Ir para conteúdo

henriquepsantos

Membros
  • Total de itens

    11
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

5 Neutra
  1. Sim, todo mundo faz isso, deixar a mala no italiano e subir pro britânico. Quando cheguei no italiano o camping tava lotado de mochila largada. Aí na volta, como fui um dos últimos a voltar, o camping só estava com a minha mochila e dos meus amigos. Algumas pessoas ficaram por lá mesmo e outras voltaram, pegaram a cargueira e seguiram para o francês ou Los cuernos. Isso é bem comum, fique tranquilo. É só chegar e encostar sua mochila em algum lugar. Só programe o horário pra não pegar o final da trilha a noite.
  2. Exatamente. 1h30 do italiano até o francês e 1h30 do francês até o Los cuernos. Essa parte é a mais tranquila, talvez vc faça em até menos tempo. Difícil mesmo é do italiano até o central. Demorei bem mais do que indicava o mapa. Abraço.
  3. Não precisa de uma ASP acima de 7 HAHAHAH Então, como da pra ver no meu relato, não é um trekking fácil. Andamos bastante todos os dias. Mas confesso que dá pra fazer sem maiores problemas. Eu, por exemplo, só comecei a ir na academia uns 2 meses (3x semana) antes e ainda assim só fiz esteira pra pegar um cardio mesmo umas 5 vezes antes da trip, e 1h hora só. E ainda assim sou fumante. Acho que minha ASP não seria tão alta e eu consegui tranquilamente hahahaha Enfim, não sendo sedentário, da pra fazer. Vc faz a caminhada no seu ritmo. No pior dos mundos, é só acordar cedo pra pegar a trilha, pq aí vc faz no seu tempo e não precisa se preocupar com o anoitecer. Enfim, da pra encarar! Sobre os equipamentos, te desejo sorte na decathlon ou na loja que vc for comprar suas coisas. Essa é a "caminhada" mais longa hahahaha Abraço e aproveite!
  4. Velho, não vou lembrar exatamente, mas nesses trechos meus horários foram mais ou menos parecidos com o do mapa que eu vou mandar. Eles dão esse mapa lá, é bom carregar ele com vc. Não pra caso vc se perder, pq é tudo bem indicado, mas é bom pra saber quanto vc vai ter que andar, quanto tempo falta mais ou menos, essas coisas. É muito importante vc fazer o seu cronograma de um jeito que não te sobrecarregue. Eu fiz "no olho" e consegui "tranquilo", mas depois de ver o mapa com calma e tal vi que dá pra fazer de outras maneiras. Veja o que é melhor pra vc: andar menos em um dia pra encarar um dia mais pesado depois ou andar todo dia a mesma distância... Aí vc que sabe. Esse mapa é ótimo pra ter uma noção. Depois relata aí como foi a sua trip. Abraço.
  5. @rodrigofb_bh boa noite! Então, como o @_Umpdy já confirmou, os campings pagos são nesses dois sites que ele mandou mesmo. A entrada do parque, bem como a reserva pra algum camping público, eu paguei pelo site da conaf mesmo. É a conaf que administra os campings publicos e entrada do parque. É só fazer um cadastro e reservar, rápido e simples. Aí na entrada do parque vc já mostra que a entrada está paga e no camping vc mostra o mesmo papel, confirmando a reserva. Em relação ao catamarã, paga na hora mesmo, é bem tranquilo.
  6. Boa noite! Deixava na barraca mesmo, sem problemas. Um dia até pensei em colocar um cadeado, mas minha barraca tinha duas entradas e eu só tinha um cadeado, então não teve jeito hahaha Enfim, em relação a pertences e tal, não tive nenhum problema, deixava tudo na barraca mesmo.
  7. Danilo, boa noite. Como planejei desde o começo fazer o trekking, não vi essa opção do tour, então não sei como funciona. Em relação ao trecho mais "tranquilo", posso afirmar que é o que leva ao mirante do glaciar grey. Nao sei o nivel do seu joelho, mas os trechos para o Mirante britânico e francês e Las Torres têm umas subidas bem íngremes. Na minha opinião, apesar das Torres serem lindas, o francês e britânico foram os mirantes que mais me impressionaram. Espero ter ajudado. Abs.
