Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

thiago.martini

Membros
  • Total de itens

    93
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que thiago.martini postou

  1. @Aline Miqueline uiaaaa ... esse ano o euro turismo não baixou de 4,15, com isso teu budget/dia foi cerca de 48 euros para todas as despesas. Nível jiraya hein?!?
  2. Existe um trecho do Caminho de Santiago no Brasil!! Sim, é verdade e eu fiz! hehehe Em 2017 a Catedral de Compostela homologou um trecho de quase 25 km em Florianópolis como parte do caminho. Isso porque para se ganhar a compostela, é preciso completar, no mínimo, 100km (algo assim). E o menor trecho, ou trecho mais fácil na Espanha, tem cerca de 80km, estão eles aceitam trechos em outros países para completar os 100km e pegar a compostela. (Talvez a história não seja exatamente assim, mas é o que eu me lembro da explicação do Padre no início da caminhada em Floripa). Fiz essa caminhada em setembro de 2017, antes da inauguração oficial. É muito bonito. Passa por lugares incríveis da ilha. Recomendo!
  3. Exatamente. Imigração em Lisboa, se vc sair do aero, e imigração em Londres again!
  4. @guilherme355 Fala Guilherme! Fiz todos os meus passeios com a Lithium, inclusive o salar. Recomendo!
  5. Cara, muito massa seu relato. Parabéns! Vou pra Colômbia com minha esposa em outubro. Já tinha ideia de fazer Gatapê e com teu relato tive certeza. Me ajuda com duas informações, por favor: 1 - Qual a empresa de bus que vc pegou para Medellin? Foi fácil de comprar passagem no próprio terminal? 2 - Em Santa Marta vc chegou a ver algo sobre o trekking até Ciudad Perdida? Há bastante agências vendendo o passeio? Valeu cara! abraço!
  6. @João Rosenthal Massa João. Ainda estou lendo teu relato. Tá top. Comprei passagem ontem para a Colômbia. Vamos eu e a esposa. Pergunto: como que tá a cotação por lá? Vc levou reais, doláres etc? Se puder dar um help com essas infos, agradeço!
  7. Cara, que sorte que trocaram punta por piriapolis. Cidade muito top do litoral uruguaio. Che Lagarto, que saudades deste hostel. Passei 8 dias lá em 2016.
  8. Motociclistas e Mochileiros, Beleza? Depois de muito utilizar o Mochileiros.com para me auxiliar nas trips pelo mundo, chegou a hora de retribuir e escrever meu primeiro relato por aqui 👏. Em 26/12, eu e minha noiva embarcamos na nossa primeira viagem de moto mais longa. Já fizemos algumas viagens e mochilões pela Europa e América do Sul e também algumas viagens curtas de moto, mas essa foi nossa primeira ridetrip de média duração (total de 12 dias e 3.724km). Para começar, escolhemos o Uruguai, país que muito nos agrada, já conhecíamos, e que fica razoavelmente perto de Curitiba, nossa cidade de partida. Fomos com um BMW F800GS Adventure que dispensa comentários. Moto perfeita para ridetrips. Nosso roteiro foi o seguinte: (mais adiante detalho tempos de viagem e quilometragem rodada) 26/12: saída de Curitiba/PR com pernoite em Porto Alegre/RS 27/12: Dia livre em Porto Alegre/RS 28/12: Saída para Punta del Diablo/UY 29, 30 e 31/12: Dias livres em Punta del Diablo/UY 01/01: Saída para Piriápolis/UY 02/01: Dia livre em Piriápolis/UY 03/01: Saída para Colônia do Sacramento/UY com passagem para almoço em Montevideo/UY. 04/01: Dia livre em Colônia do Sacramento/UY 05/01: Saída de Colônia do Sacramento/UY com pernoite em Santa Maria/RS 06/01: Retorno para Curitiba/PR com passagem por Bento Gonçalves/RS ----- PREPARAÇÃO ----- Antes de começar as informações dos trechos, aqui vão algumas informações iniciais do planejamento. Como já conhecia vários dos lugares que passamos, em um mochilão feito em 2016, já tinha uma ideia de como eram os locais e as necessidades de hospedagem, dinheiro, câmbio etc. Optamos por fazer as reservas de hostel antecipadamente, porque época de final de ano, sobretudo em Punta del Diablo e Colônia que ficam muito cheias, principalmente de turistas brasileiros. Com a moto, como ela está bem cuidada, fiz apenas uma revisão preventiva, troca de óleo, filtro e pastilha