Ir para conteúdo

Júlia Saleh

Membros
  • Total de itens

    7
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

5 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Vila Mariana é um bairro legal sim! Mas um pouco deslocado. Se for perto do metrô tá ótimo.
  2. Quando ir: o clima é sempre ameno em São Paulo e todas as épocas podem ser boas, mas eu aconselho a primavera, quando não faz muito frio nem calor e a cidade fica linda toda florida. Quantos dias ficar: uma semana completa para visitar os principais atrativos turísticos. Mas como em qualquer cidade grande vai ficar faltando muita coisa, em uma vida inteira morando aqui ainda não conheci tudo. Como chegar: de ônibus ou avião, quase todos os destinos tem ligação direta com São Paulo. São várias rodoviárias na cidade, então é importante se atentar em qual delas você vai chegar ou sair. Os aeroportos são dois e ambos têm conexão com o transporte público. Guarulhos fica mais afastado, mas tem estação de trem e ônibus com ligação ao metrô Tatuapé. Congonhas está dentro da cidade, de lá também dá para pegar ônibus para o metrô ou qualquer outro lugar. O que fazer: São Paulo oferece atrativos para todos os gostos, mas o essencial da cidade é conhecer seu centro antigo, Avenida Paulista e Parque Ibirapuera. Onde ficar: o ideal é se hospedar bem próximo de alguma estação de metrô. As regiões mais indicadas são a da Avenida Paulista, que está sempre movimentada e se conecta com toda a cidade. Ou a Vila Madalena, bairro simpático cheio de restaurantes e bares. Transporte: o metrô não chega a todos os lugares, mas é o meio mais fácil de locomoção. Não atrasa e está sempre limpo. Os ônibus também funcionam, mas são mais imprevisíveis. Evite a hora do rush, entre 7 e 9 horas da manhã muita gente vai em direção ao centro, e das 17 as 19 horas as pessoas estão voltando da região central para suas casas. O bilhete único pode ser comprado e carregado em estações de metrô ou lotéricas e facilita o pagamento de passagens além de dar descontos nas integrações. Eventos: pode ser interessante se programar para vir à cidade e aproveitar alguns de seus principais eventos, como o carnaval, o festival de música Lollapalooza em abril, a virada cultural em maio, as quermesses e festas juninas, a época de floração das cerejeiras no parque do Carmo em agosto, a corrida São silvestre e a virada do ano na Paulista. Cultura: São Paulo recebe muitos shows de artistas internacionais, mas também concentra inúmeros shows nacionais acontecendo sempre. Vale conferir o circuito de shows, peças e exposições do Sesc: https://m.sescsp.org.br . O MIS, Museu da Imagem e do Som e o instituto Tomie Ohtake costumam fazer boas exposições que atraem grandes públicos. E vale pesquisar se o Teatro Oficina está com alguma peça em cartaz, além do incrível teatro de estrutura completamente inusitada, o grupo tem atuação marcante. São Paulo é aquela cidade que a gente ama odiar. Todo mundo vive falando mal, mas não trocaria por nenhum outro lugar. É claro que o trânsito e a poluição incomodam, além de tudo estar sempre lotado e cheio de filas, mas muita coisa boa só acontece na maior cidade do Brasil. Eu não considero São Paulo uma cidade perigosa e não acho que turistas devem se preocupar, apenas tomar alguns cuidados. Como em qualquer cidade grande, é necessário estar sempre atento aos seus pertences, principalmente em ônibus, metrô e grandes aglomerações. Batedores de carteira existem em todo lugar, mas assaltos violentos são raros, principalmente nas áreas mais turísticas. Só evite andar por lugares muito desertos à noite. São Paulo dia a dia: Dia 1 (segunda) – 25 de Março e Mercadão A rua 25 de Março é famosa por reunir muitas lojas com preços baixos, para chegar lá dessa no metrô São