Ir para conteúdo

StanlleySantos

Colaboradores
  • Total de itens

    387
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    4

StanlleySantos venceu a última vez em Janeiro 30

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

275 Excelente

Sobre StanlleySantos

  • Data de Nascimento 19-10-1989

Bio

  • Ocupação
    Servidor Público/Entregador

Informações de Viajante

  • Próximo Destino
    Santa Catarina

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Não é a primeira vez que alguém aparece no fórum com um sonho de "viver a mais plena liberdade" que a vida tem a oferecer. Na minha honesta e individual concepção, me identifico com vc em termos, sou funcionário público (apesar de estar buscando a estabilidade financeira e uma futura aposentadoria segura), tenho uma vontade tremenda de conhecer tudo o que o mundo tem a oferecer, e por vezes me questiono sobre a minha felicidade com a vida que levo. Mas, também penso que romantizam muito esse conceito de "largar tudo para viver livre e leve e conhecer o mundo afora". Exemplo disso é aquela história REAL do "na natureza selvagem". o Christopher realmente viveu uma aventura invejável, do ponto de vista de muita gente. Mas sofreu, foi escorraçado pelo sistema, passou frio, medo e fome, e morreu de uma forma infeliz (ou feliz, como a adaptação do cinema tentou criar). Viveu uma PUTA aventura. Mas será que valeu? Acho muito complicado a pessoa arriscar uma vida confortável para cair na estrada, sendo que ela já tem condições de fazer isso, ainda que de uma forma limitada, porém saudável. Quero dizer, alguns aí em cima já deram motivos suficientes para que uma pessoa tenha um "choque de realidade" sobre os grandes riscos que envolvem uma prática dessas (ficar sem dinheiro, sem um teto, sendo menosprezado pelo sistema que não tem muita paciência para forasteiros andantes). Penso que, com administração correta do seu tempo e recursos, é possível conhecer o mundo, aos poucos, mas minimizando os riscos. Um exemplo: não sei se é seu caso, mas vc sabe que funcionário público tem uma licença especial de uns meses quando completa 5 anos de serviço, ne? Não seria aí uma oportunidade de conhecer um continente inteiro, como a Europa, e mantendo o emprego e o porto seguro em casa? É complicado, penso que seria mais interessante, como já citado, vc acumular, em um primeiro momento, capital (bota sua grana num investimento de médio prazo e recolhe daqui a uns anos os juros acumulados para essa viagem, por exemplo), e ESTUDAR muito sobre o que vc pretende conhecer. São culturas diferentes, sistemas de vida diferentes, que muitas vezes podem dar uma bofetada aos brasileiros desavisados. E supondo que a gente não entre, daqui a uns anos, a um "novo normal", em virtude dessa desgraça que está sendo a pandemia, que acabe mudando muitas ações do cotidiano. Mais importante do que conhecer o mundo (e eu não condeno o sr, pois é um anseio meu, também), é ter um lugar para voltar, uma vida para voltar, e seguir de onde pausou. Querendo ou não, vamos envelhecer, vai ter uma hora que o mercado não vai mais nos aceitar pelas nossas limitações, vamos precisar de uma aposentadoria, ou um meio de manutenção de nossas vidas estável. E outra: quem garante que não posso fazer esse estilo de vida, de viagem, quando estiver lá para meus 50, 60 anos, quando tiver uma estabilidade financeira real, e estiver me aposentando do serviço público em breve? São questões e questões. Eu não condeno sua vontade, mas desestimulo em virtude da realidade que pode ser fria e cruel. Dá para viver essa aventura, aos poucos, com um mínimo de segurança e estabilidade na vida.
