Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

isaribeiro

Membros
  • Total de itens

    23
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    2

isaribeiro venceu a última vez em Novembro 4 2018

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

26 Excelente

2 Seguidores

Sobre isaribeiro

  • Data de Nascimento 23-02-1995

Outras informações

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. USHUAIA Parte 2 No nosso quarto dia, fomos fazer a Navegação pelo Canal Beagle + Pinguinera. Até agora não tínhamos pegado nenhum vento patagônico, então fui agasalhada “normal” e nunca passei tanto frio na vida! O dia estava perfeito, limpo e ensolarado. Primeiro paramos na ilha para ver uns pássaros que parecem pinguins. Depois, fomos para a ilha dos lobos marinhos e enfim para o Farol Les Eclaireurs (lindo!! Parece uma pintura!). Em seguida iniciamos a viagem de aproximadamente 1h até a Isla Martillo. Apesar de estar na baixa temporada de pinguins, tivemos a oportunidade de ver uns muito de perto! A colônia estava pequena, mas há pinguins pequeninos que ficam andando por lá, uma gracinha. Depois da caminhada com os pinguins segue para o almoço e, para aqueles que quiserem, ao museu marítimo. O museu é incrivelmente completo para uma estrutura tão pequena e bucólica, é tudo feito à mão, com a dedicação dos Biólogos que cuidam muito bem do lugar. Não achei tanta graça nas árvores retorcidas, não tem nada demais. A volta é feita de ônibus, que te deixa na frente do Hotel Beagle. De lá, fomos carimbar nossos passaportes na Secretaria de Turismo. Na nossa ultima noite, fomos ao pub irlandês Dublin. O lugar todo tem decoração bem temática, tem calefação mas é bem cheio, então é bom reservar ou chegar cedo. Ótimas cervejas e petiscos, tudo barato. O wifi também é ótimo! Nosso último dia foi dedicado ao Parque Nacional, Parque do Fim do Mundo ou Parque da terra do Fogo. Escolhemos não andar no trem, achei meio bobo e caro. O Parque tem uma ótima estrutura de trilhas, dá para você passar o dia inteiro desbravando o lugar, tem muita coisa para fazer. O Correio mais austral infelizmente só abre no verão, então fomos carimbar os passaportes no centro turístico/restaurante. Os lugares que mais gostei do parque foi a Bahia Lapataia e o Lago Acigami. Nosso voo sairia de tarde, então contratamos esse passeio que percorre o parque de van, pois não teríamos muito tempo. Deixamos nossas malas na agência do Brasileiros em Ushuaia e depois do passeio almoçamos, compramos algumas lembrancinhas e fomos para o aeroporto. Nosso voo de volta sairia do Ezeiza, mas pousamos no Aeroparque. A Aerolíneas Argentinas disponibiliza um voucher para pegar um ônibus entre os dois aeroportos, se você tiver que trocar, só aí você economiza 100 reais! Aconselho para quem tiver essa conexão que seja em tempos bem espaçados para evitar contratempos. O voo para o Brasil foi tranquilo e vazio. 3 meses depois e ainda estou com ressaca dessa viagem incrível. A Patagônia Argentina é realmente surreal! Recomendo a todos! Tão lindo que parece montagem! Os pinguins são muito dóceis! FIM!
  2. USHUAIA Parte 1 Ahh, Ushuaia! Sua linda! Finalmente chegamos ao fim do mundo. O meu sonho de visitar a Patagônia Argentina surgiu por causa dos livros “The Lighthouse at the End of the World” do Jules Verne e “Geological Observations on South America” e “The Voyage of the Beagle” do Darwin. A ideia de navegar nas mesmas águas que Darwin sempre me fascinou! O voo Calafate -> Ushuaia foi o voo mais lindo que já peguei. Magistral. Apesar do que falam, foi bem tranquilo. Pegamos nossas malas e um táxi para o apartamento que alugamos. Quando você se acostuma com El Calafate, Ushuaia pode ser uma decepção. A cidade não é bonita. Tem até um tipo de “favela” e andar a pé por lá também exige certa disposição, pois tudo é subida e nosso apto ficava bem em cima de uma. Tudo bem, a decida era fácil e na subida usávamos táxi, que é barato. No nosso primeiro dia fomos na loja Jumping alugar as botas impermeáveis (ARS 500 para 2 dias de aluguel, por pessoa), ir na Piratour buscar os vouchers para a Pinguinera e contratar os passeios para Laguna Esmeralda e para o Parque Nacional com a Brasileiros em Ushuaia. Infelizmente o Cerro Castor já estava com as atividades