Ir para conteúdo

Raisa Rodarte

Membros
  • Total de itens

    20
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

16 Boa

Últimos Visitantes

570 visualizações
  1. Sim, como em qualquer aplicativo de venda de cupons você tem um período de validade. Então é preciso se atentar a isso no momento da compra
  2. Com certeza esse é um dos meus destinos queridinhos nesse país. Se me pedirem para montar um Top 5 dos lugares onde já estive, sem dúvida ele estará nas primeiras posições. Sabe quando você chega a um lugar e se sente em casa? Bom, é mais ou menos isso. Não à toa, já foram três visitas 😃 Vou fazer um relato curto. A ideia é compartilhar algumas dicas de passeios e das principais cidades do roteiro, deixando a visitação a Cambará do Sul, porta de entrada para os cânions Itaimbezinho e Fortaleza, em um post à parte.·. Gramado e Canela As duas cidades estão localizadas muito próximas uma da outra (aprox. 8 km). Se você é uma pessoa não sedentária (que curte de uma caminhada) vá andando de uma cidade até a outra. É só seguir a RS-235. Há calçada (passeio para os mineiros rs) nos dois sentidos e o caminho é bem tranquilo e cheio de atrações, por exemplo: o Museu de Cera, Museu Harley Davidson, Chocolaterias, Mundo a Vapor, Museu dos Beatles, Aldeia do Papai Noel. Só que em quase todos eles é cobrada uma taxa de visitação. Caso você não esteja disposto ou tenha alguma dificuldade para caminhar longas distâncias, é possível fazer o trajeto de carro, táxi, ônibus intermunicipal (não sei o valor atualizado da tarifa. Em 2014 era 2,30) e Uber! Isso mesmo, já tem Uber circulando por lá. Em Gramado, há alguns passeios clássicos: Lago Negro (gratuito) O clássico passeio nos pedalinhos de cisnes brancos. Pode parecer clichê, mas é lindo! Além disso, o lugar é muito bom para quem quiser dar aquela corridinha básica. Para quem é corredor (como eu) e precisa manter os treinos mesmo durante as férias, lá é um bom lugar pra esticar as pernas. Mas vá cedo (antes das 9hrs), dessa forma, o espaço ao redor do lago (que é estreito), fica todo para você! Mini Mundo (paga-se entrada) Nesse eu não fui, mas dizem que é legal! Lá você vai ver muitos lugares famosos do Brasil e do mundo representados em tamanho miniatura. Rua Coberta (gratuito) Parada obrigatória para um café da tarde, um chocolate quente ou um chopp à noite. Há várias cafeterias e chocolaterias localizadas ali. É uma delícia! Sem contar o charme dos assentos coberto com lã de ovelha. Igreja de São Pedro e os 12 apóstolos (gratuito) Fica bem em frente à Rua Coberta, do lado do Teatro da Cidade, onde acontece o Festival de Cinema de Gramado. Fonte do Amor (gratuito) É um ponto turístico relativamente novo. Não tem nada demais, mas como é no centro e você vai passar por ela algumas vezes, não custa nada olhar. Ah, para aqueles casais apaixonados, vale colocar um cadeado na fonte, no estilo parisiense. Lago Joaquina Rita Bier (gratuito) Fica no caminho para o Lago Negro, e perto do Mini Mundo. É onde acontece a celebração do Natal Luz. Rótula das Bandeiras e o Kikito Essa praça é famosa! Na verdade, está mais para uma rotatória com bandeiras de diferentes nacionalidades e no centro delas, o Kikito, o símbolo do Festival de Cinema de Gramado, que se tornou mascote da cidade. Em Gramado tem muitas praças lindas, com trepadeiras floridas e jardins bem cuidados. Bom de admirar! Uma delas é a Praça das Etnias, com a Casa do Colono. Repleta de lojinhas que vendem produtos rurais, feitos nas fazendas de colonos alemães, italianos... Vale uma parada! Comprei algumas coisas lá, de frutas desidratadas a geleias... Snowland (paga-se entrada) Esse também é bem famoso! Funciona como um parque de esqui indoor. Seus idealizadores recriaram um ambiente com neve artificial, morros e gelado, para funcionar como uma estação de esqui e snowboard. Lá você aluga roupa e equipamentos e brinca de esquiar. Não fui, pois fiquei com receio de machucar e não conseguir fazer as trilhas nos cânions. Mas irei quando voltar! Conheço pessoas que foram e adoraram. O Mundo dos Cristais e Vidros Não lembro exatamente onde fica, mas nesse lugar teve uma mostra ao vivo de como fazer e moldar vidros criando jarras, vasos, jóias. É um