Ir para conteúdo

Tabata FB

Colaboradores
  • Total de itens

    49
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    3

Tabata FB venceu a última vez em Dezembro 5 2018

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

77 Excelente

2 Seguidores

Outras informações

Últimos Visitantes

1.409 visualizações
  1. [... Continuando] Dia 15 – Huaraz – Laguna Parón [03/09/2017] Que dia incrível! Que lugar incrível! O dia, assim como os outros, começou bem cedo. O caminho até a laguna Parón demoraria de 3 a 4 horas. Ela, como a maioria dos atrativos de Huaraz fica no Parque Nacional de Huascarán. Foi a primeira vez que entrei nele. O caminho até a laguna é sensacional! Ela fica bem no alto, então, uma boa parte do trajeto é apenas subindo montanhas. No caminho, avista-se o ponto mais alto do Peru, o nevado Huascarán. Em toda a cidade de Huaraz tem a vista da cordilheira branca, é espetacular! Nunca pense em tirar Huaraz do seu roteiro, please Na subida para a laguna encontramos alguns trilheiros fazendo o trajeto caminhando. Ao chegar, avistar a laguna foi uma surpresa, todos na van se emocionaram e começamos a aplaudir, tamanho espetáculo à nossa frente. É realmente emocionante! E esta, que seria a foto de capa da viagem: Ficaríamos pelas redondezas por volta de 3 a 4 horas até retornar à van. Ao lado da Laguna havia um monte, que dá vista de cima do lindo lago. Claro que a opção foi encarar o desafio. Nesse ponto a altitude pega bastante! Mas vale a pena todo o esforço. Metade do caminho é subindo caminhando normalmente por um caminho já definido e outra metade é andando sobre as rochas. É um tanto quanto perigoso, pois se escorregar, o risco de cair e quebrar algum membro é bem grande! Por isso, muito cuidado nessa hora! E esses foram os resultados registrados: Antes de subir conheci a Jenny, uma peruana de Lima que estava viajando sozinha também até Huaraz. Passamos o dia juntas, combinamos de fazer mais uma viagem juntas!! Ao descer do monte fomos para a orla da lagoa. Que água gelada!!! Passamos um tempo ali, comemos algo e voltamos para a van. Dicas: Caso queira subir até o pico ao lado da lagoa, o que recomento muito, sugiro ir logo quando chegar. Como o caminho para chegar de Huaraz até a lagoa é um tanto longo, gasta-se muito tempo no transporte, o que torna o tempo por lá curto. Tente aproveitar ao máximo. É importante usar botas próprias para trekking que estabilize o tornozelo. Principalmente para evitar torções ao pular de pedra em pedra na subida. Nessa trilha eu batizei a minha, voltou toda ralada! [Continuação nos próximos posts...] Beijos! Tabata Instagram: @tatablita
  2. Galera, eu e o @Vinicius Silva Brito estamos fechando para o dia 24 de março! Quem tiver interesse entre em contato
  3. Vamos lá! - Sobre os passeios em Huaraz, no meu primeiro post do primeiro dia lá, eu indico o Hostel do Scheler, ele organiza e oferece também os passeios e é bem baratinho (com relação as atividades desse tipo no brasil por agência que é SUPER CARO!) Eu paguei 40 soles por passeio/dia. - Vale del Colca eu não cheguei a dormir por lá, então não sei dizer que atrações tem e se vale a pena. Sobre Puno, não planeje muito tempo lá, acho que o mais vale conhecer mesmo lá é o lago e as ilhas flutuantes. Eu não dormi lá, apenas passei o dia mesmo! E acho que foi o suficiente. - Sobre indicação de agência, nos meus primeiros posts eu indico a Peru Hop, não sei como estão os valores hoje em dia com a alta do dólar, mas no caso, em Arequipa e Puno eu comprei os passeios com eles. - Sobre a mala, eu levei a mochila de 50 litros e não tive problemas nos voos. - Sobre o roteiro, você já viu se tem voo de Huaraz para Arequipa? Eu acredito que não tenha. No caso, eu faria Huaraz primeiro, desceria a Lima de ônibus e faria o resto de ônibus até Cusco. De Cusco pegaria o voo pra Lima.
  4. Oi @JOICE SANTOS ! São as mesmas cidades podem com ordem diferente. Como vc pretende ir de Huaraz para Arequipa ? Tenho alguns valores sim, embora tenha sido de 2017, da para ter alguma ideia. Você gostaria de saber de algum em específico? Posso dar uma vasculhada
  5. @lucband Olá!! Essa versão da Cloud Up 2 Ultralight que lhe agradou vem com o footprint?
  6. @caramelot Que bom saber disso! 😍 Olha só, vou te enviar meu numero por mensagem. Se precisar de algo pode me perguntar la
