Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Maria Cecilia dos Santos

Membros
  • Total de itens

    13
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

1 Neutra

Sobre Maria Cecilia dos Santos

  • Data de Nascimento 15-07-1982

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Argentina (Buenos Aires), Paraguai (Assunção), Chile (Santiago), USA (Nova York), Canada (Toronto, Niagara Falls, Quebéc, Montreal e Otawa), França (Paris), Inglaterra (Londres), Alemanha Berlin), Holanda (Amsterdã), Republica Checa (Praga), Itália (Roma), Turquia (Istambul), Suíça (Zurique, Berna e Interlaken), Áustria (Viena), Hungria (Budapeste), Eslováquia (Bratislava), Polonia (Oswiecin e Cracóvia), Rússia (São Petersburgo), Bélgica (Bruxelas, Bruges e Antuérpia), Irlanda (Dublin, Galway), Irlanda do Norte Belfast), Romênia (Bucareste), Escócia (Edimburgo), Croácia (Zagreb).
  • Próximo Destino
    Portugal, Espanha, Marrocos, Sérvia, Bulgária e Bósnia Herzegovina.
  • Meus Relatos de viagem
    Relato de Viagem: http://www.mochileiros.com/romenia-alem-do-dracula-t116996.html
  1. Olá! Vou a Israel em maio desse ano e gostaria de aproveitar para conhecer Petra na Jordânia. Alguém que esteve lá recentemente sabe me dizer se é fácil contratar agências para este passeio? Quanto é a media de preço?
  2. Maria Cecilia dos Santos

    Cartão de crédito no Uruguai

    Olá! Farei uma viagem ao Uruguai no final do mês e gostaria de tirar uma dúvida. Pesquisando, li em vários lugares que se pagar com cartão de crédito você recebe o IVA (cerca de 16%) de volta, porém em alguns lugares especificava cartão visa outros dizia apenas cartão internacional. Alguém que esteve lá recentemente saberia me dizer qual a a informação correta? Muito obrigada!
  3. Maria Cecilia dos Santos

    Berlim x Praga x Viena OU Berlim x Praga x Wroclaw ?

    Viena é uma cidade muito bonita e cheia de história. Uma arquitetura belíssima e boa comida. O museu que mais me chamou a atenção lá foi o Belvedere com as obras de Gustav Klimt. Wroclaw eu não conheço, na Polônia visitei somente a Cracóvia que recomendo fortemente, cheia de história pelas ruas, povo amistoso, comida excelente, uma coisas mais exóticas (pra mim) que lembro de ter provado lá foi cerveja quente com cravo. Um pouco estranho pra nós acostumados com aquelas cervejas bem geladas, mas sempre vale experimentar! Espero ter ajudado. Boa sorte e boa viagem!
  4. Maria Cecilia dos Santos

    Melhor city tour/guias/passeios -Europa?

    Não sei se ajuda muito, mas vcs podem explorar essas cidades através daqueles ônibus que passam em todos os pontos turísticos, normalmente vc paga uma tarifa e pode usá-lo por dois dias. Uma excelente maneira de conhecer um pouco mais da história das cidades é fazer um passeio guiado chamado walking tour, geralmente, está disponível na maior parte das cidades europeias, muitos são free. É um passeio a pé pelos principais monumentos e pontos de interesse com um guia que vai explicando a história dos lugares, há passeios em inglês e em espanhol na maioria das vezes. Nunca vi em português. Mas, ainda acredito que a melhor maneira mesmo é pesquisar na internet os locais de interesse e ir por conta. Boa sorte e boa viagem!
  5. Maria Cecilia dos Santos

    Sarajevo no Natal

    Estarei em Sarajevo na época do Natal. Alguém já esteve lá nessa mesma época e tem alguma dica pra me dar? Obrigada!
  6. Maria Cecilia dos Santos

