Ir para conteúdo

cltctba

Membros
  • Total de itens

    18
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

3 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Salve, Estou planejando levar meu filho adolescente para iniciar tardiamente nas trilhas. Pessoalmente nunca utilizei perneiras e já encontrei por acaso muitas jararacas e cascavéis (por acaso pois sou péssimo para ver, a camuflagem delas funcionam muito bem comigo). Mas pai sempre se preocupa mais com o filho né. Estou em dúvida se começo a colocar este item na relação de equipamentos. Também em minhas trilhas nunca vi ninguém usando. O que acham?
  2. Salve pessoal. Estou usando a Finisterre mais ou menos a cada 30 dias no trabalho em campo/mata no calor escaldante do Mato Grosso. Extremamente confortável. Ainda não tive o oportunidade de utilizar na montanha, mas certamente vai atender. O único porém (minha culpa) é que comprei o número 42 (normalmente uso o 41) pois meu pé direito é consideravelmente maior que o esquerdo rsss. E sempre sofri com apertos no pé direito. Com isso, na primeira semana, o calcanhar do pé esquerdo começou a incomodar pela bota ficar um pouco folgada. Resolvi provisoriamente com uma meia a mais neste pé. Penso em agora comprar uma número 41 para ver como fica e passar esta atual para meu filho.
  3. Uma amiga trouxe da França no final do ano passado uma Petzl Tikka. Fazia muitos anos que eu não fazia atividades noturnas. Até o momento utilizei quatro vezes. São 300 lumens, mas em termos de iluminação eu esperava mais. Porém tem atendido muito bem. E o que fez eu investir no produto é a durabilidade. Já estou cogitando comprar outra headlamp (assim que o dólar aliviar um pouco) para meu filho. Aí no momento pesquisarei novamente várias marcas e modelos.
  4. Caraca, Estes últimos relatos me assustaram. Lá para trás a loja parecia tranquila. E olhando os preços estão bem abaixo da concorrência.
  5. Saudações, Após mais de 10 anos de sedentarismo, nas trilhas fáceis que estou fazendo no momento, sinto que minha resistência e cadência estão praticamente zeradas se comparadas ao tempo que eu era trilheiro mesmo. Quero aos poucos voltar a forma, porém sem pagar academia. Meu trabalho exige muito, muitas vezes passo semanas viajando e não sobra tempo para nada. Para o pouco tempo que sobra (nas noites após o trabalho), estou analisando opções prazerosas para não ficar parado. A princípio, penso em pedaladas pela cidade e caminhadas em subida com a mochila cheia. Tem um morro próximo a cidade que moro onde a estrada vaí até o topo. Penso em usa-lo como "academia". Será que com essa tática aos poucos voltarei a ter resistência? Abraço.
  6. Um amigo vai para o exterior mês que vem. Estou pensando em pedir para ele trazer alguma bota da La Sportiva, visto que é uma das marcas mais consolidadas. Porém tenho preocupação com a numeração e formato dos pés. Posso usar as tabelas de conversão de numeração tranquilamente ou é melhor comprar um número maior? Meu dedão direito é enjoado para calçado. rssss.
  7. Tópico antigo mas é bom deixar como informação: declinação magnética tem variação anual. Portanto na época em que foi confeccionada a carta topográfica a declinação magnética era X. Com o passar dos anos a declinação magnética teve uma variação, portanto, se você ainda se orienta com base no norte magnético tem que considerar a declinação magnética atual. Tirando aviação e navegação marítima, não vejo muita gente utilizando "bússola" hoje em dia.
  8. Não comprei ainda. Por imprevistos tive que adiar algumas aquisições.
  9. Entrei no tópico só por curiosidade. Quem diria que a marca iria decair tanto. Tive uma Snake a 20 anos atrás (nem lembro mais o modelo), aguentou vários anos de uso constante. Hoje estou retomando aos poucos minhas caminhadas, e é bom saber que a próxima aquisição terá que vir de fora.
  10. Não sei se você já vem com emprego garantido, o que gosta para lazer, etc. Conheço Itapema só de passar o feriado na praia. Então dela só posso dizer que é uma cidade bonita, estruturada, para quem gosta de badalação fica ao lado de Balneário Camboriu, próximo a Florianópolis, Joinville e Curitiba. Aeroporto de Navegantes relativamente próximo. Já Timbó, é uma cidade pequena, de colonização alemã, bem pacata, com algumas industrias do ramo metalúrgico e principalmente ramo têxtil. Pontos positivos: cidade tranquila (embora o número de furtos esteja aumentando), cidade limpa, algumas belas paisagens rurais, praças e parques bons para passear com a mulher e/ou filhos, boas escolas públicas e particulares, postos de saúde e hospital bom (se comparado com grandes centros), município ótimo para criar um filho e para quem não gosta de agito, 30 km de Blumenau que é um município mais estruturado (porém a rodovia até lá sempre está congestionada). Pontos negativos: comércio fecha exatamente as 18 horas (menos os mercados), não tem nada aberto sábados a tarde e domingos (sou de Curitiba e demorei a me acostumar), para quem gosta de badalação praticamente só tem 2 bares e boates (porém tem algumas opções em Blumenau, cidade próxima), povo é fechado com pessoas de fora (mas com o tempo ganham a confiança), como toda cidade do interior tem muitas fofocas, clima muito abafado no verão, problemas com enchentes.
  11. Saudações, Após pouco mais de 20 anos parado, resolvi voltar a ativa. Ainda tenho dentro do meu guarda-roupa minha antiga companheira de trilha, uma mochila Mont Blanc, inteira, apenas desbotada devido ao intenso uso de antigamente. Também tenho uma barraca Manaslu, não sei o modelo. Mas esta, pelo peso, não pretendo levar para muitas trilhas. Ambas aparentemente estão bem conservadas. Pergunto (principalmente em relação a mochila): será que dá para confiar para uma trilha mais longa? Será que o material ficou frágil com o tempo? Abraços
  12. Preciso de opiniões sobre a Petzl tactikka. Será que esta loja é confiável? https://www.trekkinn.com/montanha/petzl-tikkina/136215812/p Estou achando muito barato...
  13. Passou neste ultimo sábado no programa Plug da RPC a matéria da apresentadora fazendo o Caminho do Itupava. O que me chamou a atenção: - grande quantidade de gente entre Borda do Campo e a Casa do Ipiranga (na reportagem, naquele dia foram 400 pessoas que passaram pelo IAP) - maioria sem experiência e sem equipamentos para trilhas. Tinha um grupo que se não me engano eram 45 pessoas; - grande quantidade de lixo no mesmo trecho; - gente acampada em todos os cantos, até ao lado da trilha, alguns com barracas e outros só com lonas mesmo. Não sou egoísta de querer a trilha só para mim, longe disso. Mas bons tempos de quando eu morava em Curitiba e fazia este caminho e as vezes em todo trajeto cruzava apenas com 1 ou 2 grupos de pessoas, parávamos para conversar e seguíamos caminhando.
  14. Agradeço ao gvogetta, Otávio Luiz e demais participantes. Pretendo descer o Itupava com meu filho de 12 anos até o Marumbi. Quem sabe dormir por lá e fazer alguma coisa no outro dia. Mas trata-se de um plano para abril. Gosto de planejar bem antes rsss. Algum parente ou amigo nos leva de carro até Borda do Campo, para iniciar a trilha umas 7 da manhã (fazendo a parte do planalto o mais cedo possível) e voltaremos de trem. Abraços
×
×
  • Criar Novo...