Ir para conteúdo

p4f

Membros
  • Total de itens

    22
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

1 Neutra
  1. Essas tais de "cancela" e "portal" que construíram lá ficam na Índio-Tibiriça? Até 2 anos atrás costumava ir direto a este local, não para descer pela escada ou para cair na estrada velha, mas para seguir uma trilha perpendicular que dava acesso a uma cachoeira. O que fazia era seguir pela estrada Indio-Tibiriça, até quase o seu final, deixando o carro num buteco ao lado da estrada. Voltava algúns metros a pé e lá começava a trilha. É este local que agora encontra-se fechado ou com controle de acesso? Abraços
  2. É vero, Fábio. Você já havia falado sobre a garantia! Confesso que esqueci. Amanhã entrarei em contato via telefone para acertar os detalhes. Obrigado
  3. Tron, Minha Nômade Titã foi pro saco com menos de 1 ano de uso e pouquíssimas trilhas. O pé direito já apresentava infiltração pouco acima dos dedos desde o primeiro uso. No começo era bem leve a ponto de não ser capaz de afirmar se tratava-se meramente de suor ou de infiltração real. Tanto que na época publiquei comentários favoráveis a Titã aqui no fórum. A bota porém permaneceu guardada depois disso pois nasceu minha filha e com ela toda aquela correria de novo pai que não tem tempo nem pra respirar, que dirá fazer trilha. Agora, neste feriado retirei-a do armário e fui pra trilha com ela: bastou pisar na primeira poça de água de meia tijela para já sentir a umidade penetrar imediatamente no interior da bota. Além do mais, a bota, e aqui não importa se pé esquerdo ou direito, não aguenta muita insistência em poças e com algumas horas de caminhada encharca completamente por dentro. Por fim, e falando ainda sobre o pé direito, este insiste em formar bolha no calcanhar (também desde a primeira utilização), não importando se uso coolmax fina, grossa ou dupla meia. Só falta ter que usar vaselina coisa de que nunca precisei com outras marcas de bota... O que tenho agora é uma bota com solado totalmente novo, supostamente impermeável, mas que presta-se apenas para trilhas secas.
  4. p4f

    Mochilas DEUTER

    Salve, Comprei a Kid Confort II e fui testá-la no Aiuruoca. Excelente qualidade de fabricação e detalhes. A regulagem mostrou-se uma das melhores que já encarei pela frente e não enfrentei problemas para carregar a minha filha. Esta também curtiu muito, divertiu-se a beça assim como dormiu um bocado nas minhas costas, atestando o conforto da cadeirinha. A única coisa que fez falta foi o parassol. Existe um modelo específico para esta mochila mas não estava disponível em nenhuma loja. Tivemos que improvisar alguma coisa, mas sempre capenga. Recomendo pois que ao comprar a cadeira considere seriamente a compra do parassol.
  5. p4f

    Gonçalves

    Salve, Passamos por lá na semana passada (24, 25 de dezembro) e ficamos apenas 2 dias. A cidade é morta (cidade fantasma?!) a ponto de não ter nem lugar para jantar, excessão a um boteco que serve lanches ruíns. As pousadas são realmente caríssimas, algumas com diárias na casa dos R$ 160. Apelam para jardinzinhos, passeios a cavalo, ofurôs e similares, ou seja, uma versão reduzida de hotel-fazenda. Sem sal, portanto. Optamos por economizar na diária e pegamos uma pousada ao lado da igreja (que cidade pequena não tem a sua igreja?!). O quarto com duas camas (levamos a nossa filha recém-nascida) mais café da manhã custou-nos R$35/dia por pessoa. De trilha, subimos apenas até a pedra. É interessante e tals mas nada assim excepcional. Gostei mesmo foi de comer uma boa comida no restaurante ao pé da pedra. No mais desencanamos do lugar e seguimos viagem ao Aiuruoca, aonde a diversão é garantida.
  6. p4f

    Gonçalves

    Tô indo pra lá no final de semana, passar algúns dias em Gonçalves e região. Alguma dica de última hora?!
  7. p4f

