Ir para conteúdo

malhadasneto

Membros
  • Total de itens

    14
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre malhadasneto

  • Data de Nascimento 16-10-1981

Bio

  • Ocupação
    Especialista em Estudos no Exterior

Outras informações

  1. Como o tópico continua aberto, vale lembrar que as regras mudam com frequência. Quem quiser mais informações pode me chamar inbox, tento responder na medida do possível. Hoje, a regra válida é a seguinte: Estudo de curta duração de inglês (inferior a 6 meses): não dá direito a trabalho, é necessário visto - processo leva em torno de 30 dias e custa R$410. Dá para fazer por conta, mas tem formulários chatos de fazer . A vfsglobal.ca é a empresa que faz o papel do consulado canadense na análise de vistos (não confundir , eles não são um despachante). A partir de maio de 2017, se o Canadá não mudar de ideia de novo, brasileiros com visto americano válido ou que já tiveram visto canadense nos últimos 10 anos estarão dispensados de fazer a solicitação de visto tradicional - bastará emitir o ETA na web. Estudante de inglês de longa duração (acima de 6 meses): é necessário pedir o visto de ESTUDANTE , porém este não dará permissão de trabalho. Tempo de análise e resposta: em torno de 60 dias. Estudante de curso técnico: visto de ESTUDANTE com permissão de trabalho. Tempo de análise e resposta: em torno de 60 dias. Não dá direito ao visto de pós-estudo. Estudante de College privado: ESTUDANTE com permissão de trabalho, não dá direito ao visto de pós-estudo. Estudante de College público ou privado que segue a regra do público (sigla "DLI") ou que leva a um Degree : ESTUDANTE com permissão de trabalho e direito de visto de pós-estudo aberto de até 3 anos (depende da duração oficial do curso). Esses são os programas que as pessoas que buscam imigrar para o Canadá procuram. Se alguém quiser mais informações, pode me mandar msgs inbox. Abs
  2. Obrigado , espero que te ajude =) Quando você contrata o passeio da volta à ilha, o almoço acontece em Boipeba. Aí segui a dica de outro mochileiro e me dei mto bem: ignora os restaurantes indicados pelo barco e segue para a direita até encontrar o restaurante Família. Pede Peixe Vermelho ou Cavala e não vai precisar jantar nesse dia. Muita gente fala que Boipeba é mais bonito que Morro. Como só conheci esse pedaço de Boipeba, não vou opinar, mas gostei da opção que fizemos. Quando queríamos movimento, música, bastante gente, 2a e 3a praia. Quando queríamos sossego, mar cristalino, silêncio, íamos à 4a. praia. E comer bem e barato, bom, aí acho que só em Boipeba mesmo =)
  3. - Segunda parte - Importante: o único caixa eletrônico que vi na ilha é Bradesco. Quase todos os lugares aceitam cartão, porém, pagando em dinheiro você consegue descontos, principalmente nos passeios. Na chegada, você logo se depara com os "taxis", que são moradores com carrinhos de obra (de mão), dispostos a negociar um valor para levar suas coisas - inclusive você - , caso falte disposição para enfrentar a segunda maior subida da ilha. Dica: na medida do possível, leve mochila e malas leves. Mala com rodinha ou muito grande vai realmente tornar essa caminhada até seu hotel uma chateação. Nesse caso, contrate o taxi. Essa subida você encara logo depois de pagar a taxa de entrada na ilha (não lembro quanto é, algo em torno de R$10). Na hora de ir embora também tem que pagar, mas a taxa é menor, uns R$2 e qualquer coisa. Após o subidão, ficamos um pouco perdidos. Bom, sabíamos que estávamos na praça do Morro rs. Depois aprendemos que para a esquerda, o caminho leva às praias (1a a 5a.). Indo reto ou para a direita, você vai para o interior do Morro, onde tem pousadas mais simples e as casas dos locais - e o Teatro do Morro. Como já tem muita informação sobre o que fazer aqui no site, vou comentar rapidamente a nossa impressão: 1) Preços. No geral, achamos salgado. Na praia, o aluguel do guarda-sol e espreguiçadeira ficou em R$ 30 para 2 pessoas o dia todo. Cada snorkel, R$ 10. Cada cerveja, R$ 8. Batatas fritas e iscas de peixe em porções "risíveis" com preços muito altos (R$20 batata, R$40 e poucos a isca). A alternativa foi comprar cervejas no mercado, fazer sanduíches e descobrir onde os locais comiam (dicas abaixo). 