traseira. Para quem for de Curitiba, recomendo a Touring Motos, adiante do Parque Barigui. Pneu traseiro estava praticamente novo. Pneus dianteiro já estava meia vida, mas resolvi encarar (talvez uma decisão errada rsrsrs). Estamos sem top case e bauletos laterais. Utilizamos uma soft bag da BMW de 65 litros emprestada de um tio meu e, para evitar problemas com espaço, comprei um saco estanque da Guepardo de 20 litros. Só 55 reais na Canyon Adventure, em Curitiba, e coube um monte de coisa. O saco era preso sobre a soft bag com extensor. Não tivemos problemas. Levei apenas o kit de ferramentas da moto e um frasco de spray Motul para lubrificar a corrente. Nada mais, nem kit de reparo de pneu. No Uruguai tem bastante auxílio, caso fosse necessário. Emiti a carta verde pelo site da Porto Seguro, inclusive imprimi em papel verde como havia recomendando alguns blogs. Achei exagerado, mas preferi evitar problemas. Fomos com passaporte, mesmo sendo permitido entrar com RG. Tenho pra mim que o único documento internacional é o passaporte, então preferível sempre estar com ele fora do país. Aqui foi uma vantagem. Na fronteira do Chuy, a agente de imigração disse que com passaporte tudo fica mais fácil e rápido e não precisa preencher aqueles formulários de imigração. Ponto pro passaporte rsrsrs! O planejamento não teve nada de especial. Apenas criei uma planilha com o roteiro, distância entre as cidades, descrição de pontos de referência para orientar na estrada (viajamos sem GPS) e tempo, conforme o Google Maps, entre os destinos. Dia 1 (26/12) – Curitiba a Porto Alegre – 744km No dia anterior já prendi a soft bag na moto e o saco estanque, assim economizava tempo para a partida. Pneus calibrados e tanque cheio. Às 6:00 saímos de Curitiba com destino a Porto Alegre. Fomos pela BR-101 a qual conheço bem até a região de Laguna/SC. Depois era tudo novidade. Neste trecho tem pagamento de pedágio, não é caro, até chegar no RS. Estrada boa, mas bem movimentada. Evite abastecer próximo a Balneário Camboriú e Florianópolis, o preço vai lá em cima nessas regiões. Depois de Laguna a estrada continua boa, só um vento lateral na região da ponte de Laguna, muito bonita por sinal, que assustou um pouco. Em Osório/RS, pegamos a famosa freeway. Que monotonia rsrs. 90 km de quase uma reta infinita, sem subidas ou decida, sem posto, sem nada. E pior, estava um solzão de 34 graus marcando no painel da moto. Os quilômetros não passavam kkk. Chegamos em Porto Alegre por volta das 15h30. Viagem bem tranquila. Ficamos no Intercity Cidade Baixa. Peguei uma promoção no booking.com e o hotel saiu por um preço muito bom. Chegamos lá e o queixo caiu. Que baita hotel. Banho para recuperar as energias e fomos conhecer Porto Alegre (POA). Cidade agradável, bastante construções antigas e um pouco mal cuidadas. Mas o saldo foi positivo. Dia 2 (27/12) – Dia livre em POA – 0km de moto, muitos km’s a pé. Dia livre para conhecer POA. Visitamos o centro, Palácio Piratini (recomendo entrar e fazer a visita guiada - gratuito), Mercado Central, Hotel Majestic (casa do poeta Mario Quintana) e várias feiras de rua. Porto Alegre, embora um pouco mal cuidada, nos impressionou muito. Gostamos de lá. Próximo ao fim do dia fomos ao Gasômetro para ver o pôr do sol. Que lugar bonito e vibe legal. Vale a pena tirar uns minutos para relaxar e apreciar o visual. À noite, voltando para o hotel, paramos para comer em um lugar chamado Butcher Burger. Que surpresa boa. Lanche e lugar muito bom. Fica a dica. Dia 3 (28/12) – Porto Alegre a Punta del Diablo – 563km Saímos cedo, não tanto como queríamos, pois o café da manhã do hotel começava apenas as 6 horas, com destino a Punta del Diablo, Uruguai. A saída de POA foi um pouco complicada, bastante trânsito e mesmo com a ajuda do GPS do celular acabamos errando algumas saídas. Chegamos até a entrar errado na rodoviária da cidade (no lugar exclusivo de ônibus – que cagada 😆), mas depois de quase 1 hora conseguimos sair da cidade e rumamos sentido Pelotas. Estradas boas e pedágio