Ir para conteúdo

filosofiadeviajante

Membros
  • Total de itens

    110
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que filosofiadeviajante postou

  1. Dito como um dos legados da Copa do Mundo de 2014, o Estádio Mané Garrincha divide opiniões em relação ao seu uso hoje, 3 anos após o evento futebolístico. Ele abriga 5 secretarias do DF e recebe, na maioria das vezes, shows nacionais. Conheça um pouco mais da história dele e saiba como é visitá-lo! A Homenagem O nome do estádio remonta ao saudoso jogador de futebol Manuel Francisco dos Santos, mais conhecido como Garrincha. Conhecido por suas pernas tortas e pela habilidade de driblar, popularizou-se no Botafogo e foi destaque da Seleção Brasileira nas Copas de 58 e 62. O destino, infelizmente, não foi recompensador para o “Anjo das Pernas Tortas”, que morreu aos 49 anos em decorrência do alcoolismo. Leia mais em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/11/05/mane-garrincha-uma-visita-guiada-ao-polemico-estadio-da-copa-mundo/
  2. Dito como um dos legados da Copa do Mundo de 2014, o Estádio Mané Garrincha divide opiniões em relação ao seu uso hoje, 3 anos após o evento futebolístico. Ele abriga 5 secretarias do DF e recebe, na maioria das vezes, shows nacionais. Conheça um pouco mais da história dele e saiba como é visitá-lo! A Homenagem O nome do estádio remonta ao saudoso jogador de futebol Manuel Francisco dos Santos, mais conhecido como Garrincha. Conhecido por suas pernas tortas e pela habilidade de driblar, popularizou-se no Botafogo e foi destaque da Seleção Brasileira nas Copas de 58 e 62. O destino, infelizmente, não foi recompensador para o “Anjo das Pernas Tortas”, que morreu aos 49 anos em decorrência do alcoolismo. Continue lendo em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/11/05/mane-garrincha-uma-visita-guiada-ao-polemico-estadio-da-copa-mundo/
  3. Brasília era um sonho antigo. E quando digo sonho, não é apenas no sentido figurado. Conta-se que, na noite anterior à festa de Santa Rosa de Lima (30 de agosto) do ano de 1883, Dom Bosco, fundador da Congregação Salesiana nascido na Itália, teve um sonho, do qual destaco um trecho: “Entre o grau 15 e 20, havia uma enseada bastante extensa, que partia de ponto onde se formava um lago. Disse então uma voz repetidamente: – quando se vierem cavar as minas escondidas em meio a estes montes, aparecerá aqui a terra prometida, que jorra leite e mel. Será uma riqueza inconcebível.” Esta passagem não foi inventada. O próprio Dom Bosco a relatou em uma Assembleia da Congregação Salesiana, em 1883. Anos mais tarde, ela foi publicada em suas “Memorie Biografiche”. Continue lendo em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/11/04/brasilia-a-historia-da-terra-prometida/
  4. Porto Alegre é uma cidade com muitos cafés bacanas para se visitar. Eu e o Henrique adoramos sentar no meio da tarde, descansar as pernas e tomar um bom cafezinho com um bolo bem molhadinho. Em POA, todos os dias pegávamos o Google Maps e zanzávamos atrás de boas cafeterias. Ficamos hospedados no Centro Histórico da Cidade durante nossa passagem de 4 dias pela cidade. Logo no primeiro dia já descobrimos uma preciosidade pertinho do nosso AirBnB, o Café do Duque. Almoçamos dois dias lá, culpa de um sanduíche delicioso de Caprese (mozzarella di bufala, tomate, azeite de oliva e espinafre por apenas R$20,00, sendo que dava para nós dois de tão grande que era). Depois do almoço também tomamos um espresso muito gostoso (R$5,00) e comemos um brigadeiro (R$3,00). Além disso, o café oferecia bolos e docinhos fresquinhos. Acabamos experimentando apenas o sanduíche de cookies com Nutella e sorvete, de dar água na boca! Continue lendo em:http://wp.me/p8A1rR-eu Facebook: www.facebook.com/filosofiadeviajante Instagram: @blogfilosofiadeviajante
