Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

catiavicente

Membros
  • Total de itens

    13
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

4 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Olá comunidade! Em jeito de retribuição pela enorme quantidade de informações que ao longo dos anos tenho vindo recolher neste site, venho aqui deixar o meu contributo: relato da viagem de três semanas pela Tanzânia em Fevereiro de 2017. Antes de mais penso que é importante perceberem que somos um casal, ambos com 38 anos, oriundos de Portugal, habituados a acampar, que poupam muito na habitação durante a viagem para puder gastar em experiências, bebida e comida! Que valorizam mais a simpatia do dono da GuestHouse do que o facto de esta ter AC. Que valorizam mais a entrega e disponibilidade de um guia do que um parque de campismo 5 estrelas! Isto só para contextualizar as opiniões que iremos dar! Costumamos viajar sozinhos, no entanto desta vez, fomos acompanhados de um casal, o que se revelou uma escolha acertada, apesar de termos de abdicar de algumas escolhas mais económicas em termos de habitação ou transportes. Como vão perceber mais à frente, a rede de transportes em África não é comparável aquela que encontramos na Ásia por exemplo! Muito mais deficiente e muitooooooo mais cara! Não existem transportes durante a noite e viajar longas distâncias significa perder dias de viagem! Assim viajar com outro casal, permitiu optar por táxis em vez de dala-dala, uma vez que o valor é pelo carro e não pelo numero de pessoas, “obrigou-nos” a optar por viajar de avião dentro do pais, ganhando assim 2 dias de viagem, permitiu dividir quartos com WC em vez de optar por dormitórios, etc. A primeira dica de todas é: se é a tua primeira vez em África vai acompanhado ou junta-te a outros que vás encontrando ao longo da viagem, facilita e muito! Feita esta ressalva, ai vai o relato: Saímos de Faro, Portugal no dia 28 de Janeiro em direcção a Londres onde ficamos praticamente dois dias e uma noite. Sobre Londres não tenho nada de novo a acrescentar, a quantidade de informação que se encontra é mais do que suficiente para que qualquer um possa organizar um pit stop por lá. No dia 29 de Janeiro apanhamos um voo da Etihad Airlines, com escala curta em Abu Dhabi, e chegámos a Dar Es Salem no dia 30 de Janeiro (o voo custou cerca de 510 euros por pessoa). Logo à chegada ao aeroporto fomos confrontados com a maior verdade do país: tudo funciona “pole pole”, ou seja, devagar! Não tínhamos bagagem de porão e demorámos 1 hora a conseguir sair do aeroporto! O visto para Portugueses custa 50 dólares, tens de entregar o teu passaporte e aguardar que te voltem a chamar… pole pole… No dia seguinte iriamos apanhar um voo doméstico para o norte do país, por isso não compensava estar a pagar táxi para ir até à cidade (preço fixo 35 dólares). Para apanhar transporte público do aeroporto para a cidade tens de sair do aeroporto e caminhar cerca de 500 metros até encontrares um dala dala na direcção correcta (o melhor é ir perguntando), custa cerca de 3 dólares e demora até 2 horas! Os dala-dala, são viaturas que deveriam transportar 15/18 pessoas e por norma transportam o dobro + mercadorias e fazem paragens de 5 em 5 minutos . Assim saímos de Portugal já com GuestHouse reservada para essa noite, muito próxima do aeroporto, com transfer gratuito: Airport Transit Lodges – foi um dos mais caros da viagem: 40 dólares, com pequeno-almoço e transfer do aeroporto incluído. Os quartos são óptimos (especialmente para nós que estamos muito habituados ao básico), espaçosos, com casa de banho e água quente (olha o luxo!!!). O pessoal foi do mais simpático! Foram connosco comprar cerveja, e no final da tarde, quisemos ir conhecer as redondezas e um dos funcionários do hotel, o Thomas, acompanhou-nos por questões de segurança e ficou connosco na rua até à meia noite!!! Metemos conversa com gente que vivia perto do hotel e acabamos a fazer a festa com eles! Logo ali ficamos com uma certeza: é diferente da ásia? Sim e muito. Tens que ter cuidado? Sim claro que tens, mas que isto não te impeça de interagir e conviver com as suas gentes! Eles ficam felizes de puderem conversar connosco e adoram partilhar o que têm, nós pagámos umas cervejinhas e recebemos em troca cabra assada, salada (que não deveríamos ter comido mas estávamos tão felizes que esquecemos todas as recomendações) e musica a noite toda! Trocamos contactos, tiramos mil e uma fotos, dançamos e rimos! Bastaram algumas horas para que esta terra e estas gentes me entrassem coração adentro!!! 