Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

gleydy

Membros
  • Total de itens

    5
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

8 Neutra
  1. Olá amigos, voltei este ano com mais uma viagem e de volta à Patagônia. A primeira foi Ushuaia e agora foi a vez de El Calafate (ARG), El Chaltén (ARG) e Torres Del Paine (CHI). Foi uma viagem para a liberdade das trilhas, mesmo sabendo que algumas seriam dolorosas já que tenho problemas no joelho, mas valeu cada dorzinha. Para quem gosta de estar ao ar livre, vendo a natureza na sua forma mais pura e linda, recomendo esta viagem, mais especificamente El Chaltén 👣👣 Vamos às dicas e narração dos fatos mais importante que vivenciei. Fotos não são tá importantes, já que se pesquisae no Google encontra mais bonitas que as minhas, mas colocarei algumas no final da narração. Saímos de Florianópolis para El Cafalte pelas Aerolíneas Argentinas. Cabe uma observação aqui em relação a essa companhia aérea: é uma empresa que trata seus passageiros com muito respeito. Ocorrem imprevistos sim, porém são solucionados da melhor forma possível sem causar stress aos seus clientes. Não ficamos nem um minuto no limbo sem saber o que fazer devido a algum problema de mudança de horário ou cancelamento. Eles realocam de forma a não perder teus próximos vôos e se não houver essa possibilidade, acham uma solução nem que seja bancar estadia em hotel com refeição e táxi de/para aeroporto. EL CALAFATE Voltando, Chegamos em El Calafate para conhecer a cidade e o tão falado Glaciar Perito Moreno. Ficamos num Hostel (De Las Manos) e a cidade ficou sendo nossa base para as idas e vindas das outras cidades. O Hostel é bom em termos de acomodação, mas o café da manhã foi o pior que já comi em toda minha vida e o wi-fi é bem fraco. São dados que podem ser importantes para uns e não importantes para outros, por isso achei melhor colocar aqui. A cidade é limpa, bonita e com muitas opções de restaurante e suas famosas parrilhas. Os preços são similares em todos os restaurantes, mas a opção econômica continua sendo cozinha no hostel. Muitos cachorros nas ruas e dos grandes, o menos era um pastor alemão ... kkkk ... cada um mais lindo que o outro. Achei que só veria isso em São Pedro de Atacama, mas não pelo jeito na região Patagônica também estão na rua e são alimentados pelos restos dos restaurantes e açougues ... passam muito bem e são acariciados pelos turistas constantemente. No próprio hostel fechamos o transfer para a ida para Perito Moreno (lá nós ficamos livres, sem necessidade de seguir guias). Também fechamos o ônibus para El Chaltén e Puerto Natales (Chile - base para Torres Del Paine). Também há o transfer para o aeroporto que sai bem mais em conta do que táxi. Lá no aeroporto todos cobram $900,00 (hoje em torno de R$ 90,00) e da cidade para o aeroporto cobram $700,00. Com o transfer do hostel foi $400,00 para os dois ($200,00 cada). GLACIAR PERITO MORENO Dia de ir à Perito Moreno. Paga-se para entrar no Parque dos Glaciares não me recordo do valor, mas é um valor justo. O Glaciar Perito Moreno é uma maravilha que a natureza nos deu e ainda consegui tirar uma sequência de fotos de um pedaço de uns 50 m de altura se desprendendo do glaciar. Vibrei! 😱😱 o som de pedaços se desprendendo é contínuo e faz um estrondo ao cair. O caminho que se faz vendo o Glaciar de frente é perfeito. Não vi necessidade de fazer o passeio de barco ... do barco você vê de longe (o barco não pode chegar perto do glaciar) e de frente. Não tem a visão da parte de cima do glaciar que é fantástico. Dá tempo de fazer os dois se quiser. Há outras opções de passeios mais caras e que não me interessou em fazer, mas se procurar na internet ou lá mesmo nas agências vai ver todas as possibilidades. Passamos um dia percorrendo El Calafate, suas ruas, seu lago, enfim, muito tranquilo e agradável. Ficamos 3 dias em El Calafate. EL CHALTÉN Depois fomos para El Chaltén, onde ficamos 6 dias e ficaria mais se fosse possível. A vontade de volta se deu logo que saímos de lá. Peguem um mapa da cidadezinha e vejam as trilhas que possui, são inúmeras, mas em 5 dias consegue fazer a maior parte delas que estão mais próximas e parte da cidade mesmo. É tudo muito próximo. A cidade é uma graça, respira natureza e trilhas. Muitos bares e restaurantes charmosos e em todos um som de rock´n roll rolando. Ambiente pra lá de agradável e cercada de montanhas a o famoso Fitz Roy coroando a cidade, objetivo de todo caminhante. Não vou discursar de todas as trilhas que fizemos, porque seria só elogios, prefiro dar algumas dicas que acho ser importante. FITZ ROY: trilha de nível DIFÍCIL e é verdade. Bastante difícil, principalmente para quem tem problemas nos joelhos, devido aos últimos 1 km serem de subida intensa, forte. Não há quem chegue com cara de que foi mole. Eu tenho problemas e a descida pra mim foi um castigo, mas fiz e faria de novo (mas, não façam o que eu faço por favor). Valeu a pena? cada segundo, cada dorzinha que senti depois, cada suor ... suor SIM! na Patagônia você consegue ficar suado! 