Bento, saída pela Ladeira Porto Geral. Vá andando até o Mercado Municipal para experimentar muitas frutas e famosas comidas típicas. Dia 2 (terça) – Centro Antigo Um passeio a pé é a melhor maneira de conhecer o centro de São Paulo e sua arquitetura antiga. Comece pela estação de metrô São Bento. Conheça o Mosteiro de São Bento e o Viaduto Santa Ifigênia. Volte ao largo, siga a rua Boa Vista e vire à direita na rua João Brícola, onde fica o Farol Santander e você pode observar a vista de São Paulo do alto do prédio (ingresso pago: https://www.farolsantander.com.br). Volte à rua Boa vista e siga passando pelo Pátio do Colégio e outras construções históricas até a Praça da Sé. Contemple a bela catedral e o marco zero da cidade. Depois siga pela rua Benjamin Constant até a Faculdade de Direito da USP. Cruze a praça Ouvidor Pacheco e Silva, siga pela rua São Bento e vire à esquerda na rua Direita, até a Praça do Patriarca. Atravesse o Viaduto do Chá, passando pela prefeitura de São Paulo e uma bela vista do Vale do Anhangabaú. Chegando ao Teatro Municipal entre para uma das visitas guiadas que acontecem de hora em hora (https://theatromunicipal.org.br/espaco/theatro-municipal/#visita-guiada). Siga pela rua Conselheiro Crispiniano até a avenida São João, onde fica a Galeria do Rock e a famosa esquina com a Ipiranga. Vire à esquerda na avenida Ipiranga, passe pela Praça da República e o edifício Copan até a Praça Roosevelt. Siga pela rua da Consolação até a estação de metrô Higienópolis Mackenzie. Aproveite para comer em algum dos inúmeros restaurantes pelo caminho, como a Tradicional Casa do Mate (Av. São João, 544) ou o Toya Vegan (R da Consolação, 331 loja 6). Entre no mapa aqui: https://www.google.com/maps/d/viewer?mid=1dLusBxkIU51XySIqNhONpAwAns7GAm9o&ll=-23.546748055339236%2C-46.64285051009523&z=16 Dia 3 (quarta) – Pacaembu e Pompéia Para chegar ao Pacaembu, dessa na estação de metrô Higienópolis Mackenzie e vá andando pelo bairro Higienópolis e o Parque Buenos Aires. Conheça o estádio e o Museu do Futebol. Volte ao metrô ou pegue um ônibus em direção à estação Barra Funda. De lá, vá conhecer o bucólico Parque da Água Branca. Siga para o Sesc Pompeia e sua programação cultural e aproveite para almoçar no Lar Vegetariano (rua Clélia, 278). Depois Faça uma visita ou acompanhe um jogo no Allianz Parque, estádio do Palmeiras. Dia 4 (quinta) - Luz Comece o dia com um concerto da OSESP na Sala São Paulo (http://www.salasaopaulo.art.br/concertoseingressos/programacao.aspx), estação Júlio Prestes do trem. Siga de trem para a estação da Luz, essa área não é tão indicada para andar a pé. Conheça o Museu da Língua Portuguesa e depois atravesse para o Parque da Luz e a Pinacoteca. Dia 5 (sexta) – Ibirapuera Para chegar ao Parque Ibirapuera, a estação de metrô mais próxima é a AACD Servidor. Aproveite para passar um dia inteiro no parque e fazer um picnic. Você pode visitar o auditório, a Oca, o planetário e os museus que ficam lá dentro. Em frente ao parque, na Avenida Pedro Álvares Cabral, está o famoso Monumento às Bandeiras e o obelisco. E no fim do ano há um show de luzes nas fontes do lago à noite. Dia 6 (sábado) - Pinheiros e Vila Madalena Conheça o Parque Villa Lobos, à beira da Marginal Pinheiros, chegando de trem pela estação Villa Lobos Jaguaré. Pegue uma daquelas bicicletas ou patinetes compartilhados para passear pela ciclovia até a Faria Lima. Depois siga em direção ao Beco do Batman e seus grafites e passeie pela Vila Madalena. Curta um delicioso sorvete na Veganeria Stuzzi (Rua Harmonia, 506) antes de seguir para a praça Benedito Calixto e sua feirinha de antiguidades. Depois curta o fim do dia nas agitadas Rua dos Pinheiros ou Oscar Freire. Dia 7 – (domingo) – Avenida Paulista A Avenida Paulista