Ir para conteúdo

willian porto

Membros
  • Total de itens

    9
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

31 Excelente

2 Seguidores

Últimos Visitantes

441 visualizações
  1. De Kombi de Belo Horizonte para Machu Picchu # SQN! - 8ºparte - NOVO PLANO !!! Boa noite, Galera!! Continuando... Após já devidamente acomodados no Hostel/Hotel de umas senhoras muito simpáticas, estávamos todos muito cansados. Porém, era outra sensação que tomava nossos corpos, a raiva e revolta.(MUITA, MAS MUITA RAIVA), ficamos por muito tempo pensando no que tinha acontecido até ali, cada momento desde que saímos de Belo Horizonte/MG até aquele momento em Corumbá. E quando se esta com os nervos a flor da pele, os momentos bons infelizmente são suprimidos pelos momentos ruins, e estes foram muitos. De modo geral a raiva era incumbida aos policiais bolivianos, que se aproveitaram da situação para tirar vantagem, mas também ficamos putos com o advogado boliviano do consulado e a advogada que não tinha nos atendido, isso no momento em que mais precisamos (aeroporto de Viro-Viro), sobrou até para o governo brasileiro por deixar a sua parte da fronteira livre de qualquer tipo de ajuda, ou funcionários para avisar sobre os riscos. Mas também não somos tão idiotas, a ponto de não ter raiva de nós mesmo por não ter olhado sobre os risco de viajar para Bolívia de carro (Até esse momento da viagem ninguém tinha se lembrado, que a primeira coisa que fizemos em nossa primeira reunião, foi averiguar todos os documentos necessários para fazer a viagem, não só documentos mas também equipamentos exigidos de forma especifica de cada país "Bolívia e Peru". Só depois que chegamos em BH/MG é que lembramos de um e-mail onde continha todas as orientações, inclusive um aviso do próprio itamaraty, em que alertava sobre o risco de passar pela fronteira sem realizar o visto de entrada. Também descobrimos que este documento só pode ser exigido 300 km depois da fronteira, ou seja, alguns momentos de tensão durante a fuga foram totalmente desnecessários. De toda forma, havia culpa da policia boliviana, pois no limite destes 300 kms tem uma barreira, que tem como dever informar sobre a necessidade do documento "registro de entrada" e mandar os viajantes voltarem a fronteira, para que o façam, mas isso não ocorreu no nosso caso). Depois de um tempo debatendo sobre oque fazer(sem ter resolvido nada) nós fomos dormir, até porque, foram dias intensos e era mais do que necessário e merecido dormir sem o medo de ter a interpol batendo na porta de madrugada. (risco que de fato existiu) De manhã, fomos agraciados por um belo café da manhã feito pelas donas do hostel. Como já disse antes, elas foram muito simpáticas e gentis com todos nós. (creio que isso ficou muito marcado, pois não foi em todos os estabelecimentos da Bolívia que houve um tratamento acolhedor, que é muito tipico de brasileiro) Só para que possam ter uma ideia, uma das senhoras, após ver uma toalha molhada ( que salvo engano era do Pavão) pegou a toalha e disse que iria botar para secar, mas na verdade lavou a toalha e o entregou depois, mas já estava seca e com amaciante (tratamento de mãe). Por coincidência, a filha de uma das senhoras, estava lá no hostel também. E ela tinha uma fazenda/pousada em algum lugar do Pantanal, devido a nossa situação de incerteza sobre onde ir e oque fazer, recebemos a proposta de ir para a tal da fazenda, mas claro que havia um preço, não me lembro bem, porém era caro devido a dificuldade de chegar ao lugar, que já foi até visitado por uma equipe de reportagem da TV GLOBO (parece que la tinha um tamanduá bandeira, que tinha alguns hábitos de humanos, entre eles tomar banho). Ela tinha até um vídeo de apresentação do lugar, que era muito bonito, no entanto a grana que nunca foi muito, ia acabar se fizéssemos esse rolé. Novamente reunidos no quarto, pensamos em nossas possibilidades que foram; a) Tentar chegar no Peru pelo Acre.(Que seria muito doido, mas havia diversos riscos como; indígenas extremistas, estrada horrível e acabar a grana ) b) Voltar para a fronteira com a Bolívia e fingir que nada tinha acontecido e atravessar até o Peru.(Parte dos caras estava com trauma de voltar, tinham medo até da palavra "Bolívia") C) Acabar com a viagem ali mesmo, e voltar para casa.(só foi levantada mesmo para ser votada, mas ninguém comprou) D) Achar outro lugar dentro do Brasil para ir. ( não foi fácil devido a diversidade de opções) No final, após uma longa discussão e a opção A e D serem as duas mais votadas, fomos pela ultima opção. Como forma de tentar reaver parte do prejuízo, tentamos cancelar nossas entradas a MACHU PICCHU, graças a Deus conseguimos a devolução de uma parte da grana. Agora nossa meta era descobrir para onde ir, alguns queriam ir Chapada dos Veadeiros, Chapada diamantina, entre outras. Mas no final das contas, decidimos ir para a Chapada dos Veadeiros e depois ir para Chapada Diamantina. Como teríamos um longo caminho a percorrer, entramos em contato com um brother de Brasilia/DF perguntando se poderíamos ficar la por uns dias, era caminho para a Chapada dos Veadeiros, então seria uma ótima parada a ser feita. É até irônico em pensar que saímos de BH/MG para conhecer mais do mundo fora do Brasil e acabamos por ir na capital do nosso país. Como era uma viagem longa, tipo muito longa (uns 1.200 kms) de Corumbá/MS até Brasilia/DF resolvemos por pegar a estrada o mais cedo possível, mas acabamos mesmo é saindo de Corumbá umas 17:00 com o bigode no volante. Bem como os outros caras estavam muito felizes por estarem no Brasil, em segurança e LIVRES, eles foram bebendo quase os 1.200 kms todos, após pegar a BR, a KOMBROZA se tornou umas boate, nossa caixa de som tinhas umas luzes, e era bem potente, oque deixou a kombi como uma boate ambulante. Acho que os caminhoneiros não deviam entender nada do que estava passando por eles na estrada. Abaixo algumas fotos e videos de nosso trajeto de doido; VIDEOS -------->>> 20170721_215946.mp4 // 20170721_212154.mp4 // 20170721_202034.mp4 <<<--------- Quando o álcool bateu mesmo na galera, alguns saíram da kombi(após parar no acostamento) e correram no meio da BR pelados e fazendo bunda le le (sem não nenhuma), outros ficaram como bois, dando cabeçadas na kombi sem o menor sentido( se fosse drogas, provavelmente não teríamos voltado vivos) e assim foi nossa viagem a Brasilia, Música, bebida e muita curtição. Após um bom tempo no volante, bigode me passou aquela incumbência e foi tocando até de manhã quando vi um posto de gasolina já em Goias, como tava morrendo de fome parei para comer alguma coisa, e logico que os outros caras fizeram o mesmo. Sentei em uma cadeira dentro de uma lanchonete no posto, e aos poucos os caras foram aparecendo, cada um com uma cara pior de ressaca, depois só ficou faltando o Pavão que estava demorando. Quando esse sujeito apareceu na porta do lugar, extremamente revoltado, mancando e com uma mão tampando a boca, com muita indignação em sua fala, ele nós perguntou oque tinha sido feito com ele. Ninguém entendeu nada, pois não sacaneamos ele, ou qualquer outro do grupo, . Até que ele tirou a mão da boca e disse" MANO!! ALGUÉM QUEBROU O MEU DENTE!!!!" (Vei o cara tava com um dos atacantes pela metade ) não tem base nesses caras, e é claro que ficamos rindo igual a uns idiotas por um bom tempo, da para acreditar que o cara bebeu tanto que não sabia como tinha quebrado o próprio dente, como se não fosse o bastante ele ainda arrebentou um dedão do pé. Bem após rir muito daquela situação inexplicável que o Pavão se encontrava, pegamos a estrada novamente, eu ainda dirigindo. De modo geral, o trajeto Corumbá até Brasilia foi feito por Eu e o Bigode, os outros estavam muito cansados ou de ressaca, mas foi muito tranquilo, além de cada um pegar uma pedaço do caminho, paramos algumas fezes para descansar e tomar um café, que sempre era oferecido por um caminhoneiro que estava nos postos, comecei a respeitar muito mais essa classe de trabalhadores, pois foram muito amigáveis em todas as vezes que paramos, oferecendo café, informando sobre a estrada e tudo mais. Bem após um longo trajeto e umas boas horas de viajem chegamos na terra de Renato Russo e outros. E achávamos que nossa aventura de perrengues tinha acabado!! Não sabíamos mesmo do que estava por vir... Mas isso era para outro dia!!! Até mais meus caros.
