Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Mouramleo

Membros
  • Total de itens

    24
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre Mouramleo

  • Data de Nascimento 28-06-1989

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Chicago, Nova York, Saint Louis, Los Angeles, Las Vegas, São Francisco,
    Buenos Aires, Montevidéu, Punta Del Este, Cusco, Aguas Calientes, Copacabana,
    La Paz, Ayuni, San Pedro de Atacama, Santiago, Val Paraiso.
  • Próximo Destino
    Tailândia , Camboja
  • Meus Relatos de viagem
    https://www.facebook.com/LeoMoody
  • Ocupação
    Trader
  1. Mouramleo

    Tailândia e Camboja - (fev 2017) - O que acham?

    Olá Guilherme Obrigado pela dica, vou levar em consideração. De fato, logisticamente falando, é muito melhor viajar para ayutthaya e de lá partir para Chiang Mai. Você citou os tuk tuks e pintou uma duvida.. Como faço pra ir do aeroporto de Siem Riep até o meu hotel? Tuk tuk, taxi? è seguro? Valeu!
  2. Mouramleo

    Tailândia e Camboja - (fev 2017) - O que acham?

    Valeu Guilherme, obrigado pela dica! É, pensando bem , não dá pra abraçar todos os destinos com apenas 20 dias, se não você não aproveita com maior profundidade o melhor de cada local Levei os seus comentários e o de outras pessoas em consideração, e reformulei meu roteiro. Koh tao infelizmente fica pra próxima. Vai apenas me dar maior incentivo para um dia retornar à Tailandia. Ficou assim então: 01/ 02 - chega em Bangkok de tarde (dia perdido para o descanso) 02/02 - Bangkok 03/02- bate e volta em ayutthaya 04/02 - Bangkok 05/02 - Bangkok / Chian Mai 06/02 - Chiang Mai 07/ 02 - bate e volta em Chiang Rai 08/02 - Chiang Mai 09/02 - chiang Mai - voo pra Krabi 10/02 - Krabi 11/02 - Krabi 12/02 - krabi 13/02 - krabi - balsa para Ko phi phi 14/02 - koh phi phi 15/02 - koh phi phi 16/02 - koh phi phi 17/02 - koh phi phi- Krabi - Vôo para Siem Riep 18/02 - Siem Riep 19/02 - Siem Riep 20/02 - Siem Riep e voo para Bangkok 21/02 - Bangkok 22/02 - retorno pro Brasil
  3. Mouramleo

    Tailândia e Camboja - (fev 2017) - O que acham?

    Olá pessoal, tudo bem? Estou montando o meu roteiro de viagem pela Tailandia e o Camboja, irei chegar em Bangkok no dia 01/02. Terei 20 dias completos para conhecer a Tailandia, e talvez tentar incluir a Camboja no meio. Abaixo minha ideia de roteiro. Seria extremamente importante ouvir a opinião de vcs e sugestões. Grato 01/ 02 - chega em Bangkok de tarde (dia perdido para o descanso) 02/02 - Bangkok 03/02- bate e volta em ayutthaya 04/02 - Bangkok 05/02 - Bangkok - voo para Siem Reap 06/02 - Siem Reap 07/ 02 - Siem Reap ( voo para Bangkok - Chiang Mai) 08/02 - Chiang Mai 09/02 - bate e volta em Chiang Rai 10/02 - chiang Rai - voo pra Krabi 11/02 - Krabi 12/02 - krabi 13/02 - krabi - balsa para Ko phi phi 14/02 - koh phi phi 15/02 - koh phi phi 16/02 - koh phi phi 17/02 - koh phi phi (transporte para Koh tao - dia perdido) 18/02 - ko tao 19/02 - ko tao 20/02 - ko tao - balsa e voo para Bangkok 21/02 - Bangkok 22/02 - retorno pro Brasil
  4. 3º Capitulo – O incrível caminho hasta Aguas Calientes Acordamos cedinho no dia seguinte (6:30 am). O ônibus que nos levaria da estação de Poroy até a estação de trem de Pachar sairia as 8 da manhã. Arrumamos nossas malas e deixamos os mochilões em um quarto reservado para mochilões dentro do próprio Hostel. Deixamos na nossa mochila de ataque roupas e materiais que iriamos usar durante esse período de dois dias que iriamos passar em Aguas callientes. Dica: A maioria dos Hostels tem quarto para guardar os seus mochilões. Como Aguas Calientes é só um pit stop meio q obrigatório para conhecer Machu Picchu, você acaba tendo que retornar para Cusco. Então nada que mais cômodo levar só o essencial na mochila de ataque e deixar todo o restante dos seus pertencentes guardado. Tomamos café da manhã (bem simples até, eles oferecem alguns cereais, chá de coca, um suco que achei bem ruim, geleia, manteiga e pão) e pedimos para o Hostel solicitar um taxi de confiança para levar a gente até a estação de Poroy. O taxi saiu por 30 soles, esse é o preço padrão que devem te cobrar para chegar até a estação (que fica a uns 30 minutos de Cusco). Para nossa felicidade, ao saímos do Hostel, percebemos que o tempo estava maravilhosamente lindo! Claro e ensolarado *-*. Maravilha, pegar um dia tão lindo assim em plena temporada de chuvas, só poderia ter sido mesmo muita sorte e um presente divino dos deuses incas Já dentro do taxi, percebemos algo não muito legal e que infelizmente acabaria sendo bem rotineiro ao longo da nossa viagem. É impressionando como todos os motoristas (de ônibus inclusive) adoram fazer ultrapassagens na rodovia e em plena contramão. . No taxi vc pode até reclamar, mas no ônibus, aí não tem muito jeito filhão, o jeito é rezar para todos os santos que vc conhece, entregar nas mãos de Deus e nunca contar para sua mãe as barbaridades que vc passou e que colocaram sua vida em risco. Chegamos na estação vivos, (grazadels) e pegamos o busão que nos levaria até Pachar. Sinceramente falando, não sei como é o circuito normal de trem de Poroy até Pachar, mas devo dizer que as paisagens que passamos indo de ônibus foram sensacionais. Já no meio da estrada, começamos a ver de longe gigantescas montanhas e cumes, que estavam cobertas de neves. Simplesmente incrível!!! Ver neve, em pleno verão peruano, por essa nem eu esperava.. Era fotos atrás de fotos. O ônibus passou por uma serra cheia de curva, e a cada curva que ele fazia era uma paisagem mais linda que a outra que aparecia no horizonte. Simplesmente lindo! Taí algumas fotos para vocês conferirem. Chegamos na estação de Poroy por volta das 9:30 da manhã. Já havia esquentado, portanto nem precisávamos mais usar nossas blusas. (De manhã, no mês de janeiro, costuma fazer um friozinho de até um 12- 15 graus, mas de tarde esquenta, a ponto de chegar até uns 27C se você for sortudo e pegar um dia incrível como foi este. Apenas para vocês entenderem, a Perurail oferece três tipos de trem, o tempo de viagem é o mesmo, mas o que diferencia são os padrões de mordomia. O Expedition é a versão mais básica, tem umas janelas menores e oferecem um snack e uma bebida. O Vista Dome seria a versão media, os vidros nos tetos e nas laterais são maiores, e um lanche mais sofisticado é oferecido (entende-se por bebida, um mix de nuts, um pastel regional e uma sobremesa) e o Horam Bingham 11, a versão luxuosa, cuja passagem custa incríveis 400 usd. Esse não me perguntem como é. Não tive cacife para bancar. Kkk. Um dia qdo eu estiver milionário, quem sabe. Conforme comentei no post anterior, comprei para a ida o ingresso do Vista dome (já que iria fazer o trajeto na parte da manhã, queria usufruir o máximo possível da paisagem) e para voltar, comprei o Expedition. A diferença de um para o outro foi de 10 dólares. Acho que vale super a pena você comprar pelo menos um dos trechos o Vista Dome. Principalmente se sua ida ou retorno for no período da manhã. A paisagem é simplesmente incrível! O trajeto inteiro é feito em paralelo ao Rio Urubamba, com as montanhas e cumes do Vale Sagrado de plano de fundo. Torça para você sentar do lado esquerdo do trem (na ida) ou do lado direito na volta, pois são nessas posições que você terá uma visão melhor da paisagem. Você não pode reservar lugares, eles lhe informam onde você