Ir para conteúdo

Petsiorio - Ju

Membros
  • Total de itens

    10
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Bio

  • Ocupação
    Bióloga e Pesquisadora de comunidades tradicionais, rurais e indigenas

Outras informações

  1. Galera valeu pelas dicas mesmo...ajudaram e muito...e realmente são "hiking sandals" usadas no lugar de tenis/botas....são da teva sim... Obrigada mais uma vez..... "A vida é uma arte e nela dançamos salamandras mágicas de que importa se restaram cinzas se a chama foi alta e bela?" M. Quintana
  2. Holas pessoal, tenho conhecido muitos gringos e eles usam uma papete....para escalada....muito confortável.....de solado preto....e tipo um pano meio q colorido...nas tiras alguem sabe onde posso encontra-las aqui no BR.....ou pelo menos a marca....vi em alguns sites..mas não as encontro... Obrigada
  3. Oi Augusto desculpe a demora....dá para fazer alguns passeios sem ter que contratar guias, como algumas trilhas que existem no núcleo Sta Virginia....os proprios funcionarios do parque levam o visitante...e uma contribuição espontanea é sempre bem vinda claro...se for de carro será bem mais fácil....existem duas sedes do nucleo uma quase na descida da serra e outra a da vargem grande....as duas tem funcionarios que os levam aos passeios.....o tel do nucleo é 12 36719159..é só ligar e agendar... Em Sluiz do Paraitnga tem muitas pousadas para todos os gostos e bolsos.....muito restaurante legal com preço bacana....e tem a secretária de turismo....tem os passeios na city mesmo como a casa de osvaldo cruz e outros.... E essa é uma época bem legal se fores de sampa dá pra passar um final de semana tranquilo nas bucolicas serras....as pessoas são acolhedoras e tudo mais e de quebra quem sabes vês uma apresentação de marchinha q já estão ensaiando para o carnaval esse nem te falo é TUDO...gente interessante...locais participando junto e muita luz.... Pra dar uma olhada veja: http://www.paraitinga.com.br; http://www.saoluizdoparaitinga.org.br; e atraves desse link pode ter informações das trilhas...no parque (nota: não existe mais a hospedaria q eles citam) http://www.ambiente.sp.gov.br/ppma/stavirg.htm Precisando estou ai...abraços
  4. Sobre a cultura São Luís do Paraitinga, cravada na Serra, oferece a imagem de um presépio ao viajante da Rodovia Oswaldo Cruz. Já aqueles que a visitam conhecem muito mais que a imagem. Entre a história e o cotodiano, a cidade vive um vasto calendário de manifestações religiosas e profanas, que têm seus pontos-altos na Festa do Divio Espírito Santo e no Carnaval, respectivamente. Mas, o ano todo a cidade é palco de muitas outras manifestações vivas, que se torna parte do cotidiano de nossos cidadãos. FESTAS CARNAVAL O Carnaval de São Luís do Paraitinga é um dos mais originais do Estado de São Paulo, amplamente divulgado pelos meios de comunicação. É baseado na cultura do povo da cidade, com seus mitos, lendas e tradições. Tudo regado a marchinhas carnavalescas de origem local. Blocos e cordões apresentam-se nas ruas, tendo como cenário a praça e os casarões coloniais. São Luís do Paraitinga possui fama de terra dos músicos e espírito vivo das festas, povo ordeiro e contente e de forte tradição histórica cultural. Festa do Divino Espírito Santo A Festa do Divino em São Luís do Paraitinga começa sempre numa sexta-feira, com uma novena, realizada na igreja matriz. Ali são bentas as bandeiras dos fiéis, que desfilarão pelas ruas nas cerca de 20 procissões realizadas nos 10 dias da festa. No sábado começam as festividades de religiosidade popular. A primeira delas é a Procissão do Encontro das Bandeiras. Ali as bandeiras das festas anteriores se encontram com a dos festeiros do ano. Essa é a bandeira que durante quase um ano percorreu os bairro da zona rural pedindo as prendas para financiar a festa. A procissão das bandeiras termina no Império, uma sala muito enfeitada, geralmente na praça da matriz, onde predomina a cor vermelha (a cor do Divino). Ali ficarão as bandeiras, o cetro e a coroa, símbolos do império do Divino, que nesses dias domina (em todos os sentidos) a cidade. É um local de grande devoção popular. A novena prossegue com rezas ou missas, sempre celebradas às 19 horas. Antes das rezas as bandeiras são levadas em procissão do Império para a igreja matriz. Após a celebração litúrgica, fazem caminho inverso, cada dia seguindo um roteiro diferente. As procissões são acompanhadas pela banda de música, pela Folia do Divino e por dezenas de pessoas que levam bandeiras em sinal de devoção e pagamento de promessas por graças alcançadas. Durante os dias da novena, a parte conhecida como profana (fora do recinto e do domínio da Igreja), se concentra na Casa da Festa, local onde ficam as prendas e onde