Ir para conteúdo

shiiiyamada

Membros
  • Total de itens

    2
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

7 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Esse é meu primeiro relato e minha primeira Travessia solo em um lugar que nunca tinha feito, já havia feito algumas outras Travessias mas em grupo, então vou tentar compartilhar um pouco do que aconteceu e como é o caminho. Pico do Pão de Açucar no Saco do Mamanguá, Paraty-Rj. Serra da Bocaina ao longo - Foto: Pedrogabrielmaciel / Wikimedia Commons A Travessia ocorreu entre os dias 16/01 a 20/01 de 2018, o percurso foi Saco do Mamanguá + Pico do Pão de Açúcar e Travessia da Ponta da Joatinga + Cachoeira do Saco Bravo Embarquei 22:40hrs no Tiete/SP sentido Paraty via Viação Reunidas 1º Dia - Paraty a Praia Grande da Cajaíba Cheguei na Rodoviária de Paraty +/- 5:20hrs o primeiro ônibus para Paraty-Mirim saia as 5:30hrs deu tempo de pegar a mochila, ir ao banheiro e já embarcar. Achei que seria o único a descer em Paraty por ser um Terça-feira, mas engano meu porque 80% do bus desceu por que da rodoviária também saem os ônibus para Trindade. Chegando em Paraty-Mirim deu tempo de pegar aquele amanhecer fantástico do céu com várias cores, aproveitei a vista para comer algo e passar repelente porque ‘pqp’ como tem uns mosquitinho chato e eu não sou alérgico nem nada mas eles incomodam muito. Café tomado borá começar a travessia, a trilha começa ao lado do posto da polícia ambiental, uma subidinha chatinha, ainda mais para quem tinha vestido a cargueira em Outubro na Travessia da Serra dos Órgãos, a trilha para atravessar até o Saco do Mamanguá é bem marcada e não há bifurcações, quando você sentir o cheiro ou ver vários pés de Jaca quer dizer que você já acabou a parte da trilha na “floresta” ou também quando você ver postes de energia elétrica é só seguir eles que você irá chegar na casa de algum morador, seguindo os você passara sempre por trás das casas dos caiçaras. A minha “meta” era chegar até a Praia do Curupira e conseguir alguém barco para atravessar para a outra costa, porém quando eu cheguei na Praia Grande do Saco do Mamanguá encontrei uns funcionários do hostel/hotel/pousada que tem por lá e consegui um barco para atravessar a para a Praia do Cruzeiro por R$30, para min foi perfeito porque estava sozinho pelas pesquisas que eu havia feito os barcos lá custam em média R$100~200. Chegando do outro lado (10min de barco) no camping/restaurante do Orlando, na Praia do Cruzeiro, de lá é possível ir para Cachoeira do Rio Grande - 5,5km ou subir o Pico do Pão de Açúcar - 1,5km, como estava sozinho, não sabia como era a trilha e “pretendia” acampar na Praia do Engenho me contentei em somente subir o Pão de Açúcar (dica se você estiver de cargueira converse com o pessoal do camping para deixar a mochila por lá ou esconder na matar o que eu fiz ahahah) subidinha tranquila e quando se chega no topo da pra se ver todo Saco do Mamanguá e se o dia estiver bom é possível ver as usinas nucleares de Angra dos Reis bonito demais. Voltado para trilha da P. Cruzeiro até P. do Engenho 3,6km, a trilha segue contornando as casas de praia de pessoas que devem ter enriquecido com negócios escusos, só acho. Seguindo o Wikiloc a trilha as vezes some, as vezes surgem cercas e etc, não é possível seguir pela praia porque ela está “ocupada” pelas casas, mas passando esse perrengue da trilha cheguei na placa que indicava a Praia do Engenho, Cadeia Velha e Praia Grande da Cajaíba, a minha intenção era acampar na Praia do Engenho porém ao descer para praia, para minha surpresa estava cercada, de volta para placa encontrei um caiçara que morava por ali e ele me informou que não havia camping por ali perto somente na Praia Grande. Borá então mais 4,5km montanha acima, com cargueira pesada e cansado até a P.G., se você tiver dúvidas do caminho é só seguir os postes e fios de alta tensão porque acho que a companhia elétrica deve ter utilizado a trilha já aberta para coloca-los ao invés de abrir novos caminhos “palmas”. Cheguei na P.G. da Cajaíba quase a noite e peguei o primeiro camping que eu achei na praia camping da Dona Dica - R$20 e Coca R$5 (coca mais barata da travessia) nesse dia cheguei na praia morto só queria tomar um banho e dormir e foi o que eu fiz. 2º Dia Praia Grande da Cajaíba a Praia Martim de Sá Começando o segundo dia da minha “loucura pessoal” acordei por volta das 5:30hr varado de fome ahahah então como bom aventureiro preparei aquele café caprichado que foi arroz