  8. Pessoal, boa noite pra todos vocês!! Nesse tópico pretendo falar sobre a minha viagem para Torres del Paine para fazer o Circuito W. Estou fazendo isso porque senti um pouco de dificuldade para pesquisar mais sobre o tema na internet e pretendo ajudar os próximos mochileiros que forem para lá. Falarei sobre roupa, alimentação, clima, roteiro e dicas em geral. Bom, primeiramente eu fiz a rota com dois amigos. Depois de reservar a passagem aérea, apenas para estabelecer a data que iríamos, passamos a comprar os equipamentos e roupas necessárias para fazer a Rota W. Foram vaaarias idas a Decathlon para comprar tudo que precisávamos. Muitas pessoas falam que os itens da decathlon, quechua, não são taaao bons (e realmente não dá para comparar com marcas como North Face), mas a quechua e demais marcas da decathlon são ótimas para essa viagem, não tive problema nenhum com as coisas que eu comprei. Então recomendo que vocês passem lá para comprar as coisas. Nessas idas e vindas nas lojas, comprei tudo e fui, basicamente, com os seguintes itens: Roupas: - Jaqueta impermeável - Blusa estilo fleece (mais usada da viagem) - 3 camisetas básicas estilo Dri-Fit - Camiseta segunda pele - Calça segunda pele - Calça com secagem rápida - Calça de moletom (para dormir) - Bota (um dos itens mais importantes) - Meias normais e meias para trekking Equipamentos: - Mochila de 50 L - Mochila de ataque de 10 L - Barraca - Fiquei com muita dúvida nesse item, então vamos lá: Fui com uma da Quechua, "Quik Hiker 2", pq na descrição da barraca estava que ela aguentava ventos de até 70km/h, e realmente aguentou bastante vento. Um outro amigo foi com uma da Náutica, "Cherokee", mas no primeiro dia, que pegamos muito vento, a barraca parecia que não ia aguentar. No final, deu tudo certo, a barraca conseguiu sobreviver aos 4 dias. - Saco de dormir - Isolante térmico - como não queria despachar minha mala e não tinha mais espaço dentro, aluguei no próprio hostel que fiquei, "Carfran Hostel". Custou 4 mil pesos, tranquilo. - Capa de chuva para a mochila - Lanterna - Fogareiro e panela - alugamos no hostel - Bastão para caminhada - Algumas pessoas vieram me perguntar se não era frescura usar isso, mas digo que vale a pena cada real pago. Lógico que vc vai conseguir terminar a trilha sem um bastão de caminhada, mas ele te ajuda muito nos trajetos. Comida: Neste tópico fomos muito mal planejados. Como era a primeira viagem nossa desse estilo, não tinhamos noção nenhuma de nada, então compramos varios chocolates, bolachas, café em pó, alguns miojos e algumas comidas instantâneas que o hostel vendia. Durante a viagem, vimos que não ia dar certo e compramos um pão e algumas latas de atum. Bom, pode ser que eu tenha esquecido alguma coisa, mas aó estão pelo menos as coisas essenciais. Enfim, vamos a viagem. Saímos de São Paulo de avião com destino a Santiago (4 horas). De lá, pegamos um outro voo para Punta Arenas (4 horas). Já no aeroporto de Punta Arenas pegamos um ônibus para Puerto Natales. Dica: O ônibus para Puerto Natales para na frente do aeroporto, é só perguntar que te falam onde eles passam exatamente. Não caiam em histórias de taxistas que queiram te levar até a rodoviária de punta arenas ou coisa do tipo, pq é realmente muito tranquilo pegar esse ônibus. É praticamente falar que vai pra Puerto Natales, jogar sua mala na parte debaixo do ônibus e pagar a passagem durante o trajeto (8 mil pesos). Enfim, chegamos em Puerto Natales, uma cidade bem tranquila, com uma vista muito bonita. O lago que beira a cidade é realmente muito bonito. Da rodoviária pegamos um taxi até o hostel (acho que qualquer taxi ali dentro da cidade sai 2 mil pesos). O Hostel ficava ali perto e era tranquilo, o pessoal era receptivo e nos deu várias dicas. No dia seguinte fomos para a rodoviárria e pegamos um ônibus para Torres del Paine. Acho que era 8 mil pesos, mas não tenho certeza. Sobre horário, tinha saídas às 7h30 e as 14h30. Pegamos o das 14h30. 