boa parte dos moradores da cidade (inclusive autoridades e políticos) vão almoçar a "comida do Divino". O dia principal da festa é conhecido como Grande Dia. A cidade é despertada por volta das 6 horas com o toque da alvorada, pela banda de música e pelo batuque da congada. As missas e apresentações folclóricas se revezam. Congadas, moçambiques, pau-de-cebo, o casal de bonecões João Paulino e Maria Angu, cavalhada, distribuição de doces para o povo, brincadeiras para as crianças, como as corridas de ovo e corrida de saco. Um dos pontos altos é a distribuição do afogado. Para prepará-lo são abatidas de 15 a 20 vacas, distribuídas na forma de comida para o povo. O último ato paralitúrgico da festa é a Procissão do Divino. Um cortejo com andores artisticamente confeccionados percorre as ruas da cidade, ladeado por irmandades e associações religiosas uniformizadas. O sacerdote carrega o santo lenho sob o pálio, sustentado pelos irmãos do Santíssimo (Irmandade existente em São Luís desde 1805). No final da procissão, durante a missa de encerramento, o vigário anuncia o nome do festeiro, pessoa que promoverá a festa no próximo ano. PASSEIO PELO MUNICÍPIO -» Faça um passeio pelo centro Histórico de São Luís do Paraitinga e conheça nosso belo conjunto Arquitetônico. -» As fazendas antigas do Município correspondem ao século XVIII e XIX, com arquitetura colonial, cuja a representatividade é do período áureo do café. -» Em caminhadas monitorada no interior do Núcleo é possível chegar até as cachoeiras e observar de perto a diversidade de espécies vegetais e animais que fazem a riqueza natural da Mata Atlântica. -» A prática do "ecoturismo" é incentivada pelo Núcleo. Diversas modalidades esportivas de caráter preservacionista são difundiadas, como o trekking, a Canoagem e o Rafting. A beleza natural é a recompensa do aventureiro por enfrentar os obstáculos da natureza. CONHEÇA SÃO LUÍS DO PARAITINGA, ESCOLHA SEU DESTINO... http://www.paraitinga.com.br
  5. Dicas sobre o Núcleo Sta Virgínia Santa Virgínia -------------------------------------------------------------------------------- PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR Núcleo Santa Virgínia - Terra das cachoeiras Do interior da floresta, no alto das montanhas, em pequenos grotões cercados de muito verde, a água cristalina brota da terra e vai buscando seu caminho por entre as pedras. O filete d'água da nascente vai se transformando em riachos, córregos e rios quando as águas de outras nascentes vão se juntando. Descendo a serra rumo à planície litorânea em busca do mar, as águas vão esculpindo as rochas, formando corredeiras e se lançando pelos vales em cachoeiras que formam os mais belos cenários da Mata Atlântica com suas piscinas naturais. O Parque integra a rede de Unidades de Conservação administrada pela Secretaria do Meio de São Paulo através do Instituto Florestal. Protegendo os remanescentes da Mata Atlântica, declarados pela Unesco como Patrimônio da Humanidade, o Parque Estadual da Serra do Mar se espalha por uma área de quase 315 mil hectares, indo desde a divisa de São Paulo com o Rio de Janeiro até o município de Itariri, no sul do Estado, passando por toda a faixa litorânea, representando a maior porção contínua preservada de Mata Atlântica do Brasil. Água pura da floresta E as corredeiras e cachoeiras; muitas cachoeiras, são um espetáculo especial na paisagem do Núcleo Santa Virgínia, um dos núcleos administrativos em que está dividido o Parque Estadual da Serra do Mar As 17 cachoeiras do Núcleo Santa Virgínia se espalham pelos rios Ipiranga, Ribeirão Grande, Paraibúna e seus afluentes. Protegidos pelas florestas, estes rios são fonte de água pura para milhares de pessoas que vivem no Vale do Paraíba do Sul, o rio que abastece também mais de 80% da população do Rio de Janeiro. Caminhar pelas margens dos rios, conhecer de perto a diversidade de espécies vegetais e animais que fazem a riqueza natural da Mata Atlântica e depois mergulhar nas águas das cachoeiras, são os atrativos que o visitante encontra nas trilhas do Núcleo. Trilha da Pirapitinga: duas corredeiras e duas cachoeiras são as opções de caminhada dessa trilha cujo nome é uma referência a uma espécie endêmica de peixe (só encontrada aqui) do Rio Paraibuna e que está em extinção. Nos 5,6 km (ida e volta), de difculdade média, o visitante vai margeando o Rio Ipiranga e observando espécies de árvores como o manacá-da serra, cedros, canelas, araçá, palmito. Um pouco de sorte e é possível ver animais habitantes da floresta que estão ameaçados de desaparecer como o jacú, o guati, a queixada, o macaco-prego e a araponga. Conheça um pouco mais das opções desta trilha: Cachoeira das Andorinhas Cachoeira das Andorinhas: meia hora de