  7. Olá! Estou planejando para Março/2020, mais alguém ?
  8. [... Continuando] Dia 13 - Cusco/Huaraz [01/09/2017] Dormi até mais tarde nesse dia, a única tarefa do dia era chegar em Huaraz. O percurso era um voo de Cusco a Lima, Lima aeroporto até estação Crus del Sur, onibus até Huaraz. E assim foi, comprei os tickets do bus na própria estação. No Peru, não existe uma rodoviária como estamos acostumados, cada viação tem sua própria estação. Precisei esperar um pouco, pois o ônibus sairia as 22h30. Partiu para a cidade mais esperada da minha viagem!! +8 horas pela frente e chego lá. Dia 14 - Huaraz - Chavin [02/09/2017] Por volta de 6h da manhã chegamos em Huaraz. Iria ficar no hostel do Scheler. Um cara muito bacana que tive a oportunidade de conversar bastante antes de ir. Ele me esclareceu todas as dúvidas. Acabei fechando com ele os passeios e o hostel. Ele ficaria de me buscar no ponto de desembarque, mas teve um problema, então, por dentre outros exemplos, pude ver a gentileza dos peruanos com os turistas. Um taxista, que provavelmente estava aguardando alguém me prestou sua ajuda ligando para o Scheler. Ele foi muito gentil e me levou até o hostel. Conheci o Scheler e já cheguei no ritmo! Ja faria um passeio no primeiro dia em Huaraz. O plano era visitas as ruínas de Chavin, logo as 9h da manhã. Em Huaraz, todos os passeios são longos, de no mínimo 3 horas de viagem para chegar às atrações. Claro, como estava cansada, cochilei todo o caminho. Logo na primeira parada, me juntei ao Roger, um brasileiro, e assim fizemos companhia um ao outro durante o passeio. Roger estava no Peru fazendo só as loucuras de trilhas e expedições. A primeira parada foi na lagoa Querococha. Chavin tem um valor histórico muito grande. É uma das mais antigas civilizações da história. Vale a pena conhecer. Ao voltar do passeio fomos jantar e o Roger me indicou uma agência que faria o passeio à Laguna Paron. Fomos lá e fechei para o próximo dia. Dicas: Scheler Trekking Expediciones: Ele presta o serviço de hostel e dos passeios. Recomendo! [Clique Aqui] [Continuação nos próximos posts...] Beijos! Tabata Instagram: @tatablita
  9. [... Continuando] Dia 12 - Cusco (Vinicunca) [31/08/2017] Apesar de cansativo todo o rolê para Águas Calientes no dia anterior, este dia não foi menos importante, pois era algo que eu estava esperando muito para fazer. Era o dia em que eu iria conhecer a famosa Rainbow Mountain, Montanha colorida, Montanha sete cores, Vinicunca, muitos nomes! Difícil para quem já pesquisou viagem no Peru e nunca ouviu falar desse lugar 😍 O dia começou bem cedo como a maioria dos passeios, e como saímos muito cedo, a Van parou em um local onde tomaríamos o café da manhã. Banhado a muitos pães com geleia e manteiga! A trilha para Vinicunca já se inicia a uma certa altitude. Ao iniciar você já percebe o ar rarefeito. Eu já sabia que seria um desafio. Aproveitei para me preparar e no início já separei meus dois bastões de caminhada ( dois cabos de vassoura mesmo kkkk ) A cada quilometro andado, temos algumas placas com informações da altitude. Vou deixar uma foto com a placa final abaixo! Não foi fácil fazer esse passeio, até então acredito ser a trilha mais difícil que eu fizera. Todo o trajeto foi mastigando folhas de coca, muito foco, concentração e determinação. Foi uma conquista muito pessoal. E você vai precisar de muita determinação mesmo, pois durante todo o percurso a tentação de contratar o serviço das mulas/cavalos. Foi nesse passeio que você descobre que a tolerância a altitude não tem nada a ver com preparo físico. Vi muito “marmanjo” passar mal e precisar de mula para subir. Eu estava sempre firme e forte, focada no meu propósito. A cada passo eu comemorava. Cada passo tinha um alto valor para mim. Ao iniciar o passeio, conheci a Julia e a Rosi, duas brasileiras que estavam no mesmo hostel que eu, mas logo no início nos desencontramos, pois elas começaram a andar mais rápido e eu acabei indo no meu ritmo. Um pouco antes de chegar encontrei uma Argentina, e andamos juntas e nos ajudando pelos km finais. Infelizmente, devido as ansiedades do momento, esquecemos de trocar contatos =/ A vista de cima é incrível. Algo mágico. Mas resumindo, o desafio e a conquista foi o melhor de tudo! Foi o lugar de maior altitude que eu estive no Peru. Dicas: Preparo físico: Não vá se você não tem um bom preparo físico. Joelho: Senti muito o joelho na descida, se você tem algum problema ou sente dores, também não recomendo. Frio: Conforme você vai chegando no topo a temperatura vai caindo drasticamente. Além dos casacos, leve acessórios como gorro, luva, cachecol. Vi pessoas com as mãos queimadas do frio desistindo nos últimos metros. [Continuação nos próximos posts...] Beijos! Tabata Instagram: @tatablita