encerradas, apesar de ter neve. Almoçamos no Hard Rock e tínhamos reservado o resto do dia para subir no Glaciar Martial, já que só iria escurecer às 21hrs mas... Meu namorado ficou muito doente. Uma infecção alimentar horrível causada por uma pizza. Ele não tinha contratado seguro viagem, tínhamos chegado há poucas horas, não conhecia nada da cidade e ele só piorava conforme a noite avançava. Em resumo: consegui ligar para um rádio táxi que chegou a nosso apartamento muito rápido e nos levou para o hospital público. Lá fomos atendidos na hora e meu namorado já foi internado. Ficou a noite inteira. Infelizmente perdemos um dia de viagem e não conseguimos ir no Martial mas ainda bem que não foi nada pior e ele teve um atendimento excelente, no final das contas. Também é bom ressaltar a compreensão e gentileza do Brasileiros em Ushuaia que remarcou nossos passeios para outro dia, sem cobrar nada, e foram gentis desde o começo dessa confusão. Fica a lição: SEMPRE CONTRATE SEGURO. Passado o susto, no terceiro dia fomos para a Laguna Esmeralda e o passeio não poderia ter sido mais perfeito. Tinha parado de cair neve então o dia estava claro e tudo estava bem branquinho com neve fresca. Foi o meu primeiro contato com neve!!! Infelizmente não lembro o nome dos guias, que fizeram tudo ficar mais divertido, até serviram um almoço delicioso com Malbec, tábua de frios e uma sopa de ervilha bem quentinha. A Laguna é linda, maior do que eu esperava. Existe uma área de camping para quem quiser pernoitar e tem como subir para o Glaciar Ojos de Albino, a montanha que fica atrás da Laguna. Depois do passeio fomos para a casa de chá. Ela realmente é cara, mas eu gostei bastante. Vale a pena. Até tentamos subir para o Martial, mas estávamos sem os bastões de apoio e estava com muito gelo e neve na subida. Deveriam consertar o bondinho... achei um grande desperdício de estrutura, a vista do Martial é belíssima. A felicidade da pessoa na sua primeira vez vendo neve! A Laguna estava assim toda congelada! Você encontra muitos cachorros "selvagens" na trilha. Esse é o Victor, um cachorro muito simpático e bonzinho. Nosso lancho/janta na casa de chá. Tudo delicioso. A melhor cheesecake que comi.
  3. (bate e volta) EL CHALTÉN Nosso último dia na região foi em uma excursão full day em El Chaltén feita pela agência Criollos. Infelizmente amanheceu frio, escuro, nublado e com muita chuva, nevando no topo das montanhas, e dali já sabia que não poderia ser possível ver o Fitz Roy, o que me deixou muito desanimada, pois os outros dois dias não tinha uma nuvem no céu durante o dia, estava até calor. Apesar de ter sido alertada por vários viajantes que a região de El Chaltén é assim mesmo, foi um pouco decepcionante. Por isso aviso: se preparem para contratempos climáticos! Tanto o psicológico quanto as roupas impermeáveis. Esse passeio está incluso o traslado, entrada e passeio de barco para o glaciar Vespignani. Há outra versão desse passeio que é apenas o traslado para a cidade e o almoço, assim você fica livre pela cidade e faz a trilha que quer de forma independente. Como estava chovendo e o Fitz Roy estava encoberto decidimos continuar a viagem para o Vespignani, não fazia sentido subir. O passeio é longo, faz paradas em cachoeiras e bosques, para no início da trilha para o Glaciar Huemul para os interessados (que depois fui descobrir que é mais bonito que o Vespignani...), segue para um pequeno píer onde pegamos um barco panorâmico que navega pelo Lago Del Desierto até quase a fronteira com o Chile e chegamos em um abrigo chamado Mirador de Glaciares que é o início da trilha. Obs: o lago fica a 37km da cidade mas existem transferes direto, é em torno de ARS 180 a 200. Considerações sobre o full day: Todas as paisagens estavam deslumbrantes. Vale a pena, mesmo com chuva e mesmo ficando muito tempo rodando dentro do carro. Claro que em dias ensolarados o passeio é perfeito, já que está incluso diversas paradas também na ruta 23 e em El Chaltén, mas mesmo assim acredito que foi uma boa oportunidade para quem não tinha muito tempo disponível. Eu apenas visitaria o Glaciar Huemul ao invés do Vespignani, mas fica pra próxima. Com certeza voltarei para El Chaltén! É incrível como as fotos não fazem jus a grandeza de El Chaltén!
  4. isaribeiro