  5. O Peru se tornou, nos últimos anos, um destino muito popular, sobretudo entre os brasileiros, os estadunidenses e os europeus. Estivemos por lá em Julho/2017 e pudemos presenciar essa invasão no “país dos Incas”. Pois é… Apesar dessa denominação, o Peru vai muito além disso. Lima é uma cidade rica em opções de culinária e lazer, e passear pelo seu Malecón em dia de sol ou pelo centro da cidade são ótimas pedidas. Puno é a cidade-base para passeios ao lado peruano do Lago Titicaca, o lago navegável mais alto do mundo e onde se especula que tenha nascido o Império Inca. Arequipa é uma cidade à la française, com um arzinho europeu e uma oferta espetacular de restaurantes deliciosos a preços justos. Nazca é uma boa passagem em direção ao litoral peruano, principalmente pelas famosas Linhas de Nazca. Ica é modesta, mas abriga um oásis um tanto quanto interessante, além de ser a principal região vinícola do Peru. Paracas é um ótimo ponto para se visitar as Islas Ballestas (também chamadas de “Galápagos do Peru”) e a Reserva Nacional de Paracas. Continue lendo esse post em: http://wp.me/p8A1rR-cY Facebook: facebook.com.br/filosofiadeviajante Instagram: @blogfilosofiadeviajante
  6. Dia 1- Centro Histórico Comece o seu dia pela Plaza de Armas ou Plaza Mayor, a mais conhecida e turística por ter sido o local onde Francisco Pizarro fundou a cidade de Lima, em 1535. Nela também ocorreram outros eventos históricos importantes, como a primeira tourada, a execução de condenados pela Inquisição espanhola e a declaração de independência do Peru em 1821. Nela visite a Catedral de Lima, cujos horários de visitação vão de segunda a sexta, das 9h às 17h e nos sábados das 10h às 13h. Essa Igreja é importante porque abriga o corpo de Pizarro, conquistador espanhol que deixou marcas importantes na história dos peruanos. A visita a essa Catedral te dá direito de visitar um museu com várias relíquias dos tempos coloniais. Com 30 soles você pode conhecer não só a Catedral, mas também o Palácio Episcopal, que é uma construção de uma riquíssima arquitetura e que também possui um museu. Continue lendo esse post em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/10/25/roteiro-de-2-dias-em-lima/
  7. BRASIL 10 coisas que você não deve deixar de fazer em Porto Alegre Por Filosofiadeviajante em quarta-feira, outubro 18, 2017 1 – Parque Farroupilha, mais conhecido como Parque da Redenção É definitivamente o parque mais popular entre os porto-alegrenses, sobretudo no domingo, quando acontece o Brique da Redenção (desde 1978), uma feira com música, artesanato, antiguidades e comida. Situado no bairro Cidade Baixa, próximo ao Campus da UFRGS e à Santa Casa de Porto Alegre, o parque possui uma área de 37ha (cerca de 37 campos de futebol). O nome Redenção, pelo qual é mais conhecido, deve-se a uma homenagem à libertação dos escravos, que em Porto Alegre aconteceu em 1884 (4 anos antes da Abolição da Escravatura assinada pela Princesa Isabel). No entanto, logo depois, em 1935, devido à eclosão da Revolução Farroupilha, o parque passou a receber o nome de Parque Farroupilha. Portanto, se estiver em POA no domingo, não deixe de dar uma passada no Brique da Redenção! Se quiser ser ainda mais fiel à tradição gaúcha, sente-se em um dos bancos e tome um chimarrão, enquanto vê o movimento. Parque da Redenção em dia de Brique 2 – Praça Marechal Deodoro (Praça da Matriz) É o centro cívico, cultural e religioso dos gaúchos. Data de meados de 1770, quando a pequena vila de Porto de São Francisco dos Casais foi elevada à categoria de paróquia, sendo batizada de Porto Alegre. Havia poucas construções no local, com destaque para a obra da Igreja Matriz, que iniciou em 1772 e terminou em 1794. Além disso, em 1789/90 foram edificad0s o Palácio da Presidência(Palácio de Barro) e, ao lado, a Casa da Provedoria da Real Fazenda (mais tarde Assembleia Legislativa e Capela do Divino). De resto, a paisagem era composta por poucas casas e plantações de trigo. A virada cultural, no entanto, deu-se com a inauguração do Theatro São Pedro, em 1858, palco de espetáculos até hoje. A praça, que já tinha sido chamada de Alto da Praia e Praça da Matriz, recebeu um outro nome em 1865: Praça de Dom Pedro II, em homenagem à visita do monarca à cidade. Em 1889, com a Proclamação da República, passou a se chamar Praça Marechal Deodoro, nome que permanece até hoje Ao centro da praça está o Monumento Júlio