Ir para conteúdo

anselmoportes

Membros
  • Total de itens

    41
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    1

anselmoportes venceu a última vez em Agosto 29 2017

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

41 Excelente

Sobre anselmoportes

  • Data de Nascimento 21-03-1979

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Alemanha, Argentina, Áustria, Bélgica, Bolívia, Chile, Colômbia, Coreia do Sul, Dinamarca, Escócia, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Inglaterra, Irlanda, Irlanda do Norte, Itália, Noruega, Países Baixos, País de Gales, Peru, Suécia, Suíça, Uruguai, Venezuela
  • Próximo Destino
    Turquia, Romênia, Bulgária, Sérvia, Hungria, Eslováquia, Polônia e República Tcheca
  • Ocupação
    Publicitário
  • Meu Blog

Últimos Visitantes

291 visualizações
  1. Fui para o Uruguai, Argentina e Chile em Março de 2017 e meu roteiro foi esse: SP - Punta del Este - Montevidéu - Colônia de Sacramento - Buenos Aires - Rosário - Salta - San Pedro de Atacama - Santiago. Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de SALTA. LEGENDA UYU - Peso Uruguaio USD - Dólar Americano BRL - Real Brasileiro ARS - Peso Argentino ROUPAS Em março o clima é bem agradável sem muitas variações de temperatura. O começo da manhã e à noite as temperaturas caem um pouco então é bom sempre ter uma blusa na mochila de ataque. Não esqueça do protetor solar, boné e óculos de sol. CELULAR Levei meu celular mas não comprei nenhum chip local. Fiquei usando apenas o wi-fi que funcionou bem durante a maioria da viagem. DINHEIRO e CARTÃO Em espécie levei apenas DÓLARES AMERICANOS e trocava aos poucos por moeda local em casas de câmbio. Usei sem problemas o cartão VISA INTERNATIONAL do Banco do Brasil na maior parte da viagem. ACOMODAÇÃO Há quase 10 anos faço parte do Couch Surfing então quase sempre consigo me hospedar na casa de locais. Em Salta fui hospedado pelo Germán, um couchsurfer que mora a uns 10min. do centro da cidade. CHEGANDO EM SALTA Decolei de Rosário por volta das 16h e cheguei ao aeroporto de Salta por volta das 18h. Não há ônibus que passa dentro do aeroporto então você precisa caminhar uns 10 minutos até chegar ao ponto que fica na rodovia do lado de fora. Peguei o ônibus 8A que vai até o centro. Não tinha cobrador e só aceitava o cartão de transporte. Conversei com um passageiro, pedi para usar seu cartão e dei ARS10 a ele. O QUE FAZER A cidade de Salta em si não tem muito o que fazer. Mas ela está localizada numa região belíssima com vários passeios (muitos de um dia, outros demandam mais tempo) ao seu redor. Aconselho deixar apenas um dia pra conhecer a cidade. Nos restantes, faça o máximo de passeios que puder. 1º dia: 17 de Março de 2017 (sexta) Levei 40 minutos para chegar ao centro da cidade. Caminhei até a agência Nordic Travel (http://www.nordic-travel.com.ar) que já tinha feito contato via e-mail anteriormente. Chegando lá comprei a excursão para Quebrada de Humahuaca (para domingo, 18 de Março). No cartão ficava ARS990 e no dinheiro ARS800. Pedi para deixar minha mochila na agência enquanto dava uma volta pelo centro da cidade. Passei pela Plaza 9 de Julio, Catedral Basílica de Salta e Iglesia de San Francisco. Parei num McDonald’s em frente a Plaza 9 de Julio e comi um “menu do dia”: McTriplo por ARS89. Voltei à agência pra pegar minha mochila e segui para um supermercado para comprar coisas para o café da manhã. De lá segui para casa do meu anfitrião. Conversei com ele por algumas horas e fui dormir. 2º dia: 18 de Março de 2017 (sábado) Acordei as 6h20, tomei café da manhã e segui caminhando para a estação de trem de Salta. Lá iria começar minha excursão para o TREN A LAS NUBES (http://www.trenalasnubes.com.ar). Tinha feito minha reserva pela internet e chegando na estação efetuei o pagamento no cartão de crédito (ARS1700). Fui o último a entrar no ônibus que partiu pontualmente às 7h05. *ATENÇÃO* - A excursão não costuma atrasar, então aconselho a chegar na estação por volta das 6h45. O ônibus foi fazendo umas paradas pelo caminho. Paramos no vilarejo de ALFARCITO para tomar um café da manhã: chá ou café com leite, duas pequenas broas e duas pequenas empanadas doces. Comida “OK”, nada de mais. Havia lá uma