  2. De Kombi de Belo Horizonte para Machu Picchu # SQN! - 7ºparte - SUFOCO !!! Boa Noite, Galera!!! Continuando nosso relato... Bem, ainda faltava muito para sair daquele pesadelo, muita estrada a ser percorrida até a fronteira. Adentramos a noite com nosso Cap. Matchola no volante, mas após um bom tempo ele cedeu o lugar ao Pavão (era um dos mais assustados durante o período de nossa permanência ilegal, vindo até mesmo a ficar sem falar durante um dia, nos comunicávamos através de sinais. kkkkkkkk ISSO É SÉRIO). A troca dos pilotos foi durante uma para que fizemos para abastecer, e acredite se quiser, foi um dos momentos mais incríveis da minha vida! Não porque colocamos uma gasolina boa e barata, ou porque o Pavão só dirigia se estivesse escutando MOLEJÂO, RAÇA NEGRA e outros pagodes dos anos 90! Mas porque minha principal meta nesta viajem, era ver o céu do Salar de Uyuni, (abaixo uma imagem da internet) ! Oque infelizmente não seria mais possível. Mas de toda forma, do lugar em que estávamos abastecendo no canto da estrada, eu consegui ver o céu de uma forma inacreditável, pois nunca havia visto tantas estrelas, até mesmo posso arriscar dizendo, que dava para ver um pouco da via láctea. Meu Deus!! aquilo foi incrível, como se fosse uma despedida, até porque sair fugindo é uma sentença, pois estaríamos impedidos de voltar na Bolívia para sempre. Mesmo assim, nunca irei me esquecer daquela beleza incrível do céu, fechando os olhos em um lugar escuro, a lembrança fica quase como uma fotografia!! Todavia, era necessário seguir!!! Novamente na estrada, lombroso, bigode e ruru (esse ultimo só sabe que saímos de BH e voltamos, pois quase que dormiu a viagem toda), estavam dormindo. Assim, EU(como co-piloto), Matchola e Pavão (piloto) ficamos acordados a viagem toda, e graças a Deus fui assim!!! No meio da noite, pegamos uma reta e o Pavão estava andando bem, quando de longe avistamos uma corda atravessada no meio da pista, com um carro parado do lado contrário com o farol acesso,. Puta merda!! já deu aquele medo do cacete!!! quando chegamos mais próximos, deu para ver as bandeiras vermelhas na corda!! SIIMM MAIS UMA BARREIRA DA POLICIA BOLIVIANA!!!! O BUTICO FECHOU DE VEZ!!! Imagina passar por toda aquela merda e há uns 100 kms da fronteira, ser parado pela policia e ir tudo por aguá abaixo. Eu e Pavão que estávamos na frente, começamos a desesperar, Já fui logo mandando ele meter o pé e FODASSS!!!, mas a voz da consciência ( que naquele momento, era reproduzida pela boca do matchola) nos mandou parar, e isso foi oque fizemos!!! Com o coração na boca e o butico mais fechado que tudo, paramos a kombroza!!! Não tinha como não pensar em ser presos, perder a kombi, entre outras coisas que poderiam nos acontecer. QUE MEDO DO KARAiiiiiI!!!!! Do outro lado da pista (sentido contrário) havia um policial e um carro, porém este carro estava sendo "revistado" pelo policial, que ao notar que tínhamos parado, jogou a luz de sua lanterna para a nossa direção (novamente aquela tensão da porra, paralisando o corpo todo). Até que a corda com as bandeiras vermelhas foi baixada (oque significava que era para seguir). Nesse momento, Pavão desesperou foi jogar a primeira, mas ela não entrou e como ele pisou no acelerador, teve aquele ronco alto da aceleração com a kombi parada.(QUASE TIVEMOS UM INFARTO COLETIVO) Então matchola e eu gritamos para ele acelerar e sair, e graças a Deus foi oque ele vez, neste momento lombroso e bigode acordaram assustados perguntando sobre oque tinha acontecido (oque era normal), mas o inacreditável!! foi que o Ruru continuou dormindo, como um bebe recém nascido!! Não tem base nesse cara!!! Mas como susto pouco é bobagem!!! depois de uns 50 kms daquele barreira, eu e pavão avistamos uma fila de carros parados, no sentido contrário e um sujeito uniformizado parado com uma placa/bandeira no meio da estrada!!! PORÉM!!! não havia " corda com bandeiras vermelhas" oque para nós foi um sinal " quase de Deus" dizendo "mete o pé e some" kkkkkkkk. E fizemos isso, o sujeito de uniforme virou para nossa direção e nos sinalizou com a placa/bandeira, mas passamos direto, como uma fecha que corta o papel no ar.(oque cara deve está lá até hoje, sem saber o que passou por lá). Seguimos nossa viagem, até que avistamos a fronteira a uns 100 metros de distância, ali já era em torno de umas 2 horas da manhã e todos estavam acordados. Após aquela olhada estratégica para ter certeza que não tinha ninguém (policia, fiscais e outros), demos o OK para que Pavão fosse rumo da saída. MALUCO, esse cara tava com vontade de sair daquele lugar mesmo!!! o cidadão acelerou a Kombroza de um jeito, que nem ela sabia que corria tanto, e com toda aquela ansiedade e velocidade, o cara nem viu um quebra-molas (GIGANTESCO) que tinha bem na saída, se eu falar que a kombi pegou voo, acredite não estaria mentindo!!! Quando tocamos o solo novamente kkkkkk, já era BRASIL!!!!!! JESUS que emoção, nunca ficamos tão feliz de ver um posto da receita federal kkkkkk. Após xingar todos os palavrões existentes (como uma forma de exaltação de alegria), fomos parados!!!! Mas desa vez por um fiscal da receita federal brasileira, que nos mandou descer. Ele fez algumas perguntas básicas, e olhou para a kombi com todas aquelas coisas, comida, roupa, panelas, fogão, bujão de gás e o caralho a quatro, nos mandou tirarmos tudo que estava la dentro. Em qualquer outro momento iramos reclamar muito disso, mas aquela hora era tanta alegria que dava para descarregar um trem !!! Entretanto, Brasil é Brasil!! O cara da receita, era um senhor de idade (uns 50 e poucos anos), então jogou a luz de sua lanterna dentro da kombi e nos disse para deixar pra lá, pois não iria gastar sua noite toda olhando aquela bagunça kkkkkkkkkk. Então seguimos rumo ao centro de Corumbá, pois agora a meta era arrumar um lugar para dormir!!! Mas as 03:00 da madruga????? dormir aonde???? Por muita sorte e Deus!! achamos um hostel para ficar a noite, na verdade era uma casa e quando chegamos fomos atendidos por umas senhoras de camisolas, que visãokkkkk Senhoras fantásticas, que foram muito receptivas e carinhosas. fomos tratados como filhos por suas mães. E imagina receber essa tipo de tratamento após aquele sufoco todo. Antes de dormir ficamos pensando em nossa situação, oque iriamos fazer para onde iriamos ir!! Tínhamos algumas opções, ir para o Peru pelo Acre, desistir da viagem e deixar para depois, ou fazer um outro roteiro!! Mas isso eu continuo amanhã!! Só posso pedir que vejam este vídeo que segue. ---------->>>>>>> 20170721_170039.mp4 <<<<<<<<------------- Um pouco da vista da Bolívia, pelo lado de Corumbá/MS.