de Castilhos, ex-presidente do Estado do Rio Grande do Sul. Em volta, encontram-se a Catedral Metropolitana de Porto Alegre (concluída em 1986, após demolição da antiga Igreja da Matriz em 1921), o Palácio Piratini (sede do Poder Executivo do RS), a Assembleia Legislativa do RS, o Theatro São Pedro, o Palácio da Justiça, alguns prédios residenciais e comerciais e casarões antigos. Próximo à praça, encontram-se também o Museu Júlio de Castilhos, a Biblioteca Pública do Estado do RS e o Viaduto Otávio Rocha 3 – Praça da Alfândega Data do fim do século XVIII, quando havia um porto fluvial na área onde hoje está a praça. Era, além disso, um tradicional local de comércio. Em 1912, devido à política de saneamento e aprimoramento do porto, demoliu-se o Prédio da Alfândega e construiu-se um aterro 100m adentro do Rio Guaíba, conferindo à praça a conformação atual. Em 1883 foi batizada de Praça Senador Florêncio, no entanto em 1979 a Câmara Municipal resolveu unificar as praças Senador Florêncio e Barão do Rio Branco, dando o nome, novamente, de Praça da Alfândega. A praça é palco de um dos maiores eventos culturais do RS, a Feira do Livro, que acontece desde 1955, na segunda quinzena de outubro. Além disso, sedia construções importantes para a cultura gaúcha e que valem a visitação: o Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli (MARGS), o Santander Cultural e o Memorial do Rio Grande do Sul. Os quase gêmeos: o MARGS à esquerda e o Memorial do Rio Grande do Sul à direita Leia mais em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/10/18/10-coisas-que-voce-nao-deve-deixar-de-fazer-em-porto-alegre/
  8. Antes de sair visitando todas as atrações de Berlim planeje quais delas você pretende visitar na cidade e verifique se valerá a pena o Berlim Museum Pass. Eu e o Henrique compramos o cartão e valeu muito a pena pela quantidade de atrações que iríamos. Pagamos €12 porque somos estudantes (o preço para adultos é €24) e economizamos cerca de €40. Não se esqueça de pedir pelo cartão quando estiver na bilheteria das atrações, porque eles não costumam oferecer essa vantagem de cara. Continue lendo em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/05/23/roteiro-de-3-dias-em-berlim/
  9. Chegamos em Paris sem saber de nada. Era dia 12/02/17. Vínhamos de Londres e iríamos ficar 10 dias na Cidade Luz. Encontramos nosso anfitrião e nos instalamos num apartamentozinho (inho mesmo) da Rue Xavier Privas, uma lateral da agitada Rue de la Huchette (repleta de “restaurantes” pega-turista). Era início da tarde, e já estávamos nos aprontando pra sair e bater perna pela cidade. Mas espera aí… Não tínhamos ouvido falar, ainda em Londres, sobre um jogo da Champions que ocorreria em Paris? E não era contra o Barça? Pelas oitavas de final? Pesquisamos e… Sim, sim, sim! Não pensamos duas vezes: a gente tinha que ir nesse jogo, custe o que custar (literalmente $$$)! Continue lendo em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/06/03/como-assistir-um-jogo-da-champions-league/
  10. Apesar de morar em Florianópolis e gostar muito de viajar, poucas vezes tinha ido para a região do Vale Europeu e em nenhuma delas com o intuito de conhecer as atrações turísticas. É engraçado pensar que muitas vezes viajamos tão longe, mas nem sequer conhecemos as nossas cidades vizinhas. Aproveitei, então, o feriado de Corpus Christi para visitar várias cidades de colonização alemã, entre elas Blumenau. E me surpreendi com a organização da cidade. Logo que cheguei me deparei com vários folhetos que indicam os locais do “centro histórico da cidade”. Tudo muito bem explicado e ilustrado. Passamos um dia inteiro na cidade e visitamos diversos museus, igrejas e construções. As influências alemãs estão presentes tanto na arquitetura das construções quanto na cultura do povo da cidade. Nesse post apresentaremos algumas das atrações que recomendamos a quem quiser conhecer um pouco desse cantinho europeu em Santa Catarina. Continue lendo mais em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/06/23/roteiro-de-1-dia-em-blumenau/