    Mochilas DEUTER

    Minha filha fez 7 meses e já passou da hora de levar essa menina pro meio do mato. Levar eu levei, más foi um sufoco carregá-la no colo. Então tô pensando em comprar uma mochila Kid Confort da Deuter: http://www.deuter.com/cms/front_content.php?idcat=65 Alguém tem? Que achou? Abraços
  8. Olá, Ninguém falou das trilhas! Tem alguma trilha bacana e mais "power" pra fazer em Itirapina? Valeu, Alex
  9. Ai Edu, que maravilha de banho foi aquele debaixo da cachoeira magnífica! Vou confessar que foi um desses raros momentos em que me senti feliz, realmente de bem com a vida. Valeu mesmo!
  10. Veja diego, não creio que exista uma idéia certa ou errada. Quando pensamos em termos de peso e conforto, um tênis para caminhadas em trilhas realmente é melhor que qualquer bota. E isso a gente sente com facilidade. Basta caminhar um dia inteiro com bota e outro com tênis para sentir a diferença. O que individualmente tentamos atingir ao escolher um calçado é, entre outros critérios, uma boa combinação entre agilidade, conforto e segurança. E isso é algo razoavelmente pessoal. Algúns preferirão maior agilidade. Tenho um amigo que faz trilhas usando uma chuteira de futebol de campo. E quando vemos uma chuteira rapidamente lembramos da agilidade e rapidez dos jogadores de futebol que, mesmo debaixo de chuva, se mantém firmes e fortes. Ora, os grampos da chuteira aderem extremamente bem ao mato molhado, ao barro das trilhas, etc. Ganha-se em segurança (aderência) para se conseguir agilidade e rapidez. Mas a base oferecida por uma chuteira é um tanto quanto instável (se comparado a outros tipos de calçados) e não oferece proteção alguma no tornozelo, expondo você a uma eventual torção. E torção é um acontecimento capaz de estragar até mesmo a mais bela das trilhas. Imagina essa base instável sustentando seu peso corporal, acrescido daquele peso extra da mochila e temos um prato cheio para um acidente. Jogadores de basquete, por outro lado, requerem tanta agilidade e rapidez quanto o jogador de futebol. Mas seu "modus operandi" é diferente, sendo caracterizado por rotações constantes que envolvem o corpo inteiro, dos pés a cabeça, por disparos curtos e rápidos, por saltos constantes que requerem calçados com maior base de sustentação. Notamos imediamente que utilizam calçados de cano alto, pois estes oferecem uma proteção mais adequada a estas rotações e impactos constantes. Falando sobre impacto, absorção é outra palavra do vocabulário de calçados. E temos uma infinidade de modelos de tênis, geralmente desenvolvidos para corrida, que tem em comum seus sistemas de amortecimento e absorção de impactos, oferecendo ainda bastante conforto. Mas grande parte deles são desenvolvidos para piso seco e se prestam muito pouco para uma trilha. Ora, a gente quando parte para uma trilha não vai nem como jogador de futebol, nem como jogador de basquete, nem como corredor. Vai como trilheiro mesmo, caminhante, aventureiro, ou seja lá como queira se chamar. E vai passar por terreno seco, liso, frio, molhado, acidentado, tortuoso, e por aí afora. Nem uma chuteira, nem um tênis de cano alto e nem o tênis de corrida estão adaptados a tudo isso. E até onde sei, nem mesmo os tênis e botas para trilhas estão plenamente adaptados a todas estas situações! Privilegiando-se ora esta ou aquela característica do terreno, do clima e... do caminhante! E é este último quem dá a palavra final e sabe dizer, melhor que ninguém, que aspectos possuem maior ou menor peso na escolha do calçado. Assim, aquele conhecido que faz trilha com chuteira de futebol, não o faz gratuitamente, pode ter certeza. Ele apresenta características particulares tais como grande agilidade muscular, grande resistência aeróbica, boas reservas de energia geral, tendões mais desenvolvidos e flexíveis, maior experiência com trilhas, maior atenção ao que acontece a sua volta e aonde pisa, anda de bike regularmente, faz maratona, não fuma, não