pequena capela, uma loja de artesanato e um pequeno estábulo com simpáticas lhamas. Chegamos em SAN ANTONIO DE LOS COBRES por volta das 11h40. É um pequeno povoado que se formou devido à exploração de cobre, chumbo e outros minerais da região. Ao meio-dia o Tren a las Nubes deixava a estação. Depois de uma hora e meia de viagem, chegamos ao ponto máximo do passeio: o VIADUTO LA POLVORILLA. O trem levou 10 minutos pra passar o viaduto. Por ele ser uma curva, quem está na janela da esquerda consegue ter uma visão melhor. Então guia do nosso vagão pediu para trocarmos de lugar com quem estava do outro lado para que todos pudessem ver e tirar foto da janela. O trem tem locomotivas nas duas extremidades, então ele não precisou fazer um retorno para voltar. Chegando ao final do viaduto, a locomotiva que estava no final trouxe a gente de volta. Logo após passar o viaduto na volta, o trem faz uma parada para mais fotos. Vários locais estão esperando os turistas, vendendo artesanato, água, empanadas, etc. No caminho de volta comi um lanche que tinha preparado antes de sair de casa. Chegando à San Antonio de los Cobres a excursão faz uma pausa para o almoço. Como já tinha comido, fiquei passeando pelo povoado. Mas não tinha muita coisa pra ver não. Por volta das 16h30 partimos de volta à Salta. Fizemos uma parada no povoado de SANTA ROSA DE TASTIL, onde há um pequeno museu. Nele fomos informados que TASTIL foi a maior cidade pré-colombiana da Argentina. Chegamos em Salta por volta das 19h45. Passei no supermercado para comprar o café da manhã do dia seguinte. Chegando em casa o Germán me apresentou sua namorada, a Julieta. À noite fomos à festa de aniversário do irmão dele. Comi e bebi muito e fui dormir por volta das 3h. 3º dia: 19 de Março de 2017 (domingo) Acordei às 6h30, tomei café e às 7h estava em frente a casa esperando a excursão para a QUEBRADA DE HUMAHUACA. Por volta das 7h10 a van da Nordic Travel me pegou e seguimos viagem. A primeira parada foi no povoado de PURMAMARCA. Há muitos artesanatos locais, mas o que vale mesmo é ver o CERRO DE LOS SIETE COLORES. Segundo o Wikipedia: “Sua exclusiva gama de cores é o resultado de uma complexa história geológica, que inclui sedimentos marinhos, lacustres e fluviais elevados por movimentos tectônicos.”. Esse morro é realmente fascinante! Se derem sorte do dia estar ensolarado, poderão ver suas cores ainda mais intensas. Fizemos outras paradas para fotos até chegar em uma oficina de cerâmica. Lá tivemos uma demonstração de como feito alguns objetos e o forno para onde vão. Passamos pela loja que vende essas cerâmicas e seguimos viagem. Mais uma parada para ver a PALETA DEL PINTOR, que são belíssimas formações rochosas multicoloridas que ficam em uma montanha. Chegamos em Humahuaca e paramos para almoçar no Hotel de Turismo. Fomos informados que a seleção argentina de futebol ficou nesse hotel antes de ir disputar a Copa de 1986 no México. Fizeram isso para irem se acostumando com a altitude, similar às das cidades mexicanas que iriam disputar seus jogos. Na entrada do almoço serviram 2 empanadas, depois uma salada. De prato principal escolhi MILANESA DE LHAMA. A carne era tão fina que quase não dava pra sentir seu gosto. Na sobremesa pedi salada de frutas. (ARS180). Depois do almoço saímos para caminhar pela cidade. Muitos vendedores nos abordavam, oferecendo água e artesanatos locais. Paramos na Iglesia Nuestra Señora de la Candelaria, Plaza Dr. Ernesto Padilla e numa loja de roupas com pele de lhama, alpaca, etc. Passei também pelo Monumento a los Héroes de la Independencia que fica no alto de uma escadaria. Por volta das 15h começamos nossa volta para Salta. Paramos em UQUIA, que tem a Iglesia de San Francisco de Paula. Aqui tem uma história interessante: na época que foi construída a igreja, os espanhóis pediram para um artista local pintar anjos dentro dela. Só que ele não sabia o que era um “anjo”. Então os espanhóis disseram: “São gente como a gente, mas com asas.”