irá sentar assim que pegar os seus ingressos, por tanto é na sorte mesmo! Compramos os ingressos no site da Perurail em outubro, pagamos tudo no cartão de crédito mesmo. Para a nossa sorte, pegamos o lado esquerdo do trem! A partir daí, é só curtir a viagem e apreciar a incrível paisagem ao longo de duas horas. No meio do caminho, podemos ver alguns grupos pequenos de mochileiros fazendo o trajeto a pé e pequenos acampamentos.. Abaixo algumas fotos para vocês terem uma ideia melhor do que estou falando Por incrível que pareça, só tivemos um pequeno contratempo com essa viagem. Que jamais esperaríamos que iriamos ter. rsrs. Estava sol de mais!! E como o teto é basicamente de vidro. Fomos o caminho inteiro com o sol na nossa cara. Rsrs Mas para que reclamar né? Antes isso do que chuva. Passe um protetor solar, use seus óculos de sol, use uma roupa confortável e bora aproveitar a viagem! Chegamos em Aguas Callientes por volta do meio dia. A cidade é bem pequena e simples. Porem ,logo ao chegar, vc vai se sentir meio perdido, pois a estação de trem está fixada bem em uma galeria de artesanatos locais e mercadoria. Para você chegar até a praça principal e as áreas dos hostéis você obrigatoriamente irá passar por essas barraquinhas. O Hostel que deixamos reservado, foi o ElTambo Machu Picchu, esse hostel acabei reservando no Booking.com. Sem referências, acabei indo na sorte mesmo. Olhei os comentários no site, vi as pessoas elogiando, e solicitei reserva em Outubro. Próximo da viagem, recebi um e-mail do próprio hotel, pedindo informação dos horários que estaríamos chegando, pois iriam mandar uma pessoa para nos buscar e nos conduzir até o hostel. Perfeito! Por essa não esperava, super curti a pró-atividade do hostel. Chegando lá já havia uma mocinha simpática nos esperando. Em 5 minutinhos de caminhada já estávamos no hostel. Pegamos uma suíte para os dois (cama de casal) . Tudo muito simples, mas bem confortável e limpo. O hostel fica bem próximo a pracinha principal. Nada muito complicado. Na cidade em si, não há muita coisa para fazer. Ela é cortada pelo rio Urubamba , suas construções e casa são super-simples. Entretanto a achei bem aconchegante e claro, repleta de pessoas do mundo inteiro. Deixamos nossas coisas no Hostel, fomos almoçar, passear pela cidade e tirar algumas fotos. Pegamos um restaurante que fica de frente para a linha do trem e (a maioria dos restaurantes permitem acesso ao wifi ). O sol estava cada vez mais forte, ficamos na área externa do restaurante, curtindo uma brisa e ouvindo um grupo peruano que estava tocando músicas típicas. Ambiente bem agradável Entrada, almoço e sobremesa por 20 soles, mais uma garrafinha de refri e a conta deu uns 25 soles Lá eu experimentei pela primeira vez a carne de alpaca, e a Papa a la huancaína. Uma espécie de batata cozida, com ovo, azeitona preta e um molhinho amarelo que até hoje não faço ideia do que seja.ahaha Confesso que me arrisquei, comendo logo de cara dois tipos de pratos ao qual meu estomago nunca havida sequer cogitado digerir. Lembrei dessa ”burrada” assim que pedi a comida. Mas resolvi encará-la mesmo assim. O jeito era comer, se eu não gostar, descartar e rezar para que eu não tivesse um revertério depois. Graças a Deus não deu nada errado, a comida estava boa e felizmente meu estomago aceitou de boa. Tiramos algumas fotos, compramos bolacha, maças e agua para levarmos ao parque no dia seguinte . Gastamos uns 15 soles cada. (levem comida e bebida para o parque, vc não vai querer gastar dinheiro com alimentação lá, é extremamente caro!!) . Por fim, fomos comprar os ingressos para o micro-ônibus que nos levaria no dia seguinte para Machu Picchu. Lendo os relatos, não me surpreendi com o preço do transporte. Sim! Realmente é caro! 12 usd para ir e 12usd para voltar. Vc tem a opção de evitar esse custo e ir a pé, mas sinceramente falando, não acho que necessariamente irá valer a pena. O trecho é muito íngreme, cansativo, e a caminhada irá levar no mínimo umas 2 horas a 3 horas. Considerando que o parque abre as 6 da manhã e já lota logo cedo, vc teria que acordar umas 3 horas da manhã só para iniciar a caminhada até o parque. Muito trabalho, muito frio, e muito cansaço para algo que talvez não valerá a pena. Te deixará extremamente cansado e você poderá nem conseguir aproveitar o parque qdo chegar. Ngm que conheci foi a pé, e praticamente todo o público que acessa o parque chega de micro-ônibus. Única empresa do governo a fazer esse trajeto, grande procura. Taí. a explicação dos preços altos. Caso queira dar uma economizada, vc pode comprar só a ida e voltar a pé. Mas se prepara, que o trecho é bem comprido. Vale mais a pena se planejar, sabendo que o ingresso da lotação é caro, e contar com esse custo adicional no budget da sua viagem. Ingressos comprados. Voltamos aos hostel e demos uma cochilada De noite encontramos a Bruna e o Tiago, eles optaram por fazer o Tour do Valle Sagrado e pegar o trem de tarde a partir da estação de Ollantaytambo (vilarejo que fica entre Cuzco e Aguas Calientes). Essa também é uma ótima opção para quem quer economizar tempo. Na parte da manhã vc faz o tour do Vale sagrado com alguma empresa de turismo que você contrata em Cusco e quando chegar a Ollantaytambo, você solicita ao seu guia que lhe indique a estação de trem e zarpa rumo a Aguas Calientes. Essa opção tb é muito adotada por muitos mochileiros. Escolhemos um dos vários barzinhos que tem na cidade, jantamos, pedimos um ceviche cada (28 soles) afinal, em algum momento teríamos que experimentar o famoso cevichi peruano. Fizemos um Happy Hour, com direito a Cusquena e Pisco Sour. A conta saiu uns 40 soles. Lá comprovamos o quanto a Bruna e o Tiago são extremamente engraçados, eles estavam fazendo o caminho contrário da gente, partiram de Santiago e estavam indo rumo a Lima. Portanto já estavam no fim de sua viagem. Para eles, Machu Picchu seria a cereja do bolo da jornada deles. Nos deram muitas dicas e histórias do que estava por vir, criando ainda mais boas expectativas na nossa viagem. Ficamos no bebendo até umas 22h, por ser um vilarejo bem movimentado e com muitos jovens. A vida noturna não é seu forte. As 22h já estava tudo fechado e as pessoas acolhidas em seus hostéis. (E olha que era uma sexta feira). Vai ver pelo simples motivo de todos ali estarem exaustos, seja pq acordaram cedo para visitar o parque, seja pq fizeram horas e horas de trilha, ou seja, por terem que madrugar no dia seguinte, como nós. Fizemos o mesmo, fomos dormir, pois no dia seguinte acordaríamos as 5:30. Seria finalmente, um dos dias mais aguardados da viagem... Gatos do dia: 30 soles taxi para Poroy 25 soles almoço 15 soles - agua , bolacha e fruta 40 soles - jantar e bebida 24 Usd - transporte ida e volta para MPicchu USD 56,35
  5. Fala fabio! Me desculpa pela demora. Sua viagem já tá chegando, queria ter ajudado mais.. desculpa. Aproveite bastante!!! Quanto a toalha, se ainda ajuda.. Não, o mais normal é os hostels não oferecerem toalha Unico Hostel que fiquei e que ofereceu toalha confortável, foi o Milhouse, em Cusco, que citei agora no meu ultimo relato... O resto, tudo usando o de Microfibra mesmo. =/
  6. Valeu Rodrigo!!! Achei que minha postagem não havia sido publica, agora que sei q tá vivo ainda, vou voltar com tudo.Espero que sejam tão esclarecedores quanto foi o seu! Valeu!
