Ir para conteúdo

Josié Paulo Lourenzetti

Membros
  • Total de itens

    2
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre Josié Paulo Lourenzetti

  • Data de Nascimento 19-05-1984
  1. Olá Pessoal, vou relatar minha aventura, dessa vez fomos para o Pico Paraná (PP). Situado entre os municípios de Antonina/PR e Campina Grande do Sul/PR, o PP é a montanha mais alta do sul do Brasil, são 1877 metros. O acesso se dá pelas margens da BR 116, em sentido a São Paulo ao passar pelo posto de combustível Tio Doca nas proximidades do km 47 terá uma ponte sob o rio Tucum na cabeceira desta ponte tem uma rua de terra que após 6 km chegará à base/estacionamento. Onde terá toda estrutura de apoio ao aventureiro, mais info consulte http://fazendapicoparana.altamontanha.com Chegado o dia da aventura 11 e 12/07/2015, partimos de Joinville/SC eu e o João. Por volta das 4h45min já estávamos na estrada, o tempo estava chuvoso, mas, a previsão para Campina Grande do Sul, era tempo estável. Fizemos uma rápida parada em um posto de gasolina na BR 116 quando o Boka que vinha de Curitiba/PR avisou que perdeu a hora, iria se atrasar. Seguimos até a base, às 07h30min chegamos, fizemos nosso cadastro, trocamos algumas ideias com o pessoal que estava por lá e às 08 horas em ponto, partimos para a trilha. Após uns 10 minutos de caminhada, paramos em uma pedra para tirar algumas fotos e esperar o Boka, que não demorou muito a chegar. O tempo estava nublado. Continuamos nossa caminhada pelo Morro do Getúlio aonde chega-se a uma bifurcação, sinalizada, onde é possível ir ao Caratuva ou no nosso caso seguir para o PP. Pausa para um lanche e um papo rápido com outros aventureiros que iriam até o Itapiroca (próxima bifurcação). Continuamos sem nenhuma dificuldade, logo se encontra uma bica d´agua e o início da trilha com raízes expostas. No decorrer da trilha terá mais pontos de água. Era 11h15min quando chegamos a mais uma bifurcação, esta entre o Itapiroca e o PP. Seguimos em direção ao Pico Paraná. Nossa jornada continuava entre as varias paisagens proporcionadas pela natureza, algumas lembravam cenas de filme de terror. Às 12h35min chegamos ao A1, acampamento 1, onde tem alguns pontos para acampar. Aqui o sol resolveu aparecer. Como sabíamos que o A2 não ficava muito distante, continuamos nossa caminhada sem nenhuma dificuldade. Às 13h20min chegamos a um paredão que uns grampos o ajudam a subir, ali, encontramos alguns aventureiros que optaram em não seguir viagem. São vários os pontos onde são encontrados grampos, cordas e correntes para ajudar na subida. Chegamos ao A2 às 14 horas, montamos o acampamento e fizemos um lanche. Aqui tem uma casa de pedra, que nas proximidades tem água. Não chegamos pegar água aqui, pois, trouxemos de um ponto anterior. Como tínhamos muito tempo de luz do dia, optamos por atacar o cume, porém, no período em que estávamos comendo o tempo começou a mudar e o cume já estava todo coberto. Então decidimos ficar por aí e descansar. Daí em diante o tempo ficou ruim, ventou muito, praticamente até o amanhecer. A noite choveu em alguns momentos e o vento continuava a balançar nossas barracas. Pela manhã fizemos um belo café e o sol voltou a brilhar com toda sua beleza. Partimos para o cume às 7 horas. Do nosso acampamento até o cume foi o trajeto que comecei a sentir dores no joelho esquerdo, contudo, depois de mais grampos chegamos. A vista do cume é fantástica, vale a pena todo esforço. Fizemos em 1 hora. Lá em cima tem uma caixinha em que os aventureiros deixam seus recados. O vento estava bem forte o que mostrava que o sol não ficaria por muito tempo. Após algumas fotos começamos a voltar. Após uns 15 minutos da decida do cume até nosso acampamento o tempo mudou novamente, ficou nublado. O João e o Boka apresaram os passos para começar a ajeitar nossas tralhas eu e minha dor estávamos indo em ritmo mais lento. Ao chegar arrumei minhas coisas e pegamos a trilha de volta. Às 9h40min já estávamos caminhando rumo à base, fizemos algumas paradas no decorrer, para lanchar e para eu respirar fundo, apesar dos analgésicos que tomei a dor parecia só aumentar. A chuva começou a marcar presença, quando o relógio marcou 16 horas chegamos à base. Partimos até o posto de combustível mais próximo para lanchar. Eu e o João pegamos a estrada de volta a Joinville/SC e o Boka a Curitiba/PR. Até a próxima!
