Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

andresr

Membros
  • Total de itens

    9
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

8 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. @guskow Parabens pela experiência e relato. Acha que o Paso Sico é possível atravessar com carro de passeio (C3 Picasso) ?
  2. @MarisaBrugnara Boa tarde. Esse cambio paralelo tava muito diferente do oficial da casa de cambio a que se referiu?
  3. Ola Alguém já fez esse trecho entre Assuncion (Paraguai) e Salta (Argentina) pela ruta 86 ? Precisava saber se a estrada é boa, se tem posto de combutivel, etc. grato
  4. Ola Parabens pela bela trip Como esta a estrada de uyuni a Calama atravessando por Olague? Acha necessário um carro alto ou 4x4? att Andre
  5. Ola O da Argentina funcionou bem, sem problemas. Utilizamos para acessar o google maps as vezes ou pesquisar alguma coisa. O do Chile não conseguimos usar. Me parece que ficamos sem crédito na primeira recarga e depois também não procuramos mais ver isso. Nao faz muito falta e deixavamos para utilizar o wi-fi das hospedagens. abs
  6. Ola Tanan Por onde o meu carro passou e aguentou, com certeza a Kombi aguenta também. Creio que a subida para El Tattio ela também possa fazer. Havia muitos carros de passeio a caminho de lá. Apenas dei azar com o meu, mas vai depender do estado dos amortecedores também...irão sofrer um pouco. A subida até o vulcão Lascar nao da não...precisa de um carro mais alto. Sim, nao me recordo o local, mas vimos alguns campings pelo caminho. Tem também alguns postos de gasolina que oferecem chuveiro...deve poder estacionar e passar a noite por ali. Mas como não era nosso destino, não guardei a,localização deles. Boa sorte e aproveitem a trip, com certeza será inesquecível.
  7. Oi Antonio Levamos tudo em espécie e troquei um pouquinho por ARP em Puerto Iguazu, quase tudo por dolares e ARP em Corrientes, e depois trocamos dolares por CP em Calama e San Pedro. Só usei cartão no Brasil, fugindo das taxas absurdas.
  8. Olá galera mochileira, vou retribuir o aprendizado obtido aqui tentando passar um pouco do que foi essa trip e quem sabe também ajudar alguém. Fomos em 3 pessoas (eu, esposa e sobrinha) em um C3 Picasso 1.6. O carro, apesar de não ser 4x4, o que me fez falta (contarei mais adiante), se portou muito bem e tivemos pouquíssimos contratempos, fazendo uma boa média de 13,5 km/L. sempre na gasolina super ou 95. Falando em gasosa, os valores da gasolina nos postos foram na média: Brasil: entre R$ 3,90 e 4,30. Argentina: em torno de ARP 26,27 (R$ 3,67) Chile: em torno de CP 809,00 (R$ 4,30) Câmbio: Endereços: Corrientes/ARG: Av. 9 de Julio, 996 Calama/CHI: Calle Emilio Sotomayor, 2125 O dólar estava cerca de R$3,35 e o peso argentino R$0,20 em Puerto Iguazu e Ciudad del Est. Compramos apenas alguns pesos em Puerto Iguazu para almoçarmos e pagarmos os pedágios do caminho para Corrientes, onde já tinha selecionado uma agência de câmbio no centro da cidade. A decisão foi acertada, pois conseguimos melhores taxas e compramos peso argentino e dólar na seguinte cotação: Peso Argentino: ~R$ 0,14 ou ARP 7,15 por real. Dolar: R$ 3,245 ou USD 0,308 por real. O Peso chileno optamos por comprar em Calama, onde faríamos nosso primeiro pernoite. No centro de Calama, na praça da Igreja, tem uma boa casa de câmbio, com cotação superior a de San Pedro. Mas tive que trocar bastante dólar em San Pedro também, onde geralmente conseguíamos a cotação de CP 600,00 por dólar. Obs. Fizemos câmbio de reais apenas em Corrientes, trocando-os por dólares. A moeda estadunidense tem melhor aceitação e a troca de câmbio favorecia sempre. Documentos