Ir para conteúdo

f0soare

Membros
  • Total de itens

    177
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    1

f0soare venceu a última vez em Abril 11

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

93 Excelente

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Acho interessante esse tipo de discussão, pois nos permite analisar o tanto que é complexo a questão de ponto de vista... Se não estou enganado, Berlim e Barcelona são as cidades que mais "reclamam" deste tipo de hospedagem, alegando o aumento de preço para os moradores... Temos outras cidades com grande fluxo que estimulam esse tipo de acomodação, incentivando e regulamentando com impostos para a concorrência ficar equilibrada. Mas o fato é que não tem como ir no sentido contrário... As cidades que são resistentes, logo terão que se adaptar... A diferença é muito grande... Ex.: Estou montando um roteiro de viagem para a Suiça... O Hotel mais barato (sem quarto compartilhado) que encontrei para um casal é na casa dos R$800 a diária (isso hotel não muito bom)... Um apartamento inteiro , na mesma cidade, R$300~400... A diferença é muito grande... Claro que o Hotel vai ter o público dele, mas o público que viaja , que vai aproveitar a cidade e não o Hotel, vai procurar alternativas... Essa questão do investimento em imóveis por grandes fundos, é algo que ocorre em todas as grandes cidades do mundo... É só ver como cresceram os fundos imobiliários nos últimos anos... E eles só crescem pois encontram público para pagar os alugueis (seja por temporada, fixo ou comercial). Depois da pandemia, isto tende a mudar (pelo menos o comercial), já que muitos foram "forçados"a fazer home office e que na grande maioria, funcionou... Tudo é baseado na lei da oferta e procura... Se for uma tendência para o futuro a redução de viagens, com certeza parte desse ativo que hoje esta direcionado para temporada será convertido para aluguel fixo... Isto me faz lembrar os vários protestos ocorridos em Veneza, se queixando pelo excesso de turistas... Hoje, um amigo morador de lá que reclamava, implora para que volte ao "normal", pois é o turismo que movimenta a cidade....
  2. @poiuy , Particularmente discordo do sua experiência... Nos pontos citados como Inflexibilidade do Checkin e checkout, problema com anfitrião, dificuldade de encontrar o local e o mesmo não corresponder ao anunciado, eu ainda não tive esse tipo de experiência então acredito que não podemos generalizar. Claro que na hora da escolha, procuro os Super Hosts e me informo sobre as condições do local antes de fechar, mas acho mais fidedigno as características apresentadas por esses anfitriões que pelos Hoteis por exemplo, onde sempre encontro algo que não estava "escrito" no anuncio. Penso que a escolha do lugar onde ficar no Airbnb precisa ser avaliada da mesma forma que os Hoteis... Não adianta fechar com um Hotel de 10 euros esperando serviço 5 estrelas... Em relação a limpeza e café da manhã, aí é preferência de quem aluga... novamente, prefiro procurar um lugar para tomar um café onde eu pague pelo o que eu consumo do que ter que tomar um café da manhã em um Hotel (Surpresinha). Em relação aos problemas habitacionais, esse eu vejo um risco sim... Quem tem imóvel acaba "ganhando" mais alugando por diária do que alugar por longa temporada... Tem vários custos pós a entrega do imóvel que quase sempre precisam de reforma , mesmo estando em contrato, que o inquilino não cobre (principalmente aqui no Brasil onde a justiça é bem lenta). Conheço muita gente que prefere ganhar mil reais por mês no airbnb alugando seu imóvel por 2 fins de semana do que alugar mensal por R$2.000 devido a isto... Discordo novamente em relação ao gasto dos turistas... colocar um turista em um Hotel ou em um Airbnb pouco vai afetar o comportamento de gasto dele em outras coisas que não seja estadia... Quem vai aos museus, atrações, restaurantes, etc... vai gastar a mesma coisa.... A diferença é que tira do bolso do Hotel para poder gastar nestas atrações ou até gastar mais... Essa economia do Hotel (muitas vezes 50%) pode ser o fator decisivo para uma família poder viajar ou não, consumir mais ou não... o "bolo" que o viajante tem para gastar é o mesmo e está diretamente ligado a renda dele e não ao Airbnb ou Hotel... Em relação a impostos, discordo novamente.... O que vejo é o retorno de investimento de Hoteis demorando mais, já que eles estão sendo forçados a baixar preço para serem mais competitivos... Isso diminui o investimento na área e canaliza para locais mais vantajosos como a compra dos imóveis... mais aí, só troca de bolso... no fim disso tudo, quem sai ganhando é o usuário, que acaba fazendo mais com o mesmo "bolo"de dinheiro... Tudo é questão de ponto de vista....
  3. Não posso considerar o Airbnb mais como inovador, pois já uso há anos... a primeira fez foi em 2014 se não me engano.... Eu costumo escolher o Airbnb por dois principais fatores: Flexibilidade e preço... Geralmente tem espaços maiores que os Hoteis, geralmente tem cozinha que te permite experimentar a culinária local do seu jeito, geralmente o processo de check in e check out é mais flexível que o Hotel... e o melhor: Quase sempre é mais barato... Já o Uber não costumo usar... e também não utilizo taxi... Sempre que viajo, já tento sair de carro do aeroporto e aqui no Brasil, não preciso do serviço... então não tenho como opinar...
  4. f0soare