carreteiro Tio João, feijão e linguiça rs enquanto o “café” ficava pronto fui tomar aquele banho de mar. Com a mochila arrumada e me preparando para partir ganhei aquele cafezinho coado fresquinho, aproveitei o convite e já fiz minha lição de casa perguntando sobre o caminho e quanto tempo levava e etc, aquelas perguntas de sempre. Nesse meio tempo entre o primeiro café e segundo café fiz amizade com o melhor amigo e companheiro de trilha que um homem pode querer dois cachorros vou chamá-los de Prestigio e Chokito porque eu esqueci o nome deles. Quando estou partindo vejo os dois partindo na frente, pensei que eles devem ter ido dar uma volta ahahah mas não eles foram na frente me mostrando o caminho. A primeira praia que você do dia é a Praia de Itaoca, recomendo muito acampar nessa praia, é +/-20min da P.G. da Cajaíba, sabe aquela prainha pequena, sem ondas e de água cristalina - o meu tipo de praia. Seguindo o caminho até a próxima praia encontrei um curso de água que fica bem no meio do caminho que aproveitei para tomar banho de canequinha para refrescar, o sol lá é muito forte e não venta para dar aquela refrescada então qualquer oportunidade que eu tinha eu aproveitava. Nessa pausa encontrei um cara que estava fazendo o percurso inverso do meu ele tinha ficado 11 dias acampado na Martim de Sá, descobri que tinha várias cachoeiras ali na região. Na segunda praia do dia Praia de Calhaus havia uma vila de pescadores, descobri que meus companheiros de aventuras tinham nome rs e é normal eles acompanharem as pessoas até Martim de Sá e não tem problema nenhum porque eles sabem o caminho de volta e etc. Próxima praia do caminho era a Praia de Itanema logo após a Praia do Pouso da Cajaíba o caminho até aqui é bem tranquilo subidas e decidas normais, é dessa praia que geralmente as agencias começam a Travessia da Joatinga, nessa praia tem uma estrutura maior, mercadinho/padaria, passeios de escuna e onde tem uma vila de caiçaras grande se comparado as outras que eu passei. A trilha continua no meio da praia subindo o morro, quando você passar acabarem, começam a aparecer vários Teiu na trilha, encontrei muitos, as vezes tomava alguns sustos porque estava andando sozinho e não havia ninguém na trilha e vinha aquele barulho da mata aahhaha. Mas continuando subindo as vezes encontrará um mirante que é possível ver a praia e os barcos. Quando você chegar no topo +/- 2km você vai encontrar a bifurcação para Praia da Sumarca de onde é possível ir até o Farol da Joatinga - 2,9km – ficou para próxima e Martim de Sá 2,2km meu destino do dia, até Martim de Sá é bem tranquilo no caminho há algumas bifurcações a partir da placa porque há cachoeiras na região e trilha de caçadores. Chegando em Martim de Sá no camping do Sr Maneco o único da praia e mais famoso da região da Joatinga, diária R$20 e Coca R$7, servem refeição e tem cozinha comunitária, o camping é bem limpo e organizado, estava bem cheio. Aquele banho de mar na tardinha para relaxar e depois ficar curtindo relaxado na areia esperando escurecer, banho e jantar. Final do segundo terminado, Chokito e Prestigio chegaram em segurança também. 3º Dia Martim de Sá a Ponta Negra Acordei cedo e tomei aquele banho de mar para energizar, porque o dia iria ser punk conforme me falaram. A trilha para Cairuçu das Pedras é bem tranquila mesmo rapidinho se chega em uma placa com ums bifurcação para Cairuçu e outro que segue pela trilha, descendo na praia tem uma banheira de água doce que os moradores fizeram que dá pra ficar relaxando olhando o mar. Seguindo sentido a Praia da Ponta Negra começa acho que a pior parte da trilha porque é uma subida sem parar na mata e tipo fica um forno. Nesse dia conheci dois casais que estavam indo sentido a Ponta Negra, um casal iria fazer o mesmo que eu, acampar na Ponta Negra e fazer a Cachoeira do Saco Bravo no dia seguinte e terminar a travessia na Vila do Oratório o outro iria acampar na Ponta Negra porém não fariam Saco Bravo e terminariam a Travessia em Trindade. No caminho eu encontrei umas 5 pessoas indo sentido a Martim de Sá acampar acho que é o mais comum, porque dá para ir da Vila do Oratório até Martim de Sá pegando somente uma subida grande. Mas voltando nesse dia estava muito quente e abafado e alinhado ao cansaço dos dias anteriores eu estava muito devagar parando toda hora para tomar aquele ar para continuar ahahah, no caminho quase chegando a Toca da Onça encontrei 2 caçadores com cachorros no caminho. Chegando no topo do morro tem um mirante que