bebe, não met... ou seja, apresenta condições bastante adequadas para se expor desta maneira com sua chuteira. E todavia, não se expõe além de certo limíte: não sai de chuteira e uma mochila cargueira nas costas! Eu, de outro lado, sou um cara magrelo, que chegou aos 33 do primeiro tempo com uma vida relativamente sedentária, apresentando no lugar de músculos apenas uns poucos "gambitos" e que tem tendões bem pouco flexíveis. Fumo, bebo e quando faço trilha, levo uma caixa d'água nas costas pois transpiro absurdamente mais que meus colegas. Sou, portanto um esqueleto que carrega mais peso do que o considerado normal ou aceitável, que tem um histórico físico insuficiente e que pode facilmente se machucar e estragar não apenas o meu passeio mas também daqueles que me acompanham. Por isso tudo, ainda que não seja uma consequência totalmente lógica, nunca sairei pra trilha de chuteira O ideal é você fazer uma auto-avaliação e escolher não um calçado que meramente atenda a regras teóricas e recomendações genéricas, mas um calçado que procure atender a estas regras e recomendações levando em conta também aquilo que o seu corpo tem a oferecer e aquilo que seu corpo é deficiente. Alex
  11. Olá diegocv, De modo geral, bota é a melhor opção quando se pretende carregar um peso elevado (mochila cargueira cheia, por exemplo). Uma mochila pesada afeta demasiadamente o centro de gravidade do corpo além de cansar mais rapidamente. Numa situação dessas, qualquer descuido pode transformar-se em acidente e uma boa bota poderá prevenir torções. E há botas impermeáveis, boa pedida quando se precisa fazer travessia de pequenos riachos ou quando se caminha sob chuva. Mas há poréns: botas geralmente são mais pesadas que tênis e ainda podem limitar o movimento. Tênis não oferece essa proteção maior contra torções. Todavia, são leves, permitem maior flexibilidade e, consequentemente, oferecem maior agilidade mesmo em longas caminhadas. Particularmente evito usar tênis. Prefiro arcar com os custos da bota (peso, perda de flexibilidade) mas contar com sua segurança, mesmo quando não carrego muito peso.
  12. Olá pessoal, Estava vendo o peso das duas e a diferença é praticamente inexpressiva, né? * Nepal: 1,95kg * Minipack: 1,75kg. Eu tava de olho numa Minipack, para uso próprio apenas (eu + mochila), mas to achando que vale mais a pena comprar uma Nepal e ter mais espaço. Acho que essas 200gr de peso a mais da Nepal não farão diferença, né? Afinal de contas que são 200gr a mais pra quem já está com 50 kilos nas costas, hehehehe... Alex
  13. Usei citronela durante um longo tempo. Passava o dia melecado pelo óleo, dos pés a cabeça, e no entanto ele só funcionava de modo razoável, exigindo reaplicação constante. Depois passei para Autan. Se mostrou melhor que citronela mas continuava a exigir reaplicação de hora em hora. Passei a usar Off e achei melhor ainda que Autan, mas o mesmo problema: tinha que reaplicar o tempo todo. Hoje em dia uso Exposis. Comecei com o Exposis óleo e só recentemente descobri que tinha o spray (apesar de não ser tão menos oleoso). Tem funcionamento muito bem, melhor que qualquer outro repelente, e exige menor quantidade de reaplicação ou apenas em intervalos maiores. Fui, Alex
  14. p4f

    Mochilas DEUTER

    Fala Hugo! Muito legal esse esclarecimento sobre a Cordura. Sempre pensei que haveriam diferentes Corduras, mas nunca imaginei que existisse até mesmo uma medida de resistência. Passarei a prestar atenção a isso! Tenho um streamer da Deuter. Cara, sua qualidade e praticidade é realmente imbatível. Ao menos posso afirmar que não existe um nacional sequer que chegue aos seus pés. Esse seu contato aqui em SP vende outras marcas de mochila ou outros tipos de equipamento? Isso muito me interessa! Abração
  15. p4f

    Mochilas DEUTER

    Olá Victor Em qual loja irá comprar? E quanto aos impostos e frete? Por quanto sairia, no final das contas esta mochila? Abraço
×
×
  • Criar Novo...