. Então o artista encheu as paredes da igreja com espanhóis em seus trajes típicos, mas com asas! Fizemos outra parada na PALETA DEL PINTOR, agora com as cores muito mais intensas por conta da posição do sol. Chegamos de volta à Salta por volta das 20h. Tomei um banho, comi uma pizza com o Germán e sua família e fui arrumar minhas coisas. Meu ônibus para San Pedro do Atacama iria sair 23h30. Chegando à rodoviária fui informado que NÃO PODERIA VIAJAR porque não tinha dado entrada na Argentina em meu passaporte. Vou explicar o que aconteceu: ****ATENÇÃO**** Entrei na Argentina por um barco que que cruza o estuário do Rio Prata. Estava em Colonia de Sacramento (Uruguay) e cruzei até Buenos Aires. Acontece que na chegada à capital argentina, não havia nenhum posto de imigração nem agente para conferir os passaportes de quem chegava. Estavam todos entrando na Argentina sem nenhuma fiscalização. Segui o fluxo e entrei normalmente. Acontece que na hora de sair, os motoristas dos ônibus que cruzam as fronteiras conferem se você deu a entrada no país. Caso não tenha dado (meu caso) eles não permitem entrar no ônibus pq eles serão multados quando forem cruzar a fronteira entre Argentina e Chile. Fui informado que teria que acertar minha situação no escritório de imigração de Salta. Por sorte o German (meu anfitrião) estava lá na plataforma comigo e entendeu toda a situação. Apesar de eu ter combinado de ficar na casa dele só até aquele dia, ele me disse que não haveria problemas de eu ficar mais tempo na casa dele. Disse que poderia ficar o tempo que fosse, até acertar minha saída do país. Voltamos pra casa e fui dormir desolado e com muita, mas muita raiva da m***da que eu tinha feito. 4º dia: 20 de Março de 2017 (segunda-feira) Passei O DIA TODO resolvendo minha situação com a imigração. Depois de inúmeras idas e vindas, disseram que iriam avisar a fronteira sobre minha situação. Voltei ao terminal de ônibus e o proprietário da agência Frontera del Norte (única empresa que tinha ônibus para o dia seguinte até San Pedro de Atacama) disse que eu iria poder embarcar desde que minha passagem estivesse carimbada por algum agente da imigração. 5º dia: 21 de Março de 2017 (terça-feira) Acordei umas 8h e fui até o terminal rodoviário e comprei passagem na Frontera del Norte (ARS 750). Fui até a imigração e eles relutaram em carimbar a minha passagem. Insisti muito e até apelei dizendo que era meu aniversário (e de fato era!). Depois de muita insistência carimbaram minha passagem. Por volta das 11h voltei pra casa, peguei umas roupas sujas e levei pra lavar em uma 5 à Sec (ARS110). Depois fui até o MAAM - Museo de Arquelolgia de Alta Montaña (ARS100). O museu é pequeno e vale a pena visitá-lo nos horários das visitas guiadas. Para mais informações, acessem: http://www.maam.gob.ar/ Mais tarde fui até o Monumento a Martín Miguel de Güemes, que fica aos pés do Cerro San Bernardo. O monumento é OK e há uma escadaria que sobe o morro. Subi só parte dela e voltei. A noite jantei com a família do Germán e por volta da meia-noite estava deixando Salta (ufa!) sentido San Pedro de Atacama. Anexo ao relato algumas fotos da minha passagem por Salta. Espero ter ajudado.
  2. Fui para o Uruguai, Argentina e Chile em Março de 2017 e meu roteiro foi esse: SP - Punta del Este - Montevidéu - Colônia de Sacramento - Buenos Aires - Rosário - Salta - San Pedro de Atacama - Santiago. Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de Rosario LEGENDA UYU - Peso Uruguaio USD - Dólar Americano BRL - Real Brasileiro ARS - Peso Argentino ROUPAS Em março o clima é bem agradável sem muitas variações de temperatura. O começo da manhã e à noite as temperaturas caem um pouco então é bom sempre ter uma blusa na mochila de ataque. Não esqueça do protetor solar, boné e óculos de sol. CELULAR Levei meu celular mas não comprei nenhum chip local. Fiquei usando apenas o wi-fi que funcionou bem durante a maioria da viagem. DINHEIRO e CARTÃO Em espécie levei apenas DÓLARES AMERICANOS e trocava aos poucos por moeda local em casas de câmbio. Usei sem problemas o cartão VISA INTERNATIONAL do Banco do Brasil na maior parte da viagem. ACOMODAÇÃO Há quase 10 anos faço parte do Couch Surfing então quase sempre consigo me hospedar na casa de locais. Em Rosário fui hospedado pelo Pablo, um couchsurfer que mora no centro da cidade. CHEGANDO EM ROSÁRIO Peguei um ônibus na estação de Retiro (Buenos Aires) por volta das 9h30 e cheguei em Rosário por volta das 15h. Havia uma manifestação na entrada da cidade por isso o ônibus atrasou um pouco. O táxi da estação ao centro me custou ARS100. O QUE FAZER Rosário é a terceira maior cidade da Argentina (atrás apenas de Buenos Aires e Córdoba) mas no entanto não é muito turística. Na verdade eu só decidi passar por ela pois estava no caminho de Salta, cidade que visitei posteriormente. 