😓😓 A trilha normal é ida e volta pela mesma trilha. São 10 km só de ida. Eu recomendo reservar um transfer (no hostel mesmo) e ir bem cedo para a a trilha do Glaciar Piedras Blancas que fica na Ruta 41 a uns 30 km de El Chaltén. De lá vai para Laguna de Los Três (base do Fitz Roy). Além de conhecer outra trilha, ela já está um pouco mais acima, economizando um pouco de energia. A volta faz pelo trajeto normal que dá na cidade de El Chaltén. Ao chega na base da montanha, na laguna de Los três, à direita sobe mais um pouquinho que terá uma linda surpresa: outra laguna. Através das fotografias ou vídeos não se consegue mostrar o que nossos olhos captam ... é simplesmente lindo! Uma coisa importante é ter um dia limpo e sem vento de preferencia (muitas vezes difícil na Patagônia). Pode dar o azar de chegar lá na base e não ver as torres do Fitz Roy ... nós pegamos um dia inigualável. LAGUNAS MADRE Y HIJA: trilha deliciosa de ser feita, vistas incríveis, trechos de trilha diferentes um do outro, variação de vegetação (lá é tudo praticamente uma única árvore que é a Lenga. Você pode começar indo para a Laguna Torre e no meio do caminho desvia para esta. São ao todo em torno de 15 km só de ida, mas vc nem sente ... 😛😛 Em outro dia você faz a Laguna Torre. LAGUNA TORRE: são 12 km só de ida, mas também é um visual deslumbrante, vale a distância percorrida. Há diversas trilhas curtas para se fazer no entorno como de Las Águilas, Del Condor, Rio de Las Vueltas (belíssimo), Chorrillo Del Salto e andar à esmo pela cidade, seu rio e pontes. Ver os alpinistas subindo os paredões que cercam a cidade. Ficamos num Hotel pelo Booking com um café da manhã que foi pra gente esquecer do café de El Calafate, digno de caminhante que terá um longo dia de gastos de energia pela frente. O nome do Hotel é Lago Del Desierto. Próximo da rodoviária (qualquer lugar fica perto da rodoviária ... rsrsr). Local para comer barato: EL MURO DELICATESSEN ... há El Muro restaurante que tem preços normais de restaurante. A Delicatessen tem a comida do dia e vc compra ou por kg ou pelo pedaço, que é bem grande. Economizará pelo menos a metade do que gastaria num restaurante. Mas, cozinhar no hostel ainda é o mais barato. Como ficamos em hotel, não tivemos essa opção então foi delicatessen El Muro, que nos atendeu super bem. Não esqueçam do super lanche, chocolates, barrinhas de cereais, etc para as trilhas, vão precisar e muita água. Se der, podem levar algumas coisas daqui do Brasil para lá, mas se forem só de mochila, como nós, não vale ocupar espaço com isso. Comprem lá mesmo. Não se paga nada para fazer as trilhas, não precisa de guias porque é tudo muito bem cuidado e sinalizado e as saídas para as trilha partem de dentro da cidade mesmo. PUERTO NATALES _ TORRES DEL PAINE Para entrar no Chile não devem levar nada de frutas ou queijos ou presuntos. Só produtos industrializados podem entrar. Se pegarem terão que pagar multas. Não esqueçam disso. De El Chaltén voltamos para El Calafate por uma noite e partimos no dia seguinte para Puerto Natales, Chile, cidade mais próxima de Torres Del Paine. Fica a 2 horas de ônibus, isso parece ser uma dificuldade, mas não foi. Aqui ficamos no Hostel Alkázar. Um bom hostel, mas muito barulhento as descargas, chuveiros e torneiras ... o primeiro a acordar, acordava o hostel todo. Porque optei por não fazer o Circuito "W" ou "O" e acampar em Torres del Paine? por causa do joelho. Ficar nos Refúgios existentes dentro do parque é caríssimo e acampar significa carregar peso e caminhar muito com eles. Se seu tivesse qualquer problema, não teria opção a não ser continuar andando por dias. Para fazer o circuito W necessita-se de 3 a 4 dias dentro do parque.Daí vai a minha opção de ter Puerto Natales como base. Para ir à Torres del Paine saem diariamente de Puerto Natales inúmeros ônibus em diversos horários. Eu comprei um que saía mais cedo (7:00hr) e voltava mais tarde (19:45hr). Há duas entradas no parque: Pudeto e Laguna Amarga (esta é a entrada para subir até a base das Torres del Paine). Para entrar no parque paga-se em torno de R$ 170,00 e vale para 3 dias. Tem que avisar na entrada que você virá no dia seguinte. CAIAQUE: Nós já tínhamos fechado um pacote para fazer Caiaque na Laguna Grey e chegar perto de icebergs. Foram 5 horas de caiaque fora deslocamento, treino, enfim. Eles fornecem toda a roupa e equipamento necessário (claro que está embutido no preço que não é barato, mas era uma vontade que tínhamos e acabamos arcando com esse gasto a mais). Foi um dia fantástico, perfeito para caiaque, sem ventos e visual a cada curva do rio e do lago. Rodeamos icebergs azuis de doer os olhos. Nesse dia pagamos nossa entrada no parque onde retornaríamos pelo dois dias seguintes. Os lanches e almoço preparado pelos guias dos caiaques num local sensacional de vista magnífica. Este dia entramos no parque com a Van do pessoal do caiaque. FULL DAY: fizemos o Full Day para conhecer mais um pouco do parque, já que não iríamos fazer o circuito W, mas tá valendo fazer uma perna do circuito W, tipo entrar por Pudeto e subir Laguna Grey (vejam o mapa do W para entender melhor). Para quem pode caminhar, talvez seja uma opção mais interessante do que Tour. Foi muito legal, vimos lugares fantásticos e a caverna del Milodón que é um animal pré-histórico, herbívoro que habitava a caverna. Você verá muitas réplicas destes animais na cidade. Neste dia entramos no parque com a Van do Tour. TORRES DEL PAINE: finalmente o grande dia de subir até a base das Torres 🤩😍 ... preparadíssimos, acordamos bem cedo e rumo à rodoviária (nosso hostel ficava próximo à rodoviária propositalmente, já que tínhamos que estar cedo lá), Já estávamos com tudo pronto, lanches e roupas para frio e chuva. Começamos efetivamente a subir por volta das 9:30 hr. E dá-lhe subir. Praticamente você sobe o tempo todo. Passa pelos refúgios, rios, montanhas. Trechos que a trilha dá até medo, embora larga, você vê o rio de uma altura que pode dar tonturas.E sobe, e sobe, e sobe e quando vc acha que até que tá indo bem ... 