  3. De Kombi de Belo Horizonte para Machu Picchu # SQN! - 6ºparte - A FUGA!!! Boa Noite, Galera!! Inicialmente gostaria de pedir desculpas por não ter terminado ainda de contar sobre a viagem. (e ainda mais desculpas por não me justificar). De toda forma... Bem! após já ter toda a documentação para legalizar nossa situação, fomos direto a imigração para realizar os procedimentos necessários. Tivemos que pagar uma multa, que salvo engano, ficou em torno de R$ 150,00, por ter entrado ilegal. (JUSTO)!! Assim, que nossa situação pessoal foi resolvida, foi a vez de solucionar nosso maior problema, que era a KOMBROZA!!! Como já foi dito em um post's anterior, para resolver a situação da kombi, seria necessário ir até o aeroporto de Viro-Viro, que ficava a uns 30 kms de Santa Cruz. E como só o proprietário do veículo poderia resolver a situação, o matchola e o bigode foram selecionados para essa missão. No aeroporto de Viro-viro... Matchola e bigode, foram seguir as orientações passadas pela advogada do consulado. Porém não estavam conseguindo informação com nenhum funcionário do aeroporto, sobre o documento que deveria ser feito para regularizar a situação da kombi. Após um tempo já andando pelo aeroporto, naquele esquema "não é aqui, mas tenta em tal setor, ou com tal pessoa" eles conseguiram conversar com um funcionário que sabia, ou pelo menos, tinha noção sobre o documento necessário. MAAASSSS!!!! como nossa sorte havia tirado férias!! No exato momento em que o o funcionário se lembrou de que documento se tratava, nossos guerreiros (Matchola e Bigode) foram surpreendidos por um policial boliviano, que os abordou questionando se haviam ingressado na "bosta da Bolívia" sem fazer o registro de entrada do veículo, e não deu tempo para respostas, foi logo intimidando, perguntado sobre onde estava o veículo, de quem era, e dizendo que não poderiam fazer aquilo. Acometidos pelo medo de serem presos, ou de serem coagidos a levar o policial até o veículo, nossa dupla, deu qualquer desculpa esfarrapada para sair de la, e assim nos contactou (Eu, Pavão, Ruru e Lombroso) que estávamos em Santa Cruz, para ir até o consulado e conversar com a advogada, pois no aeroporto não deu para resolver nada. Já no consulado em Santa Cruz... Eu tentei conversar com o Vice-cônsul, solicitando ao mesmo que fizesse contato com a advogada para saber que providência poderíamos tomar. Mas no momento em que abordei o sujeito, ele estava sendo acompanhado por um outro cidadão, que por obra do destino, seria o chefe da nossa advogada, este tomou a frente e informou que a advogada teria se equivocado, afirmando que não existe qualquer forma de regularizar a situação de um veículo ilegal no país!! Que bosta né!!! Depois de receber esta bela notícia, o advogado que salvo engano se chamava Dr. Oto, me informou que iria conversar com o Vice-cônsul sobre oque poderia ser feito e depois iria nos informar. Então tanto o vice, quanto o advogado foram até um sala e ficaram um tempo conversando. Neste intervalo, nossa dupla (Bigode e Matchola) chegaram ao consulado, e nos relataram que havia sido tenso, que o policial tinha sido muito ríspido, e tudo mais. Após alguns minutos esperando, nós estavam pensando em tudo quanto é merda que poderia acontecer, tanto com a gente e com a kombi, até que começamos a pensar em oque iriamos fazer, entre as hipóteses tínhamos; a) seguir a viagem pagando propina b) seguir sem a kombi c) fugir da Bolívia pelo mesmo caminho em que entramos. Bem !!!! antes mesmo que isso fosse deliberado, o advogado saiu da sala e conversou com minha humilde pessoa, afirmou que não havia meios legais de solucionar o problema da kombi, mas que ele poderia nos ajudar. vejam vocês, que pessoa incrível e de bom coração. Este individuo que prestava, talvez ainda preste, serviço para o consulado, informou que poderia conversar com um amigo policial, e este ultimo poderia nos arrumar uma placa da Bolívia, e iria conosco até a fronteira com o Brasil, e após nos deixar do lado brasileiro, seria para nós voltarmos a fronteira como se nunca tivéssemos estado la, e desta vez fazendo o procedimento necessário e correto. Ah!! claro que isso não seria só um favor, pois teríamos que pagar em torno de uns 600,00 dólares pelo serviço, talvez até mais.!!! SERIO MESMO!!! PLACA FALSA, KOMBI ILEGAL, POLICIAL CORRUPTO!!! Neeeeeemm!!! Então disse ao "Dr. Oto" que iria conversar com meus camaradas, e depois de decidir iriamos entrar em contato, com o número que ele nos deu. Após o nosso "grande amigo advogado boliviano" virar as costas e sair do consulado, informei aos meus coleguinhas sobre a bela oferta, e de forma quase que automática, ou programada, todos nós olhamos uns para os outros, e dissemos; VAMOS FUGIR DESSA MERDA!!! É aquele velho ditado " ta no inferno, abraça o capeta"! Mas como estávamos com fome e tínhamos que comer bem, porque, como poderia ocorrer um prisão ou coisa pior, seria mais do que justo ter uma "ultima" refeição decente em liberdade. Assim, fomos até um shopping a uns 300 a 400 metros do consulado, na verdade era para ir até la, e decidir qual burguer king comer, mas ao adentrar ao shopping, percebemos que não havia o maravilhoso BK, porém tinha um puta restaurante brasileiro com o nome de FAZENDA. Sério mesmo, quando entrei no danado e vi a bandeira do Brasil, quase que saiu um suor pelos olhos, kkkkkk parece coisa de filme, mas quando esta nessas situações, qualquer coisa já é motivo para se sentir em casa. Depois que entramos ainda tivemos o conhecimento de que havia alguns brasileiros trabalhando por la, e estes foram incrivelmente gentis, ao melhor estilo Brasil. Momentos de descontração depois de comer um belo churras e bolar nossa saída clandestina da Bolívia!!! 