levados foram esses, sendo que apenas uma única vez nos solicitaram apenas a CRLV, nada mais. * RG * CNH * CRLV * Carta Verde * SOAPEX Agora um breve resumo: Dia 1. De Santos/SP até Foz do Iguaçu/PR Saímos por volta de 07h30 e chegamos quase 23h00 no hotel. Muitos pedágios, muito trânsito, vários acidentados no caminho, enfim, mais de 1000km em estradas brasileiras, sem novidade. Nos hospedamos sempre através do Booking.com e em Foz, ficamos no Salvatti Cataratas Hotel e pagamos R$135,00 o quarto triplo com café da manhã e garagem. Nenhuma maravilha, mas é bem localizado. Bom custo benefício. Dia 2. De Foz do Iguaçu/PR a Corrientes/ARG Saída: 09h00 Chegada: 20h00 A travessia foi bem demorada na fronteira argentina. Uma fila imensa de veículos que nos custou cerca de 1h30. Em Puerto Iguazu paramos para comprar chip de celular (Personal) para utilizarmos a internet, almoçarmos e fazermos um pouco de câmbio, o suficiente para chegarmos até corrientes. No caminho tem muitos bloqueios policiais, mas não fomos parados em nenhuma para solicitar documento, no máximo perguntavam para onde íamos e mandavam seguir adiante. Chegamos ao anoitecer em Corrientes e fomos direto para nossa hospedagem. Ficamos na Torre Costanera Norte. Recomendo fortemente. Fica em um edíficio com vista para o Rio Paraná, e é um apartamento muito agradável e confortável. Por não ser Hotel ou similar, não tem café da manhã, mas tem cozinha equipada. Pagamos 800 pesos no local. Dia 3. De Corrientes/ARG a Salta/ARG Saída: 08h00 Chegada: 20h00 Muito chão pela frente, realmente atravessar aquela reta de 500km é um chaco, com o perdão do trocadilho. Poucas cidades pelo caminho, alguns postos de gasolina, muitos insetos se espatifando na frente do veículo (uma capa é recomendável) e poucos veículos no caminho. No início do trajeto tivemos um pneu furado. E no meio do caminho, creio que no trecho esburacado após Monte Quemado, um dos pneus sofreu uma pancada e criou um galo, o que me obrigou a troca-lo mais adiante, visto que a malha de aço interna foi rompida. Foi difícil arrumar um local para almoçar, mas por volta de 14hs encontramos um local pitoresco, um pouco rústico, mas com boa comida e preço honesto. Não marquei o local, mas deve ficar próximo de Monte Quemado, logo na marginal de frente para pista e se chama Comedouro La Tranquera, vale a parada! Com muito cansaço e sono chegamos em Salta. Nos hospedamos novamente em um apartamento (Monoambiente Equipado e Calido). Com boa localização e certo conforto. Não possuía garagem, tivemos que estacionar em frente. Pagamos 820 pesos ao proprietário que nos aguardou no local. Dia 4. De Salta/ARG a Calama/CHI Saída: 08h30 Chegada: 23h00 Enfim atravessaríamos a cordilheira. Mas, não sabendo que teríamos tantas atrações no caminho, saímos com toda calma do mundo as 8h30. Um erro, já que o trajeto era longo, com muitos atrativos no caminho. Sugiro sair bem mais cedo. No caminho paramos para apreciar as costas de Purmamarca, as Salinas Grandes, Lhamas, cactos, mirantes de Jujuy em geral... Na fronteira chegamos por volta de 16h00, onde abastecemos, almoçamos alguns salgados da conveniência mesmo e fomos fazer os trâmites. Havia uma grande fila de veículos para entrar e outra maior ainda de pessoas dentro da aduana. Os policiais estavam meio estressadinhos, mas ajudavam a todos da melhor forma. Fomos apenas com RG e Documento do veículo. Por volta de 19h00 iniciamos a entrada no Chile. Achávamos que seria só descida...ledo engano...ainda havia muita subida pela frente. A dor de cabeça se fazia presente em todos, um pouco de tontura ao mínimo esforço e assim fomos subindo e subindo. O carro, carregado