31-Janeiro Acordámos cedo e tomamos o pequeno-almoço que considerando o preço do quarto tinha obrigação de ser melhor! Muito fraco. Pedimos para nos levar ao aeroporto o que nos custou 5 dólares por casal. Dá para ir caminhando (cerca de 15 a 20 minutos). Apanhámos um voo da FastJet e 55 minutos depois estávamos a aterrar no aeroporto de Kilimanjaro. O voo custou cerca de 75 dólares por pessoa, ida e volta. (A alternativa seria apanhar um autocarro na estação de Ubungo, fica nos arredores de DAR, o bilhete para Arusha custava cerca 15000 TZ. Para chegar à estação desde o centro de DAR precisávamos de apanhar um Dalla Dalla na paragem do New Posta ou Old Posta +- 300 TZS. De salientar que existem vários horários a partir das 06:00/07:00 da manha e demoram cerca de 12 horas a fazer o caminho até Arusha.) Em Kilimanjaro tínhamos à nossa espera, aquele que viria a ser a peça chave dos próximos dias: O Heaven, o nosso guia do Safari! O Heaven trabalha para a empresa It Started in África, empresa essa que se revelou a melhor escolha de toda a viagem! Durante mais de um ano pesquisei e enviei pedidos de orçamento para imensas empresas de Safari, ao mesmo tempo que ia lendo depoimentos contraditórios: “compra o safari em Arusha quando chegares porque sai muito mais barato”, “escolhe e reserva o safari com antecedência para não estares sujeita á pressão dos caça-clientes em Arusha e estares sujeita a escolher uma empresa que não seja de confiança”, etc, etc. Eu sou um bocado freack-control e a diferença de preços não justificava arriscar escolher o safari in loco. Inicialmente como eramos só dois, escolhemos apenas 4 dias porque o orçamento não permitia mais. Mas quando os nossos amigos se juntaram a nós, e dividimos o jipe, pudemos alargar o safari para 5 dias com um dia mais alternativo “out of the beaten track” com visita à tribo Hadzabe. Resumindo, o Safari ficou no total (com todas as visitas, dormida, comida + guia e cozinheiro só para nós) por 200 doláres por pessoa por dia. É caro?! Sem dúvida! Mas era o sonho de uma vida para o meu namorado, que cresceu a ouvir as histórias do David Attenborough, nas planícies do Serengueti! E com os sonhos não se arrisca  Foram muitos sacrifícios ao longo do ano, muita roupa que não compramos, muitos jantares em casa em vez de ir para fora, levar todos os dias comida para o trabalho, correr em vez de ir ao ginásio, os 4 canais da TV em vez de um pacote pago, muitas opções deste género! Mas valeu cada esforço!!! Pelo que fui pesquisando, encontras safaris significativamente mais baratos em jipes entre 6 a 10 pessoas – cerca de 100 a 120 dólares por dia. Mas como é evidente há coisas que perdes, como ajustares (dentro daquilo que é possível) o itinerário com o guia, o ficares mais tempo num local que estás a adorar, o risco de apanhares um jipe velho que quebra durante a viagem e obriga te a perder horas do safari etc. A dica é: mesmo que optes por reservar em Arusha, pesquisa muitoooooooo! Li relatos de pessoas que saíram muito frustradas desta experiência e gastaram uma pipa de massa! Existem empresas que não têm o minino de condições de segurança no jipe, cujos guias passam a correr nos locais sem se importar se avistas os animais ou não, que oferecem comida em fracas condições de higiene, etc. Fazer por conta própria, no meu ponto de vista não compensa, porque o valor do aluguer do jipe (sim tem de ser obrigatoriamente um jipe considerando os caminhos)+ a entrada nos Parques e reservas + a pernoita nos parques de campismo + alimentação vai ultrapassar os 200 dólares que nós pagamos! Mas voltando ao relato (desculpem me mas eu perco-me, escrevo como falo: muitooooo!), acertamos o transfer com a empresa do safari e ficou 25 dólares por casal para fazer os 45 minutos que separam o aeroporto da cidade de