    Mochilao 2021

    Então, você mesmo já tem a resposta... Meu amigo, se joga... calcula quanto tempo dá para ficar com a grana que vc tem e se lança... Vai realizar seu sonho....
  5. f0soare

    Mochilao 2021

    @Ronaldo Ewerton A primeira coisa que você precisa saber é: "O que você quer? '" ...Você se identifica melhor com que cultura/país? Qual você tem mais vontade de conhecer? Respondendo isso, vai comprar sua passagem... é melhor realizar um sonho em 10 dias de férias do que tirar 30 em um lugar que você não tem tanta vontade de conhecer... Eu particularmente fiz isso... Um ranking de países/cidades que eu tinha vontade de conhecer.... Até o TOP 10, priorizei eles... depois comecei a ficar flexível com o destino de acordo com as oportunidades de cambio / passagem...
  6. É muito difícil eleger um só lugar, mas as belezas naturais que mais me impactaram foram as dos Alpes Austríacos. Se eu fosse eleger um destino de Praia, seria Ilhas Mauricio pelo conjunto da obra...
  7. Acho muito difícil as coisas se normalizarem a curto prazo... Viagem para este ano acredito ser bem complicado, pois o turismo vai ir voltando aos poucos e sendo medido em relação a pandemia... é fato que esse bloqueio não deve ser muito longo pois há uma grande demanda por viagens e uma grande necessidade econômica dos países para que elas sejam realizadas... o que acredito: a curto prazo nada muda, em médio prazo vem a flexibilidade, junto com as novas regras e procedimentos para minimizar o risco.. Voltar ao que era antes, só com um tratamento efetivo ou vacina. eu comprei passagem para março/21... apostando que até lá, esteja mais flexível viajar...
  8. @nandopribeiro Neste momento que estamos passando, eu já penso ao contrário dos colegas. Entendo que agora é a hora de aproveitar com sabedoria as políticas de flexibilidade oferecidas pelas Cias aéreas, se você tiver um pouco de flexibilidade de datas. Eu comprei uma passagem pela Latam para março por 40mil pontos cada perna, com 2 malas em voo direto... um preço que não vejo há bastante tempo.... Ela está dando até 1 ano após a data original da compra com remarcação grátis, então, se der qualquer problema, remarco para 2022. Particularmente, não acredito em uma cura ou tratamento tão rápido... então acho que teremos que conviver com o vírus. Acredito que o turismo irá ter que se adaptar a esta nova realidade, já que representa uma grande fatia do PIB de muitos países... Também não acredito que as grandes Cias aéreas deixarão de operar, já que há uma certa dependência dessas empresas, então haverá planos de resgate para elas... Então, na minha opinião, se você encontrar um preço bom, em uma Cia grande que te ofereça flexibilidade de remarcação sem taxa,investiria na compra da passagem , aproveitando o preço mais baixo... seguindo com minha opinião, a tendência é reduzir o número de pessoas nos aviões devido ao distanciamento social e se isso acontecer, essa redução de pessoas vem com aumento de preço... Mas isso tudo é opinião... é como a bolsa... você avalia os riscos e faz sua aplicação... De tudo, vejo como maior risco o nosso desgoverno. Esse sim pode gerar mais estrago que o virus em si... mas aí é outra história...
  9. Eu estive em Santiago de Compostela em meados de março. Estava tudo fechado... havia saído de Porto e devido a isto, resolvi cortar a Espanha do roteiro e voltar para Portugal. Foi minha sorte, pois logo depois foi fechada as fronteiras . Sinceramente, o melhor seria pedir o reembolso da passagem, pois não há previsão de volta ao normal...
  10. Minhas próximas férias serão em março/21. Já estou bem preocupado se será possível... Estamos em maio e a situação só piora no Brasil e lá fora ainda sem resultados animadores.. Por enquanto estou só no roteiro (fiz 3 para ter a opção conforme o custo), mas sinceramente, estou começando a achar que 2021 pode ser um ano meio que perdido também para o Turismo..