gratuito para moto. Em Pelotas seguimos pela RSC-741, sentido Rio Grande e depois sentido Chuí. Aqui uma dica: a estrada que leva até a fronteira do Chuí é um retão de 100 km sem posto de gasolina. Bom ficar atento com o abastecimento do veículo. Fomos achar posto só perto de Santa Vitória do Palmar. Na fronteira com do Chuí, antes de ir para a imigração, paramos trocar alguns reais. A cotação estava boa. Pelo que me lembro, algo em torno de 8 pesos uruguaios por real. Dinheiro trocado, fomos para a fronteira fazer a imigração. Preenchemos aqueles formulários de entrada, porém quando chegamos no guichê a funcionária nos informou que como estávamos com passaporte não era necessário. Fila um tanto quanto grande para a fronteira. Era por volta das 14 horas. Imigração feita, seguimos para Punta del Diablo. Estrada uruguaia muito boa e, nesses primeiros quilômetros, cuidando com os limites de velocidade, pois ainda não sabia como era o controle por lá. Fato curioso: poucos quilômetros após a fronteira tem uma pista de pouso de aviões médios no meio da rodovia. É bem curioso, você passa sobre aquelas marcações na pista de pouso, além da largura da pista que chama a atenção. Por volta das 15h30 chegamos no nosso hostel em Punta del Diablo, Giramundos. Lugar bacana, vibe boa e preço bom. Recomendo. Check-in feito, fomos dar um pulo na praia de Punta. Primeiro a Playa de la Viuda, bonita mas a visitada no dia seguinte era mais. À noite uma cerveja e milanesa num lugar que não lembro o nome e estava muito bom. A conta ficou em torno de 1.100 pesos (cerveja grande e duas milanesas que também são grandes). Dica: pagar com cartão de crédito para receber a isenção do imposto. Atualmente está em 22%. Vale muito a pena. Dias 4, 5 e 6 (29, 30, 31/12) – Dias livres em Punta del Diablo Tiramos esses dias para descansar e aproveitar Punta del Diablo e região. Dia 29 tiramos para aproveitar a praia, dessa vez a Playa de los Pescadores, bem bonita, cheia e agradável. Nada como descansar e ler um livro na areia. Aproveitamos que tínhamos cozinha em nossa cabana e compramos um peixe fresco direto dos pescadores para o almoço. Que delícia 😋. Dia 30 aproveitamos para voltar até a fronteira do Chuí para comprar algumas coisas no duty free e abastecer a moto no lado brasileiro. São apenas 60 km de Punta até a fronteira. Então valeu a pena voltar para abastecer lá. Os preços do duty free do Chuy uruguaio são bem bacanas. Vale a pena dar uma olhada. Aproveitamos para trocar mais um pouco de dinheiro. Desta vez em um supermercado mesmo. A melhor cotação da viagem. Pedi indicação de casa de câmbio e o atendente se dispôs a fazer o câmbio para mim. Foi quase 9 pesos por real. Voltamos para Punta, passeamos um pouco mais na praia e a noite voltamos ao centrinho para comer algo. Aproveitando para falar de Punta. O centrinho do balneário, especialmente por ser final de ano, é bem agitado e cheio. Muitos carros, motos, vans e motorhomes do Brasil e da Argentina. Várias opções de restaurantes e bastante mercadinhos pela cidade. No horário de almoço e, principalmente, perto do horário de fechar (cerca de 20h30) sempre ficavam cheios. O preço é mais alto que o habitual. Dia 31, virada de ano, aproveitamos para ir conhecer a Fortaleza de Santa Tereza. Fica cerca de 15 km de Punta e vale a pena a visita. A Fortaleza ainda é uma instalação militar e funciona como um pequeno museu. Vale a pena a visita. O Parque Nacional de Santa Tereza tem praias bem bonitas e muita gente acampando nessa época do ano. Na volta de Santa Teresa para Punta, paramos em um mercadinho e compramos um bom bife ancho uruguaio. Vamos aproveitar a cozinha que temos 🤪. 400 pesos por dois bons pedaços de carne e batatas. O almoço estava garantido. Ahhh a carne uruguaia. À noite, começos um peixe fresco feito na cabana do hostel mesmo e por volta da 22h00 descemos para a praia para quem sabe ver um queima de fogos. Olha ... surpreendeu. Teve uma boa queima de fogos. Bastante gente na areia e no centrinho confraternizando. CONTINUA ...