lugar onde eles fabricam vidros coloridos, muito utilizados na decoração de ambientes. São lindos! Depois do show você pode passear pelas lojinhas de vidrarias e semi-jóias. Dá vontade de comprar tudo!!! Fábricas de Chocolate Chegamos à parte mais chata da viagem! A comida! Rsrsrs Eu amo chocolate, então me esbaldei por lá. Existem várias chocolaterias, mas a minha preferida é a Prawer. É a mais antiga e conhecida como a primeira marca de chocolates artesanais do país. Possui muitas lojas na cidade e na Rótula das Bandeiras é possível degustar doces e sobremesas na Casa da Velha Bruxa, além de tirar uma foto com a dona do local. Preciso confessar que os chocolates não são baratos. Diante dos convencionais, o preço assusta. Mas vale muito a pena! São muito saborosos e há uma variedade incrível! Além disso, em algumas lojas (como na Luggano) você pode brincar com os sabores e montar seu próprio chocolate. Quem não adoraria ganhar uma lembrança dessa?! Além dessas, há outras marcas, como: a Chocolateria Gramado, Florybal (preços mais em conta) e Caracol (carinha também). Não deixe de visitar uma Fábrica de Chocolate! Fiz a visitação na Prawer, é gratuita e você pode agendar o transporte nas próprias lojas. Procure um funcionário e diga que você gostaria de conhecer a fabricação. Eles providenciam tudo, na faixa! Ouvi dizer que na fábrica da Luggano também é assim, mas eu não fiz o teste. Lembro, inclusive, que eles me ofereceram a opção de busca e retorno no hostel que estava hospedada. Em termos de culinária, outras duas coisas não podem faltar na viagem... O Café Colonial e uma Sequência de Fondue A primeira vez que fui lá, adooooorei o Café Colonial. Achei a coisa mais maravilhosa do mundo. Mas nessa última vez não gostei tanto. Não sei se popularizou demais ou se eu que estou com o paladar um pouco mais exigente mesmo. Bom, mas é uma experiência típica da cidade. Logo, se você nunca experimentou, vá sim. Sugiro ir para o café da manhã. À noite tive a impressão de que eles a comida não é tão fresca. - Tanto para o Café Colonial quanto para a Sequência de Fondue existem muitas opções, mas eu escolhi o Maximilia Fondue a la Carte e o Café Colonial na Torre, porque comprei coupons de desconto nesses lugares!!!! Isso salvou minha viagem, porque comer lá NÂO é barato! Site de descontos – http://www.laiguana.com.br/index.php Transporte até Gramado e Canela Ir de Porto Alegre ou Caxias do Sul para Gramado é bem fácil. Partindo ao aeroporto há ônibus que faz o trajeto direto para a rodoviária da cidade e o preço é bem em conta. Dentro de Gramado não é necessário andar de carro. As distâncias entre os pontos de interesse são bem curtas, a cidade é pequena e os locais mais turísticos, hotéis e principais restaurantes também são bem localizados. Clima Independente da época do ano pode fazer frio na cidade. Por mais que o inverno na região seja mais intenso de maio a agosto, o tempo pode virar e esfriar muito de uma hora para outra. A dica é: Levem roupas de frio e sempre ande com um agasalho. Outra coisa interessante é em relação à neblina. Algumas vezes, no meio do dia, baixa uma neblina densa sobre a cidade e escurece tudo. Mas ela logo passa. Em setembro isso aconteceu 2 vezes. A umidade na cidade é elevada e isso faz com que a sensação de frio seja ainda mais intensa. Pegamos 5 graus no mês de setembro. Passeio de Maria Fumaça Contrate uma agência de turismo e vá nesse passeio. É um passeio de dia todo, mas é muito divertido. Você faz o trajeto passando por várias cidades próximas (Garibaldi, Bento Gonçalves, Carlos Barbosa). Dentro do trem tem degustação de vinho tinto e branco (produzidos em Bento Gonçalves) e espumante (produzidos em Garibaldi), shows com danças típicas italianas e um teatrinho. Há algumas paradas estratégicas onde você desce do trem para passear na cidade. Por exemplo, em Carlos Barbosa, onde há a Loja da Tramontinas, onde é possível fazer umas comprinhas e uma degustação deliciosa de queijos e salames. Falando em salame, lá eles vendiam um salame de javali! Muito saboroso e com 60% menos gordura do que o tradicional. Recomendadíssimo! Fizemos o trajeto de volta de carro (da agência) e paramos em São Francisco de Paula, um pólo famoso