    Roteiro Islândia (Ring road) - 15 dias

    Meu deus que viagem perfeita! Parece um sonho! Obrigada por esse relato incrível!!!
  5. isaribeiro

    Roadtrip Deserto e West Coast

    Galerinha, to começando a planejar minhas férias e to com muitas dúvidas sobre o destino... estou considerando seriamente uma roadtrip nos EUA. Procurando nos sites da vida sobre o deserto e west coast, 9 de 10 pessoas recomendaram o seguinte roteiro: • Arizona (10 dias) Phoenix Antelope Canion Monument Valley Route 66 Havasu waterfalls Horsebend Shoe Grand Cânion Las Vegas (sei que é outro estado mas ta ali coladinho com o Grand canion) • California (10 dias) Los Angeles Pacific Highway Santa Barbara (pit stop) Julia Pfeiffer state park Monterey Bay (pit stop) San Francisco Considerando isso, pensei no seguinte roteiro POR CIMA: Desembarcar em Los Angeles, seguir pela L-10 até Phoenix. Iniciar os 10 dias visitando as atrações do deserto indo para o Norte finalizando o roteiro em Las Vegas. Partir de Las Vegas até Bakersfield para iniciar o roteiro pela Califórnia, seguir pela L-5 até San Francisco e de lá descer pela Pacific Highway, visitando o Julia Pfeiffer state park no caminho e finalizar até Los Angeles. Ou seja: Los Angeles (Start point, ir pela route 66) -> Phoenix -> Atrações do Arizona ( Antelope Canion, Monument Valley, Havasu waterfalls, Horsebend Shoe, Grand Cânion) -> Las Vegas -> Bakersfield (pit stop, talvez ir no parque das sequoias) -> San Francisco -> Big Sur (Monterey, Julia Pfeiffer state park) -> Los Angeles. Minhas dúvidas são as seguintes: • Qual seria o melhor start point da viagem? Los Angeles mesmo? Ou uma passagem múltiplos destinos cairia melhor? • As locadoras de carro dos EUA são flexíveis em diferentes pontos de entrega do carro? • Quanto deve considerar de gasolina para esses dias? Fiz uma simulação por cima e deu uns 3000km rodados se for parar em todos esses pontos recomendados • Quantos dólares é recomendado por dia pra sobreviver? • Quais são os lugares que deve investir mais dias e os que deve investir menos dias? • É tranquilo ir sem hospedagem reservada? • Ir no Outono é uma boa época? • E afinal, tem como visitar todos esses lugares em 20 dias?? Considerando que eu e meu namorado são somos muito interessados em viagem de compras então não perderemos tempo indo em outlet, lojas etc Enfim, é isso! Muitas perguntas, eu sei haha Desde já agradeço a quem puder ajudar!
  6. EL CALAFATE 2º dia O grande dia de conhecer o gigante Perito Moreno chegou!!! Como nosso hotel era muito próximo a agencia da Hielo y Aventura, o combinado foi encontrar com o transfer para o Parque Los Glaciares lá mesmo na agência, de manhã bem cedo. Infelizmente não nos informaram que o ingresso para o parque não estava incluso no pacote e meu namorado teve que ir atrás de câmbios paralelos, já que a casa de câmbio estava fechada. Ele conseguiu trocar em um kiosko por um preço bem abaixo da cotação. Subimos no minibus da agência e partimos seguindo a Ruta 11, parando em um mirador que fica em frente ao Cerro Frias. Cerca de 1h depois, chegamos no Puerto Bajo las Sombras para pegar a embarcação que nos deixaria na Base do Perito Moreno. Toda a viagem é visualmente bem agradável. A navegação é muito bonita, você pode ter uma visão panorâmica do lado leste do glaciar por bons e frios 20 minutos. Todos sabem que é bem comum que grandes pedaços de gelo desprendam do glaciar e caia com tudo na água, por isso as embarcações não podem