Ir para conteúdo

GabrielMC

Membros
  • Total de itens

    7
  • Registro em

  • Última visita

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

Conquistas de GabrielMC

Novo Membro

Novo Membro (1/14)

1

Reputação

  1. Fala galerê! Também gostaria de participar! Se puderem me add no grupo, agradeço! (11) 983718507
  2. Muito bacana o seu relato. Além disso seu roteiro nos primeiros dias é um pouco parecido com o meu. As passagens que tenho pesquisado estão nessa faixa de R$ 1.500,00, e pelo visto você gastou R$ 2.000,00 por lá. Então considera que com R$ 2.500,00 eu consiga fazer fazer o City Tour, Vale sagrado incluindo a ida para MP? Sim! Acredito que seja o suficiente! Uma dica é verificar os preços em sites das próprias agências e ir somando!
  3. Opa! Fico feliz que tenha gostado! Então, sobre os equipamentos eu acho que uma boa bota é fundamental (principalmente se for uma caminhada longa), e um corta vento também (principalmente por causa do frio da altitude - o trekking da Rainbow Mountain fica a uns 5000m de altitude = bem frio), também um bom casaco de fleece, para ajudar a esquentar, e roupas adequadas são importantes. O que me fez falta (pensando no frio) foram calças mais quentes e uma segunda pele (ajudam muito para esquentar - se quiser saber mais, dá uma pesquisada no sistema de três camadas de roupa) Pensando na caminhada, acho que o que eu tinha foi suficiente. Não tinha meias de trekking, nem aqueles bastões, nada dessas coisas...mas como não fiz nada muito extenso, deu tudo certo. Espero ter ajudado, Qualquer coisa é só falar.
  4. Agradecimentos Eu não tenho como começar esse relato sem antes agradecer todos aqui do mochileiros.com! Daqui tirei todas as informações e inspirações que precisava, por isso o meu mais sincero e profundo MUITO OBRIGADO!!! Planejamento Comprei minha passagem com destino a Cusco em setembro (3 meses antes da data programada), confesso que deveria ter esperado um pouco mais porque alguns dias depois de eu ter comprado, vi passagens por 500 reais mais barato e com escalas muito melhores que as minhas... Paciência! OBS: Uma dica que encontrei no momondo.com, durante o planejamento, foi que as passagens são mais baratas 56 dias antes do embarque, as terças e no período da noite. Por que não vi isso antes?! Testarei essas dicas na próxima. A entrada de Machu Picchu, comprei no site do governo peruano, com um mês de antecedência mais ou menos, principalmente porque queria subir a Huayna Picchu. Aconselho fazer o mesmo. Na semana anterior à viagem, decidi já comprar o dinheiro peruano. Tinha calculado que 1500 soles seriam suficientes para minha viagem (nascimento do perrengue 1, aguardem os próximos capítulos), então fui numa casa de câmbio aqui no Brasil e comprei R$2000 em soles, o que deu s./1600. Talvez não tenha sido um bom negócio, mas não queria ficar me estressando em procurar a melhor cotação no Peru. Dia 10 (Sábado) - Jornada dos Aeroportos Lembra que disse que uns dias depois de eu ter comprado a passagens, surgiram outras com escalas muitos melhores...vcs vão entender o porquê Saí de Guarulhos (SP) num sábado, mas só chegaria a Cusco na manhã de domingo. Isso porque, fiz duas escalas, ambas com 5h de espera, uma em Foz do Iguaçu e a outra em Lima (lembram que disse que deveria ter esperado um pouco mais para comprar as passagens?), mas enfim... Depois de alguns episódios de Sense 8 em Foz, e cochilos desconfortáveis no chão do aeroporto de Lima (detalhe: em algum momento da madrugada, o pessoal da limpeza acorda todo mundo e faz todo mundo sair do corredor para limpar o chão! Ok, motivo