aberta para pedestres no domingo é uma síntese de São Paulo, reunindo todo tipo de manifestações culturais, artísticas e políticas. Além de músicos, dançarinos e vendedores de artesanato, a avenida também reúne uma série de atrações. O MASP, o Parque Trianon, a Casa das Rosas, o Mirante 9 de Julho, o Sesc Paulista, o Instituto Moreira Sales, a Japan House e o Itaú Cultural. Aproveite para conhecer a Rua Augusta, seus cinemas, lojinhas, restaurantes e casas de festa. Nesse dia também acontece a tradicional feirinha oriental bem na saída do metrô Liberdade. Alguns destinos mais distantes também merecem ser contemplados se houver tempo. O parque da Cantareira oferece trilhas e mirantes em meio à Mata Atlântica, cada núcleo tem sua entrada e atrativos diferentes. O Pico do Jaraguá pode ser subido de carro ou a pé, pela estrada ou por trilha, e tem uma vista incrível da cidade. O Parque da Independência, que abriga belíssimos jardins inspirados em Versailles, tem sua importância histórica cantada em nosso hino, ali fica o Rio Ipiranga em cujas margens foi proclamada a independência do Brasil. Esse e outros destinos em aventureira.com.br
  3. Quando ir: dá para ir durante o ano todo, mas o mais aconselhável é na época da seca, no meio do ano. Faz bastante sol e calor durante o dia e a noite esfria bem. Na época de cheia existe o risco de trombas d’água e alguns atrativos ficam fechados. Fica sempre cheio de turistas em feriados e férias. Quantos dias ficar: por lá ouvi dizer que existem mais de 200 cachoeiras, muitos vão e resolvem ficar para morar, nenhum tempo é suficiente para conhecer tudo. Eu aconselho pelo menos uma semana para visitar os atrativos principais. Como chegar: a maneira mais comum é a partir de Brasília (240 km), onde muita gente aluga carro, pede carona ou pega o ônibus da Real Expresso (www.passagemrealexpresso.com.br), que sai de manhã e de noite para Alto Paraíso. A volta de ônibus tem apenas um horário de tarde. Entre Alto Paraíso e São Jorge não tem ônibus. O que fazer: o que tem de melhor na chapada são as cachoeiras. Não saia de lá sem conhecer as Cataratas do Rio dos Couros, os saltos de 120 e 80m do parque nacional e a Cachoeira Santa Bárbara. Onde ficar: Alto Paraíso e São Jorge oferecem uma infinidade de opções de hospedagem. Como são cidades pequenas, fáceis de andar a pé, o melhor é escolher um lugar perto do centro. Em Alto Paraíso a Av. Ary Valadão Filho concentra os principais restaurantes e lojinhas. Já em São Jorge, a rua principal é a Cinco. Lá eu indico o Camping Taiuá Ambiental, que é simplesmente maravilhoso. Super agradável e bem estruturado, oferece aluguel de barracas e tem vários shows na alta temporada. Transporte: dá para ir para a chapada sem carro sim! Essa é a escolha de muitas pessoas e inclusive foi a minha. Não tem ônibus e não dá para ir a pé para São Jorge e para a maioria das cachoeiras, mas existem outras opções. Você pode contratar empresas de turismo que oferecem os passeios ou guias que levam as pessoas em seus próprios carros. Algumas hospedagens também organizam vans que reúnem os viajantes. Dá para alugar bicicleta, a estrada entre Alto Paraíso e São Jorge tem ciclovia! Mas o jeito mais legal de arrumar transporte na chapada é por caronas. Lá se diz que a cultura caroneira é muito forte. É bem fácil conseguir carona na estrada e muita gente fica pedindo. Existem grupos no facebook que reúnem pessoas pedindo e oferecendo carona para chegar lá (https://pt-br.facebook.com/groups/240194479350012/) e para ir para os passeios. Se estiver de carro, tudo fica mais fácil. Dá para ir a todos os lugares, os atrativos principais são bem sinalizados. Eventos: diversos eventos acontecem durante o ano na chapada, mas tem dois que eu considero imperdíveis. O