chegar muito perto da geleira. Por toda a cidade você verá imagens surreais do barco bem perto do gelo para divulgar as navegações, mas são todas montagens bem feitas. Essa ida foi o interessante o suficiente para que não me desse vontade de comprar o passeio da navegação. O Perito Moreno apesar de ser o 3º maior glaciar, é o único que pode ser visto bem de perto. Ao desembarcar, dividiram o grupo em espanhol e inglês e fomos direcionados para um refúgio onde guardaríamos nossas coisas. Você não é obrigado a deixar sua mochila/bolsa por lá, mas facilita bastante na hora da trilha. Esse refugio possui estrutura de banheiros, armários, mesas dentro da casa de madeira ou mesas de piquenique com visão para a geleira. Dica: LEVE COMIDA! Você estará faminto depois do trekking. Depois de um tempinho distribuíram as luvas (que são obrigatórias) para quem não tinha e começamos a caminhada para a base por dentro de um bosque muito agradável e uma praia de areia escura cheia de pedaços de gelo, onde nos foi passado informações sobre o glaciar, sua composição, história e comportamento. Demos sorte, pois no dia não chovia, não ventava e não fazia sol, clima perfeito! A expectativa só aumentava. Chegou a hora de colocar os grampões e minha outra dica é ir com um calçado que cubra os tornozelos, pois as amarras do negócio são firmes e apertadas e dependendo do estilo do calçado, vai machucar. Fui com um tênis normal, incomodou mas eu sustentei e molhou um pouco mas é recomendado ir de bota impermeável. Meu namorado, por exemplo, pisou em uma camada de gelo traiçoeira e o pé foi com tudo na água gelada! Começamos o minitrekking e... Veja por você mesmo! Não tenho palavras para explicar o quanto essa experiência foi maravilhosa em todos os sentidos possíveis, tudo é majestoso, tudo é muito lindo, interessante e especial. De certa forma, me senti naquele filme Interestrelar, uma formiguinha insignificante andando naquele monstro de gelo, não parecia desse planeta! O dinheiro vale a pena e é o ponto alto da viagem. Vi inúmeras fotos e vídeos desse passeio e nenhum chegaram perto de captar a grandiosidade e beleza do lugar, é quase como se as câmeras não fossem capazes de fazer tal registro. Enfim, vá! E vai sem medo!! Ao terminar, voltamos para o refúgio e nos deram 1h30 para almoçar e ficar explorando o lugar e depois pegamos a mesma embarcação para o Bajo las Sombras pois seguiríamos para as passarelas, onde ficaríamos por mais 1h30. O tempo começou a fechar e, como tinham poucas pessoas no parque, o ar ficou com um aspecto meio sombrio e silencioso que contrastava com o ranger do gelo se movimentando e formava uma atmosfera que me fez ter um imenso respeito por aquele lugar, até mesmo falar parecia que iria quebrar aquela magia. A administração do parque é impecável, tudo limpo e bem cuidado. Se tivéssemos mais tempo, com certeza voltaríamos para andar por mais tempo nas passarelas, lembrando que apenas o Minitrekking é feito em tempo hábil o suficiente para visita-las. Há algumas opções de trilhas, que são divididas em cores, sendo que a amarela é a mais curta e onde tem a melhor vista. Caso você não faça um dos trekkings, digo que ir apenas às passarelas é igualmente incrível. Como o tempo naquela região é bem instável, recomendo fortemente levar capa de chuva ou roupas impermeáveis. Quando estávamos indo embora começou uma chuva que só iria dar trégua dali três dias. Ao chegar na pousada, resolvemos cozinhar no quarto mesmo: omelete feio com Chandon Rosé e descansar para o próximo dia, mas por mim eu poderia morrer naquela noite mesmo, de tão feliz que estava. Ruta 11 Para quem não bebe whisky, foi servido água mesmo! P.S: Esse Chandon custou ARS 100!!!