  11. Quando fui a Paris com a minha família, em 2015, nos hospedamos no Quartier Latin (ótimo por sinal). Ali pertinho, no bairro Saint-Germain (6º distrito de Paris), sem querer, descobrimos uma chocolataria que nos marcaria: Dimanche à Paris. Foi ali que experimentei o melhor chocolate quente de Paris (e, quiçá, da minha vida – até então). A experiência foi tão marcante que, em 2017, quando eu e a Isa fizemos uma longa viagem pela Europa, fiz questão de levá-la no Un Dimanche à Paris. O chocolate quente não tinha mudado em nada. Infelizmente, o primeiro dia que fomos lá coincidiu com o dia dos namorados, e estava todo mundo em função da preparação do jantar (eles também tem um restaurante)... Continue lendo em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/05/17/o-melhor-chocolate-quente-de-paris/
  12. Nos 7 dias de viagem e mais de 1500km rodados muitas vezes era necessário se beliscar para acreditar em tamanha beleza. De todos os lugares visitados vou deixar um top 15 do que fazer e visitar por lá! Mas adianto que é difícil selecionar só 15 e que facilmente rola um top 100! 15 - Reservar ao menos um dia para explorar a capital Reyjavik ~ Pausa para um adendo de história e folclore: A Islândia foi inicialmente colonizada na Era Viking que começou por volta de 800 dC por povos nórdicos, entre noruegueses, vikings, celtas. Antes desse período de colonização havia relatos dessa ilha como o local onde o sol brilhava por toda a noite no verão. A história da Islândia é cercada por lendas folclóricas de povos escondidos como elfos, duendes, gnomos, trolls e outros seres sobrenaturais. J Quando os primeiros navios vikings chegaram na Islândia, cabeças de dragões foram removidas das proas para não incomodar os espíritos guardiões da terra. Esses espíritos são os ancestrais do povo escondido, que sempre foram fortemente identificados com as características da paisagem. O povo escondido foi sempre mencionado nas sagas escritas durante os primeiros séculos da colonização. Em grande parte, se tornaram um fenômeno folclórico paralelo à fé cristã, até mesmo algumas vezes sendo incorporados nos ritos cristãos.~ Na capital você pode visitar a linha Igreja Hallgrimskirche (aperta o start no trava língua) com a sua arquitetura única lembrando as paisagens do país. A algumas quadras da igreja encontramos a linda Opera Harpa. Se tiver tempo recomendo o Musel Nacional da Islândia. Além disso você não pode sair da capital sem fazer o check-in em um dos pontos mais badalados da capital, mas esse é assunto pro próximo Top 10. Na capital dá pra visitar uma praia geotermica chamada de Nauthólsvik. Possui uma faixa de areia onde a água gelada do mar se funde com a água geotermal. No inverno a temperatura chega a -1,9 graus e no verão 17 graus. Em frente essa praia há uma piscina com água aquecida e facilidades como banheiros, chuveiros (tudo com estrutura ótimo) e sem nenhum custo! O local recebe 530.000 visitantes por ano 14 – Comer o melhor cachorro quente do mundo!! Quando escutei sobre esse cachorro quente pensei que era mais um daqueles marketings pega turista, mas posso afirmar com toda certeza das minhas papilas gustativas que é o melhor cachorro quente desse mundão! A barraquinha de hot dog fica na capital Reyjavik: ryggvagata 1, 101. O nome do local é Bæjarins Beztu hot dogs, caso você se perca pode perguntar pelo melhor cachorro quente e certamente qualquer morador saberá te guiar. O cachorro quente custa 400ISK e o grande desafio é comer um só! 13 – Conhecer os lindos cavalos islandeses únicos nesse mundão Ao andar pelas estradas da Islândia você não vai conseguir não parar para apreciar de perto esses animais maravilhosos. A raça de cavalos que há na Islândia é única, os cavalos são pequenos e vieram com os primeiros colonizadores há 1100 anos. Escavações arqueológicas constatam que eles descendem de uma antiga linhagem de cavalos que hoje existe apenas na ilha! Um adendo: cuidado ao se aproximar das cercas onde há os cavalos pela estrada! Eu, hipnotizada pelos cavalos sai correndo bem feliz e fui me escorar na cerca pra fazer carinho neles e levei um baita choque! (não, não havia sinais