Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Just Journeys

Membros
  • Total de itens

    53
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

4 Neutra

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Alemanha, Argentina, Aruba, Bolívia, Chile, Colômbia, Cuba, Curaçao, Espanha, Estados Unidos, França, Holanda, Inglaterra, Itália, Malta, República Tcheca, Panamá, Peru, Portugal, Venezuela, Tailandia, Laos e Vietnam
  • Próximo Destino
    Cambodia, Singapura e Indonesia
  • Meus Relatos de viagem
    Tailandia: 5 semanas em Bangkok, Koh Phangan, Krabi, Chiang Mai e Chiang Rai
    http://www.mochileiros.com/post1084232.html#p1084232

    Luang Prabang e o ano novo budista
    http://www.mochileiros.com/post1087276.html#p1087276
  • Ocupação
    Designer e jornalista
  • Meu Blog

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. @maurício.cadore que legal! Ficamos muito felizes!
  2. Just Journeys

    Indonésia: um mês em Bali e Gili Island

    @evandrocj Agora já é tarde, mas nosso ponto alto foi Gili.
  3. Just Journeys

    Indonésia: um mês em Bali e Gili Island

    @jerduarte Respondemos por mensagem, reforçando os votos de que tudo tenha corrido bem!
  4. Just Journeys

    Indonésia: um mês em Bali e Gili Island

    @Paula Yassuda Ficamos muito felizes que tenha gostado! Obrigado pelos elogios!
  5. @guillermo.lopes acabamos respondendo, ainda que bastante tarde, pro @tadeupereira, desculpem-nos. Ficamos no Vietnã entre abril e maio. Obrigado pelo elogio! Fomos sim em Hoi An, e consideramos um dos pontos altos da viagem. Abç
  6. Just Journeys

    Indonésia: um mês em Bali e Gili Island

    @bra_carioca Gili foi a coisa mais linda! Com sorte, um dia voltaremos lá! Obrigado pelos elogios!
  7. Oi, @TadeuPereira, fomos entre abril e maio. Desculpa a demora em responder. Que bom que o relato foi útil pra vc! Fomos sim em Hoi An, e consideramos um dos pontos altos da viagem. Abç
  8. Sim, melhor dormir em Krabi e depois ir pra Ko Phi Phi no Sleep on board. Não gostamos de Ko Phi Phi, achamos muito cheia e farofa. O melhor são os passeios, que podem ser feitos a partir de Krabi.
  9. Just Journeys