  2. Olá Pessoal este está sendo meu primeiro relato, espero que gostem da leitura e que de alguma maneira os ajudem. Em outubro de 2014 tive a oportunidade de fazer a trilha do Monte Crista, localizada no município de Garuva em Santa Catarina, são aproximadamente 960 metros acima do nível do mar. A entrada para a trilha se dá nas proximidades da BR 101 próximo a Balança já em Garuva. Na entrada tem um totem, que auxilia muito na localização. Após uns 2,5 Km chega-se ao início propriamente dito da trilha. Em 2014 quando fiz a trilha não a documentei, contudo, conversando com outros colegas aventureiros surgiu a ideia de refazer a trilha neste ano. Nos dias 22 e 23/08/2015 fizemos a trilha em cinco pessoas. Às 06h o João passou na minha casa e fomos abastecer o carro, passamos na casa de mais um colega o Gian e seguimos até a base/estacionamento. Logo após nossa chegada às 07h outros aventureiros vinham marcando presença, um grupo de seis pessoas que logo pegaram a trilha e que mais tarde passaríamos deles no decorrer do trajeto. Pouco tempo depois chegaram nossos outros parceiros o Boka e o Marcelo que vieram de Curitiba/PR para fazer a trilha conosco. No estacionamento/base onde paga-se uma taxa de R$15,00 por carro e R$3,00 por pessoa, todos devem preencher uma ficha, e então estão liberados para a trilha. Enquanto fazíamos os tramites chegou mais um grupo vindo do Paraná, eram quinze pessoas, que saíram depois de nós. Após uma atrasada do Boka e do Marcelo começamos a trilha às 07h50min. A aventura começa com uma ponte pênsil que balança um pouco. E após uns 10 minutos de caminhada chega-se ao rio, onde se tem que atravessar, não tivemos dificuldades, pois, o nível da água estava bem baixo. Não é necessário pegar água aqui, existem vários pontos no decorrer da trilha. Após 01h50min, sem nenhuma complicação, estávamos na clareira, uma área aberta onde paramos para fazer um lanche. Nessa área é possível visitar a cachoeira Véu de Noiva à direita da trilha uma descida brusca de 5 minutos. Após 20 minutos voltamos à trilha, onde em algumas partes se encontram as escadarias. As 11h15min havíamos chegado a um mirante, que é na verdade uma grande pedra, e para subir temos o auxilio de alguns grampos. Fizemos mais uma pausa e logo seguimos. Às 12h20min chegamos num local de acampamento onde já era possível ver o Guardião do Crista (formação rochosa), a direita pega-se a trilha que leva até o cume e ao Guardião e a esquerda a trilha continua para mais pontos de acampamento e também a cachoeira que visitamos no dia seguinte. Pegamos a trilha da esquerda e fomos montar nosso acampamento. Exatamente as 13h estávamos onde passaríamos a noite, montamos tudo, nos abastecemos e fomos até o cume. Chegando ao cume apreciamos as belas paisagens proporcionadas e logo após chegaram o grupo de seis pessoas que citei no começo, batemos um papo seguido de muitas risadas. Descemos até um ponto de coleta de água e voltamos ao nosso acampamento. Batemos um papo, jantamos e todos foram descansar. Durante a madrugada teve um pouco de vento. No dia seguinte acordamos com um belo sol (que não durou muito), após um café, seguimos até a Cabeluda, uma cachoeira que tem uma bela piscina natural. Ninguém se arriscou a tomar um banho, a água estava gelada e o sol já tinha se escondido, o tempo nos previa chuva. Saímos as 07h do acampamento e chegamos após 40 minutos na cachoeira, encontramos o grupo de 15 pessoas que estavam acampados a uns 20 minutos do nosso acampamento. As 09h25min já estávamos de volta e prontos para fazer nosso trajeto de volta a base, passaram por nós um grupo de 4 pessoas, fizemos uma parada na clareira para repor as energias e continuamos a descida, quando eram 12h30min estávamos de volta à base, e nesse momento deu início uma chuva leve. Nos despedimos do Boka e do Marcelo que voltariam a Curitiba/PR, eu, João e Gian, voltamos a Joinville/SC a tempo de ver o JEC ganhar de virada do Fluminense por 2x1.
×
×
  • Criar Novo...