Ir para conteúdo

vanessa.miranda

Colaboradores
  • Total de itens

    106
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    3

vanessa.miranda venceu a última vez em Setembro 26

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

45 Excelente

1 Seguidor

Sobre vanessa.miranda

  • Data de Nascimento 14-04-1988

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Nevados Huascarán e Chopicalqui - Cordillera Blanca (ago/2017)
    Aconcágua (cume em dez/2016)
    Nevado Pisco (cume em set/2016)
    Cordilleira Blanca - Huaraz, Peru (santa cruz trek solo/laguna 69/Pisco) 2016
    Deserto do Atacama; Salar de Uyuni; Sucre; La Paz; Puno; Cusco; Machupicchu; Arequipa; Colca Canyon trek em Cabanaconde (2015)
    Salkantay Trek (2015)
    Brasil: Travessia Petro-Tere (Serra dos Órgãos); Travessia Lapinha-Tabuleiro (Serra do Intendente); Tabuleiro parte alta e parte baixa; Ibitipoca; travessia Serra de São José (Tiradentes); Chapada dos Veadeiros; Pico da Bandeira, Pico do Calçado e Pico do Cristal (Caparaó); Travessia Vale do Pati (Chapada Diamantina); Travessia da Serra Fina.
  • Meus Relatos de viagem
    http://www.mochileiros.com/aconcagua-dez-2016-relato-t145561.html
  • Ocupação
    Economista
  • Meu Blog

Últimos Visitantes

181 visualizações
  1. ACONCÁGUA DEZ/2016 - RELATO

    @caiorsd considerando "alta montanha" como acima de 5500m, como é comumente considerado, eu tinha alguma experiencia no Peru, pequena, mas que fez diferença. Além da vivência, conversei com muita gente lá, o que me ajudou a ir construindo o conhecimento que precisava. No mais, pesquisei e li tudo que pude encontrar na internet (relatos, vídeos, livros, pesquisas científicas, filmes etc.) As conversas no outro tópico que criei aqui no mochileiros na época também ajudaram bastante a ir amadurecendo os planos, principalmente com as dicas e experiência dos que já tinham tentado o Aconcágua. Sobre a alimentação, sim, nos acampamentos altos fiquei praticamente na base de miojo, purê de batata em pó, biscoito recheado e barrinhas... Pro acampamento base levei enlatados: atum, feijao etc. Também levei um arroz pequeno. Em alguns dias a gente cozinhava em grupo e juntava coisas que cada um tinha levado tbm, ainda no acampamento base. Na madrugada antes de subir pro cume, eu ia comer um miojo maaais uma vez, mas o Andre me deu um liofilizado dele que tava sobrando. Isso foi ótimo. Aprendi e agora sempre levo pelo menos 1 liofilizado pra cada pré-cume. Outra coisa que aprendi que é bom de levar é cuzcuz marroquino. Só levar uma embalagem metalizada vazia (como as dos liofilizados) , colocar o cuzcuz dentro e água quente e nem precisa sujar panela ou pote nenhum.. Fica pronto nuns 5 minutos. Também levei uns chocolates e castanhas, mas acabou rápido.
  2. ACONCÁGUA DEZ/2016 - RELATO

    Oi @caiorsd ! Respondendo suas perguntas: 1) Eu considero que o grau de aventura/desafio muda bastante, mas isso é abstrato. Não levando em conta opiniões pessoais e custos, acho que a maior desvantagem é a falta de flexibilidade. Vc pode perder o cume pq a janela de tempo bom vai ser um dia depois do fim do prazo contratado (aconteceu com vários grupos quando eu estava lá)... Ou pode ter que desistir pq está se sentindo mal e seu grupo está bem e vai continuar subindo, sendo que se vc pudesse fazer seu próprio cronograma bastava descansar/aclimatar mais um dia e continuar depois, por exemplo. 2) Gastei uns 2000 reais e uns 400 dólares, sem incluir equipamento: Voos, ônibus, taxis: R$1480 Gás (comprei em santiago) + comida que levei: uns R$150 - R$170 Comida fora do parque (restaurantes, etc..) uns R$200 Permissão: US$291 Serviço básico de mulas ida e volta dividido para 4 pessoas: US$100 ou US$110 Hostel em mendoza antes e depois (4 noites total) + 1 noite em puente del inca - uns R$150 ou menos. Quanto ao equipamento, eu acabei comprando antes quase tudo o que eu ainda não tinha... Então só tive que alugar botas duplas e mittens. Não lembro certo quanto foi, mas é fácil conseguir orçamento de alugueis, eles mandam por email. Acho que deu uns R$350 - 400 no total.
  3. Expedição Aconcágua dez/2016