  7. Oi Ramon, Cara, fiz uma planilhinha com os custos em excel pelos passeios que eu passei. Se ajudar, posso encaminhar por e-mail, manda no particular q eu envio.
  8. Capítulo 2 - Mendigando no Aeroporto + Conhecendo Cusco O voo de GRU para o aeroporto de Lima, foi bem tranquilo. Saiu as 20:30 da noite e chegamos as 22:30 hora local. (São 5 horas de viagem e estávamos à 3 horas de atraso devido o fuso horário). Passamos tranquilamente pela Alfandega. O fiscal carimbou nosso passaporte e nos devolveu um papel de controle de entrada (Gente, sério, não percam esse papel de jeito nenhum, vocês terão que devolver à alfandega quando saírem do país). Nos próximos relatos vocês irão descobrir um BO gigantesco que aconteceu com o Lucas, mochileiro que acabei encontrando na viagem por acaso e que também iniciou um ótimo relato aqui no site. (chile-bolivia-e-peru-27-dias-de-aventura-por-us-1800-dolares-jan-2016-t127474.html) Já no saguão fomos informados de que deveríamos pegar nossa bagagem, sair da área de embarque e realizar um novo checking, dessa vez como voo doméstico, para Cusco. Nossas mochilas foram as últimas a serem entregues, levamos um susto. Como mochilão é tratado como bagagem frágil, eles acabam sendo os últimos a serem embarcados e entregues. (Portanto não se preocupem se demorarem um pouco para devolverem a sua mala, é normal demorar). Como chegamos as 22:30h , e nosso voo só sairia as 5 da manhã, nossa ideia seria fazer o checking o mais rápido possível, entrar no saguão de embarque e acampar lá. Deitar nas poltronas do saguão e tentar dar uma bela dormida. Pois não queríamos chegar tão cansados em Cusco. Pois bem, não deu certo, ahahah. Essas viagens são sensacionais, vc mal aperta o botão start, e já começam os primeiros perrengues. Fizemos o checkin o mais rápido possível, mas para nossa surpresa, a moça do checking nos informou que não poderíamos acessar o saguão de espera antes das 2 horas da manhã. =0. Os portões de acesso e o saguão ao longo da noite é destinado somente para voos internacionais. Os registro e controle de passageiros dos voos nacionais iriam iniciar somente a partir das 2 da manha. =/ Ou seja, teríamos que ficar ali, no meio do saguão comum do aeroporto, e esperar por mais três horas até poder encontrar uma poltrona e descansar. Só havia balcões de check-in, restaurantes e só. Nenhum lugar confortável para deitar. =/. Eu e meu primo então decidimos fazer uma horinha no restaurante, bebemos uma água, fomos ver alguns peruanos se despedirem dos familiares na porta do portão de embarque internacional (gente é impressionante como eles realmente levam a família inteira para se despedir. kkk) e ficamos ali, sem saber o que fazer. Esperando o tempo passar.. Passamos então por um corredor que carinhosamente apelidamos de cantinho dos mendigos... assim como nós, tinham várias pessoas aguardando o acesso aos embarques nacionais. Sem banco ou lugar confortável para aguardar, as pessoas simplesmente deitavam no chão. =O Que que eu e meu primo decidimos fazer? Se juntar a eles claro! Bora colocar as coisas no chão, ajeitar a mochila e tentar tirar um cochilinho até autorizar a gente a entrar. Passamos umas duas horas lá. Confesso que já estava tão cansado, que arrisquei dar até umas cochiladas Deu duas horas, fomos correndo para o acesso aos portões de embarque, aeroporto quase vazio, tiazinha da faxina limpando chão, staff sendo trocado... Fomos os primeiros a chegar, tiazinha reclamou que ainda estava fechado, mas de tanto chorarmos, eles cederam e deixaram a gente entrar. Passamos pelo raio x, apresentamos passaporte, fomos direto para nosso portão. Sala de espera vazia, cheia de bancos livres. Sucesso!!! Não pensei duas vezes, coloquei meu celular para carregar e despertar umas 4:20, deitei, me cobri com a jaqueta, usei uma máscara de olho que peguei no avião e... Capotei!!! Rsrs Fui acordado minutos antes do despertador pelo meu primo, realmente, me surpreendi com o fato de ter conseguido tirar um cochilo gostoso. (Meu primo tb dormiu). Antes de nos preparamos para o embarque, passamos no guichê da PeruRail para retirarmos nossos ingressos (para quem não sabe, Perurail é a empresa que faz o transporte de trem de Poroy até Aguas Calientes). Nós compramos os ingressos com antecedência, (bem carinho, na verdade se não me engano esse é um dos trechos de trem mais caros do mundo. Pagamos um total de USD168,00 ida e volta ). Você pode retirar os tickets no aeroporto, eles dão essa opção. Como não queríamos perder tempo, pegamos lá mesmo. Um detalhe adverso que aconteceu com a gente, e confesso que me deixou um pouco preocupado… É importante saber que de Dezembro a Abril, é época de chuvas na região do Vale Sagrado. Costuma chover bastante, e algumas pessoas sugerem evitar viajar nesse período devido as más condições climáticas (ouvi relatos de que a vezes os parques arqueológicos chegam até a fechar) O trecho de trem para qual compramos ia de Poroy, (cidade mais próxima de Cuzco) até Aguas Calientes (povoado mais próxima de Machu Picchu). Entretanto, para eles se planejarem para a época de chuvas, a empresa decidiu que os trens não iriam partir mais de Poroy, mas sim de Pachar, um vilarejo a mais de 50 km de Cusco. (Por que os trens não fariam mais esse trecho? Não me perguntem... como iriamos fazer para chegar em Pachar? Se vira!!! ãã2::'> Ahahah. ... Não mentira, se fosse isso, a Peru Rail iria enfrentar a irá dos milhares de viajantes aos quais ela transporta. A empresa então ofereceu um translado de ônibus que iria de Poroy até Pachar, e de lá faríamos a transferência para o trem. No início fiquei chateado, preocupado com o tempo e com o trecho de trem que iriamos perder. Estava me sentindo lesado. Poxa, a passagem já é cara, cortar 50 km da nossa rota seria um tanto qto sacanagem. Sempre ouvi dizer que o trecho de trem para ir a Machu Picchu era lindo, e vai saber quais tipos de paisagens eu iria perder por conta dessa operação atípica da Peru Rail... Mass não necessariamente isso foi ruim, pelo contrário, no meu próximo relato lhes explico o que aconteceu e como fizemos para chegar até Aguas Calientes. Bem, pegamos os tickets para o translado de ônibus, dos trens, e fomos embarcar para Cusco. O avião estava vazio, para nossa surpresa, eu e o Ale conseguimos pegar 1 fileira de 3 bancos cada. Sucesso! Deitei nas poltronas e tirei mais um cochilinho antes de chegar ao nosso destino. Só acordei no finzinho da viagem (o voo dura cerca de 40 min) a tempo de presenciar umas dessas lindas paisagens da cordilheira peruana. Chegamos em Cusco umas 7 da