😱🤬 ... você o que realmente tem que subir de verdade. São ao todo 9 km só de ida, sendo que o último km é somente pedras e muito vertical. Bem, não preciso dizer que todos chegam exaustos lá em cima, mas a visão que se abre para nós é tão linda que não há como lembrar de cansaço (só na volta ...😖) Depois de andar por aí, se deliciar com a visão que é única, voltamos e aí começou meu real martírio ... já com o joelho magoado por causa do Fitz Roy, agora era encarar a descida das Torres. Resumindo: cheguei ... hoje fui ao ortopedista 🤨🤨 ... kkkkkk Levem ou aluguem um par de bastões, ajuda muito. Eu não levei daqui senão teria que despachar minha mochila. Acabei alugando um par bem baratinho. Voltamos da trilha para espera do ônibus às 18:30, portanto o tempo foi mais do que suficiente, já que peguei o último. E isso que desci muuuuito devagar devido às dores .... portanto não se preocupem que dá tempo tranquilo, mesmo que o cara do hotel diga para vocês pegarem um grupo fechado. É muito mais caro, não precisa de guia e o tempo dá para fazer na boa. E assim voltamos para El Calafate mais uma noite e dia seguinte rumo à Florianópolis. Caso queiram mais alguma informação estou à disposição de vcs, tem meu e-mail e vamos cair no mundo galera ... ah! eu tenho 62 anos e fiz isso tudo, vc que tem idade para no mínimo meu filho, consegue fácil fazer qualquer coisa que deseje!
  2. Olá pessoal, depois de dicas para São pedro de Atacama e Ushuaia (pulei Portugal, porque acho que é mais simples e montar uma viagem), agora é a vez de Peru e Bolívia. Tenho muitas coisas a dizer desta viagem ... sou de escrever muito nos mínimos detalhes. Fotos acho que não vale a pena postar, porque fotos tem aos montes na internet e cada uma mais linda que a outra e é tudo verdade! Nossa viagem consistiu em ir direto de Floripa à Cusco: Cusco - Ollantaytambo - Águas Calientes - Arequipa (Peru). Na Bolívia, fomos de ônibus de Arequipa para Puno e de Puno para Copacabana. Voltamos para o Brasil via La Paz, porque era mais próximo de Copacabana (3:30hr). A coisa mais importante que eu gostaria de abordar neste tópico é em relação ao tipo de turista que vai para estes dois países, para assim poder escolher a melhor forma de conhecer cada ponto turístico e sua história. Vamos lá então. Começando por mim e meu marido: somos turistas de mochilas nas costas (apesar da nossa idade) e gostamos de liberdade, porém ao procurar informações percebi que o ideal era fazer os tours com guia para conhecer a história de cada ponto a visitar, sem a qual de nada valeria conhecer. É a mais pura verdade, mas partindo deste princípio é que vou detalhar as possibilidades que eu percebi. PERU: DESVANTAGENS - PERU: 1. Os tours montados nos dois países estão vinculados a um tempo muito curto, o que ocasiona uma correria sem fim para ver muitas vezes apenas o ponto mais importante, segundo eles, de um ponto turístico, esquecendo que ao redor há tantas coisas tão ou mais importantes que o ponto escolhido como principal; 2. Os tempos se resumem a minutos, como: 40 minutos para almoçar, 15 minutos para andar por aí "livremente", 5 minutos para fotos, etc; Cada local é muito visitado e às vezes caminhar até o ponto de encontro é uma tarefa estressante; 3. Alguns guias "ameaçam" que se não estiver na hora estipulada, vai ter que pagar táxi para ir atrás do ônibus ou dar um outro jeito (e aconteceu, um turista foi deixado para trás); **Concordo que há turistas que não cumprem horários e infelizmente, algum limite deve ser dado, mas há formas de dizer e falar as normas. 4. Temos que andar da Plaza de Armas até foram do Centro Histórico para encontrar o ônibus da excursão e na volta o mesmo, porque não pode entrar ônibus no Centro Histórico Os tours são todos sem exceção em pontos altos e muitas pessoas sofrem com o "soroche" ou mal das alturas, o que provoca falta de ar. Sobe e desce de lugares muito altos o tempo todo. O que os guias não levam em consideração: 1. há muitas pessoas idosas nos passeios que ocasiona uma correria que o idoso muitas vezes não consegue acompanhar ainda mais na altitude; 2. com o efeito do soroche é inviável subir e descer correndo, levando muito mais tempo para chegar ao ponto combinado e muitas vezes perdendo a explicação dos guias e quando chegam, está na hora de voltar e descer. 3. nem todos tem preparo físico para subir, descer e andar às pressas VANTAGENS - PERU: 1. Preço mais em conta. É mais barato que um táxi se estiver sozinho ou em duas pessoas, porque terá motorista e guia com as informações que te interessam 2. Comodidade de um banco de ônibus A partir disso temos dois tipos de turistas à princípio: aquele que prefere realmente os tours com guias e motoristas, assim os programas em Cusco se encaixam perfeitamente para estes turistas> aqueles que gostam de viver com mais tempo e liberdade para conhecer fica a dica: 1. Pesquise no Google cada local a visitar. Desta forma não precisará de guia. Vai encontrar a história de cada símbolo e espaço criado pelos Incas ou pelos espanhóis de forma fácil. 