20170720_152504.mp4 (sobre o vídeo - foi só uma brincadeira, pois em qualquer lado que fomos, tivemos que pagar propina, que apelidamos de "binte, binte, binte") Depois de encher o bucho, estava na hora de colocar nossa plano em prática, inicialmente seria necessário pegar a kombi que estava em um estacionamento próximo ao consulado e pegar nossas bagagens que estavam em um hostel/hotel próximo a algum lugar, que não tenho ideia de um ponto de referência. Para que tudo desse certo, nos dividimos dois para pegar a kombi e o resto pegava as malas, os cara que ficaram com a kombi teriam que abastecer com os galões de gasosa que tínhamos guardado, por isso kombinamos de encontra no estacionamento mesmo. Após pegar tudo, abastecer a kombroza e arrumar para sair, ficamos um tempo tentando obter um pouco do sinal do WI-FI do consulado para deixar no esquema os mapas no google e no Waze, grandes amigos de nossa saga. Quando estávamos para sair do estacionamento, avistamos uma galera que parecia ser da prefeitura ou algum órgão do governo, mano que medo no botão. eles foram andando em direção ao estacionamento olhando para nós, e estavam conversando com o dono do lugar, poderia não ser nada, mas para nós qualquer coisa era muita coisa. Ainda tive que pegar um pedaço de um pau para levantar uma lona que estava no portão, porque o bagageiro da kombi não estava passando, após isso feito, entrei na kombroza e seguimos em direção a fulga.kkkkk Que tensão da porra, todos nervosos com a situação, cada carro da policia que era visto, já servia de motivo para o coração disparar. Fizemos uma pequena parada em um posto de gasolina para abastecer, só que foi na malandragem, já que para estrangeiros o valor era diferente deixamos a kombroza um pouca afastada do posto e levamos os galões para abastecer, assim pagamos o valor que os bolivianos pagam (barato) não era nem R$ 2,00. Depois entramos na kombi, pé na estrada e aflição no coração. Você que esta lendo, te indico a fechar seus olhos e usar sua criatividade e pensar se como se fosse com você; Estava ilegal no país, e a poucas horas do pais de regularizar sua situação, já estava saindo de forma ilegal, com um veículo que para todos os efeitos estava pertencendo ao governo boliviano, pois conforme as leis da Bolívia após entrar com um veículo de forma ilegal, o mesmo seria automaticamente do governo, ou seja, você esta roubando e fugindo. O clima estava muito pesado, então decidimos colocar umas música, como meu celular estava plugado na caixa de som (que era chamado de lindenberg) tive que escolher alguma musica, então coloquei "liberdade para dentro da cabeça" do Natiruts, bem poderíamos ser presos kkkkkkkkkk. E serio parece que a kombi foi tomada de emoção e energias positivas, no até o "ar" que estava nos sufocando mudou. Mas isso mudou depois de uns 200 a 250 km, pois vimos uma barreira aquela primeira, de quando entramos entramos no país e pagamos 20 bols cada. Porém quando entramos era umas 2 horas da manhã e estava praticamente fazia e não sabíamos do risco que estávamos correndo. Agora, seguíamos uma fila de carros em nossa frente, com uma porrada de policial de cada lado e estava com sol ainda, pois era em torno de umas 17:30, fora o fato de ter ciência que havia um risco enorme no que estávamos fazendo e o medo que dominava o corpo de cada um. Havia ainda algumas pessoas na estrada, que estavam vendendo um monte de coisa (tipo os vendedores de aguá na BR), então ficamos fingindo que estávamos comprando assim, enquanto "negociávamos" eles encobriam um pouca da kombi, que era muita chamativa. Mas tenho que admitir que demos muita sorte, porque uma caminhonete prata, com placa brasileira, estava na frente, foi parada e depois levada para o canto da estrada. Meu Deus!!! que sorte!! na hora que estava chegando um policial próximo da kombroza. Com a parada da caminhonete no canto da estrada, todos os policiais foram para perto dela, oque liberou o caminho assim, saímos de la sem ser abordados e seguimos nossa viagem rumo a fronteira. Não aguentávamos de emoção, porque em nossa análise, só tinha aquela barreira antes da fronteira então não teria mais problema (em tese), o mais loco de tudo foi que após passar desta barreira, a primeira música a tocar na playlist foi " liberdade para dentro da cabeça" isso sem ninguém programar ou selecionar, foi incrível. Mas ainda faltava muita estrada, tipo uns 350 km, então seguimos aliviados, até que... Amanhã eu termino a contar sobre a fuga. Sério!! amanhã dia 09/01/2018.
