO. Porém o dia mais engraçado... vale a pena ler até o final kkkkkkkkkkkk Acordamos bem cedo (ainda de noite) para abastecer o carro e ir entregar o mesmo na locadora. Sem nenhum problemas entregamos, pagamos e etc. De lá fomos de metrô para o Museu de Direitos Humanos, que dizem ser o melhor museu de Santiago. Bom, eu queria muito ter ido para ele... era o que eu mais queria. Mas inexplicavelmente o museu estava fechado para uma confraternização dos funcionários. Simples assim... tinha outros dois casais que queriam visitar também e não podemos. Fazer o que né? Minha impressão de Santiago é essa.. eles não ligam para os turistas. É o mal de toda cidade grande. São Paulo tem um pouco disso. De lá a intenção era ir para a feirinha de Los Domenicos. Uma feira de artesanato. Porém, burramente, eu achei que a feira era assim que saísse da estação. Mas não era, tinha que andar um pouco. Eu achei que não tinha mais, ou naquele dia não tinha. Voltamos para casa para arrumar um pouco as coisas, pois já íamos embora no outro dia. Como tinha comida ainda fizemos o almoço em casa mesmo. A tarde voltamos ao Centro Artesanal de Santa Lucía para comprar mais lembrancinhas. Passamos a tarde inteira lá. Lá para as 8h da noite resolvemos decidir para qual restaurante iríamos... eu tinha acabado de tomar banho e estava só de toalha sentado na cama, encostado na parede... Tainá também estava do mesmo jeito. Quando dou fé percebo a cama se balançando. Olho para as pernas dela e as pernas dela paradas. Ela olha pras minhas e elas também paradas. Aí ela pergunta: "QUE PORRA É ESSA?". Dá um estalo na minha cabeça e lembro que o Chile é conhecido por seus terremotos. Sim, era um TERREMOTO. A Tainá corre na porta e ver o morador do lado saindo com um gato na mão correndo e grita "É PRA DESCER!"... eu, só de toalha, no meio de um terremoto! Eu simplesmente não sabia o que fazer... só vesti uma bermuda e saí bolando pelas escadas. KKKKKKKKKKKK 8º, um vento e eu só de bermuda! Que beleza eim? O terremoto foi um dos maiores já registrados no Chile. Porém seu epicentro foi longe da costa e por isso não foi tão sentido. Em Santiago né? Pois teve cidades que sofreram bastante, rolando até mortes. Valparaíso e Vina del Mare, na qual visitei um dia antes, tiveram que ser evacuadas as pressas por conta de uma possibilidade de tsunami. Em baixo vocês podem ver uma reportagem sobre o terremoto e uma foto das pessoas no meio da rua, esperando as coisas se estabilizarem para voltarem pra casa. http://glo.bo/1NyoadV IMG_4350 by Rodrigo Antunes, no Flickr Eu não aguentei de frio e subi correndo, pernas tremendo, para trocar de roupa... A Tainá subiu depois e nós nos arrumamos e fomos atrás de um wi-fi para falarmos com nossas famílias. A princípio eu não ia falar nada pra minha mãe.. mas quando olhei o globo.com era a matéria principal o terremoto. E quando entrei no whatsapp já estava lá "Mãe está escrevendo"... logo disse que tava tudo bem e tal. O complicado mesmo foi dormir... ou melhor... não dormimos. A sensação era que tava tremendo ainda. Qualquer barulho, mexida de cama e nós acordávamos. A sorte era que aquela era a ultima noite. Sensação que nunca queria ter passado. Foi muito estranha e tensa.
  11. DIA 07 Dia de conhecer o Chile além de Santiago. Parada quase que obrigatória de todos os turistas, Vina del Mar e Valparaíso. Quando comecei a olhar as coisas dessas duas cidadezinhas vi que muita, mas muita gente mesmo estava reclamando sobre os passeios com empresas de turismo. Seja por um contratempo, seja por ir a um restaurante que não era bom, ir para determinado canto e não ir para outro, enfim... vários problemas. Dentre esses estava a visita ao Museu Marítimo Nacional que eu queria visitar e vi que quase nenhuma empresa ia. Eu tinha duas opções para resolver esse problema... ir de ônibus sozinho de Santiago para Valparaíso e de lá contratar uma empresa, que seria mais barata e seria uma espécie de exclusividade. Porém eu não estava afim de me arriscar tanto nisso e depois de conhecer a cidade, AINDA BEM QUE NÃO FIZ ISSO. A outra opção era estudar mais o que tinha para se ver nessas duas cidades e alugar um carro. Já tinha visto que andar de carro não era tão complicado no Chile pela qualidade das vias e pela sinalização. Resolvi então em ir de carro. Aluguel o carro da Chilean Rent a Car (http://www.chileanrentacar.cl/). Vi essa locadora em um post na internet e gostei do preço (é o mais barato e confiável, não tenho dúvidas). O carro, com ar, direção e GPS saiu por 250 reais. No site você faz uma simulação fácil, tem até versão em português. Duas semanas antes de ir já tinha reservado o carro e trocado vários e-mails trocando informações e tirando dúvidas. Marquei de pegar o carro as 8h na própria empresa. 8h30 eu já estava a caminho de Valparaíso. A estrada é excelente. Limite de 120 e 100 km/h. Não tive nenhum problema a chegar em Valparaíso. Só para chegar. Valparaíso é muito estranha... ela é composta por cerros, ruas estreitas e muitos carros. MUITOS CARROS. E o pior: os piores motoristas em sentido de educação. Consegui sem problemas chegar ao primeiro cerro... O Cerro Artilleria. Estacionei em um estacionamento pago, pois já estava ciente que Valpa e Vina eram cidades super perigosas. O ascensor que se pega é estranhíssimo. Antigo. Você tem certeza que não vai conseguir chegar ao final. Lá em cima tem um mirante e uma vista que vai de Valpa até o fim de Vina. De frente ao mirante está o Porto de Valparaíso. É o principal porto do Chile. De lá chega a maioria das importações. Tirei poucas fotos nesses locais... o ambiente era meio pesado mesmo. Muita gente mal encarada e repito: é uma cidade muito perigoso para se andar com câmera. Nesse cerro é onde fica o Museu Marítimo Nacional, que conta toda a história militar do Chile. As ajudas em guerras do Peru, nas guerras mundiais e claro, na independência chilena. Nesse museu fica a mais nova peça da história do país. Trata-se da capsula fênix, na qual resgatou 33 mineiros que ficaram presos