  9. O passeio até Humahuaca, saindo de Salta leva um dia. Vc poderia fazer o passeio e pedir pra agência te deixar em Humahuaca. De lá vc pega um bus para Tupiza, La Quiaca ou Uyuni (não sei se vai ter direto). Pesquise bem essa disponibilidade de bus antes de se aventurar por lá. O norte da argentina é muito bem servido de ônibus e são bem bons, na maioria das vezes. Os ônibus bolivianos tbm são bons, exceto os clandestinos kkk.
  10. @Nicole Belo Nicole em setembro de 2016 eu fiz a Trilha Salkantay de 5d/4n. Recomendo muito. Tem a versão 4dia e 3 noites, caso queira economizar tempo. Para visitar Ollantaytambo vc pode pegar um tour de um dia em Cusco. Sai cedo e volta no final do dia, normalmente inclui Pisac, Urubamba, Chinchero e Ollanta. Olha, se trilha for a tua vibe, recomendo deixar tudo de lado e fazer a trilha. Uma experiência incrível. Se optar por ir, não deixe de subir asté o lago Humantay.
  11. @Nicole Belo Olá Nicole! Tua ideia de sair da Argentina e ir subindo até o Peru é bem coerente. Se não ficar muito tempo em cada cidade, creio que dá pra ver um pouco de tudo e cumprir seu roteiro no prazo disponível. Para ajudar, seguem algumas respostas as tuas perguntas: 1) alguém sabe me confirmar se é isso mesmo e me dar mais informações?? Por favor!! Sim, é possível fazer essa travessia. De Salta vcs podem ir conhecendo a Quebrada de Humahuaca até chegar na divisa. De lá segue a Tupiza e depois Uyuni. Quando estive em Salta conheci uma inglesa que tinha descido por esse caminho. 2) Estou muuuito em dúvida em relação aonde ir na Bolívia, pois vi muitos locais incríveis. Bolívia é um lugar muito legal. Vc pode fazer a visita bate e volta até o salar ou fazer a travessia do uyuni de 4 dias que o @lobosolitario falou. Talvez por uma questão de tempo, melhor apenas conhecer só o salar. A cidade de Uyuni não tem muito o que fazer. Não coloque muitos dias lá. La Paz é uma cidade interessante. Vale a pena uns 2 ou 3 dias. Copacabana creio que seja só interessante para acessar a Isla do Sol. Não vale a pena ficar lá. Isla do Sol recomendo ao menos uma noite. Bem interessante. Peguei uma baita tempestade lá em janeiro de 2017. Lago Titikaka é incrível. Por isso recomendo ir até Puno, já no Peru, e fazer a visita do lado peruano também (Islas Uros e Isla Taquile). Já estive no lado peruano (set/2016) e boliviano (jan/2017) e o peruano me ganhou mais. Na região de La Paz recomendo o downhill da estrada da morte. Uma baita experiência. 3) A ideia inicia era passar 9 dias em cada país, mas isso pode ser alterado! Talvez a Argentina fique com menos. Tudo vai depender de quantos dias vc vai dedicar a Buenos Aires. Peru, dependendo de onde vc for e como for os teus deslocamentos, talvez precise mais tempo. 4) Sobre o Peru, ainda não sei muito, sei que vamos a Cusco, Machu Pichu e Lima! Além de Puno e o lado peruano do Titikaka, creio que o melhor é isso mesmo que vc falou. Porque assim já te coloca na rota para chegar em Lima. Cusco é incrível, vale a pena uns 2 dias só na cidade. Machu Picchu é meio que obrigatório, embora eu tenha me fascinado mais por Ollantaytambo. Não deixe de fazer alguns passeio na região do Vale Sagrado dos Incas, como Pisac, Urubamba etc. Lima é uma cidade interessante. Vale alguns poucos dias lá. Espero ter ajudado. Boa trip!