manhã, o tempo estava um pouco nublado, e um sol tímido queria aparecer (minha maior preocupação, mais uma vez, pelo menos nesses 4 dias de Peru, era com o tempo. Imagina chegar lá em Machu Picchu e eu não conseguir nem enxergar um polegar de distância?). Pegamos nossas mochilas, e logo de cara já apareceu um tiozinho, ainda dentro do aeroporto, querendo nos oferecer serviços turísticos. Já sabia que isso poderia acontecer, e que esses serviços prestados geralmente são mais caros do que os que você encontra na cidade. De qualquer forma, resolvi escutar ele e tirar algumas duvidas sobre nosso trajeto no Peru. Nada do que ele falou foi novidade para mim (viu como é bom acompanhar os relatos?), mas serviu para dar uma passada no roteiro, conferir se os trajetos estavam ok e ouvir alguma opinião de um morador local. Não aceitamos fechar nenhum passeio com ele, mas decidimos fechar um taxi até o Hostel. No aeroporto não presenciei nenhum serviço de taxi, vc já tem que sair na rua e pedir por um. A média de preço é de 20 soles o trajeto até o centro, onde fica a maioria dos hostéis. Ele nos ofereceu por 25. 5 soles mais caro do que costumam cobrar, mas como estava eu e meu primo e dividiríamos esse valor, achei legal aceitar logo de cara e não perder tempo tentando caçar taxi na rua. Pagamos esse dinheiro com os únicos 25 soles que tínhamos trazido do Brasil (uma amiga minha havia me emprestado esse dinheiro) então evitei fazer o câmbio no aeroporto (que costumar ser mais caro). O taxi nos deixou no Milhouse, um Hostel muito bom, e famosinho que tem lá em Cusco. A gente já o conhecia, pq ambos eu e meu primo ficamos hospedados em uma filial do Milhouse em Buenos Aires, como gostamos de lá, achei que poderíamos repetir a dose. O Hostel fica bem próximo da Praza de Armas, a principal região da cidade. Dá pra ir a pé. http://milhousehostel.com/pt/cusco-welcome.html O Milhouse foi o único hostel que havíamos pago com antecedência. A diária de um quarto, para duas pessoas com banheiro próprio era de 41,90 USD (usd 20,95 para cada). Pegamos duas diárias. Uma antes de ir pra Machu Picchu e uma na volta de Aguas Calientes. Total então, saiu 41,90 Usd para cada. Como já estava pago, não precisamos nos preocupar com o dinheiro. (Fechei com a Milhouse em meados de outubro). Chegamos no hostel por volta das 8 da manhã. Geralmente o staff informa que o check in só é permitido a partir das 13horas. Dei umas choradas para eles, falei que estávamos cansados, passamos a noite toda mendigando no aeroporto e que queríamos a consideração deles , fazendo uma exceção para a gente e liberando o quarto o quanto antes. Eles nos prometeram então liberar o quarto umas 10 horas. Disseram que tinham que limpar e tal. Tudo bem. Deitamos em um dos pufes do salão principal e ficamos aguardando... Tirei mais um cochilo... Essas duas horinhas que esperamos não foram necessariamente perdidas, pois começou a chover; =/. Por sorte, o tempo resolveu abrir por volta das 10 horas. =) O quarto e o banheiro do Milhouse são limpos, e o mais importante, foi o único, ao longo de toda a viagem que ofereceu toalha de banho para gente. Chuveiro quentinho e toalha confortável. Aparentemente começamos bem! Deixamos as malas no hostel, nos trocamos e fomos fazer nosso primeiro tour pela cidade. Desde o início, cheguei em Cusco acreditando que esse seria um dia perdido. Primeiro pq estaríamos cansados da noitada mal dormida e outra, pq o passeio para conhecer o Vale Sagrado começa a partir das 8 da manhã. Já não haveria mais tempo para isso. Nossa ideia seria então passear pela cidade, visitar a Praça das Armas, ver as lojinhas locais, trocar dólar, almoçar e de tarde sei lá, talvez poder tirar um cochilo e dormir decentemente. Tiramos algumas fotos na Plaza de Armas. Trocamos dinheiro em umas das casas de câmbio que tem próximo à Praça. (Melhor cotação que encontramos foi 1USd: 3,40 soles) Resolvemos então dar uma passada em umas das várias lojinhas que tem na praça para darmos uma olhada em alguns souvenirs. Chegando lá, escutamos um som familiar... um casal de brasileiros, fazendo compras e pechinchando os preços de umas lhamas folheadas a ouro. Eram a Bruna e o Tiago. Os primeiros, dos vários brasileiros que encontraríamos e faríamos amizade ao longo da viagem. Lá na loja mesmo, perguntamos se eles estavam em Cusco fazia tempo, e se poderiam nos dar algumas dicas. Para nossa surpresa, eles-nos disseram que tinham acabado de chegar, e estavam prestes a conhecer a cidade. Perguntei o que eles iriam fazer de bom e eles nos informaram que tinham acabado de comprar o City Tour para fazer no período de tarde. Eles nos convidaram, e meu primo ficou empolgado com a ideia. Fomos convencidos pela simpatia do casal, e compramos o City Tour com a mesma agencia que eles haviam comprado (A agencia se chama Soncco Tours, e fica no segundo andar de uma das várias lojas que tem na Avenida Sol, uma das principais da cidade) Muitos já explicaram, mas vale a pena ressaltar: Em Cusco, você tem a opção de comprar o Boleto Turístico. É um boleto que o governo peruano fornece e lhe dá acesso a conhecer os vários sítios arqueológicos e museus que tem ao longo do vale Sagrado. Você pode comprar o boleto completo, com validade de 10 dias ao preço de 130 soles (ou o ingresso parcial, que vale apenas para um dia e que custa 70 soles. Os passeios mais conhecidos que você faz com o Boleto Turístico são o City tour, o passeio do Valle Sagrado dos Incas e as ruínas de Moray. Se você quiser fazer apenas um desses passeios, você pode comprar o boleto parcial. Se for fazer dois ou mais, deve comprar o boleto completo Minha ideia a princípio, seria fazer apenas o Vale Sagrado no meu quarto dia de viagem, (após voltarmos de Aguas Calientes), portanto compraríamos o boleto parcial. Por conta dessa decisão de última hora, acabamos comprando o boleto integral. O City Tour começaria por volta das 14 horas, o guia iria nos encontrar em frente à loja e nos levaríamos para o passeio. Teríamos tempo então de almoçarmos, comprarmos uma agua, e nos preparamos para o passeio. Vale lembrar que, além de comprar o boleto, vc tem que contratar o serviço de guia e transporte, é aí que as agencias entram na jogada. Eu achava que pagar apenas pelo boleto era o suficiente (que inocência é a minha) Na Socco Tours o passeio saiu por 15 soles cada (é o preço da região). Nos demos ao luxo de almoçar em um restaurante próximo à praça. Pedimos uma pizza individual e um Inka kola cada. A conta deu uns 22 soles. Pra quem nunca tomou InKa Kola, a Bruna tem uma perfeita descrição do gosto da