    México: Riviera Maya e Cidade do México

    UM PULO NA CIDADE DO MÉXICO ANTES DE VOLTAR AO BRASIL Chegamos ao destino final da nossa volta ao mundo. A capital do México é uma das maiores cidades do planeta e isso já ficou bem claro quando desembarcamos no aeroporto e ficamos presos em um trânsito intenso. Mesmo tendo metrô, trem, pista exclusiva para ônibus e ciclovia, todos os meios de transporte eram entupidos de gente. Ficamos hospedados em um apartamento ótimo, na Avenida de los Insurgentes. Enorme e confortável, infelizmente era muito barulhento devido à sua localização. Havia uma estação do metrô bem perto, então pudemos conhecer várias partes da cidade utilizando o transporte público. Fomos ao Zócalo, centro histórico onde se encontra a Plaza de la Constitución, maior praça da América Latina e segunda maior do mundo (a primeira é a Praça Vermelha, em Moscou). Essa região pode ser visitada a pé, e tem ainda a Catedral Metropolitana, o Templo Mayor e o Palacio de Bellas Artes. Demos o azar de ir no dia 2 de outubro, dia de luto nacional, quando há manifestações relembrando o massacre dos estudantes ocorrido em 1968. A cidade estava toda cercada por tapumes, com um clima tenso e muitos policiais armados. Diante desse cenário achamos prudente voltar para casa mais cedo. Na Cidade do México, a temperatura estava bem mais amena, já que ela está localizada a 2.200 metros acima do nível do mar. Por isso, foi um prazer viajar até Teotihuacan, cidade pré-hispânica, e subir no alto das Pirâmides do Sol e da Lua, além de caminhar pela Calzada de Los Muertos. A região era conhecida como “un lugar donde los hombres se convierten en dioses”; as construções são de fato impressionantes e possuem uma energia especial. Acredita-se que a cidade tenha sido estabelecida em torno de 100 a.C. e hoje é Patrimônio Mundial pela Unesco. A Cidade do México é a cidade com maior número de museus no mundo, seguida de Nova York, Londres e Toronto. Visitamos a Casa Azul de Frida Kahlo, onde ela morou com a sua família e, mais tarde, com Diego Rivera. Frida é um ícone pop mexicano, e sua imagem está presente em tudo: desde notas de 500 pesos a lembrancinhas nas lojas de souvenir. A casa é um lugar incrível para conhecer como vivia essa mulher tão forte e a frente do seu tempo. No primeiro andar há muitos quadros e fotografias e, na parte de trás da casa, em uma portinha quase escondida, há uma exposição com as roupas de Frida. É interessante ver como ela se expressava através das roupas, criando desenhos a partir do colete que usava por indicação médica. Ela usava as roupas como identificação nacional e seu estilo era inspirado em mulheres Tehuana, uma sociedade matriarcal. No segundo andar está o atelier, com janelas enormes e a cama em que ela ficou deitada por muitos anos devido ao acidente que sofreu quando criança. Ainda está guardado o vaso em formato de sapo – apelido dado a seu marido, Diego -, que contém os restos mortais de Frida. O museu fica no charmoso bairro de Coyoacan, uma cidade colonial que se transformou no novo point intelectual. Nos domingos, as ruas ficam cheias de feirinhas, com barracas vendendo todos os tipos de comida. Em torno da Cidade do México há várias cidades históricas que podem ser visitadas em um dia. Escolhemos conhecer Taxco pois ela também é famosa pela produção de prata. Nos decepcionamos um pouco com as joias, pois, apesar de serem feitas com um material de boa qualidade, o design não era muito original. Mas nos encantamos pela cidade, com ruas de paralelepípedos, ladeiras por todo lado, casinhas com sacadas floridas e muitas igrejas. No último dia, já a caminho do aeroporto, passamos antes na Basílica de Guadalupe, o Santuário Católico mais visitado do mundo, com 15 milhões de peregrinos ao ano. O santuário é composto por várias igrejas e capelas, dentre elas, uma mais