Ir para conteúdo

Wilson Iwazawa

Membros
  • Total de itens

    54
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    3

Tudo que Wilson Iwazawa postou

  1. @Ali Khalil Carlos Valeu meu caro! Então, eu tenho alguns dados de gastos aqui sim. Deixa só eu me livrar do sufoco do trabalho que eu vou tentar postar algo!
  2. @Jordana Reis Machado Oi Jordana! Obrigado pelo comentário! E a cerveja era como um mini troféu diário pelo esforço Não tem preço tomar uma cerveja num abrigo de montanha apreciando a lua cheia sobre montanhas nevadas.
  3. @LeonardoUs Usei somente um liner bem vagabundo: https://pt.aliexpress.com/item/32856905936.html?spm=a2g03.search0204.3.8.610f14ffPZfaoC&s=p&ws_ab_test=searchweb0_0%2Csearchweb201602_9_10882_10065_10068_10547_319_10059_10884_317_10548_10887_10696_321_322_10084_453_10083_454_10103_10618_10307_537_536%2Csearchweb201603_52%2CppcSwitch_0&algo_expid=d7c2cbeb-6b3d-4c1d-a56a-0961c810b9d7-1&algo_pvid=d7c2cbeb-6b3d-4c1d-a56a-0961c810b9d7&transAbTest=ae803_4 Sensibilidade ao cheiro é algo bem pessoal, pelo menos eu não me incomodei lá. De qualquer forma, você vai
  4. @LeonardoUs Em todos os refúgios se vende cerveja e comidas variadas. Só o preço é um pouco mais elevado que nas vilas.
  5. @casal100 Há trechos onde é permitido acampar e outros onde não. Em geral, camping selvagem é proibido. Porém alguns abrigos tem área de camping (você paga uma taxa menor, relativa ao camping, que pode incluir banho - em alguns o banho não é incluso nem para quem dorme no abrigo - e tem as taxas opcionais para meia pensão - café e jantar). Como não acampei, não vou saber te informar exatamente quais as áreas apropriadas. Mas vocês podem tentar fazer um misto (ficando em refugios quando o camping for inviável). PS: vocês tem relato sobre o circuito O? Pretendo fazer ano
  6. @ffabioh Como eu sempre digo pros chegados: "vou cansar o corpo pra descansar a cabeça" Fique a vontade! No que eu puder ajudar, o farei.
  7. @casal100 No site http://www.autourdumontblanc.com/en/ dá pra planejar as etapas, ver os preços e reservar por lá a maioria
  8. Obrigado @casal100 O cambio realmente foi e está um problema. Em geral a hospedagem + meia pensão (café e jantar) ficava em torno de 50 euros. Uma cerveja de 250 ml custava 4 euros. E eu não fiquei comendo em restaurante, mas entre 12 e 15 euros um almoço.
  9. @Adren-Aline de forma geral, recomenda a agência? Como foi a experiência com eles?
  10. @José Luiz Gonzalez Obrigado! Tive sorte com o tempo sim, inclusive moradores da região disseram que era muito raro uma sequência de tempo aberto tão grande. E aproveitavam pra passear pelas trilhas, vi muita criança, idoso....
  11. DIA 11 - Refuge La Flegere a Les Houches (16,2 km) Já estava acostumado em acordar cedo todos os dias, arrumar a mochila e caminhar. Mas o costume não torna a trilha fácil. Hoje foi uma prova disso. O dia começou nublado e com uma chuva leve. Na trilha, pouco se via à frente, devido à neblina. Me perdi algumas vezes, mas graças ao GPS achei o caminho novamente. Não dá para confiar somente na sinalização local. Logo no início, a trilha terminava de repente em um monte de pedras que haviam deslizado montanha abaixo. Subi por um caminho que contrariava o GPS, porém, lá em cima,
  12. DIA 10 - Le Tour a Refuge La Flegere (10,9 km) O dia amanheceu nublado. Depois de tanto tempo com o céu aberto e ensolarado, finalmente a chuva veio. A caminhada prometia ser curta em distância, porem tecnicamente difícil por conta das árduas subidas. É nesta etapa que estão instaladas as "vias ferratas", escadas de aço que transpõem subidas em rochas verticais. Quem tem medo de altura tem a opção de seguir por uma variante um pouco mais longa, que dá a volta pelos picos. Mas o único medo que eu tinha era da fatura do cartão que estava por vir. Então bora lá ativar um pouco de adrenali
  13. DIA 9 - Trient a Le Tour (14,1 km) "Ando devagar porque já tive pressa..." Logo pela manhã descobri o motivo da caminhada do dia anterior ter sido pesada para mim. Uma sombra que me derrubou no Caminho de Santiago e tentava novamente. Uma bolha. No mesmo pé, na mesma posição e com a dor familiar. Apareceu de vez hoje de manhã apesar de estar se manifestando a um tempo. Tenho convicção de que ela, como da vez anterior, surgiu por conta da pressa de chegar ao destino. A passada fica ruim e o suor completa o serviço. Talvez pelo tédio pelos intermináveis bosques de pinheiros, subindo
  14. DIA 8 - Champex a Trient (15,5 km) O tempo nublado pela manhã ameaçava a caminhada com a possibilidade de chuva. Apesar dos cuidados extras com os equipamentos impermeáveis, até que ela seria bem-vinda. Um descanso para a pele já descamando sob o sol inclemente dos alpes. Andei pelos bosques de sempre, conversando com um grupo de israelenses que conheci nos dias anteriores. Mas logo já estava sozinho. Os diferentes ritmos de caminhada, somado à dificuldade técnica não favorecem socializações muito longas no Tour (algo que era muito comum no Caminho de Santiago em suas tr