bebida: "Parece um kit anti ressaca que eu faço, misture Eno, Epocler e Engov que o gosto é o mesmo" As 14 horas nos encontramos com o grupo que iria participar da City Tour, a Bruna e o Tiago já estavam lá. Gente, o City Tour funciona da seguinte maneira: A ideia é conhecer os museus, igrejas e sítios arqueológicos que estão ao redor de Cusco. O passeio começa às 14 e terminas a 18;30. O primeiro trecho é a pé e faz visita ao Sítio de Qorikancha, (templo do Sol Inca), que fica a poucos metros de distância da Praça das Armas. Nele, você paga uma taxa de 10 soles para entrar. Após o templo do Sol, o percurso é feito de ônibus e faz visita aos sítios arqueológicos de Sacsayhuaman, Quenqo, Pucapucara e Tambomchay. Não vou explicar em detalhes como funciona a dinâmica desses passeios e seus fundamento históricos, caso contrário acabaria com a graça e a surpresa de vocês. O que posso adiantar, é que basicamente vocês irão escutar várias histórias de que o povo inca era rico, cheio de ouro, prata, alimento, mulher... Vieram os espanhóis (malditos espanhóis) e levaram tudo. Os incas também gostavam muito de sacrifícios, se eles estavam felizes, sacrificavam alguém, chateados, sacrificavam alguém, se fazia sol, sacrificava alguém, se fazia chuva...bom vocês já sabem. rsr Por isso ao longo do passeio e de todo o Vale Sagrado, você irá encontrar vários templos religiosos e salas voltadas a sacrifícios e oferendas. Bem no finzinho do passeio, o tempo fechou, e começou a chover. Fomos obrigados a comprar uma capa de chuva por 5 soles e andar pelas ruinas de Tambomachay parecendo Teletubbies. Abaixo algumas fotos do nosso dia. , Brincadeiras à parte, de maneira geral, até que acabei gostando do passeio. Estava com baixas expectativas, o city tour serviu para nos dar um gostinho do quanto a cultura inca é rica, cheia de história e curiosidades. Aquilo era apenas um aperitivo do que nos esperava pelos próximos dias. Conhecemos melhor a Bruna e o Tiago (descobrimos que eles são divertidíssimos e que iriam para Aguas Calientes no mesmo dia que a gente) Já anoitecendo em Cusco, a chuva a resolveu pegar de vez. Eu e o Ale decidimos voltar para o Hostel, tomei um belo de um banho, lavei minhas meias, cuecas, sequei elas no secador.(boa ter trazido o secador =) ) Antes de terminar o dia, resolvi já deixar comprado a passagem de Ônibus que nos levaria para Copacabana e os ingressos para o vale Sagrado de Los incas. Dentro do Hostel há uma agencia de viagem. Decidimos fechar com eles as passagens e o passeio O passeio do Valle sagrado saiu por 30 soles cada. O guia nos vendeu ingresso para companhia de Ônibus Tour Peru, eu queria ir pela Cruz del Sur (muito elogiada aqui nos mochileiros), mas a Cruz del Sur não atravessa fronteira, ela vai somente até Puno. Como não iriamos ficar em Puno, compramos a passagem Cuzco –Copacana direto. Para esse trecho, somente a Tour Peru fazia o trajeto internacional. Passagem saiu por 35 soles cada Por fim, retiramos com a agencia nossos ingressos para Machu Picchu + Huayanapicchu. Tentei de várias formas comprar o ingresso pela internet, no site oficial do governo Peruano. Mas o site só estava vendendo ingressos até final de 2015. Todo dia eu ligava para lá e eles me informavam que abririam a venda para ingressos no dia seguinte. Pois bem, esperei até dia 15 de dezembro e nada! Sabendo da urgência em comprar os ingressos e do número limitado para chegar a Huyunapicchu, não pensei duas vezes. Liguei no Milhouse, pedi ajuda para eles e eles nos falaram que a agência deles poderiam comprar os ingressos para nós. O valor cobrado foi 65 dólares. Pagaríamos em dinheiro, qdo chegássemos no hostel. Sinceramente falando, acho que compensou, não sei o que aconteceu com o site, ou com as vendas para aquele período, mas fiquei sabendo que até meados do fim do ano, não estava sendo possível comprar via online. Mesmo comprando via internet, considerando IOF e a taxa de conversão, o preço seria bem similar ao que iriamos pagar pela agencia. Pelo menos já cheguei em Cusco, sossegado, sabendo que meus ingressos e quase tudo que planejava para os próximos 4 dias de viagem já estavam garantidos. Fomos jantar, estávamos tão cansados, que acabamos ficando na lanchonete do Hostel mesmo, pedimos um lanche e bebemos uma Cusquena cada. (Deu aprox. Uns 20 soles) O ambiente é bem legal, tem um barzinho, restaurante e garçons bem animados. Ficamos um pouquinho lá. Quando eu já estava meio alegre, meu primo resolve curtir aquele momento, primos bêbados, e resolve me fazer uma confissão... Ele estava pegando a minha melhor amiga, ao qual já fui apaixonado por vários anos, mas que acabei entrando na friendzone. =/ ãã2::'> O fdp decidiu me contar só naquela hora né? Bacana né? Não poderia nem tretar com ele, pois teríamos mais 15 dias de viagem juntos pela frente, ahahah Pois bem, isso não vem mais ao caso, esse momento casos de família não vai ser do interesse de vocês, e caso haja alguma curiosidade, estou tentando superar isso até hoje. Ahahaha; ãã2::'> Depois dessa, decidimos dormir, dia cansativo não? Assim como foi esse relato... Ufa! Por hoje é só. Espero que tenham aguentado ler isso tudo até o final. No próximo lhes conto como foi a nossa aventura para chegarmos hasta Aguas Calientes. =) Principais gastos do 1º dia: 60 soles – almoço / jantar/ agua e cerveja/bolachas 15 soles – parte do taxi 13 soles- touca 5 soles – capa de chuva 10 soles- ingresso templo del sol 130 soles – boleto turístico 15 soles – city tour 35 soles – transporte Cusco – Copacabana Total: 283 soles= USD 83,23 Reservado: USD 41,90 – 2 diárias de hostel – quarto duplo com banheiro privado USD 65 dólares – Ingresso Macchu Picchu + Uyunapicchu USD Ingresso Peru Raí – Poroy – Machu Pichu – Vistadome UD 89,00 Ingresso Peru Rail – Macchu Picchu – Poroy – Tem expedition – USD 79,00
  9. Oi Pessoal!!!! Primeiramente, Mil desculpaaasss pelo sumiço!Sério mesmo perdão!!!! Não foi proposital.. Fiz uma burrada tão gigantesca (e prefiro não comentar muito pra não queimar meu filme) kkk. Mas acreditei que meu relato havia sido deletado. Fiquei tão mal, que nem tive coragem de entrar mais nesse forum, ahahah Só fui descobrir que meu relato estava ativo, qdo recebi uma mensagem essa semana no face de alguem que havia lido meu relato. ahahaha. Cheguei aqui, e para minha surpresa, vi que estava não só ativo, mas com vários mochileiros elogiando-o e claro, me cobrando continuação. ahahah Pra retribuir, já fiz o meu segundo capitulo do relato, está quentinho para os senhores. Espero que gostem. Mais uma vez , me desculpem pelo vacilo!