tradicional, do século XVI, e outra com uma arquitetura moderna, de 1974. Atrás do altar, há uma esteira rolante para ver a imagem da Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira do México. Fique esperto: se precisar ir ao banheiro, terá que pagar uma taxa para entrar; se precisar usar papel higiênico, terá que pagar um valor extra! Sim, catolicismo e capitalismo. Chegando a hora de retornar ao Brasil, nossa viagem ao México certamente ficaria comprometida sem o auxílio luxuoso e a presença inestimável do casal Corrêa-Cordeiro (pais de Raquel). Isto porque o Itaú continuou bloqueando nosso cartão de crédito. Por isso, aqui vai um agradecimento especial, de coração, aos dois queridos. Obrigado! AirBnb Endereço: Insurgentes Sur 533, Cidade do México, Federal District 06100, México Preço: USD$ 82 (R$ 328) Site: https://www.airbnb.com.br/rooms/4386830 Zona Arqueológica de Teotihuacán Endereço: Ecatepec Pirámides km 22, Teotihuacán de Arista, México Preço: MX$ 64 (R$ 15) Site: teotihuacan.inah.gob.mx Museu Frida Kahlo Endereço: Londres 247,Del Carmen, Coyoacán,04100 Ciudad de México, D.F.,México Preço: MX$ 140 (R$ 33) Site: museofridakahlo.org.mx
  10. ARRIBA, MÉXICO! HOLA, RIVIERA MAIA! Nossas últimas paradas dessa etapa do Just Journeys foram no México. Inicialmente, fomos para Playa del Carmen, na Riviera Maia, e depois ficamos na Cidade do México. Pegamos um avião de Los Angeles até Cancún, e ainda no aeroporto pegamos um ônibus confortável que, em pouco mais de uma hora, nos deixou em Playa del Carmen. Nos hospedamos em um apartamento muito bem localizado, ao lado da Quinta Avenida, um calçadão que concentra todas as lojinhas e restaurantes da região. O lugar é bonito e charmoso, e suas ruazinhas remetiam a uma mistura de Búzios com Porto de Galinhas. Demos azar, entretanto, pois praticamente toda a costa estava infestada de algas, que continham um cheiro forte e dificultavam a curtição à beira-mar. Preferimos nos hospedar em Playa del Carmen, uma região mais central, para fazer passeios em Cancún (norte) e Tulum (sul). Cancún não é muito o nosso estilo de viagem, com resorts enormes à beira-mar e avenidas cheias de carros. Ainda assim, visitamos em um dia. Recomendamos ir na Playa Delfines, no fim da Zona Hoteleira, que tem o famoso letreiro de Cancún e uma faixa de areia ainda livre de hotéis. Como o calor era intenso, podíamos contar com uma linda e refrescante opção: os cenotes*. Porções de água doce cristalina rodeadas por rochas, os cenotes são um espetáculo a parte se você gosta de mergulhar. Além de inúmeras cavernas, há todo um outro mundo só possível de ser visto e apreciado com a utilização de máscaras de mergulho. O difícil é decidir qual cenote visitar, já que essa região da península de Yucatán tem muitas opções. Primeiro visitamos o Cenote Azul, que fica a 30 minutos de Playa del Carmen. É só pegar uma van ou um ônibus em direção a Tulum e descer no caminho. A entrada custa MX$ 70 e, devido à sua extensão, não fica amontoado mesmo com muita gente. Depois fomos no Grand Cenote (MX$ 150), no caminho entre Tulum e Cobá. Olhando de fora, o Grand Cenote parecia menor, o que nos deixou desconfiados. Mas quando mergulhamos e entramos na caverna percebemos o mundo subterrâneo que existia. Curtimos muito nos refrescar apreciando aquele visual deslumbrante enquanto morcegos davam rasantes sobre nossas cabeças e tartarugas nadavam ao nosso lado. Na Riviera Maia conhecemos duas ilhas: Cozumel e Isla Mujeres. Cozumel fica na frente de Playa del Carmen e, pegando o ferryboat no centro da cidade, chegamos em 30 minutos. Como a ilha é muito grande, alugamos um carro, mas o tempo ruim prejudicou um pouco a diversão. Já em Isla Mujeres veio a redenção. O tempo abriu após uma chuva torrencial e pudemos aproveitar a belíssima Praia do Norte. A ilha fica perto de Cancún e há