Ir para conteúdo

eprimos

Membros
  • Total de itens

    14
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Bio

  • Ocupação
    Analista de Sistemas
  1. eprimos

    Mochilas LAFUMA

    Salve povo da Mochilada! Tenho uma de 70L há 1 ano, resistiu com louvor a uma viajem a Ibitipoca e a travessia de São Luís a Canoa Quebrada, encarou Avião, ônibus, pau-de-arara, bugue, barcos, areia e água. O modelo, se não me engano é a Saypal 70, que tem um capa impermeável, usei ela duas vezes e protegeu bem a mochila da aguaçeira que caiu. Tem dois bolsos laterais e tiras de compressão que quando vazia reduzem bastante o tamanho da mochila. A "cabeça" tem mini bolsos muito úteis para colocar os mapas e coisas pequenas para uso corriqueiro Carreguei a mochila com 22Kg e quando botava nas costas estava tudo ok, os ajustes são bons e fáceis. Apenas um adendo, na viajem a São Luís, destruí uma mochila da Trilhas e Rumos enquanto a Lafuma parece que chegou da loja ontem. Estou satisfeito com a mochila e recomendo.
  2. eprimos

    Natal

    Salve povo da mochila! na minha próxima trip pretendo aterrisar em Fortaleza e pegar um busão para Mossoró (será que é mais perto do que descer em Natal e ir para lá? espero que alguma alma caridosa me responda!) Pretendo usar Mossoró como base para ir a: Tibau, Ponta do Mel, Areia Branca e Lajedo da Soledade. Alguém conheceu estes lugares? Tem dicas de quantos dias ficar ou é jogo só passar por lá? De Mossoró pretendo passar em Galinhos e São Miguel do Gostoso (as mesmas peguntas será que vale a pena ficar 1 dia em cada cidade ou passar por lá apenas?) e de lá ir a té Natal, essa parte os prezados foristas já esmiuçaram para mim nos fóruns em detalhes . A última pergunta, será que há transporte público que viabilize estas idéias. Li todos os tópicos dessa parte do fórum (RN) e somente achei duas referências às praias depois de Gostoso, alguém tem alguma informação?
  3. Salve galera da mochila Tudo bem? Como este tópico está meio parado vou colocar algumas informações sobre a trip (pricipalmente em termos gastronômicos). Local para comer em São Luís - Centro Histórico. Se quiser ouvir músicas o Antigamente é um bom bar, mas prepara o bolso porque é caro. Então ninguém vai comer no Antigamente, até porque já disseram que a comida não é lá essas coisas e é cara também. Sendo assim procurem o bar (isso é para ser carinhoso, na realidade é um boteco no melhor estilo pé-sujo) Leão do Norte. Não sei dizer exatamente onde é dentro do centro histórico mas qualquer local deve saber te dizer. O bar é uma porta em um casario bem velho. Lá comi muito camarão frito e cozido grandes (mesmo), feijão, arroz e macarrão ao alho e óleo com guaraná Jesus e uma cervejinha e o preço foi muito baixo (menos de R$20,00 para dois) e a comida era muito boa, feita na hora e "sem miséria". A próxima parada gastronômica foi em barreirinhas, aí comi bem no bar preguiças (não é muito barato), mas lá aceita cartão de crédito (põe no prego!). Prato do dia: Camarão (de novo grandes mesmo!) com catupiry e outras coisas que só minha mulher para dizer. Lá o pessoal nos atendeu bem e até nos ofereceram (free for fun) uma poção do arroz de cuchá, prato típico da região que o locais adoram, mas eu e minha esposa não gostamos, vale a experiência. Me dei mal em caburé onde o restaurante que fica próximo fez um peixe não muito bom e enfiou a faca na gente (preço alto). Em Atins o bar da Luzia é muito raiz, vale a pena, ela é muito gente boa. Em Paulino Neves, dormimos na casa de uma senhora que já morou no Rio de Janeiro, conhecemos ela no pau-de-arara, e como não tínhamos onde dormir ela nos ofereçeu um dos quartos de sua casa que estava vazio. Ao acordarmos às 4:30 da manhã para pegar o pau-de-arara para Tutóia o café dela foi o melhor café da viajem. Ela me disse que iria fazer uns quartos para alugar para os viajantes na casa dela, se alguém passar por lá procura ela, é a segunda