  7. PARTE 2 EL CALAFATE 1º dia Fez sol e calor nos dois últimos dias em Buenos Aires, logo na manhã que iríamos para El Calafate CHOVEU. Além de termos saído atrasados do apartamento, a cidade é um labirinto de semáforos e ainda por cima tinha acontecido um acidente no meio do caminho. Já comentei que o Aeroporto Ezeiza é MUITO longe do centro? fui o caminho todo com lágrimas nos olhos aceitando que iríamos perder o voo. Foi graças ao taxista (ou seria um anjo?) que atendeu nosso pedido e foi na tora!!! Chegamos poucos minutos antes de terminarem o check in e assim que sentamos na sala de espera abriu um solzão! Embarcamos e tínhamos 3h de voo pela frente, com uma parada em Bariloche. Viagem mais tranquila impossível. Chegamos em El Calafate recepcionados por uma aterrissagem incrível! O aeroporto fica ao lado do Lago Argentino. Compramos nosso transfer na Vestur, ARS 350 IDA E VOLTA, o horário que você sai de El Calafate já fica marcado e eles te buscam no hotel no dia. O que dizer de El Calafate? Foi a cidade mais linda que visitei. Me arrependi de ter escolhido ficar apenas 3 dias e me arrependi principalmente de ter ido antes de Ushuaia, em breve explico... Nosso primeiro dia foi bem leve, fizemos check in na pousada, saímos para comprar passeios e alugamos uma bicicleta por ARS 500 o dia inteiro. Fomos na Laguna Nimez, paramos para (tentar) ver os flamingos , ficamos rodando até cansar e fomos lanchar no Librobar, um restaurante que também é uma livraria, uma graça! A cidade é cheia de cachorros, eu amei! Sobre os passeios, vou anexar uma tabela de preços e sim, é caro desse jeito em todas as agências. Preço tabelado. Compramos o Minitrekking no Brasil no site da Hielo & Aventura por ARS 4400, o que deu uns USD 117 na fatura do cartão e na cidade decidimos comprar o bate-volta em El Chaltén. O que eu queria mesmo era ir na Estância Cristina, mas me assustei com o preço, apesar de ser bastante recomendado. A opção de kayak na geleira também me pareceu um sonho, mas igualmente caro. O Safari Explorer só sai no verão, e o Cerro Frias e Nativo Experience é uma boa opção de passeio barato. Na secretaria de turismo da cidade sai um transfer gratuito para o Glaciarium. El Calafate é bem contrastada com El Chaltén. Enquanto você vai encontrar pessoas mais novas e aventureiras e coisas para fazer de graça em Chaltén, em Calafate você encontra uma galera mais velha e os passeios são caros. Jantamos em um restaurante incrível chamado Casimiro Biguá que fica ao lado da casa de câmbio. Os melhores artesanatos você encontra na Casa índio e no mercado La Anonima você consegue comprar tudo para fazer lanches e refeições por preços bacanas. Hora de dormir pois teríamos que acordar cedo para ir ver o Perito Moreno . Olha o Fitz Roy e Cerro Torres lá no fundo!!!! Pela Av. Costanera, você fica na frente das margens do Lago Argentino, onde ficam muitas aves, inclusive os Flamingos. Descemos para lá mas infelizmente jogam esgoto no lago nossas botas saíram imundas e fedidas (recomendo ir com bota impermeável) e no final só conseguimos ver os flamingos de longe pois esse cachorrinho aí ficava correndo atrás deles. Librobar! Esse lanche/almoço custou cerca de ARS 700 Essa janta saiu por volta de ARS 800.
  8. isaribeiro