em uma mineradora durante quase um mês. Além de objetos pessoais dos mineiros. Na capsula você pode entrar nela e claro que fiz isso. IMG_4236 by Rodrigo Antunes, no Flickr Saindo de lá, descendo o ascensor, a intenção era ir para o Museu La Sebastiana, uma das três casas museu do poeta chileno Pablo Neruda. Era a intenção... mas não conseguimos! O GPS se perdeu, o trânsito não ajudava... enfim, desistimos de Valparaíso. Partimos para Vina Del Mare. Vina é uma cidade bem mais turística que Valparaíso. Bem mais cuidada. Fomos em vários cantos lá. Como estávamos com fome, fomos logo atrás de algum canto para comer... porém passamos em frente ao Parque Quinta Vergara. Um parque enorme aonde todo ano tem um grande festival de música. Dentro tinha uma lanchonete que acabamos provando uma batata frita com carne, ovo, queijo, cebola e linguiça. Era ENORME, quase deu pra janta. kkkkkkk ficamos lá bastante tempo, descansado e esperando a comida descer. IMG_4244 by Rodrigo Antunes, no Flickr De Quinta Vergara fomos ao instrumento mais conhecido de Vina del Mare: o relógio das flores. Dei sorte de ter uma vaguinha para estacionar o carro. Foi só o tempo de tirar uma foto mesmo, pois se deixasse muito tempo dava multa. IMG_4270 by Rodrigo Antunes, no Flickr Outro canto que nenhuma empresa de turismo vai é o Museu Fonck. Um museu de uma universidade chilena e que do lado de fora fica o único moai fora da Ilha de Páscoa. Não paga pra tirar uma foto... ele fica do lado de fora do museu. IMG_4255 by Rodrigo Antunes, no Flickr A penultima parada foi em um espécie de castelo... não sei o que significa e de quem é (ele estava fechado). Mas deu pra tirar umas fotos, achei muito legal. IMG_4262 by Rodrigo Antunes, no Flickr Ultima parada era claro que seria conhecer o Oceano Atlântico. Eu esqueci de levar uma outra roupa para mergulhar, mas fiz bem... a água era UM GELO. Paramos quase no final da praia de Vina del Mare. E aqui fica a dica e conselho NÃO DEIXEM NADA DENTRO DE CARRO! Já ouvi relatos, aqui mesmo no mochileiros, de carro roubado em Vina. O próprio guardador me aconselhou a levar tudo. Ficamos sentados na praia descansando, tirando umas fotos e etc, até dar umas 16h e voltar para Santiago. IMG_4278 by Rodrigo Antunes, no Flickr Eu achava que ia passar mais tempo pelas duas cidades... talvez Valpa tenha me polpado algum tempo, embora tenha me arrependido de não conhecer La Sebastiana. E como ainda tínhamos tempo resolvemos conhecer algo em Santiago que era difícil de ir de metrô ou a pé. Fomos em direção ao Parque Bicentenário. Pegamos um trânsito ENORME, ENLOUQUECIDO, ESTRESSANTE, para chegar lá. Eu tava sem um pingo de paciência... totalmente arrependido de ir para lá. Chegamos lá e estava muito, mas muuuuito frio... só conseguimos olhar algumas coisas e tirar umas fotos. A gente tava só de blusa e calça, pois tínhamos ido a praia afinal. heheh Mas o parque é muito bacana. Quem tiver oportunidade de ir, vá... é muito legal. Saindo de lá, outro problema... o GPS se perdeu e acabamos nos perdendo. Mais dor de cabeça e trânsito. Mas chegamos bem em casa. A noite fomos para um dos restaurante mais legais que conheci em Santiago. Para quem gosta de vídeo game é um sonho. Quem tal estar em um restaurante em que você possa comer, beber e ao mesmo tempo relembrar sua infância jogando Donkey Kong? Sim, em Santiago é possível. Trata-se do bar Insert Coin. Um bar todo temático de vídeo game que você passa lá horas e nem percebe. Uma coisa engraçada que aconteceu lá... é o que acontece quando se pede algo e não sabe o que é e nem procura saber... pedimos uma prato lá que vinha carne, salmão, camarão e etc... porém tudo vinha CRU! Não conseguimos comer quase nada e era um dos prato mais caros. kkkkkkkk fazer o que... acontece né. IMG_4317 by Rodrigo Antunes, no Flickr
  12. DIA 06 Esse foi um dia quase nulo... nós acordamos com dor de cabeça muito grande, eu tenho crises fortes de enxaqueca, principalmente. =/ E como no outro dia a gente ia para o Valle Nevado optamos por relaxar. Quando eu decidir ir pro Chile e passar 10 dias foi exatamente pensando nisso... se não desse certo fazer uma coisa em um dia, eu tinha a opção de fazer outro dia. Nesse dia fizemos almoço em casa mais uma vez, a tarde fomos para o Parque Forestal, só para tirar mais umas fotos, descansar um pouco na grama e por aí vai... A noite comemos uma pizza no Telepizza que tinha próximo ao apartamento. Um detalhe, pedimos uma pizza lá e o atendente disse que não tinha a 'piña'... como a gente não sabia nem o que era e estava sem celular, deixamos pra lá. Depois descobrimos que era ABACAXI. kkkk não sei se é costume em algum estado aqui do Brasil ter isso nas pizzas, mas aqui em Fortaleza nunca vi isso. Enfim, esse foi o dia e não tem nem muita foto pra postar. ;X DIA 07 O tão esperado dia! CONHECER A NEVE! Acordamos as 6h30 e o rapaz da empresa nos pegou as 7h em ponto. Sobre a empresa, eu pesquisei MUITO antes de fechar com a INDO PRO CHILE. Todas empresas que eu pesquisava tinha um problema. Seja equipamento ruim, falta de pontualidade, muito caro, muitos problemas extras e até pequenos furtos. Então acabei optando pela opção mais cara, porém a melhor. Ao todo, foram 850 reais por pessoa, com direito ao transfer no hotel, equipamento (bota, esqui, luvas, óculos, casaco e calça), com direito ao dia livre de esqui no Valle Nevado e ainda a aula para iniciantes (2h de aula). Mas sinceramente, se você me perguntassem se devia fazer esse passeio e investir nele, eu diria NÃO! Faça com o preço médio... nem o mais caro e nem o mas barato. Procure uma empresa conhecida pelo menos. No final é tudo a mesma coisa. Os equipamentos são alugados em uma empresa (já já conto o passo a passo de como foi tudo), você vai e volta na hora que a empresa determina.. ou seja, não tem nada de diferente entre pagar o mais caro e pagar o mais acessível. Me arrependi bastante de ter investido tanto nisso.. podia ter sobrado dinheiro para outras coisas. Mas bola pra frente. O guia nos pegou pontualmente