  2. pra extremos é melhor comprar algo mais elaborado mesmo. A quickhiker é uma boa alternativa, mas fica aquela questão da indisponibilidade da barraca verde nas lojas. realmente a venus não tem avanço, e tem a possibilidade de infiltrar um pouco na porta (embora eu ache difícil pq as janelas das portas são "fecháveis", a menos que a chuva seja daquelas horizontais que batam forte em um lado da barraca mesmo. Aqui no norte do Brasil as chuvas são mais "verticais", e até então a minha serviu muito bem). vc pode tentar a cloud up para 3 pessoas, da naturehike, mas aí é como falei pro rapaz mais em cima, é esperar chegar, comprando pela aliexpress, pq pelas lojas brasileiras é um assalto descarado. Viagem internacional ainda não tive o prazer de fazer, mas colocaria a mão no fogo pela quickhiker. Uma alternativa, a meu ver seria a nepal da azteq. Ambas têm aquela montagem bem peculiar de tubo, são feitas para resistirem aos ventos fortes de um alto de montanha, por exemplo, e possuem avanços generosos para os equips, mochilas, além da coluna d'água imensa.
  3. Cara, usar falcon nos Andes é adrenalina ein, rs No aguardo do resultado desse test drive da windy, apesar de que atualmente uso a everest da guepardo como minimalista.
  4. Estou planejando para 2021 um mochilinho no estado de Santa Catarina, sendo assim, para quem já se aventurou nessas terras, gostaria de saber se a questão de transporte coletivo intermunicipal é um problema ou um ponto positivo do estado...como irei só, fica complicado para o bolso alugar um carro. Então, dá para sair de Floripa e conhecer boa parte do estado de maneira fácil usando ônibus? Obs, irei fora de alta temporada.
  5. Salve! Cara, não é muito difícil achar barraca com essas especificações. Mas diga aí qual o uso dela, é para algo mais light (camping em sítios ou parques), ou mais extremo (montanhas, uso internacional, etc)? Olha, uma que eu tenho (embora eu vá recomendar a nova versão) é a Vênus da guepardo. Já a uso desde 2017 e está novinha em folha, já pegou boas chuvas e não me deixou na mão. A que eu recomendo que vc compre é a VENUS ULTRA, que é uma versão com coluna d'água de 2.500mm (ou seja, aguenta mais porrada), tem a versão para 3 pessoas (2 + espaço como vc bem disse), ela é arejada, pq tem duas portas com uma boa tela/mosquiteiro, a montagem é fácil, e pesa menos de 4kg. Ela só não é recomendada para extremos (tipo altas montanhas e tal, lugares que nevam), pq ela não é 4 estações, mas pra uso geral no Brasil ela é de boa. E é vendida a um preço bacana https://www.aventuraecia.com.br/barraca-guepardo-venus-ultra-3-pessoas-2500mm-coluna-d-agua
  6. Assim, é difícil dizer que existe uma barraca "foderosa" que aguente meses ou anos de uso sem ficar comprometida: as intempéries (sol forte, chuva, granizo) eventualmente vão desgastar o tecido do sobreteto, as costuras com o tempo irão perder sua impermeabilidade, ou vão "afrouxar", permitindo uma infiltração de água, os elásticos das varetas vão envelhecer e perder sua resiliência, etc. Mas vamos lá. Tem umas marcas e modelos mais "técnicos" que se destacam no mercado, que vc pode encontrar a um valor justo se pesquisar bem. a cloud up da naturehike é uma bastante conhecida e recomendada na atualidade, o problema é que vc vai ter que comprar pela internet (e esperar ela chegar sabe lá quando em virtude de toda a crise que assola o mundo). https://pt.aliexpress.com/item/32886718463.html?src=google&src=google&albch=shopping&acnt=494-037-6276&isdl=y&slnk=&plac=&mtctp=&albbt=Gploogle_7_shopping&aff_atform=google&aff_short_key=UneMJZVf&&albagn=888888&albcp=7303158455&albag=86143156931&trgt=883147841219&crea=pt32886718463&netw=u&device=c&albpg=883147841219&albpd=pt32886718463&gclid=Cj0KCQjwvIT5BRCqARIsAAwwD-Ss5LnT7_RCSdcRgHA5OGEX-RB7HUU_vm4ysw9_2Zpk76gZ6oglewUaAmFcEALw_wcB&gclsrc=aw.ds Aqui no Brasil, para compra imediata em loja física, as marcas mais confiáveis seriam a AZTEQ, TRILHAS E RUMOS e a QUECHUA, esta vendida nas lojas da decathlon da azteq, tem a Katmandu, a Nepal (a melhor de todas), a minipack e a mykra. Recomendo ou a KATMANDU ou a MYKRA por serem autoportantes (ou seja, ficam em pé sozinhas com o quartinho montado, isso é importante caso vc