  12. Camila, mesmo hostel que eu fiquei em janeiro de 2016. Que vibe! Tenho certeza que Cabo Polônio vai marcar sua vida de mochileira. Leve comida de punta del diablo para polônio. Lá é mais caro. Café no hostel, não tive coragem. Limpeza não era o forte em 2016. Mas isso não tira a vibe do hostel. Mente aberta que vai ser sucesso kkkk. Teu roteiro tá bem legal. Vai conhecer um pouco de cada lugar e depois, quando voltar para UY, volta naquilo que mais te agradar. Montevideo me hospedei no Che Lagarto. Um dos melhores hostels que já fiquei. Vibe boa. Boa localização. É proximo da rodoviária. Facilita a chegada e saída. Seguro NEXT nunca fiz. Não recomendo pegar carro. Compre a passagem de Polonio para Punta com antecedência. Pegue o caminhão em Polonio com tempo para chegar na entrada do parque e pegar o bus. É sempre uma muvuca lá. Colônia, Plaza del Toro não é imperdível. Em 2016 peguei um onibus para ir até lá. Num sol da porra. Pra chegar lá e não ter nada de especial. Foi quase 2 horas entre ida e vinda. Não achei q valeu a pena. No mais ... aproveite a trip Camila!!!!!
  13. Camila, que legal ter escolhido o Uruguai. Particularmente, é uma país que me agrada muito. Já estive por lá duas vezes: janeiro/2016 e janeiro/2019. Vou te passar algumas percepções minhas e vc vê o que contribui com o seu roteiro. Primeiro, ir de bus até o chuy é uma boa ideia. Economiza bastante. Punta del diablo é um lugar bem bacana. Fiquei 5 dias lá em janeiro. Foi um muito relaxante. Em abril não terá tanto agito como no final do ano. Acredito que os lugares estarão abertos. Tem boas opções para comer e bastante mercadinhos. Dica: se passar pelo chuí brasileiro, compre comidas por lá para levar (bolachas, água, atum etc kkkk). A diferença de preço é grande. Em Punta, a Playa de los Pescadores é a mais agradável na minha opinião. Bem na entrada da praia, na direita, tem uma banca que vende empanadas. Não deixe de provar. Uma das melhores que já comi. Polonio estive em 2016. Lugar bacana, mas hospedagem cara. Vá até Valizas sim. Dá pra ir andando pelas dunas (10km, mega cansativo, mas aceitável). Talvez 2 a 3 dias em Polonio seja muito. La Paloma e La Pedrera ainda não conheço. Punta del Est é bacana, mas não me ganhou. Estive lá nas duas vezes. Talvez um dia para conhecer o principal. Na última trip conheci Piriapolis. Foram 3 dias lá. Que lugar legal. Vibe boa. Mar bem calmo. Lugar que me surpreendeu muito. Recomendo demais. Montevideo vc planejou 2 dias. Acho que dá pra conhecer o básico. Comer uma carne no mercado do porto e passear por lá. Se estiver lá em um domingo, vá na feirinha de Tristan Narvaja. Bem diferente. Palácio Legislativo vale muito a visita guiada. É de uma arquitetura impressionante. Se der, veja um por do sol no Parque Rodo ou na Playa de Pocito. Bacana demais. Colonia acho que merece mais que q dia. 2 ou 3, eu diria. Lugar legal, vibe legal. Não deixe de visitar as prais que ficam a direita do centrinho. Vale a pena a caminhada até lá. Veja um por do sol lá e outro na cidade murada. Certamente o da praia irá te impressionar. O que vi lá, nesse último janeiro, certamente está no top 5 dos mais bonitos que já vi. Tem umas cervejarias artesanais em Colonia que valem a visita (Mastra e Balbot). Enfim, Uruguai é um país muito bacana. Gente boa e acolhedora. Come-se muito bem e leva-se uma vida mais tranquila. Aproveite lá. Se precisar de mais dicas, só pedir. Boa trip!