  10. A todos os mochileiros de plantão, Meu nome é Leonardo e resolvi escrever esse relato em retribuição a todos os mochileiros e colegas que me ajudaram com dicas e sugestões para a minha viagem. Os relatos escritos aqui foram ESSENCIAIS para o planejamento do meu primeiro mochilão e para que eu evitasse alguns perrengues ao longo da minha trip. Ao longo do meu mochilão, cheguei até a fazer amizade com pessoas que eu conheci aqui, lendo os relatos dos Mochileiros. Portanto nada mais justo do que chegar a minha hora de ajudar os próximos viajantes com dicas e experiências que vivi ao longo dessa viagem incrível. Vou ser sincero com vocês. A viagem em si, já é meio perrengue. ãã2::'> Rsrs Cá entre nós, atravessar a fronteira de três países por terra, carregar um mochilão cheio de tranqueira nas costas, viajar quilômetros e quilômetros, passar a noite em ônibus, não poder tomar banho direito e usufruir da “bela” infraestrutura da Bolívia e do Peru não é nada fácil. Portanto quanto menos perrengue possível você passar e menos imprevistos houver em sua viagem, melhor. Ou, ou,.. Não quero que você se assuste com o início do meu relato e desista de encarar essa aventura. Rsrs. Pelo contrário, foi uma das viagens mais diferentes e incríveis que já fiz na minha vida! A recompensa é imensurável. Os lugares são lindos, as paisagens são de cair o queixo, vc terá oportunidade de fazer amizades maravilhosas vivenciar um pouco da cultura andina e conhecer a história dos locais, que vai por mim, é muito enriquecedora. Por isso a importância dos relatos, considero FUN-DA-MEN-TAL se planejar bem antes de encarar a jornada, assim vc faz uma viagem mais saudável e longe de armadilhas que nós aqui, tentamos te alertar. Ainda hoje sou da teoria de que quem resolve fazer esse roteiro de mochilão, tem uns parafusos a menos na cabeça. Perfeitamente normal não é. ãã2::'> Tem que ter espirito aventureiro, disposição e uma boa dose de humor para encarar as possíveis dificuldades. Isso se comprova pelas amizades que fiz ao longo da viagem. Só conheci gente doida, com espirito aventureiro e incrivelmente bem-humoradas. Bom, mas vamos ao que interessa: Essa primeira parte do relato, pretendo lhes informar sobre o meu roteiro e a minha organização pré mochilão. Depois pretendo relatar as minhas experiências em cada dia de viagem. Por conta disso, esse primeiro trecho, não conseguirei divulgar muitas imagens, mas juro para vocês, que postarei muitas fotos, elas ficaram incríveis. Espero que sirvam para deixá-los com mais vontade de conhecer todos lugares . =) Pra começar, meu roteiro foge um pouco do trajeto mais comum entre os mochileiros. Ele não é circular. (Geralmente os mochileiros optam por iniciar numa cidade, na maioria em La Paz ou Santa Cruz de la Sierra e termina no mesmo local de chegada). Até porque, durante o meu planejamento de férias, eu nem lia os depoimentos dos mochileiros, resolvi programar minha viagem baseando –se em lugares que eu já havia ouvido falar, fotos e relatos de um ou outro gato-pingado que foram para alguns lugares esporádicos. O planejamento da minha viagem começou 6 meses antes, já em agosto de 2015. Minha ideia foi comprar uma passagem de ida pra Cusco (saída de GRU, 06/01/2016, com escala em Lima) e de volta no dia 22/01( partindo de Santiago para São Paulo.) A princípio eu iria sozinho, mas assim que comprei a passagem, meu primo (mais conhecido como Borracha Mole- depois explico o pq) se interessou pelos países que eu iria conhecer e decidiu ir comigo. O total das passagens ficaram em RS 1545 reais, já com as taxas inclusas. Galera, vale lembrar que eu paguei na época um pouco mais caro pelas passagens, pelo simples motivo do meu aeroporto de partida não ser o mesmo de entrada. Geralmente as passagens costumam ser mais baratas para quem entra e sai da mesma localidade. (Daí a opção de muitos mochileiros de fazerem uma rota circular). Bom, passagens compradas, bora elaborar o roteiro, que na minha opinião, é uma das partes mais divertidas da pré-viagem. Como chegar até Santiago em 16 dias ??? Se vira filhão!!! Aí estaria a graça do negócio. Eu tinha esse período de tempo para percorrer três países, passar pelos lugares que eu gostaria de conhecer e conseguir chegar até a casa de nossa querida amiga Michelle Bachelet (mais conhecida como tia MI). Pois bem, percorrer mais de 3600 quilômetros em 16 dias não é uma tarefa muito fácil, tive que me planejar bem direitinho, pois qualquer contratempo poderia sacrificar dias preciosos da minha viagem. Foi aí então que comecei a ler os relatos, ver quantos dias eu gostaria de passar em cada lugar, dar prioridades para outros e deixar de conhecer alguns que eu não faria tanta questão de conhecer. Foi aí que os relatos foram essenciais para mim. Ajudaram muito a definir a minha rota e viraram guia ao longo da minha jornada Sugiro que leiam por exemplo o relato do Rodrigovix ( bolivia-chile-peru-26-dias-abril-2015-tudo-por-1-600-dolares-t114832-390.html ). Que na minha sincera opinião, é um dos mais completos que li até aqui. O roteiro portanto ficou então assim: Devido à complexidade da viagem, marquei em planilha de Excel onde eu deveria estar em cada dia da viagem. Graças as muitas mandigas, orações pra Paccha Mama, promessas e sacrifícios aos deuses incas... eu consegui mantê-lo ao longo da minha viagem. :'> Algumas dicas para quem tem poucos dias como eu para fazer o mochilão: - Otimizem o máximo possível a viagem de vocês. Conselho de quase todos os mochileiros, deem preferencias para viagens em ônibus noturnos. Além de economizar no tempo, você também economiza na grana, já que você não precisa gastar dinheiro para dormir nos hostels. - Leiam vários relatos, busquem informações, pesquisem sobre os passeios, dê preferencias para lugares que você acha que irá realmente gostar mais, para que depois você não precise se arrepender de ter deixado de conhecer um lugar ou não. -Se planejem com antecedência, mesmo que vc tente fazer tudo certinho, imprevistos podem acontecer. Como bons sul americanos, sabemos que o sistema e a infraestrutura desses países não são perfeitos, vi casos de pessoas que perderam um dia na viagem por conta de greves de trabalhadores locais nas estradas, condições climáticas, etc. "Grazadels" nada disso aconteceu comigo. Abaixo um breve mapa da minha rota : Algumas peculiaridades sobre o meu roteiro: - Diferentemente de muito mochileiros, eu acabei reservando estadias em quase todos os hosteis que eu e meu primo iríamos ficar, pesquisei preços e tipos de quarto de todos eles antes da minha viagem. Como ela era curta, fiquei com medo de perder muito tempo procurando hostels, ficar perdido, ou correr o risco de não achar vaga nos lugares que eu teria achado confortável e de boa qualidade. O único hostel que deixei para procurar na hora, foi em Isla del Sol. Até porque não sabia se dormiria lá ou em Copacabana. Na minha opinião a vantagem de vc já deixar tudo reservado é exatamente o fato de economizar tempo procurando hostels, e o alivio de chegar na cidade já sabendo que você terá um teto para descansar sem correr o risco de dormir debaixo da ponte junto com os mendigos. (Tá, é um exagero, mas o medo de ficar sem lugar para dormir sempre me assustou) .