de placa falando de cerca elétrica) 12 – Conhecer os belos canyons da ilha Um dos grandes atrativos da ilha são as suas formações rochosas e canyons. Deles se destaca o Fjaðrárgljúfur. Ele tem aproximadamente 100 metros de profundida e 2km de extensão. Pesquisadores acreditam que a formação dele ocorreu na Era Glacial há aproximadamente nove mil anos!! É possível caminhar pelas margens do canyon apreciando a linda vista! Não há taxa de entrada para visita 11 – Visitar os destroços do avião DC-3 Localizado no sul da Islândia entre a cidade de Vik e a cachoeira Skógafoss há o caminho que leva ao local da queda do avião DC-3. O avião americano teve um pouso forçado por condições climáticas na praia Sólheimasandur em novembro de 1973. Com sorte todos os tripulantes sobreviveram e a fuselagem do avião hoje contrastando com a praia de areia negra serve como cenário de filme, ótimo para fotos! Na época que visitamos havia um vento fora do normal no local o que impossibilitou que caminhássemos até lá, mas fica o registro da Mel que capturou esse local lindo cheio de história! Não há taxa de entrada para visita! 10 – Visitar uma das incríveis praias de areia negra da Islândia Continue lendo em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/05/15/15-lugares-imperdiveis-na-islandia/ Gentilmente escrito por nossa amiga Caroline Marques Vieira Site: http://www.filosofiadeviajante.com.br Facebook: http://www.facebook.com/filosofiadeviajante Instagram: @blogfilosofiadeviajante
  13. No meio do caminho entre a Europa e a América do Norte repousando sobre uma divisão de placas tectônicas se encontra a terra do gelo e do fogo, um dos territórios mais novos do nosso planeta. A Islândia, porém abriga muito mais que gelo e fogo, mas também vulcões, infinitas cachoeiras, geysers, águas termais, praias de areia negra, aurora boreal, sol da meia noite, paisagens que a cada quilometro te fazem sentir como se fosse transportada para um planeta diferente. E não é só de paisagens naturais que ela vive! A cultura islandesa é rica e sua população é referência em educação. Na Islândia ao menos 10% da população já escreveu ou pretende escrever um livro, eles possuem o parlamento mais antigo do mundo e a honestidade reina por lá! No primeiro semestre de 2016 o primeiro ministro foi citado em um esquema de corrupção e a população imediatamente foi as ruas. No dia seguinte ele renunciou ao cargo simplesmente porque a moral e ética do povo islandês não tolera que seus políticos tenham sequer o nome ligado a qualquer tipo de esquema e corrupção! Acho que o Brasil precisa de um intercâmbio pra ter umas aulas por lá, mas isso já é outra história! Continuar lendo em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/05/14/619/ * A parte 2 do post sai amanhã no blog (www.filosofiadeviajante.com.br e www.facebook.com/filosofiadeviajante)
  14. No meio do caminho entre a Europa e a América do Norte repousando sobre uma divisão de placas tectônicas se encontra a terra do gelo e do fogo, um dos territórios mais novos do nosso planeta. A Islândia, porém abriga muito mais que gelo e fogo, mas também vulcões, infinitas cachoeiras, geysers, águas termais, praias de areia negra, aurora boreal, sol da meia noite, paisagens que a cada quilometro te fazem sentir como se fosse transportada para um planeta diferente. E não é só de paisagens naturais que ela vive! A cultura islandesa é rica e sua população é referência em educação. Na Islândia ao menos 10% da população já escreveu ou pretende escrever um livro, eles possuem o parlamento mais antigo do mundo e a honestidade reina por lá! No primeiro semestre de 2016 o primeiro ministro foi citado em um esquema de corrupção e a população imediatamente foi as ruas. No dia seguinte ele renunciou ao cargo simplesmente porque a moral e ética do povo islandês não tolera que seus políticos tenham sequer o nome ligado a qualquer tipo de esquema e corrupção! Acho que o Brasil precisa de um intercâmbio pra ter umas aulas por lá, mas isso já é outra história! Continuar lendo em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/05/14/619/ * A parte 2 do post sai amanhã no blog (www.filosofiadeviajante.com.br e www.facebook.com/filosofiadeviajante)