pelas malhas e roupas de lã. Foi legal, mas não tem nada demais. Portanto, paradinha dispensável! Visita às Vinícolas Outro passeio que não pode faltar no roteiro. Só procurar uma agência de turismo e contratar uma visita às vinícolas. Existem muitas vinícolas na região, eu sugiro que vocês visitem alguma mais tradicional, como a Miolo, Cave de Pedra, Casa Valduga... Em algumas delas, a visitação e a degustação não tem custo. Outras cobram um valor que pode variar de 20 a 40 reais por pessoa. É bem bonito de ver, bem gostoso também. Mas fique esperto para não sair bêbado do passeio. São tantos vinhos para degustar que é fácil passar do ponto kkkkkkkkk http://vidaevinho.com/vinicolas-vale-dos-vinhedos/ Canela É um pouco menor que Gramado. Tem menos opções de hotéis e restaurantes. Mas também é bem charmosa. Comparando com Gramado, Canela possui menos atrativos turísticos localizados dentro da cidade. Exceto a Catedral de Pedra (uma construção de arquitetura gótica que fica em uma praça central), o restante das atrações está fora da cidade. Sobre a Catedral, eles costumam iluminá-la externamente durante a noite. Se você tiver sorte, vale a pena dar uma espiadinha. Em Canela está o Parque Estadual do Caracol, onde se encontra a famosíssima Cachoeira do Caracol. Você pode ver a cachoeira de dois ângulos: 1) bem de pertinho, descendo alguns (fui bem generosa aqui viu) degraus que levam até o lago formado pela queda e; 2) de longe, do mirante de observação, que nos permite ter uma vista do alto (Foto). Também existem algumas trilhas de fácil uso espalhadas pelo parque, adentrando a vegetação e margeando o rio que forma a cachoeira. Andando por elas você encontra lugares muito peculiares, com um clima (garoa) e vegetação que lembra muito os contos de fada. Lá só é preciso ter atenção com os quatis, que são muitos e estão bastante acostumados com a presença dos turistas, que dão tudo que é de comer pros bichos. No Parque, também é possível fazer o passeio de teleférico. Se você nunca fez, vale a pena! Recomendo! Informe-se na portaria do parque como fazer para chegar até o ponto de partida dos teleféricos (não me recordo dos valores também!). Falando em valores, a entrada no parque não é gratuita! Para chegar até ele, pegamos um táxi em Canela. Para ir embora, pegamos um ônibus circular. Os ônibus circulares são bem mais baratos, mas não passam lá o tempo todo, tem alguns horários fixos. Olhando na internet, dá para saber certinho quais são os horários. Na rodovia entre a cidade de Canela e o Parque Estadual do Caracol, há outros atrativos, como o Mundo dos Dinossauros, Terra Encantada Florybal, entre outros. Não conheço nenhum desses, minha opinião é que eles devam ser mais interessantes para crianças (mas isso é apenas minha opinião). - Tem uma churrascaria bem tradicional nessa mesma rodovia, que se chama Garfo e Bombacha. Acho que ela só funciona na base de reservas. Você paga um valor $$ e o buffet é livre (exceto bebidas), há o famoso churrasco gaúcho e shows culturais típicos. Infelizmente, no dia que estávamos em Canela não havia mais disponibilidade. Ficamos só na vontade! Mas tudo bem, eu vou voltar! 😃 Boa viagem! Be happy and eat chocolate!
  3. @Jay Silva tudo jóia? Obrigada, é bom dmais saber que o relato ajudou. Fico contente! Posso ajudar com algumas respostas sim. Outras não, tipo o contato do Júnior... Infelizmente não tenho. - Reservei todas as pousadas antes. Pelo menos entrei em contato e disse que queria me hospedar lá. Isso é algo bem louco, porque alguns proprietários não pediram sinal de garantia da reserva. Confirmaram por e-mail e sumiram, não passaram conta pra depósito nem nada. Nós quem fomos atrás de tudo. A pousada de Atins pede pagamento em dinheiro quando chegar lá... Deu um pouco de receio, mas no fim das contas deu tudo certo! Pode ser que esse esquema tenha mudado. - Pousada Nativa - Foi um passeio sim. O seu João (da Pousada Nativa) quem providenciou o guia e tudo o mais. Acho que foi 70 reais. Ficamos na Lagoa da Água Azul umas 2hrs. Depois poste o final da sua viagem. Infelizmente não me sobrou dias para conhecer o Delta nem Jeri. Encontrei pessoas que tinham esses destinos no roteiro. O delta deve ser INCRÍVEL!