2) Melhor restaurante que fomos no Morro de S Paulo: Papoula. Longe da praia, fica no caminho para o Teatro. Preço honesto, prato caprichado e muito bem servido. 3) Melhor restaurante da viagem toda. Restaurante "Família", em Boipeba. Comemos o famoso peixe vermelho. Preço justo, cerveja gelada, tempero sensacional, vista para a praia. Como chegar? Quando você contratar o passeio da volta à ilha, no almoço o barco vai deixar os turistas nos restaurantes caros e duvidosos do cais em Boipeba. Não caia nessa. Ande 8 minutos para a direita (de quem olha do mar para a praia) e você logo vai encontrar 3 ou 4 restaurantes bem melhores e mais baratos. 4) Melhor custo benefício em bares: Bar do Peters II, um bar argentino, estilo "sujinho", no caminho para o centrinho, com empanadas argentinas muito (mesmo!) boas. E como são gente fina esses argentinos do bar! Como ponto negativo, estavam sem Quilmes . 5) Maior roubada EVER: restaurante bar que nem lembro o nome, acho que que se chama "Devassa", mas talvez eu esteja confundindo pq tinha muito posteres de propaganda dessa cerveja na parede. Eles oferecem o menor preço para uma refeição dentre todos no centrinho, mas... Bom, a comida é horrível, a carne tinha gosto de velha e não estavam aceitando cartão. Atendimento péssimo. A parmeggiana congelada do mercado é 10x melhor e custa metade do preço. 6) Outra roubada: não segui minha dica 3 e no passeio a Gamboa caímos na pegadinha do turista. Enquanto estávamos no barco, o garçom já veio tirar o pedido de todos. O dono do barco sugeria fazer o pedido (claro, tem comissão) , mas o argumento dele era que o restaurante ia providenciar a comida enquanto fazíamos um outro trecho do passeio. Achávamos que o tempo seria curto de voltar do passeio e achar um restaurante melhor. Burrada. Comemos um peixe ruim, caro e tivemos quase 3 horas para curtir a praia. 7) A famosa Tiroleza (eles escrevem com z) . A subida foi bem menos cansativa do que imaginávamos (pelos relatos aqui da comunidade parecia que era algo fora do comum). Mas a verdade é que a vista de lá não é tão legal assim, tem muita árvore na frente da vista para a praia. Sinceramente, se você não pretende se aventurar na tirolesa , não sei se vale tanto a pena. Pagamos R$ 40 cada um (cartão de crédito). Não se preocupe com chinelo, boné, carteira e celular. Suas coisas são embrulhadas e entregues para você por um funcionário, já na praia, tudo sequinho. Para quem já desceu de Rapel ou Tirolesa, eu diria que é nivel Intermediário de adrenalina. Mas minha noiva - novata - precisou de um certo incentivo (empurrãozinho rsrs) para descer. A Toca do Morcego. Subiu para R$10 o preço por pessoa para entrar, mas o lugar vale a pena. A vista do por do sol é incrível (programe-se para começar a subir o morro às 16h) para conseguir um bom lugar. O lounge, a música, a decoração, tudo é muito bem feito . Tem uma noite que rola uma super festa lá. As pessoas realmente capricham no figurino (porém sem abrir mão de calçados confortáveis de praia, já que tem 3 subidas fortes até a Toca). 