vários pontos de barcos na cidade. Chegando no porto, é possível ir caminhando até a praia. Em Isla Mujeres finalmente conseguimos aproveitar o mar azul do Caribe. Também conhecemos a praia de Akumal, entre Playa del Carmen e Tulum. Chegamos lá de van e fizemos uma caminhada rápida pela estrada principal. Essa praia é famosa pelas tartarugas, portanto cuidado com as ofertas de passeios guiados de snorkel, desnecessários e pagos. Basta nadar um pouco para o fundo da praia para encontrar diversas tartarugas. Quando chegavam os grupos conduzidos pelos guias, as tartarugas se assustavam e fugiam. Por isso, o melhor é realmente ir por conta própria. Não podíamos sair da Península de Yucatán sem visitar as famosas ruínas Maias. A zona arqueológica de Tulum fica situada no litoral. Em dias comuns, as ruínas causam um lindo contraste com o mar azul turquesa. Infelizmente, não pudemos apreciá-lo por causa das algas. Percorremos as ruínas debaixo de um sol escaldante: se prepare para enfrentar muito calor. Também vale a pena conhecer a Playa Paraiso, considerada uma das praias mais bonitas do México. Nesse mesmo dia, queríamos ter conhecido também as ruínas de Cobá, mas não calculamos bem o tempo e ficou tarde, já que a maioria das atrações fecha às 17h. Outro parque arqueológico muito famoso é o de Chichen Itzá, que, pela sua grandiosidade e distância, merece um dia inteiro de visita. Alugamos um carro em Playa del Carmen e a viagem levou duas horas, passando por muitos pedágios. Se prepare para ser parado por vendedores tentando te oferecer pacotes de turismo. Por todo o México foi assim. Tínhamos sempre que responder: “No, gracias”. Como não sabíamos muito bem quem era policial, funcionário oficial do parque ou vendedor, parávamos para nos informar. Se você alugar um carro, será parado em muitas blitzes. Por isso, certifique-se de estar com todos os documentos. E não acredite em vendedores de beira de estrada. Compre sua entrada na bilheteria principal. Demos a sorte de visitar Chichen Itzá na semana do equinócio. Somente nessa época do ano a luz do sol projeta na lateral do El Castillo, também conhecido como templo de Kukulcán, a sombra do desenho de uma serpente descendo pela pirâmide. O fenômeno é mais visível no dia 21, porém ficamos com medo de as ruínas estarem muito cheias. Havíamos lido que também era possível ver na semana anterior e na seguinte. E realmente conseguimos assistir. A sombra começa a ser projetada às 15h e termina no pôr do sol. Como o parque fecha às 17h, não foi possível ver a formação completa, mas valeu a pena! *Um cenote (plural: cenotes; do Iucateque dzonot ou ts’onot,[1] ) é uma cavidade natural (algar) ou dolina resultado do colapso da rocha-mãe calcária expondo as águas subterrâneas. Especialmente associado com a Península de Iucatã do México, cenotes eram usados em alguns rituais de sacrifício da civilização Maia. O termo deriva de uma palavra utilizada pelos maias iucatecas das terras baixas, “Ts’onot” refere-se a qualquer local com águas subterrâneas acessíveis. Cenotes são formações geológicas comuns em regiões de baixas latitudes, particularmente em ilhas, regiões costeiras e plataformas com recentes formações calcárias pós-paleozóicas que têm pouco desenvolvimento do solo (Wikipedia). [media] [/media] AirBnb Endereço: 10 Avenida Norte Between street 4 and 6, Playa del Carmen, Quintana Roo 77710, México Preço: US$ 100 (R$ 400) Site: https://www.airbnb.com.br/rooms/4394645 Cenote Azul Preço: MX$ 70 (R$ 16,50) Grand Cenote Preço: MX$ 150 (R$ 35) Ferry para Cozumel Preço: US$ 17 (R$ 66) ida e volta Ferry para Isla Mujeres Preço: US$ 19 (R$ 74) ida e volta Zona Arqueológica de Tulum Endereço: Carretera Federal No. 307 Km 128, 77710 Tulum, Q.R., Mexico Preço: MX$ 64 (R$ 15) Chichen Itza Site: http://www.chichenitza.inah.gob.mx Preço: MX$ 200
  11. Just Journeys