até o talo, não passava de 60km/h e em algumas subidas não passava dos 40km/h. As garrafas PET sendo amarrotadas como papel... e o sol que nos acompanhava começava a ir embora. E com o sol, vai-se o calor também. A temperatura começa a cair gradativamente de cerca de 17° as 17hs para cerca de 3° no ponto mais alto, a 4.820msnm, as 21h00. Daí em diante começou a descida, no breu total, nem podíamos ver as paisagens...mas enfim chegamos em San Pedro, porém nossa reserva era em Calama. Agora veja a situação: 10 da noite, sem almoçar e jantar, cabeça explodindo...procuramos hospedagem em San Pedro mesmo...mas nesse horário e nessa época do ano...nem a pau Juvenal....tivemos que seguir pista por mais 100km até Calama e procurar nosso abrigo previamente reservado. Em Calama ficamos em uma pousada meio estranha (Apartamentos Norte Grande), mas fomos bem atendidos. Possuía garagem pelo menos. Mas não oferecia café da manhã. Pagamos cerca de USD 35,00. Dia 5 – De Calama/CHI a Iquique/CHI Saída: 09h00 Chegada: 17h00 Como o trajeto nesse dia era mais curto, aproveitamos a manhã para ir ao Centro. Fizemos câmbio Dolar/Peso chileno na empresa AFEX, Calle Emilio Sotomayor 2125. Boa cotação, superior à de San Pedro. Compramos um chip de celular da Movistar. Fomos trocar o pneu danificado (calombo) em uma gomeria próxima ao Shopping, onde fomos depois almoçar antes de seguir viagem. De Calama à Iquique são dois caminhos, por deserto ou litoral. Então fomos conhecer a famosa Ruta 01 que nos levaria ao destino margeando a costa do Pacífico. Seguimos primeiramente até Tocopilla, uma pequena cidade litorânea onde acessamos a ruta 1. Realmente o caminho é sensacional. Uma pista simples espremida entre praias desertas, com suas areias pedregosas e cheias de conchas brancas trazidas pelo mar azul e serras de areia e pedra ao lado direito, muito altas e sem vegetação. Há diversos mirantes no trajeto e até mesmos as praias são acessíveis aos veículos. Vimos também diversas barracas de camping no caminho, parece ser comum acamparem na praia e passarem a noite com a família. Nada como termos segurança para tal hein? Após tantas praias desertas, ou quase, chegamos em Iquique, já nos deparando com trânsito intenso, porém organizado, com as praias cheias de jovens ouvindo música, praticando esportes ou passeando. A cidade não é muito grande, mas é bem cuidada, com bastante policiamento e comércio variado, para todos os gostos. Fizemos algumas compras em um hipermercado e fomos para o Hotel. Hotel Manuel Rodriguez Express, de excelente localização, a 1 quadra da praia, bem próxima da movimentada Praia de Cavancha. O hotel parece bem antigo, mas está em boas condições, com estacionamento externo em frente e café da manhã. Pagamos cerca de R$420,00 pelas duas diárias em quarto triplo. Dia 6. Iquique/CHI Dia de passear. Fomos conhecer a Plaza Arturo Prat, onde tem a Torre del Reloj e uma boa feira de artesanato. Muitos casarões antigos dão o tom de cidade antiga e preservada ao local. Passamos também frente ao Museu Corbeta Esmeralda, mas achamos meio pequeno e ninguém se interessou em entrar. Fica para a próxima rs. Fomos direto a praia caminhar um pouco pelo calçadão e conhecer o local. A noite fomos a pé até a praia próxima ao hotel, onde viramos o réveillon. Eles fazem, tal como nós, balsas com os fogos de artificio, e o foguetório durou cerca de 25 min, muito bonito por sinal. O que me chamou a atenção foi o costume local de soltar balões, geralmente pequenos e vermelhos, que iluminavam a noite vagando pelo céu. Imagina dezenas de balãozinhos vagando no céu da praia...realmente bacana. E bebida rolava no máximo um vinho ou