9) A melhor balada ever : por uma questão de tempo ($), elegemos apenas uma grande festa para ir, já que praticamente toda noite rola algo por lá (Pulse, festa em navio, etc). Mas temos certeza que acertamos na mosca! Nas quartas, rola a Festa do Teatro. O lugar é incrível. O formato é como nos teatros gregos (ou seriam romanos?), com a arquibancada ao ar livre, em descida, e o palco na parte plana. Tem show de capoeira, música ao vivo de vários estilos. Na parte de trás do teatro, rola música eletrônica. A festa começa meia noite e vai até amanhecer. Como a caminhada é longa, é bom ir em grupo até lá. Compre seu ingresso (R$50) com o Henrique (75 9234 9365) , o cara é bem gente boa e vai dar todas as dicas. 10) A pior balada: segundas e quintas são dias do "luau" na 3a. praia. À primeira vista, parecia ótimo. Compra umas cervejas no mercado, senta na areia, e finalmente encara um programa barato na ilha. Bom, não sei o conceito de luau que você que está lendo tem, mas na ilha o Luau é à base de Axé . Nada contra o estilo, mas não combina nem um pouco, foi frustrante. 11) A melhor praia: a quarta praia foi a que mais nos encantou. Existe uma passarela para você chegar lá mesmo com a maré alta (relatos mais antigos dizem que você só consegue ir da 3a para a 4a. na maré baixa, não tem mais esse problema). Vale a pena comprar um snorkel e levar na viagem. A água é cristalina!!! Você não vai ver tanto peixe - não é Bonito-MS - mas é uma experiência bem bacana. Chegue cedo para encontrar uma boa palmeira para garantir sua sombra. Existem bem poucos pontos de aluguel de guarda-sol e cadeiras nesse pedaço da ilha. 12) O melhor passeio: a famosa Volta à Ilha. Pode fazer que vale cada centavo (R$60). Contratamos um cara muito gente boa (Ricardo - 75 9883 1779). É bem recomendável prestar atenção na tábua de marés e escolher o dia de maré baixa para fazer o passeio. Quanto mais baixa a maré, maior a chance de ver peixes nas piscinas naturais do passeio. Acho que é isso. Se alguém quiser perguntar algo, é só chamar!
  4. Já tem muita coisa sobre Morro de S Paulo por aqui, mas para deixar minha contribuição e atualizar alguns valores, segue o texto. Vou dividir em duas partes: a chegada (que não é moleza) e a ilha em si. Eu e minha noiva ficamos 6 dias (outubro/16) e foi perfeito. Um dos melhores passeios que ja fizemos na vida e recomendamos a todos. Para quem conhece a Ilha do Mel (PR), achei o estilo parecido, só que menos roots, tem mais cara de civilização. Pegamos todos os dias com sol. Choveu durante 5 minutos na primeira noite e só! Ficamos hospedados na Pousada Bahia Brasil (http://www.pousadabahiabrasil.com.br/). Fiz a reserva pelo Booking mas se ligar diretamente lá acredito que rola um desconto. Pesquisei muito antes e achei o custo-benefício excelente. A escolha levou em conta a localização (2a praia). Para quem está começando a pesquisa, pense que cada praia é separada da outra por algumas pedras. A primeira praia fica mais perto da vila (centrinho) e do porto, a quinta é a mais longe. O "fervo" está na segunda e terceira praia. A quarta é a mais bonita e a quinta é longe de tudo (rs). O hotel está perto do fervo (menos de 5 minutos da praia, sem subidas) mas tem total silêncio para dormir. Ar condicionado ok, café da manhã muito, muito bom. Aliás, o chuveiro, a cama e café da manhã são os pontos altos, além do staff muito amigável. A piscina é pequena (nas fotos parece ser maior) e recomendamos comprar spray antimosquito no mercado. - Para chegar à ilha - Optamos pelo método mais barato, ou seja, fazer tudo por conta . Saiu uns R$70 por pessoa e demorou 5 horas e meia. Sinceramente não valeu a pena . Na volta contratamos o serviço da Cassi Turismo, semi-terrestre, pagando algo como R$120 por pessoa até o aeroporto de Salvador (demorou cerca de 4 horas) e foi muito menos estressante. Aliás, foi muito bom o atendimento dessa agência. Na ida fizemos assim. Do aeroporto de Salvador tomamos um ônibus (1021-00) AEROPORTO-S JOAQUIM) . Esses ônibus de linha ficam escondidos atrás do grande estacionamento que você vê logo que sai do aeroporto. Dando a volta nele, você logo vê uma espécie de praça com vários ônibus estacionados aguardando o horário de partir (procure o horário de saída na internet e só saia do aeroporto quando faltar 15/20 minutos, o calor ali no ponto é forte). A parte do ônibus de linha é cansativa, pois leva 1h30 para chegar ao Terminal São Joaquim, de onde sai o Ferry para Ilha de Itaparica - de lá você vai até Valença, onde saem as lanchas para Morro de SPaulo e Boipeba). Se quer um conselho , com certeza vale muito a pena juntar duas ou três pessoas e dividir um Uber. Bom, depois de muito trânsito congestionado, o Terminal S Joaquim tmb não é moleza e o Ferry é uma loucura . Como era sábado, estava lotado. Quase 600 pessoas na fila do ticket, depois as mesmas 600 pessoas andando em boiada para entrar no barco, e todos com pressa querendo garantir um lugar sentado para o trajeto de quase uma hora. Conforto realmente não existe por ali. No meio do stress, entre vários vendedores e ciganas, um "autônomo" nos ofereceu transporte até Valença (para pegar a lancha que vai para Morro) por R$ 30 por pessoa. Ofereci R$ 25, ele recusou, mas depois voltou dizendo que um amigo ia fazer pelo preço. O problema é que o "amigo" em vez de nos deixar no cais, nos deixou em um ponto de ônibus em Valença, de onde sai um ônibus de hora em hora . Aí acabamos pegando um taxi e esse nos custou mais R$ 10 por pessoa, fora o stress. Valeu pelas duas pessoas muito queridas (dois locais) que dividiram o carro com a gente desde o Ferry e nos ajudaram no Morro com bons contatos. Chegando no cais, aí já dá para relaxar. É bem tranquilo, tem lancha rápida ou tradicional em horários intercalados, guichê com cartão de crédito. É só fazer a opção e embarcar para o Morro! (Segue o texto)
  5. Henrique, parabéns pelo seu relato. Um dos mais bacanas que eu li aqui no Mochileiros! Faço parte da agência Information Planet e confesso que fiquei cheio de orgulho pelos elogios Caso algum colega do Mochileiros queira mais informações pode me procurar por pvt. É muito bacana ajudar a galera a realizar o sonho de estudar em outro país. Aliás, na NZ é permitido trabalhar para quem estudar a partir de 4 meses, o que torna ainda mais acessível esse sonho. Abraço!
  6. XSCaroline, acho que a essa altura você já viu que não é tão simples assim =) A opção por fazer um curso VET (tem "n" opções, seja admin, rh, negócios, marketing, piloto de helicóptero, mecânico de carro de corrida, dentista de cavalo...) requer inglês em nível bem razoável. Basicamente tem que ter um Ielts 5.5, Cambridge FCE 60 ou Toefl ibt 46. Caso não tenha o certificado, muitas escolas aceitam que você faça uma prova online aqui no Brasil, seguida de uma entrevista via skype - e aí você tem que ser boa porque o sotaque australiano é puxado. O curso VET é um "meio do caminho" entre o 2o. grau e a universidade. A duração dele é de 2 a 3 anos e muitas vezes é mais barato que um curso de inglês. O que muita gente faz é estudar inglês, para chegar no nível exigido, e aí renovar o visto cursando os VET. A cada 6 meses de VET vc recebe um certificado, o que te ajuda a conseguir trabalhos mais qualificados e bem remunerados. Inclusive os australianos fazem isso antes dos períodos sabáticos deles. Na NZ é quase igual o sistema. Só um erro no comentário anterior: se você contrata uma escola de inglês por 4 meses, seu visto será para 5, não 6. É sempre um mês de férias que o governo te dá por ano. O mínimo para requerer visto de estudo+trabalho é 14 semanas de curso (3 meses e meio). Se quiser conversar em PVT, fique à vontade para me chamar. Abraço e boa sorte na decisão!