  11. @[email protected] Cara, sua questão é um pouco complicada. Se houvesse receita pronta com garantia de sucesso, não teríamos tanta gente infeliz em seus empregos atuais ou passando necessidade. Era só seguir a receita e pronto. É como os colegas já falaram acima. A grande maioria foca onde a pessoa está e não em como ela chegou até ali...A jornada de sucesso, com exceção dos casos de "sorte" (Herança, loteria, etc.) , geralmente é fruto de abrir mão de algo. A questão é: Do que você está disposto a abrir mão? Você está disposto a, caso necessário, pedir ajuda a desconhecidos para poder comer um pão caso sua grana acabe? Você está disposto a dormir na rua, correndo todos os riscos oriundos desta atitude, para o caso do dinheiro acabar? Você está disposto a se manter forte perante seus valores, sem sucumbir a atos ilícitos perante as mais diversas dificuldades que possam aparecer? Estas questões, só que vai pode responder para si mesmo... Eu particularmente acredito que para sair mundo a fora a pessoa tem que ter meios de se sustentar.Fazer uma reserva para assim se jogar no mundo. E quando a reserva estiver acabando (isso vai significar que você não conseguiu fazer grana para se manter no percurso) , voltar para sua origem . Eu acredito que, devido a muitos não fazerem isto, a grande parte não tenha sucesso na sua empreitada... Eu conheço alguns que estão conseguindo se manter bem viajando, mas ou vivem de renda do que juntaram durante a vida ativa de trabalho, ou são aposentados, ou tem a reserva de emergência para qnd a coisa apertar, voltar. Conheço alguns que também foram na cara e coragem, sem nada... mas esses infelizmente não tenho noticias. Fico pensando que a situação que eles estão hoje não é boa, já que perderam contato com os amigos e família e pararam de postar fotos como faziam no inicio da viagem... Penso neles e me pergunto: Será que a viagem ficou chata? Se encheu de todos e não quer mais contato ou eles não estão em condição nem de ter um canal comunicação com seu ciclo familiar/amigos? É uma coisa bem complicada..
  12. Julho de 2020? Não querendo te desanimar... mas se for ainda este ano, já estaria pensando em remarcar.... Agora em relação a seu roteiro, como o percurso é longo, acredito que você vai gastar muita grana para aproveitar pouco..
  13. Já tive oportunidade de visitar alguns países, mas as ocasiões mais tensas ocorreram no Brasil: 1 - Pipa (RN) - Morava em Recife na época e minha irmã tinha ido me visitar. No fim de semana fomos para Pipa. Chegando lá, no meio da tarde, não havia hospedagem disponível em nenhuma pousada/hotel (é o preço de sair sem se programar antes), pois estava tendo um festival Rave. Decidimos ir para Natal e minha esposa pediu para pararmos em um determinado local no centro de Pipa para tirar uma foto. Fiquei no carro esperando ela e do nada entrou um cara (moleque novo, de uns 20 anos) e falou para mim "Pode ir". Não entendi e falei que ele havia entrado no carro errado. Ele disse que não e que tínhamos que ir embora. Até então não tinha me dado conta do estado do cara. Sai do carro, dei a volta e tirei ele do banco do carona. O cara estava todo arranhado/roxo, só de cueca, e com os olhos "Arregalados e vermelhos". Quem estava passando pela rua fez uma aglomeração para entender o que ocorreu. Perguntei se ele estava bem e queria que eu o levasse para um Hospital. Ele disse que não e saiu correndo sem rumo. Seguimos viagem e uns 10 minutos depois fomos parados por dois caras armados de moto atrás dele... Baita susto que tomamos.... 2 - Caldas Novas - Alugamos um apartamento no Airbnb... Saímos de SP de carro em torno de 13hs e só chegamos em Caldas Novas 23:30hs... Paramos no centro para comer algo e depois seguimos para o endereço do apto. Chegamos lá, um lugar estranho , onde na rua só havia terrenos. Rodamos tudo, O GPS e o Maps direcionavam o endereço para ali e eu não conseguia falar com o Anfitrião. Muitas motos passando para cima e para baixo e o lugar era muito escuro e sinistro (minha esposa já estava em pânico). Resolvi parar em um boteco, onde só haviam bêbados (inclusive o atendente... kkkk) . Pedi informação e pelas fotos, o atendente reconheceu o condomínio e me falou como chegar lá... ficava há uns 20 minutos de onde estávamos... Ali eu estava em um dilema: Acreditar e seguir a orientação de um bêbado, as 1 da manhã, que reconheceu o condomínio por uma foto ou voltar para o centro e procurar outra estadia. Lembrei do Street View e fui fazendo o caminho que ele me orientou virtualmente. E não é que as orientações estavam corretas! O endereço cadastrado no Airbnb estava com um erro de grafia, que me lanço para esse outro local (a diferença era 1 letra)... Chegamos no apartamento e deu tudo certo! 