  15. No meio do caminho entre a Europa e a América do Norte repousando sobre uma divisão de placas tectônicas se encontra a terra do gelo e do fogo, um dos territórios mais novos do nosso planeta. A Islândia, porém abriga muito mais que gelo e fogo, mas também vulcões, infinitas cachoeiras, geysers, águas termais, praias de areia negra, aurora boreal, sol da meia noite, paisagens que a cada quilometro te fazem sentir como se fosse transportada para um planeta diferente. E não é só de paisagens naturais que ela vive! A cultura islandesa é rica e sua população é referência em educação. Na Islândia ao menos 10% da população já escreveu ou pretende escrever um livro, eles possuem o parlamento mais antigo do mundo e a honestidade reina por lá! No primeiro semestre de 2016 o primeiro ministro foi citado em um esquema de corrupção e a população imediatamente foi as ruas. No dia seguinte ele renunciou ao cargo simplesmente porque a moral e ética do povo islandês não tolera que seus políticos tenham sequer o nome ligado a qualquer tipo de esquema e corrupção! Acho que o Brasil precisa de um intercâmbio pra ter umas aulas por lá, mas isso já é outra história! Continuar lendo em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/05/14/619/ * A parte 2 do post sai amanhã no blog (www.filosofiadeviajante.com.br e www.facebook.com/filosofiadeviajante)
  16. Ficamos apenas um dia na capital da Bélgica, assumimos que foi pouco tempo. Mas algo que aproveitamos demais enquanto estávamos lá foram os chocolates. E não é difícil fazer isso não. Há muitas e muitas chocolatarias no centro turístico da cidade. Lá se leva a produção de chocolates muito a sério. Fomos, dessa maneira, verificar porque os chocolates belgas são tão famosos em todo o mundo. Visitamos as lojas mais tradicionais da cidade: GODIVA Há simplesmente 6 lojas na cidade. Escolha o lugar que mais lhe agradar. Nós fomos na “Les Galeries Royales Saint-Hubert”, uma espécie de shopping center com muitas e muitas lojas de chocolate (seria esse o sinônimo de "paraíso na terra"?). Lá todas essas lojas que lhe recomendaremos estarão concentradas em um só espaço. Na Godiva nós recomendamos que você pegue um chocolate quente e as trufas, além de chocolates que tenham um sabor que lhe agrade. Não hesite em pedir para experimentar os chocolates. Não corra o risco de sair com um chocolate que não lhe agrade! A Godiva é uma das maiores redes belgas de chocolates e das quatro lojas a que fomos, essa foi a melhor. Continue lendo em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/05/05/nossa-experiencia-com-os-chocolates-belgas/
  17. Quando ouvem falar em Floripa, a maioria das pessoas pensa em uma palavra: PRAIA! Até nós que moramos aqui às vezes pensamos isso… Afinal, uma cidade com mais de 40 praias merece ser lembrada por isso, não é mesmo? Maaaaas, não é só isso que a Ilha da Magia tem para oferecer. Aproveitamos o feriado de 1º de Maio para (re)visitar um lugar que talvez poucos conheçam, mas que agrega uma história e uma arquitetura singulares: a Fortaleza de São José da Ponta Grossa. Veja por que você deveria incluí-la na sua passagem por Florianópolis: Para continuar lendo: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/05/03/passeio-diferente-floripa-fortaleza-de-sao-jose-da-ponta-grossa/
  18. Quando ouvem falar em Floripa, a maioria das pessoas pensa em uma palavra: PRAIA! Até nós que moramos aqui às vezes pensamos isso… Afinal, uma cidade com mais de 40 praias merece ser lembrada por isso, não é mesmo? Maaaaas, não é só isso que a Ilha da Magia tem para oferecer. Aproveitamos o feriado de 1º de Maio para (re)visitar um lugar que talvez poucos conheçam, mas que agrega uma história e uma arquitetura singulares: a Fortaleza de São José da Ponta Grossa. Veja por que você deveria incluí-la na sua passagem por Florianópolis: Para continuar lendo: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/05/03/passeio-diferente-floripa-fortaleza-de-sao-jose-da-ponta-grossa/