espumante entre as famílias...nada de bêbado, gente vendendo cerveja, whisky e afins...tudo sendo festejado com alegria e segurança. Dia 7. Iquique/CHI a Toconao/CHI Saída: 09h00 Chegada: 18h00 Finalmente Atacama. Partimos em direção ao nosso grande objetivo, mas antes ainda paramos na cidade abandonada de Humberstone. Infelizmente estava fechada por ser dia 1, e assim tiramos apenas algumas fotos do lado externo. Vamos ter que voltar lá tb, parece ser muito interessante o local. Uma cidade abandonada no meio do deserto, com todas as casas, ruas e acessórios preservados. No caminho, antes de chegar a San Pedro, também já aproveitamos e conhecemos a Cordillera del Sal e Valle de La Muerte, o que já nos deu o gostinho do que teríamos pela frente. Locais sensacionais. A Cordillera tem um mirante bem amplo onde você pode descer até onde conseguir e tirar fotos realmente no meio das dunas e pedras. O Valle de La Muerte não fizemos o sandboard, apenas seguimos até o final da trilha, porém devido ao horário o vento estava forte demais, nos golpeando com areia e evitando que subíssemos até o mirante. Mas deu para ver o suficiente do local. Dali fomos direto para Toconao. O pequeno povoado de Toconao fica a cerca de 25 min de San Pedro ou 30km. Quando procurava quarto em San Pedro pelo Booking, encontrava pouca coisa devido a data, e o que encontrava estava caro demais ou eram apenas hostels com quarto e banheiro compartilhado, o que não serviria para uma família. Assim acabei pesquisando por algo nas proximidades e acabei por encontrar em Toconao exatamente o que eu procurava. A cidade fica perto de vários locais de visitação, possuía comércio próprio e até mesmo posto policial. Enfim, acabamos por selecionar o Hostal Altos del Lascar. Com quarto e banheiro privado, Wi-FI, cozinha coletiva, café da manhã e estacionamento. E ainda pudemos utilizar a máquina de lavar roupa e varal, o que nos foi muito útil. Até churrasqueira a disposição tinha. Por ali ficamos por 5 diárias pagando cerca de R$221,00 por dia ou US68,00 o quarto para até 4 pessoas (cama casal + beliche). Super recomendo! Dia 8 – Atacama Na parte da manhã fomos conhecer o centro de San Pedro e fazer câmbio na Calle Toconao, além de abastecer o veículo no escondido posto de San Pedro. Almoçamos em Toconao todos os dias no restaurante Chaxa I, boa comida, bom preço, bom atendimento e bem pertinho do Hostal. Geralmente comíamos os três com bebida por cerca de 10.000 pesos, cerca de R$50,00. Recomendo. A tarde fomos visitar as Lagunas Cejar, Piedra, Tebenquiche e Ojos del Salar. A estrada é por terra, mas dá para andar tranquilamente em boa velocidade. Lagunas Cejar e Piedra - A laguna Piedra estava meio seca e sem graça...já a laguna Cejar é bonita, mas creio que seja melhor para quem pretende entrar na água e ficar boiando ou apenas se refrescando. Pagamos cerca de R$75,00 por pessoa ou CP 15.000 p.p e não aproveitamos tanto. Há várias outras lagunas mais bonitas. Ojos del Salar – Muito legal de conhecer. Não mergulhamos também, mas é bem incomum e vale a pena conhecer. Laguna Tebenquiche – Uma laguna branca com muito sal em volta. Após o estacionamento há um trajeto bem comprido acompanhando a borda da laguna onde você pode tirar fotos. As montanhas espelhadas na laguna são formidáveis. Pagamos CP 3.000 p.p. Recomendo. Dia 9 – Atacama Hora de visitar as Lagunas Altiplânicas Miniques e Miscanti. Por sorte, Toconao está mais perto do que San Pedro e chegamos bem cedinho lá. Devido a altitude o frio vem com força, a cabeça dói, o carro sofre, mas chegamos e aproveitamos muito o lugar. Indescritível é o que podemos dizer das lagunas. O silêncio, a