as 7h em frente ao apartamento. Passamos em um outro hotel para pegar um casal do Espírito Santo gente boa. De lá paramos na Av. Las Condes em uma empresa de aluguel de esquis e snow. A empresa é de um brasileiro e lá só trabalha brasileiro. Eles ajudam você a escolher o tamanho da bota, da luva, do esqui, do óculos e etc. Não estava incluído no pacote o aluguel de uma bota própria para andar na neve (a bota que vem é a para o esqui e não tem a mínima condição de andar com ela, NEM TENTE). Cada bota custava 8 mil pesos. De lá começa a viagem para o Valle Nevado. São ao todo 60 curvas de 360º e que não é estranho você se sentir mal na subida. Pra gente foi tranquilo a ida, a volta já foi mais pesado. A paisagem é LINDA! E você começa a ficar ansioso pela neve passando ao lado do carro. A previsão era de uma pequena nevasca naquele dia e de longe dava pra ver que já estava nevando. Chegando no Valle Nevado o guia nos entrega os cartões de acesso as gôndulas e da aula. Ali você começa a sentir MUITO frio. O nariz entope fácil, começa a escorrer e você começa a tremer. kkkkkk outro problema, O ESQUI É MUITO PESADO e a bota é MUITO RUIM DE ANDAR... até você chegar na gôndula é uma lenda, sair de lá e chegar no local da aula é outra lenda. Porém conseguimos. kkkkkkk a aula ia começar umas 9h e ainda faltavam 15 minutos. Aí eu, o bonitão, foi tentar aprender sozinho. Você olha pro lado e tem um monte de menino de 10 anos andando que nem profissional e você pensa: DEVE SER MUITO FÁCIL. Até comecei bem, mas quando vi eu estava indo direto para um buraco e ia me bater em uma parede... mas resolvi frear. E como freia???? CAINDO NO CHÃO! Ali foi a primeira queda. Resolvo me aquetar um pouco... mas depois tento de novo... Segunda queda. Eis que começa a aula. O cara ensina você a fazer quase tudo. MAS EU NÃO LEVO O MÍNIMO JEITO PARA ISSO! Simplesmente não nasci para isso... eu era o segundo pior da turma (fiquei feliz por não ser o pior). Pensei em desistir VÁRIAS VEZES... mas lembrei de alguns depoimentos de pessoas que não insistiram! Eu insisti por 2 horas. Já minha namorada era o inverso. Ela era a melhor da turma. Desci e subia com facilidade... mas devagarzinho. kkkkkk Pela experiencia foi muito válido. Posso dizer que já esquiei. Mas se por acaso eu fosse para um local com neve, optaria apenas por conhecer, sem esquiar. Mas é de pessoa pra pessoa... tem gente que gosta bastante, se diverte, anda o dia todo e bem. IMG_4185 (1) by Rodrigo Antunes, no Flickr Depois da aula fomos almoçar. Almoçamos um sanduíche com batatas fritas (claro!), tomei um refrigerante e minha namorada um chocolate caliente. É caro, bem caro... mas deu pra nos satisfazer. Fomos no carro deixar o equipamento do esqui e subimos novamente para tirar umas fotos, fazer guerra de neve, boneco de neve e curtir um pouco o momento. Deu 16h e tivemos que voltar. Volta tranquila, chegamos umas 18h e só deu tempo de comer o resto da pizza do dia anterior e dormir. kkkkkkkkkk IMG_4194 by Rodrigo Antunes, no Flickr
  13. DIA 05 Esse dia eu tinha separado para visitar todos os museus. Vi pela internet que nos dias de domingo a maioria não cobrava ingresso, mas no segundo dia eu errei o museu que deveria ter ido e fui a um que deveria ter ido nesse dia. Pela manhã até o meio da tarde perambulei entre dois museus e a Plaza de Armas. Comecei visitando o Museu Histórico Nacional, museu muito legal para se conhecer a história do Chile desde o descobrimento até o golpe militar na década de 70 e 80. Nela você pode visitar a torre de um relógio e ver a Plaza de Armas do alto. IMG_4149 (1) by Rodrigo Antunes, no Flickr Desse museu fomos para outro bem próximo, o Museu de Arte Pré-Colombina. É um museu muito bacana também, que conta a história da América do Sul como um todo, desde a época pré-colônia. Tem muita coisa nesse museu, é muito legal. Do museu almoçamos próximo mesmo, no mesmo local que falei quando fui pela primeira vez a Plaza de Armas. De lá fomos para casa. De tardezinha fomos com intenção de ver um pôr do sol no Parque das Esculturas. Um parque público, com várias esculturas de artistas chilenos. Eu moro em uma cidade em que parques públicos são raros e os que existem são perigosos. Foi legal poder sentar em local público sem medo e por apenas apreciar o momento. Mas foram poucos momentos, rsrs. O parque por mais que seja público ele fecha e fecha antes do pôr do sol. Eu fiz bastante hora lá, esperando o cara me expulsar mesmo do parque para ir embora. HAHAHA IMG_4167 by Rodrigo Antunes, no Flickr Próximo ao Parque das Esculturas também temos o Parque Forestal. Esse é lindo! Com MUITA gente nele, deitados na grama, com seus filhos, amigos e namorados. Dá saudade só de lembrar. IMG_4083 by Rodrigo Antunes, no Flickr Ficamos lá até o Sol cair. De lá, próximo também, fomos conhecer o Pátio Bellavista. Poxa, eu queria muito um Pátio Bellavista aqui em Fortaleza. =/ é uma espécie de Shopping ao ar livre mas só com restaurantes ótimos. Eu passei um tempo para decidir aonde ia ficar, eram tantas opções. Carne assada, comida japonesa, tailândesa, chilena e até brasileira. Me parece que muitos dos donos de restaurantes eram brasileiros, pois estavam passando os jogos do Brasileirão. IMG_4140 by Rodrigo Antunes, no Flickr
  14. Galera desculpa a demora para atualizar... tô MUITO ocupado com outras coisas, quando tenho tempo pra postar acabo esquecendo ou fazendo outras coisas. Mas prometo que não demoro a atualizar. ABRAÇOS
  15. Olá Cleide. Boa noite. Eu pretendia conhecer a região dos lagos também, mas acabei deixando para uma próxima oportunidade. Me concentrei bastante em Santiago e só saí de lá para Valparaíso/Viña e para o Valle Nevado. Fora isso fiz tudo que "mandam" fazer. É só acompanhar aí os dias, mas se quiser posso resumir tudo pelos nomes no final. Aliás, vou fazer isso sim. HEHEHE Nós levamos R$ 6.400,00. Cerca de R$ 3.200,00 por pessoa. Voltamos com algum dinheiro, mas economizamos em algumas coisas que não deu pra fazer ou que foi mais barato que pensamos.