    Bulgária

    Muito obrigada pelas informações!
  7. Maria Cecilia dos Santos

    relato Pelas ruas de Edimburgo

    Recentemente visitei Edimburgo, deixo aqui um relato do que vi. Era bem cedo quando chegamos a Edimburgo, descemos do ônibus que liga o aeroporto ao centro da cidade numa rua chamada George Street e foi como se adentrássemos em um cenário de filme. Logo atrás de nós podíamos ver o famoso e imponente Castelo de Edimburgo. Todo de pedra, construído por volta do século 12 em uma encosta, de onde pode ser visto de muitos pontos da cidade. É realmente uma visão impressionante e muito bela. Fiquei imaginando o quão privilegiadas são as pessoas que acordam todos os dias pra ir trabalhar e durante o seu caminho podem apreciar a vista do Castelo. Logo depois me lembrei que quando vira rotina, temos a tendência de nos acostumar as paisagens e não mais admirá-las. Para informações sobre o Castelo acesse http://www.edinburghcastle.gov.uk. A cidade, capital da Escócia, é pequena (cerca de 492.000 habitantes). Portanto, é bastante fácil conhecer os principais pontos de interesse caminhando. Com um bom mapa na mão você chega onde quer. Para chegar do aeroporto ao centro da cidade é simples, você encontrará duas possibilidades, o ônibus chamado Airlinky, que sai da frente do aeroporto e vai para o centro, percorrendo as principais ruas (site: http://lothianbuses.com). Outra opção é o trem que também serve o centro e é de fácil utilização (http://www.edinburghairport.com/transport-links/trams). A primeira coisa que fizemos, foi deixar nossas malas no Hostel e procurar algum lugar pra tomar café da manhã. Seguimos a dica da proprietária do Hostel e fomos comer num lugar chamado Papii, um estabelecimento pequenininho, mas muito aconchegante e com um atendimento excelente. Tive uma ótima primeira impressão das pessoas em Edimburgo lá. A decoração também me chamou a atenção, havia pendurado na parede atrás das mesas janelas antigas e reformadas, formando um grande mural de janelas, achei a ideia incrível. Decidimos experimentar o reforçado café da manhã escocês, composto de ovos, salsicha, tomate, torradas e duas generosas e pecaminosas fatias de bacon. Foi uma ótima decisão, a comida estava muito saborosa e tivemos uma excelente experiência gastronômica. Agora tínhamos energia para caminhar umas boas horas e explorar a cidade. A minha única dúvida é onde realmente começou esse tipo de café da manhã, embora em Edimburgo fosse vendido como café da manhã escocês, você encontra o mesmo prato em diversos lugares da Europa, inclusive em Dublin, com os mesmos itens. Fomos para o centro antigo da cidade, passamos pelo castelo e descemos as ruas antigas e muito bem preservadas, patrimônio da Unesco desde 1.995. No caminho nos deparamos com um escocês a caráter tocando a gaita de fole, típico de áreas com muitos turistas. Poucas vezes ouvi um som tão melancólico e agradável de se ouvir. A parte antiga tem arquitetura medieval, belíssima, é recheada de intrigantes becos, bons restaurantes e prédios antigos que já foram igrejas em determinada época, mas agora servem a outro propósito. Uma delas, conhecida como Tron Kirk, construída em 1.637, deixou de ser utilizada como igreja em 1.952, porém pela arquitetura e importância histórica foi preservada e hoje dentro do prédio funciona um mercado, o Royal Mile Market, com comerciantes da região que vendem, em sua maioria artesanato local e comida. A tarde visitamos o Calton Hill, uma região que fica numa montanha, de onde você pode-se ver toda a cidade. A paisagem é fascinante! Pra quem gosta de Harry Potter é como se você tivesse entrado num dos filmes. No dia seguinte, visitamos o Jardim Botânico (http://www.rbge.org.uk), novamente, encantada com a paisagem. Na volta passamos pela Catedral de St. Mary, com uma arquitetura belíssima, tivemos a sorte de visitá-la durante um ensaio de órgão. A experiência foi ainda mais agradável com a trilha sonora. Há muitas atrações free para visitar na cidade, como a National Gallery (www.nationalgalleries.org), o Scottish National Portrait Gallery (www.nationalgalleries.org/portraitgallery), o Museu da Cidade de Edimburgo (http://www.edinburghmuseums.org.uk/Venues/Museum-of-Edinburgh), entre outros. Há muito o que conhecer, muito o que ver e saborear. No entanto, apenas andar despropositadamente pelas ruas da cidade e observar a arquitetura e os belos jardins já é um belo passeio.
  8. Maria Cecilia dos Santos

    relato Romênia Além do Drácula

    Obrigada! Quando está fresco na memória fica mais fácil relatar os detalhes!
  9. Maria Cecilia dos Santos

    relato Romênia Além do Drácula

    Pois é, tinha pouco tempo pra explorar o local, mas, sem dúvida, valeu a visita!
  10. Maria Cecilia dos Santos