  14. Fala viajante. Eu optaria pelo leste. Da Alemanha o deslocamento para o leste é mais fácil do que descer para o sul e fazer a Itália. A Itália é um país que, na minha opinião, merece uma trip exclusiva kkkkk. Pelo que vc falou, na Itália vc teria muito bate e volta. Não sei se isso é mto legal, ainda mais numa trip de casal. Pode desgastar. Por isso, já que tem mais tempo para cada lugar do leste, sugiro o leste. Viena, Praga e Budapeste já conheço. Inclusive fiz um mochilão com a minha noiva para esses lados. Viena é muito bonita e romântica, mas caraaaaaa kkk. Praga, show de bola. Budapeste é incrível. Gostei muito. Recomendo uns 3 dias, no mínimo. Abraços!! boa trip!
  15. Cusco fiquei no Milhouse. Indico muito. Gostei da vibe. Bar bom e tem o burger Milhouse que é mto top. Lima fiquei no Kaclla, The Healing Dog Hostel. Hostel bem bacana, cafe da manhã bem natureba. Mto top. Fazem o próprio pão e a própria granola. Os dois são incrivelmente bons. Até peguei a receita kkk.
  16. thiago.martini

    Chuy

    @bode__ Dica: troque dinheiro nos supermercados do lado brasileiro da avenida. Melhor cotação que peguei na região. Estava na fila do caixa, falei com a minha noiva de casa de cambio, o atendente perguntou se eu precisava fazer câmbio. Disse que sim e foi a melhor cotação. Rápido e sem estresse. Se não me engano era o Supermercado Lisboa.
  17. Cara que relato massa! Deu pra curtir a vibe. Vamos para Colômbia, eu e minha esposa, em outubro e estou querendo muito fugir do básico Bogota, San Andres e Cartagena. Gostei de tudo que li no teu relato. Vou incluir umas 2 noites em Tayrona e 2 noites em Guatupe. Valeu pelo relato. Abraços!
  18. @Diário do Presi Para moto ok. Para caminhada, ainda mais tipo Caminho de Santiago que são muitos quilômetros, eu não compraria. Neste caso preferiria a Snake, pelo preço. Uso a mesma Snake (Dry Stone II) em trilhas e moto faz uns 4 anos. Tá inteira.
  19. @Elder Walker Cara, muito bom o seu relato. Completo e empolgante. Estava procurando relato de alguém que tivesse feito esse mesmo roteiro de moto. Achei o teu, de carro, e falei: "vou salvar e ler quando der". Li o relato do primeiro dia e me empolguei rsrsrs. Ontem e hoje li tudo kkk. Viajar é muito bom. Viajar de carro e moto traz uma sensação diferente. Só passando pra saber. Voltei domingo passado de uma trip pelo litoral uruguaio. Foram 3.724km de moto. Abraço pia!
  20. O mais barato é de Colônia subir pela Ruta 2 até Fray Bentos (cidade bem bonita, por sinal) e atravessar a fronteira ali. Depois desce pra Buenos Aires pela Ruta 14.