paisagem ao fundo e as lagunas em si, são de outro planeta. Pagamos CP 2000 p.p. Na descida esquecemos de ir visitar as Piedras Rojas...tão perto e perdemos esse passeio. Fica para a próxima também rs. Após as Lagunas fomos em direção a Toconao e no caminho, em Socaire, avistamos a estradinha que subiria para a Laguna Lejia. Entramos nela e começamos a subir uma estradinha bem ruim de terra e pedra...fomos até certo ponto apenas já que o carro não era 4x4 e o negócio estava piorando cada vez mais e não havia uma alma viva por perto...enfim, ficará para quando for fazer a subida do vulcão Lascar. Após isso fomos direto até a entrada que nos levaria à Laguna Chaxa, onde enfim pudemos ver e admirar os famosos Flamingos Chilenos. A Laguna fica à esquerda de quem está voltando para Toconao e leva uns bons quilômetros por estrada de terra, mas sem problemas. A laguna por si só já é muito bonita e fica ainda melhor com as dezenas de flamingos se alimentando por toda a laguna, bem pertinho de você as vezes. São animais lindos com certeza. Vale muito a visita. Pagamos cerca de CP 1500 p.p. Dia 10 – Atacama Nesse dia nos programamos para visitar Os Geisers del Tatio. Saímos as 4h30 e fomos em direção a San Pedro, onde pegamos a estrada que nos levaria até o ponto turístico. Nesse momento a temperatura estava em cerca de 14°, na altitude de Toconao (2400 msnm). E assim, após passar por San Pedro, fomos subindo e subindo...a estrada de terra batida começou a piorar conforme nos aproximávamos. E conforme subíamos a temperatura despencava. Se no início havia pouquíssimos carros subindo, de repente havia uma fila imensa de carros. Nosso carro de passeio, 1.6, naquela estrada cheia de costelas de vacas sofria e tínhamos que ir devagar enquanto a maioria de vans e caminhonetes passavam como se não houvesse amanhã. As costelas de vacas foram aumentando e chegou um momento em que parecia que andávamos sobre contínuas tartarugas (tachão) por diversos km. Até que, faltando poucos km, a uma altitude de mais de 4.000 msnm, com o termômetro anotando -8°, o câmbio do veículo simplesmente se desmanchou, travando em 4º marcha. Ou seja, tivemos que parar no cantinho, ligar o pisco alerta, colocar rapidamente os triângulos e torcer para ninguém passar por cima. Como não havia muito o que fazer, sem sinal de celular, e a galera passando correndo a caminho dos gêiseres, somente nos restou relaxar e esperar o sol nascer totalmente para aguardar o pessoal voltar e pedir auxílio. Cerca de 2 hrs depois começaram a aparecer alguns veículos retornando. A maioria sequer parava para perguntar e os que paravam geralmente tinham os veículos cheios de passageiros. Até que uma nobre alma argentina parou e nos ofereceu carona até San Pedro. Sr. Xavier e sua companheira foram simplesmente sensacionais. Somos muito agradecidos por ter conhecido esse Hermano. Ainda paramos em Machuca, porém ninguém conseguiu auxílio no local e tivemos que nos deslocar até San Pedro, onde fomos à oficina logo ali próximo da aduana. Depois de uma pequena espera de 5 hrs eles conseguiram uma camionete para fazer o resgate do veículo que passou o dia todo abandonado na estradinha de El Tatio. Com o carro na oficina, foi constatado que soltou uma peça do seletor de marcha...provavelmente soltou a alavanca do seletor ou o trambulador. Eles encaixaram, botaram uma abraçadeira para reforçar e pronto...voltou ao normal. Custo disso tudo: Resgate: CLP 90.000 Mão de Obra: CLP 20.000 Ou seja, saiu caro. Quase R$450,00 só pelo resgate. Ainda tentei locar uma camionete para fazer esse resgate, porém o aluguel sairia mais caro. Mas foi um susto, pois dependendo do defeito, por