1º dia: 15 de Março de 2017 (quarta-feira) Devido a uns desencontros com meu anfitrião só fui chegar à casa dele por volta das 18h. Bem perto dali havia um supermercado e fui até lá comprar pão e achocolatado para o café da manhã e umas cervejas Quilmes. Voltei, conversei um pouco com o Pablo e saí para o encontro semanal do Couch Surfing. Comprei um cartão de transporte (ARS30) e coloquei mais ARS30 de crédito nele. Peguei um ônibus na Calle 3 de Febrero e desci na Bv. Oroño. Caminhei umas 10 quadras até a Calle Suipacha, onde se encontra o bar “Gatufo”. Um bar bem pequeno, mas tinha umas cervejas artesanais muito boas. Bebi 3 “rubias” e 1 “negra”. Conversei bastantes com os couchsurfers locais (uns 15 no total). Na volta dividi um táxi com 5 pessoas e por ARS20 voltei pra casa. 2º dia: 16 de Março de 2017 (quinta-feira) Acordei por volta das 9h, tomei um café, conversei com o Pablo e sai para caminhar. Fui até a orla do Rio Paraná, que tem um passeio bonito e arborizado. Cheguei até o Monumento à Bandeira e paguei ARS15 para subir nele. De lá se tem uma vista belíssima vista da cidade e do rio. Ali do lado está a Pasaje Juramento e também bem próximo está a simpática Basílica Catedral Nossa Senhora do Rosário. Segui caminhando até o centro e encontrei o Centro Cultural Roberto Fontanarrosa. Estava tendo uma pequena exposição de um cartunista argentino chamado Andrés Cascioli. Suas incríveis caricaturas criticavam o governo argentino mesmo nos tempos de ditadura. Conversei com um solícito funcionário chamado Marcelo que me explicou qual ônibus pegar até o Parque de la Independência. O parque tem um lago com patos e é bem cuidado. Lá também se encontra o Museu Histórico Provincial de Rosario Dr. Julio Marc. No museu há uma sessão com objetos da América pré-colombiana, arte sacra e quadros dos heróis da América do Sul como San Martin e Simón Bolivar. Apesar de pequeno (dá pra ver tudo em 30min.) vale a visita. Ao lado do museu está o estádio do Newell's Old Boys. Não existem tours guiados pelo estádio, mas eu pedi para um funcionário e ele me deixou entrar para tirar umas fotos lá de dentro na arquibancada. Voltei caminhando para casa. Tomei um banho, conversei com o Pablo, descansei e fui dar uma volta pelo bairro. Encontrei um bar chamado Zodiako (Calle 3 de Febrero, 562). Até às 21h30 qualquer pint de cerveja saia pelo preço de ½ pint (de ARS70 por ARS42). Primeiro tomei uma Blond Ale, mas tinha muito gás e parecia cerveja de garrafa. Depois pedi uma Red Ale e uma Kolch que estavam muito boas. Ficou tudo por ARS130. Na volta pra casa encontrei na mesma rua um restaurante por kg para levar. Fiz um marmitex de arroz, bife à milanesa, lula, almôndegas e salada (ARS87) e levei pra comer em casa. Jantei, conversei mais um pouco com o Pablo e fui dormir. 3º dia: 17 de Março de 2017 (sexta) Acordei por volta das 8h30, tomei café e saí para caminhar mais uma vez pela cidade. Passei por um teatro e casa de show chamado Plataforma Lavardén, que tem uma belíssima escada em espiral. Vale a visita para quem ama (assim como eu) tirar foto de escadas em espiral. Segui caminhando até a Plaza de la Cooperación, onde era a casa natal de Ernesto “Che” Guevara. Não há mais vestígios da casa, apenas uma pequena praça com uma ilustração do rosto de Che Guevara. Sinceramente só vale ver se estiver passando por lá, caso contrário nem perca seu tempo. Caminhei mais umas 4 quadras até o Parque España, que também não tem muita coisa pra ver. Fui até o Planetário mas estava fechado. Voltei pra casa, arrumei minhas coisas, me despedi do Pablo e fui pegar o ônibus (115 Aeropuerto) até o aeroporto. Entrei no ônibus às 13h e ele cruza a cidade inteira. Fui chegar no aeroporto mais de 14h. Por volta das 16h estava decolando sentindo Salta. Anexo ao relato algumas fotos da minha passagem por Rosário. Espero ter ajudado.
  3. Tren a las nubes