    Desmitificando Jericoacoara - Post informativo com muuuitas fotos!

    Perdão pela demora! Sai sim, tanto para lençóis quanto para o Delta, mas de Jeri para lá são em média 7hrs de viagem.
  9. BUENOS AIRES 2º dia Nosso segundo dia foi o mais cansativo, pois andamos pra CARAMBA! Decidimos visitar o centro com mais tempo, pois no dia anterior só tinhamos ido até o obelisco. Descemos na estação Congresso Nacional e já demos de cara com aquele prédio monumental com uma arquitetura impecável. Tinha um pequeno protesto na frente, nada mais Buenos Aires. Há visitas guiadas e gratuitas de seg a sáb. Gostaria de fazer um adendo: façam as visitas guiadas de todos os lugares que vocês puderem. Reserve tempo, se programe. Cada lugar tem uma história diferente e especial que acrescentará muito para a viagem. Caso não tenha tempo, igual eu, procure pela internet mesmo ou compre aqueles guias. Do congresso, fomos andando pela Av. de Mayo, passamos pelo Palácio Barolo, Café Tortoni e Monumento al Quijote (o qual você pode ver o prédio com o painel da Evita ao fundo) até chegarmos a Plaza de Mayo. A Praça é linda, muito limpa e segura, rodeada pela Catedral, Banco de la Nacion e Casa Rosada. Os Argentinos são muito nacionalistas e gostei de ver a bandeira orgulhosamente exposta em vários estabelecimentos e casas, acho que falta esse sentimento aqui no Brasil... Depois, fomos ao Puerto Madero, passando em frente ao imponente CCK. É impressionante o contraste do Puerto Madero com o resto da cidade. Rico, moderno, cheio de prédios a lá Dubai. Minha intenção era atravessar a Puente de la Mujer para tomar um helado mas o acesso estava fechado por conta dos Jogos Olímpicos da Juventude. O Museu Marítimo estava aberto e de graça e depois de turistar ali, fomos para San Telmo. Para vocês terem uma ideia, essa caminhada levou a manhã inteira! Quando chegamos em San Telmo já era 13:00! Chegamos ao Paseo de la Historiera para tirar a foto com a Mafalda e por sorte só tinham mais dois casais por lá, por isso deu para aproveitar bastante. Não sei se foi o dia (terça feira) mas não haviam muitas lojas abertas e as únicas que tinham eram umas de antiguidade bem sinistras, aquelas que você provavelmente compra uma boneca possuída. Não cheguei a entrar mas para quem curte antiguidades, San Telmo é um prato cheio! As ruas são bonitinhas, bucólicas, você também encontra bares e restaurantes bem interessantes pelo caminho. Paramos no Mercado de San Telmo para almoçar um choripan na La Choripaneria e beber um pint, achei bem servido e gostoso. O mercado, assim como as lojas, estava com a maioria das bancas fechadas, infelizmente. Saímos de San Telmo sem saber que dia as coisas abriam e qual seria o melhor dia para visitar, só sei da famosa feira que acontece aos domingos. Se alguém quiser compartilhar essa informação ficarei grata! Pegamos um táxi na rua para o La Boca. Foi a primeira vez que pegamos o táxi e confesso que de tanto ser alertada sobre notas falsas e gente pilantra, fiquei com o coração na mão e no final das contas não precisou de nada disso. Pegando os táxis oficiais as chances disso acontecer são poucas. Paramos na frente do Caminito e fomos explorar o lugar, que é mais bonitinho do que eu estava esperando. Cheio de lojinhas, restaurantes, pessoas vendendo souvenires e artes. O clima é bastante “Argentina”, foi onde mais senti estar no país. O caminito também é o melhor lugar para comprar lembrancinhas e o doce de leite/licor da Cachafaz (melhor marca de doces, na minha opinião). Depois de explorar tudo, fomos correndo para o La Bombonera fazer a visita express. Fomos a pé mesmo, é do lado do Caminito! Aqui gostaria de deixar outra observação: fui alertada e li diversas vezes sobre o perigo que é a La Boca, de que só poderia ir de táxi, não é seguro, não pode sair do