chama “Vista da ....” que eu esqueci o nome, a partir daí é só uma descida sem fim até a praia, quando você chegar na primeira casa abandonada de pau-a-pique quer dizer que você está “chegando” um pouco antes das outras casas há um quedinha d’água que dá para se refrescar e também você vários canos que descem o morro para levar água até a praia. Nesse dia fiquei no camping do Leleco, diária R$20 e R$6 a Coca na ponta negra tem algumas pousadas então é possível dormir em uma cama de verdade rs. Nesse dia também resolvi me dar o presente de não fazer o jantar resolvi comer comercial de peixe na praia R$36 bem servido. Dica não pergunte se é possível dividir porque estava acontecendo havia uma moça inconformada que não poderia pedir 1 refeição e dividir em 2 pessoas ahahah achei engraçado. Descobri também o porquê Brasil ser considerado o pais do futebol, no final da tarde os moradores puxam os barcos mais para dentro da praia e rola um futebol ali na areia até o sol se por, é maneiro demais ver a cena o sol se pondo lá no fundo naquele tom laranja enquanto os últimos barcos do dia passam no mar e o povo jogando futebol na praia até escurecer. 4º Dia Praia da Ponta Negra a Praia do Sono Nesse dia acordei cedo tomei meu café e parti em direção a Cachoeira do Saco Bravo, a trilha começa no mesmo caminho para quem está indo em direção a Praia do Sono ou quem vem da Martim de Sá só muda a bifurcação que você pega, segundo uma placa que havia no caminho o tempo até a cachoeira era de 2:30hr, a trilha até a cachoeira é bem marcada com algumas subidas, pelo caminho da trilha encontrei um grupo 6 pessoas que estavam indo para lá, eles estavam acampados na Praia do Sono +/- 1hr da Ponta Negra. Chegando na Saco Bravo já havia um cara lá e era cedo ainda 8hr acho, a cachoeira fica bem na encosta onde forma uma piscina natural que desagua no mar e que marzão da porra. Na volta encontrei a segunda cobra da travessia toda uma cobra-cipó que estava a +/-1m do meu rosto ahahah, também encontrei várias pessoas indo em direção a cachoeira umas 15 pessoas para uma sexta não eram nem 10hrs. No caminho aproveitei que tinha visto um pé de limão rosa e peguei uns 2 para fazer uma limonada rs, também no caminho tinha pés de mexerica e pitanga mas estavam todos verdes. Voltei para Ponta Negra tomei aquele banho de mar arrumei minha coisas e parti para Praia do Sono, a primeira praia a se passar é a Praia das Galhetas uma prainha pequena cheia de pedras, mas subindo um pouco o rio que desagua nela você chega na Cachoeira das Galhetas. A próxima praia a se passar é a Praia dos Antiguinhos depois Praia dos Antigos para assim chegar a Praia do Sono, o caminho até a praia do sono é como se fosse um passeio no parque não tem dificuldade, no caminho também encontrei um povo indo para a Saco Bravo e estranho que eu respondi algumas vezes se “Vale a pena?” a ida até lá, para mim tudo vale a pena. Antes de chegar na Praia do Sono fiz uma pausa grande na Praia dos Antigos para tomar um banho de mar porque o Sono estava logo atrás do morro, chegando na Praia do Sono você fica espantado porque tem muitaaaa gente e até a mente assimilar demora um pouco rs, possuem vários campings a média de preço também R$20, no camping que eu fiquei o Camping do Claudinho era bem legal tinha umas coisas de reciclagem nas paredes, compostagem do lixo orgânico, cozinha comunitária e banho quente. Nesse camping também conheci uma moça nome dela era “Arara” sério isso ela estava lá desde o dia 26/12 e iria ficar até depois do Carnaval, ela me disse que todo ano faz isso para desestressar, nossa eu não conseguiria ficar tanto tempo parado em um só lugar assim. Nesse dia também caiu a tão esperada chuva, porém no camping tinha lona de cobertura então tranquilo. 5º Praia do Sono a Vila do Oratório Acordei cedo tomei banho de mar, que por sinal estava bem forte acho que era por causa da chuva da noite anterior, mas mochila nas costas despedidas feitas e agora era só chegar na Vl. do Oratório +/-1hr e pegar o bus sentido Paraty e voltar para SP. Como sendo minha primeira Travessia solo em um lugar desconhecido percebi que é uma vibe totalmente diferente do andar em grupo, mesmo com grupo de conhecidos e etc. Acho que essa travessia me serviu de inspiração para algumas outras Travessias maiores que quero fazer nos próximos anos. Mas também quero voltar a faze-la em grupo para ter uma ideia da vibe de fazer com grupo compartilhando as coisas boas e ruins que uma aventura traz.
×
×
  • Criar Novo...