  7. Katia, pode usar e abusar rs! Fico honrado =). Pena que vc n vai pra Paraty com a gente! Eu terei o maior prazer de passar tds os detalhes pra Karoll, é só ela deixar meu copo sempre cheio! Kkkkkk. Bjao!
  8. Ana, desculpa a demora na resposta, não vi o recado do site! Foi mal rs. Olha só, até tenho uma camera profissional, com uma "sra lente", mas a melhor coisa que fiz foi levar uma sony cybershot a prova d´agua (é à prova de choque tmb). Ela me acompanhava no bolso da bermuda pra td lado e só tirava a noite pra dormir e carregar a bateria. Como comprei usada (mercado livre), não tinha nem apego financeiro kkkkk... bom, se serve de consolo, quase desisti do anhumas tmb... tava com as costas lesionadas, passei no teste por pouco! mas valeu MUITO a pena!!!! Marcos, obrigado pelo elogio. Agora vc falou que foi o passeio mais divertido fiquei com vontade de fazer, apesar de que ouvi dizer que tem passar repelente até no couro cabeludo!!!
  9. Obrigado, Nathalia =) Passou muito frio lá em junho? ouvi falar que as temperaturas caem demais...
  10. Galera, informação sobre os passeios em Bonito não falta na internet. Porém, tem MUITA opção e eu fiquei um pouco perdido antes da viagem. O objetivo desse relato é justamente ajudar quem estiver planejando a sua viagem para que não acabe perdendo justamente o mais importante!!! -Data- Fui para Bonito no dia 18/12/2013 e voltei no dia de Natal, 25. Alta temporada, valores lá em cima. -Transporte- Aproveitei vôo da AZUL direto Campinas/Bonito, o que me economizou boas 4 a 5 horas de transfer entre Campo Grande e Bonito e alguns reais. Custo: 11 mil pontos + taxa de embarque. Importante: só tem vôo quarta e domingo. -Transfer- Do aeroporto de bonito ao hostel fui de taxi. No aeroporto mesmo fiz amizade com um casal e dividimos o custo. R$ 70 por 3. (sim, muito caro). Do hostel ao aeroporto, já mais esperto, usei o tal do "transporte compartilhado" que o próprio hostel organiza. Paguei algo em torno de R$ 25 e, por algum motivo, acabei indo sozinho no carro. -Passeios- Vou comentar apenas os quatro imperdíveis. Porém, MUITO IMPORTANTE, não deixe para reservar na hora. RESERVE ANTES, por email. Vi muita gente mesmo voltando para casa triste porque não conseguiu visitar a Gruta Azul, por exemplo. Os 4 passeios abaixo têm limitação de visitantes/dia. -Hospedagem- O Hostel Bonito (http://www.bonitohostel.com/) está entre os melhores hostels que fiquei na minha vida. A limpeza dos quartos é show, a camareira arruma até nossa cama (um luxo em se tratando de hostels!). Um banheiro por quarto. E o segurança da noite realmente não deixa a galera fazer festa/barulho após as onze (Bonito não é exatamente o melhor lugar para se fazer festa). -Agência- Não adianta querer conhecer Bonito por conta. Praticamente todos os locais exigem guia para vc entrar. Escolhi a própria agência de viagem do Hostel (eles atendem mesmo quem não está hospedado). [email protected] -Transporte para os passeios- Os passeios são caros e para você chegar até eles é mais caro ainda (rsrs). Se estiver em três ou quatro pessoas, vale a pena alugar um carro. Caso contrário, algumas agências (como a do hostel) trabalham com transporte compartilhado. Aí não fica tão caro e você ainda faz boas amizades. -Câmera à prova d´água- Comprei uma sony no mercado livre por R$ 300. Melhor coisa que fiz. Quase todos os passeios envolvem água, então não arrisque e deixe sua canon/nikon no hotel ou em casa mesmo. Confiar nas chamadas "bolsas estanques" também não me parece um bom negócio. -Passeios- Vamos ao que interessa. Na minha opinião, pelo que vi, vivi, e ouvi, Bonito pode ser resumida em quatro passeios imperdíveis. Esses devem ser os ÚLTIMOS passeios na sua programação, pois qualquer coisa que você faça depois deles irá soar como "bacana, mas aquele outro era melhor...". Dividi os passeios em quatro categorias: Contemplação, Banho de Cachoeira, Flutuação e Mundo Paralelo. 