nobre, mas fiquei meio puto rsrsrs). Cheguei em Cusco as 5h do Domingo dia 11, o dia estava clareando, e o sorriso estampado na cara! Dia 11 (Domingo): Primeiro dia em Cusco Peguei um táxi do aeroporto até o Pariwana, por s./20, (Hostel que recomendaria até para o Papa se ele visitasse Cusco – e se eu conhecesse o Papa. Simplesmente um hostel incrível. Comfortável, bem localizado, seguro, tem agência de viagem, café da manhã, festas e muitas outras coisas. Nota 10). Depois de fazer o check-in, tomar um banho, café-da-manhã, e deixar a cargueira no depósito do Hostel; foi andar pela cidade. Era cedo ainda, e a cidade estava vazia e calma deu para andar tranquilamente pela cidade, observar o cotidiano dos cusqueños. Estava adorando tudo aquilo! Passei horas andando... Sentava num banco qualquer quando estava cansado, comia quando tinha fome, passei o dia assim e foi incrível! Como era domingo, ocorreu uma cerimônia de hastear a bandeira de Cusco e do Peru na Praça das Armas, alguns batalhões do exercito peruano vinham desfilando, se reuniram na Praça para hastear as bandeiras. Conversado com um senhor peruano ele me disse que eles faziam isso uma vez por mês (que sorte a minha). Muito legal ver o patriotismo e amor dos peruanos pelo país (sentimentos que percebi em todos os dias seguintes). Nesse dia tinha decidido que fecharia os passeios que faria nos próximos dias e fui procurar agências. Perrengue 1 da viagem: ao pesquisar os preços, percebi que a conta não estava fechando. Eu sabia quanto dinheiro eu tinha e estranhamente, para fazer o que tinha planejado não teria dinheiro suficiente. Começou a bater o desespero! Fui para o Hostel, refiz algumas contas, vi as anotações que tinha levado de qual era o preço médio por passeio e realmente... Não tinha dinheiro suficiente! Faltavam pelo menos uns s/300!!! Até hoje não entendi o que aconteceu – devo ter esquecido de somar alguma das células da minha planilha de custos do excel (pelo menos foi a explicação que mais me agradou). Ok...teria que me virar com 300 soles a menos. Essa hora já estava tudo fechado (deviam ser umas 16h), então teria que fechar os passeios no dia seguinte. Andando pela Praça das Armas vi, perto da fonte no centro da praça, um senhor com uma camiseta escrita “Free Walking Tour”, era o Humberto. Conversei com ele, esperamos mais um pouco e reunimos um grupo de 5, eu, um casal de Santos, uma francesa e uma russa e saímos andando pela cidade! Passeio muito legal! Andamos por umas 3h, ele nos explicando muitas coisas sobre a cidade, a história de Cusco, curiosidade, dicas de restaurantes e tudo mais. Infelizmente não vou lembrar os pontos que passamos, mas recomendo. No fim do tour, demos algum dinheiro para o guia (dei s/10), e ele me disse que tinha uma agência de turismo também. Fomos eu e a russa para a agência que fica numa galeria perto da rua que tem a pedra de 12 ângulos. Ela fecharia o trekking (1D) para a Rainbow Mountain e conversando com ele, acabei fechando os passeios de todos os dias seguintes, mas com alterações. Por causa do problema com o dinheiro, tive que adaptar meu roteiro, tirando algumas coisas e colocando outras (mudanças que no geral foram muito bem-vindas!). Vou contando no decorrer do relato sobre as alterações que fiz. Acabei fechando todos os passeios por 430 soles. Show! Tinha conseguido fechar os passeios no primeiro dia e voltei para o hostel feliz da vida com o primeiro dia! Cansado, e depois de uma cerveja e uma pizza de vegetais, na companhia de um casal de australianos no hostel, fui dormir. Dia 12 (Segunda-feira): Maras e Moray Pelos planos originais, esse seria o dia do City Tour, e embora quisesse muito ter feito, acabei não fazendo, por dois motivos (1) economizar com o boleto turístico, e (2) estava satisfeito com o walking tour do dia anterior. Acordei cedo, e depois de um café da manhã reforçado (para não dizer que fiz um prato de pedreiro), fui me encontrar com uma pessoa da agência na Praça das Armas. Perrengue 2: a mulher que deveria me encontrar começou a demorar..cheguei 8h30 – hora marcada, e nada, 8h40 e nada, 8h50 e nada, comecei a ficar preocupado... 