2. se estiver em duas ou mais pessoas, vale contratar um táxi. Você poderá montar teu passeio, os locais que deseja conhecer, será mais rápido que com as agências, pois é entrar no táxi (que poderá te pegar no local onde está hospedado) e ir direto ao ponto destino. DICAS IMPORTANTES - PERU: 1. Come-se muito bem nos dois países, mas o melhor é comer BBB (Bom, Bonito e Barato). Achamos um local no Centro Histórico de Cusco que tem os 3 requisitos. Come-se a $7,50 com sopa típica do Peru como primeiro prato e o segundo prato também são comidas típicas da região. você sai rolando de lá por um valor beeeem abaixo do cobrado em outros restaurantes. Nessa rua há 3 ou 4 restaurantes no mesmo valor e estilo (o lugar é bem aconchegante). Descobrimos na caminhada até o ônibus das excursões. Passamos diariamente por essa rua. O endereço é: Calle Pampa del Castillo. O restaurante que íamos é o Apu Koricancha n° 320. 2. Levem dinheiro. Usem cartão de crédito somente na emergência. É uma boa economia. 3 . Particularmente não vejo motivo para ter como base a cidade de Cusco. É uma cidade que se resume ao Centro Histórico. A Plaza de Armas é onde tudo acontece, e também é onde você é o tempo todo abordado para comprar alguma coisa. Dá muita vontade de ajudar, mas se formos ajudar a todos, ficaríamos lisos no primeiro dia. Vi como uma boa opção a cidade de OLLANTAYTAMBO. Ela fica no meio do caminho entre Cusco e Matchu Picchu echega-se de trem ou ônibus. De lá saem os mesmos tours que em Cusco, inclusive tour para conhecer Cusco, há táxis no centro histórico que te levam aonde quiser, a cidade é pequena e mais aconchegante e bonita. 4. em todos esse lugares o centro histórico é o lugar de partida e chegada de qualquer passeio, é o centro de tudo e que conta muita história. Os arredores são de muita pobreza e isso nos deixa um pouco abatidos por se tratar de um dos locais mais visitados no mundo e não se vê retorno nem para o povo e nem de manutenção (exceto Arequipa) da cidade. O excesso de turistas está depredando a história e já há indicações de que algo em breve será feito à respeito, para minimizar o estragos destes anos todos. O que será dessa gente que vive só de vender coisas para turistas, eu não sei. Infelizmente chegou a um ponto de excesso em tudo, inclusive de dependência total do turismo que poderá sofrer um corte radical nos próximos anos. 5. O soroche pega gente, a alguns com mais força e a outros com menos. Há quem até não sinta nada. Portanto a dica é Soroche Pills para quem sofre com, enxaquecas e problemas digestivos nesses locais de altitude, principalmente quando ultrapassa os 4000 metros. A dor de cabeça é fulminante ... UI! dói pra caramba ... 6. o táxi para uma pessoa e até para duas pode sair mais caro realmente, mas compensa por poder montar teu passeio e o tempo desejado em cada um deles. É muito mais ágil que um ônibus com pelo menos 30 passageiros. Vale fazer a pesquisa, entrar em contato com táxis de Cusco ou da região para viabilizar esta opção. De repente pode ir a mais lugares que nos tours, economizando assim mais alguns Soles. Se for mais de 2 pessoas, é só correr pro abraço! vai com fé. BOLÍVIA: Fomos ao Titicaca, em Copacabana e Isla del Sol. Diria que foi simplesmente lindo. O Titicaca tem um por do Sol, um nascer do Sol e uma cor de azul inigualável. Recomendo dormir uma noite na Isla del Sol ou duas caso conseguir ir até o Norte da Ilha. OBS: há 3 vilas na Isla del Sol: Sul (mais opções de estadias), Centro e Norte. Os barcos chegam (ou chegavam) no Norte e Sul. Há mais de um ano a vila do centro se revoltou e não há como atravessar a ilha do sul para o norte ou vice-versa. O centro não permite passar e não está havendo barcos para o norte, apenas para o sul. Uma pena, porque valeria muito conhecer a ilha inteira que é de uma beleza sem igual. DICAS - BOLÍVIA: 1. o mais legal nessa ilha é se perder, pois acaba passando por lugares fantásticos e acaba sempre se achando de novo. 2. a truta é o prato principal da ilha e de Copacabana 3. Salteña é um empanado delicioso que pode encontrar em Copacabana na praça principal e Paseña é a cerveja da região ... hummm ... muito boa! 4. Chegando em Copacabana não precisa de táxi. É tudo perto e tem muitas opções próximo ao Titicaca. 5. *Para ir ou voltar da Isla del Sol, eles podem vender mais tickets do que assentos no barco. 4 turistas ficaram na Isla del Sol, porque disseram a eles que o barco estava cheio e que se embarcassem, eles (turistas) poderiam ser multados em $1000,00 bolivianos. Como se eles compraram as passagens? resultado: os rapazes não quiseram forçar a barra e provavelmente perderam o ônibus para Cusco ... a cara deles não vou esquecer: pura decepção. portanto: cheguem sempre cedo ao local de embarque e fiquem na fila. Se você comprar ida e volta terá prioridade na hora de embarcar na volta, em relação àqueles que compraram a volta lá na Isla na hora (porque? não faço a mínima ideia, ainda mais que quem, comprou a volta lá, paga mais caro do que comprar ida e volta). 6. Os vendedores e cambistas sempre tentando te enrolar, mas como brasileiro é calejado com "espertinhos", tiramos de letra o papo deles. Um pouco de história que conecta o Brasil à Bolívia: No século XIX, uma réplica local da imagem de Nossa Senhora de Copacabana foi levada por comerciantes espanhóis ao Rio de Janeiro, no Brasil, onde foi criada uma pequena igreja para abrigá-la. A igreja cresceu e acabou por nomear o atual bairro de Copacabana. Você sabia? Vou terminando por aqui e se eu me lembrar de mais alguma coisa, incluo no tópico, ok? podem falar comigo se quiserem saber algo específico e se eu puder ajudar, tá bom? e-mail: [email protected] Boa viagem a todos vocês!