3 - Estávamos na Alemanha, Era dia de passear pela Floresta Negra e estávamos indo em direção a Schiltach. Tínhamos programado várias paradas pelo caminho , então saímos cedo do Hotel. A primeira parada era o lago congelado de Herrenwieser See. Era inicio de viagem e queríamos ver um lago congelado (mal sabíamos que veríamos vários). O problema é que o caminho é por uma estrada de barro e havia nevado muito na noite anterior. Chegou um momento da viagem que o carro não passava mais. Faltavam uns 2km para chegar no lago. Resolvemos deixar o carro em um cantinho da estrada e fazer o percurso faltante andando. Na empolgação, nem nos demos conta dos riscos de aparecer um animal selvagem por ali... Encontramos várias pegadas de animais no caminho (algumas grandes)... Mas deu tudo certo.. Chegamos no lago e estava lindo, completamente congelado . A Vista valeu o esforço. Ficamos lá umas 2hs e não passou nenhum outro louco por ali...Na volta, ao manobrarmos o carro para retornar para a estrada, veio um senhor velhinho dirigindo seu carro, parou, falou 1 kg de Alemão que não entendemos 100grs e ele seguiu pelo caminho completamente coberto de neve... O carro dele derrapava, mas ele foi em frente...Pegamos nosso carro, seguimos no sentido contrário e seguimos viagem... 4 - Ilhas Maurício: Nosso Vôo fez conexão na ilha de Reunião. Ao descer do Voo, só eu e minha esposa faríamos Conexão. O portão para conexão estava fechado, segui para passar pela imigração. Mostrei meu bilhete e a Agente nos direcionou para o Portão (que estava trancado). Ficamos ali esperando e a mesma agente (isso que é produtividade) deu a volta e veio fazer o procedimento conosco. Quando demos o nosso passaporte, ela perguntou de onde éramos e fez todo tipo de teste de drogas conosco até nos liberar... Ela disse que não era comum passaportes da America do Sul por ali... Seguimos viagem e chegando em Mauricius, ficamos quase duas horas para fazer imigração (foi a imigração mais difícil de todas), muitas perguntas, fomos entrevistados por duas pessoas diferentes e ainda tivemos que passar por uma terceira entrevista com uma agente de saúde para podermos seguir viagem... Agora imaginem duas pessoas que só arranham no inglês passar por 3 entrevistas.... kkkkk 5 - Africa do Sul: Estávamos fazendo um self safari no Kruguer. Paramos para tirar fotos de alguns animais na estrada quando do nada vejo um elefante sozinho pelo retrovisor. O bicho começou a abanar as orelhas e correu atrás de nós.. Acelerei e ele continuou vindo atrás até perceber que não iria nos alcançar. Acho que tive sorte pois o carro era automático. Se fosse manual, com o susto, provavelmente teria deixado ele "morrer" e poderíamos ter sofrido um acidente ali... Além destas, tem vários outros perrengues que fazem parte da vida do viajante. Mas essa é a graça de viajar... Já estou ansioso para as próximas férias...
  14. Depende muito do conceito de "normal"... eu acho que o "normal" de meses atrás (que para mim não deveria ser tão normal assim) precisa ser repensado por todos os níveis... Entendo que hoje temos uma grande demanda por turismo devido a melhoria da qualidade de vida das pessoas, mas com esta pandemia fica claro que esta melhoria não pode ser somente para um grupo de pessoas, pois a engrenagem para. Não pode uma parte do planeta melhorar ter uma maior qualidade de vida enquanto outra passa por condições extremamente precárias, sem o mínimo de condições para sobreviver. Não pode o planeta entrar em quarentena enquanto há milhões passando frio nas ruas sem ter como se proteger. Não pode chegar um caminhão de turistas na Fontana di Trevi, com seus celulares e câmeras de ultima geração, passarem indiferentes aos que estão ali, naquele mesmo local, implorando por uma ajuda. Não pode, enquanto o mundo enfrenta uma "guerra" contra um vírus que ainda não se sabe a cura, encontramos pessoas "turistando" pelas ruas.... Essas são algumas de muitas situações "normais" que precisam ser repensadas. Não me entenda mal, sei que essa nem é a questão do tópico e não estou sendo ríspido, mas essa "desaceleração mundial" serve (pelo menos para mim) para reflexão do sistema como um todo. A conclusão que chego é que toda a cadeia precisa estar sadia para a engrenagem rodar. Não estou falando aqui em "Deixe de viajar e doe seu dinheiro que vc suou para conseguir", o que estou dizendo é que o mundo precisa mudar a forma de pensar e principalmente a forma de se governar. O setor de turismo gera bilhões de receita que precisam melhorar toda a cadeia e não somente parte dela. Deculpem o Off-Topic. Mas concordo com você, acredito que teremos várias restrições (ao meu ver melhores) de controle de acesso, tando nos pontos turisticos, quanto nos Hoteis , voos, restaurantes, etc.
×
×
  • Criar Novo...