  4. @Italo Lima julho é altíssima temporada lá nos Lençóis, então a dica da Claudia é bem boa. Se você deixar pra muito encima da hora, sugiro que faça uma busca por hospedagem antes de garantir as passagens, pq nesses dois destinos (Atins e Sto Amaro) há poucas opções mesmo. Abs
  5. @Helier Gomes que legal! Ansiosa por ver as suas fotos e ler o relato! Feliz em saber que tudo deu certo!!!
  6. Olá! Gostaria de apagar esse relato. Postei na Região Nordeste, o que está errado. Já fiz a nova postagem na região certa (Sudeste), porém não consigo deletar o post com erro. Ficarei muito grata se puderem me ajudar com isso. Até, Raisa
  7. Para minha surpresa, Holambra é um amorzinho de cidade. Ainda jovem, no ano de 2017 completou 26 aninhos, comemorados a partir da emancipação do município em 1991 e não da chegada dos primeiros holandeses, que ocorreu em 1948. Está localizada no interior paulista, bem pertinho das cidades de Arthur Nogueira, Jaguariúna e Campinas. É famosa nacionalmente pelo comércio de flores e plantas ornamentais, sendo responsável por 45% da produção nacional. Talvez você não tenha ideia de onde fica essa cidade, do seu tamanho, da sua história... Mas é bem provável que já tenha ouvido falar da Expoflora, a maior Exposição de Flores da América Latina, sediada na "Holanda brasileira" anualmente no período de agosto a setembro. Algumas curiosidades: o nome é formado da junção de partes de três palavras Holambra = Hol: Holanda + Am: América + Bra: Brasil, a cidade se destaca pela alta qualidade de vida da população e também como detentora do melhor índice de segurança do país. Bom, como eu disse me apaixonei por Holambra. No intervalo de 1 ano, visitei-a umas quatro vezes e todas elas foram muito agradáveis, cada uma à sua maneira. A primeira visita não poderia ter sido em outra ocasião, Expoflora 2016. Fomos em um sábado de manhã, num grupo de sete pessoas. Chegamos uns 10 minutos antes da abertura dos portões (9hrs), por isso conseguimos estacionar tranquilamente nas vagas do lado de fora do estacionamento e muito, muito perto da entrada principal. Engana-se quem pensa que só havíamos nós lá nesse horário. Já havia umas 100 pessoas ali, em fila, aguardando para entrar, mas tudo estava muito organizado. Por volta das 13hrs, os pavilhões começaram a encher pra valer. Mas nesse tempo já havíamos visto quase todos os ateliers e exposições, almoçado, comprado, ou seja, é possível fugir da hora do rush mesmo aos finais de semana viu gente! Uma dica: a Expoflora, se programada com antecedência, pode sair bem em conta, com os ingressos custando menos de 20 reais (inteira). A segunda vez foi uma visitinha em casal, num clima mais romântico, sem programação. A ideia era passear pela cidade, almoçar, comer uma sobremesa, tirar umas fotos, sentar em uma praça pra papear e só. Dessa vez não chegamos tão cedo, por volta de 10h, passeamos por diversos pontos turísticos e paramos no Deck do Amor, demos uma voltinha pelo Moinho e caminhamos por alguns bairros e ruelas na região do Centro de Convenções (onde rola a Expoflora). Almoçamos no Martin Holandesa e lá experimentamos uma sobremesa típica holandesa (que eu não me atrevo a dizer o nome) maravilhosa!!! É uma maçã inteira, cozida no vapor e envolta em uma crosta de massa folheada com sorvete de creme. Bom demaaaais!! Na outra visita, o passeio foi em família, com a sister, papai e vovó e o objetivo seria levá-los aos campos de flores, que é uma atração à parte. Estudei um pouquinho sobre as opções e descobri que as visitas aos campos são feitas apenas mediante agendamento, via agências de turismo. Há passeios em praticamente todos os dias da semana e durante todo o ano, porém a cultura visitada pode variar por “n” motivos: estação do ano, condição climática, condição das flores e anuência do proprietário. Por esse motivo, recomendo contactar a agência com pelo menos dois dias de antecedência para verificar a disponibilidade do passeio e qual o tipo de campo está aberto à visitação. Os roseirais, por exemplo, só estão disponíveis nos meses mais frios do ano, crisântemos e gérberas o ano todo, girassóis na primavera e por aí vai. Além disso, um guia acompanha todo o percurso contando a história da cidade e curiosidades sobre as flores. Ah, se você também achava que veria