  3. Oi pessoal, aqui estou eu novamente contando mais uma trip . Depois do deserto do Atacama e Salar Uyuni, chegou a vez de irmos ao fim do mundo - Ushuaia. Foi uma experiência incrível, porque a natureza esteve do nosso lado todos os 10 dias que ficamos lá. Fizemos todos os passeios da região sem guias, então fica a dica: não precisa de guia para nada, pode fazer tudo sem orientação de ninguém, e isso trará uma economia significante no bolso. Estadia: reservamos um quanto duplo através do AirBnB. Aconselho a todos se cadastrarem lá, porque verão que poderão economizar muito em hospedagem, mesmo em relação a hostel. Além disso, para quem curte, vc poderá (se quiser) ficar em uma casa tipicamente local, com seus hábitos, suas dicas e isso é vivência pura. Mas se preferir ficar sozinho, também há aluguem de apartamentos e casas. Vai do gosto do freguês. Só digo que financeiramente vale a pena. Estadia: ficamos na casa da Mônica Arguello (Magallanes 1856). Família receptiva, te deixa à vontade, vc se sente em casa e com a tua família. Limpeza nota 10. Próximo ao centro, dá pra ir à pé em 10 minutos. Excelente escolha no AirBnB e o preço bastante interessante também. Adorei a família toda, recomendo. Onde comer: bom, a comida é cara em Ushuaia. Não vou falar daquilo que todos falam, dos restaurantes com as comidas t[ipicas de lá. Isso não precisa de dicas, é só andar pela rua principal do centro (San Martin) que verão as opções. Vou dar uma dica nuuuito melhor logo abaixo, nas dicas, ok? Agora vem a melhor parte: o que fazer em Ushuaia: :'> 1. ir à Ushuaia sem fazer o passeio no Canal de Beagle e ver suas aves e animais da região é o mesmo que ir à Paris e não ir à Torre Eifel. Não fizemos a pinguinera (ver os pinguins de perto) porque já conhecemos pinguins e o preço sobe tremendamente para vermos os animais um pouco mais de perto. 2. Parque Nacional: nós gostamos de fazer trilhas, portanto aquele passeio de um dia com guia não nos interessou. Resolvemos fazer em 3 dias (alguns poderão fazer em menos tempo), afinal não sou novinha né e tenho minhas limitações. Um dia foi Rio pipo e Baía Ensenada e nesse vai e vem de trilhas foram quase 20 km andando. Outro dia voltamos à baía Ensenada, mas desta vez para fazer a trilha de 8 km até Lapataia. Foi um dos melhores dias ... cada visual que não conseguirei descrever e nem as fotos são justas para com o lugar. Neste dia foram 23 km. O terceiro dia era para fazer a última parte lago La Roca e subir o cerro Guanaco, porém choveu e nevou e não fizemos, porém mais adiante conto porque foi melhor assim. 3. subir Glaciar Martial até o fim ... são 825 m acima do nível do mar e encontraremos neve na parte mais alta mesmo no verão fueguino. É muito lindo tudo até chegar lá e tem outras trilhas a fazer. Subida cansativa, mas vale a pena fazer. :'> 4. Museus: penitenciária e marítmo é obrigatório mesmo sendo mais cansativo que subir qualuqer cerro ... rsrsrsrs ... é coisa pra ver e ler sobre a história de Ushuaia, mas se estiver a fim de conhecer a história local de uma forma mais divertida e bonita, vá no centro, na San Martin no museu temático. Sensacional tudo, muito bem apresentado, os personagens são de resina, mas perfeitos, parece de cera. Simplesmente lindo conhecer a história local por esse museu. Recomendo. :'> 5. Dica boa: alugue um carro por um dia e vá aos lagos (Fagnano, Escondido) e faça a trilha para a Laguna Esmeralda. Todos ficam no mesmo caminho: Ruta 3. Um passeio de 4X4 (off-road) para os lagos (sem fazer a trilha da Laguna esmeralda) com almoço vc pagará o dobro do valor do aluguel do carro. É muito fácil andar de carro para esse lugares. Uma estrada que vai e é a mesma que volta . Sem erro, economizou uma grana e fez mais do que o passeio do off-road. Dizem que é com emoção, mas já vi relatos de que quem fica atrás no jeep, não vê nada e só tira fotos quando sai do carro. 6. Um tópico à parte sobre a Laguna Esmeralda: é um lugar esplendido, lindo e todos os adjetivos positivos que conheçam. De uma beleza sem descrição. A trilha é de dificuldade média (achei fácil), com marcações que não te deixam se perder. Um rio que nos acompanha até a laguna lindíssimo e a chegada é espetacular. Andar à sua volta e fazer suas trilhas, super-recomendo. :'> 7. Passeio de Trem até o parque: não fizemos esse passeio por acharmos que seria dispendioso e monótono, segundo a maioria dos relatos daqui. Mas, aí vai de gosto de cada um. 8. Há diversos outros locais para fazer, mas muitos só estão abertos ou são melhores para ir no inverno. Nós preferimos o verão para podermos fazer mais coisas que não seja apenas esportes de inverno Dicas : 1. alugar carro e fazer os lagos Fagnano e Escondido + trilha para a Laguna esmeralda 2. Ir de táxi ao parque e (se não tiver problemas em acordar cedo) chegar antes das 8 horas, assim