1º Dia - Chegada no Parque: Pegamos o ônibus e fomos até a entrada do Parque. Lá, apresentamos o comprovante de pagamento da entrada (compramos pela internet), e preenchemos um formulário simples. Depois, voltamos para o nosso ônibus e continuamos até Laguna Amarga. Fizemos isso porque o nosso trajeto era fazer o W invertido. Tem muita discussão aí nos blogs e tal sobre como fazer o W. Fazer invertido ou não, deixar as torres pro final ou começar por elas. Bom, na minha humilde opinião, fez muito mais sentido, e consegui comprovar isso durante a viagem, fazer o W invertido. As Torres são a cereja do bolo, e você caminha em direção a elas, e não para o lado contrário. Não sei, mas no penúltimo dia, o mais sofrido de caminhada, foi importante caminhar olhando para os cuernos e depois para as torres. Quando você visualiza o objetivo parece que te dá mais energia. Enfim, voltando. Pegamos o ônibus até a Laguna Amarga e de lá pegamos o Catamarã. O preço foi de 18 mil pesos, pq no nosso caso era só a ida (voltaríamos no final do W, de transfer). O Catamarã é pago no final da viagem. Uma das vistas mais bonitas é essa do Catamarã. Ele vai se afastando e, quando vc olha pra trás, o horizonte está cheio de monstanhas e tal. Bonito demais. No final da viagem, descemos no primeiro refúgio, Paine Grande. Esse Refúgio é privasdo, então pagamos 10 dólares pelo camping (como ficamos dois dias, pagamos 20 doletas). Chegando lá fizemos check-in e procuramos um lugar para montar a barraca. O vento estava muuuito forte nesse dia, então nós 3 montamos uma barraca por vez, e mesmo assim foi difícil. Qualquer levantada na barraca o vento levava. No final conseguimos. Nesse primeiro dia nos habituamos com o lugar, tomamos um banho e tomamos um vinho que havíamos levado. Descobrimos que pode fumar lá. Apesar de eles serem bem rigorosos com fogo, descobrimos que era permitido fumar em alguns refúgios. Depois disso, fomos dormir. 2º Dia - Glaciar Grey: Acordamos cedo, por volta das 8h e saímos em direção ao Refúgio Grey, apenas com a mochila de ataque com uma agua e jaqueta impermeavel dentro. Para quem fica com medo da trilha, pode ficar seguro pq ela é bem demarcada, em quase todos os lugares do parque. A caminhada foi bem tranquila para nos acostumarmos com o trekking e tal. No entanto, fomos apenas ao mirador. A paisagem é sensacional, absurdamente bonito. Como era nosso primeiro dia, voltamos para Paine Grande e não fomos até o Refúgio Grey. Minha intenção era ir, mas depois de um consenso entre nós 3, decidimos que os outros dias seriam bem pesados e guardamos um pouco de energia. Voltando para o Paine Grande, tomamos o resto do vinho que havia sobreado da noite anterior, conversamos com uns gringos que estavam lá e fomos dormir. 3º Dia - Mirador Francês e Britânico: Esse dia foi um pouco pesado, já que teríamos que caminhar com a mochila cargueira de 50L. Acordamos bem cedo, desmontamos nossa barraca, colocamos tudo na mochila e seguimos até o camping Italiano. Após algumas horas de caminhada chegamos no Italiano e nos deparamos com um camping totalmente diferente de Paine Grande. Por ser gratuito, o Italiano é bem basico. Uma casinha para fazer o check in, banheiros atrás (sinceramente, inutilizaveis), não tem água, e outra casinha para refeição. Entre tudo isso, tem um espaço para as barracas. Chegamos no Italiano, fizemos o check in, largamos nossas mochilas cargueiras, pegamos a de ataque e subimos em direção ao mirador francês e depois britânico. Sinceramente, apesar do parque levar o nome das torres e elas serem consideradas a principal atração, eu arrisco dizer que a paisagem nesse dia foi a mais bonita para mim. Já no começo da caminhada entre o camping e o mirador Francês vc já vai observando uma montanha gigante no seu caminho. Chegando no mirador Francês, a vista é surreal: uma montanha gigante na sua frente, repleta de neve, com algumas avalanches acontecendo. É indescritível aquele lugar. Após algumas fotos, continuamos a subir em direção ao britânico. A caminhada é pesada, apesar de estar com a mochila pequena, pois é apenas subida. Se eu não me engano, o camping italiano está a 270 metros de altitude, e o britânico está a 970. Apesar dessa subida, a vista continua incrível. No britânico estamos rodeados por montanhas, então vc tem uma visão panorâmica com diversas montanhas ao redor. É realmente incrível. Nessa caminhada, é preciso tomar cuidado com o horário. Chegamos lá 16h45, e fomos avisados por um guia que estava no caminho que o britânico fechava às 17h. Apesar disso, ficamos apreciando a vista tranquilamente até umas 17h20 e depois descemos. Algumas pessoas ainda estavam subindo,então imagino que tenha uma "margem de erro" nesse horário. Outra coisa que é preciso atenção é a trilha. É difícil se perder completamente ali, mas como a trilha é no meio da floresta, com muitas árvores, é preciso prestar atenção na sinalização. A sinalização que eu digo são estacas de madeira, com uma ponta laranja (nós apelidamos eles de Marlborinho, já que parece um cigarro haha). Eles que indicam que caminho seguir. Algumas vezes, a indicação do caminho está nas árvores. essas manchas laranjas são colocadas nos troncos de árvores ou em fitas penduradas em galhos. Enfim, sempre fiquem atentos a qualquer coisa colorida, pois esse é o caminho a seguir. Chegando no Italiano, montamos nossas barracas e dormimos. 