    relato Romênia Além do Drácula

    Tive a oportunidade de visitar a Romênia, mais precisamente a cidade Bucareste, a cerca de dois meses atrás. Infelizmente, só tive três dias para explorar o local, mas como o destino é meio incomum, vou deixar meu relato aqui com algumas impressões sobre o lugar e dicas. Do lado de fora ouvíamos, através de um auto-falante, palavras e cantos entoados em uma língua desconhecida, impossível de entender, agradável aos ouvidos. Do lado de dentro, o cheiro de incenso era forte e marcante, a iluminação vinha de candelabros que pendiam do teto e refletiam sua fraca luz nas decorações pintadas em amarelo ouro nas paredes e da luz natural que passava por aberturas no domo. No centro, homens vestidos com roupas ricamente adornadas, também em amarelo ouro comandavam o ritual. Ao redor algumas pessoas ajoelhadas em posição de penitência e outras em pé, com expressão compenetrada. Os ícones, representações sacras pintadas em painéis de madeira, estavam por toda parte, decorando o local e pareciam observar a cerimônia também. Tratava-se de uma missa na Igreja Ortodoxa considerada a mais antiga de Bucareste, a Church of the Old Princely Court, construída entre 1.558 e 1.591, usada no passado como local para as cerimônias de coroação. E assim, iniciamos nossa visita a Bucareste, a capital da Romênia. Com cerca de 20 milhões de habitantes, vivendo em um território pouco menor que o estado de São Paulo, a Romênia foi originalmente habitada por tribos antigas (os Dácios), após séculos de invasões por vários povos e disputas territoriais, nasceu a Romênia como conhecemos hoje. Depois de passar pela Primeira Guerra, na qual lutou ao lado da Tríplice Entente e da Segunda Guerra Mundial, tornou-se um estado comunista, sob controle militar e econômico da URSS até 1.958, passou amargos anos sob o domínio do ditador Nicolae Ceauscescu, até derrubá-lo em 1.989, iniciando sia transição para a democracia. Parte da União Européia desde 2.007, caminham lentamente rumo a reconstrução da cidade e da vida dos romenos. A capital e cidade mais populosa do país é Bucareste, um lugar curiosamente constratante, de um lado, ruas charmosas com bares e resturantes bonitos e divertidos, prédios antigos com arquiteturas belíssimas e parques verdes e bem cuidados, do outro prédios deteriorados, caindo aos pedaços e calçadas precárias. Tudo isso convivendo, intrigantemente, um ao lado do outro. Só depois de conhecer um pouco da cidade, você é capaz de entender tanto contraste. A fundação da capital está ligada ao Príncipe da Válaquia Vlad III (Vlad Tepes), mais conhecido como Vlad III, o Drácula, mencionada pela primeira vez em 1.459, a fortaleza de Bucareste teria se tornado a residência do príncipe, dando origem a cidade. Diferente do Drácula de Bram Stocker, Vlad Tepes não era um vampiro e sim um governante da região conhecido por sua politica de independência do império Otomano e famoso por sua crueldade e ferocidade. Ouvir relatos de como ele tratava os seus inimigos causa mais arrepios que qualquer vampiro. Ele costumava usar o que chamam de empalamento, atravessava a pessoa com uma lança, do ânus até a boca, tomando o cuidado para não atingir nenhum orgão vital, para que a pobre vítima pudesse agonizar por mais dois ou três dias ainda até morrer. O nome Drácula, em uma tradução livre, significa possuído pelo demônio. Bucareste é uma cidade barata, você consegue se hospedar, visitar os principais pontos de interesse e comer muito bem com pouco. A moeda romena é o Lei ( 1 Euro = 4,5 Lei). O transporte é barato e, aos meus olhos de turista, eficiente, é composto por metro, ônibus e bondes (bem antigos, sempre que via um se aproximando parecia que voltava no tempo). Não tivemos dificuldade para sair do Aeroporto Henri Coanda e chegar ao centro da cidade, há um ônibus logo na saída, de fácil identificação, ao custo de 10 Lei por pessoa. No restante dos dias nos locomovemos a pé ou de metro, a rede metroviária serve os principais pontos da cidade, as estações são bem antigas (inclusive com cheiro de coisa velha), mas os trens são novos e limpos e o preço inacreditavelmente barato, o bilhete com duas viagens saia por 5 Lei (1,13 Euro). Há, ainda, a opção dos táxis, mas depois de pesquisar um pouco e encontrar informações bem ruins