Arusha. Pesquisamos por transporte alternativo mas não encontramos nada a não ser o shuttle da FastJet que ficava por volta de 7 dólares por pessoa. As decisões eram tomadas em grupo e considerando as diferenças de preço por vezes optou-se pela comodidade. Não ficamos no centro de Arusha porque já levávamos o safari reservado e não queríamos estar constantemente a ser alvo dos caça-clientes, ficamos no Settlers Executive Lodge, por 25 doláres, quarto duplo com WC. Recomendo vivamente, o quarto é bom, limpo, o staff é simpático, os arredores são muito seguros para passear e visitar mercados de rua, com comida a preços acessíveis, prato de frango com arroz ou batatas por 4000tz, cerveja a 2500 tz, um campo de futebol mesmo ao lado do hotel que nos valeu umas grandes risadas. A uma distância a pé de 5 minutos há um grande supermercado, com ATM e loja de cambio, bebidas e comida. Enquanto caminhamos encontramos várias placas de Guesthouse, que presumo a preços mais baixos (não confirmei). Tivemos uma boa noite de descanso para nos prepararmos para os próximos dias  01 a 5 de Fevereiro - Safari No 1º dia foram nos apanhar ao hotel, fizemos as ultimas diligências contratuais no escritório (pagamento ) e seguimos com o Heaven para abastecer o jipe… de cerveja!!! É verdade o Heaven foi o máximo, percebeu que o nosso orçamento era curto e que a compra de bebidas nos parques de campismo (quando havia) eram muito caras, foi conncosco a um supermercado onde pudemos comprar cerveja, trocar xelins, etc. Cerveja colocada na arca do Jipe (sim tinha uma arca para manter as águas e cervejas bem geladinhas), partimos em direcção ao Lake Manyara. No caminho paramos para fazer a primeira visita: tribo Masai. Bom, na minha opinião, não vale a pena. É puro negócio! É giro para tirar fotos daquelas que impressionam os amigos, mas eu não voltava a pagar os 50 dólares (este valor já está incluído nos valores do safari que referi em cima). Sobretudo porque mais à frente, a caminho do Serengueti e Ngorongoro tens oportunidade de ver imensas aldeias Masai e cruzas-te com os seus habitantes em contexto real, e mesmo que não visites as suas casas, na minha opinião acaba por ser muito mais real do que esta primeira visita. Apesar do Heaven nos avisar que não deveríamos pagar nada, a verdade é que és pressionada para dar algum dinheiro ao dono da casa que visitas ou pelo menos comprar um artesanato a preços que são um autentico ROUBO! Não tiveram muita sorte com este grupo ãã2::'>  apesar disso fizemos a festa! Trocamos de sapatos com eles, rimos, dançamos e quando demos por nós tínhamos a tribo toda ao nosso redor. O guia dizia que os Masai é que tinham vindo visitar os portugueses . De volta à estrada entrámos duas horas depois no Parque Nacional do Lake Manyara. À distância, de todos os parques que visitamos, é sem dúvida o menos impactante. Mas na altura, não sabíamos disso e queríamos parar a cada segundo para tirar fotos aos babuínos, girafas, elefantes, búfalos, zebras e aves que íamos encontrando pelo caminho, alguns estavam a metros do jipe! Por volta das 16h, terminamos a visita e fomos em direcção ao Haven Nature Camp. Foi um dos melhores de toda a viagem, as tendas são permanentes e tem camas no interior. O campo tem água quente. É muito bonito e arranjadinho. A zona de jantar e pequeno-almoço é muito agradável. Conhecemos o Fadile, o nosso cozinheiro que nos acompanhou durante toda a viagem e que preparou um autêntico manjar dos deuses (pelo menos era o que parecia): uma sopa com leite de coco, caril e coentros, seguida de um curry de frango acompanhado de arroz, batatas fritas e legumes salteados! Para não me estar a repetir posso já dizer que a comida dos dias seguintes, ao jantar, foi sempre muito saborosa, com direito a sopas sempre diferentes, quiches, bolonhesa e currys diversos. O pequeno-almoço era suficiente para nos manter muito bem durante horas, quanto ao almoço, vinha embalado em caixas individuais e continha por norma uma peça de carne (frango assado), ou tortilha, ovos cozidos, sumo, fruta, etc. Nessa noite bebemos umas cervejinhas, trocamos as primeiras impressões até tarde e… cama! No dia seguinte bem cedo o Heaven e o Fadile prepararam