Encontro de Culturas e o Festival Ilumina. Ambos em julho. Dinheiro: em Alto Paraíso tem uma agência do Itaú e caixa 24h. Em São Jorge não tem nada! Se programe antes. Muitos lugares aceitam cartão, mas nem todos, principalmente cachoeiras que cobram entrada. Alimentação: há uma infinidade de opções de restaurantes em Alto Paraíso e em São Jorge. Tem também mercado, padaria e lugares que preparam lanches e kits para levar nas trilhas. A chapada é um paraíso para os vegetarianos e veganos. Tem muitos restaurantes específicos e os outros costumam ter opções. Todo mundo fala e é verdade, a chapada é mágica. Não sei o que tem de especial naquele lugar para reunir tanta coisa boa. Mas é só chegar lá que você já sente. Não é à toa que quem vai não quer mais voltar e muita gente larga tudo para morar lá. Cada lugar, cada cachoeira, cada pessoa que você encontra, parece que está tudo em uma sintonia muito boa. É um lugar perfeito para se conectar com a natureza e conhecer as belezas do cerrado. Fui para lá sozinha e conheci muita gente, arrumei ótimas caronas e fiz boas amizades. Alto Paraíso ou São Jorge? A Chapada dos Veadeiros é uma grande região, que inclui várias cidades. Quem vai para conhecer as cachoeiras costuma se hospedar em Alto Paraíso de Goiás ou na Vila de São Jorge. Elas ficam apenas meia hora de carro uma da outra e dá para fazer os passeios saindo das duas. Alto Paraíso é uma cidadezinha pequena, já São Jorge é bem menor e mais simpática, não tem nem asfalto. Se for para ficar bastante tempo, eu sugiro dividir sua viagem entre as duas. Senão escolha a que fica mais perto dos atrativos que você quer conhecer. Visite o Centro de Atendimento ao Turista (CAT) para informações nas cidades. Alto Paraíso Feira do Produtor Local: Acontece todo sábado de manhã e terça das 15h as 18h. Dá para comprar vegetais orgânicos e comer várias coisinhas gostosas. Cataratas do Rio dos Couros: A entrada é de graça e o valor do estacionamento é livre. Para chegar pega-se um trecho da estrada em direção a Brasília e depois uma longa estrada de terra, sem indicação em algumas bifurcações. É indicado ir com guia, mas eu acho desnecessário. A primeira trilha é bem curta e leva até uma cachoeira muito linda. É preciso atravessar pela água para chegar nela. Depois a trilha segue o maravilhoso rio dos couros, que forma várias piscinas onde as pessoas tomam banho, até outra cachoeira bem maior. Reserve um dia inteiro para esse passeio. Loquinhas: É o atrativo mais perto de Alto Paraíso. Dá para ir de carro ou andando. A entrada custa R$25,00. A trilha é muito curta e muito fácil, toda de madeira, e vai acompanhando o rio e suas mini cachoeiras, com poços para banho. O mais interessante são os miquinhos que aparecem atraídos pelos turistas. O passeio é bem curto, dá para fazer em meio dia. Cristais: Parecido com a Loquinhas, mas bem mais bonito, uma trilha fácil e curta segue o rio e suas cachoeiras e poços. Custa R$20,00 para entrar. É um passeio para meio dia, ou um dia inteiro se você for a pé. Saindo de Alto Paraíso são 5 km na estrada em direção a Cavalcante e mais 3 km de estrada de terra. Fazenda São Bento – Almécegas I e II e Cachoeira São Bento: A fazenda fica na estrada entre Alto Paraíso e São Jorge e dá acesso às três cachoeiras. Entrada R$30,00. A cachoeira São Bento é a mais próxima e menorzinha, tem um bom poço para banho. Seguindo de carro por uma estrada de terra fica o acesso a Almécegas I. A trilha não é muito longa, mas é uma subidona bem cansativa. A cachoeira é bem grande e lindíssima. Primeiro se chega a um mirante em um paredão de frente para a queda. De lá dá para descer para o poço ou atravessar as pedras até a parte de cima da cachoeira. De volta à estrada de terra, é preciso seguir de carro