  19. 1. Assista a um concerto na Staatsopera (Ópera Estatal de Viena) A Staatsoper foi inaugurada em 25 de Maio de 1869, com a presença do Imperador Franz Joseph e da Imperatriz Elisabeth, e bombardeada em 1945 durante a II Guerra Mundial (apenas a fachada principal, a escada principal e a entrada foram poupadas). Reaberta em 1955, com um novo auditório e mais tecnologia, a casa de espetáculos teve papel crucial na retomada da vida da Áustria recém-independente. Hoje, a Ópera Estatal de Viena é uma das óperas mais importantes do mundo e há peças quase que diariamente (muitas dessas de renome!). Não se contente em apenas fazer uma visita guiada à Staatsoper. A sensação de estar lá durante os espetáculos (que, aliás, geralmente são MUITO bons) é indescritível! A depender do espetáculo, há ingressos a partir de €7 (você fica em pé), mas há opções mais caras, de até €205. Fomos a dois espetáculos na Staatsoper, em janeiro de 2017: uma ópera, por €13 (sentados, mas visão restrita) e um ballet, por €11 (sentados, mas também com visão restrita). O ambiente é luxuoso, mas super acolhedor. Fomos com roupas pesadas de frio (hyvent, fleece) e não houve problema. As pessoas que frequentam os espetáculos costumam ser bem gentis e não discriminar os turistas. Ahh, tente comprar os ingressos com antecedência (não é difícil, eles já têm inclusive a agenda de 2018). Definitivamente vale a pena! Mais informações no site (inglês e alemão). Visite uma das bibliotecas mais bonitas do mundo: a State Hall, no interior da Biblioteca Nacional Austríaca Continue lendo em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/04/26/5-coisas-diferentes-e-imperdiveis-para-se-fazer-em-viena/ Facebook: www.facebook.com/filosofiadeviajante Instagram: @blogfilosofiadeviajante
  20. Amsterdã é uma cidade lindíssima. Seus canais, suas bicicletas, suas tulipas. Tudo encanta! Para visitá-la bem mesmo você precisará de pelo menos 4 dias inteiros. Tenha em mente que Amsterdã é cara, portanto, a escolha de onde se hospedar é ainda mais importante. Nós sempre recomendamos locais que não sejam tão agitados e turísticos. Isso porque preferimos sentir o gostinho de ser um local. E isso é verdadeiramente sentido quando ficamos em locais mais afastados do agito. Também optamos por ficar em apartamentos ou quartos que alugamos através da plataforma Airbnb em vez de nos hospedarmos em hotéis. Isso nos deixa mais próximos do dia-a-dia de quem vive lá, o que o hotel muitas vezes não proporciona. Continue lendo esse post em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/04/24/onde-se-hospedar-em-amsterda/ Facebook : www.facebook.com/filosofiadeviajante Instagram: @blogfilosofiadeviajante
  21. Para quem quer conhecer a Bavária, Munique é definitivamente o local onde se hospedar. Em um raio de 200km, há diversos lugares que merecem uma visita. Salzburg, castelos de Schwangau e Dachau. Comentamos um pouco sobre cada um deles! Salzburg Nós recomendamos que você fique na cidade pelo menos 1 dia inteiro, o suficiente para conhecê-la bem. Dentre as atrações da “cidade da Noviça Rebelde”, a principal delas é a Fortaleza de Hohensalzburg, que possui mais de 900 anos e pode ser vista de quase todos os cantos da cidade. O acesso é feito por um funicular. Há, ainda, a casa onde Mozart nasceu, que fica na Getreidegasse (charmosa rua de comércio de Salzburg). Não deixe de visitar, também, o Palácio e os Jardins Mirabell e de subir no Monte Kapuzinerberg (o visual lá, especialmente no inverno, é de filme!). O trajeto de Munique a Salzburg pode ser feito de trem, com a empresa alemã DB. Basta você comprar (na hora mesmo!) o Bayern Ticket, na Estação Central de Munique (Hauptbanhof ou Hbf, na forma abreviada). Fique atento às regras de uso do ticket, pois há restrição de horários! Continue lendo esse post em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/04/23/o-que-fazer-nos-arredores-munique/ Facebook: www.facebook.com/filosofiadeviajante Instagram: @blogfilosofiadeviajante