o jipe, a logística é impressionante mas eles já fazem aquilo como se nada fosse. Carregadas as tendas, mesas, cadeiras e comida para os próximos dias, seguimos em direcção ao Serengueti. As distâncias são grandes, e as estradas proporcionam aquilo que eles chamam de “África Massage”, mas se tiveres um bom guia, depressa se faz o caminho! Um Guia que anime a viagem com musica, faça paragens regulares, para um cigarrinho, para dois dedos de conversa, para tirarmos umas fotos com os masais que vamos encontrando no caminho a guardar gado, para um xixi (em relação ao xixi, era uma coisa que me intrigava antes da viagem, mas nós fazemos paragens em parques/entradas de parques nacionais etc, de 3 em 3 horas +- e em caso de aflição há sempre uma arvore ou a roda do jipe!). O próprio caminho é um game drive tal é a quantidade de animais que vais vendo pelo caminho! Nós estávamos tão espantados! É tão difícil colocar em palavras! Foi numa destas alturas, ainda antes de entrarmos no Serengueti, que o nosso guia teve uma saída memorável: “Do not spend the memory of the machine, If this was a movie, this part is just the trailer” E ele tinha razão!!! A quantidade de animais é inexplicável! A imensidão das planícies é inolvidável! São aos milhares! Especialmente os Gnus e as Zebras!!! Só de falar/escrever o meu coração fica apertado de emoção. A sério. Por norma, nesse dia todos os jipes param na entrada do Serengueti para o almoço, fica uma dica: nesse parque, existe uma pequena subida para uma rocha enorme que vale a pena espreitar! A vista é de tirar o folego! O Serengueti não nos podia ter recebido melhor: dois minutos depois de entrarmos no parque avistamos duas Chitas que estavam escondidas numa barreira Á BEIRA DA ESTRADA! Tivemos a sorte de se levantarem na altura e de ficarmos a menos de dois metros delas! Tive vários colapsos durante a viagem e este foi um deles! São lindas! E são selvagens! E não tem grades á volta delas! E… e… e é isso! Se tivéssemos acabado por ai já tinha valido a pena, mas não acabámos! Ainda tivemos direito aos omnipresentes gnus, elefantes, Leões, hienas, chacais e todo o tipo de antílopes! Não vale a pena tentar descrever estas partes porque não tenho o dom da palavra que faça justiça áquilo que vimos. Antes de entardecer, fomos procurar o parque para passar a noite e surpresa da surpresa: era bem no meio do Serengueti! Tínhamos acabado de avistar leões, hienas, chacais, búfalos, etc á cerca de 10 minutos quando o Heaven passou por um parque de campismo que julgamos estar abandonado! Não estava minha gente! Era o nosso Parque !!! O Heaven explicou que tinha recebido a informação que o campo onde deveríamos ficar estava demasiado cheio e resolveu trazer-nos para este. É nestas alturas, que caso ele não tivesse já ganho a nossa confiança e se não tivesse feito de tudo para nos ver felizes, nós teríamos levantado problemas! Mas não. Eu tinha pesquisado na net e o campo era muito semelhante a este, ou seja, muito… muito… básico! Água quente não havia mas também não era necessário, tinha duche e casas de banho, tinha um local fechado para o jantar e depressa os funcionários acenderam uma fogueira. Ajudámos o Heaven a montar as tendas (não tínhamos obrigação só mesmo vontade), banho tomado, barriguinha cheia, fogueira com a gente. Foi uma das melhores noites de toda a minha vida! Sentia-me tão feliz, rodeada de amigos, no meio do SERENGUETI, á fogueira, a beber umas kilimanjaros, não precisava de mais nada. Estava completamente preenchida! Fomos avisados para não irmos à casa de banho sozinhos e antes de irmos para a tenda dormir percebemos porquê como meninos bem comportados fomos os quatro á casa de banho antes de irmos para a tenda quando o Luis avista dois olhinhos brilhantes a uns 5 metros de nós era uma hiena!!! A ida à casa de banho foi praticamente desnecessária porque ia fazendo xixi mesmo ali!!! A coitada teve medo de nós claro! Íamos em “manada”! Fugiu em segundos! Mas voltaram… durante a noite ouvimos os sons delas e dos leões como pano de fundo  foi uma noite surreal, pouco dormimos devido à excitação! Mas não trocava aquela noite por uma noite bem dormida num Lodge 5 estrelas! (continua...)
