Ir para conteúdo

appriim

Membros
  • Total de itens

    28
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    1

appriim venceu a última vez em Março 3

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

54 Excelente

Sobre appriim

  • Data de Nascimento 15-05-1994

Outras informações

Últimos Visitantes

480 visualizações
  1. Fico feliz em ajudar, Taissa! Vamos lá.. Eu tenho 2 corta vento - um mais pesado que é da the north face e um mais levinho da columbia e 2 fleeces - das mesmas marcas. Gosto de ambas as marcas, a columbia tem um precinho mais camarada aqui no brasil. Mas também tem as roupas que você Decathlon com ótimo custo/benefício. Na minha cidade não tem, então fica um pouco mais complicado para ir até lá. As meias são próprias pra quem faz trilha, são mais altas (pra proteger do cano da bota) e de um tecido diferente pra transpirar melhor, regulam a umidade que deixam os pés mais quentinhos e secos. No começo eu estava só de legging /calça térmica ou as duas juntas, mas precisei comprar uma lá..faz muito vento em toda a patagônia, então calças normais não "seguram" esse vento e te deixam toda gelada. Então optei por comprar uma e foi excelente, passei bem menos frio e me salvou de algumas chuvas. Qualquer coisa, só chamar
  2. Eu vou terminar, prometo! 🙈 Eu optei por subir a Patagônia porque li em vários lugares que ia ficando mais lindo conforme você ia subindo. Hoje eu concordo com isso e acho que foi uma ótima escolha. Essa sensação de se impressionar durante toda a viagem é boa demais. Fiz o trecho Ushuaia - El Calafate de avião, estava mais barato. Então tive que ir até El Calafate primeiro de qualquer forma. Mas pra quem faz esse trecho de ônibus, vale mais a pena ir até Puerto Natales primeiro ou até mesmo parar em Punta Arenas também.. mas são looongas 16 horas de ônibus (acho que é isso). Tem que avaliar a quantidade de dias se tem e ver se vale a pena perder esse dia todinho de viagem e ver os custos também, claro haha
  3. Faça! É incrível ❤️ Companhia pra esse tipo de viagem é complicado, passei pelo menos problema. A pessoa tem que curtir e ser muito parceira também, se não vai gerar algum desentendimento. Faria tudo de novo. Inclusive, ainda volto para fazer o circuito "O". Se precisar de qualquer coisa, só chamar 😘
  4. Essa trilha tem um visual incrível, vale muito a pena! Já fiz 2 vezes, uma delas no nascer do sol. Pra quem não conhece muito a região, coloque Rua Rio Congonhas no GPS que não terá erro. 😉
  5. Oláá! 😛 Voltei pra contar dos meus primeiros dias em El Chaltén. Demorou um pouco, mas consegui escrever mais algumas coisas sobre a viagem. Se você for pra patagônia com o objetivo de fazer trilhas, não deixem de incluir El Chaltén no seu roteiro. ❤️ Essa cidade é fantástica, parece um vilarejo, com uma energia boa demais e trilhas pra todos os gostos. Lugar que mais me encantou e surpreendeu. Ali todo mundo quer a mesma coisa: Trilhar. Na rua se você não estiver com uma mochila nas costas, bastão de trekking, cheio de casacos e coberto de pó, vai se sentir um alienígena. 