    Sim, o trajeto do trem é pequeno, porém ele vai bem devagar. E claro: o ápice do passeio é Viaduto de la Polvorilla. A cidade de Salta em si não tão bonita. E também não tem muita coisa pra ver lá. Vale a pena visitar o MAAM - Museo de Arqueologia de Alta Montaña. Apesar do museu não ser muito grande, procure saber os horários das visitas guiadas para poder entender melhor sobre o que tem lá. A Iglesia de San Francisco, Catedral Basilica de Salta e Plaza 9 de Julio também vale uma visita. Creio que 1 dia na cidade dá pra ver tudo. Reserve os outros dias para fazer passeios pra fora. Acho que vale mais a pena.
  4. Tren a las nubes

    @vladimir.rav Agora estou me lembrando. Acho que eu fiz a reserva mas paguei com cartão de crédito na estação que peguei o ônibus! Atente-se ao horário: diziam que saía as 7h e cheguei lá em cima da hora. Tive que pagar e entrar correndo no ônibus que saiu pontualmente as 7h! Procure chegar ao menos uns 20 minutos antes pra fazer tudo tranquilo. O trajeto é assim: Ônibus - Trem - Ônibus. Você sai de Salta de ônibus e vai até San Antonio de los Cobres. Nessa ida, vc para em Quijano, V. Toro e Alfarcito (aqui tem um pequeno café da manhã: umas bolachas e café com leite). Em San Antonio de los Cobres vc pega o Tren a las nubes. Ele vai até V. de la Polvorilla e volta para San Antonio de los Cobres, onde faz um pausa para o almoço. Pega novamente o ônibus para voltar. Esse trajeto de volta para em Santa Rosa del Tastil, onde tem um museu. De lá segue direto para Salta. Outra coisa: Passei um pouco mal por causa da altitude. Nada grave, só umas náuseas. Mas se vc tem problemas leve algum remédio pra te ajudar. Vai fazer outro passeio por lá? Eu fiz a Quebrada de Humahuaca e também curti bastante! Boa viagem!
  5. Tren a las nubes

    @vladimir.rav Fiz esse passeio em Março do ano passado e curti muito. Não me recordo como fiz o pagamento. ACHO que foi via cartão de crédito. Vc viu se tem essa opção?
  6. Primeiro mochilão (EUROPA) - Estimativas

    Ótima colocação, @798791 ! Vc nunca tem 100% de garantia que vai ter um lugar pra ficar pelo Couch Surfing. Imprevistos acontecem e vc pode ficar na mão. Esqueci de mencionar que sempre que viajo faço uma relação de ao menos 3 hostels em cada cidade, mesmo que eu já tenha conseguido lugar pra ficar pelo Couch Surfing. Não chego a reservar nada quando tenho couch, mas ao menos eu vou com algumas opções se caso der algo errado. Nunca dei azar de pegar um anfitrião ruim, pq eu sempre leio TODO o perfil das pessoas que mando o pedido de couch. Mas pode acontecer, sem dúvida!
  7. Dicas 1ª viagem hospedando em hostel

    Mala ou mochila? Bom, apesar de vc ter feito essa pergunta no site "mochileiros.com" e a resposta parecer óbvia, ,vou reforçar: Mochila, claro! Quanto aos armários (lockers) em hostels, isso varia bastante. Alguns fornecem, outros não. Melhor perguntar antes. Eu nunca tive problemas com furtos as vezes que eu fiquei em hostels. Nunca tranquei minha mochila com cadeado também. Mas vale lembrar que não se deve deixar seus documentos e dinheiro na mochila. Leve SEMPRE isso com vc, de preferência naqueles "porta-dólares". Caso opte por ficar em quartos compartilhados e se vc tem sono leve, é bom levar aqueles protetores auriculares. Dependendo dos seus companheiros de quarto a sinfonia de roncos pode atrapalhar seu sono. Outra dica é optar por hostels com cozinha e área de lazer (bar, cafeteria, etc). A cozinha pq dá pra economizar uma grana preparando algumas refeições. A área de lazer pq é um ótimo lugar pra vc conhecer outros viajantes e trocar ideias. Boa viagem!
  8. Primeiro mochilão (EUROPA) - Estimativas

    @Heitor Lopes tenha em mente que o Couch Surfing não foi feito para ECONOMIZAR. O intuito do projeto é o intercâmbio de cultura. O Couch Surfing é mais do que achar acomodação de graça. É conhecer gente nova, de uma cultura diferente (ou não) da sua para trocar experiências e ampliar seus horizontes. Lembre-se que é de bom tom levar algum presente para seu anfitrião, assim como ajudá-lo nos gastos com comida, por exemplo. Boa viagem!
  9. Como Ir de São Pedro do Atacama para Santiago?

    Então, @Tonaco.fo . Comecei minha viagem em Montevidéu e terminei ela em Santiago. Meu itinerário foi esse: SP - Aeroporto de Montevidéu - Punta del Este - Montevidéu - Colonia de Sacramento - Buenos Aires - Rosário - Salta - San Pedro de Atacama - Santiago. Os trajetos de avião foram esses: SP>Montevideo e Santiago>SP - R$983,00 (LATAM) Rosário > Salta - R$780,00 (Aerolíneas Argentinas) Calama > Santiago - R$172,00 (Sky Airlines). Espero ter ajudado.
  10. ROTEIRO DE VIAGEM ISTAMBUL - CAPADÓCIA - SELÇUK (ÉFESO) E PAMUKKALE

    Legal, @viagensbemcomidas ! Quanto tempo dura (e se possível qual o valor) o transfer do aeroporto de Kayseri até Goreme?
  11. Leste europeu roteiro.