    Valeu @victorcarv!! Talvez eu só tenha chegado no cume por causa da sorte trazida pelo condor andino que bicou o chocolate que vc deixou pra gente quando desceu!!! Parabéns de novo pelo seu cume também!
  4. Olá! Comprei direto lá usando a carteirinha ISIC. Isso foi em outubro/2015. Tbm usei para entrar num museu em Cusco; na trilha nos Canions de Colca em Arequipa; e na travessia de San Pedro do Atacama (Chile) para Uyuni (Bolívia).
  5. ACONCÁGUA DEZ/2016 - RELATO

    isso, nosso "cume" foi ali nos 6200 mesmo, bem quando chega no "ombro" da crista pro cume. A greta tinha uns 2 metros de largura pra saltar, e uns 40 de profundidade. Um grupo levou escada, mas imagina carregar uma escada até lá! Achei a montanha bem mais técnica do que eu imaginava, tinha uma parede com mais de 70°...subir aquilo carregando escada é só pros mais malucos mesmo. E dava também pra passar rapelando até um ponto mais abaixo e subindo pelo outro lado, mas o gelo tava bem ruim ali, umas partes com rocha quase exposta e tal... Possível, mas arriscado. A gente até pensou em tentar, mas tinha o problema do horário tbm. Chegamos lá às 6hs. Pra atravessar a greta ia gastar pelo menos 1:30 com todas as ancoragens... mais 1h pro cume. Chegando ao cume depois das 8:30 já tá batendo muito sol em todo o caminho da descida, e aí fica perigoso com aquele tanto de seracs e gretas ... No Huascarán meu amigo teve uma dor de barriga cabulosa na noite do ataque ao cume, e aí tivemos que descer... Vou ter que voltar pra chegar nos dois cumes!
  6. ACONCÁGUA DEZ/2016 - RELATO

    Legal de1000, eu queria ter feito Ischinca também! mas acabou não dando tempo... fiz só o Chopi e tentei o Huascarán, sem cume... Cordillera Blanca é demais!! Fique à vontade para fazer mais perguntas. Abs
  7. ACONCÁGUA DEZ/2016 - RELATO

    Olá de1000! Não há cobrança pelo camping, apenas para uso do banheiro, talvez. Digo "talvez" porque a informação oficial é de que há um banheiro para uso gratuito em cada acampamento base, porém, na prática, tem que procurar bastante pra descobrir que banheiro é esse. Contratando o serviço básico de mulas, já ganha o direito ao uso dos banheiros da empresa, além de poder usar a barraca domo comunitária da empresa para cozinhar e descansar. O acesso a água nos acampamentos base é o mesmo para todas as pessoas. Não há distinção. Em plaza de mulas cada empresa prepara um local específico para reservar água, geralmente galões com torneira e/ou potes, mas ninguém se importa, reclama ou controla se quem está pegando a água contratou outra empresa ou nenhuma. Não tivemos, nem vi ninguém ter problema algum com as empresas por estar sozinho. Pelo contrário, vi todos sendo muito amigáveis. Em relação a montar barraca, o parque estava mais vazio quando fui, porque era baixa/média temporada, então foi tranquilo. Mas as empresas mandam porteadores subirem antes e montarem as barracas nos melhores lugares para seus clientes, então na alta temporada acho que pode acontecer de ter que montar a sua num local menos protegido. No acampamento Canadá pode ser complicado, pois á área boa é pequena. Os outros acampamentos são muito grandes.
  8. Expedição Aconcágua dez/2016