  4. De Kombi de Belo Horizonte para Machu Picchu # SQN! - 5ºparte Boa Noite, Galera!! Continuando a saga... Acordamos bem cedo no outro dia, ou achávamos que era cedo, por volta de umas 07:30 e seguimos nosso rumo ao consulado Brasileiro! Bem, depois de ter caído a ficha de que estávamos ilegais, qualquer voltinha com a kombi era motivo de ter medo, e quando passava um carro ou moto da policia do lado, MEU DEUS!! aquilo era de travar o fiofó! Chegando próximo ao consulado, arrumamos um lugar na rua para estacionar a kombi, morrendo de medo que algum policial verificasse a placa, mas ao mesmo tempo tranquilos, pois como a parada da policia seria a grana, não iriam levar a kombi sem que nós estivéssemos por lá, para poder pagar aquele "binte, binte". Depois de deixar a kombi num canto da rua, entramos no consulado e como todo Brazuca que não tem o minimo de não das coisas, começamos a falar dos bolivianos, tipo da pior forma possível, lembro que alguém chegou no murinho que tem no consulado e ficou falando alto para o sentido da rua, "venham me pagar aqui dentro, bando de índio-japonês de pinto pequeno" se referindo especificamente aos policiais, mas isso foi por pouco tempo, logo quando entramos em uma sala de espera e pegamos nossas senhas, começamos a ter um pouco de medo e e de esperança ao mesmo tempo, o medo era de não conseguir resolver a situação e a esperança por que é a ultima a morrer mesmo, então nos agarramos nela. O primeiro a ser chamado foi o Cap. Matchola e o segundo foi Eu, mas isso foi da seguinte forma, o matchola estava sendo atendido por uma pessoa e eu por outra. Quando me sentei na cadeira na frente da servidora e vi que ela falava português muito bem e como foi muito educada, pensei que ela seria brasileira e já meti um "graças a Deus uma brasileira, não aquento mais esses bolivianos sem educação" porém depois de um tempo trocando ideia com ela, comecei a ter dúvidas de sua Brasilidades e tive vergonha da merda que havia dito. Mas vida que segue (ainda tenho dúvidas se ela era brasileira ou não), comecei a contar nossa história, falamos que passamos na fronteira sem registrar e tudo mais, só que como eu e os meninos combinamos em não falar da propina para evitar mais problemas, a servidora desconfiou um pouco, e depois disse que era meio estranho porque é muito comum que estrangeiros tenham o veículo aprendido, mas ter sido parado na barreira e ainda continuar com o carro seria novidade, na verdade ela nunca tinha visto um caso daquele tipo, nem ela nem qualquer outra pessoa daquele consulado. Mano, nós não só geramos problema, como ainda inovamos na confusão!kkkk né para rir não mas... Depois de pagar meus documentos, a servidora me pediu para pegar o do resto dos caras, pois ela iria verificar com o vice-cônsul qual modo iria ser possível resolver nosso caso, também nos deu um formulário para preencher, em pouco tempo ela voltou e disse que nossa situação pessoal seria tranquila, pois era corriqueira e entregou um passo-a-passo. Mais alguns minutos depois, fomos chamados a sala do vice-cônsul para trocar uma ideia, devido a sala ter três cadeiras somente o vice-cônsul pediu para que só dois de nos 6 fossemos conversar com ele, então Eu e o Matchola fomos lá, explicamos a situação e o vice disse que ele nunca tinha visto um caso daquele tipo, de pessoas que ainda estavam com o veículo, porque em todas as outras vezes a policia aprende e leva menos de uma semana para fazer o leilão. Mesmo assim, não contamos sobre a propina, depois ele disse que tinha ligado para uma advogada boliviana que atendia o consulado brasileiro, e solicitou que aguardássemos pois ela estaria chegando. Depois de 1 hora e meia de espera, ela chegou! não vou negar que ficamos um pouco impressionado, pois finalmente havíamos visto uma boliviana bonita, mas ficou só na visão mesmo rsrsrsrs. Já tava chato esse trem de repetir oque havia acontecido com a gente, mas graças a Deus alguém iluminou nossos caminhos. A advogada explicou que a situação da kombi seria muito delicada, e que só poderia ser resolvida após a nossa, que em tese seria fácil. Primeiramente como já nos havia sido dito, nossa situação pessoa não seria complicada de resolver não, era só seguir um procedimentos que ela havia anotado em um papel e boa, tais procedimentos continham; fazer uma declaração autenticada de que estávamos na Bolívia ilegais, ir até a imigração, pagar uma multa e depois pegar nosso registro. Após resolver a nossa situação viria aparte mais complexa, que seria o dono do veículo, no caso o Matchola, ir até a aduaneira do aeroporto de Viro-Viro , que é uma cidade igual confins(onde tem um aeroporto e só) e lá deviria pedir um documento para ser preenchido e posteriormente seguir outras diligências as quais eu não me recordo. Porém ela também afirmou/alertou/orientou/chamou atenção para NÃO IR ATÉ VIRO-VIRO COM A KOMBI, acredite se quiser... Saímos do consulado, cheios de esperança e fomos até o cartório mais próximo para fazer nossa declaração autenticada, mas como todo respingo de esperança sempre acaba, ao chegar no cartória solicitamos a tal da declaração e tendo em vista que o "pavão" estava quase cagando nas causas, deixamos ele fazer a dele primeiro. Assim que ele terminou, não me lembro quem foi o próximo, mas a pessoa do cartório se negou a fazer afirmando que só se era possível fazer a declaração quem tinha passaporte, como a Bolívia é um pais em que não se exige passaporte para brasileiros, o único que tinha o abençoado do negócio era o pavão(ele tinha pois hávia morado um tempo no Canadá e já tinha ido para os EUA), mano serio mesmo, que merda!!! Depois de um tempo tentando convencer a mulher do cartório a fazer com a identidade mesmo, não desistimos, ela não iria ceder então aplicamos as leis brasileiras para essas situações, FODAS!!!, vamos tentar ir na imigração sem essa declaração mesmo e boa. E assim seguimos viagem, pegamos um Taxi e boa, Ah! nos seis em um carro normal(de 5 lugares) isso é 4 lugares pois o motorista já ocupava uma vaga, então ficou assim; 20170719_130138.mp4 Depois disso ninguém mais reclamou que KOMBI estava apertada. Chegando na imigração ficamos amigos de uma galra, uns brasileiros galera bem legal!! Todos ficavam assustados por nosso role de kombi, achavam bem engraçado e tal, mas depois de saber que entramos ilegais na fronteira, todos rachavam de rir de nossas caras!! Mano sabemos que foi burrice, mas isso será melhor explicado mais adiante. Depois que começamos a conversar com a galera, ficamos sabendo de algumas coisas que nos assustaram ainda mais. Uma mulher tinha ido para la com sua filha, porque ela ia estudar medicina por la(devido a ser mais barato), então ela e a filha se hospedaram em um hotel, só que quando foi na parte da noite a policia e a Interpol chegaram lá tocando o terror mesmo, tipo mandando abrir a porta e revistando as paradas e tudo mais, tipo aqueles filmas americanos quando procuram terroristas. Maluco depois que essa mulher contou isso, o medo que já era grande até aumentou, então um outro brasileiro que tava lá, orientou que a tal da declaração era imprescindível para os demais procedimentos. Então deixamos o pavão por lá e fomos resolver nossa situação. Como desconfiamos da mulher que não quis fazer a declaração com a identidade, saímos iguais a idiotas procurando um cartório que aceitasse fazer a porra da declaração com o RG, não me lembro agora se foi nesse dia mesmo, ou se foi em outro que conseguimos fazer, só me lembro que foi outro golpe porque, foi caro pra cacete o valor, e ainda vi uma paquinha em que falava que o valor era bem inferior ao que pagamos. salvo engano o correto seria uns 15 bols e pagamos 80 bols, não reclamos porque já estávamos fudidos mesmo e ainda tinha um cara com a camisa do exercito la no cartório (oque fez trava o fiofó novamente). Bem vou indo dormir, porque olhei no relógio e vi assustado que são 03:58. Depois continuo.... Abraço!!