9h e nada, com medo de ter sido enganado, fui até a agência. Estava fechada. “Fudeu!” eu pensei! E voltei para a Praça das Armas, sem saber o que faria, quando lá no meio uma senhora gritava “Sr. Gabriel! Sr. Gabriel!”... UFA! Rsrsrs Segui essa senhora até um ponto de onde saem vários ônibus de passeio e bora para Maras e Moray! Primeira parada foi em Chinchero (ué?! Fazia parte e não sabia rs), num centro de produção têxtil. Muito interessante ver como as roupas eram e são produzidas e tingidas. Achei meio teatral (até as falas das senhoras eram as mesmas..já tinha visto isso num programa de TV e se confirmou no dia seguinte quando visitamos Chincero de novo), mas valeu a experiência. Comprei um cachecol (s/20). Segunda parada foi em Moray! Que lugar incrível! Adorei Moray! Era onde os Incas faziam estudos sobre cultivo e onde adaptavam as sementes, para os diferentes microclimas dos terraços de agricultura. O guia nos explicou sobre as técnicas de cultivo, sobre a drenagem do solo, sobre as diferentes temperaturas e umidade, sobre os incas, sobre Pachamamma, sobre os Apus, foi sensacional! OBS: na entrada de Moray, comprei o Boleto Turístico Parcial. Custa 70 soles e é válido por 2 dias. Ele dá acesso aos sítios de Moray, Chincero, Ollantaytambo e Pisac. Foi a melhor opção para o meu novo roteiro. Depois fomos para Maras. Local e onde o povo extrai sal. O guia nos explicou rapidamente sobre o processo, numa espécie de mirante perto de umas lojas e deixou um tempo livre para fazermos compras! O caramba que ia perder meu tempo fazendo compras! Desci até as poças e fiquei andando por lá. Bonito ver as poças onde, se acumula a água quente e salgada que saí da montanha (Realmente é quente e bem salgada... Experimentei lógico! Estava ali e não ia perder a oportunidade), mas estava tudo meio marrom por causa da lama, tinha chovido. Retornamos para Cusco e fiquei de bobeira o resto do dia. Decidi visitar a pé o Cristo Blanco! É uma bela subida rsrs primeira fez que senti de fato o efeito da altitude de Cusco. Cheguei lá em cima muito, mas muito ofegante, mas valeu a pena. (Para chegar até lá a pé, basta seguir a rua Tanda Pata, até uma escada com um corrimão verde e seguir o corrimão até o fim, depois vai ter uma trilha pequena no meio do mato e você chega até lá!) Voltei para o hostel, tomei uma cerveja, comi e capotei. Dia 13 (terça-feira): O Valle Sagrado Mesmo esquema do dia anterior, encontrei a moça da agência (atrasada de novo) na Praça das Armas, entrei num ônibus e partimos. Primeira parada foi em Pisac, um antigo povoado inca muito bem conservado. Com cenários lindos e muita história por trás.Era muito legal (em todas ruínas) imaginar como seria vida lá, na época do império inca... Fiquei andando e viajando... Mas viagens à parte, depois de visitar as Ruínas de Pisac, fomos até ao povoado de Pisac, onde o guia nos levou para uma oficina onde eles trabalham com prata e confeccionam jóias. Depois de uma explicação sobre como diferenciar prata verdadeira, da falsa, e como eles fazem as jóias, “tempo livre para