    Expedição ao cume do Aconcágua em dez/2016 (sem guia). Como antes da atualização do site não havia o tópico para montanhismo, o relato acabou ficando neste tópico de trilhas na Argentina: http://www.mochileiros.com/aconcagua-dez-2016-relato-t145561.html
  9. Aconcágua - Perguntas e Respostas

    Oi Mauro! É possível avistar bem o Aconcágua com uma caminhada de uns 15 min a partir da entrada do parque (essa vista da imagem abaixo), mas em Confluência não. Eu particularmente não acho que vale a pena o trekking só até Confluência. Se quiser ir até o mirante da face sul perto da Plaza Francia, é possível sim fazer em um dia, se começar cedinho. Umas 2,5 a 3 hs até Confluência, mais 4 a 5 hs até Plaza Francia, e umas 2,5 a 3 hs pra voltar tudo (lembrando que os dias são longos lá no verão). O trekking não é permitido nesta época do ano. Quando vc está planejando ir?
  10. Comprar dólares ou bolivianos?

    Thaty, não compre bolivianos aqui! Vc pode levar dólares ou reais, e chegando lá trocar por bolivianos. Algumas coisas pode pagar direto em dólar, principalmente passeios/excursões. Quando fui à Bolívia em out/2015 valia mais a pena trocar direto o real lá em vez de dólar (a cotação de troca do real direto por boliviano lá estava mais vantajosa do que por dólar, considerando os gastos pra converter real/dolar antes aqui), mas pode ter mudado. No peru, por exemplo, sempre vale mais a pena levar dólar. Em La Paz, lembro que a melhor cotação era numa barraquinha na praça central, e foi a cidade onde tinha mais diferença entre trocar real ou dolar (melhor real). Eu usaria o cartão só se faltar grana... qualquer transação em moeda estrangeira no cartão incide 6,38% sobre o valor já convertido, e dependendo do banco a cotação de conversão é alta. Pra Bolívia, eu levaria tudo em real e trocaria por bolivianos lá. Ou levaria a maior parte em real e um pouco de dólar. (se por acaso vc for passar por santa cruz de la sierra, toma cuidado na rodoviária pq tem uns caras da interpol que costumam coagir e subornar brasileiros, eu e dois amigos passamos o maior aperto, só escapamos quando eles viram que a gente tinha o telefone do consulado)
  11. ACONCÁGUA DEZ/2016 - RELATO

    haha obrigada Otávio! Lembro dos seus conselhos, mto válidos, apesar de eu não ter seguido todos rs, mas vc tbm falou: "não é fácil mas não é impossível (...) Os guardas parques cuidam bem da galera, e não deixam subir se virem que alguém está em risco. Se prepare, não esqueça os equipos necessários e boa sorte!!" baita incentivo! obrigada! Sobre outras montanhas de 6mil, to partindo pra elas agora . E sobre o saco de dormir, o que eu levei realmente era insuficiente, só funcionou porque eu dormia com 2 ou 3 camadas de roupas, além das meias, luvas e gorro. Se fizesse mais frio, tinha opção de vestir mais roupas e de colocar garrafa com água quente dentro do saco. Outra coisa que ajudou foi que eu não dormi nenhuma noite sozinha na barraca (calor humano faz diferença!). De qualquer forma, teria ficado mais confortável com um saco mais quente, mas tive que ponderar muito a questão do peso pra eu conseguir carregar Poderia ter levado um de penas em vez do sintético, mas ele teria perdido muito a eficiência até o final, quando já não dava pra secar.. o sintético funcionou bem mesmo nos dias que tava muito úmido... Mas enfim, eu poderia ter me dado mal e arrependido de ter economizado meio quilo...
  12. ACONCÁGUA DEZ/2016 - RELATO

    hahaha ao contrário do que dizem, quem bebe mta cerveja tem memória boa! (mas eu rascunhei uma boa parte logo que cheguei, enquanto tava com os pés pra cima esperando desinchar rss). Se lembrar de alguma coisa que eu não mencionei me fala pra eu completar o relato!! O Carlo escreveu um diário dos primeiros dias mas até hoje não deixou eu ler! Vale repetir que o cume não é o mais importante, e vc esteve na maior parte da expedição, e merece os mesmos aplausos tenho certeza que vc teria chegado ao cume tbm se não fosse o infeliz problema dos olhos. Obrigada por toda a parceria!
  13. ACONCÁGUA DEZ/2016 - RELATO