for acampar num local sem solo fofo para fixar os specs, por exemplo). de quechua tem a quick hiker (um pouquinho cara, e o modelo antigo não está no catálogo atual da decathlon), e também tem as arpenaz, mas recomendo que vc vá numa loja e olhe, veja se tem montada, etc. da trilhas e rumos teria a COTA 2, uma barraca para 1 pessoa + materiais simples, e bem feita. Se vc for fazer mochilão na américa do sul mesmo, se atente mais para proteção contra chuvas, então uma barraca com coluna d´água de pelo menos 2000mm se faz necessária. A maioria das barracas que citei tem coluna ótima. Depois é se atentar se ela é autoportante ou não (a maioria que citei é), e no mais, penso que é isso. o resto é cuidado com a mesma.
  7. Eu iria fazer esse mesmo percurso agora em setembro, se não fosse o maldito corona. O acesso ao pico se dá pelo lado capixaba (pela cidade de pedra menina), ou pelo lado mineiro (por alto caparaó). Aí vai do meio de transporte que vc quer usar: de avião vc pode ir para Vitória, e da capital ir para pedra menina (dá nem 300km), mas aí vc precisaria pesquisar os bus que vão para a pequena cidade, ou para alguma cidade próxima (cogitaria usar blablacar também). Ou então ir para Belo Horizonte (e dá para ir de bus de Brasília, o que dá uma barateada na logística). De BH vc pode pegar bus para cidades próximas de Alto Caparaó (citaram Manhuaçu aí em cima), e também cogitaria o blablacar, caso tiver carona direta para lá. De BH até Alto Caparaó é um pouco mais longe, se for comparar com a opção anterior, mas dá para ir de boa. Para ambos os casos, acho interessante entrar em contato com as rodoviárias intermunicipais de BH e Vitória para se informar sobre as opções para o parque. Falam que Alto Caparaó é mais estruturada para receber o visitante, então ponto para MG. E mais um detalhe: se vc for passar a noite no pico, tem que reservar com antecedência no site do parque, e somente quando ele reabrir por definitivo.
  8. Ue, risco sempre tem, assim como tem para os moradores de qualquer região que vc visitará. Pior: se na sua passagem vc passa uma imagem de que é um forasteiro que não conhece patavinas de um lugar, pode correr um risco ainda maior de atrair gente mal-intencionada. É interessante pesquisar mapas da violência por região, quais as cidades mais violentas, ou menos violentas nos anos, e se precaver: não ficar dando sopa por aí tarde da noite, ter uma reserva de dinheiro em lugar seguro, não "ostentar" objetos de valor por aí (fico besta quando vejo gente que claramente não é de Manaus exibindo sua câmera profissional com meio metro de lente batendo foto no centro da cidade como se tivesse tudo bem e tudo legal, rs) Mas assim, nada que não possa ser evitado, saiba por onde vc irá se deslocar (uber está aí para isso), conheça a região, se entrose com a população e pegue dicas do que fazer e do que não fazer. Ah, dormir ou acampar em via pública é pedir pra se dar mal, evite isso ao extremo.
  9. Ah amigo, primeiro de tudo, muito planejamento para não passar perrengue, ter um plano B, C, condições de voltar para a segurança do lar, etc. Romantizam muito essas experiências em filmes e livros, mas a realidade pode ser uma verdadeira bofetada na cara de quem subestima esse mundo frio e cruel Segundo, vc precisa definir o que quer, mochilão dentro do seu estado? Dentro do país? Internacional? Não definindo isso muito bem fica difícil de sugerir, mas assim, como vc tem experiência zero com mochilão, comece pequeno, se vc mora num estado rico em cidades e atrações, poderia começar visitando o interior do mesmo, é uma experiência bem válida e já lhe dá uma noção da atividade. Vc pode começar pequeno com outro estado também, mesmo não conhecendo nada sobre o mesmo. Ano passado fui para RS sem nunca ter pisado lá, sem transporte próprio nem nada. Foram duas semanas bem bacanas indo pra lá e para cá. Vc definindo um bom ponto de partida, veja que no fórum tem a