não paga a entrada do parque. Chegávamos às 7 horas lá e começávamos a caminhar. Claro que para fazer a última parte (terceiro dia que acabamos não fazendo) não tínhamos opção, teríamos que ir até o fim do parque de bus (ou van, ou kombi como eles chamam as vans) e aí teríamos que pagar a entrada do parque. Senão andaríamos em torno de 12 km até chegar ao ponto inicial do nosso objetivo. No táxi pagamos 180$ os dois. De Van pagaríamos 150$ por pessoa para ir até lá e outros 150$ por pessoa para voltar. Na volta usávamos as vans, que percorrem o parque todo, tendo paradas em todos os locais. A entrada do parque (se não gosta de acordar cedo) para quem é de países do Mercosul é mais barato: 100$. O normla são 170$. 3. Local melhor para câmbio: Hotel Atlantida - é no centro, não me lembro o endereço, mas perguntando acha, é bem fácil. 4. Cerro Martial: são uns 7 km do centro. Poderiam subir à pé, mas acho que seria gasto de energia desnecessário, já que lá em cima vai precisar de toda tua energia para subir. Para descer é tranquilo se quiser, pode ser a pé até o centro. É um passeio e tem muitos visuais legais. Mas há táxi o tempo todo. Os táxis que sobem, ficam por lá esperando quem desce. Tranquilo. 5. Roupas: levem roupas para muito frio mesmo . Fomos no verão fueguino. Teve apena um dia quente de 17º a máxima (tava quente mesmo). Porém os demais dias em torno de 12º a máxima e 2º a mínima, porém a sensação térmica é mais baixa do que isso, porque venta muito e congela bem os nossos narizes, que é o único que fica de fora .... kkkkkk. No dia que nevou, a previsão estava em 5º a máxima e -2º a mínima e a sensação .... bem, nem sei .... Como o clima lá muda o tempo todo e faz sol, nuvens e chove no mesmo dia, vc tem que estar preparado pra tudo. Não leve guarda-chuva, não será necessário porque o vento não permite que vc os use. Leve roupas impermeáveis e botas impermeáveis mesmo. É caro, mas é um ótimo investimento. Se levar roupas quentes comuns, não farão alguns passeios e muito menos andarão na neve se der a sorte dela cair durante a tua visita. Vimos algumas pessoas desistirem de passeio (principalmente no Martial) por causa do frio de lá por não estar com a roupa apropriada. Um amigo foi no inverno e não viu a neve cair ... tivemos muita sorte e a mãe natureza nos presenteou. 6. Onde comer: comer 2 B´s: bom e barato. Só não digo bonito (apesar que o local é de muito bom gosto), porque não é para comer lá e sim levar como quentinha. Fica próximo à casa da Mônica onde nos hospedamos. Sem noção a quantidade. Vc paga para uma poção e comem dois de não aguentar. Se pedir por exemplo: milanesas (vem 3 bifes enoooormes) com um monte de (batatas fritas, purês ou maionese). Há muitas outras opções (frango -pollho - recheado, carne recheada, etc). Passo o endereço, garanto que farão uma economia absurda e comerão extremamente bem (quem fala aqui é alguém que come muito e gosta de sentir sabor na comida): Lo de Quique, Magallanes 2310, tel: 424200 (pode pedir por telefone também, mas recomendo ir lá, o pessoal é super gente fina) Agora vamos aos nossos últimos dias: choveu muito e não fizemos o terceiro dia do Parque, porém nevou nas montanhas e assim que parou a chuva corremos para o Cerro Martial que estava completamente branco. Para nós que nunca vimos tanta neve assim, ficamos maravilhados. Flocos de neve caindo. Subimos tudo novamente, mas desta vez com outro tipo de natureza à vista: a neve. Ao voltar, vale tomar um chocolate quente, café com conhaque e bolos dos mais variados, na casa de chocolate que tem na base do Cerro Martial. É um lugar acolhedor, encantador e gostosooooooo. Dia sensacional. No dia de irmos ao aeroporto, vimos um dia clássico do Ushuaia: nevou na cidade com direito a casas com telhas bem brancas, muita neve caindo. O avião subiu com suas janelas brancas de tanta neve que caiu. Acho que e isso. Quem quiser ver fotos me solicita amizade no facebook (Gleydy Fioranelli), enviando uma mensagem que é através dos Mochileiros ou por e-mail: [email protected] PS: os valores que informei variam constantemente, portanto para daqui a alguns dias já podem não corresponder à realidade, ok? é só para terem uma visão de valores. Vale ir ao Fim do mundo galera, só não acho legal ir até lá pra ficar 2 dias ou 3 ... tem muitas coisas a se ver e vc depende muito do tempo, podendo ter dia que não fará nada. Claro que isso dependerá do tempo disponível e do roteiros que pretende fazer. Eu faço uma coisa de cada vez, para poder dizer que conheci um pouco do lugar. Beijão a todos e BOA VIAGEM, seja ela qual for, sempre valerá! Gleydy
  4. Mil perdões Yuri ... não recebi nenhuma informação sobre tua pergunta .... agora que entrei para mais um relato (agora Ushuaia) que vi. Acredito que não precise mais, mas com certeza coloquei zeros a mais ... rsrsrs ... desculpa, erro na digitação. Mas, espero que já tenha ido e usufruído do deserto ... abração
