Ir para conteúdo

nestorfreire

Membros
  • Total de itens

    5
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre nestorfreire

  • Data de Nascimento 31-12-1966

Outras informações

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Em agosto de 2017 começou a minha cicloviagem pela Via Franciegna. Foram 1950 km em 35 dias de viagem entre a Inglaterra, França, Suíça e Itália. Uma viagem incrível, de caráter religioso, dormindo em monastérios e igrejas e com direito a escalar os Alpes. Vá ao meu blog, www.giraventura.com.br, e veja todo o relato dessa viagem com fotos, vídeos e muito mais.
  2. A Via Flaminia foi construída 220 AC pelos Gaius Flaminius, como um elo de ligação entre Roma e Ariminum (hoje Rimini). A estrada cruzava os Apeninos numa estreita passagem entre as montanhas Pietralata (889 m) e Paganuccio (976 m), à esquerda do Rio Candigliano por uma via pré romana. No período Augustan (27 AC - 14 DC) iniciou-se uma restauração desse caminho com uma série de subestruturas de rochas que foram adicionadas e a via passou a ter túneis. Essas subestruturas são visíveis hoje em dia e estão inseridas na estrada principal com rochas de até 20 m de altura. Percorri a Via Flamin
  3. DIA 1 ►Distância percorrida: 86 km Altimetria: 1.108 m Hoje acordei muito cedo, 3hs, e a noite anterior já não tinha dormido muito bem. Chegamos na igreja matriz de Mogi das Cruzes por volta das 5:30 hs, estávamos em 15 ciclistas, fizemos a reza e partimos rumo a Paraibuna, cidade a qual seria nossa primeira estada nessa jornada até a padroeira mãe Aparecida. Na primeiro carimbo do passaporte, na Estação Estudantes, ainda estava muito frio e escuro, em torno de 10 graus. De lá partimos rumo a Guararema. Praticamente um trecho urbano no meio do escuro e do nevoeiro.... (Con
  4. (Passa Quatro – Itamonte – Alagoa – Aiuruoca – Baependi – Caxambu – São Lourenço) Estava ensaiando para fazer o Circuito dos Anjos há meses. Como sempre, colho todas as informações possíveis e uma delas era unânime, a elevação acumulada durante todo o trajeto. Entretanto, quando iniciei o circuito em agosto de 2016, outros obstáculos surgem como toda a cicloviagem, e uma que me deparei durante boa parte do trajeto foi o terreno. Para você que curte pedalar na terra, aqui você encontrará de tudo – poeira, pedras soltas, lajotas sextavadas, calçamento pé de moleque e asfalto. Acostumado a cicl
  5. ►RELATO DO TRECHO: Timbó - Pomerode - Dia 1 Depois de um bom café da manhã e já com a bike montada, iniciei o primeiro trecho. Saí do restaurante Tapioka, o marco zero do circuito em direção a Pomerode. Nos primeiros quilômetros, o chão é de paralelepípedos e asfalto, depois, terra batida. A viagem é tranquila, passei por Rio dos Cedros para depois chegar em Pomerode. Temos um pequeno aclive no final, mas em geral a ascensão não é muito grande. As paisagens são bonitas, passamos por muitas construções do estilo enxaimel, uma técnica de construção que consiste em paredes montadas com hastes
×
×
  • Criar Novo...