um campo de tulipas (flor símbolo da Holanda) em Holambra (assim como eu achava), isso não será possível. Até existe o cultivo dessa flor por lá, mas os proprietários não permitem o acesso de visitantes. O cultivo e manutenção das tulipas no nosso clima tropical são complicados e todas as condições de umidade, temperatura e doenças são rigorosamente controladas em estufa. Entre as principais atrações turísticas, está o Moinho dos Povos Unidos. Ele é considerado o maior moinho da América Latina com 38,5 metros de altura e mais de 90 toneladas e é uma réplica fiel dos moinhos holandeses usados para moer grãos. O monumento foi construído no local mais alto da cidade, dessa forma, com 10 reais, é possível entrar e subir até seu topo tendo uma visão privilegiada. O Deck do Amor em frente ao Lago Vitória Régia, onde os enamorados espalham cadeados com suas iniciais nos alambrados, também merece uma visita. Ao sair da cidade, não deixe de passar pelo Grande Portal Turístico de Holambra, que em certa época do ano (abril, senão me engano) está todo florido. Também vale uma parada no Memorial dos Imigrantes e no Lago do Holandês, um antigo point de recreação que está sendo revitalizado pela prefeitura. Bom, não dá para passar em Holambra (que seja um dia) sem provar a culinária holandesa. Cada vez que vou à cidade experimento um restaurante e uma confeitaria diferentes. Algumas são muito tradicionais! Não dá para ignorar! Adianto aqui que as opções de refeição variam muito, dá para optar pelo tradicional à kilo ou self-service coma à vontade, assim como pratos à la carte. Dentro de cada uma dessas possibilidades, os preços também variam. Aí fica a cargo do freguês. Entre os restaurantes, guarde esses nomes: Martin Holandesa, Casa Bela, The Old Dutch e Amsterdan, esse último o mais em conta dos quatro e o point mais badalado da Expoflora. Em relação às confeitarias, experimente as tradições holandesas do Martin Holandesa e da Zoet en Zout. Maravilhosas!!!! O diferencial de Holambra é o seguinte: Independente do objetivo da viagem trata-se de um destino agradável, seguro, bonito para os olhos, gastronomicamente delicioso e com atrações turísticas gratuitas ou a preços acessíveis. Bom passeio!
  8. @claudia.rodrigues Tudo bem? Vá tranquila, independente da sequência que você seguir, tudo vai dar certo. Optei em começar por Santo Amaro, para seguir um único sentido durante toda viagem e para estar em Atins em um período mais favorável para a observação dos plânctons bioluminescentes (fora da lua cheia). Terminar em Santo Amaro pode ser bom, pois é a cidade mais próxima de São Luís. Por outro lado, há mais opções de transporte de Barreirinhas para São Luís, o que facilita o retorno, ainda mais se seu horário de vôo for apertado. Pense em tudo isso e escolha o roteiro. Mas em termo de beleza, a sequência não vai fazer muita diferença. É tudo lindo demais! Beijos e bom passeio em família!!
  9. @maickbr1991 Depois de muito tempo eu venho responder seu post, desculpe a demora, fiquei um bom tempo sem acessar minha conta. Olha, com tudo, tudo mesmo, a viagem ficou em torno de 1.000 reais.
  10. Helier, bom dia! Tudo bem? Sigo o Instagram do parque e de algumas agências de turismo da região e pelas postagens que tenho visto as lagoas já estão bem bonitas. Ótima notícia não?! Sobre os pacotes, fechei tudo lá, nas pousadas onde fiquei. Várias realizam esse serviço. Eu gostei muito dos guias de Santo Amaro, eles não tinham pressa. Ficavam conosco o tempo necessário para que aproveitássemos cada lagoa, cada paisagem. Já em Barreirinhas, os guias são mais apressadinhos, pois o fluxo de visitantes é maior. Quando o passeio envolve um circuito de lagoas, o tempo máximo para nado e apreciação em cada lagoa foi de 30 minutos. Se tiver restado alguma dúvida, pode perguntar. Boa viagem!! Bjs
  11. Bom que gostou Karine! Desejo que sua viagem seja inesquecível!!!
  12. Que bom saber Kassio. Tenho amigos que ficaram tão empolgados com o lugar e tudo o que eu disse sobre lá e São Luís, que animaram passar férias lá em setembro. Eles vão amar saber sobre as chuvas e o nível das lagoas. Muito obrigada!
  13. Sergio, que bom que gostou. Espero que seja útil. As lagoas estavam lindas, muito cheias. Esse ano as chuvas foram generosas por lá.
×
×
  • Criar Novo...