a respeito desse meio de transporte, preferimos não arriscar. Toda vez que visitamos algum lugar que nunca estivemos antes, há sempre algumas coisa que nos conecta e nos faz entender por que chegamos até lá. Pode ser uma paisagem, uma música, pessoas, uma comida, as possibilidades são infinitas. Na Romênia a conexão se estabeleceu com a comida. Bem preparada, saborosa e cheirosa, a maior parte dos pratos incluía carnes e vegetais. A comida também é barata e os restaurantes e bares nas ruas antigas do centro são uma atração a parte. Visitamos um dos restaurantes mais famosos e recomendados de Bucareste, o Cara’cu Bere. Fica situado no coração da cidade, foi construído em 1.879. A decoração do interior é incrível, é um dos restaurantes mais bonitos que já visitamos, sem dúvida. Com detalhes em madeira trabalhada, pinturas no teto (como aquelas que vemos em algumas igrejas) e vitrais, cria uma atmosfera de cenário de filme, mais acentuada ainda quando você ouve o som do violino como música de fundo. A comida é deliciosa e a cerveja boa (algumas servidas em canecões de 1 litro), o atendimento é rápido e o preço excelente. Pagamos cerca de 30 Euros por uma refeição completa, incluindo bebida e sobremesa para duas pessoas. Depois dessa experiência fica fácil entender porque é o resataurante mais famoso da cidade. Não deixe de visitá-lo! Outro local interessante, tanto pela comida como pela história é uma hospedaria, situada no centro de Bucareste, construída no século 18 para hospedar viajantes que passavam pela cidade, chamada Hanul Manuc. Hoje restaurada, abriga vários restaurantes. As mesas ficam ao ar livre, o local é bastante agradável e você pode sentar ali e apreciar uma boa cerveja enquanto imagina como era a vida ali há seculos atrás. Há muitos monumentos, construções antigas e museus para se visitar. A cidade é repleta de história e cultura. Um dos prédios mais vistados, também localizado no centro, é a pequena Stavropoleos Church, construída em 1.724. O interior e o exterior são decorados com figuras representativas inspiradas em temas bíblicos. Ao lado há um pátio onde estão expostas peças antigas encontradas durante restaurações. No site oficial você pode encontrar fotos antigas e fazer um tour virtual (http://www.stavropoleos.ro/). A entrada é gratuita. Outro prédio muito famoso e que não podíamos deixar de conhecer é o famigerado Prédio do Parlamento, o maior edifício administrativo do mundo é fonte de muita controvérsia para o povo romeno. Situado no final de uma bela avenida com muito verde e chafarizes por todo o canteiro central, o prédio teve sua construção iniciada em julho de 1.984, durante o governo do ditador Nicolae Ceauscescu. Na obra foram utilizados toneladas de mármore, madeiras nobres como carvalho e cristal, foram instaladas cortinas de veludo com bordados em prata e ouro, enquanto o povo passava todas as privações possíveis (frio, fome, falta de moradia etc) infringidas pelo regime comunista. Hoje, livre do governo opressor que afundou o país, eles tentam se recompor. Por toda a cidade é possível ver obras de reconstrução que lentamente vão trazendo de volta ao povo tudo aquilo que lhes foi tirado durante os anos que estiveram sob o regime comunista. Numa das praças do centro, próximo a universidade e aos locais onde foram travadas as batalhas pela democracia, há um monumento escrito KM 0, zona livre do neocomunismo, simbolizando o fim do regime e o renascimento do país. Cheguei a Romênia, como qualquer turista, procurando histórias sobre o Drácula e coisas do gênero, encontrei muito mais que isso. Conheci um país com uma história cultural e política riquíssima, com um povo forte e que tem muito o que nos ensinar. Aqui está apenas uma amostra do que se pode ver e conhecer em terras romenas, ainda há muito mais o que explorar.
  11. Maria Cecilia dos Santos

    Bulgária

    Olá! Em novembro passarei 14 dias na Bulgária e estou montando um roteiro para conhecer um pouco do país, chego por Sofia. Alguém já visitou? Qual cidades recomendam visita? Obrigada!
  12. Eu e meu marido vamos fazer uma viagem para a Ásia, partindo de Dublin (Irlanda) e passando pela Tailândia, Vietnam, Laos e Camboja. Gostaria de saber se alguém já contratou e utilizou os serviços de alguma companhia e recomenda. Obrigada!
×