Ir para conteúdo

Aline Tonetti

Colaboradores
  • Total de itens

    20
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Aline Tonetti postou

  1. Matsu, muito obrigada pelo seu relato. Ele foi uma inspiração quando finalmente decidimos fazer o caminho. Hoje olhando novamente tuas fotos, consigo lembrar de toda a paisagem em volta! Parabéns pelo feito e obrigada por ter dividido com a gente!
  2. Dia 18: aproveitando os diazinhos que temos sobrando, acordamos cedo, deixamos as bicis e boa parte da bagagem no hotel e seguimos de ônibus para Finisterre. Pagamos 47,20 euros nas nossas passagens (ida e volta já inclusos para os 2). A pensão Cabo, já reservada, é bem ao lado do parador do ônibus. Pensão muito boa e barata (28 euros). As refeições aqui são muito boas. Frutos do mar fazem parte do menu do dia. Ameijôas, chipiroñes (lulas pequenas), lulas, camarões, tudo ótimo!! Fomos andando até o farol (2,4 km). Vale a pena a caminhada! Se tiverem chance, conheçam Finisterre!!
  3. Dia 15: E cada vez mais a preguiça toma conta. Acordamos às 7:30 e só saímos às 9:15, após um super café da manhã. O caminho hoje foi bem tranquilo, passando por diversos pueblos novamente. Chegamos em Melide às 13:00 e a cidade estava lotada. Tínhamos decidido não reservar o hostal, para irmos rodando até onde queríamos e sofremos um pouco para achar um local em Melide. Pegamos aqui um dos piores do caminho (Hostal Orois). A cidade é bem simpática, valeu a pena ficar. Nessa parte da viagem já está bem fácil achar nos restaurantes polvo e lulas. Recomendo!! Rodamos 28,50 km. Dia 16: Saí
  4. Dia 13: hoje tivemos um pequeno, porém desesperador contratempo. Estávamos saindo de Las Herrerias às 08:50, quando o Tadeu percebeu que não estava com os documentos pessoais (o passaporte, cartão de crédito, RG e a credencial do peregrino). Foram 2 horas de procura por toda o distrito, fomos em todos os lugares da cidade, reviramos o Hostal, dentro dos alforges, e quando não aparentemente já não tínhamos onde procurar, a dona do Hostal encontrou todos eles caídos atrás de uma almofadinha no sofá. Acreditamos que na hora do check-in o Tadeu deve ter me dado os documentos e eu não percebi. Por
  5. Dia 10: Como o Tadeu passou muito mal ontem, decidimos dormir o quanto ele precisasse e por isso só saímos de León às 08:30. O tempo estava fechado e em Valverde de la Virgen começou a chover e só parou quando chegamos em Astorga. Quando comecou a chuva, deixamos o caminho original e fomos pela carretera. A temperatura estava em 11 graus. Chegamos em Astorga às 12:50. A catedral e o castelo episcopal, este último de Gaudí, são muito bonitos! Como estava muito frio de noite, decidimos comer perto do hostal mesmo. O hostal Coruña serve café da manhã a partir das 6:45 e tem secador de c
  6. Dia 8: Nos demos ao luxo de dormir um pouco mais hoje, saindo às 06:45, mas ainda estava escuro. O caminho hoje foi quase uma reta sem fim, sempre pedalando. Muitas vezes o caminho seguiu ao lado das carreteras e rodávamos nela. Essa parte foi bem monótona. Por sorte não estava muito quente, pois quase não tinha sombra. Chegando em Frómista, rodamos ao longo do canal. Em Frómista, não deixe de ver a Igreja Românica. É linda e cheia de detalhes!! Pena que era cedo e ela ainda estava fechada. Em Moratinos, descobrimos as bodegas! Conhecemos o cuidador da igreja que nos convenceu a almoçar
  7. Dia 6: Saímos às 6:00 horas debaixo de um sereno grosso que durou até umas 10:00. Hoje fomos pelo caminho original. Existem somente duas subidas fortes, uma depois de Villafranca Montes de Oca, que passa por uma floresta bem simpática e outra depois de Atapuerca, com muitas pedras, seguindo ao lado de um campo militar. Fora esses trechos, muita descida. Burgos é imensa! Chegamos na catedral, mas como ainda estávamos com as bicis carregadas, fomos para o hotel reservado para voltar depois. Chegamos cedo, às 12:00. Nosso hotel é muito bom, mas um pouco distante. Cerca de 4 km do centro.