compras”... Saí fora! Fiquei conversando com um argentino, dois ingleses e com um finlandês que estavam no mesmo ônibus. Próxima parada foi em Urubamba para almoçar. Não tinha o almoço incluido, então procurei um restaurante simples na cidadezinha e almocei o melhor pollo com papas da viagem! Seguimos para Ollantaytambo. Sítio fantástico também! Enorme, nunca terminado, perfeito como todas as construções incas. Nos meu planos originais, eu ficaria em Ollantaytambo e pegaria o trem para Águas Calientes, mas abandonei esse plano, por conta do preço da passagem do trem. Na volta para Cusco, paramos em Chinchero no sítio arqueológico, praticamente todo destruído pelos colonizadores espanhóis e construído à maneira deles. E visitamos (de novo) um centro de comercio têxtil, vi a mesma explicação, com as mesas palavras e piadinhas, mas ok... Não comprei nada. Voltamos para Cusco e fui dormir cedo, o dia seguinte seria puxado! Dia 14 (quarta-feira): Ida para Águas Calientes Esse dia foi a parte 1 das mudanças feitas no roteiro que foram excelentes. Foi uma alternativa muito mais legal e econômica do que pegar o trem para Águas Calientes. Fiz o check-out no Pariwana (4 dias = 140 soles), uma mulher da agência passou no hostel e nos chamou, eu e duas americanas que se tornariam grandes parceiras de viagem, e que estavam no Pariwana também, pegamos um ônibus para a Hidrelétrica. Já havia lido relatos que essa viagem de ônibus e bem desconfortável e perigosa, mas não achei nenhuma das duas coisas! Pelo contrário, foi uma viagem bem agradável, com paisagens maravilhosas e as maiores altitudes da viagem (4800m), a um preço mais acessível. Saímos de Cusco a 7h e chegamos em Hidrelétrica as 14h, depois de um almoço reforçado. Comecei a caminhada para da hidrelétrica até águas Calientes. Minhas amigas americanas foram na frente. Foram 11km de caminhada seguindo os trilhos, pela floresta e margeando o Rio Urubamba. Gosto muito de trilhas e trekkings, havia cogitado fazer a Trilha Salkantay durante o planejamento da viagem, (não me escapa da próxima) e embora as duas nem se comparem, fiquei contente com as 3h andando rsrs. Cheguei em Águas Calientes as 17h, procurei o hostel que a já havia sido fechado com a agência em Cusco. Depois de um merecido banho, saí para jantar com o guia e o pessoal que faria o mesmo que eu no dia seguinte, comprar comida e o ticket do bus para a subida. Águas Calientes é uma cidade pequena, mas muito charmosa, adorei a cidade! Voltei para o hostel e fui dormir ansioso pelo dia seguinte, o grande dia estava próximo! Dia 15 (quinta-feira): Machu Picchu Ah... Machu Picchu! O Sonho de todo mochileiro que visita o Peru! Peguei o ônibus as 5h30 e as seis chegamos na cidade perdida do incas! Juro que não tenho como descrever a emoção de estar ali, ao entrar e me dar conta de que realmente estava ali, pisando naquele chão, respirando aquele ar, vendo aquelas construções que estiveram no meu plano de fundo durante os últimos meses, foi simplesmente INCRÍVEL, meus olhos encheram de lágrimas (e olhem que não sou uma pessoa tão sentimental rsrs). Fiz um tour guiado por duas horas (achei meio incompleto para ser sincero... Acho que ele explicou 60% das coisas da cidade). As 10h fui para a entrada da Huayna Picchu, onde encontrei minhas amigas americanas e subimos juntos! Degrau ou degrau, expectativa aumentando e o tempo fechou, ficou nublado e começou a chover (chover para valer rsrs), uma hora de subida até o topo. Óbvio que não conseguimos ver nada... Uma neblina só, e chuva, mas nada que tirasse nosso sorriso do rosto. Durante a descida a Christine (uma das americanas), me perguntou se eu sabia onde era o Templo do Sol. Elas não tinham guia, a Christine tinha apenas o livro escrito por Hiram Bingham (The Lost City of the Incas – 1948), foi quando eu falei meio que na brincadeira que poderia ser o guia delas pela cidade. Imaginem... eu, sendo guia de duas americanas em Machu Picchu... Hmm que idéia! Foi quando a Maria (a outra americana) fico super feliz e disse que seria ótimo! “Eita”, pensei... Mas, “Ok! Let’s go!” A chuva tinha diminuído. Descemos e ficamos andando por Machu Picchu, fui explicando para elas o que tinha aprendido no tour e... puta que pariu como foi legal!!! Nunca tinha sequer imaginado uma coisa como dessas! Eu, sendo o guia improvisado, por um dia, em Machu Picchu... EM MACHU PICCHU!!! Foi sensacional! Umas 15h nos despedimos, elas voltariam para Cusco na mesma noite, eu passaria uma noite em Águas Calientes ainda. A cidadela já estava bem vazia. Fiquei ainda andando por Machu Picchu sozinho, perdido nos meus pensamentos, ouvindo aquele silêncio e envolvido por aquela energia, até umas 16h30. Desci a pé para Águas Calientes (a passagem do ônibus é cara uns 12 dólares – 40 soles), fui para o hostel tomei banho e saí para o meu jantar especial de comemoração. Com direito a pisco sour, coca-cola e a maior e melhor pizza da viagem, fechou o dia com chave de ouro! Dia 16 (sexta-feira): Retorno para Cusco e ida a Puno Acordei tarde em Águas Calientes, e depois de comprar suprimentos e andar pela cidade, comecei a caminhada de volta para a hidrelétrica. Foi o mesmo caminho da ida, mas agora com um detalhe fantástico, que não tinha reparado na ida. DICA ESPECIAL: Em Machu Picchu há um lugar onde fica uma espécie de relógio solar, da lá de cima pode-se ver uma ponte de aço com cor de ferrugem. É uma ponte que se cruza durante a caminhada, então fica a dica! Quando estiverem fazendo essa caminhada seguindo os trilhos (indo ou voltando de Águas Calientes) e atravessarem uma ponte grande, de aço e com cor de ferrugem (vou colocar uma foto da ponte), olhem para o topo das montanhas ao redor, e em cima de uma delas vc poderá ver algumas construções, que é onde fica o relógio solar de Machu Picchu! Chegando a hidrelétrica, almocei por 10 soles no mesmo restaurante e peguei o mesmo ônibus para Cusco. Cheguei em Cusco umas 21h, passei no hostel, tomei um banho (mesmo não estando oficialmente hospedado, havia deixado só o mochilão – ponto positivo (mais um) para o Pariwana), encontrei a Maria e a Christine (que coincidência), falei para elas sobre a ponte, que realmente era a ponte que vimos de lá de Machu Picchu, nos despedimos de novo, mas não pela última vez. E fui para a rodoviária para pegar o ônibus noturno para Puno. O ônibus era confortável, mas fez muuuuuito frio, não consegui dormir direito. Dia 17 (sábado): Lago Titicaca Ao amanhecer cheguei na rodoviária e tinha um senhor de uma agência me esperando com uma plaquinha com meu nome, fui com ele até a sede da agência onde reunimos o grupo, tomamos um café da manhã bem meia boca por s/10 (primeiros ‘10 soles muito mal gastos da viagem’), partimos para o cais e embarcamos. O barco era confortável, lento e fazia frio, o guia foi nos explicando sobre o Lago Titicaca, as lendas do surgimento dos primeiros incas, da cidade de cristal que supostamente existe no fundo do lago (quem acredita em alienígenas vai adorar), e tudo mais. A primeira parada foi nas ilhas flutuantes de Uros, é interessante ver como os habitantes trabalham com a Totora (uma planta que nasce lá no lago) e como eles fazem tudo com totora, comem totora, fazem barcos de