exemplo um defeito no disco ou platô, teria que ficar sem o veículo por uns 3 dias até chegar as peças de Calama. Demos sorte, a sorte de quem se arrisca! Nesse dia perdemos o dia inteiro resolvendo isso. Deu tempo apenas para correr até o centro de San Pedro e comprar um passeio para os Geisers para o dia seguinte. Conseguimos um valor bom, CLP 17.000 p.p . Dia 11 – Atacama Saímos as 4h30 de Toconao, dessa vez apenas para estacionar nosso guerreiro em São Pedro, no estacionamento municipal, onde a van da agência contratada já nos aguardava ao chegarmos. Após a van buscar a galera que nos acompanharia em seus hostels, colombianos e argentinos, partimos em direção, pela 3º vez, da estrada que nos levaria aos Geisers del Tatio. Dessa vez, a viagem foi tranquila, com uma van preparada para esse tipo de viagem. Chegamos com o céu começando a clarear, por volta de 6hs, com temperatura de -7° na portaria do parque. Pagamos mais CLP 10.000 p.p pela entrada e depois a van nos leva até o primeiro estacionamento, a partir de onde inicia-se o tour. O guia chama-se Celso, muito competente e paciente com todos. Recomendo. Apesar do frio de gelar a alma, o passeio é gostoso e interessante. Tem muita gente no local, atrapalha um pouco as fotos, mas com paciência consegue-se bons clicks. E realmente é incrível aquele espetáculo da natureza...surreal demais! O Segundo ponto é onde encontramos menos geisers, porém mais fortes e altos. Além disso tem a piscina de água termal, com vestiários e tudo mais. Não entramos, apenas observamos os gringos fazendo a festa. Devia estar muito bom...lá dentro. No estacionamento desse segundo ponto, o guia oferece o desayuno, com suco, pães, bolo, chá, ovos mexidos, geleia, etc. Muito bom o café da manhã sob o sol nascente do deserto, com gaivotas andinas passeando entre nós e a visão das montanhas e geisers...realmente incrível. Depois disso iniciamos o retorno. Durante o retorno ainda tem alguns pontos de exploração. Nesse caso, o primeiro foi a cidadela de Machuca, com algumas construções antigas e uma cantina, onde vende-se café, chá, empanadas, etc. Do lado de fora tem o churrasquinho de lhamo, por CLP 3.000. Muita fila para experimentar a iguaria, mas provamos e aprovamos. O próximo ponto foi ao lado da estrada, em alguns pontos há pequenos alagados beirando morros pedregosos, com muita vegetação rasteira e vários flamingos ou lhamas se alimentando. Em um ponto ainda tem um mirante com vista para um tipo de canyon profundo e que vai margeando a estrada por um trecho. Muito bonito tb. O último ponto do passeio é a parada em Guatin, no Vale dos Cactus. Fazemos a exploração dando a volta, seguindo o curso de um pequeno riacho. Local muito pitoresco, com cactos de até 10 metros e talvez centenas de anos de vida. Enfim, por volta de 13hs a van nos deixou no estacionamento de San Pedro. Se o perrengue do dia anterior nos trouxe prejuízo, ao menos fazendo o tour com a agência pudemos visitar outros pontos além dos geisers, que talvez, sozinhos, não encontraríamos. Voltamos correndo para Toconao para almoçar e descansar. A tarde teria mais Por volta de 17h00 partimos em direção ao Valle de La Luna. O primeiro passeio é nas Cavernas de Sal. As cavernas são legais por serem no deserto e tem uma vista de cima, mas em matéria de cavernas estamos bem servidos e essa não nos impressionou. Depois das cavernas, todos seguem direto para o estacionamento do Valle para assistir o famoso pôr do sol. O local realmente é muito show e o pôr do sol bonito. Tem gente pra c... mas deu pra pegar um lugarzinho na beira da morro com vista para as dunas e assistir esse gran finale. Dia 12 – De Toconao/CHI a