  5. De Kombi de Belo Horizonte para Machu Picchu # SQN! - 4ºparte Boa Noite, Galera!! ! ! Primeiramente gostaria de pedir desculpas pelo tempo em que fiz esperar, mas não tenho tanto tempo disponível. Mas vamos ao que interessa. Como tinha dito anteriormente as coisas não estavam boas para nós... Nesta ultima barreira a caminho de cochabamba, fomos parados e e MUITO intimidados pelos policiais bolivianos, ao ponto de ficarem mostrando armas, até mesmo fotos de pessoas mortas, afirmando que estávamos ilegais e que iriamos ser presos. Para nosso grande azar, uma semana antes de nossa chegada a Bolívia, supostamente um grupo de 4 brasileiros teriam tentado assaltar uma loja de joias por lá. Mas a coisa não terminou bem, houve troca de tiros, morte de uma refém e um policial de patente alta. Devido a isso, acreditamos que qualquer raiva que os bolivianos pudessem ter sobre estrangeiros, especificamente brazucas, estava bem pior. Contudo, o policial nós chamou para fora da kombi e mandou ir até uma guarita ao lado da estrada, e ele que estava do lado de fora pegou nossos documentos e mostrou para outro que estava la dentro, vez ou outra, eles trocavam alguma ideia de forma mais escondida. Depois de um tempo ele saiu e conversou com alguns de nós, explicando como funcionava uma fronteira, isso de uma forma bem detalhada(desenhando msm, praticamente chamando cada um ali de burro). Até que toda aquela intimidação começou a ficar familiar, ele começou a conversar com nosso mestre Matchola e o assutado Pavão sobre formas alternativas de irmos embora! $$$$$$$, isso mesmo meu povo money, cash, grana(acho que grande parte dos problema por la são resolvidos assim). Então começou a negociação para nossa "pseudo" liberdade, até que chegamos a um valor, que seria 200 bols por pessoa , no total de $ 1.200,00 bols. O policial aceitou a grana! mas depois de uns 5 min com o dinheiro virou-se para nós e perguntou: - E o Coche??? vão embora andando?? a pé?? Mano!! na moral que raiva daquele filho da *&¨&¨%$, sério mesmo! sabemos que agimos de forma bem imprudente e ilegal(que será explicada mais a frente), mas se aproveitar daquela forma era canalhice demais. Então começamos a questionar, falando que isso não estava no "acordo", que seria algo injusto(eu sei que falar de justiça nessas situações não é muito louvável), mas ele era a P.U.L.I.Ç.A naquele pais, e iniciou a agir como um policial, foi em direção a kombi e ficou olhando ela por dentro e por fora, pedindo para que fosse aberto alguns compartimentos, e começou a questionar se não teríamos um "cigarrillo" , afirmamos que não tinha (e não tinha nada mesmo, nem cigarro ou seus semelhantes), até que ele de forma muito pilantra disse: -Se eu quiser, eu encontro hein!!!! Cara, você já esteve em uma situação de merda e viu ele piorar?? pensamos na hora, que o infeliz iria colocar algum tipo de droga ali e nós prender por trafico, nesse momento o rabo foi pro cu msm!!! enquanto isso passava por nossa cabeça(pelo menos da maioria), nosso grande mecânico Lombroso, apresentou uma garrafa de cachaça que tínhamos na kombi para o policial, que cheirou e disse que deveria esta ótima. (serio que maluco são esses, nesse momento tranca fiofó, mostra uma garrafa de bebida alcoólica para o policial, de um pais onde NÃO SE PODE ANDAR COM BEBIDA NO VEÍCULO, tudo indicava um tour pelas delegacias locais). Mas por fim, pagamos mais $ 200,00 bols pela judit(kombi) e metemos o pé, antes de sair o policial informou que não poderíamos seguir viajem, ou seja era momento de voltar até Santa Cruz, o mesmo sujeito explicou que teríamos que regularizar nossa situação e só depois poderíamos continuar a viagem. Voltando para Santa Cruz de la Sierra é que nossa ficha caiu msm, de fato estávamos ilegais, com um medo/ódio da porra da policia local, para piorar nossa situação pegamos um engarrafamento sem noção nenhuma, oque atrapalhou nossos planos. Nossa ideia, seria voltar para Santa Cruz ir até o consulado e resolver nossa pendencia, mas não deu muito certo. Chegamos na cidade muito tarde, já estava anoite, qualquer chance de encontrar o consulado aberto havia ido para o saco, então tentamos encontrar um local para usar a internet, já que ninguém tinha. Ai achamos um Burger King, isso foi lindo!!! tinha comida, internet e banheiro tudo no mesmo lugar! se vc já esteve em uma situação de merda, sabe que isso não tem valor.kkkkkk Decidimos que a primeira coisa a fazer seria encontrar um lugar para dormir, já que iriamos ter que ficar la, e não dava para dormir na rua novamente. Achamos um hostel por um aplicativo de celular e depois de comer seguimos nosso rumo. Depois de saber que vc está ilegal não é a mesma coisa, começa a pensar que todo carro da polia que esta na sua frente vai te para e cobrar uma grana,rsrsrs. Chegando ao bairro do hostel, demoramos um pouco para achar o lugar, serio tava escondido pacas, então começamos mesmo a pensar que era tipo prison break, escondendo de tudo e todos. O hostel não era dos melhores, tivemos que nós separar em dois quartos, uma tinha lugar para 4 pessoas e o outro tinha lugar para 2, só um quarto estava com o chuveiro funcionando. O banheiro de ambos eram apertado para o cacete, veio sou gordo!! tinha que usar logística para entrar e sair do banheiro. kkk(sério!!). Bem, como estávamos preocupados pra cacete com a nossa situação, resolvemos sair e encher a cara, andar bêbados na rua e zuar nas boates locais!!!!!! Mas Isso só foi feito mesmo por dois integrantes. Em modo geral acho que todos nós somos muito idiotas/imprudentes/malucos/sem noção. Enquanto os dois "sem noção" estavam no role deles, eu descobri na internet que a embaixada do Brasil, tem um serviço de urgência 24h via Whatsapp, inicialmente achei isso incrível e útil !!. Menos para nós! pois quando perguntei sobre oque fazer, tive como resposta " procure o consulado amanhã de manhã", então peguntei sobre o endereço do consulado, tive como resposta " procure no site do consulado", bem !!! Br é Br!! Enquanto isso o resto de nós que estávamos no Hostel, ficamos preocupados com os dois malucos, porque tipo, no meio daquela confusão toda eles realmente foram para uma boate, cujo o nome acho que era "Papichulo" foram por volta de umas 21:00/22:00, mais ou menos isso. ficaram lá até tarde umas 02:30 e depois acho que voltaram uma parte do caminho andando até o Hostel. Nos fazemos bastante isso aqui em BH, voltar andando bêbados de algum lugar, não que seja perto, e sim porque estamos bêbados! Mas em outro pais, em que você está ilegal, sair na parte da noite e voltar andando chapado, e pelo que sei ainda deram um role dentro córrego que tinha por la. Ai já é idiotice em outro nível! Não dá!!! Ah! não contei isso antes, porque não tinha lembrado se os alguém tinha ido mesmo na boate, mas me recordaram isso, os "sem noção" foram o Ruru e o Lombroso. Outra coisa que aconteceu e eu não tinha me lembrado, é que em um determinado momento dessa ultima barreira policial, que era extremamente ridícula, devido a ser sinalizada por uma corda cheia de bandeiras como as de festa junina. Um dos moradores da região havia se aproximado da kombi no memento em que o policial tinha se afastado, e nos questionou do porque não pagávamos para ir embora, então explicamos sobre a situação dos valores e ele (morador local) ficou indignado, mas tipo muito indignado, afirmando que aquilo era um absurdo e que os policias bolivianos são extremamente pilantras. Então era hora de dormir, porque a saga da regularização estava para começar no dia seguinte... E falando de dormir, eu vou nessa!! Vou tentar escrever até sábado agora, mas não é nada certo. Obrigado e boa noite!!