  15. DIA 7 - La Fouly a Champex (16,9 km) Sr Park, o coreano que eu havia conhecido no primeiro albergue, estava no mesmo quarto que eu. E falava dormindo. Se fosse somente pelo barulho, não me incomodaria. Mas a entonação estava engraçada e eu segurava o riso, sem conseguir dormir. Outras pessoas no quarto tentaram acordá-lo, mas sem sucesso. No guia que usei como referência, o caminho de hoje era descrito como o mais fácil de todo o Tour. Comprovei a veracidade. A trilha não subiu para os usuais passos de montanhas, e sim seguiu cortando pelo vale, em meio aos intermináveis bosque
  16. DIA 6 - Rifugio Bonatti a La Fouly (19,8 km) Depois do trajeto tranquilo do dia anterior, o mapa de altitude prometia um dia mais pesado para hoje. Um sobe-desce de respeito. Mas creio que o corpo já se acostumou, pois achei o percurso bem tranquilo. O único percalço, bem no início, foi uma ponte de gelo perigosamente fina, sobre um riacho. Optei por passar pela água (com bota molhada eu sei lidar, com risco de queda do gelo, não...). Os anos da adolescência jogando Super Mario se justificaram e consegui pular de pedra em pedra sem molhar os pés. Alguns corajosos arriscavam cruza
  17. DIA 5 - Courmayeur a Rifugio Bonatti (12,2 km) Acordei tarde para aproveitar o café da manhã do hotel. Tenho comido relativamente pouco se contar o esforço físico. As comidas dos refúgios sao bem regradas, e não é raro eu caminhar por 8 horas somente com o café da manhã no estômago. Hoje resolvi seguir a trilha comum, no lugar da variante. De Cormayeur, uma subida íngreme pelo bosque, que levou cerca de 2 horas, terminava no Refugio Bertone. De lá, o caminho bifurca para a trilha oficial ou para a variante pelos passos de montanha. O caminho que segui era prati
  18. DIA 4 - Rifugio Elisabetta a Courmayeur (15,7 km) A caminhada do dia prometia ser tranquila. Uma subida pesada, mas curta, se destacava na primeira metade, e o restante seria uma longa descida até a cidade de Courmayeur. Mas o destino se encarregaria de providenciar alguns obstáculos para acrescentar alguma emoção à trilha. Segui por alguns quilômetros um caminho praticamente plano até o lago Combal, onde uma bifurcação dividia a trilha para o caminho tradicional (pelo alto) e para a variante (pelo vale), que era recomendada em caso de mau tempo. Eu vinha caminhando nos últimos
  19. DIA 3 - Refuge La Croix du Bonhomme a Rifugio Elisabetta (19,2 km) O dia amanheceu nublado. Um nevoeiro espesso pairava sobre o abrigo e tapava a vista das montanhas ao redor. Eu deveria decidir se seguiria a descida até Les Chapieux ou iria pela variante pelo passo des Fours. Esta variante encurtaria a distância até o refúgio Des Mottets, porém prometia ser tecnicamente difícil e, conforme falado pelo Saudita em Les Contamines, havia muita neve e estava fácil se perder ou mesmo cair por lá. Um francês que eu vinha encontrando pelo caminho me convenceu a seguir por Les Chapieux, por
  20. DIA 2 - Les Contamines a Refuge La Croix du Bonhomme (13,2 km) Na noite anterior, durante o jantar, um saudita que estava fazendo o tour em sentido oposto (horário) me disse que algumas variantes à minha frente estavam meio perigosas. Muito por conta da complicação em se orientar através grande quantidade de neve cobrindo as trilhas. Sabendo disso, tentaria me informar com detalhes sobre as condições da trilha antes de decidir seguir ou não por algum caminho. O caminho do dia seria uma subida constante até o passo du Bonhomme. Meu destino final seria um refúgio de mesmo nome, mais
  21. DIA 1 - Les Houches a Les Contamines (18,4 km) Inaugurando a rotina dos abrigos de trilha, acordei cedo, tomei café, arrumei a mochila e parti para a caminhada do dia. Logo no início, descobri que uma boa parte das pessoas sobe ao primeiro passo de montanha (Col de Voza) pelo teleférico. Corta cerca de 5,5 km e uma subida quase 600m. Mas meu objetivo era caminhar 100% do tour. Subida cansativa para um início de trilha. E o caminho em si não era muito interessante. Chegado ao passe, tomei um café em um estabelecimento por lá. A partir dali há 2 opções de caminho. Uma mais
  22. DIA 0 – Les Houches Cheguei em Chamonix na parte da manhã, vindo de Courmayeur. Fui dar uma volta na cidade para matar o tempo até o horário de check-in no albergue de Les Houches, às 14h. A cultura de esportes outdoor e alpinos é exalada por todo o local, com diversas lojas de grandes marcas da área e turistas desfilando com suas roupas e mochilas técnicas. No início da tarde tomei um ônibus para Les Houches (há linhas de ônibus que circulam pela região – Le Tour, Argentiere, Chamonix, Les Houches, etc. Custam 2 euros o trecho ou 3 euros o ticket para o dia todo). A atmosfera
  23. Prólogo Virou costume. Nas ocasiões sociais, volta e meia um amigo ou parente solta a frase: “E aí, qual sua próxima caminhada?”. Confesso que fico surpreso, pois fiz pouquíssimas trilhas até hoje. Inclusive não faz muito tempo eu ia de carro à padaria da rua de baixo. Porém, pelos caminhos sinuosos da vida, acabei me encontrando pelas trilhas afora. E nos últimos tempos a resposta para tal pergunta era: “vou caminhar em torno do Mont Blanc, cruzando as fronteiras da França, Itália e Suíça.” Fiquei ciente desta trilha através dos relatos do Elias, do portal Extremos. Antes de pe
×
×
  • Criar Novo...