Salta/ARG Saída: 09h00 Chegada: 20h00. Dia triste, dia de partida. Deixamos o acolhedor Hostel Altos del Lascar e fomos para San Pedro abastecer e pegar a estrada rumo a fronteira. Dessa vez, já que estava noite em nossa chegada, pudemos contemplar o Vulcão Licancabur nos acompanhando durante boa parte da subida da cordilheira. Haja espaço em disco para tanto foto, mas ele merece. E sempre que podíamos parávamos em algum ponto interessante, seja pequenas lagunas, lhamas no caminho, guanacos, etc. Ainda pensamos virar em Hito Cajon e ir visitar as Lagunas Branca e verde, porém, após pesquisar bem, pensamos ser arriscado demais ir em carro de passeio. Até agora não sei se é tão problemático assim. Seguimos em frente, dando adeus ao Chile, com uma até que rápida migração em Paso Jama. Na Argentina, paramos novamente no mirador de Jujuy, dessa vez apenas para comprar alguns souviniers. Também paramos em Purmamarca atrás de mais presentes e fazer um lanchinho. O local é bem interessante e vale uma visita mais duradoura, talvez até uma hospedagem no local. Chegamos em Salta já no ínicio da noite, depois de trocentas paradas durante o retorno. Nos hospedamos no Hotel Guemes. Bem ruim. Pagamos cerca de ARP 980.00. O prédio é muito antigo, então é como entrar em um túnel do tempo. Tudo é muito velho, com cara e cheiro de coisa velha. O café da manhã foi um pão duro com geléia e água, porque havia apenas chá, o que não tomávamos. Enfim, serviu para tomar banho e descansar. O ponto positivo é a localização, a poucos metros da praça 9 de julho. A noite, por ser sábado, pudemos ver como é movimentada e bonita a cidade de Salta. Muitos artistas de rua trabalhando e divertindo os turistas e o comércio bem diversificado. Passeamos, jantamos e fomos dormir, pois o dia seguinte seria longo através do chaco. Dia 13 – De Salta/ARG a Resistência/ARG Saída: 09h00 Chegada: 17h00 Apenas um dia de deslocamento, sem muitas novidades no caminho. Nesse dia pela primeira vez um policial nos parou e pediu documento do veículo. Apenas conferiu e mandou seguir, sem maiores problemas. Não solicitou a CNH e muito menos a Carta Verde. Chegamos ainda de dia no Hotel Diamante, em excelente localização. O custo foi de + - ARP 1100.00 e o problema foi pagar. Havia sobrado apenas dólares e eles não aceitavam. Mas apesar de ser domingo, com todas as casas de câmbio fechadas, tivemos a sorte de ter um Cassino bem perto e que fazia esse câmbio. Corremos até lá e trocamos dólar x peso em boa cotação e assim pudemos pagar o hotel. Acho que o nome do Cassino é Atrium. Para jantar busquei algumas pizzas ali perto, por ARP 350. Tem bastante comércio por perto e o hotel não é antigo, com um bom café da manhã. Recomendo! Dia 14 – De Resistência/ARG a Foz do Iguaçu/PR Saída: 09h00 Chegada: 17h00. Dia de dar adeus aos Hermanos argentinos e voltar para essa doida terra. Mais um dia tranquilo de estrada, sem muito movimento. Assim como na saída, não havia ninguém na aduana brasileira, apenas passamos... Nos hospedamos no Hotel Blue Star II. Hotel bom, limpo, com estacionamento descoberto e café da manhã padrão Brasil, com tudo que tem direito J Pagamos R$160,00 pelo quarto triplo. Recomendo. Dia 15 – Foz do Iguaçu/PR a Cascavel/PR Saída: 09h00 Chegada: 21h00 Dia de aproveitar a passagem por Foz e fazer os passeios clássicos: gastar dólares no Paraguai e visitar as Cataratas do Iguaçu. Depois de uma fila imensa para entrar em Ciudad del Est, conseguimos estacionar no shopping que existe logo na entrada, do lado esquerdo de quem ta chegando lá. Uns 40 min para fazer o retorno e estacionar lá, mas pelo menos você já fica na boca pra pegar a ponta quando for