  16. Foi mal galera... tive problemas com internet a semana toda e o 4G do celular não era tão legal para postar. Vou comentar mais alguns dias e depois respondo as pessoas que fizeram perguntas. Abraços. DIA 03 O começo desse dia foi para um dos passeios mais tradicionais da viagem ao Chile: VINÍCULA. Eu passei bastante tempo pesquisando sobre todas as vinículas e escolher uma para ir. Tem a Undurraga, Casino Macul, Concha y Toro e várias outras menores, mas legais também. Acabei optando pelo tradicional mesmo, Concha y Toro. Para ir, fui de metrô pegando a Linha Vermelha e trocando de linha em Tobalaba. Foram quase 1 hora dentro de um metrô até a estação Las Mercedes (a penúltima da linha). Lá eu tinha a opção de pegar um ônibus ou ir de táxi. Foi a única vez que usei táxi, para ir da estação a vinícula e da vinícula para estação. Cheguei uns 30 minutos antes do tour. Você tem que reservar antes pelo site da vinícula, tendo dois tipos de tour. O tradicional com 3 degustações de vinho e outro com mais outras 3 degustações de vinho, além de queijos. Optei pelo de 3 degustações mesmo. O valor foi 25 mil pesos para duas pessoas. Você ainda ganha duas taças (as mesmas que você usará para a degustação). O tour é legal, conta a história da vinícula, mostra uma parte aonde as uvas são plantadas e depois duas adegas, uma mais nova e outra bem antiga, a Casillero del Diablo. Tudo na vinícula é lindo... o campo em frente a casa administrativa é umas das coisas mais bonitas que já vi. O que não gostei, é que não falam muito do processo de fabricação. De como é feito o vinho. Lá ainda comprei um vinho para tomar no Chile mesmo... para levar para casa foi em outro canto, que contarei em breve. O vinho custou 3.600 pesos. IMG_3981 by Rodrigo Antunes, no Flickr Voltando da vinícula nós estávamos morreeeeeeeendo de fome e não conseguimos achar um canto bacana para comer... não nós preparamos para isso. É sempre bom ter o nome e a localização de uns restaurantes caso vocês precisem. Enquanto a gente procurava passamos pela Rua Agustinas e vimos que o valor do Real estava 180 pesos... a nossa reação foi correr no apartamento para pegar dinheiro e trocar, mas quando voltamos já estava 177 pesos. Um peso a mais que na primeira troca, melhor que nada. HEHEHE. Ainda morrendo de fome, almoçamos no McDonald mesmo pois estávamos cansados de procurar algo. A noite fomos conhecer o Shopping Costonera Center. É uma das maiores tores da America Latina e no seu térreo fica o shopping. É um shopping muito grande e que tem todas as lojas conhecidas e desconhecidas, além de uma vasta praça de alimentação. Só rodamos por ele, comemos no KFC e passamos no Jumbo, a maior rede de supermercados de Santiago, para ver os vinhos. Foi lá que compramos, mas não naquele dia. DIA 04 Um dos dias mais legais... cheio de passeios obrigatórios. Começamos o dia visitando o Museu La Chascona, uma das 3 casas/museu do poeta, ganhador de prêmio Nobel de Literatura, Pablo Neruda. O tour é feito por uma espécie de telefone, em que você vai apertando o número do ambiente e que lhe conta a história. É uma história muito bonita, vale a pena o passeio, eu gostei muito de conhecer nos mínimos detalhes a história de Neruda. O tour custa 5 mil pesos por pessoa. IMG_4007 (1) by Rodrigo Antunes, no Flickr Saindo da La Chascona fomos para o Cerro San Cristóbal, com parada no Zoológico Nacional. E fica o aviso, se você for no Cerro e não parar no Zoológico você perdeu bastante coisa! É como voltar a ser criança, andar pra cima e pra baixo vendo todos os animais, tentando interagir com ele. Um dos melhores passeios, sem dúvida. Não tem muito o que dizer. IMG_4046 by Rodrigo Antunes, no Flickr O acesso para o Cerro San Cristóbal começa do solo e você sobe por uma espécie de elevador, que chamam de Funicular. O valor foi 10 mil pesos incluindo o acesso ao Zoológico. Primeiro você para no Zoo e depois pega ele novamente subindo para o Cerro. Lá em cima é tudo muito lindo e o clima ajudou. Foi um dos dias de mais calor que pegamos. Não usei nada para o frio. Deu pra ver toda a cidade, a Cordilheira completa. Lá em cima há um santuário de uma Santa, que não me lembro o nome. É um local bom para agradecer e rezar, para aqueles que compactuam com isso. Além disso há outras coisas, como mirantes e lojas. Lá em cima também é vendido o tradicional Mote com Huesillos. Uma bebida tradicional chilena feita com pêssego e trigo. Eu tava com tanta fome que resolvi não tomar e deixei para outro dia, mas caso esqueça de mencionar isso... é muito doce, mas é bom. HEHEHE IMG_4064 by Rodrigo Antunes, no Flickr Descendo o Cerro, pedimos uma indicação de restaurante para um brasileiro que trabalhava em um stand da Turistik na entrada do funicular. Ele nos indicou o restaurante Galindo. Nossa! Muito boa a comida. Muito mesmo. Além disso era MUITA comida. Como dizemos aqui no Ceará, 'enchemos o buxo'. HAHAHAHAHA A noite desse dia foi um dia atípico. Muita coisa aconteceu... primeiro que o dia 11/set é marcado pela morte de Salvador Alliende, ex-presidente do Chile, que foi morto a mando do General Pinochet e por conta disso algumas pessoas protestam durante todo o dia em frente ao Palácio La Moneda e próximo as Universidades (Estação Baquedano). E para completar, nesse dia o metrô pegou fogo. Pouco tempo depois de a gente pegar o metrô aconteceu isso. Foi na Linha Vermelha na estação Manuel Montt. Não sei se por conta disso ou por ser assim, a gente tinha marcado para procurar um restaurante e jantar próximo ao apartamento, só que estava quase tudo fechado e não encontramos muitas opções. Acabamos comprando uma pizza na pizzaria próxima ao apartamento.