totora, fazem casas de totora, amam a totora. Não gostei. Tem gente que adora, mas eu achei tudo muito teatral e forçado. Duvido muito que os habitantes da ilha, nesse momento, eles estejam fazendo as mesmas coisas que mostram para os turistas (não gosto desse tipo de turismo forçado). Mas enfim... Resumindo, não gostei. E só para contar, como não queria comprar nada, decidi ajudar de alguma forma, e fui dar uma volta naquele barco de totora que eles têm e me dá raiva só de lembrar do barco! Foram os segundos ‘10 soles muito mal gastos da viagem.’ Saindo as ilhas de uros, fomos para Taquille. A terceira maior ilha do lago Titicaca, de alguns pontos pode-se ver a Bolívia. Essa foi legal! A ilha é considerada patrimônio cultural da humanidade pela ONU. O povo da ilha ainda mantém as tradições de seus antepassados e vendo algumas pessoas jovens da ilha, foi que tive um belo choque de realidade. É difícil explicar, mas tentei imaginar como aqueles jovens (da mesma idade que eu possivelmente) passam os dias? Com o que eles sonham? O que eles almejam para o futuro? Choque de culturas natural, inevitável e enriquecedor, essas reflexões fizeram valer a pena a visita à ilha. Terminando a caminhada pela ilha, e voltando de barco (foram 3h de barco) para Puno, fiquei enrolando na cidade até dar a hora de pegar o ônibus direto para Cusco. Umas 21h peguei um taxi da Praça das Armas até a rodoviária (s/5). As 22h peguei o ônibus, e me preparei para a noite gelada que teria pela frente. No meu roteiro original, eu passaria dois dias em Puno. No primeiro dia, faria o passeio que fiz, e no segundo visitaria as Chullpas de Sillustani (as fotos do visual tinham me convencido a ir), mas pelo problema com o dinheiro, tive que abandonar esse segundo dia em Puno, e ainda bem que fiz isso! No geral, não gostei da visita à Puno. Acho que não vale a pena o bate-e-volta a não ser que você tenha muitos dias no Peru e/ou queira muito conhecer o Lago, mas se eu soubesse antes o que sei agora, teria escolhido fazer outra coisas, provavelmente o trekking de 1D para a Rainbow Mountain, (minhas amigas americanas fizeram, e disseram que foi incrível), ou alguma outra coisa. Paciência... Mas essas são somente minhas opiniões e conselhos, talvez com você seja diferente. Tem que ir para descobrir! E isso é uma coisa legal também, mesmo que você não goste de um local, pelo menos você foi e tirou suas próprias conclusões. Dia 17 (domingo): Último dia em Cusco. Cheguei em Cusco as 6h, fui para o hostel, tomei um banho, encontrei minhas amigas americanas no hostel por coincidência (de novo), elas iam para a Rainbow Mountain, num esquema diferente do comum (geralmente o pessoal que faz o trekking de um dia saí as 3h e volta a noite. A Maria tinha arranjado um outro esquema que infelizmente não vou saber explicar, mas que não era preciso sair tão cedo), nos despedimos pela última vez (na viagem), e eu saí para a aproveitar meu último dia em Cusco. Acho que fiquei tão preocupado com a história do dinheiro, que fui meio de vaca a viagem inteira, até que me sobrou uma boa quantidade de soles no final, e não iria voltar com soles para o Brasil, então, esse últimos dia foi livre para comprar presentes para todo mundo e comer o famoso ceviche. Aproveitei minha pequena fortuna e fui onde me disseram que tinha o melhor ceviche da cidade (num restaurante na Pracas das Armas, perto do McDonalds). Não gostei rsrs. Achei um prato ardido, mas enfim... Entra a história de ‘tirar suas próprias conclusões’ de novo. Fiquei de bobeira na cidade, andando sem rumo e sem preocupação, comprando uma coisa