😂 31/12 – EL CHALTÉN – CERRO TORRE Primeiro dia na capital argentina do trekking. Reservei 5 dias pra conhecer essa pequena vila que tanto me falaram bem. Fui sem nada planejado, a única certeza era que iria subir o Fitz Roy em algum desses dias. Acordei no meu tempo, tomei café da manhã com calma, peguei um mapa da cidade para ver qual trilha iria fazer. Em quanto isso lá fora era chuva, vento e mais vento, até estava com medo de sair, pois a estrutura do hostel de madeira fazia barulho de tanto vento que fazia. Por fim decidi fazer o Cerro Torre, não sabia muito como era a trilha, apenas a quilometragem indicada no mapa, 18 km ao total. Confesso que estava cansada e pouco empolgada por conta do tempo, mas fui mais forte que a minha preguiça, pedi indicação pro Staff do hostel para qual direção deveria seguir e dei inicio a mais uma caminhada. Algumas quadras depois do hostel peguei uma rua que levava até o inicio da trilha. Andei mais um pouco por uma estrada de barro e dei de cara com uma subida já no começo. O vento estava cada vez mais forte, a chuva estava doendo ao bater no pouco do meu rosto que estava exposto, minha única vontade nesse momento era de correr para o hostel e me esconder embaixo das cobertas. Kkkkk Para minha alegria a subida não era extensa, logo comecei a descer e depois percorrer um caminho plano no meio das árvores. No meio da trilha encontrei os irmãos ingleses que estavam no mesmo quarto que eu e seguimos caminho juntos. O restante da trilha foi bem tranquila de fazer, não possui muitas fontes de água no começo, inicie essa trilha com a sua garrafinha cheia. A pequena El Chalten vista da primeira subida da trilha. O tempo virou milhares de vezes nesse dia, eu já nem sabia mais o que fazer com as minhas roupas. Tira e bota jaqueta, se deixava só o corta vento ficava frio, se colocava só o fleece e começava a chover, colocava os dois e ficava muito quente. Kkkkkk No dilema das roupas 😂 Pouca antes de chegar até o Cerro Torre, a esquerda está o Camping de Agostini, tem um “banheiro” caso precise usar. Seguimos a direita até encontrar o Lago Torre, e tempo estava fechado e não vi o Cerro Torre de jeito algum, quando você chega até o Lago, ainda há uma trilha de 2km que leva até um mirador para o Glaciar, como a visibilidade estava bem ruim, não avançamos. O tal do banheiro Esse é a trilha que segue para o próximo mirador Antes de descer até o Lago, procuramos um abrigo do vento entre as pedras para descansar e comer alguma coisa. A área aberta favorecia para o vento ser mais forte e às vezes até nos desequilibrar. Apesar de não conseguir ver o Cerro Torre, valeu a visita. O Lago Torre tem uma tonalidade marrom e nele havia alguns blocos de gelo bem azuis boiando, ao fundo conseguia ver um pouco do Glacial. A trilha em si também é bonita, passamos por bosques de lengas, pontes e um mirador. O bosque de lengas Laguna Torre e o Glacial ao fundo. Após contemplar a paisagem, tirar algumas fotos e curtir o lugar, iniciamos o nosso caminho de volta. Não sei dizer qual foi o tempo total da trilha, não marquei a hora que comecei e nem quando terminei, fizemos com calma, conversando bastante e várias paradas para tirar fotos. Chegamos no hostel, tomamos um banho e fomos para o restaurante que fica no próprio hostel. Como era dia 31/12 o lugar estava bem cheio, iria ter uma festinha ali. Na mesa ao lado havia um grupo de brasileiros, nos juntamos a eles, comemoramos a chegada de 2019, dançamos, bebemos e depois achamos outra festa para ir. Não esperava tudo isso para virada do ano, ainda mais em uma cidade pequena como El Chaltén, sinceramente achei que passaria dormindo. Foi divertido e uma experiência bem diferente passar o ano novo longe de casa, dos amigos, família e com pessoas que havia acabado de conhecer, mas a sintonia e energia daquele lugar tornou tudo especial e inesquecível. 