1) Contemplação - Gruta do Lago Azul Você não será bem recebido por seus amigos se voltar de Bonito sem visitar o cartão postal da cidade. Prepare-se porém para descer (e depois subir) muita escada, são cerca de 20 minutos para ir e outro tanto para voltar, obrigatório calçado fechado. Você não pode entrar na água e até o momento a passarela está interditada. Porém, mesmo assim, vale muito a visita. É de encher os olhos a beleza do lago, além das formações rochosas que a natureza demorou milhões de anos para formar. Atenção para chuva: qualquer chuvisco cancela o passeio pelo risco que as pedras lisas oferecem. Por isso é importante marcar para os primeiros dias, pois assim você terá alguma chance de remarcá-lo se precisar. Plano B: para qualquer passeio cancelado, o plano B é o Balneário Municipal (dá para nadar no rio e socializar com o povo local, que é super receptivo). 2) Banho de Cachoeira - Boca da Onça Escalei esse passeio mais pelo rapel do que pelas cachoeiras, mas fui surpreendido. O rapel não é obrigatório (apesar de ser simples e não necessitar experiência ou treinamento prévio) e você pode optar por descer 892 degraus em vez de 90 metros de corda. De qualquer forma, o passeio é lindíssimo, são 4 km de caminhada por trilhas e escadas. Leve um tênis que possa usar confortavelmente sem meia, pois você estará com o pé molhado o tempo todo. Entre os banhos de rio e cachoeira desse passeio, dois são imperdíveis e valem a pena encarar a água gelada. São eles: - a cachoeira Boca da Onça - - o Buraco do Macaco - (vc tem que passar por baixo de uma rocha para chegar na cachoeira, mas não é nada assustador). 3) Flutuação - Rio da Prata Eu particularmente nunca tinha feito flutuação e não sabia se ia gostar. Mas esse passeio do Rio da Prata é mágico, simplesmente todas as pessoas que encontrei em Bonito disseram que foi o melhor da viagem (essas pessoas não fizeram o 4o. item da minha lista rs). Depois que você se adapta ao equipamento, aprende a respirar, tirar água da máscara, etc, torna-se uma das coisas mais bacanas da vida. É como pular dentro de um aquário. A roupa de neoprene elimina o problema do frio e, de quebra, faz vc flutuar com muita facilidade. Saber nadar ajuda bastante (não pode bater o pé, apenas usar os braços para deslocamento). Caso não saiba nadar, é só deitar na água e o guia te puxa. A questão é: não deixe de fazer esse passeio. 4) Mundo Paralelo - Abismo Anhumas Esse é um passeio para poucos, literalmente. Apenas 20 e poucas pessoas por dia podem descer por uma questão de preservação. Outro limitador é o preço, disparado o passeio mais caro de Bonito. Porém, VALE CADA CENTAVO. Se você tiver certificado de mergulhador, pague um pouco a mais e mergulhe. VALE. Esse passeio consiste em uma fenda em uma rocha, uma caverna, um lençol freático transparente, e esculturas naturais de mais de 60 metros de altura que foram construídas abaixo do espelho d´água. O acesso se