seção "companhia para viajar", onde vc pode ver se há pessoas interessadas para o mesmo destino que vc. Mas não subestime uma viagem sozinho, vc irá conhecer pessoas interessantes ao longo do caminho, principalmente se for do tipo que faz amizades fácil. Defina um estado dentro do país (até pq vai ser difícil sair do Brasil nos próximos meses em função do pós-pandemia em muitos lugares), defina o tempo que pretende ficar fora (um mês, algumas semanas?), e estipule um orçamento que vc pode dedicar a essa estadia fora (leve em conta hospedagem, transporte e alimentação, os 3 gastos básicos). Uma boa é jogar essas informações em uma planilha do excel simples, para organizar essas infos e ter uma noção do que vc irá fazer, por quanto tempo quer fazer, e quanto poderá gastar. Sabendo onde vc pretende fazer esse mochilão, estude mais sobre os destinos possíveis (que cidades ou atrações são interessantes de conhecer nessa região? O transporte é fácil de arrumar nessa região? Qual a melhor época para ir, para eu não pegar nada fechado ou não passar frio ou calor excessivo, ou pegar chuvas diárias?) Para isso sites não faltam: google, google maps, tripadvisor, os relatos do fórum... E por fim, analise o quão fácil (ou difícil) é voltar para seu lugar de origem em casos de imprevistos (vamos supor, Deus que o livre, vc seja assaltado e perca tudo, ou sofra um acidente), e ver quais as opções. Enfim, parece complexo a princípio, mas é uma experiência bem divertida e gratificante. E dá para fazer sozinho de boa. Qualquer dúvida, estamos (os membros do fórum) aí para ajudar! Bons ventos!
  10. Antes de tudo, acho que seria mais "logístico" para sua coleta e análise de dados se vc preparasse um formulário do Google mesmo, se vc tem as hipóteses e as possíveis respostas na ponta da língua, ficaria mais fácil organizar isso num questionário, montar um gráfico, etc. Não desmerecendo os depoimentos em um site de viagens, claro. Agora a sua pergunta. Para mim o principal diferencial desses serviços é a praticidade e inovação (na época, uma vez que airbnb e uber já estão presentes na sociedade há um tempinho). O mundo evolui e as tecnologias e inovações precisam atender as demandas da sociedade, ao passo que torna as alternativas previamente existentes obsoletas. Taxi pra mim é caro, arcaico, e estressante. Hotel nem sempre está a um preço justo, muitos hotéis bons não se adequaram aos meios digitais, ficando no anonimato, e nem sempre temos aquela flexibilidade de datas e horários em função das temporadas. Uber veio pra ficar e revolucionar o conceito de transporte por terceiros. Sobre o airbnb, mesma coisa: uma alternativa que torna o conceito de hospedagem mais prático (feito na palma da mão), barato e mais livre de burocracias derivadas da hospedagem tradicional (e até isso tem mudado com os serviços de hospedagem digital como o booking e afins). Resumindo, inovação, praticidade e atendimento a novas demandas da sociedade.
  11. Vindo de quem endeusa estatização, e quem acha que o socialismo/comunismo foram as coisas mais maravilhosas que existiram no mundo, não duvide de nada amigo! Em todo o caso concordo com o ponto do @poiuy e do @Davi Leichsenring . (quase) todo mundo está sentindo na pele uma situação atípica no mundo, e se a companhia falir o cliente também quebra (por mais que eu ache que as companhias deveriam aprender a ter um pouco mais de humildade sentindo na pele o que é sofrer com burocracia e dinheiro apertado). A questão é de lógica, não política.