até a Almécegas II, acessível por uma trilha curta e fácil. A cachoeira não é tão grande, mas é bonita. Reserve um dia inteiro para aproveitar as três cachoeiras. Novo Portal da Chapada – Ashram do Prem Baba e Festival Ilumina: O Novo Portal é um “santuário ecológico” onde você pode se hospedar e também tem entrada para a cachoeira São Bento. Lá fica o ashram do Prem Baba, que durante uma temporada no ano recebe o guru e seus seguidores. É onde acontece o Festival Ilumina. Jardim de Maytrea: É uma paisagem que fica na estrada entre Alto Paraíso e São Jorge. Tem lugar para estacionar o carro e muitas pessoas vão para ver o pôr do sol. Uma bela amostra das belezas do cerrado e das formações rochosas da região. São Jorge Encontro de Culturas e Aldeia Multiétnica: É um evento incrível que acontece na segunda metade de julho e reúne indígenas, quilombolas, e visitantes para palestras, oficinas e shows. Vale da Lua: Um cenário bem diferente na chapada. Não se trata de uma cachoeira, mas de toda a área por onde a água do rio gastou as pedras formando algo que lembra a lua. Também tem pequenas cachoeiras e poços para nadar, com água bem gelada. A entrada é R$20,00 e a trilha é bem curta e fácil. É um passeio de meio dia, ou um dia inteiro se for a pé. Seguindo de São Jorge em direção a Alto Paraíso há uma entrada para a estrada de terra, são 10 km no total. Mirante do Abismo e da Janela: Simplesmente o visual mais lindo da chapada! Na época da cheia tem a cachoeira do abismo no caminho, na seca é só o mirante. Fica fora do parque, mas a visão que se tem é dos saltos de 120 e 80m. A trilha começa com uma descidona, depois é plana e então vem uma subidona. Mais ou menos uma hora, até chegar no mirante. Dá para fazer em meio dia. A entrada custa R$15,00 e fica pertinho de São Jorge, em direção ao Parque Nacional. Cachoeira do Segredo: Para ir a cachoeira do Rio Segredo, é necessário sair de São Jorge na direção contrária à de Alto Paraíso. Não dá para ir a pé. Há uma placa no lado esquerdo da estrada que indica a entrada de uma estradinha de terra que leva até a guarita. Lá se paga R$40,00 para entrar ou se você comprar o ingresso antes em São Jorge tem 5 reais de desconto. A trilha até a cachoeira é bem diferente, com vegetações específicas que eu só vi por lá. O caminho todo é muito lindo e atravessa o rio por diversas vezes. Essa cachoeira é uma das mais altas da Chapada, ela fica cercada por um paredão de pedra e quase não recebe a luz do sol, a água é a mais gelada de todas. Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros: O parque fica pertinho de São Jorge, dá para ir a pé ou estacionar o carro lá. A entrada é grátis. Dá para entrar das 8h ao meio dia, mas ele fecha antes se atingir a lotação, o que costuma acontecer cedo em fins de semana de alta temporada. No parque tem 4 trilhas diferentes. Cânions e Cariocas: A trilha até a cachoeira Carioca leva aproximadamente 1 hora. O fim é uma descida pelas pedras bem íngreme, com algumas escadas. A cachoeira é grande e linda e tem uma ótima piscina para nadar. Dá para ir embaixo da queda d’água. Voltando um pouco na trilha tem um outro acesso para os cânions onde se encontra pequenas cachoeiras entre paredões de pedra e vários lugares para nadar. Saltos de 120 e 80m: São as maiores e mais famosas cachoeiras do parque. A trilha leva mais ou menos uma hora, sendo que boa parte é descida, bastante subida na volta. Primeiro você chega a um mirante dos saltos de 120m. Depois a trilha chega em cima dos saltos e de frente para o de 80m, onde você pode nadar sem chegar próximo da queda. De lá a trilha segue para as corredeiras, boas para nadar. Seriema: É uma trilha bem curtinha e sem água. Boa para quem quer andar pelo cerrado, mas não está disposto a fazer as