  5. UMA VIAGEM DE FÉRIAS PARA O DESERTO DE ATACAMA E SALAR UYUNI E SEUS MITOS DESVENDADOS Oi pessoas, venho aqui relatar um pouco da nossa viagem (eu e meu marido) para o deserto de Atacama e Salar de Uyuni. Pesquisei muito antes de decidir o nosso roteiro, nosso hostel e se valeria a pena arriscar ir ao salar de Uyuni numa época que ainda é considerada de chuvas. Pois bem, a nosso surpresa foi enorme, devido a tudo que lemos sobre trips, semelhantes, a esses locais. Em primeiro lugar muitos dos relatos sobre o Salar de Uyuni foram um pouco desanimadores, pois li coisas do tipo: tem que saber quem é o motorista que vai levá-los, saber se o carro está em bom estado, senão poderão ficar horas e talvez dias presos no deserto; para comprar qualquer coisa pechinche muito; cuidado!, enfim ... lendo algumas coisas assim, fiquei um pouco apreensiva, afinal férias é pra relaxar e não pra se estressar. Enfim, decidimos ir com a cara e a coragem. Ficamos em San Pedro de Atacama que diria atualmente (2015) os preços estão semelhantes a um turismo no Brasil, claro que um turismo de mochileiros e não de hotel 5 estrelas ... Vou dar umas dicas importantíssimas para serem levadas em consideração e avaliadas quando fizerem as suas pesquisas: Hostel IQUISA (https://www.facebook.com/iquisa.hostal?fref=ts) é muito tranquilo, super simples, com banho quente garantido e café da manhã incluído nos dias que dá, porque há passeios que oferecem o café, já que a saída é bem cedo. Não fica na "muvuca" do centro, porém a 10 minutos de lá caminhando tranquilamente. Em frente sempre vemos o vulcão Linkancabur imponente e misterioso. A proprietária, que também é representante da agência Juriques Tour (http://www.juriques.com/somos.html), nos atende com muita tranquilidade e profissionalismo. Nada é problema e tudo torna-se fácil e seguro. Seu nome é Nataly e é com ela que montei nosso tour pela região. :'> Iniciei as pesquisas montando uma tabela de agências e suas ofertas e preços (inclusive as entradas nos parques) e achei o Juriques com as melhores condições, fechando apenas por e-mail o nosso trato. Nada foi pago antecipadamente, tudo lá na hora. As passagens comprei antecipadamente para ter um bom preço e dividi no cartão. Um dia inteiro de viagem entre aeroportos: Floripa/SP, SP/Santiago e Santiago/Calama. Em Calama pegamos um transfer para San Pedro de Atacama por volta das 22:30hrs. Achamos um preço legal de $180.000 (pesos chilenos) ida e volta (o que nos deu um descontinho). É em torno de 1 hora a 1hora e meia entre Calama e San Pedro. Chegamos ao hostel Iquisa e aí sim sentei com a Nataly e fechamos tudo, inclusive os passeios e suas programações. Dica importante: façam os passeios mais tranquilos no primeiros dias por causa do mal das alturas, não é lenda, ataca a todos. Uns de forma mais fraca e outros mais aguda. Sintomas: dor de cabeça, falta de ar, enjoos. Se alguém quiser dicas de remédios tranquilos para levar e ajudar na adaptação entra em contato comigo que darei umas dicas, ok? Deixem os passeios a regiões de maior altitude por último como: geysers, termas Puritama e outros. Podem pedir auxílio à Nataly sobre isso também, mas aconselho a antes de viajarem, pesquisem tudo sobre tudo (rs). Assim terão menos surpresas nas suas viagens e poderão decidir de forma mais rápida. Não tenho o que dizer de negativo sobre o deserto do Atacama. Quem quiser ver as fotos, eu os adiciono no facebook e terão acesso. É uma beleza ímpar, única e inesquecível. Por incrível que pareça, choveu à noite quase todos os dias, mas as chuvas só nos incomodaram em um único dia de passeio. Nós já sabíamos que isso iria acontecer, estávamos preparados para qualquer manifestação da natureza. Finalmente salar Uyuni ficou para o final das nossas férias, deixando um dia de folga antes da viagem de volta, prevendo qualquer contratempo. Na ida, ficamos na aduana chilena algumas horas esperando a abertura da fronteira entre o Chile e a Bolívia. Muita neve impediu a abertura da divisa cedo. Enfim, faz parte e lá fomos nós para a Bolívia. Quem nos levou para todos os lugares foi o motorista chamado Gabriel, pessoa simples, de pouca fala, mas pronto pra responder qualquer dúvida e te ajudar no que for necessário. No primeiro dia ficamos num refúgio e aí veio o meu primeiro medo: ouvi falar tão mal dos refúgios que fiquei insegura em relação ao que iria encontrar. No fim encontramos um lugar limpo, bem cuidado, simples, mas sem banho. Tenho que dizer uma coisa: não suamos e levando lenços umedecidos você fica tão limpo ou mais que um bom banho (tenham sempre lenços umedecidos). Ficamos em 5 no quarto que era espaçoso. O céu estava infinitamente estrelado e com certeza não se vê em lugar nenhum