    Abaixo a lista de equipamentos Barraca 4 estações (levei a azteq himalaya, seria ótimo uma mais leve e compacta, mas não foi ruim ter o conforto do espaço desta); Saco de dormir de pelo menos -15°C conforto (eu fui com um Deuter -2 conforto; -8 conforto limite e -26 extremo, senti um pouco de frio em algumas noites, mas nada que me fizesse arrepender de ter levado esse saco, mas não é o recomendado!); Fogareiro + isqueiro (fósforos umedecem e falham. O isqueiro funcionou bem em todos os acampamentos e temperaturas. Usei o fogareiro azteq spark, ultra leve. Pra derreter neve os modelos tipo jetboil são melhores, mas vi eles falharem pra acender e manter aceso algumas vezes); Botas duplas boas (aluguei a koflac e tive início de congelamento nos dedos. Mas o frio tava mesmo demais naquele dia..); SD de emergência alumínio (não usei, mas é importante); Isolante térmico bom (pode ser de PE, pelo menos 1 cm de altura. Mas se precisar montar a barraca sobre o gelo/neve, o frio pode passar por ele. Infláveis são mais confortáveis mas tem risco de furar e são mais pesados); Lanterna de cabeça + reserva (resistente a água); Panela/talher/caneca de plástico; Gás isobutano/propano, de rosca (5 cartuchos de 230g são suficientes, provavelmente vai sobrar. É recomendado o pequeno) Garrafa térmica (muito útil, mas não completamente essencial) 3 garrafas leves e resistentes para comportar no mínimo 3 litros de água Capas térmicas de neoprene pras garrafas de água (de qualquer forma várias vezes tava tudo congelado de manhã, mas ajuda um pouco...); Garrafa pra xixi (obs: a garrafa de gatorade costuma vazar!); Duffel bag entre 80 e 120L (se for usar mulas até o acampamento base); Bastão de caminhada (1 é suficiente); Óculos de sol e goggles (os óculos precisam de proteção lateral (importantíssimo). Os meus não tinham e improvisei com silver tape. Funcionou bem. Não usei goggles, mas podem ser necessários dependendo da sensibilidade dos seus olhos, ou pra nevascas); Crampons; Gaiters/polainas; Tapa ouvido para dormir (tem noites que o barulho do vento é muito forte); Travesseiro inflável (pode improvisar com roupas); Anorak; Calça corta vento/impermeável; Calça e blusa segunda pele; Calça e blusa fleece; Camada de aquecimento para dia do cume (eu usei um casaco de penas simples e um grosso de enchimento sintético); Luva impermeável, luvas quentes e luvas que deem pra manusear objetos; Mittens; Balaclava; Gorros de lã; Meias; Diamox (acetazalamida), Aspirina (ácido acetilsalicílico), Imodium (pra diarréia), Ibuprofeno; Clorin (não usei); Protetor solar fator alto; Papel higiênico, desodorante, lenços umedecidos, álcool, etc.; Manteiga de cacau (passei até no nariz quando começou a rachar do frio seco...não levei nenhum hidratante, mas é uma boa levar); Escova/pasta de dente; Micropore; Soro fisiológico; Colírio; Câmera; GPS (precaução. Se pegar um white out vai precisar); Baterias e pilhas extra; Chinelo até acampamento base (se for usar mulas. Se não for, é um peso que pode ser cortado); Sacos para lixo, saco mais forte para recolher neve, sacos para manter coisas secas, sacos individuais para cocô, pra depois jogar no saco oficial do parque; Boné; Cordeletes pra fixar mais a barraca (dependendo da barraca... A minha já tinha suficiente); Aquecedores químicos de mãos e pés (pro dia do cume).
×