  22. Oi! Tudo bem? Quase fomos a Pisa quando estivemos por Firenze, mas preferimos conhecer a cidade melhor. No fim, achamos que 3 dias inteiros foi tempo demais, e que poderíamos ter ido a Pisa. Tem uma outra cidade que o pessoal geralmente vai a partir de Firenze, que se chama Lucca. Dizem valer muito a pena! Quanto ao roteiro, achei legal a escolha das cidades! Só algumas dicas: 1) Roma exige pelo menos 4/5 dias inteiros (achamos a cidade sensacional, conforme comentamos em um post no nosso blog http://filosofiadeviajante.com.br/2017/04/08/top-10-cidades-europa-central/); 2) Considere parar pela região da Bavária: Munique, Schwangau (onde tem o Castelo de Neuschwanstein) e Dachau -> falamos sobre isso neste post http://filosofiadeviajante.com.br/2017/04/23/o-que-fazer-nos-arredores-munique/); 3) Amsterdam exige uns 3 dias inteiros (locomova-se de bicicleta, isso torna sua visita à cidade muito mais legal!!!), Bruxelas apenas 1 é suficiente, Londres e Paris não tem uma quantidade certa... dá pra passar 15, 20 dias em cada uma e ainda terá o que fazer! 4) Tudo pode ser feito de trem, sim (a não ser que você se incomode de viajar por 7h ou mais); 5) Veja se não há outras cidades em que você pode parar no caminho... Entre Frankfurt e Amsterdam há Colônia por exemplo. Qualquer outra dúvida, estamos à disposição! Abraços
  23. Olá Márcio, tudo bem? Então... se você tiver um dia inteiro, é possível ver muita coisa em Florença a pé! A cidade é bem pequena. O único problema é que isso pode limitar sua visita aos 2 grandes museus da cidade (Uffizi e Accademia). Quanto ao Firenze Card, na época chegamos à conclusão de que não valia a pena. Qualquer outra dúvida só chamar! Abraços!
  24. Se você tá pensando em vir pra Floripa (ou mesmo mora aqui), considere visitar dois locais geralmente pouco explorados por turistas e que ficam no Sul da Ilha: o Parque Municipal da Lagoa do Peri e Morro das Pedras. Parque Municipal da Lagoa do Peri Onde fica? Fica no sudeste da Ilha, a cerca de 24km da Ponte Colombo Salles, que liga a Ilha ao Continente. Por que visitar? Para quem gosta de se refrescar em um local rodeado de verde, a Lagoa do Peri é o lugar ideal. Ela fica dentro do Parque da Lagoa do Peri, um local que conta com diversas atividades, como: infraestrutura para visitantes (há um restaurante, banheiros, aluguel de caiaque e stand-up paddle, estacionamento, um espaço para aulas e eventos); área de reserva biológica (há algumas opções de trilha, que podem incluir visita a uma cachoeira em meio à Mata Atlântica e caminhada até o Ribeirão da Ilha); engenhos de farinha e cana dos colonizadores açorianos. Ou seja, você tem a oportunidade de passear por praias, cachoeiras, floresta e locais históricos a partir de um único lugar! Continue lendo em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/04/20/floripa-por-que-visitar-o-parque-municipal-da-lagoa-peri-e-morro-das-pedras/ Facebook: facebook.com/filosofiadeviajante Instagram: @blogfilosofiadeviajante
  25. Se você der uma passadinha na capital da Itália, uma dica que damos a você é ir a um supermercado de lá. Se você gosta de comida boa (ou seja, todo mundo), você não pode deixar de dar uma de local e fazer umas comprinhas. Assumimos que foi uma grande surpresa para nós. Tínhamos um supermercado relativamente perto de onde estávamos e, como passamos 8 dias na cidade, fomos umas quatro vezes no Coop, uma rede de supermercados italiana. Para você ter uma ideia, nesses supermercados há uma sessão de frios com uma pessoa sempre lá para te atender. Você pode pedir mozzarella di bufala ou um prosciutto di Parma e a pessoa corta na hora para você. Embala e você leva fresquinho para casa. Encontramos nessa sessão também pesto genovese fresco (uma delícia italiana sem igual), queijos dos mais variados (além da mozzarella di bufala, pecorino romano e aí vai). Na sessão de pães então… Nem se fala, pães frescos de todo o tipo, muito deliciosos. A dica é levar sempre uma coisa diferente toda vez que for ao supermercado. Experimentar de tudo! Leia o restante do post em: http://filosofiadeviajante.com.br/2017/04/17/uma-ida-ao-supermercado-em-roma/ Facebook: www.facebook.com.br/filosofiadeviajante Instagram: @blogfilosofiadeviajante
×
×
  • Criar Novo...