  17. DIA 01 Saímos de Fortaleza as 15h30 pela TAM, voo bem tranquilo, com direito a um sanduíche legalzinho. Conexão em São Paulo (Guarulhos). A parte internacional de Guarulhos é um aeroporto diferente do mesmo aeroporto, então passar uma hora e meia lá não foi problema. Saímos de lá as 20h20 rumo a Santiago, aeronave pequena para um voo internacional. Muita turbulência nesse voo, tanto que estava programado para servir uma massa ou carne no serviço de bordo, só que devido as turbulências ofereceram só um sanduíche mesmo. Chegando no aeroporto de Santiago, temos o serviço de imigração, você receberá um comprovante, que é o visto e deverá ser entregue quando for embora. Coisa rápida, não demoramos nada lá (também pelo horário, quase 1h da manhã). Na sala de bagagens tem a AFEX, que é uma casa de câmbio, deve haver outras por lá, mas não vi outra. Trocamos o necessário para pagar o transfer e por comer algo de manhã. Para o transfer, ao lado da AFEX tem o guichê da Transvip, a gente paga e recebe um comprovante da ida e da volta. As malas já estavam na esteira assim que chegamos por lá... só pegamos e passamos pela aduaneira. Nessa parte você entregará um papel que os comissários de voo te entregam para preencher. Lá fora você procura o pessoal da Transvip e depois eles te levam para o hotel. Chegamos no apartamento e capotamos... acordamos umas 8h, fomos trocar dinheiro na Rua Agustinas. Não lembro o nome da casa de câmbio que trocamos, mas não é uma única casa de câmbio que está mais em conta, você tem que andar e procurar a melhor cotação. Trocamos 3 mil reais, porque tínhamos que pagar a hospedagem. Lá perto tomamos café em uma lanchonete simples. Depois fomos num mercantil perto do apartamento comprar umas coisas pra casa. Fizemos o almoço em casa mesmo, pois íamos ajeitar umas coisas e pra não perder tanto tempo, só fizemos um arroz e compramos um pollo (frango, galeto) assado e uma batata frita. Pela tarde começamos realmente nossa viagem. A primeira parada foi o Cerro Santa Lucía. Cerro é uma espécie de morro urbano. É o segundo maior da capital. Nele tem várias praças e monumentos (igreja, casas e mirantes). Eu subi a pé e não foi muito cansativo, mas é uma subida difícil. IMG_3906 by Rodrigo Antunes, no Flickr Achei o cerro muito legal... muito bonito e bem cuidado. Dá pra ser uma noção de como Santiago é de cima. Tava com um pequeno nevoeiro, o que impediu de ter uma vista melhor. Uma coisa chata que acontece muito em Santiago, é algumas pessoas que chegam sem nenhuma cerimônia lhe dando dicas e falando coisas de Santiago e no fim lhe pedem dinheiro e se você não tiver ficam com raiva. Saindo do Cerro Santa Lucía fomos diretamente para o Palácio La Moneda fazer a visita guiada. A visita é grátis e você tem que fazer uma reserva prévia pelo site http://www.gob.cl/visitas-guiadas-2/. Achei a visita muuuuito legal, pois de cara eu comecei a conhecer a história do Chile. Nessa visita nós fomos premiados, vimos a presidente do Chile Michelle Bachelet. Na verdade não éramos para termos visto, ela estava em um salão e o guia não sabia disso, quando ele abriu a porta ela estava bem próximo a porta. Ele fechou rápido e disse: "Você foram premiados, viram a nossa presidente! Não era para acontecer". A visita era em espanhol, mas o guia falava muito bem o portunhol e dava para entender tudo. Não vou falar muito como é a visita para não estragar a surpresa de quem for. IMG_3860 by Rodrigo Antunes, no Flickr Nesse dia era meu aniversário, então separamos a noite para conhecer um restaurante muito bom. Pesquisei bastante sobre os restaurantes, ia indo para o Giratório, mas vi coisas ruins de lá e acabei indo para o Aqui Está Coco. É um dos melhores restaurante de Santiago e sua especialidade são os frutos do mar. Reservei uma semana antes de ir por telefone e já tinha salões lotados. Porém consegui para um salão superior. Fui e voltei de metrô, desci na estação Pedro de Valdívia e andei meio quarteirão para chegar a ele. O restaurante é muito bom e tem um atendimento excelente. De entrada pedi anéis de lulas com molho especial, minha namorada pediu um peixe com um espaguete e molho da casa, eu pedi um salmão com arroz chinês (com molho shoyo) e para beber foi um vinho reserva da Concha y Toro (não lembro o nome do vinho). A conta deu 53 mil pesos, cerca de R$ 350,00. Se me perguntarem se eu aconselho ir: se você tiver afim de pagar caro e comer bem, for um jantar especial, SIM! Voltaria lá com certeza. IMG_3931 by Rodrigo Antunes, no Flickr DIA 02 Tomamos café no apartamento e fomos conhecer os arredores da Plaza de Armas. Essa praça é muito legal, muito movimentada, tem alguns artistas de rua fazendo suas apresentações, vários restaurantes e para alegria do turista WI-FI LIBERADO! kkkkkkkkk Em volta da praça temos os Correiros, Museu Histórico Nacional e a Catedral Metropolitana, próximo a ela ainda temos o Mercado Central e o Museu Precolombino. A gente ainda não entendia bem as coisas e acabamos pegando uma saída errada da estação Plaza de Armas e nessa saída nos deparamos com uma igreja. Eu pensei logo, "ahh, é a catedral". Entramos na igreja e achamos muito bonita, tiramos algumas fotos e fomos atrás da praça. Chegando na praça é que eu percebi que aquela era outra igreja e a catedral era outra. kkkkkkk A catedral é linda! Cheia de detalhes, muita gente rezando e numa capela anexa ainda estava tendo missa. Passamos bastante tempo lá dentro, tirando fotos, agradecendo pela viagem e etc. IMG_3947 by Rodrigo Antunes, no Flickr De lá fomos para o Mercado Central. A ideia era almoçar por lá. Porém, não gostamos muito de lá... assim como outras pessoas, não gostamos do cheiro e do que era servido, queríamos algo mais caseiro e não pagar tão caro como eles cobram por lá. Compramos lá uma bandeja de morango... nunca tinha visto morangos tão grandes!!! E muuuuito doce... saudades morango! kkkk IMG_3963 by Rodrigo Antunes, no Flickr Voltamos para a praça e andando pelo arredores conhecemos uma espécie de shopping ou galeria... eu não sei explicar bem, mas fica na esquina do Paseo Ahumada (é uma rua que funciona como o coração dos chilenos, muitos prédios comerciais, muitas lojas e muuuuuita gente andando). Lá tem vários, muito, muitos mesmo, restaurantes de todos os tipos. Escolhemos um que saia por 3.900 pesos, com direito a carne, guarnição, sobremesa e refrigerante. Por falar em refeição, se preparem para comer muita PAPAS FRITAS! São nossas conhecidas batatas fritas... lá ou é arroz ou é papa frita. Para quem gosta como eu, nem reclama. hehehehe. Depois de almoçar nós iríamos para o Museu de Precolombino que fica bem próximo. Só que eu me confundi... acabamos indo para no Museu de Bellas-Artes. Foi uma caminhada longa mas não tanto. O museu é grátis e sinceramente, besta! Mas aí vai de cada um, o que eu gosto você pode não gostar e vice-versa. Esse museu é ligado com o Museu de Arte Contemporânea e também é de graça. Passeamos por esses dois museus e fomos para casa. A gente tinha separado para o dia 12/09 assistir um jogo do Colo-colo e quando fui comprar o ingresso vi que tinham mudado a data do jogo para o dia 14/09 (o dia que já tinha fechado tudo para o Valle Nevado)... fiquei triste mas logo vi que ia ter jogo do Univerdisad de Chile no dia 09/09 as 18h30. Eram umas 16h e eu pensei: "dá tempo de ir". Só olhei como ia de metrô e saímos. Não lembro a estação que desce, mas anda muuuuuuuuuuuuuuito até o estádio! E para piorar de vez... chegamos no estádio e descobrimos que não vende ingresso na hora. Ou seja, perdemos tempo com isso. Mas pra dizer que não foi de todo ruim, vimos pela primeira vez as cordilheiras e conhecemos do lado de fora o Estádio Nacional (o Brasil jogará amanhã lá). IMG_3966 by Rodrigo Antunes, no Flickr Amanhã eu posto os dias 3 e 4... se tiverem alguma dúvida sobre o que a gente fez nesse dia é só falar.