sair. Fizemos nossas comprinhas e fomos embora em direção ao Parque Iguaçu. Um bonito passeio também a ser feito. É tudo muito bem organizado e caro tb. Depois de tanto deserto, areia e umidade quase zero, agora foi o contrário: muita água, chuvisco, umidade altíssima, calor e floresta pra todo lado. Saímos de lá já quase 17h00 e para não dirigir muito tempo a noite, fomos até Cascavel. No caminho paramos para jantar no _____ . Surpreendeu a qualidade e o preço. Pagamos R$60,00 para um banquete (arroz, feijão preto, farofa, bife, fritas, ovo frito, macarrão, salada com tomate, suco de laranja e refrigerante). Depois de tanto lanche ou Pollo com papas...matamos a vontade da comida brasileira ali. Procurando hotel pelo celular, encontramos o Hotel Jóia. Era o melhor custo benefício que havia no momento, mas também não decepcionou. Um quarto bom, com estacionamento coberto, e ótimo café da manhã. Pagamos R$152,00 o quarto triplo. Dia 16 – Cascavel/PR a Santos/SP Saída: 10h00 Chegada: 23h00 Sem novidades. Muito trânsito, muito idiota fazendo cagada no trânsito, acidentados pelo caminho, dezenas de radares e pedágios caríssimos, postos policiais vazios, enfim, estávamos em casa novamente JJ Trajetos: Data Origem KM Tempo Destino 26/dez Dia 1 Santos/SP 1053 14h2 Foz de Iguaçu/PR 27/dez Dia 2 Foz de Iguaçu/PR 622 7h39 Corrientes/ARG 28/dez Dia 3 Corrientes/ARG 836 9h58 Salta/ARG 29/dez Dia 4 Salta/ARG 700 8h38 Calama/CHI 30/dez Dia 5 Calama/CHI 388 4h32 Iquique/CHI 31/dez Dia 6 Iquique/CHI 1/jan Dia 7 Iquique/CHI 524 5h57 Toconao/CHI 2/jan Dia 8 Atacama 3/jan Dia 9 Atacama 4/jan Dia 10 Atacama 5/jan Dia 11 Atacama 6/jan Dia 12 Toconao/CHI 554 7h27 Salta 7/jan Dia 13 Salta 821 10h16 Resistência/ARG 8/jan Dia 14 Resistência/ARG 642 8h20 Foz de Iguaçu/PR 9/jan Dia 15 Ciudad del Est/PGY e Cataratas De Iguaçu 9/jan Dia 15 Foz de Iguaçu/PR 139 1h53 Cascavel/PR 10/jan Dia 16 Cascavel/PR 916 12h7 Santos/SP Distância Percorrida: 8.333 km – Média 13km/L Hotel para 3 pessoas Combustivel: Nafta Super – 95 Data Hotel Combustivel Pedágios Alimentação Passeios Outros 26/dez R$135,00 R$380,00 R$121,30 R$64,90 R$8,00 R$709,20 27/dez R$111,89 R$167,83 R$8,39 R$84,00 R$32,00 R$404,11 28/dez R$111,89 R$177,62 R$6,29 R$48,95 R$55,63 R$400,39 29/dez R$113,58 R$139,86 R$0,70 R$25,17 R$279,31 30/dez R$210,15 R$159,61 R$5,32 R$216,56 R$259,47 R$851,11 31/dez R$210,15 R$70,49 R$175,57 R$456,21 01/jan R$221,29 R$138,33 R$8,25 R$82,41 R$47,88 R$498,16 02/jan R$221,29 R$154,29 R$111,83 R$271,33 R$21,28 R$780,03 03/jan R$221,29 R$112,79 R$119,44 R$87,78 R$90,44 R$631,75 04/jan R$221,29 R$114,39 R$591,62 R$927,29 05/jan R$221,29 R$39,10 R$446,90 R$10,64 R$717,94 06/jan R$136,36 R$148,97 R$53,85 R$111,89 R$451,07 07/jan R$125,87 R$194,41 R$4,90 R$67,83 R$393,01 08/jan R$160,00 R$251,75 R$10,49 R$50,69 R$19,30 R$492,23 09/jan R$152,00 R$100,00 R$27,00 R$107,77 R$159,80 R$546,57 10/jan R$250,00 R$94,70 R$39,00 R$30,00 R$413,70 R$2.573,34 R$2.375,45 R$287,34 R$1.296,39 R$1.013,71 R$1.405,84 R$8.952,06 Agradecemos aos administradores desse site por manter um fórum tão útil. Agora é planejar a próxima trip, provavelmente por Bolívia e Peru, ou talvez, quem sabe, dar uma passadinha também no Atacama para fazer os passeios que faltaram (Tour Astronômico, Vulcão Lascar, Piedras Rojas, Baltinache, Humberstone). Um abraço a todos ! André e Joyce
  9. Boa tarde pessoal Pretendo ir de Salta a SPA pelo Paso Sico. Tehho duas dúvidas. Sabem se esta boa a estrada para percorrer com um carro de passeio (C3 Picasso) ?? E o vulcão Lascar é possível faze-lo por conta própria ou precisarei de agência/guia ??? grato a quem puder opinar. abs
×
×
  • Criar Novo...