  8. Dia 4: Como sofremos muito com o calor ontem, decidimos sair uma hora mais cedo e fazer uma parada maior na hora do almoço. Hoje cedo estavam 17 graus. Saímos às 6:00 da manhã e, como ainda era noite, não víamos as setas, o que fez com que fosse difícil chegar a Irache. Só entendi que tínhamos chego quando vi a placa para a fonte de vinho. Até Los Arcos, algumas subidas fortes. Perto de Azqueta, tem uma fonte medieval conhecida como a dos mouros. Indo em direção à Logroño, o caminho é bem tranquilo. Passamos por Torres del Río, uma cidade num morro onde a maioria dos albergues têm pisc
  9. Dia 2: acordamos às 6 da manhã, arrumamos as coisas, comemos um lanche e saímos ainda à noitinha. As roupas que havíamos lavado no banheiro na noite anterior ainda estavam molhadas no varal. Prendemos as roupas com alfinetes no alforge e saímos. Estavam 9 graus. Empurramos bastante, parecia que não rendia. Os peregrinos à pé sempre nos alcançavam novamente. Em Burguete, reabastecemos as garrafas em uma fonte cheia de lesminhas. Eu tenho pavor de lesma . Não consegui tomar a água. Na segunda fonte que paramos, outra lesma. Aí o Tadeu se transformou no pegador oficial de água em fontes co
  10. Deu uma olhada nesse fórum? sacos-de-dormir-t7194.html
  11. Olá! Os outros locais não conheço, mas fui para São Thomé das Letras a 2 anos atrás em um feriadão e era impossível de caminhar no centrinho da cidade. Pelo que conversamos e vimos lá, a cidade é tomada por tudo quanto é tipo de turista nos feriadões e épocas festivas (como o reveillon) e acaba que torna tudo ruim. Se mesmo assim você decidir ir para São Thomé, aconselho ir de carro para poder conhecer as cachoeiras que são mais distantes das cidades. As que são perto ficam tão cheias e sujas que não dá vontade de entrar.
  12. Comecei a escrever o relato da viagem aqui: post1226666.html#p1226666
  13. Fiz agora em setembro o caminho de Santiago com uma bota impermeável Forclaz 100 Novadry. Comparada com a snake trilogia que eu tinha, é uma bota bem mais leve e bem respirável. Nos dias de chuva ela aguentou bem, com os pés sempre sequinhos. Por mais que tenha feito o caminho de bike, muitas partes do caminho eram só empurrando e foi uma bota bem confortável. Além disso, o preço dela é bem acessível.
  14. Dia 01: E eis que no dia 04 de setembro iniciamos nosso Caminho de Santiago em Saint Jean Pied de Port. Acordamos às 7:00 e descobrimos que deveríamos ter acordado mais cedo para arrumarmos as coisas. Tomamos café, montamos os alforjes nas bikes, pegamos água na fonte, parada pra uma fotinha e começamos o caminho pela Rue de La Ciutadelle. Por mais ansiosos que estávamos para pedalar, não teve jeito: só empurrando. O caminho inicia com um asfalto e vai seguindo todo sinuoso até uma plaquinha de "Ouvert" (significa que o caminho pelos Pirineus está aberto). A partir daqui, trilhinhas cheias
  15. Eu e meu marido fizemos o Caminho de Santiago agora em setembro. Fizemos o Caminho Francês, iniciando em Saint Jean Pied de Port, na França. Foi uma experiência maravilhosa e gostaria de dividir um pouco do caminho com vocês. Esse primeiro post refere-se aos preparativos da viagem. Quando decidimos fazer o caminho, 2 anos antes, primeiro tive que aprender sobre bicicletas e montar 2 bikes básicas que aguentassem o tranco. Foram 2 bicicletas MTB simples, aro 26, com kit shimano Altus e deram bem pro gasto. Claro que vimos várias bicicletas muito melhores que as nossas. Claro que eles pass
  16. Nós aproveitamos nossa ida para lá para visitarmos uma tia do meu marido em Nobres. Eles também não sabiam sobre as belezas de Bom Jardim. Realmente espero que as coisas tenham melhorado um pouco. O local é muito lindo para estar sendo explorado dessa maneira, sem consciência alguma...
  17. Olá!! Já faz algum tempo que acompanho o Mochileiros, mas nunca me animava a escrever. Essa viagem já faz algum tempinho, mas vou tentar lembrar dos pontos que mais marcaram a viagem. No início de 2014 eu e meu marido fomos para Nobres – MT, destino muito parecido com Bonito, mas sem toda a badalação e organização. A parte turística do município fica no distrito de Bom Jardim, a 65km da prefeitura da cidade por estrada de terra. Quem pretende ir somente para a parte turística da cidade, não precisa passar em Nobres, pegando 150km de estrada asfaltada a partir de Cuiabá. Sendo um destino ainda
×
×
  • Criar Novo...