01/01 – EL CHALTEN – CHORRILLO DEL SALTO Depois da virada, claro que dormi um pouquinho mais. O cansaço também estava aumentando conforme se aproximava o final da viagem. Conversei com as meninas que tinha conhecido na noite anterior e decidimos ir até o Chorrillo Del Salto. Uma caminhada mais tranquila, curtinha e sem elevação. Para ir até o Chorrillo del Salto basta seguir a rua principal até o final, você vai passar pelo inicio da trilha do Fitz Roy, é só seguir a estrada de barro e as placas indicativas, sem mistérios. Parte da caminhada é feita pela mesma estrada aonde passam os carros A caminhada até a cachoeira é de apenas 3 km. A primeira queda d’água é alta, com águas transparentes e verdinhas. Grande parte das pessoas para por ali mesmo e acaba ficando cheio. Eu sempre costumo explorar mais os lugares, então comecei a procurar se existia alguma trilha que daria acesso à parte de cima da cachoeira. A primeira cachoeira Vista de cima. Cuidado! Eu estava deitada nas pedras essa hora para olhá-la. Vista de quando começamos a subir as cachoeiras E tem! Não havia ninguém, tivemos uma visão da cachoeira de cima e depois fomos margeando o rio até encontrar um lugar para descer até as pedras e ficar ao lado do rio. Nessa parte tem outra queda d’água maravilhosa. Segunda cachoeira Achamos um lugar para comer, tomar um vinho e curtir a paz que esse lugar transmitia. Erámos só nos ali, barulho da água e muita conversa gostosa. Passamos o dia ali e voltamos quando começou a escurecer. Chegando na rua principal, procuramos um bar para jantar e beber um pouco hahah a quantidade de bares em El Chalten é proporcional à quantidade de trilhas. Adorava que todo mundo saia das trilhas, sujo, cheio de pó e ia beber alguma coisa. Lugarzinho escolhido para o nosso almoço/lanche da tarde Vista voltando da cachoeira. Parece um quadro 😍
  6. Oii! Que bom que está gostando! A Patagônia é um sonho, vais amar 😍 Achei uma foto das minhas coisas organizadas pra colocar na mochila. Ignora a parte da mala com biquíni porque depois fui pra praia 😂😂 Vou tentar listar abaixo o que levei para os 17 dias e o que usei e também o que achei desnecessário 1 Jaqueta corta vento 2 Fleeces 3 Blusas térmicas ( usei 1 dia só) 1 Calça Térmica 1 Legging 1 Calça impermeável/corta vento/térmica (usei MUITO, sempre um a legging ou térmica embaixo) 2 Calças jeans ( poderia ter levado só 1) 2 Toucas (usei bastante) 2 Cachecóis (usei 1x) 1 Bota de Trekking 3 Meias específicas 1 Vans 1 Havaianas 1 Pijama Curto 1 Toalha 4 T-Shirts e 1 blusinha mais "ajeitadinha" 😂 2 Blusas dry-fit 2 Tops Meias e calcinhas Acho que de geral foi isso, não tô lembrando de mais nada! Precisei lavar roupas 2x durante a viagem e onde dava, eu lavava as roupas intimas no banho mesmo. Usei aquele sacos a vácuo com a bombinha manual que salvaram a minha vida e economizou muito espaço na mochila. Toda a minha bagagem deu 10,4kg.
  7. Oláá ! Tô ficando sem criatividade para escrever esses relatos, mas vou terminar, prometo! 29/12 – PUERTO NATALES – TREKKING TORRES DEL PAINE Finalmente chegou o dia de conhecer as Torres del Paine. O dia amanheceu bem melhor, já fiquei feliz e muito grata pelo app Windy 🙌 Optei por fazer esse trekking por conta. Comprei a passagem de ônibus por CLP 15.000, se você optar de fazer por empresas com guia vai sair em torno de CLP 40.000. O ônibus saiu às 7h da rodoviária, peguei um taxi até lá que custou CLP 1.500. A viagem até a entrada do parque (Laguna Amarga) dura umas 2 horas e ali todo mundo desce. Como tinha comprado o ingresso no dia anterior, passei na recepção para validar o mesmo. Nesse momento você tem 2 opções: 1 – Pegar um transfer até o inicio da trilha. O custo dele é de CLP 3.000 ida e volta. 2 – Ou ir andando. Não vi nada de interessante nesse caminho, vi poucas pessoas andando, acho que só vai comer poeira mesmo hahaha O transfer te deixa no inicio da trilha, onde tem uma recepção, lanchonete e banheiros. Se você estiver de carro, tem um estacionamento nessa área. Ali você precisa preencher um formulário, inclusive contato de emergência. Você entrega para a pessoa da recepção, que te dá algumas instruções básicas sobre água, protetor solar e afins. Então é só começar a caminhada. A subida até as torres se divide em 3 partes: 1º é uma subida que não tem muita inclinação, mas ela é longa. Terreno é irregular com pedras. 2º Momento para descansar para as perninhas 3º Hora de malhar os cambitos. Não pensa muito e só sobe kkkkkkkkkkkk Comecei a caminhada às 9h40 e já consegui ver as Torres de longe. No dia anterior não tinha conseguido vê-las em nenhum momento. Só de olhar para elas já animei, não acreditava que estava ali. Alguns minutos depois já estava tirando a calça corta vento, tirei meu bastão de trekking da mochila e segui. Começou a subir e fiz mais uma parada para tirar os casacos, já vestia só legging e regata 😂🤷‍♀️ Primeira vez que consegui ver as Torres Havia muitas pessoas iniciando a trilha de manhã, pessoas de todas as idades, famílias, grupos, etc. Como estava sozinha, subi no meu ritmo. Fui devagar, mas constante. Neste primeiro trecho só fiz paradas rápidas para tomar água, tirar algumas fotos e olhar ao redor. Dentro do Parque, tudo é carregado por cavalos, encontrei vários pelo caminho. Inclusive, se você se machucar, vai ser levado por um. Tome bastante cuidado por onde pisa para não virar o pé e correr o risco de estragar a sua viagem. Subi, subi, subi, até chegar ao vale dos ventos, parte em que a subida dá uma trégua. E UAU! Que lugar era aquele? Umas das paisagens mais bonitas da viagem. Apesar do nome, nesse dia não tinha vento nenhum kkk dizem que quando há muito vento, é preciso esperar para atravessar aquele pedaço. Você percorre uma trilha cheia de curvas, algumas descidas na beira de um abismo. Fiquei alguns instantes admirando aquele lugar maravilhoso e continuei. Toda essa parte da trilha é aberta, sol bate direto em você o tempo inteiro, então passe protetor solar, porque o sol da patagônia queima sim HAHAHA mais tarde conto pra vocês. Início da trilha com subida e o terreno irregular Minha primeira parada foi no camping chileno, aproveitei pra ir ao banheiro (é pago, acho que algo em torno de CLP 500/1000). Depois procurei uma mesa para sentar, pedi licença para uma moça, perguntei se podia me sentar ali e ela disse que sim. Conversamos um pouquinho, quando chegou o marido dela, falando no maior carioquês, eu ri e perguntei se ela era brasileira. Sempre digo que brasileiro é que nem imã. Peguei água no rio que passa na frente do camping e coloquei meu pré-treino. Eu não gosto muito de comer sólido durante a subida, mas sabia que precisaria de energia para o ultimo trecho. Me despedi de Sara e Junior e segui meu caminho. Nesse momento você volta a subir, mas no meio de uma floresta, o cenário muda completamente. Boa parte deste trajeto tem um pequeno rio que te acompanha com água fresquinha e gelada. Que saudade de beber aquela água pura. Quando você sai da floresta, dá de cara com o enorme paredão cheio de pedras que está prestes a subir. Ali têm algumas placas informativas sobre o lugar e também plaquinhas indicando os banheiros naturais e quanto tempo você deve caminhar até chegar neles. Nesse momento só dá pra ver as pontinhas das torres. É só pedra, pedra, morro e mais morro. Kkkkkk