  21. @Rubens George Bretz Sempre um prazer ajudar! Então, já estive no Uruguai em jan/2016 para um mochilão e agora em dez/18 e jan/19 para uma trip de moto. Nessa última viagem tiver certeza do quanto o Uruguai me agrada. Pra vc montar teu roteiro, primeiro é bom ter em mente o estilo de viajante que vc é: mais roots ou mais urbano; mais sussi ou mais baladeiro. Vou te falar de algumas cidades q já estive e o estilo delas para te ajudar a montar um roteiro: Punta del Diablo: lugar mais roots, mas com boa infraestrutura. Bastante brasileiros, dada a proximidade com o RS. Praias bonitas, com destaque para a "de los Pescadores". Em alta temporada, tem bastante gente, bastante comércio aberto, bons restaurantes, lugar para comer, curtir, badalar etc. De lá, vale uma visita até o Parque Nacional de Santa Tereza. Preços medianos. Barra de Valizas: vilarejo mais roots, bem bacana e com uma praça que concentra o "fervo" da cidade (essa praça me pareceu um local onde os uruguaios e argentinos fazer estágio em malabares para depois vir para os nossos sinaleiros kkkkk). Praia normal e preços um pouco mais baixos que Punta del Diablo. De lá é possível ir andando pelas dunas até Cabo Polônio (10 km andando na areia fofa rsrsrs. Fiz essa loucura em 2016 de chinelo e em um dia chuvoso. Aventura que vou lembrar para o resto da vida kkk). Cabo Polônio: beeeem roots. Uma experiência bem diferente conhecer e passar uma noite em Cabo Polônio. Lugar bonito, roots e com muita mosca. Tem um farol bacana, os leões marinhos nas pedras e orla e uma praia, a oposta de onde chegam os caminhões, bem bonita e com um por do sol top demais. Preços mais altos e uma das estadias mais caras que já paguei no UY. Comida: só comprei coisa no mercado e comi no hostel. Restaurantes pareciam caros, dada a escassez e dificuldade de receber suprimentos. Piriápolis: supresa boa desta última trip pelo UY. Que lugar bacana. Cidade com boa estrutura. Vários restaurantes e locais para comer de todos os tipos e preços. Pub com cervejas uruguaias a preço justo (Sinergia Beer Pub). Praia bem calma, quase sem onda. Por do sol top. Muitos mercados e bastante opção de local para ficar de tudo que é tipo. Tem uma rambla (beira-mar) bem top. Próximo a Punta del Este e Punta Ballena. Dá pra pegar um ônibus local para ir visitar essas cidades. Sugiro pegar o que passará por Punta Colorada e Punta Negra. Punta del Este: lugar badalado e caro kkk. 2 vezes nesta cidade, 2016 e 2019 e confesso que não vejo nada demais. Vale para conhecer, tirar uma foto no "los dedos" e caminhar pelo porto e centro. Punta Ballena: local da Casa Pueblo. Vale visitar o museu e saber mais da história. Se for lá só pelo por do sol. Daí melhor não entrar e assistir das pedras que ficam bem na pontinha daquele braço de mar. É uma experiência bacana. Montevideo: cidade legal, mas que não precisa dispender muitos dias. Imperdível caminhar pela cidade velha, mercado do porto (comer uma carne lá. Sugiro Cabaña Veronica. É caro, mas vale cada peso kkk) e visitar o Palácio Legislativo (que construção imponente e o interior é sensacional). Em 2016 foram 7 dias lá, achei demais. Colônia do Sacramento: cidadezinha muito legal. Já tinha gostado na primeira vez e agora superou minhas expectativas. As prais valem muito a pena a visita. Toma-se banho no rio da plata. Calmo e com temperatura mais agradável, mas não quente. Tire um dia para ver o por do sol lá, é muito mais incrível que da cidade velha. A cidade velha é bem interessante. Bastante história. Duas cervejarias tops que indico: Cervejaria Mastra e Barbot. Cara, o UY tem preços um pouco mais caros. Mas nada absurdo. A moeda dele parece desvalorizada para nós, mas na real os preços em pesos são altos. Mas acho q sabendo levar, não é um grande problema. O povo uruguaio é bem amigável, ajudam sempre que possível e são mais "buena onda" que os argentinos. Na minha opinião, vale muito uma visita pra esse país pequeno, mas que surpreende muito. Qq coisa, só perguntar! Abrs!
  22. @Rubens George Bretz Para economizar mais, veja passagem até o Chuí, no RS, e em Chuy, UY, pegue outro ônibus. Cara, Punta del Est é uma local caro e badalado. Vale a pena conhecer, mas não sei se ficar por lá muito tempo. Voltei do Uruguai semana passada. Recomendo olhar Punta del Diablo, vibe mais roots, mas bem legal, e Piriápolis. Aliás, Piriapolis me surpreendeu muito. Que cidade legal. Vibe boa, mar sem ondas e a 40km de Punta del Est. Dá pra pegar ônibus de linha pra ir para Punta. Abraço!
  23. @ricardo.barros Recomendo sim. Não achei muito bagunçado o hostel. Os quartos compartilhados são grandes. O bar do hostel fica meio no fundo, escondido, então não tem aquela muvuca na entrada.
×
×
  • Criar Novo...