  18. Continuando... TRANSPORTE O metrô de Santiago é fantástico... como disse em outra oportunidade, você vai para todos os lados da cidade. A maioria dos pontos turísticos você consegue ir fácil de metrô. O metrô funciona desde 5h da manhã até as 23h. Eu nunca peguei um metrô com pouquíssima gente. Andava as 22h de um domingo e o metrô tava lotado. Mas peguei pouquíssimas vezes um metrô superlotado, com aperto. Algumas estações são mais lotadas que outras, são as de combinação (Tobalala e Baquedano, por exemplo). Para o acesso do metrô, você pode comprar um bilhete único ou adquirir um cartão (o 'bip!'), o cartão custa cerca de 15 reais e serve para mais de uma pessoa. Para andar de ônibus, necessariamente você tem que ter esse cartão. Eu não andei de ônibus lá, mas pelo que vi, tem bastante ônibus, mas eles parecem ser um pouco velhos, então nem posso falar muito deles. Não acho muito necessário você alugar um carro. Eu aluguei apenas uma diária para ir a Valparaíso e Viña del Mar, mesmo assim me arrependi. Vou falar mais disso quando for falar do dia que fui para lá e porque aluguei um carro. Mas desse dia posso dizer algumas coisas: o trânsito de Santiago é INFERNAL! Eu perdi a paciência, demorei cerca de 1h30 para percorrer um percusso de 5km. Já táxi, pegamos uma ÚNICA vez... foi para ir e voltar da vinícula. Pesquisando antes de ir, vi que os taxistas são meio enrrolões e se aproveitam dos turistas, então a gente já foi tentando evitar pegar táxi. Mas quando fomos para o Valle Nevado, um casal que foi com a gente disse que era muuuuuuuuuito caro táxi lá. Que qualquer coisa dava cerca de R$80. Eu não falei antes, então vou falar aqui como é que eu fui e voltei do aeroporto, O TRANSFER. Fui pela TRANSVIP, empresa especializada nisso e de confiança. No final do parágrafo posto o link do site. O transfer custa 7 mil pesos o trecho por pessoa. Dá uns 40 reais. De táxi dá uns 80 a 100 reais, se você for com mais gente até compensa, mas sozinho ou de dupla, é melhor o transfer. O que gostei é que paga tudo na hora, você não se preocupa com isso e não precisa pagar antes por cartão de crédito como algumas empresas cobram. O que não gostei: ficamos alguns minutos esperando encher a rota para partir, pois o transfer é compartilhado (tem o exclusivo). E tivemos um problema na volta para o aeroporto... quando preenchi a reserva coloquei o horário de 12h30, porém era pra colocar o horário de estimativa de chegada ao aeroporto. Por exemplo, quero chegar horário X no aeroporto, aí você coloca X. Se você colocar o horário que você queria que pegasse, como eu queria, eles vão lhe buscar uma ou duas horas antes. Eu ainda tentei argumentar, mas pelo que passamos no penultimo dia, não reclamei... E esse é o dia legal para vocês acompanharem... o penultimo dia! O TERREMOTO! kkkkkkkkkk ROUPAS Como eu disse, moro numa cidade que o normal é 35º na sombra e roupas de frio é algo que não se vê muito por aqui... Quando comecei a me preparar para viagem fiquei com muitas dúvidas se sentiria frio, se levaria roupas normais e roupas de frio, só roupas de frio, poucas roupas de frio e por aí vai. Então, levei apenas uma bermuda, o resto era calça, casacos e blusas normais. A bermuda eu só usei pra dormir. kkkkkk. Senti muito frio alguns dias. Mas teve dois dias em que andava só de calça e blusa normal. Importante: levem uma segunda pele, vi ser importante para o Valle Nevado (ou montanhas afins). Minha namorada é beeeeeeeem friorenta... Sentiu frio todos os dias, horas e segundos. kkkkkk Ela andava toda coberta... segunda pele (calça e blusa), uma blusa mais fina e uma mais grossa, um casaco bom, calça jeans, gorro, luva e um cachecol. A gente sempre andou de tênis, mas isso porque andamos bastante, talvez vocês queiram andar de táxi ou alugar um carro, aí da pra andar com um calçado mais pesado. Se tiverem mais alguma dúvida disso é só perguntar... Bom, a partir de agora eu vou falar o dia-a-dia. Me desculpem se tiver detalhado de mais ou de menos. KKKKKK
  19. Fala mochileiros... tão esperado quanto (na verdade nem tanto) viajar, eu esperei muito por esse relato. Ajudar a quem não conhece ou quem conhece pouco é muito legal e importante para quem tá planejando uma viagem. Bom, vou postar dia-a-dia e talvez passe uns dias sem postar algo, mas vou postar TUDO! PORQUE O CHILE? Primeiramente, porque eu escolhi ir ao Chile? Escolhi por acaso, na verdade! Estava programando uma viagem para setembro, estava olhando uma viagem para o Sul do Brasil ou uma praia aqui do Nordeste ou ainda Argentina. Mas sinceramente, vendo o preço de passagem e hospedagem desses cantos, acabei sem querer vendo uma promoção de passagem para Santiago em setembro.. dei uma pesquisada simples simples pelo google e a primeira coisa que vi foi NEVE! Imagina aí vocês, eu aqui de Fortaleza no Ceará, acostumado a 35º na sombra ir para um canto frio desse jeito... acabei que comprei logo a passagem sem nem saber aonde ia ficar ou o que tinha pra fazer. PASSAGENS As passagens foram pela TAM, saindo daqui de Fortaleza no meio da tarde, fazendo conexão em Guarulhos e chegando em Santiago as 00h50 (antes era 23h, mas houve três alterações de voo enquanto não chegava a viagem). A volta foi mais ou menos do mesmo jeito, diferença que cheguei em Fortaleza bem mais tarde, as 3h40 da madrugada. O valor da passagem nem foi tão barato quanto achei, acabou saindo por 2 mil reais. QUANTIDADE DE DIAS Muitas familiares e amigos me questionavam porque eu passei 10 dias... Então, minha ultima viagem coloquei poucos dias e acabei atropelando algumas coisas, não vendo o que queria ter visto e me arrependido bastante de ficar pouco tempo. Então resolvi investir mais e fazer as coisas com calma, para também não se cansar muito (eu tentei, mas turistar cansa) e ver tudo o que eu queria ver. HOSPEDAGEM Já é minha segunda viagem que resolvo ficar em