casa depois da ponte, vira a direita. É bem ao lado de várias mangueiras gigantes, plantadas (segundo ela) pelo seu avô. O marido dela também nos ajudou a reservar um lugar no pau-de-arara para Tutóia (ele conhecia o piloto). Em Tutóia eu comi em uma padaria quase em frente a rodoviária, o sanduba era bom, o ruim foram as moscas que estavam por toda a cidade, fato que fez com que Tutóia merecesse o apelido, dado por mim como escárnio, de Mosca Town. No Piauí, outra ação que me fez manter a fé na humanidade, na rua principal da cidade (aquela onde todos os ônibus vindos de Tutóia passam e onde existe a rodoviária e o mercadão - feira ), estava com um dos cartões de memória de minha máquina cheio e queria passar para o pen-drive as fotos, entrei em uma lan-house (talvez a única de Paranaíba) e o cara foi muito gente boa e me emprestou o computador para descarregar o cartão (de novo free for fun) e o cabo USB - Mini-Usb que eu dei mole e esqueci em casa (merecia uma surra). Fui para uma pousada muito boa (filhos do vento), mas não fiquem nos quartos da frente, são bonitos mas a proximidade da rua é de matar, Os quartos internos são tão bons quantos e mais baratos. Nessa pousada fomos muito bem atendidos, porém o ponto alto desta pousada era o Cheff (Srº Flávio), pessoa muito simpática e que fazia ótimas comidas. Nos fez um grande favor, pois mesmo nós chegando depois da hora do almoço (15:00), ele passou da hora dele e nos preparou um prato muito bom. Não comam em outro lugar em Parnaíba! Camocim foi ponto baixo, não tem lugar decente para ficar é melhor acampar (para os endinheirados até tem - diária mais de R$350,00). Jericoacoara fiquei na pousada Ibirapuera, o dono é um cara muito zen, a pousada é para relaxar qualidade ótima (o preço é alto), ao chegar os quartos estão enfeitados com flores naturais (as mulheres adoram!), o café da manhã é dez e do quarto "E" você vê a duna do pôr-do-sol. Esta pousada apesar de ter um estilo totalmente diferente da de Parnaíba, achamos mais aconchegante. Depois disso tudo chegamos a Fortaleza, não há nada que tenha me chamado a atenção por lá (tirando a existência de prédios de 30 andares a beira-mar, fato que provoca um sombra terrível nas praias), mas vale a pena conheçer. Fomos a Canoa Quebrada, o local é muito fotogênico (questão de incidência solar e outras particularidades), faz com que qualquer foto fique melhor do qualquer outra tirada antes em outros lugares, porém não me surpreendeu e sinceramente, não volto lá não. Talvez minhas expectativas estavam altas ou já estava cansado, de qualquer forma o espírito mochileiro prevalece e recomendo a cada um ir ver para tirar suas prórpias conclusões. Em termos gerais o local que realmente me surpreendeu foi o Maranhão, terra muito boa, gente muito boa (só a presença do Sarney estraga, onipotente e onisciente no Maranhão, dono de jornais, TVs e frotas de navios cargueiros). A variação de até 8 metros na maré é surreal. Voltaremos certamente ao Maranhão pais nos sentimos muito bem lá. Um abraço a todos
  4. Fala pessoal, acabei de voltar da trip de São Luis a Canoa Quebrada. A viajem foi muito 10 e agradeço a todos pela ajuda que me deram na montagem do roteiro. Uma coisa que eu sabia que podia me dar mal foi com respeito a temporada de chuvas no nordeste, paguei para ver e dei sorte, peguei tempo nublado até o Piauí com alguma chuva a tarde (dois dias no Maranhão) e a noite. Cheguei em São Luís no sábado 11/02/2006, e segundo os locais presenciei a primeira chuva em mais de 20 dias, eles me disseram que as estações lá são seca e chuva, e que entre 2005/2006 ocorreu o seguinte (em barrerinhas): Parou de chover no final de Julho de 2005 e so choveu no dia 28 de dezembro de 2005 por um dia, depois choveu uns dois dias em meados de janeiro de 2006 e que aparentemente a estação das chuvas tinha chegado para ficar agora com as chuvas que caíram, assisti chover a tarde nos dias 11 e 13, e entre