  2. Obrigada Marcela!!! Faltam 5 dias e estamos a tentar entrar no espirito Hakuna Matata :) Já deu para perceber que é a unica saida para não enfartar! Depois passo por cá a contar como foi! Obrigada mochileiros!
  3. Olá pessoal! Vamos para a Tanzânia em Fevereiro 2017! Já temos tudo muito organizado mas estamos na dúvida em voar de dar/Kili pela FastJet! Lemos muitas criticas negativas relativamente a atrasos e coisas do género. alguém já voo com a FastJet? Obrigadaaaaa!
  4. Sou completamente fã!!! Adoro e quero mais! Continuem por favor! Cátia&Luís
  5. Olá, sim logo que possa enviarei o roteiro detalhado!!!
  6. Olá Paula, eu e o meu namorado também estamos de partida para 6 semanas pela Ásia incluindo a Tailândia! Fiquei curiosa acerca da tatuagem. Também quero fazer (as 5 linhas) e gostaria de saber mais ou menos os valores que encontraste. Será que me podes ajudar. Obrigada! Beijinhos
  7. Olá! Vamos então abrir as hostilidades : ) somos um casal de Portugueses que conseguiu juntar férias e alguns dias de licença sem vencimento para percorrer partes da Tailândia e Indochina. Depois de dissipadas as duvidas de que rumo seguir, já definimos o nosso roteiro e comprámos as viagens. Decidimos partilhar esta Odisseia de 45 dias e esperamos receber muitas opiniões e dicas preciosas. Terá inicio a 15 de Janeiro e terminará a 27 de Fevereiro: 15-JAN - FARO (11:15) – LISBOA (13:35) – DUBAI (03:05) – BANGKOK (12:05) 16-JAN/ 17-JAN: BANGKOK 18-JAN/20-JAN: SIEM REAP 21-JAN/23-JAN: SINAKOVILLE / KO RONG 24-JAN/25-JAN: PHNOM PENH 26-JAN/28-JAN: PHNOM PENH - SAÍDA DE BARCO PARA O DELTA DO MEKONG - HO CHI MIN 28-JAN/29-JAN: HO CHI MIN 30-JAN/01 FEV: HOI AN 02-FEV: HANOI 03-FEV: HALONG 04-FEV: HALONG/HANOI 05-FEV/10 FEV: LUANG PRABANG (AVIÃO) 10-FEV/11-FEV: LUANG PRABANG PARA CHIANG MAI 12-FEV: CHIANG RAI - CHIANG MAI 13-FEV/15-FEV: CHIANG MAI 16-FEV: AYUTHAYA / BANGKOK 17-FEV/20-FEV: KRABI/ RAILAY 21-FEV/24-FEV: KO PHANGAN 25-FEV/27 FEV: BANGKOK (KHO SAMET?) O roteiro foi assente numa série de pressupostos: a maioria das viagens será feita durante a noite, podemos alterar o roteiro se nos apaixonarmos por algum local (ou o oposto), uma vez que sempre podemos cortar alguns dias nas praias e apenas faremos uma viagem de avião de Hanoi a Luang Prabang. Neste momento estamos em fase de construção de um Blog que pretendemos alimentar ao longo da viagem e esperamos por muitas visitas. Mais próximo da data daremos o endereço! Beijinhos e Abraços Cátia&Luís
  8. Oi mais uma vez! Vou abusar da boa vontade e aproveitar para fazer mais uma pergunta! Bruno, nós temos 40 dias para Tailandia, Camboja, Vietnam e Laos. Considerando que em 2014 já estivemos vários dias em Bangkok e ilhas no sul, desta vez queriamos explorar um pouco do norte da Tailândia e se der, as ilhas similian. A grande dúvida é em que sentido iniciamos a viagem: de Bangkok para Siem Reap (estamos muito inclinados para esta opção), ou de Bangkok para Chiang Mai. A ideia era não perder tempo em bangkok (apesar de perder tempo em bangkok ser o máximo ) à espera do visto para o vietname. Assim iriamos para Siem Reap e depois Sinakkouville e enquanto apanhavamos um solinho por lá faziamos o visto (já pesquisamos e eles fazem lá). Podes me dar a tua opinião? Muito obrigada. Bj PS: este ano fizemos mochilão pela Bahia (adoramos o Brazil)