4º Dia - 11 horas de caminhada: Esse foi o "pior" dia da viagem. Saímos do Camping Italiano às 10h30 (saímos tarde) e chegamos no nosso destino, Camping Central, 21h30. Foram 11 horas na caminhada com a mochila cargueira. Sem dúvida foi o dia que nós mais andamos com a mochila pesada nas costas. O caminho, desde o italiano, passa pelo camping frânces (que fica perto do italiano), e pelo camping los cuernos, antes de chegar ao central. Nós passmos pelo francês e paramos no Los Cuernos para comer. Esse refúgio parece ser bem interessante. Para quem não está afim de ficar no Italiano, que é basicão, talvez seja uma boa trocar. O caminho para o camping Central é sensacional. Passamos por um lago e sentamos um pouco para descansar, colocar o pé na água (extremamente gelada) e dar uma revigorada. A vista desse lago é sensacional. Bom, acho que não tenho muito para falar sobre esse dia. O caminho é sensacional, com paisagens absurdamente bonitas. No entanto, foi a caminhada mais longa da viagem. No fim, conseguimos chegar no camping Centrla, fazer o checkin e montar nossas barracas. Jantamos no restaurante que tem no refúgio e fomos dormir. 5º Dia - Las Torres: Finalmente, a cereja do bolo. As Torres. Nesse dia, acordamos e saímos em direção as torres por volta das 10h. No dia anterior, quando chegamos no camping, perguntamos sobre o clima do dia seguinte e se conseguiriamos ver o nascer do sol nas torres. Infelizmente, nos disseram que o tempo estaria fechado, então nao valeria a pena subir de madrugada. Assim, dormimos umas horas a mais e subimos em direção as torres. Perguntando no caminho, antes de realmente começar a subir, alguns viajantes falavam que dava pra subir em 3 horas e descer em 2 horas das torres, então estávamos tranquilos achando que seria bem mais fácil, que o pior já tinha passado. Para tristeza das nossas pernas, não foi bem assim. Nós não temos preparo de atleta, mas a subida é exaustiva. É MUITA subida logo no começo, e parece que não para. Pelo caminho, passamos pelo camping chileno, outro lugar que parecia interessante. Nessa trilha, não pegamos muito vento, mas é preciso muito cuidado, já que a trilha passa por umas encostas, e como é feita por pedra pequena, não é dificil escorregar. Esse aviso é apenas por precaução, pois a trilha me pareceu segura. Chegando nas torres, mais uma imagem surreal: O lago gigante que acaba na base das torres, e as torres gigantescas, la no fundo. É uma vista inexplicável, nenhuma foto que você procurar na internet vai conseguir demonstrar a real beleza daquele lugar. Depois de passar uns 40 minutos lá em cima, apreciando a vista, começamos a descida. Como um dos meus amigos começou a sentir a perna por causa do cansaço, fomos mais devagar. Enfim, chegamos no camping às 18h. Daí começou a correria: o nosso onibus, que tinhamos comprado ida e volta em puerto natales, ia sair as 19h30 da portaria do parque. Do camping central até a entrada do parque teriamos que pegar um transfer, que saía 18h30. Como chegamos as 18h, desmontamos a barraca e saimos correndo com nossas mochilas e algumas outras coisas na mão até o lugar do transfer, que fica atrás do refúgio. Apesar da correria, conseguimos pegar o transfer das 18h30, e chegamos na portaria tranquilamente. No final, descobrimos que nosso onibus estavam saindo 20h, acho que para esperar o transfer das 19h. Corremos a toa, mas no final foi tudo certo. Depois disso, pegamos nosso onibus para Puerto Natales (que quebrou no caminho, mas tudo bem, pq um outro onibus, de outra companhia, levou a gente hahaha) e ficamos mais uma noite no hostel antes de voltar. Pessoal, acho que é isso. Esse é o meu primeiro relato, desculpe se ficou confuso ou deixei de falar alguma coisa, mas escrevi para ajudar quem quer saber mais ou menos o que esperar dessa viagem surreal que é Torres del Paine. Qualquer dúvida que vcs ficarem em relação ao texto podem perguntar que eu respondo. Abraço. Vista do Catamarã, no início da trip. Vista do Camping Paine Grande. Vista do Glaciar Grey. Camping Italiano. Começo da subida para o Mirador Francês. Las Torres. Caminhada puxada na volta das Torres.