os dias 12 e 13 começou a chover as 22:00 e só parou às 4:00 da manhã. O pessoal local me informou que de final de Julho até dezembro é muito difícil chover, mas que como a estação das chuvas tem demorado a começar, tem sido comum nos últimos anos conseguir um Janeiro de sol. Também perguntei quanto a Fevereiro, e eles me disseram que nesse mês chove mesmo no Maranhão e que até meados de Março a chuva é esparsa (normalmente chove à tarde ou à noite) mas que depois de meados de Março a chuva não tem hora e pode chuver dias sem parar. O lugar é espetacular, mas pelo o que o pessoal me falou do tempo, não aconselho a visitarem lá depois de Janeiro, é questão de sorte pegar tempo bom depois de Janeiro. Para ver as lagoas cheias os locais falam que em Agosto não há chuvas e elas estão cheias, mas que em Julho as chuvas já são muitos espaçadas e já dá para visitar os Lençóis já cheios. Acabei que não fui a Santo Amaro, vou armar outra trip para ir de Santo Amaro a Barreirinhas pelo parque (só falta convençer minha esposa!), a informação que me deram é que do ônibus que vai para Barreirinhas (vindo de São Luís - Cisne Branco) vc deve saltar no meio da viajem e pegar uma toyota da Cisne branco que te deixa em Santo Amaro (me disseram que é melhor do que ir a Barreirinhas e pagar um passeio até Santo Amaro), também fui informado que em Santo Amaro a oferta de guias até Barreirinhas é grande, se alguém puder me confirmar a veracidade das informações é bem vindo. Valeu pessoal, até a próxima, nas próximas férias vou do RN até SE, quando tiver algo acertado volto a perguntar aos gurus da Mochilada!!!!!
  5. Fala pessoal Vou depor a favor da Teva. Minha esposa tinha um problema com sandalias ou papetes, qualquer tipo de calcado que ela usava abriam varias bolhas ou esfolava as laterais, calcanhar, tudo enfim. Ai comecamos a procurar uma papete a que o pe dela resistisse. Resultado ela usa a Teva e nada acontece, é dificil entender, por que tinha uma da Adidas muito parecida que tinha tudo para dar certo. ah, a Montcamp está vendendo papete Teva por uns 140,00
  6. Opa, eu não tenho uma P200, porém tirar fotos da Lua exige alguma técnica, caso contrário sempre haverão borrões, por um motivo simples, tanto a Lua quanto a Terra estão em movimento. Dessa forma existe uma regra chamada Starry 600, que diz que o tempo máximo de exposição é de 600 dividido pela distância focal da lente. Exemplo prático: em uma noite de céu estrelado, com uma câmera de filme 35mm e uma lente de 35 mm (é a lente da minha antiga Olympus Trip), você terá um tempo máximo de exposição de 17 seg. Ou seja se você colocar uma exposição de mais de 17 seg "provavelmente" vai ter uma imagem borrada. tem um problema, se sua câmera for digital e não for Full Frame, você vai ter que levar em consideração o crop do sensor. Outro exemplo prático: Camera digital, lente de 35 mm e crop de 1,5 O calculo seria: 600/( 35 x 1,5 ) Logo não seria aconselhável deixar uma exposição maior que 11 segundos, sob risco de borrar tudo. em tempo, sem um bom tripe pode esqueçer..vira tortura chinesa Não sei se ajudei ou confundi.
  7. A guerreira Trilhas e Rumos 35 e uma Lafuma Saipal 70
  8. Pois eh, uma conhecida da minha esposa me disse que lá era isso e aquilo, mas até o momento não encontrei motivos que justifique o preço. Acho que vou cortar essa parada do roteiro Obrigado
  9. Fala pessoal tenho uma Fuji S7000, estou aprendendo a manusear os controles, alguém por ae tem uma? Download Attachment: DSCF1676.JPG 56,52 KB
  10. Fala ae pessoal, estou postando por que estarei com minha esposa, fazendo o percursso de São Luiz a Fortaleza entre os dias 10/02/06 e 27/02/06 Já recolhi muitas dicas do pessoal do forum que passou por lá, e um lugar do trajeto que não encontrei muitas informações foi sobre a ilha do Caju, estou querendo passar por lá, alguém pode dar alguma dica? Sobre a pousada? preços e transportes para lá
×
×
  • Criar Novo...