caminhada leva o visitante até a Cachoeira da Andorinhas (foto). Na época da piracema, quando os peixes sobem o Rio Ipiranga para reprodução, o vôos dos pássaros em busca de alimento é um espetáculo à parte. Cachoeira do Rio Ipiranga: a cachoeira é o ponto final da trilha. A caminhada é fácil porque a trilha é uma antiga estrada que servia para o transporte de madeira quando a área do Núcleo era formada por terras das antigas fazendas Ponta Alta e Santa Virgínia. As corredeiras do Rio Ipiranga formam a primeira atração da trilha, cerca de 800 metros depois da saída. Pelo caminho, o visitante pode ver as belezas de outra corredeira: a do Peixe Grande Trilha do Poço do Pito: em apenas 8 km (ida e volta) esta trilha de fácil percurso guarda muitas atrações. Andando pelas margens do Rio Paraibuna, o visitante pode optar também por caminhadas mais longas ou por pequenas incursões pela mata em busca das cachoeiras, corredeiras e até de uma pequena praia, a do Lajeado. O final da trilha são as águas cristalinas da cachoeira do Poço do Pito. Saiba um pouco mais sobre as cachoeiras desta trilha: Cachoeira do Saltinho: são só 600 metros de caminhada atravessando matas primárias e secundárias até chegar à Cachoeira do Saltinho. Um trecho bem didático da trilha, ideal para crianças menores. Cachoeira do Salto Grande: essa cachoeira é um dos maiores atrativos do Núcleo. Um percurso de 3 km desde o início da trilha, com algumas partes mais íngremes, corta trechos de matas primária e secundária (em regeneração) até chegar à Cachoeira do Salto Grande, com sua grande piscina natural e lajes de pedra. Como chegar Com área de abrangência de cerca de 9.000 Ha, o Núcleo Santa Virgínia ocupa áreas de quatro municípios do Vale do Paraíba do Sul: São Luis do Paraitinga, Cunha, Ubatuba e Natividade da Serra. Partindo de São Paulo pela Rodovia Presidente Dutra, ou pela Rodovias Ayrton Senna e Carvalho Pinto, a referência é a cidade de Taubaté, de onde se pega a Rodovia Oswaldo Cruz (BR 125) até o Km 78. Entra-se à esquerda. Mais 3,5Km e se chega na base administrativa do Núcleo. Estes últimos quilômetros são em estrada de terra bem conservada. Onde ficar? O Núcleo tem uma hospedaria com capacidade para receber 15 pessoas nos finais de semana. Os pesquisadores e/ou grupos organizados de visita podem fazer suas refeições no refeitório da hospedaria, fornecendo os alimentos para a cozinheira. Por este serviço será cobrada uma taxa que varia de acordo com o número de pessoas do grupo. A cidade de São Luis do Paraitinga oferece opções de hospedagem em hotéis e pousadas. Para visitar Para conhecer as cachoeiras e as outras belezas naturais, bem como para se hospedar no Núcleo Santa Virgínia é preciso agendar as visitas. Para segurança dos visitantes, não serão recebidas visitas sem agendamento. O horário de visitas é das 8:00 às 17:00 horas. Para agendar as visitas o telefone é (12) 3671-9159 ou 3671-9277 Apoio ao ecoturismo A manutenção das trilhas de visitação e a melhoria do sistema de informação visual com placas indicativas para orientar o visitante, são alguns dos resultados das ações de apoio ao ecoturismo e à educação ambiental, desenvolvidas no Núcleo através do Projeto de Preservação da Mata atlântica, PPMA. Inserido no Programa de Cooperação Financeira Brasil-Alemanha e executado através de uma parceria entre a Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo e o banco alemão KfW, o PPMA tem investido recursos também na melhoria da fiscalização e proteção da Mata Atlântica através da compra de veículos, equipamentos de informática e comunicação e treinamento de pessoal técnico, além de coordenar as discussões com as comunidades locais para a elaboração dos Planos de Gestão Ambiental para as Unidades de Conservação abrigadas pelo Projeto. Ajude a preservar aquilo que é de todos nós. A Natureza agradece.
  6. Amo SL do Paraitinga..trabalho com as comunidades rurais desse lugar.....resgatando o conhecimento sobre as plantas medicinais...existem lugares bárbaros para visitar...além de ser o ULTIMO REDUTO CAIPIRA DO ESTADO DE SÃO PAULO...existem muitas cachoeiras..que podem ser feitas...no Núcleo Sta Virgínia.....a galera da Montana Rafting....leva vcs a passeios sensacionais e com muita aventura....e se tiver pique...rola de ir tbém..é o PICO DO CORCOVADO....fica um poquinho longe de Sluiz...mas é seguindo a rod. Osvaldo Cruz...depois do posto da Balsa....entra sentido o bairro Vargem Grande...lá tem outra base do núcleo....são 4 hs de caminhada e se chega num pico muito alto....q pode avistar todas as citys do litoral norte...perfeito...além da Mata Atlântica super preservada...quem tiver interesse mande uma mensagem q passo os tels para contato.....vale apena...
×
×
  • Criar Novo...