  6. De Kombi de Belo Horizonte para Machu Picchu # SQN! - 3ºparte Continuando nossa epopeia!!! Na parte da manhã em torno de umas 08:30 as 09:30, os caras que estavam dormindo foram acordando e eu continuei dando uns "roles" pela cidade, ou melhor em torno da praça em que havíamos dormido, fiquei vendo a cidade acordar, seguindo sua rotina e costumes. Não há como não notar algumas diferenças entre nós brazucas e os bolivianos. No centro de BH as 07:00 já esta quebrando o pau, em Santa Cruz só vi gente saindo na rua mesma lá pelas 08:00, mesmo assim foram poucas pessoas. Mas acredito que seja devido a baixa temperatura, que a cidade inicia sua rotina mais tarde. De toda forma, vamos voltar a nossa história... Como eu estava andando pela cidade, aproveitei para fazer uma cotação, para posteriormente trocar a grana e continuar a viagem, mas todas as casas de câmbio só abrem em torno das 09:30 (como todo o comercio local), depois de muito perambular, descobri que havia uma rede de Wi-Fi aberta na cidade, acho que era de uma empresa de telefonia local tipo a vivo, que deixava aberto o sinal como forma de propaganda, mas tinha que fazer um cadastro antes (bem simples msm), aproveite e fiz um vídeo para avisar a galera da nossa família que estava tudo bem, e depois de alguns minutos descobri que o acesso ao respectivo wi-fi era por tempo limitado. Depois andei, mais um pouco (galera! quando eu digo que andei, era tudo em circulo msm, em torno da praça, kkkk) até abrir a casa de câmbio. Os preços eram quase o mesmo tipo R$ 1,00, valia em torno de uns 2.10 "bols ou bolivianos" era como alguns chamavam a moeda boliviana, e 1,00 dólar, equivalia a uns 6,00 "bols". troquei uns R$ 100,00 e voltei para a kombi. Quando cheguei chamei os caras para irmos logo trocar o resto da grana (eu tava doido para chegar no Salar), só depois percebi que nem todos estavam na judit, então perguntei pelos demais brothers, descobri que tinha ido dar uma volta também e o outro estava no museu do lado onde estacionamos, achei estranho porque este cidadão não é la nenhum admirador de arte , mas logo foi saber que tava la para usar o banheiro mesmo.(ideia esta que foi compartilhada por outros de nós posteriormente) kkkkkkkk Depois todos reunidos novamente, estávamos conversando em frente a kombi quando um policial mandou tirar ela daquele local, pois seria proibido estacionar. Então para evitar problemas, tiramos ela de lá. Mas para adiantar, só o "Pavão" foi na kombi, assim o resto de nós iria trocar o dinheiro BR para a grana boliviana. Depois de já ter trocado o dinheiro, seguimos em direção a judit, que agora estava do outro lado da praça e para nosso susto o "pavão" estava com uma cara de assustado, sendo intimidado por um policial, corremos para saber que q tava pegando. O policial havia pedido os documentos da kombi e o do motorista, estavam sem nenhum problema, mas o mesmo policial começou a pedir um outro documento, dizendo que estávamos estávamos ilegais, tentamos explicar que não seria possível, pois já havíamos passado pela barreira no caminho a Santa Cruz e a única coisa que aconteceu, foi uma carimbada falsa nos documentos. Ele continuava a dizer que estávamos ilegais, até que chamou um outro policial, este ficou fazendo a mesma coisa, pegava os documentos, olhava a kombi, falava no celular e depois dizia que eramos ilegais. Por fim, ele disse alguma coisa ao primeiro policial, que nos mandou entrar na kombi e disse que iria com a gente até algum lugar, que não deu para entender aonde seria. Ficou dando uma volta na kombi com a gente, ele foi na frente com o "pavão" e ficamos nós cinco atras (Will, Ruru, Bigode, Lombroso e Matchola). Matchola ficou sentado no "lindemberg" que era nossa caixa de som( isso por todos os bancos já estavam ocupados, colocamos duas poltronas desses ônibus de viagem na kombi para nossa ida a Machu Picchu, ser um pouco mais confortável). Depois de alguns minutos, ele nos fez para em uma rua que estava com uma especie de blitz, os outro policiais ficaram nos encarando e rindo até um deles, aparentemente mais velho disse que era para nos levar para Interpol ou migração, depois disso voltamos a dar umas voltas com o policial ainda na kombi, em certa parte do caminho ele começou um papo estanho sobre dinheiro, então o pavão nos deu o toque, que ele estava falando sobre o "binte,binte,binte" que após a barreira ficou sendo nosso condigo para propina. Por fim, pagamos 50 dólares ao infeliz, que informou que poderíamos seguir nosso caminho tranquilo, o filho da mãe deu até dica por onde passar, afirmando que tinha algumas estadas ruins, mas que ele tinha indicado a melhor, para seguir com o destino ao Salar de Uyuni. Depois desse aperto, seguimos viagem até que... Fomos parados por mais uma barreira!!!kkkkk trem agora fica feio. Mas... só posso contar depois. Boa noite galera!
  7. De Kombi de Belo Horizonte para Machu Picchu # SQN! - 2º parte Boa Noite, Galera!! Dando sequência ao post anterior -> https://www.mochileiros.com/de-kombi-de-belo-horizonte-para-machu-picchu-sqn-t147069.html Começamos o churras por volta de 18 horas e la ficamos bebendo cerveja, catuaba e cachaça. Ainda enquanto estávamos preparando o churrasco conhecemos uma família de Curitiba, eles estavam viajando de moto-home, o patriarca devia ter uns 50 anos, a mãe uns 40 e o filha uns 10 anos. Também estavam no camping que ficamos alojados, depois de trocar uma ideia eles foram dormir no “home teater” deles como dizia um dos nossos integrantes. Depois ficamos só nos mais uma vez, voltamos ao nosso trabalho incessante de beber pra cacete, em torno de umas 00:00 começou a bater a loucura, como sempre falávamos alto e quem estava de fora devia achar que era um bando de maluco brigando, em torno de uma 01:00 um de nós saiu dando uma risada estranha na maior altura e com a bunda para fora era tipo “hiiiiiiii” cara doido, nesse horário o lombroso e bigode já estavam dormindo, restando só eu, matchola, ruru e pavao continuamos a beber ate umas 3 horas. Depois de já não saber falar nem o próprio nome, era hora de dormir. Acordamos la pelas 09:00 e todo o sol que estava em bonito nos dias anteriores havia desaparecido, dando lugar ao maior frio que já senti na minha vida, parecia ate o lugar estava de despedindo de nós (ou nos mandando ir embora), assim juntamos nossas coisas e pé na estrada ou melhor Kombi na estrada. Agora era rumo a terras internacionais, rumo a Bolívia e seguimos nossa viagem, passando por um pedaço do pantanal, andando por uma paisagem incrível. Mas o que era mais inacreditável era que ainda tinha alguns malucos bêbados (isso depois de umas 8 horas de ter bebido), parecia que a cachaça não tinha fim no corpo do indivíduo, que não parava de falar, cantar e atormentar a todos, até que por um milagre ele dormiu, deixando o resto de nós em paz para curtir a estrada. Cada visão impressionante araras