    Indonésia: um mês em Bali e Gili Island

    Obrigado Paula! Também adoramos a Tailândia!
  12. Just Journeys

    Indonésia: um mês em Bali e Gili Island

    Que bom que você gostou do relato! Viajamos por 7 meses e Gili foi o nosso lugar preferido! Sofremos para ir embora. Quanto ao cartão, parece que é super comum em Ubud, vários ATMs não funcionam direito. Depois também ouvimos relatos de cartões clonados, então é bom tomar cuidado por lá!
  13. Just Journeys

    Indonésia: um mês em Bali e Gili Island

    [media] [/media]
  14. Just Journeys

    relato 1 mês na Austrália: Melbourne, Whitsunday Islands e Sydney

    [media] [/media]
  15. Just Journeys

    relato 3 semanas nos Estados Unidos - Hawaii e Los Angeles

    UMA SEMANA NO CORAÇÃO DE HOLLYWOOD Inicialmente, Los Angeles não estava nos nossos planos. Mas, como não queríamos mofar muitas horas dentro de um avião, resolvemos fazer uma parada estratégica entre o Hawaii e o México. Não sei se nossas expectativas estavam baixas, mas LA acabou sendo uma surpresa deliciosa. A começar pela nossa chegada. Famintos, após um atraso de quatro horas (fuja da Allegiance Air!), chegamos às três e pouco da manhã e não tivemos dúvida: deixamos as malas no apartamento e saímos para procurar algum lugar aberto em que pudéssemos comer. Um hot dog delicioso salvou nossas vidas e nossa noite de sono. Escolhemos ficar instalados num apartamento menor, porém bem no centro do agito, quase na esquina da Sunset Boulevard, a três minutos de caminhada da Calçada da Fama e da Hollywood Boulevard. Mas, como ficamos numa rua paralela, “de fundo”, não tínhamos problema algum com barulho. Além disso, tínhamos uma TV a cabo com uma programação padrão de mil canais, que servia para nos distrair um pouco no apartamento que alugamos via AirBnB. Demos a sorte de pegar somente dias lindos, quentes e ensolarados durante a nossa passagem. Conseguimos pegar ônibus com facilidade – metrô, idem – e nos aventurar pelos mais variados cantos da cidade. Além, é claro, de dar uma boa caminhada por Hollywood, como qualquer turista, passando por dezenas de sósias fantasiados e caracterizados como os mais famosos personagens da história do cinema americano. Ainda presenciamos uma viatura preta e branca da famigerada LAPD em plena atividade persecutória. Não registramos nem tiramos fotos porque seria como tirar selfies com a PM. Nunca. Um dos passeios que mais gostamos foi pegar um ônibus até Santa Monica, almoçar e depois caminhar até Venice Beach, onde assistimos a um belíssimo pôr do sol e presenciamos a louca e heterogênea fauna local, composta por músicos, skatistas, ex-hippies, marombados etc. Infelizmente, achamos a praia suja. Chegamos a pensar: “Anteontem estávamos num paraíso de águas cristalinas, nadando com tartarugas. Agora, nem vontade de entrar na água temos”. Também fomos a dois museus, que apresentaram uma extensa coletânea das artes plásticas mundiais através dos séculos, do impressionismo à pop art. Cézanne, Lichtenstein, Manet, Monet, Picasso, Van Gogh, Warhol e muitos outros tinham suas obras expostas entre o Getty e o LACMA. O Getty Museum fica localizado no alto do morro, tem uma vista linda da cidade e é gratuito. O LACMA fica bem no centro de Los Angeles e toda sexta-feira rola jazz no jardim aberto ao público. Programa imperdível! Nosso último passeio teve um lado bom e outro ruim. Em cima da hora decidimos – 20 anos após Orlando, em 1995 -, visitar o Universal Studios, permanecendo à noite para o Halloween Horror Nights, evento que havia estreado na noite anterior com atrações como The Walking Dead e Insidious (nossos preferidos, em tese, já que não conseguimos ir, pois as filas eram superiores a duas horas), Crimson Peak e Halloween (os melhorzinhos), This is the End, Alien Vs Predator e Terror Tram (péssimos). O esquema era o mesmo em todos eles: você caminhava por um labirinto e figurantes fantasiados tentavam te dar um sustinho. Lame. O prazer e a alegria proporcionados durante o dia pelas filas pequenas e rápidas dos divertidos brinquedos (como Simpsons, Minions, The Mummy, Jurassic Park etc) viraram pesadelo com as filas noturnas de mais de uma hora para atrações sem graça e que assustavam menos do que aqueles brinquedos toscos do parquinho de diversão de Araruama. O Universal Studios Tour também foi bem legal, com um passeio pelos sets de Frankenstein, Psicose, Tubarão, De Volta Para o Futuro e Guerra dos Mundos, dentre outros. Ou seja, com exceção desse HHN (uma falácia e uma fraude), nos divertimos bastante em LA. E, além disso, aproveitamos para fazer algumas comprinhas, já que ninguém é de ferro. Próxima parada: Playa del Carmen, México. [media] [/media] AirBnb Endereço: 1523 North McCadden Place 512, Los Angeles, CA 90028, Estados Unidos Preço: US$ 85 (R$ 340) Site: https://www.airbnb.com.br/rooms/1349142?eluid=6&euid=a648ffce-f2c3-23de-70b8-9223bdd4635b The Getty Endereço: 1200 Getty Center Dr, Los Angeles, CA 90049 Preço: Gratis Site: http://www.getty.edu Los Angeles County Museum of Art Endereço: 5905 Wilshire Blvd, Los Angeles, CA 90036 Preço: US$ 15 (R$ 60) Site: http://www.lacma.org Universal Studios + Halloween Horror Nights Endereço: 100 Universal City Plaza, Universal City, CA 91608 Preço: US$ 105 (R$ 420) Site: http://www.universalstudioshollywood.com
×