    Pois é, @LF Brasilia . Tem dois motivos de eu ter escolhido apenas capitais nesse meu roteiro: 1. Gosto da cultura urbana de grandes cidades; 2. Mais fácil se locomover entre capitais. Claro que os interiores e cidades menores desses países devem ser igualmente incríveis, mas primeiramente vou conhecer os grandes centros. Obrigado pelo comentário!
  12. Como Ir de São Pedro do Atacama para Santiago?

    Olá @Elane Almeida . Em Março de 2017 fiz esse trajeto de San Pedro de Atacama para Santiago.. Paguei um transfer de San Pedro de Atacama para o Aeroporto de Calama (é fácil agendar um no hostel ou hotel que vc se hospedar lá) e paguei 12.000 pesos chilenos. Voei de Calama para Santiago pela Sky Airlines pagando 53 dólares americanos. O vôo foi tranquilo de aproximadamente 2 horas. Pelos valores gastos acho que não compensa ir de ônibus. Boa viagem!
  13. Qual mochila cargueira é ideal?

    Olá, @Sofia Barretto . Escolher uma mochila ideal é um fator importantíssimo. Primeiro pq isso pode afetar a sua saúde pois o mal uso pode acarretar em sérios problemas nas costas, lombar etc. Segundo pq mochilas de má qualidade podem rasgar, soltar alças, etc, e te deixar na mão no meio de uma viagem. No entanto, a mochila ideal pra vc vai depender de vários fatores: seu tamanho, duração de suas viagens, etc. Em 2010 fiz o Caminho de Santiago de Compostela então fiz uma boa pesquisa para comprar minha mochila. Optei pela Deuter ACT Lite 50 + 10 . É de 50 litros e tem uma parte expansível de + 10L, podendo chegar a 60 litros. Para as minhas viagens que duram em média 30 dias, esse tamanho é perfeito. Posso afirmar categoricamente que foi uma das melhores aquisições que fiz na vida. Ela tem uma alça na cintura que distribui praticamente todo o peso da mochila nessa região, aliviando muito os ombros. As alças servem apenas para a mochila não cair pra trás. Possui várias fivelas para ajustar perfeitamente em seu corpo. Tem também vários compartimentos que facilitam a distribuição de suas coisas e o material é de excelente qualidade. Para maior durabilidade, sugiro também comprar uma capa para ela. O investimento para comprar uma DEUTER é um pouco alto, mas dificilmente vc vai se arrepender. Boa viagem!
  14. Londres, Paris e Amsterdam ida 28 de abril de 2018