  10. [... Continuando] Dia 10 - Águas Calientes [29/08/2017] Saga Machu Picchu has been started! 🤘 O dia que me senti mochileira de verdade! hehe E o dia de fazer check out em Cusco e partir para Águas Calientes. Empacotei as coisas e fui rumo a Águas Calientes. Existem 3 formas de ir para Machu Picchu. De trem, maneira mais cara e mais rápida. De van/ônibus até a hidrelétrica + caminhada de aproximadamente 2 horas. Maneira mais econômica. Pela trilhas, para aventureiros. Existem variados tipos de trilhas. Não cheguei a pesquisar a fundo, pois não era meu objetivo, já que nesse caso, queria economizar tempo e não dinheiro. Sei que a mais famosa é a trilha Inca, que precisa ser reservada com muito tempo de antecedência por ser muito procurada e ser muito limitado o número de pessoas permitido. Eu iria de trem. E o trem partiria de Ollantaytambo, então até lá precisava tomar um ônibus. Parti do hostel rumo ao local de onde partiria o ônibus. Chegando vi algumas vans no local e pensei, devem ter alguns alternativos para ir. Que nada! Não eram ônibus, eram vans mesmo! A linha oficial que sai de Cusco para Ollantaytambo eram vans. Quando cheguei e fiz a pergunta a alguém onde tomava o ônibus, foi instantaneamente, pisquei e quando abri os olhos eu ja estava dentro da van, cheia de calor, de pessoas conversando muito alto (parecia que estavam brigando) e para somar, haviam me colocado para sentar na frente. Sabe aquele banco entre o motorista e o co-piloto que ninguém quer sentar? Abri o olho e estava la! Foi então que me apressei a arrumar um jeito e um espaço de tirar a blusa por que havia percebido que essa seria a única chance em 2 horas e meia! 😂 Fiz uns malabarismos e consegui tirar a blusa. Como não tinha nenhum espaço do lado, embaixo, em cima, a mochila foi no meu colo. Todas as vezes que o motorista mudava a marcha, eu tinha que arrumar a mochila. E em meio a essa pressão toda, me deparo com a cordilheira apenas em frente à nossa janela, o tempo todo, que incrível! Aproveitei um momento que pararam a van para conseguir retirar o celular e registrar essa foto abaixo 😁 Ao chegar, procurei um local para almoçar antes de pegar o trem para Aguas Calientes. Ao entrar no trem, percebi que era um lugar apertado, porém de luxo. Com poltronas e mesas para as refeições. A viagem é um pouco cansativa, no percurso é servido um bolo de cenoura, muito saboroso, porém, pelo tempo de viagem, horário e preço do ticket, obvio que poderiam servir algo de mais "sustância" ! Ao chegar em Águas Calientes fui direto ao hotel que Natan me indicou tentar negociar o mesmo valor e fazer a reserva. Precisei mostrar uma foto do Natan, para conseguir o valor, pois não estavam "botando muita fé na indicação". E assim consegui a noite por 30 soles em quarto individual. Fazia tempo que não tinha essa privacidade! Dia 11 - Machu Picchu [30/08/2017] Acordei as 3h30 para tomar o café que seria servido às 4h. Consegui tomar café um pouco antes e cheguei na fila do ônibus por volta de 4h10. Já estava bem cheio. Conheci o Luiz na fila, de Quito, muito gente boa! Acabamos ficando junto para conseguir fechar um guia. A dica é que entramos na fila, porém achávamos que os tickets para o ônibus eram vendidos no próprio ônibus, porém, deve-se comprar em um posto ao lado. Sendo assim em um momento precisamos sair da fila para poder comprar. Compre antes pois ao entrar no bus, tivemos que debater com o segurança pra provar que não sabíamos dessa informação, e por isso consta um horário diferente ao qual entramos na fila. É assim que começa a visita a Machu Picchu. Ao chegar ficamos de olho e achamos um guia em espanhól. Fechamos em aproximadamente 8 pessoas. Lugar incrível, historias curiosas, descobre-se um povoado muito inteligente, engenheiros, astrônomos, e por ai vai. Ao chegar ainda estava coberto de nuvens, mas por volta de 9 a 10 da manhã o tempo já começou a abrir. Como o Luiz iria subir a montanha, nos separamos nesse momento. Foi ai que conheci mais o Rulo, mexicano, estava com a mãe no mesmo grupo com o guia, porém a mãe estava já muito cansada e não subiria ao ponto máximo. E assim ficamos como fotógrafos e cia um para outro. Tentativa frustrada de tirar a foto com o bichinho! 