  12. Salve! Todas as 3 são boas barracas, então vamos lá A apolo tem uma montagem um pouco mais complexa que as demais (mais varetas, montagem do sobreteto diferente com avanço e tal), fora que ela é pesada (quase 5kg). Pra criança montar é meio complicado se formos comparar as 3, e também não pode ser carregada por grandes distâncias. A coleman tem uma montagem mais fácil, mas pelas especificações dela, vendo nuns sites de artigos para camping e tal, ela é ainda mais pesada que a apolo (5,2kg no arco e flecha). Eu torço um pouco o nariz pra marca pq já tive incidente com uma barraca, mas pode ser que essa barraquinha atenda bem. A azteq é a melhor das três se formos levar a marca em consideração, que é confiável. A barraca é facil de ser montada. Tem um avanço básico, é clara (ajuda a repelir calor de dia e na localização de noite), enfim. E é a mais leve (4kg) Por mim vc e as crianças serão felizes se adquirirem a coleman ou a azteq, mas pessoalmente ficaria com a azteq. Em todo o caso se puder ter a oportunidade de ir numa loja física, peça para ver uma montada, e tire sua conclusão.
  13. Minas Gerais, seguindo meu roteiro, ou Goiás (aproveitando que a ida e volta são de Brasília), caso Minas permanecer restrito por causa dos coronas... 😅 é um estado que preocupa pelos baixos números oficiais.... Parar, jamais.
  14. Penso que ainda é MUITO cedo para se pensar em viagem para o exterior... alguns colegas acima já resumiram muita coisa que eu falaria, mas enfim, melhor acrescentar e apoiar o que foi falado aqui. Agora que o mundo está atingindo o pico desta pandemia, e já se fala em uma "segunda onda" em alguns lugares, até porque no segundo semestre o inverno atingirá lugares até então com temperaturas mais amenas (e além do COVID, outras doenças de inverno se manifestarão, pressionando ainda mais os sistemas de saúde de muitos países). Isso fora a possibilidade de acontecer mais um acontecimento de grandes dimensões no planeta, nesse ano! O Brasil está momentaneamente queimado no mundo, por vários motivos, como vc pode acompanhar nos noticiários. Acredito que será uma questão de tempo até você considerar turistar em algum lugar de fora. E ficará assim enquanto a poeira da pandemia e do pós-pandemia (lembrando que fatos que ocorrem dentro e fora do país influenciam na dinâmica do dólar) não baixar. Afinal, é certo de de que teremos uma crise econômica, e acredito que o país enfrentará de bônus uma crise política forte em função das polêmicas do governo, alguns estados, etc. Mas enfim, diferente de uns, prefiro não politizar um fórum de viagens e vou parar por aqui. A questão é que o momento pede cautela nos gastos, não sabemos como as companhias aéreas vão reagir a esse período de prejuízos, não sabemos se o setor hoteleiro vai mudar algum padrão no atendimento, e acredito que os pontos turísticos vão lotar de pessoas estressadas pelo confinamento. Talvez organizar viagens dentro do país seja o melhor, no momento, até para fomentar a economia local, como um colega falou em cima. E fugir dos lugares "batidos". Se reinventar e conhecer lugares ofuscados pela grama mais verde dos vizinhos.
  15. Não é a melhor, mas não é a pior. Falam muito da Nautika, mas se fosse levar tudo ao pé da letra estaria falido pq teria que comprar tudo do bom e do melhor para atividades que não exigem equips tão técnicos assim. Tenho uma NTK laguna 60lts desde 2017, uso até hoje para diversas situações e a bichinha não decepcionou até então. E a intruder tem uma semelhança em termos de aparência. Vai muito do uso que vc irá dar a ela, se for encher de peso e materiais que podem danificar o tecido (por exemplo vc viver de tirolesa ou rapel e encher ela de equips), pode diminuir a vida útil, sim, mas caso vc for zeloso com ela, não testar os limites de volume e peso e não usar diariamente, então a chance dela durar anos com vc é grande. Ou vc pode dar um puta azar de pegar uma mochila defeituosa. Em todo o caso é um custo-benefício razoável se vc não tiver como comprar pela internet ou não tiver uma Decathlon na sua cidade. Comprei a minha de 300 e pouco na época, e honestamente não me arrependo, embora tenha condições e sinta vontade de tirar uma melhor hj em dia. E ah, como a sua é de 45 litros, é garantia quase certa de que não vai precisar despachar ela no avião. Outro ponto positivo
×
×
  • Criar Novo...