É obrigatória fazer as reservas? Não necessariamente. Li relatos e conheci muitas pessoas durante a viagem que não fizeram reserva de hospedagem em lugar algum. Procuravam hostel na hora e conseguiam um quarto. Até onde eu saiba ngm dormiu na rua. Rsrsr. O bom de fazer isso, é que vc não fica preso a reserva do hostel, vc fica mais livre para definir seus roteiros, se quiser ficar alguns dias a mais em determinada cidade, vc fica e pronto, não precisa ir embora antes pq vc tem uma reserva marcada para o próximo dia na próxima cidade. A maioria dos Hostels permitem cancelar reservas sem pagar multa ou taxa, entretanto você tem que os avisar com até 24 horas de antecedência, mas vai saber né? Dificilmente nesses lugares vc tem internet ou facilidade de ligar. Então nunca é garantido que você consiga desmarcar alguma reserva. -Tirando as reservas dos hostels, aqui no Brasil eu já deixei comprado o ingresso pra Machu Pichu e Huayna Picchu (no meu relato sobre Machu Picchu prometo lhes explicar sobre a saga para conseguir os ingressos), e comprei também as passagens de trem de Cusco para Águas Calientes (ida e volta). Como não iria ter muitos dias de viagem, não pude “me dar o luxo” de fazer a trilha inca até Machu Picchu e perder tempo e dias com as caminhadas. Optei pelo mais confortável e rápido, chegar á cidadezinha de Aguas Callientes de trem, -Como já fui preparado de que alguns perrengues poderiam acontecer ao longo da viagem, optei por ter o melhor conforto possível ao longo da minha trip. Além de escolher a viagem de trem, procurei me hospedar nos hostels mais recomendados pelos mochileiros e peguei quartos duplos (Mesmo sabendo que eu iria pagar um pouco mais caro por isso.) Não que eu seja metido e não dívida quartos com as pessoas, pelo contrário, já fiz várias outras viagens eme dormi em hostels com dormitórios de 6 – 8 pessoas. Por ser um mochilão, queria um pouco mais de privacidade nos poucos momentos que eu passaria nos quartos, jogar minhas meias encardidas pelo chão, espalhar minha mala pelo quarto, enfim, fazer aquela zona bonita, sem se preocupar com os meus pertences e atrapalhar as demais pessoas dos quartos. Eu me conheço, tenho um histórico gigantesco de atrapalhadas, perdas e esquecimentos de materiais pessoais, então quanto menos bagunças envolvidas (só coisas minhas e do meu primo), mais fácil era para eu me organizar e me arrumar depois. Pois vai por mim, uma vez q vc esquece algo em algum lugar, dificilmente você conseguirá voltar para o mesmo lugar para pegá-lo volta. -Como vocês podem ver no mapa, minha viagem começa pelo Peru, passa por Copa, Isla del Sol e La paz logo no início. Algo diferente dos trajetos de muitos mochileiros, que acabam deixando esses destinos por último. Durante a preparação para o meu mochilão, senti muita falta de ler relatos sobre esses trechos, pois a galera acaba relatando o início da viagem delas e por falta de tempo ou algo do gênero acabam não concluindo. E vai por mim, na minha opinião esses destinos são os que mais exigem pesquisa, planejamento e logística. Pois não é fácil chegar até esses lugares e tem várias dicas que você pode pegar para se livrar de possíveis perrengues. -Viagem de San Pedro do Atacam até Santiago: A ideia inicial era comprar uma passagem de avião de Calama para Santiago (seriam apenas duas horas de viagem). Mas só o trecho custava aprox. R$900,00 a mais. Nem f*dendo que eu iria considerar esse valor no meu orçamento. Decidimos ir de busão mesmo, e encaramos a viagem de 22 horas hasta Santiago. (Foi menos pior do que eu esperava, no meu relato do Chile conto mais sobre aventura). Bom roteiro pré-definido, Bora arrumar a mala. Coisas que comprei ou fiz excepcionalmente para essa viagem: Mochila cargueira nord – 70 litros, no site da Centauro. Paguei 289 na época, não achei caro. O problema que eu comprei em outubro, em novembro acabei achando modelos muito melhores por preços tão bons quanto as que eu paguei por conta da Black Friday. Então sim, se sua viagem vai ser marcada lá por dezembro, janeiro, fevereiro, vale apena esperar sim pelo Black Friday para vc comprar pelo menos a mochila. Eu sei q aqui o Black Friday está mais pra Black Fraude, mas no quesito mochila, os preços valiam a pena http://www.centauro.com.br/mochila-cargueira-nord-outdoor-glacier-70-litros-811848.html Bota Impermeável da Timberland. Vocês podem encontrar também no site da Centauro. Aí também vai de gosto da pessoa, bota é essencial para essa viagem, levem uma, se for impermeável muito melhor. Eu comprei da timberland por conta de gosto mesmo, A minha tia que mora nos USA veio para o Brasil e acabou trazendo uma para mim. O dólar está caro, mas a versão que ela comprou para mim é uma melhor que a disponível no Brasil e o preço sairia o mesmo. R$400,00 http://www.centauro.com.br/bota-timberland-masculina-flume-mid-waterproof-777831.html?cor=84&utm_source=google_search&utm_medium=%20[Cal]%20Bota%20-%20Marcas&utm_campaign=Bota%20Timberland&origem=google_kenshoo Doleira da Nord – Esse deixei para comprar no Black Friday e me dei bem, paguei só 20 dilmas =) EXCENCIAL PARA AVIGEM, ainda mais se vc é cabaço igual eu e vive perdendo seus documentos, fiquei com a doleira no meu corpo a viagem toda, e sucesso, não perdi nada =) Na doleira, coloquei dólar, passaporte, seguro viagem, comprovante de imigração (falaremos sobre isso mais tarde, e um caso muito, mas muito curioso que aconteceu conosco) e carteira internacional de vacinação de febre amarela Injeção para a febre amarela- Falam que para entrar na Bolívia, os fiscais exigem a certificado. Ngm me pediu nada, e todo mundo que eu conheci ou li falou que não pediram. De qualquer forma, melhor não arriscar, vai que né.... Dizem q a vacina da reação e febre em algumas pessoas, comigo, grazadels não deu nada, mas cada um reage de forma diferente. Portanto, tome injeção com pelo menos 15 dias de antecedência, vc não vai querer ter febre na viagem né? Dólar- , só levei dólares. Levei 1100 Obamas, e a ideia foi gastar só eles ao longo da viagem, nada de dilmas ou cartão de credito internacional. Só em casos de extrema urgência. No final, sobrou 100 obamas e nem usei meus cartões. Algumas pessoas falam que compensam trocar reais em determinados lugares, mas gente, vai por mim, fiz as contas lá e em nenhum lugar o real vale a pena. Nosso dinheiro está um lixo, tão pagando nada por ele. Obamas valem mais. A conta é simples. Na época, quando comprei o dólar, a quotação estava 1usd para 3,90 reais. Na Bolívia, 1 real saia por 1,65 bolivianos e 1 dólar por 6,97. Se dividimos 6,97 por 1,65, dá 4,22 Ou seja, para valer a pena o real, eu teria que ter pago no dólar mais que 4,22. Como paguei bem menos que isso. O dólar que eu possuía e paguei por ele, estava muito mais em conta do q usar real. Kit de remédio – No meu kit levei, Bepanthol (ótimo pra passar na sola do pé e evitar bolhas, vai por mim, tu vai andar bastante) Imosec (meu maior medo era ter um piriri durante viagem, nosso estomago não está acostumado com algumas locais e temperos, por mais que vc coma nas melhores lugares, alguma coisa pode acontecer, então, melhor dá uma travada no c*caso seja necessário) benegrip, anador, protetor labial (mesmo no verão, protetor vai ser essencial, vai por mim, se possível, levem aquele com filtro solar) , lente de contato extra, lenço humidecido e Dramim ( o dramim foi intencional, eu tomava em todas as minhas viagens noturnas de ônibus; para me dar sono, capotar e acordar só no outro dia ,de preferência no destino final. Li em muitos relatos falando de que dramim é perigoso, diminuiu a frequência cardíaca, bla bla bla, eu tomei, e to aqui, não morri. Foi sucesso o remedinho para mim, descobri aliás que ele faz mais efeito em mim do que qualquer tranquilizante de leão, pq olha, eu literalmente capotava. No fim, parecia um contrabando de droga, todo mundo queria dormir no busão e vinha pedir remédio para a gente, rsrsrs. Então, vai da escolha de cada um e responsabilidade, se vc acha que tomar dramim vai ser perigoso para vc. Não tome, pegue outra opção Protetor Solar – Gente sério, levem, ainda mais se vc for no verão. Não subestimem o calor de lá muito menos no salar e no Atacama. Eu levei fator 30 e me arrependi, levem 50 ou 60 mesmo. Mesmo passando protetor solar toda hora, sai de lá bem queimado. Uma coreana que estava com agente na sala, esqueceu de passar o protetor por 10 min e ficou com as pernas mais vermelhas que um camarão. Seguro Viagem – para quem acompanhou outros relatos, sabem que é 100 % de consenso de que o seguro é mega importante. Não e que a gente de certeza que vc vai usar, mais imprevistos acontecem, ngm quer que algum problema aconteça, mas se acontecer, pelo menos vc vai estar mais tranquilo. Grazadels não precisei usar, mas tem vários relatos de outros viajantes que precisaram e o serviço foi essencial. Me cadastrei no site da Mondial, fiz cotação uns 2 meses antes e esperei a Black Friday. Sucesso, na época ele me deram 30 % de desconto. Taí. uma dica tb. Sugiro vocês irem a uma loja de esportes, tipo Decatlon ou Centauro e comprem algumas roupas mais esportivas, draft, calça-shorts, jaqueta corta ventos, etc. Eu não fiz nada disso. Se vc for no verão, honestamente falando, uma segunda pele não lhe fará falta. Fui com as roupas que tinha em casa, algumas camisetas, bermudas, calças e uma jaqueta impermeável que tinha comprado de uma viagem anterior aos USA. Toalha de Microfibra –Super. Recomendo levar, é aquelas toalhas que secam rápido, em um dia ela já está limpa e seca. Pequena e ocupa pouco espaço na mala. 90% dos hostels não vão oferecer toalhas. Item que levei e foram mais frescura minha, daí vai de vc considerar esses materiais ou não (e claro, se tem espaço na mala. Levei 4 calças jeans. Não recomendo. Fiz isso pq to muito acostumado a usar jeans, e sabia que poderia arrepender. De preferência, por roupas mais leves, fáceis de caminhar, se for no verão, pode levar mais bermudas. Secador –Usei para secar todas minhas cuecas e meias. Kkk. Levei um pequeno mesmo. Um tênis a mais- Como fui pra Santiago, não precisaria mais enfiar o pé no barro, pedra, fazer trilha etc. então levei um sapa tênis excecionalmente para isso. Foi um alivio depois colocar ele no pé qdo cheguei na cidade. No geral então, coloquei dentro do mochilão: 7 Camisetas 1 Jaqueta impermeável 1 Camiseta manga comprida 4 Calças 3 Shorts 1Luva 1Touca 6 Meias cano longo 1 Sapa-Tênis 1 Toalha de microfibra 7 Cuecas 1 Sunga 1 Kit remédio 1 Repelente 1 Secador 1 par de chinelo 1Mini kit de limpeza (shampoo, sabonete líquido, ópt. Fee para a lente de contato, desodorante, escova e pasta de dentes) Dentro da mochila de ataque: carteira, máquina fotográfica (uma Nikon coolpix p900.), óculos de sol (levem óculos de sol, e de preferência do bom, o brasileiro que conheci através do site comprou uma da Chilibeans, a estrutura não aguentou a secura do deserto do Salar e rachou todo, rsrsr), carregador de bateria de celular, de câmera, óculos de grau, Ipod , fone de ouvido. Bom, malas prontas, moneybelt na cintura, bora viajar! Fui no meu primo, e de lá, meus tios nos deixaram no aeroporto. O voo era noturno, saia de GRU as 8:00 da noite e chegava em Lima um pouco antes da meia noite. Lá faríamos uma escala de 6 horas, e partiríamos as 6 da manhã para Cusco. Passar a noite no aeroporto, seria já logo de cara, nosso primeiro mini perrengue da aventura. Aventura essa, que conto no próximo relato, junto com o primeiro dia em Cusco. Espero tê-los ajudado nessa primeira parte. O segundo relato fica pronto logo, logo. Enquanto eu o preparo, fica aqui o espaçoparaperguntas. Ficarei feliz em pode-los lhe ajudar.
  11. Olá Galera Acabei de voltar da minha trip por esses lugares e foi incrivel!! Recomendo muito! Valeu Rodrigo pelo relato! Ajudou muito! muito mesmo! Fiz até amizade lá com uma galera que conheci aqui no seu relato. Tu tá bem famoso entre os mochileiros... Logo menos pretenderei fazer o meu próprio relato. Acho meio que obrigação retribuir e informar os próximos viajantes, pois esses testemunhos ajudam bastante! Luciana, vou tentar responder a sua pergunta. Pois bem, passei pelo Uyuni no meio de janeiro e não estava nada alagado! =/ Nosso guia falou que ultimamente o Salar não está alagando, e que o tempo anda bem seco por lá (talvez culpa do El Nino?) . Ele nos falou que para ter uma melhor garantia, melhor agendar o tour para fevereiro, mas mesmo assim é imprevisível. Ele falou que se não chovesse nos últimos dias de janeiro, a chance de pegar o Salar alagado era mínima... Ou seja... É a mais pura sorte.. Como ele mesmo disso, não há nada que possamos fazer para com a mãe natureza. rsrsrsr
  12. Olá Léo!! VC sabe informações sobre esse ônibus q vai de La Paz para Uyuni a noite?? Tipo empresa, horários?? Obrigada!! Olá Isabela Então, vou tentar pegar o onibus com a empresa "Todo turismo". Recomendação que eu pegue por aqui mesmo, no relato dos mochileiros. Dá uma olhada no site. Pelo que entendi o horário de saída para Uyuni é as 21h. Entretanto só vou reservar mesmo, assim que eu chegar em La Paz. http://todoturismosrl.com/ Caso o Rodrigo, e o restante do pessoal resolvam indicar outras empresas de onibus, serão muito bem vindos. kkk
  13. ahahah Obrigado Rodrigo! Ajudou bastante, se eu me conheço nem vou me acostumar com o saco de dormir tambem, dica boa vc deu, se for pra forrar o travesseiro, talvez eu leve uma fronha mais limpa de casa. Nem vou gastar dinheiro com isso. Pelo visto vou fazer o Chacaltaya mesmo, downhill volta muito tarde e não posso correr o risco de perder o bus pra Uyuni. De qualquer forma obrigadão. Qualquer dúvida, eu grito. kkkk Abraços
  14. E aí Rodrigo tudo bem? Cara, acho que infelizmente você não vai terminar todo o relato antes da minha viagem (dia 6 de jarneiro to partindo), Para o bem geral da nação, sugiro você arrumar um tempo e terminar o relato antes das férias de verão da galera. kkkk . Então, lamento não poder esperar o fim do relato, mas me restaram algumas dúvidas referentes a Bolivia. Será que tu consegue me ajudar? Vamos lá: - Em Copacabana, tu dormiu lá ou dormiu em Isla del Sol? Tem algum lugar pra deixar a mala em Copa e pegar no dia seguinte, ou você levou tudo pra ilha? - Se eu chegar em La Paz de noite, você acha q eu consigo reservar os passeios já para o dia seguinte? Ou fechar o passeio para o mesmo dia logo pela manhã? Estou preocupado com isso, pq pelo meu cronograma, só terei um dia em La Paz para aproveitar .Chego de noite na cidade(se tudo der certo) e vou embora na noite seguinte. Queria fazer ou o Chacaltaya ou o Mountain Bike - Falando nisso, como terei só uma opção, se for pra escolher, qual você aproveitou e gostou mais? - Todo mundo fala que os taxistas na Bolivia tentam dar umas de espertinhos pra cima dos turistas, tenho medo de perder dinheiro com taxi. Quanto você pagou na corrida do terminal de bus até o centro, eu irei ficar no Wild Hostel - O saco de dormir que você comprou, tu acabou usando? foi útil em algum momento? Desde já agradeço sua ajuda! Abração
  15. Olá. Tudo bem? Irei fazer este mesmo roteiro em janeiro , e assim como vc, estou me preparando para esta viagem de acordo com as experiencias de viagens q eu leio aqui no mochileiros. Seu relato está sendo muito util para mim, obrigado. =) Eu tenho algumas questõs, referentes aos gastos com taxi pela região. Todo mundo fala que a gente tem que pechinchar e meu maior medo é ser "roubado" pelos taxistas. Em Cusco, Você teve que pegar taxi do seu hostel até a estação de Poroy certo? Você lembra quanto pagou? E na Bolivia? Irei ficar no mesmo hostel que você. Gostaria de ter uma idéia de preço da corrida de taxi do terminal de onibus até o hostel. Conto com a sua ajuda. Obrigado!!!
×