aqui, outra ali até a hora de ir para o aeroporto. As 17h fui para o Pariwana, peguei minha mochila, arrumei as coisas e peguei um taxi para o aeroporto. As 19h decolei com destino a Lima e me despedia de Cusco, cidade que em poucos dias tanto me maravilhou.”Adeus Cusco, até uma próxima com certeza”, falei baixinho, olhando pela janela quando o avião decolou. Cheguei em Lima as 21h e me preparei para uma longa escala de 12h pela frente (lembram da história das passagens... pois é) deitei no conforto do chão do aeroporto e munido com o livro do Amyr Klink (Mar Sem Fim), entre sonecas, episódios de Sense 8, e expulsões pela equipe de limpeza do aeroporto, o tempo passou. Dia 18 (segunda-feira): Volta para o Brasil Já no salão de embarque, aproveitei para gastar meus últimos soles, e as 9h (horário local), o voo com destino a Guarulhos decolou, e as 17h (horário local), estava de volta no ponto de inicio da viagem. O local era o mesmo, mas a pessoa que pisava ali, não. O Peru é um lugar mágico e toda a experiência de um primeiro mochilão sozinho e primeira viagem internacional, foram de grande aprendizado e crescimento pessoal. Recomendo para todos que estão lendo isso agora, e que tem esse desejo de ir, que vá! Não se prenda, não se limite! Abra a mente e o bolso, e simplesmente vá! Valerá muito a pena! Roteiro executado: Dia 1: Dia livre em Cusco Free Walking Tour Noite em Cusco Dia 2: Maras e Moray Boleto Turístico Parcial (s./70) Noite em Cusco Dia 3: Valle Sagrado Pisaq, Ollantaytambo, Chinchero Noite em Cusco Dia 4: Ida para Águas Calientes Ônibus de Cusco até Hidrelétrica (7h-14h) Caminhada da Hidrelétrica até Águas Calientes (11km – 3h duração) Noite em Águas Calientes Dia 5: Machu Picchu com Huayna Picchu Noite em Águas Calientes Dia 6: Volta para Cusco e ida para Puno Caminhada de Águas Calientes até a Hidrelétrica Ônibus da hidrelétrica até Cusco (14h - 20h) Ida para Puno: ônibus as 22h Dia 7: Lago Titicaca Ilhas Flutuantes de Uros e Ilha de Taquile Retorno para Cusco: Ônibus às 22h Dia 8: Último dia em Cusco Dia livre Gastos da viagem: R$1500: passagem R$ 2000: sendo R$410 nos passeios, R$140 no Pariwana e o restante em táxis, alimentação, presentes e outras coisas. Espero que tenha sido útil e que tenham gostado. Fico a disposição para esclarecer qualquer dúvida! Muito obrigado!
  5. E se você começar e terminar pela Bolívia? Daria para desembarcar em La Paz ou Sta Cruz de la Sierra (passagens mais baratas), visitar o Deserto de Sal (e o Deserto de Atacama no Chile), ir para o Peru (visitar Machu Picchu, que imagino estar nos seus plano) depois ir para o Lago Titicaca, visitar a ilha do Sol e fechar a viagem na mesma cidade que você começou.
  6. Fala pessoal! Estou indo para o Perú em Dezembro de 2016 e estou com quase todo o roteiro montado, mas estou com uma p*** indecisão entre ir para Puno...ou ficar dois dias a mais em Cusco Tem gente que odeia a cidade, tem gente que adora...pelo que andei lendo e vendo, realmente tem alguma coisas que a galera adora (isla de Taquille, chullpas de Silustani) e outras nem tanto (Puno em si rsrs e as islas de Uros)... Se puderem opinar, contar a experiência de cada um, me ajudariam MUITO! Por enquanto meu roteiro está assim: Dia 1:Chegada em Cusco: dia livre Dia 2: Cusco Dia 3: Cusco / Maras e Moray Dia 4: Valle Sagrado / noite em Águas Calientes Dia 5: Machu Pichu *Dia 6: Puno (ônibus noturno para Puno) ilhas de Uros e Taquille *Dia 7: Puno (ônibus noturno para Cusco): Chullpas de Sillustani Dia 8: Cusco: dia livre e retorno. * OU: dia 6 e dia 7 ficar em Cusco? Obrigado desde já!
×
×
  • Criar Novo...