apartamento/flat (no final posto o link do apartamento)... eu gosto disso por conta da praticidade das coisas, poder fazer um almoço ou janta em casa e um pouco pela economia. Digo um pouco porque acho que acabei me arrependendo um pouco de não ter ficado em um hotel. O apartamento foi indicação de uma colega de trabalho da minha namorada e achamos barato no começo. Digo no começo porque toda hospedagem cobra o valor no dólar e quando fechei o dólar era 2,65 e quando viajei ainda estava em 3,50... o que na hora da conversão ficou pior pra mim. Ao todo foram 9 diárias, aonde dei um adiantamento de R$ 250,00, pago pelo cartão de crédito e no ato do check-in paguei o resto. O resto que paguei foi em pesos chilenos mesmo, foram 246.000 pesos (valor da conversão foi 176, depois falo um pouco sobre a conversão). Falando um pouco do apartamento, é bem simples... nada de mais... mas tem tudo para passar os dias que fiquei ou até mais. Água quente funcionando, toalhas, cobertores, um aquecedor portátil que quebrava o galho e o apartamento em si, são 30 andares e muito bem conservado. Porém tive alguns problemas com a administração do apartamento. Fechei tudo por e-mail com um senhor que se dizia o gerente do grupo (são vários apartamentos em dois locais distintos). Acordei um valor e tal e confirmei várias vezes quanto eu tinha que pagar ainda. Tratei sempre os valores com a moeda do Chile, pois iria pagar assim. Durante os 8 meses entre a reserva e o dia da viagem esse senhor saiu da empresa e entrou outra pessoa. Como já tinha tudo acertado e ele mesmo já tinha copiado a outra pessoa da cadeia de e-mails que troquei, não mencionei mais sobre valores. Quando foi uma semana antes de eu viajar recebo uma e-mail da gerente do grupo dizendo que teria que pagar tanto (352 dólares) + 19% do valor total da reserva, que daria US$440. Esses 19% corresponde a um imposto que se cobra em quase tudo no Chile. O IVA. Lutei muito e consegui não pagar esse imposto. Para se ter ideia, entrei em contato até com a embaixada do Chile aqui no Brasil. Enfim, quando forem fechar a hospedagem perguntem logo se esse valor está incluso o IVA e vários locais tem isenção total desse imposto. É bom pesquisar bem antes disso. Ao todo paguei o valor total de: R$ 1.650,00 A hospedagem: http://www.booking.com/hotel/cl/ruma-departamentos-amoblados.pt-br.html?label=gen173nr-15CAEoggJCAlhYSDNiBW5vcmVmaCCIAQSYAS24AQTIAQTYAQPoAQE;sid=f382be8ea1cfa896b98025e74bf6ed1b;dcid=4;dist=0;group_adults=2;room1=A%2CA;sb_price_type=total;srfid=f594250043e6b566bba4c4e6944e257e96b321e8X1;type=total;ucfs=1& Localização: Muito boa para se deslocar... fica a 3 quadras da estação La Moneda, então de metrô você vai para quase todos os cantos. A mesma La Moneda é aonde fica o palácio do governo. Fui várias vezes a pé para o Paseo Ahumada comprar algo, comer algo. Ia trocar moeda a pé. Ainda tive coragem de ir para o Cerro Santa Lucía e a Plaza de Armas. O problema é que a noite é meio estranho... mas nada perigoso! Eu, infelizmente, mora na capital mais perigosa do Brasil, então é normal eu me sentir inseguro. Mas voltei várias as vezes as 23h e me sentia bem. MONTAGEM DO ROTEIRO Gente, é a parte que eu mais gosto. Eu tava estagiando em um canto super de boa e passava mais tempo pesquisando as coisas para se fazer do que trabalhando mesmo. HAHAHAHA eu pesquisei MUUUUUUITO, sabia como ir para todos os cantos, o melhor dia, melhor horário, melhor jeito... Enfim, a alma do negócio é a pesquisa. É ver as pessoas que foram, como fizeram, pesquisar como montar, o melhor jeito para você e etc. Façam uma estimativa de valores bem superior ao que vocês são acostumados. Por exemplo: se eu for jantar num canto bem chique aqui em Fortaleza eu gasto uns 200 reais pelo casal. Como eu pretendida pelo menos um dia assim, coloquei um dia para gastar 350 reais. Nesses casos, eu nem me preocupei com a conversão... me preocupava apenas quando era um museu ou passeio que fazia a conversão e via se eu podia pagar e se dava certo. MOEDA Esse era meu maior medo... como lhe dá com a moeda diferente. Levava um valor em real, outro em pesos comprados aqui, trocava tudo lá, usava o Banco do Brasil pra tirar dinheiro lá... Enfim, levei ao todo R$ 6.400,00. Eu fiquei com 3 mil e minha namorada com 3.400... levamos na mochila, bagagem de mão mesmo. Não tivemos nenhum problema. Troquei um valor logo do aeroporto de Santiago porque precisava pagar o transfer lá... Peguei uma cotação bem baixa, 165. Explicando pra quem não sabe, é fácil fazer uma conversão... cada UM REAL, vale 165 PESOS CHILENOS... então, se eu vou trocar 10 reais, eu multiplico 10 x 165 = 1.650 pesos chilenos. Com um mês antes de ir, comecei a ver as cotações. Lembrando que não adianta eu olhar a cotação daqui... tenho que olhar a cotação de lá. Procurem no google "câmbio santiago" que tem vários sites. Quando comecei a olhar, tava 193 pesos... a medida que os dias iam passando, a cotação ia baixando... chegando a 180 pesos. Quando viajei nem olhei mais e para minha surpresa, as primeiras casas de câmbio que olhei a cotação tava 168. Fiquei preocupado, pensando no que teria que deixar de fazer... mas continuei procurando e ainda consegui achar uma cotação boa, 176 pesos. Troquei no primeiro dia um valor e depois troquei o resto. No dia-a-dia eu vou explicando. A moeda é trocada em uma rua no centro de Santiago. Rua Agustinas. Ela fica por de trás (ou pela frente, na verdade) do Palácio La Moneda. Você pode descer na estação La Moneda ou Universidad de Chile que anda pouco. Ainda cheguei a encontrar cotação de 179 pesos, mas tava sem o dinheiro, corri em casa para pegar e quando voltei já tava em 177. Ou seja, é na sorte e torcer para nossa presidenta não fazer muita merda. Então galera... vou ter que sair aqui e amanhã eu falo um pouco sobre o transporte e começo o dia-a-dia com as fotos. Abraços.