dá por um rapel simples (72 metros, não é necessário ter experiência, só coragem). Você aterrissa em um deck de madeira, faz uma volta no lago por um bote, recebe aula sobre a "história" do abismo e depois flutua sozinho no lago, um momento que nunca mais irá se esquecer. No dia anterior ao passeio, os candidatos passam obrigatoriamente por uma avaliação - você é treinado em uma plataforma e deve mostrar que tem preparo físico suficiente para subir pelo menos 16 metros. Isso porque descer um rapel é moleza. Mas SUBIR é outra história. Estamos falando de um prédio de 25 andares cujo elevador serão suas pernas e braços. Risco de acidente é zero, se você cansar é só largar tudo e o equipamento o manterá pendurado no mesmo lugar até que se recupere e volte a subir. Passado o teste, é hora de saber o seu horário de descida. ATENÇÃO: tente negociar para que seja APÓS AS 9h. Se você pegar os primeiros horários, talvez o retorno aconteça antes do sol atingir a fenda e sua experiência será altamente prejudicada. Após o teste, aproveite para conhecer quem vai descer em horário parecido e já combinem de dividir o taxi (se você for sozinho, o custo será próximo a R$110). Os atendentes do Abismo já estão acostumados e irão te ajudar na tarefa. No dia, leve uma mochila com água/energético, barras de cereal, chocolate, roupa íntima seca e uma blusa de manga cumprida - na caverna é um pouco frio e após a flutuação você acabará se molhando um pouco para trocar de roupa. Como já disse, a volta é cansativa (certamente irá se arrepender de todas as faltas na academia nos últimos seis meses) , por isso beba/coma antes de ir para a corda para retornar. -À noite- Bonito não é exatamente um point de balada. Como os passeios acontecem logo cedo, depois da meia noite todo o centro já está praticamente vazio e fechado. Dica boa é o bar Taboa, perto da praça, na rua principal. Tem um casal que faz um dueto sensacional de músicas brasileiras. Para comida, recomendo o Cantinho do Peixe. Preço camarada no Pintado ao Urucum com Pirão (com cerveja saiu uns 70,00, mas estava sozinho, o que encarece a refeição). -Preços- Passagem aérea - 11 mil pontos + taxa de embarque. Hostel Bonito: R$45/dia em quarto coletivo (tem quarto só para mulheres), café da manhã incluído. Taxi aeroporto bonito/hostel: R$ 70 (dividido por 3) Taxi hostel/aeroporto bonito: R$ 25 (não tenho certeza, mas foi barato. serviço do hostel de transporte compartilhado) Passeios: Gruta do Lago Azul (R$ 60,00) + transporte (25,00) Rio da Prata c/ almoço (R$ 180,00) + transporte (45,00) Rapel no Boca da Onça c/ almoço (R$ 350,00) + transporte (45,00) Abismo Anhumas (R$ 575,00 flutuação; R$ 805,00 mergulho) + transporte (40, taxi compartilhado) *ATENÇÃO: clientes HSBC, ITAU não tem caixa para sacar na cidade, nem caixa 24 horas. Leve dinheiro, mas não precisa exagerar, praticamente todos os locais aceitam cartão de crédito/débito. -Fechamento- O resumo da opéra é: Bonito vale MUITO A PENA, ainda que seja um pouco caro. E se estiver com medo de ir sozinho, não se preocupe... além da galera ser demais, os passeios são um excelente momento para você curtir a sua própria companhia. Galera, usei muito o Mochileiros para me ajudar em viagens "solo" e nunca retribui (por "n" motivos). Estou em dívida, mas decidi hoje começar a pagar um pouco do que devo . Espero que sirva para alguém. Abraços. Julio (facebook.com/malhadasneto) Fotos:
×
×
  • Criar Novo...