Caminito... sinceramente? Não tem nada disso. É de conhecimento geral que o bairro é pobre e um dos menos seguros de Buenos Aires mas não há nada que te impeça de ir de ônibus, por exemplo, ou andar para ver os famosos e renomados grafites pelas ruas. Na verdade, me senti menos segura visitando o Pelourinho e a Escadaria Selaron, por exemplo. Acredito que você sabe onde pisa. Se desconfiar que uma rua vazia é estranha, não entre lá. Não ande com câmera no pescoço nas ruas ou fique com o celular na mão por muito tempo. Cuide das bolsas e pertences, basicamente o perigo são os batedores de carteira e terás ótimos momentos nesse bairro que me cativou bastante! Continuando, andamos até o estádio e compramos a visita express. Até eu que não sou fã de futebol me apaixonei pela história e tradição do Boca Juniors, os fãs piram!! Principalmente na lojinha que tem lá (levem $$$$). Essa visita da direito a olhar o museu e entrar na arquibancada inferior para ver o estádio e o campo por dentro, há opções mais completas que vão no vestiário, tiram sua foto etc e que são mais caras também. A visita custou ARS 260. Pegamos um táxi na frente do estádio mesmo e pedimos para nos deixar na estação de metrô mais próxima pois voltaríamos para Recoleta para visitar o MALBA. A estação mais próxima do museu é a faculdade de direito e de lá são uns 20 minutinhos andando pela super chique Av. Pres. Figueroa Alcorta, cheia de embaixadas, lojas e casas riquíssimas. Pagamos as entradas e fomos direto ver o famoso autorretrato da Frida e nosso Abaporu. O museu é bem interessante e cheio de obras importantes, gostaria de ter ficado mais, observando cada obra detalhadamente, mas depois de um dia inteiro andando sem parar, nossos calcanhares estavam pedindo arrego haha Voltamos para nosso apartamento totalmente exaustos, descansamos um pouco e fomos para o mercado Jumbo comprar vinhos, doces de leite e alfajores. Mercados são os melhores lugares para comprar tais coisas, para quem gosta de vinho e espumantes, então, é um prato cheio! Chandon é barato demais, convertendo os preços daria em torno de 30 reais uma garrafa. Uso o aplicativo Vivino para comprar vinhos e vi que os preços eram em torno de 50 a 70% mais baratos do que aqui no Brasil. Encontrei vinho de ARS 180 que aqui no Brasil custa mais de cem reais. Deveria ter levado uma mala maior para ter trago mais garrafas. Para quem tem dúvidas, pode sim sair da Argentina com garrafa de vinho na bagagem de mão, desde que não ultrapasse 4L, tanto em voos nacionais quando internacionais! Nosso dia foi cheio e precisaríamos descansar pois na manhã seguinte pegaríamos nosso voo para El Calafate. San Telmo Mercado de San Telmo
  10. PARTE 1 BUENOS AIRES 1º dia Confesso que, por subestimá-la, não reservei tantos dias na cidade, e que arrependimento! Ficaria 4 dias fácil. Estava achando que era a mesma coisa que São Paulo, uma cidade grande e só. Saí do Brasil preparada para aguentar a grosseria dos argentinos, taxistas desonestos, comida sem sal, enfim, seria apenas a porta de entrada para a Patagônia. Fico feliz em dizer que a cidade me surpreendeu muito positivamente, em todos os aspectos possíveis. Pessoas, gastronomia, arquitetura, lugares para visitar, transporte, tudo foi incrível. Como chegamos de madrugada no Ezeiza, contratamos aqui do Brasil um transfer para nos levar ao apartamento, com uma parada no mesmo bairro para pegar as chaves. O serviço foi muito útil e eles ainda trocaram R$100,00 por ARS 9. Nossa ideia era ter esse dinheiro trocado para tomar café, comprar o SUBE e o chip, já que estávamos hospedados em Palermo e as casas de câmbio ficam no centro. Na primeira manhã tomamos café em uma padaria francesa próxima ao apto chamada Boûlan. Muito linda, comida gostosíssima. Uma medialuna bem recheada era ARS 75, Sanduíches