  20. Fala mochileiros, tive alguns problemas no trabalho e ocupado fazendo o roteiro de uma viagem que vou fazer, acabei esquecendo desse post. Mas vamos continuar, vou voltar falando sobre a VIDA NOTURNA DE FORTALEZA. Antigamente eu poderia lhe dizer que todo dia em Fortaleza tinha um canto diferente para ir. Mas acontece que essa fase passou e talvez os empresários não estejam tão intensionados em investir nisso. As festas, assim como na maioria dos cantos, são mais para o final de semana... Aí vai variar de final de semana para final de semana. As casas de show conhecidas e aconselhadas são: Musique, Siará Hall, Colosso Lake Lounge, Republik, Austin Country Pub. A Austin Country Pub, é uma casa de hsow temátiva, como o próprio nome diz, de Country. Funciona quase todos os dias, mas a terça-feira e a quinta-feira sempre tem festa, com uma banca local e a banda da casa, Austin Band. Essa casa sempre tocará sertanejo. Dificilmente você verá outro ritmo. Nas segundas-feiras, a tradição local nos chama para o BAR DO PIRATA. Localizado na Praia de Iracema, quase esquina da Ponte Metálica. O que toca nessa casa é o forró com a Banda Pirata. O bar também é temático, seguindo o tema do seu nome. Vira e mexe, algum canto diferente aparece em cena, então só perto da semana que você virá que dá pra saber quando, o que e aonde será. Uma pergunta sempre feita, é como chegar a essas festas: de táxi! Não tem outra. Tradição local e conhecido nacionalmente, temos o FORTAL, uma das maiores micaretas do Brasil. O Fortal acontece SEMPRE no penultimo ou ultimo final de semana do mês de julho na CIDADE FORTAL. Os blocos são o Vumbora (Bell Marques - quinta-feira), Siriguella (Bell Marques - sexta a domingo), Pirraça (Jorge e Mateus - quinta-feira), Largadinho (Cláudia Leitte - quinta-feira), Me Abraça (Durval Lellys - sexta-feira e domingo), Curuja (Ivete Sangalo - sábado), Eh Loco (sábado com Saulo Fernandes e domingo com uma atração diferente a cada ano, esse ano era para ser Cristiano Araújo, mas acabou sendo Gabriel Diniz) e ainda temos o Vai Safadão! (Wesley Safadão - sábado). Se você gosta e pretende vir esse período, o valor é um pouco caro. Para turistas, vocês podem procurar pelo abadá nos sites dos blocos ou comprar na Praça Portugal na semana do Fortal (vai ter uns 200 cambistas de todos os cantos do Brasil vendendo).
  21. Meu roteiro ficou assim: Dia 07/09 - Sainda de Fortaleza / Conexão em Guarulhos / Chegada em Santiago já na madrugada do dia 08/09 Dia 08/09 - Assim que chegar vou trocar um pouco de dinheiro para tomar café de manhã e pagar os translado / de manhã vou trocar moeda e ir visitando os arredores do apartamento que vou ficar / comprar algumas coisa para o apartamento / a tarde vou no Cerro Santa Lúcia e visitação no Palácio La Moneda / A noite, como é meu aniversário, vamos jantar no Giratório Dia 09/09 - Vamos passar o dia pelos arredores da Plaza de Armas, Catedral Metropolitana, Mercado Central (vamos tentar almoçar por lá) e visitar o Museu de Arte Pré-Colombina / A noite vamos jantar em algum canto bacana Dia 10/09 - Pela manhã vamos a Concha y Toro, porém tô pensando em mudar para outra vinícula / De tarde vamos fazer algumas comprinhas para levar para casa / De noite vamos ao Parque Arauco Dia 11/09 - Museu Bellas-Artes / Zoológico / Cerro San Cristóbal / Parque das Escuturas Dia 12/09 - Pela manhã vamos ver a troca de guarda no palácio, trocar mais alguns dinheiros / A tarde e noite vamos para o Museu La Chascona, Plaza a La Aviacion e terminar o dia pelo Pátio Bellavista Dia 13/09 - De manhã vamos a Feira Los Dominicos ver os artesanatos / De tarde fazer um mini-pique-nique no Parque O'Higgins / A noite vamos jantar na Pizzaria Tiramisú Dia 14/09 - Valle Nevado pela ChilExtremo Dia 15/09 - Vamos alugar um carro para esse dia e ir para Vinã Del Mare e Valparaíso, visitando La Sebastiana, Ascensor Artilleira, Museu Marítimo, Plaza Sotomayor, Cerro Concepción, Quinta Vergara, Museu Fonck... Dia 16/09 - Museu Histórico Nacional / Museu de Direitos Humanos / Mais alguma coisa que não tenha colocado no roteiro ou não tenha visto antes e descoberto por lá Dia 17/09 - Manhã livre para fazer o que a gente quiser, sair umas 12h para o aeroporto e partir rumo a Fortaleza.
×
×
  • Criar Novo...