azuis e vermelhas, cidades ribeirinhas tudo transcendendo tranquilidade e paz, assim mesmo como é visto nos filmes. Por volta de umas 17:30 chegamos em Corumbá e resolvemos alguns lances, que por final, acabou demorando um pouco mais do que o esperado. Saímos de Corumbá e seguimos rumo a fronteira, todos nós estávamos aflitos (Não!! não tinha nenhuma droga ilícita conosco), bem era uma fronteira né!! sabe la oque poderia ser motivo para não entrar na Bolívia. Mas no final das contas ficamos de cara ! chegamos lá devia ser umas 18:30 ou 19:00 e NÃO TINHA NINGUÉM NA FRONTEIRA!!!! Nós nem acreditamos, porque haviam contado varias histórias que os policiais bolivianos iriam revirar nossas coisas todas e tudo mais, por fim só passamos la direto mesmo e boa, acreditávamos que mais a frente deveria ter um bairreira e tudo mais. Então só paramos para trocar uma grana e abastecer, pois iriamos percorrer mais uns 600km para dentro do país. E assim fizemos pé na tabua!!! No meio da noite, em torno de umas 11:00 fomos parados por uma barreira, que solicitou nossos documentos e o da judit(kombi). Entregamos os documentos o policial ficou olhando e depois disse " Vinte,vinte, vinte" apontando para cada um de nós. Como deu para entender o recado muito bem, pagamos a grana ou melhor propina. E pasmem depois disso o policia, fez questão de fingir que estava carimbando nossos documentos, fazendo uma cena, fechou a mão como se estivesse segurando um carimbo e bateu nos documentos, como se fosse carimbar mesmo. Depois entregou e nos mandou seguir viagem. (Bem, molhou o maço, é carimbaço). Por volta de umas 02:00 chegamos em Santa Cruz de la Sierra, no inicio ficamos meio perdidos, pois não tínhamos lugar para ir e nem para dormir. Então a solução foi tentar arrumar um Wi-Fi liberado para tentar seguir para próxima cidade que seria Cochabamba, ai ficamos rodando a cidade, entrando e saindo de uma rua para outra igual barata tonta. Depois de ficar circulando, decidimos passar o resto da madrugada por Santa Cruz mesmo, então caçamos um lugar para estacionar a Judit e achamos um lugar que estava meio ermo, parecia ser mais civilizada e mais centralizado, era uma praça gigante, com uma puta catedral. Paramos a Judit por la mesmo na rua da praça, bem ao lado de um museu. Depois tratamos de fazer um rango, ai fizemos um miojão com uns legumes enlatados, na fome isso tava que era bão! Fiquei dando umas voltas na praça e seu entorno, enquanto isso os caras foram dormir na kombi mesmo, o plano era que na parte da manhã iriamos, trocar uma grana e seguir para Cochabamba com destino ao Salar de Uyuni. Mas a policia não deixou!!!kkkkkkkkkkk Mais informações no próximo post, que será batizado de ilegais na Bolívia. Obs.: Siga nossa página no face --> https://www.facebook.com/judithKombroza/
  8. Fala Galera, Tudo Bom? Oque vocês acham de juntar os amigos e viajar? Top né!!!! E viajar de Kombi, por quase 10 mil Km? Então! Muitos devem estar pensando que isso é até legal, mas uma verdadeira loucura e burrice. Mas nós somos loucos mesmo, por isso compramos uma Kombi ano 96 e decidimos ir nela para Machu Picchu/Peru. Nossa ideia foi sair de BH/MG, passar em Bonito/MS, Salar de Uyuni/Bolivia, Lago Titicaca (Bólivia e Peru) e finalizar em Cusco, ou melhor Machu Picchu/Peru. Depois voltar pelo caminho mais rápido possível. No inicio tivemos alguns problemas, pois nosso mecânico atrasou a entrega da Kombi em uma semana, ou seja, menos uma semana de viagem. Após muito trabalho e desgaste ela estava pronta. Como já estávamos atrasados, não dava para perder mais tempo, pegamos ela as 21:00 do dia 13/07/2017 e na mesma noite começamos a colocar os bancos, plotagem, bagageiro e trocamos as rodas, no final passamos a madrugada toda fazendo oque tinha que ser feito para começar a viagem. como estratégia, um de nós 6 ficou em casa dormindo, assim quando o trabalho de preparação terminasse, ele iria dirigir. Finalizamos tudo por volta de umas 09:30 do dia 14/07/2017. E as 11:00 após abastecer e lubrificar, saímos de BH rumo a Bonito/MS. Para não atrasar mais nossa viagem, fizemos um revezamento de motoristas, como já foi dito eramos 6, porem só 5 com CNH. Cada um dirigia um tanto bom e quando este casasse, outro assumia o volante. Ao longo do caminho tivemos dois problemas, após andar em torno de uns 900km começamos a sentir cheiro de gasolina, e vimos um rastro no asfalto. Bem! acredito que saibam que a kombi é famosa por pegar fogo,então assim que detectamos o cheiro saímos o mais rápido e analisamos no motor qual seria o motivo do vazamento. Ficamos olhando e especulando até que dois de nós, identificaram que havia uma braçadeira muito bamba, então apertamos ela e outras que estavam na mesma situação. Uma falha mecânica, que poderia dar fim a nossa viagem ali mesmo, mas consequência da nossa loucura, pois pegamos a kombi no dia em que seu motor tinha ficado pronto e colocamos na estrada, sem fazer antes um teste rigoroso. Bola pra frente! seguimos mais uns 100 km, até que o cheiro de gasolina voltou, novamente corremos para ver qual seria o problema, com uma nova analise, foi averiguado que uma mangueira não estava bem encaixada, por isso soltava gasolina quando acelerava. Neste momento alguns estavam com receio de continuar e a gasolina voltar a vazar, mas nosso ilustre capitão "Matchola Sparrow" nos afirmou que não iria acontecer, pelo menos não com aquela mangueira, pois ele viu como ela estava encaixada antes e como ficou depois, garantindo aos demais que não voltaria a acontecer. E de fato não ocorreu, vez ou outra achávamos que estava vazando gasolina, mas era só coisa de nossas cabeças. Vá me dizer que não iria ficar assim também??? Pois bem, chegamos em Bonito no dia 15/07/2017 em torno de umas 20:00, então não tinha como aproveitar nada, pois a noite em Bonito é bem parada, suas grandes atrações são seus parques naturais que funcionam de dia. Assim, só ficamos por montar as barracas, fazer um rango e dormir. Quando amanheceu, peguei a viola botei na sacola e fui viajar! (brincadeira!!!!)rsrsrsr. Fizemos uma analise e para nós que ficaríamos por pouco tempo, era vantajoso o passeio na Nascente Azul, além de ser muito top o lugar, poderíamos ficar na reserva aproveitando seus atrativos como piscinas, tirolesas e outros, mesmo após terminar o passeio principal que envolve flutuação na água. Ficou em uns R$ 200,00 para cada, não achei barato, mas... foi de fato incrível!!! Por volta de umas 17:00 horas pegamos a Kombi, voltamos para o camping e fizemos um churras. Bom por hoje é isso, depois irei postar a continuação e falar sobre nosso triste encontro com a policia boliviana, a quase perda da kombi para o governo boliviano, a fuga da Bolívia para não perder a kombi e o quase fim dela em uma estrada de terra em Goiás!! Ah!! Apelidamos ela de Judit-Kombroza!! https://www.facebook.com/judithKombroza/
×
×
  • Criar Novo...