gigantes de parma e salmão por ARS200, muitos tipos de pães, chá, café, suco... Próximo também tinha uma lanchonete chamada Delicity que tinha empanadas maravilhosas por ARS 35 e medialunas por ARS 20. Achei Palermo com um clima maravilhoso de bairro rico, primeiro mundo, sabe? Ruas limpas e seguras Andamos algumas quadras para os Bosques de Palermo e a expressão “a grama do vizinho sempre é mais verde” nunca foi tão literal. Ao chegar no Rosedal fomos surpreendidos por uma grama verdíssima, bem cuidada e milhares de rosas que você podia sentir o cheiro de longe. Eu amo flores, quis ir na primavera justamente para ver todas desabrochadas e foi a melhor escolha que fiz. Me senti em um quadro renascentista, poderia ficar horas naquele lugar, que foi o meu favorito de Buenos Aires. Depois, fomos andando até o planetário, que infelizmente ainda estava fechado e com uma turma de estudantes em fila esperando para entrar. Tem uns meteoritos do lado de fora e me pareceu ser bem interessante. O prédio também é bem bonito, principalmente à noite. Foi por lá que tivemos a primeira experiência com a água da Argentina que é HORRÍVEL. Gosto de soro e parece que não mata a sede. A única água que parece com a nossa foi a da marca KIN. Gravem esse nome. Fomos andando despreocupados até achar uma estação de metrô onde compramos o SUBE por ARS 65, carregamos e fomos para Recoleta. Descemos na estação da universidade de direito, que é um edifício monumental, e fomos ver a Floralis Generica. Depois, fomos andando rumo aos parques. Passamos pelo Museu de Belas Artes (estava de graça no dia), paramos no Starbucks do Shopping Buenos Aires Design para usar o wifi, infelizmente o Centro Cultural Recoleta estava em obras. Não fomos ao cemitério, pois, particularmente, não me interessa esse tipo de visita. Recoleta, assim como Palermo, é ótima de andar. Bairro rico, seguro, cheio de cultura, restaurantes e museus. Visitado Recoleta, fomos ao centro para trocar dinheiro. O metrô, como todos, é autoexplicativo e te leva para todos os lugares. Descemos na estação Florida e já demos de cara com a famosa rua. Me lembrou o centrão de qualquer cidade, entulhado de gente, muita informação, gente querendo te vender passeios, cambiar, e se você der papo pra alguém ficam insistindo por muito tempo. Fomos direto para a Mais Brazucas, trocamos o dinheiro e fomos atrás de uma claro para comprar o chip. Como estava apenas com a identidade, nos direcionaram para uma loja na Av. 9 de Julio, próxima ao Obelisco. O chip custou ARS 140 e o plano de 2GB com Whatsapp liberado custou cerca de ARS 120. Chip instalado, fomos ao Kentucky fazer um lanche. Combo de 2 empanadas grandonas + chope por ARS 117. É um bom lugar para refeições boas e baratas, além de ser muito bem decorado. Como o Obelisco estava logo à frente fomos lá tirar umas fotos e depois voltamos ao apartamento. Descansamos e descemos para Palermo Soho para jantar. Tem muitos restaurantes nessa área e escolhemos o Club de la Milanesa, que recomendo fortemente! A conta está nas imagens e esse foi o parâmetro para todas as refeições que fizemos, inclusive na patagônia. O La Cabrera fica ao lado, infelizmente não comemos lá, mas parece ser uma boa opção também. Café da manhã na Boulain. Em torno de 150 pesos o croissant recheado + chá Cerveja e empanadas super baratas no Kentucky. Esse é o da Av. 9 de Julio, linda vista para o Obelisco. Esse lancho saiu por volta de 150 pesos no Carrefour Express.
  11. Oi pessoal, tudo bem? Acho que uma das melhores partes de viajar é poder escrever um relato depois e tentar ajudar esse fórum maravilhoso que tanto me ajuda. Essa foi minha segunda viagem internacional, sendo que a primeira foi um mochilão no Peru e esta uma viagem confortável com o meu namorado para a Patagônia argentina em plena primavera. