Ir para conteúdo

edu_edu

Membros
  • Total de itens

    1
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

5 Neutra
  1. Olá! Meu nome é Eduardo e esta é minha primeira postagem nesse fórum. Vou relatar a vocês minha experiência de bate-voltas pelo interior de São Paulo, através das linhas suburbanas da ARTESP. Desculpe pela pequena quantidade de fotos, pois minha câmera é bem beeeem ruim, e não colabora quando preciso rsrs O que são as linhas suburbanas? Para quem não conhece, as linhas suburbanas da ARTESP são linhas de ônibus intermunicipais que interligam regiões que não fazem parte de região metropolitana ou conectam uma região metropolitana a outra. Posso citar exemplos como a linha Itapevi x São Roque, conectando a região metropolitana de São Paulo com a região metropolitana de Sorocaba ou então na região de Jundiaí. Como esta não faz parte de uma região metropolitana, as linhas intermunicipais são gerenciadas pela ARTESP. E assim por diante. Como é impossível encontrar informações de quantas linhas suburbanas existem [não é tão prático assim como na EMTU por exemplo], tive, através da lei de acesso a informação, solicitar ao orgão quantas dessas linhas existem e seus itinerários. Não consegui todos os itinerários, mas com uma base na mão, parti para ver se era isso mesmo. Primeiro bate-volta - São Paulo até Bragança Paulista (Total gasto: R$45) Eu estava querendo muito viajar, porém, estava desempregado e sem grana. Pensei em algumas formas para driblar isso, desde conversando com amigos, pensando em carona (não tive essa coragem até agora) e vendo passagens pela internet. Como o preço das passagens dos ônibus rodoviários estão bem caras, fiquei pensando se tinha alguma outra forma de viajar. Então soube dessas linhas suburbanas e vi que poderia fazer umas viagens ao interior sem gastar 20, 30 reais numa única passagem de um ônibus rodoviário. Numa manhã de sábado, aproximadamente as 6 horas, juntei minhas economias, peguei minha mochila com uns lanches e a garrafa de água e então fui até o Metrô Parada Inglesa, gastando R$4,30 no Metrô (pois moro no extremo da Zona Leste). Próximo daquela estação, sai uma linha intermunicipal até Mairiporã, custando R$6,45, ainda usando o cartão BOM. Para minha sorte, ele já estava encostado no ponto final. Depois da bela paisagem da Serra da Cantareira pela Fernão Dias, chego ao terminal de Mairiporã, por volta das 10 da manhã. Vejo o ônibus suburbano para Atibaia, pela Viação Atibaia, com uma singela passagem de R$4,65, mais barato que o ônibus anterior. Mesmo com uma grande fila, todos os passageiros foram sentados. A primeira imagem é já na viagem pelo suburbano, na Fernão Dias ainda em Mairiporã. Após aproximadamente 50min de viagem, chego ao centro de Atibaia, na rodoviária local. Dali é possível ver que desembocam diversas linhas intermunicipais (e rodoviárias), para destinos como: Piracaia (R$4,65) | Campo Limpo Paulista (R$4,05 - tratarei dessa mais a frente) | Nazaré Paulista (R$4,25) | Jarinu (R$4,25) | E a qual escolhi, Bragança Paulista, com a passagem custando R$4,80. P.S.: Em Mairiporã também há uma linha para Nazaré Paulista que vai pela Estrada do Rio Acima, chegando na Guarulhos-Nazaré próximo a represa atibainha. A frequência da linha até Bragança é boa, então é tranquilo ir aos fins de semana e feriados. Mais uma vez, fiquei curtindo a paisagem e também o centro de Bragança, que é um charme só, até a chegada ao terminal rodoviário, por volta da meio dia e meia. Mais uma vez, ali é ponto de conexão para outras linhas suburbanas e até uma semiurbana [intermunicipal que cruza um estado a outro], são elas: Águas de Lindoia | Tuiuti | Jundiaí | Itatiba | Amparo | Socorro | Pinhalzinho | Extrema (MG). Há também uma linha para Vargem, porém sai num outro terminal urbano no centro da cidade. No entanto temos um problema, muitos desses destinos em Bragança tem horários bem limitados, chegando ao ponto de apenas um horário no dia (Amparo). As mais frequentes são para Atibaia, Extrema, Jundiaí, Itatiba e Tuiuti. Enfim, a fome bateu na rodoviária e aproveitei meus lanches. Há uma lanchonete no local com produtos vindos de Minas Gerais e um X-Salada com massa caseira que também recomendo (experimentei na minha segunda ida pra lá). Já satisfeito por ter conseguido chegar um pouco mais longe gastando apenas R$20 reais, comprei uma passagem direto para São Paulo (R$25) e dei por encerrado esse bate-volta. Segundo bate-volta - São Paulo até Indaiatuba (Total gasto: R$22,60) Essa aqui me impressionou pelo fato de que gastei menos do que indo para Bragança. Antes de partir, fui me informar mais sobre estas linhas suburbanas. Para meu espanto, há muito pouca informação sobre elas. No máximo, a região de Jundiaí é a que possui mais coisas e depois só de São Carlos pra frente até o limite do Estado de SP com Mato Grosso do Sul. Nem mesmo informação sobre itinerário (como vou saber onde o busão passa) e preço. No caso da região de Jundiaí, os aplicativos Moovit e Cittamobi ainda quebram um galho, mas não é como na capital. Iniciando mais uma vez a aventura, com a mochila "véia de guerra", e mais uma vez numa manhã de sábado, gastando R$4,30, vou até a estação Jundiaí da CPTM. No entanto, as linhas intermunicipais da região não atendem a estação ferroviária, o que peca nessa integração entre os modais de transporte. Então caminhei 40 minutos, numa subida bem chatinha até o centro de Jundiaí, próximo ao Terminal Central. Sei que há o terminal Vila Arenas próxima a estação da CPTM, porém a intenção é economizar. Na região central, há o viaduto da Avenida Jundiaí onde é ponto final para linhas suburbanas como: Franco da Rocha | Cajamar | Bragança Paulista | Jarinu | Itupeva | Cabreúva | Indaiatuba. OBS: Na rodoviária também sai linhas para Vinhedo, Louveira e Viracopos. O meu objetivo era essa linha para Indaiatuba, pois é a ligação entre duas regiões diferentes [Jundiaí e Campinas]. O preço da passagem é R$7,00. Mal imaginava eu, que, o caminho da linha, cruzando Jundiaí e depois por dentro de Itupeva, numa estrada local, passa por fazendas históricas desde os tempos do Império. Além do mais, no caminho há diversos condomínios residenciais de luxo e, para meu interesse, muitos sítios e plantações a beira da estrada e inclusive rochas metamórficas que vão até a região do Parque do Varvito em Itu. A viagem até a nova rodoviária de Indaiatuba, o ponto final desta linha suburbana, dura aproximadamente 2 horas. Da rodoviária há linhas da EMTU e da ARTESP, além das rodoviárias. Se eu tivesse com um pouco mais de grana dava para ir na linha 611 para Americana (R$8,55) ou a suburbana para Salto. Futuramente, estarei fazendo estes caminhos. Depois de conhecer a rodoviária, dei uma caminhada pelo centro de Indaiatuba e visitei também o museu local. Então retornei a rodoviária e refiz todo o caminho da ida. Terceiro bate-volta - São Paulo até Atibaia (por Campo Limpo Paulista e Jarinu) (Total gasto: R$16,70) Este bate-volta teve poucas intenções. Só foi para conhecer esta linha para Atibaia que sai da estação da CPTM de Campo Limpo Paulista. Para quem curte estrada de terra, experimente andar de ônibus rsrsrs. O caminho da linha pega, em parte, o antigo traçado da E.F. Bragantina. Depois o ônibus vai pela Estrada da Cooperativa e atende uma pequena parte de Jarinu, e então vai até a Rodoviária de Atibaia. No entanto, esta linha tem apenas 3 horários diários. Então assim que cheguei em Atibaia, retornei pelo mesmo caminho. Vale pelo baixo custo da passagem: R$4,05. Minhas costas doeram por 2 dias depois disso rsrs. Deixei um vídeo em anexo para vocês verem a aventura. SAM_5955.AVI Quarto bate-volta - São Paulo até Miracatu (Serra do Cafezal) (Total gasto: R$36,60) Infelizmente, não há uma linha suburbana que liga até a região central de Miracatu, provavelmente para não estragar os interesses da Valle Sul. Pois quando tentei fazer esse roteiro, fui de ônibus intermunicipal até Juquitiba, vindo do Tietê (R$12,05). E de lá do terminal rodoviário de Juquitiba, há uma linha suburbana operada pela Soamin até a Serra do Cafezal, especificamente até o Graal Japonês, no KM 348 da Regis Bittencourt. Esse ônibus só possui dois horários diários, um da manhã as 6 e pouco e outro as 15:20. O itinerário da linha é circular, chegando ao Graal ele segue até o próximo retorno a Juquitiba e depois volta a rodoviária. Para não perder a viagem, voltando em Juquitiba vi o encontro do Rio São Lourenço com o Rio Juquiá e visitei a biblioteca local, atrás da Igreja Matriz. Mas deixo avisado, é uma subida e tanto para chegar lá. E num mercadinho próximo a rodoviária, há um pacote com dois pães de mel a mero 1 real, recomendadíssimo. Planos futuros Há muitas rotas ainda para conhecer, como Cotia x Piedade [dali é possível ir a Tapiraí], Itapevi x São Roque [e depois ir para Sorocaba], Mogi das Cruzes x Jacareí [ou SJC], região do Vale do Ribeira, São Carlos, Araraquara até Marília/Presidente Prudente, sem contar outras que ainda não citei. Quem sabe, num futuro próximo, eu conheça boa parte do estado de São Paulo só nessas brincadeiras. Agradeço por ler até aqui.
×
×
  • Criar Novo...