    Olá, @suelealmeida ! Morei em Londres em 2003. Fiz um "mini guia" de lá depois de muita gente me perguntar dicas. Algumas coisas podem estar desatualizadas, mas pode te ajudar mesmo assim. Segue: 1.Chegando em Londres: Provavelmente você irá chegar no Aeroporto de Heathrow. Como a maioria dos aeroportos internacionais ele fica longe da cidade. Mas tem uma linha de metrô que chega até ele (Picadilly Line) e que vai até ao centro. Não compensa pegar táxi lá pq, como eu disse, ele é longe de tudo. Vá até a bilheteria do metro e peça um “OYSTER CARD”, que funciona como um bilhete único. Nele, você pode colocar créditos e usar tanto em metrô, quanto trem e ônibus. Londres tem um serviço de transporte público muito bom e creio que você não irá precisar de táxi. Caso precise, pegue apenas os “black cabs” que são aqueles carros pretos, estilo meio “retrô”, sabe? NÃO PEGUE em HIPÓTESE ALGUMA táxis “clandestinos”. Vai por mim, não vale a pena. 2. Em Londres: Pontos turísticos. Lá tem mta coisa pra ver, mas tem algumas que são o “must see”. Quando tiver tempo, vá ao www.lonelyplanet.com ou www.tripadvisor.com e procure por: Houses of Parliament, Big Ben, London Eye, Tower Bridge, National Gallery (Trafalgar Square), Piccadilly Circus, Oxford Street, Soho, British Museum, Hide Park, Green Park, Buckingham Palace, Imperial War Museum, Camden Town Market, Madame Tussauds, Tate Museum, etc. Sugiro também que dê uma olhada no www.maps.google.com as localizações de cada coisa, pra traçar uma rota e não perder muito tempo. Lembre-se: o tempo é uma coisa preciosa quando estamos viajando, então procure otimizá-lo ao máximo. - Houses of Parliament, Big Ben, London Eye e Tate Museum estão todos próximos então dá pra fazer tudo de uma vez. - Buckingham Palace, Green Park e National Gallery (que fica na Trafalgar Square) estão próximos também. - O Imperial War Museum fica perto da estação de metro de Elephant & Castle E Lambeth North. É bem legal, mas se você curtir história das guerras e tals. - Hide Park não tá longe do Green Park, mas tem vários busões que vão pra lá. Vale a pena ver. - O Mercado de Camden Town fica na zona norte. Há uma estação de metrô lá (Camden Town). Ou, se preferir, pegue o bus 24 na Trafalgar Square. Esse lugar você TEM QUE VER, hein? - Próximo da esquina da Oxford Street com a Tottenham Court Road está o British Museum – passagem e parada OBRIGATÓRIA também! - Madame Tussauds é o famoso museu de cera. Fica um pouco afastado do centro (estação de metro Baker Street) e só vale a pena ir pra tirar fotos com as "celebridades". - Pra ver a Tower Bridge eu sugiro que você vá até uma ponte antes, a London Bridge. De lá vá caminhando até a Tower Bridge, pelo leito do Rio Tâmisa. Você vai passar em frente a o HMS Belfast que é um navio de guerra (http://hmsbelfast.iwm.org.uk ) e da prefeitura de Londres (o prédio que parece um capacete, não tem como não notar!) - Tem também os estádios de futebol. Bom, eu sou suspeito pra falar, pq minha meta de vida é conhecer o maior número de estádios possíveis e imagináveis... =P Lá tem o famosíssimo WEMBLEY (que fica a noroeste do centro, na estação de metrô Wembley Park). O Stamford Bridge, estádio do Chelsea, fica próximo a estação do metrô Fulham Broadway! Se você pegar o ônibus 14 sentido Putney Bridge lá em Piccadilly, vai passar na frente desse estádio. Tem também o Emirates Arena, moderníssimo estádio do Arsenal. Fica na zona norte, depois de Camden Town, na estação de metrô Arsenal. *Procure traçar seu itinerário de acordo com o clima. Por exemplo: Por exemplo: no dia que vc tirou para ir ao parque está chovendo, então vá para um museu. E vice-versa. 3. Comer e beber. Pub é o que não falta por lá. Todos são muito parecidos: encarpetados, com mobília de madeira e muito confortáveis. A lei antifumo pegou por lá também, o que faz o ambiente ficar ainda mais agradável. Para os bebedores de cerveja, recomendo que experimente todas as cervejas possíveis que puder. O preço varia bastante, desde as mais baratas (Carling, Foster) de 2 libras até as mais caras Guinness, Newcastle, etc de umas 3 ou 4 libras. Não estou certo dos preços mas não é barato beber por lá não. Sugiro experimentar essas que eu citei, além da minha favorita: Stella Artois. Se quiser algo diferente peça uma London Pride ou qualquer uma do tipo “cider”. O que também pode fazer é comprar umas brejas em algum mercado e levar pra tomar em casa: sai muito mais em conta. Não conheço muito o roteiro gastronômico de Londres. É que todas as vezes que eu estive lá (tanto morando quanto visitando) eu preferia economizar na comida e gastar minhas ricas libras em breja. =P Mas já aviso: comida é uma coisa cara por lá. Recomendo fazer uma compra em um algum supermercado. O LIDL é o mais barato, mas é MUITO bagunçado.. Eu prefiro o Tesco ou ASDA. No Tesco e no Asda tem sanduíches prontos (aqueles de pão de forma cortado em forma de triângulo, sabe?) que custa de 1,50 a 4,00 libras. Se ainda quiser comer na rua, as opções mais em conta – infelizmente – são as redes de fast food. Não é difícil esbarrar em um Burger King ou Mc Donald’s. Claro que se puder, experimente um “Fish & Chips”! 