então você respira fundo, busca coragem e vai na fé. Um passo de cada vez e bora lá. Esse último trecho é com muitas pedras soltas e areia, atenção redobrada para não se machucar. O paredão é tão alto, que só dá pra ver uma pontinha das torres Fonte de aguá fresca e geladinha durante a subida E apesar de todas as dificuldades é um trecho gostoso de fazer. Nessa hora todo mundo é amigo, incentiva, ajuda, dá a mão para auxiliar o próximo. Todos ali têm o mesmo objetivo. Quando eu achava que estava quase chegando, comecei a descer, depois subi novamente e ai, finalmente cheguei e PÁ! Depois de 3h20min subindo, dei de cara com aquelas três torres imensas, a laguna com um tom que nunca vi igual. Lembrei dos documentários que já tinha visto, das fotos do Instagran, de revistas. E eu estava bem ali, encarando esse cenário que parecia de mentira, abestada com o que estava vendo. Eu olhava o tamanho das pessoas para conseguir assimilar a imensidão desse lugar. É inacreditável! 😍 Fazia muito vento lá em cima. Já tinha colocado todas as minhas camadas de roupa e sentado para apreciar a vista, quando vi a Sarah e o Junior chegarem. Me juntei a eles, conversamos e comemos. Junior é da Marinha, estava de férias do trabalho na Base brasileira na Antártida. Achei o máximo! Fiz milhões de perguntas, ele me mostrou fotos, contou como é o caminho até lá e várias coisas. Fazendo macaquice Meu fiel companheiro durante a viagem ❤️ Depois de 1h30 lá na base, decidi descer na companhia da Sara e do Junior. Paramos novamente no camping chileno para descansar os pés e seguimos caminho. Descemos com bastante calma e conversando, levei mais tempo pra fazer o caminho inverso kkkkk Desci com muito cuidado. É bem fácil escorregar ou pisar em falso e acabar machucando o pé ou o joelho. Terminamos a trilha umas 17h30, fomos até a lanchonete e eu só queria tomar um chope para comemorar aquele dia. E assim paguei o caneco de chope mais caro da minha vida, CLP 5.000 (uns R$ 30,00). A Sara pegou um café expresso por CLP 2.500. Sentiram o drama dos preços dentro do parque né? 💸💰 Sara e Junior me ofereceram uma carona até Puerto Natales, já que meu ônibus sairia só 19h ou 20h. Eu estava morta e aquele chope só ajudou a dar uma amolecida, mas vim conversando o caminho todo com os dois. Foi 1h30 de muita conversa boa e leve. Cheguei mais cedo no hostel, ainda era dia. Arrumei minha mala já que no outro dia iria embora de manhã. Depois fui pra área comum fazer algo para comer. A Gabi que já estava hospedada no hostel me fez companhia e ficamos conversando. Mais tarde algumas pessoas fizeram check-in, outros chegaram de passeios e foram se juntando com nós. Ali juntou um monte de brasileiro que até hoje não sei da onde veio. Acho que deveria ter uns 8, a maioria estava viajando sozinho. Ficamos trocando experiencias, bebendo e rindo até tarde. Foi uma das melhores noites da viagem. Trocamos contatos, mais tarde alguns também iriam para El Chaltén. Sobre escolher o passeio guiado ou fazer por conta, vou falar de dois pontos que acho importante analisar para você tomar essa escolha: - Se o seu medo é se perder, pode ficar tranquilo! Tudo é muito bem sinalizado, não tive duvidas em nenhum momento. Como fui na alta temporada o fluxo de pessoas lá era maior. - Tempo total para realizar o trekking: o ônibus não espera ninguém, se você não costuma fazer esse tipo de caminhada e tem medo de demorar muito, é interessante pensar na possibilidade de fazer com guia, pois ele espera até a última pessoa terminar. Conversei com algumas pessoas que fizeram em grupo e parece que vão 2 guias, você fica “solto” para fazer no seu ritmo, mas fica um guia no começo e um no final. Hospedagem em Puerto Nateles: We Are Patagonia. Melhor cama da viagem, acho que era até melhor que a minha. O Hostel é menorzinho, tem 4 banheiros “privados” com secador. Café da manhã gostoso, com frutas, geleias, pães e cereis. Quando você chega para tomar café da manhã, eles perguntam se você quer ovo e eles trazem bem quentinhos pra você. Os Staff’s são gente boas demais. 30/12 – PUERTO NATALES – EL CALAFATE – EL CHALTÉN (ÔNIBUS) Chegou o dia de voltar para El Calafate e depois ir para a última cidade da viagem: El Chaltén. Acordei cedinho e fui para a rodoviária. Dentro do ônibus tinha um funcionário que não falava nada, nem espanhol, muito menos inglês. Só sabia apontar, ninguém entendia nada e ficávamos nos olhando, tentando descobrir o que ele estava tentando dizer. Ele estava pedindo aquele bilhete que falei para guardar no relato anterior. Não lembrava desse papel e por sorte ele estava na minha pastinha de documentos. Ufa, alívio! A fila da imigração chilena estava grande e ficamos ali por um bom tempo. Cachorros ficam soltos ali dentro só farejando a gente. Próxima parada foi para registrar a entrada na argentina, essa parte não ocupou muito tempo. Seguimos caminho até El Calafate. No caminho paramos em um posto de gasolina, comprei algo para beliscar, o pagamento era somente em pesos argentinos ou dólares, não aceitam cartão. Cheguei em El Calafate era inicio da tarde, meu ônibus para El Chaltén sairia apenas às 18h. Então fui até o Folk Hostel e pedi se poderia deixar as minhas coisas ali e matar um tempo no centro. Deixei a minha cargueira em um quartinho e fui almoçar. Comprei alguns imãs de geladeira, fui no mercado comprar comida, pois havia lido que a oferta em El Chaltén era menor e os preços um pouco mais altos. Foi uma boa escolha. Voltei pro hostel, peguei minhas coisas e fui até a rodoviária. A ida até El Chaltén foi um pouco conturbada. Ventava demais, acordei algumas vezes durante o caminho achando que o ônibus iria virar (JURO). Depois o pneu resolveu furar (SIM!!) em uma reta e óbvio que no meio DO NADA 😂 Todo mundo precisou descer do ônibus, quase peguei voo de tanto vento e podia ver a chuva nos morros distantes, pelo menos ainda estava dia. Finalmente cheguei em El Chaltén! Estava chovendo, ventando e escuro. O terminal estava uma confusão. Só queria pegar um táxi e ir para o hostel. Pedi informação e a moça falou que eu precisaria esperar o táxi na parte de fora. Fui até lá e estava lotado de gente, sem nenhuma organização. Até que eu ouvi duas meninas falando que iriam para o mesmo hostel que eu. Elas não tinham reserva e iam tentar a sorte. Perguntei se poderia dividir o valor do táxi e ir com elas, não foram das mais simpáticas, mas aceitaram. Fiz meu check-in, comi algo, tomei um banho e desmaiei.
  8. HAHAHAHAAHAH eu tive uma cena parecida, na mesma trilha. Estava descendo conversando com um amigo que fiz durante a viagem, a gente tava no maior papo sério sobre pumas, quando de repente ele pega na minha mão assustado (quase me puxando para o chão), achando que tinha visto um urso (?), eu achei que era um puma e que ia ser devorada ali mesmo. Depois olhamos e era só uma vaca selvagem. Resumindo: quase caímos no chão e ninguém mais conseguia parar de rir 😂😂
  9. Não duvido 😂 Cheguei dia 30/12 em El Chaltén. Deixei ela por último porque sabia que seria trilha e mais trilha. Logocomeço a escrever meu relato de El Chaltén. Coração vai apertar.
×
×
  • Criar Novo...