😂 A hora passa muito rápido quando você entra lá! Fiquei até 12h, que era o horário do meu ticket. Passou muito rápido! Para pegar o ônibus de volta é bem tranquilo, não peguei filas. Almocei por Águas Calientes, é aí que te enfiam a faca, o lugar mais barato que achei era bem caro! Tomei o trem de volta, depois a van para Cusco. Dicas: Ônibus para Machu Picchu: Compre o ticket para o ônibus antes de entrar na fila! Levar REPELENTE! Eu levei apenas o protetor solar, porém, é importante o repelente também. Siga o mapa! Pois alguns lugares levam à saída, e você tem apenas 1 chance de sair e retornar. Atenção aos horários! Eu não subi às montanhas, mas quem vai subir precisa se atentar aos horários. [Continuação nos próximos posts...] Beijos! Tabata Instagram: @tatablita
  11. [... Continuando] Dia 9 - Cusco (Vale Sagrado, Maras, Moray) [28/08/2017] Neste dia o tour se iniciaria antes do horário do café da manhã do hostel. Então, consegui pegar alguma coisa para comer no caminho. Ainda estava com o “pé atrás” com a tal agência que achei meio que na correria e por um preço muito acolhedor, se é que me entendem =D Foi então que fui direcionada a esperar numa esquina. Me deparo com mais um cara esperando, iniciei o papo em inglês, ele respondeu dizendo que não falava inglês, foi ai que percebi que era dos nossos! Um brasileiro, o primeiro que encontrei e que passei o dia. Saulo, de Brasília. Na primeira parada do dia é preciso comprar o bilhete turístico de Cusco. Existem 2 tipos: - Bilhete geral, que compreende vários pontos turísticos de Cusco. Preço de 130 soles, com validade de 10 dias. - Bilhete parcial, o qual cobriria todos os lugares em que eu passaria o dia. O preço foi de 70 Soles, com validade de 2 dias. Esta primeira parada é em Chinchero, onde visitamos uma igreja histórica da região e participamos de alguns rituais onde os locais da região apresentaram como era o tingimento dos tecidos, muito interessante, pois tudo é muito natural, sem química alguma. A segunda parada foi em Moray, antigas ruínas Incas. O interessante de lá é que tem uma parte que foi restituída e outra parte completamente original. A terceira parada foi em Maras, uma cidade conhecida pela produção de sal. E que produção! As salinas de Maras foi um dos lugares mais incríveis que já estive, é de cair o queixo e ficar de boca aberta por um tempinho. Impressionante a história do local e de como isso funciona há tanto tempo. Não tem como ir a Cusco e não passar por esse passeio! Anotem isso 😃 Pausa para o almoço, em um restaurante com um buffet enorme e tudo a vontade! No Brasil o preço do passeio todo seria apenas o preço do buffet. Foi a primeira vez que comi muito! De encher o bucho mesmo! Terceira e última parada foi em Ollantaytambo. Lugar enorme, muito grande com umas vistas sensacionais. Muito famoso o local e cheio de simbologias incas. Quarto e último loca, Pisaq, outra cidade Inca, lugar muito lindo e bem construído, porém, como chegamos um pouco perto do horário de fechar, não conseguimos entrar por entre os muros da cidade. O que achei interessante no local é o cemitério vertical que foi alocado no meio das montanhas que a cercam. Porém, quando os Espanhóis invadiram o local, retiraram todos os restos mortais que havia. Abaixo registrei essa foto das lindas pedras que encontrei por lá. E entre um passeio e outro eu e Saulo trocamos nossas histórias, foi muito especial ter falado com ele aquele dia. Combinamos de jantar juntos e também o Alfredo, um mexicano que Saulo conheceu no restaurante que almoçou. Comemos uma espécie de sanduíche em pão sírio, algo que eu nunca tinha comido antes. Para fechar o relato desse dia, segue uma foto do trio mochileiro do dia! À esquerda Alfredo, Saulo e eu. [Continuação nos próximos posts...] Beijos! Tabata Instagram: @tatablita
×
×
  • Criar Novo...