  9. Pessoal, veja se vcs conseguem me ajudar com uma dúvida rápida. Peguei um voo da Gol de SP para Santiago e outro da Sky Airline de Santiago para Punta Arenas. Acontece que eu pouso em Santiago as 13h25 e o outro voo sai as 15h30. Enfim, tenho 2 horas entre eles. Vocês acham que eu consigo, nessas duas horas, passar pela imigração, pegar minha mala despachada e despachar pro voo das 15h30?? Valeu rapaziada!
  10. Fala, galera Também tava pensando em fazer essa trip! Queria saber quanto tempo deu de trilha, de Mendonza a Santiago. Vocês conseguem me ajudar? Abraço!
  11. Pessoal, bom dia! Acabei de fazer o cadastro no site e esse é o meu primeiro post. Queria compartilhar com vocês um roteiro que eu planejei no período de 01/01/2016 a 10/01/2016 para fazer a viagem clássica "Santiago + Atacama". Como farei essa viagem sozinho, gostaria da opinião e conselhos de vocês haha Bom, vamos ao roteiro: Dia 1: Saída de Guarulhos (São Paulo) para Santiago. O voo chega por volta das 20h, então pretendo fazer check-in no hostel e sair pra conhecer alguns bares da cidade. Dia 2: Vou acordar cedo e aproveitar o dia para "turistar". Como só terei esse dia para Santiago, pesquisei e selecionei alguns dos melhores passeios: La Chascona, Cerro Santa Lúcia, Mercado Central, Cerro San Cristobal, e Museu de Arte Pré-Colombiano. Vocês acham que é o suficiente para um dia? Como gosto de futebol, se der tempo pretendo passar no Estádio Nacional de Chile haha Dia 3: Acordar cedo e fazer um bate volta em Viña del Mar e Valparaíso. Aqui tenho uma dúvida: vocês sabem o valor aproximado das passagens de ida e volta de Santiago? No final da tarde, pretendo voltar para Santiago e pegar o ônibus para San Pedro de Atacama. Como já ouvi falar, a viagem leva cerca de 22 horas, então já vou preparado. Dia 4: Chegarei em San Pedro a noite, então aproveitarei para conhecer as ruas da cidade e conhecer algum restaurante. Dia 5: Acordar cedo e procurar uma agência para os passeios. Como eu li que é importante a aclimatação, devido à altitude do atacama, pensei em fazer primeiro o passeio pro Valle de la Luna e Valle de la Muerte , que sai às 16h. Enquanto isso, quero alugar uma bicicleta e conhecer a região próxima. Dia 6: Salar de Atacama e Lagunas Altiplânicas Dia 7: Geyser El Tatio + Laguna Cejar e Laguna Tebinquiche Dia 8: Salar de Tara Dia 9: Pensei nas Termas de Puritama. Dia 10: Meu voo sai às 11h30 de Calama. Queria saber como ir pra Calama e se da pra acordar cedo e ir, porque preciso fazer checkin e tal, ou se é melhor ir no Dia 9. Bom, pessoal, é isso. Eu sei que está muito raso, mas não tenho experiência em planejar viagens e acabei marcando de última hora, mas sempre tive vontade de conhecer o Deserto de Atacama. E se for ficar adiando, inventando uma desculpa pra não ir, eu nunca vou conhecer, então resolvi marcar essa viagem de última hora e seja o que Deus quiser! hahaha Valeu, galera!
×
×
  • Criar Novo...