trilhas grandes. Travessia da 7 Quedas: É uma trilha de 23 km, para ser feita em dois dias. A pernoite no parque deve ser agendada antes pelo site www.ecobooking.com.br. A cachoeira das 7 quedas é muito bonita e exclusiva, poucas pessoas vão até lá. Cavalcante Santa Bárbara: A cachoeira Santa Bárbara é uma das mais famosas da chapada, por sua água azul turquesa. Ela é realmente maravilhosa e vale a pena conhecer, mas fica bem longe, em Cavalcante, é um passeio de um dia inteiro. Em Cavalcante há várias outras cachoeiras e quem opta por visita-las pode se hospedar na cidade ou dentro do quilombo kalunga, onde fica a Santa Bárbara. Para visitar a cachoeira é obrigatório o acompanhamento de um guia. Alguns guias levam grupos desde Alto Paraíso, saímos em 9 pessoas em dois carros e ficou R$ 30,00 para cada. No caminho paramos em um mirante e na cachoeira Ave Maria. No quilombo pagamos R$20,00 a entrada, que dá direito também à visita da cachoeira Capivara, que é lindíssima. As trilhas são curtas e fáceis. Após o passeio, almoçamos a comida caseira típica, plantada e preparada no quilombo. Mais informações sobre esse e outros destinos no site: AVENTUREIRA
  4. Foi o meu primeiro mochilão, viajei por 3 meses. Resolvi fazer tudo de ônibus porque além de ser mais barato e serem momentos de descanso, eu queria realmente passar por todos os lugares, ver as estradas e as vistas. Passei bastante tempo pensando no roteiro e no final achei que ficou muito bom. Como ia viajar sozinha e estava um pouco insegura, já reservei todos os hostels antes de viajar e comprei também as passagens de ônibus que já dava. Durante a viagem fiz poucas mudanças no roteiro, diminui meus dias em Pucon porque o vulcão villarrica entrou em erupção, aumentei meus dias em El Calafate porque passei por lá bem em um feriado e o trekking pelo Perito Moreno estava lotado. Fui sempre muito bem recebida em todos os lugares, contei muito com a ajuda e informações dos moradores locais. Meu espanhol era bem ruim, foi melhorando durante a viagem, mas a comunicação foi sempre muito fácil. Peguei carona muitas vezes, algumas acompanhada, mas várias sozinha, não tive nenhum problema e achei um ótimo jeito de entrar em contato com as pessoas do local. Viajar sozinha foi bem tranquilo, fui muito mais aberta e conheci muita gente. Tenho feito relatos sobre essas e outras viagens no blog: AVENTUREIRA Esse foi o roteiro da minha viagem: São Paulo 18/2/2015 Montevideu 18/2 – 22/2 Punta del Este 22/2 – 26/2 La Paloma 26/2 -27/2 Cabo Polonio 27/2 - 28/2 Colônia del sacramento 28/2 – 2/3 Buenos aires 2/3 (fiquei só um dia porque já tinha ido pra lá) Puerto Madryn 3/3 - 5/3 Península de Valdes 5/3 – 9/3 Rio Gallegos 10/3 (só troca de ônibus) Ushuaia 10/3 – 14/3 Punta Arenas 14/3 – 15/3 Torres del Paine 15/3 – 31/3 (fiquei como voluntária, 11 dias trabalhando e 4 dias livres) Puerto Natales 31/3 – 1/4 El calafate 1/4 – 5/4 El chaltén 5/4 – 10/4 Bariloche 11/4 – 16/4 San Martin de los Andes 16/4 – 17/4 Pucon 17/4 – 19/4 Santiago 20/4 – 27/4 Atacama 28/4 – 4/5 Uyuni 4/5 – 6/5 (tour pelo salar) Copacabana 7/5 – 9/5 (isla del sol) La Paz 9/5 – 13/5 São Paulo 13/5 Decidi a ordem por 2 motivos: a época das Orcas na Península de Valdés, que eu queria muito ver, e a época de chuvas na Bolívia, que eu não queria ver. Além disso, pras praias do Uruguai tem que ir no verão, e pra Torres del Paine e El Calafate é melhor ir mais longe do inverno, porque é muito frio e algumas coisas fecham. Levei cartão de crédito, reais e dólares. O melhor foram os dólares, muito aceitos e com cotações ótimas para trocar, principalmente na Argentina. O cartão foi bem útil também, apesar das taxas acho que vale a pena não levar tudo em dinheiro. Fiz um vídeo da viagem:
×
×
  • Criar Novo...