tantas constelações como se vê lá nas alturas. Simplesmente lindo! Dia seguinte continuamos pelo tour na região e chegou a hora do almoço ... mais uma dúvida, pois nos disseram que a comida era muito pouca, por isso levamos muito chocolate, sementes e outros petiscos. Foram todos usufruídos, mas não por fome, mas por gula ... kkkkk .... a comida era boa, simples e ninguém ficou com fome. Mais um mito desvendado. Na segunda noite dormimos na casa de sal que é um lugar único. Ficamos num quarto para casal e neste refúgio tinha banheiro com água quente. Tomamos um bom banho e comemos muito bem. Esqueci de informar que o passeio foi de 4 dias e 3 noites, sendo o quarto dia de retorno ao Chile no nosso caso (há quem prossiga para a Bolívia). O tempo todo tanto no Chile quanto na Bolívia vimos os picos nevados e conseguimos tirar foto com um pouquinho de neve só pra dizer que vimos neve. Somos os turistas de neve de primeira viagem, portanto imagina a alegria de ver a neve pela primeira vez .... nem imaginávamos o que vinha a seguir ....kkkkk Na terceira noite ficamos no último refúgio que foi rápido, pois já chegamos tarde: foi tempo de jantar e dormir. Tem banho quente, mas tem que pagar. Como tava muito frio, o banho de lenços umedecidos resolveu nosso problema. Saímos para o nosso retorno ao Chile às 5 horas da manhã e foi aí que começamos a ver neves mais abundantes até se tornarem muito espessas ... um frio louco e ao chegar à divisa, adivinha? a fronteira estava fechada e agora? nós estávamos curtindo a neve, afinal tínhamos um dia de folga antes de voltarmos, mas havia gente com viagem marcada para aquele dia à noite ... foi um stress, mas ao mesmo tempo algo muito diferente, que somente quem é mochileiro vai entender como um stress pode se tornar uma vivência única e divertida. Conhecemos dois rapazes que vieram até a divisa boliviana e não tinham como continuar, porque as caminhonetes das agências de turismos não dão carona. Eles estavam com frio e fome (e nós também). No final comemos uns sandubas e fizemos escondido mais dois para levar pra eles matarem a fome ... imagina como ficaram quando viram o sandubão ... Horas mais tarde, quando a neve já perdeu a sua graça ( ) eis que vem abrindo caminho pela neve 3 ônibus devidamente equipados para o clima em questão. Foi euforia geral, parecia a tropa que vinha lutar contra os inimigos e salvar os aliados .... O Chile nos enviou os ônibus para nos resgatar da enrascada que nos metemos .... imaginem a aventura para quem nunca imaginou passar por algo assim. Enfim, retornamos e todos no hostel estavam preocupados conosco. Deu tudo certo com um certo atraso, mas valeu cada floco de neve que caiu! A história do Gabriel (nosso motorista) foi a parte emoção de coração na viagem. Uma pessoa simples, sem roupas apropriadas para encarar o frio e sempre querendo esperar todos comerem para depois ele comer, nos tocou o coração. Sempre o chamamos para comer junto conosco e no final o meu marido disse que gostou das suas luvas e que queria trocar de luvas com ele. Ele muito simplório disse que as luvas dele estavam toda rasgadas (era uma peneira e não tinha o dedinho mindinho na luva). Lógico que sabíamos disso, a troca foi simbólica e meu marido disse que queria assim mesmo fazer a troca e fez. Quando o Gabriel viu as luvas que iria ganhar abriu um "sorrisão" sem tamanho. A felicidade por ter finalmente um par de luvas decentes para trabalhar. Isso faz a gente pensar um bocado sobre o que temos, o que queremos.... muito legal mesmo. Não sei qual das alegrias foi a maior, se a dele ou a nossa de vê-lo tão feliz. Eu queria mesmo neste relato era desmistificar, principalmente a Bolívia. Podem ir sem preocupação. Claro que imprevistos podem acontecer, afinal a mãe-natureza não avisa o que vai fazer e nem quando. Todas as aventuras fazem parte da viagem e se são realmente mochileiros, saberão aproveitar cada momento que sempre será único. O Chile é mais preparado turisticamente que a Bolívia, mas tudo funcionou de forma tranquila tanto num quanto no outro país. Quis dar a dica do hostel Iquisa, do Juriques Tours e da nossa parceira Nataly que sem a sua ajuda não teríamos conquistado mais este sonho de viagem. Façam sempre pesquisas de preços e acomodações e avaliem tudo que for importante para vocês, façam uma planilha e BOA VIAGEM!!!! Não postei nada referente aos passeios, porque acaba tornando-se repetitivo já que todos postam essas informações que acabam ficando desatualizadas em relação aos preços com o passar do tempo. Se alguém quiser informações mais detalhadas sobre os passeios, como foi, sobre o soroche (mal das alturas) e seus remédios, enfim, detalhes mais pontuais, podem entrar em contato comigo pelo e-mail [email protected] ou pelo facebook de mesmo nome. Um a todos e boa viagem ...
×
×
  • Criar Novo...