  9. Olá!! Muito obrigada pelas dicas! Já "viajei" pelo vosso blog. Muito bom. Não é fácil construir um roteiro por 4 países, mas o desejo que temos de ir é muito grande. Neste momento estamos muito inclinados para sair de Bangkok para o Cambodja, mas ainda não está fechado. Estes 10 meses que faltam, vão servir para cimentar (ou abandonar) a nossa escolha. Neste momento estamos a delinear os transportes entre cada pais, é uma tarefa importante, porque já percebemos por exemplo que não vai dar para parar em todos os pontos que tínhamos pensado inicialmente (Hué já ficou pelo caminho). Lemos uma dica super importante. Divide os dias de viagem pelo numero de pontos em que pretendes parar, caso seja inferior a 3, é sinal que a viagem está muito corrida. Foi das melhores dicas até agora!
  10. Olá Pedro! Nós também estivemos em 2014 na Tailândia e ficamos rendidos ao pais e à forma de estar. Nessa altura, fomos 20 dias (Bangkok - Phuket - Kho Phi Phi - Kho Phangan - Kho Tao) e prometemos voltar para conhecer melhor o norte do Pais. Ficamos completamente apaixonados a ponto de gastar todas as férias de 2016 e mais, numa viagem de 40 dias pela Indochina. Já pesquisamos preços e continuo a achar que o melhor ponto de aterragem é Bangkok. O nosso orçamento não nos permite fazer deslocações de avião (talvez uma) logo temos que ponderar muito bem a questão dos trechos terrestres, fronteiras e afins. Como estão a pensar resolver a questão do visto para o Vietname? Pelo que percebi demora alguns dias a tirar. Estávamos a pensar em tirar em Phnom Penh e aproveitar os dias de espera para visitar o sul do pais, tipo sihanoukville e Ko Rong. Também queremos muito ir às Filipinas mas vai ter que esperar... Talvez da próxima seja Filipinas, Malásia, Brunei e Indonésia Sonhar não custa!
  11. Bruno! Estou planeando a minha viajem à Indochina e a consumir compulsivamente relatos de viajem No teu relato dizes que ouviste histórias (trágicas) sobre tatuagens... será que me podes contar melhor? Era uma das partes da minha viagem que já estava dada como certa Obrigada!
  12. Olá pessoal! É a minha primeira vez como membro aqui no forum. Sou Portuguesa e estou a planear uma viagem de 40 dias à Ásia em 2016 (Janeiro e Fevereiro). Neste momento o Roteiro compreende 4 países: Tailândia, Laos, Vietname e Cambodja. Estamos com alguma dificuldade em decidir qual o sentido da viagem? Será que me podem ajudar? Será melhor fazer Tailândia/Laos/ Vietname/Cambodja/ Tailândia, ou no sentido inverso: Tailândia/Cambodja/Vietname/Laos/Tailândia? Obrigada desde já pela ajuda.
×
×
  • Criar Novo...