4. Compras e “lembrancinhas”. Todo mundo gosta de trazer algum presentinho do lugar que visitamos e certamente você vai querer gastar sua graninha com alguns badulaques. Então vamos lá: Se quiser trazer lembrancinhas pra família, na região de Piccadilly e Oxford street tá cheio de bancas com postais, imãs de geladeira, blusinhas, camisetas, bonés e qualquer outra coisa relacionada a Londres. Também tem umas lojinhas de souvenirs pra esses lados. Mas o que eu recomendo mesmo são 2 lugares: Lillywhites (www.lillywhites.com). É uma loja de uns 4 ou 5 pisos que fica bem no meio de Picadilly. Lá você vai achar tudo relacionado à esporte: camisas, tênis, camisetas, etc. O melhor é que sempre tem roupa de temporadas passadas em promoção. Se garimpar bem, você consegue achar camisas de time da Inglaterra por 5 ou 6 libras! E eu to falando de camisas oficiais! Claro que as dos times mais populares (Manchester, Arsenal, Liverpool, Chelsea) são mais caras. Mas em 2008 eu comprei uma do Birmingham LINDA por 4,50 libras. Presentão para os amantes de futebol! =) PRIMARK (www.primark.co.uk). Lá você não vai achar produtos de marca, mas os preços são MUITO baratos. Tá passando frio pq o casaco que você trouxe não é suficiente? PRIMARK. Esqueceu cachecol, gorro, meias grossas? PRIMARK. Muito sol e precisa de um boné? PRIMARK. 5. Onde ficar Os melhores lugares, na minha opinião, são sempre em regiões centrais. Porém são os mais caros também. Devido à cotação Real – Libra, a gente tende a assustar com o preço de tudo lá na Inglaterra e com os valores de estada não é diferente. A cidade é divida em “Centro” e zonas 1, 2, 3, 4... Funciona assim: o centro fica no meio (doh!) e as zonas são como anéis que circundam o centro. Quanto maior o número da zona, mais longe fica do centro. Portanto evite ficar além da Zona 3, porque além de ser relativamente longe dos pontos turísticos, você pode cair num subúrbio meio barra pesada. Sugiro que você procure acomodação no Hostel World: www.hostelworld.com . 6. Considerações finais - Como em qualquer metrópole do mundo, fique sempre atenta ao andar pelas ruas de Londres; - Se perdeu? Não sabe pra que lado fica a Oxford St.? Qual ônibus vai para Camden Town? Pergunte a alguém na rua! Os londrinos estão acostumados com turistas e vai ter sempre alguém por perto pra te dar informação; - Ande sempre com uma mochila e nela tenha uma garrafinha de água e alguma coisinha pra matar a fome. Isso faz uma economia considerável; - É de bom senso andar com roupas impermeáveis e, se possível, com um guardachuva na mochila. Lá chove. Chove MUITO; - Atente-se SEMPRE ao atravessar uma rua. Lembre-se que lá as mãos são invertidas com relação às do Brasil; - Não troque dinheiro no aeroporto pq geralmente esses lugares têm a pior cotação do mundo. Se puder já vá para lá com um pouco de Libras e depois troque em algum lugar no centro. Boa viagem!
  15. Olá, @luanahcomh ! Estive em San Pedro do Atacama no final de Março/2017. A primeira coisa que você tem que marcar ao chegar lá é o TOUR ASTRONÔMICO. É um tour de observação do céu que vale muito a pena. Só que ele não sai em dias de lua cheia ou se houver nuvens. Então tente fazê-lo o quanto antes pq se deixar para o final é capaz de não conseguir. Esse tour eu fiz com a agência SPACE (20.000 pesos chilenos) e foi maravilhoso. Como só havia brasileiros no tour o guia explicou tudo em português (muito bom, por sinal). Para os demais passeios a agência que escolhi foi a GRADO 10 (www.turismogrado10.com), que fica numa travessa da Caracoles, próximo à praça central. Como fui em baixa temporada (Março/2017) achei melhor não reservar antes os passeios e deixei pra marcar tudo quando chegasse. E deu certo. Pedi um orçamento antes por e-mail e os passeios que eu fiz ficavam em: GEYSERS DEL TATIO & POBLADO DE MACHUCA - 45.000 pesos chilenos VALLE DE LA LUNA Y MIRADOR DE KARI - 20.000 pesos chilenos LAGUNAS ALTIPLÁNICAS & SALAR DE ATACAMA - 50.000 pesos chilenos LAG. CEJAR, OJOS DEL SALAR, LAG. TEBENQUICHE - 30.000 pesos chilenos TOTAL: 145.000 pesos chilenos Lembrando que cada uma dessas atrações tem uma taxa de entrada que é pago na hora (consulte os valores) Havia um desconto se comprasse o pacote com os 4 passeios ficava tudo por 110.000 pesos chilenos Mas quando eu cheguei lá na agência fechei os 4 passeios por 80.000 pesos chilenos! Gostei muito do serviço da GRADO 10! A Inês que me atendeu foi muito simpática e solícita. Os guias também são bem legais e muito informados. Mas eu acho que o diferencial deles é o veículo que nos leva aos passeios. Enquanto a maioria das agências te leva numa van, eles têm um caminhão IRADO e muito confortável. Dá pra até subir em cima dele pra tirar umas fotos e, dependendo do passeio, o motorista dá uma volta com a gente em cima. Nos passeios que levam o dia todo a GRADO 10 disponibiliza um café da manhã ou um lanche no final da tarde. O café da manhã é farto, com pão, presunto, queijo, panquecas, chá, café, leite e suco. Dá pra bater um café reforçado que vai te deixar sem fome até a volta do passeio. O lanche do final da tarde é só uns salgadinhos (chips, amendoim, etc) e umas bebidas (suco, água e pisco sour). Boa viagem!
×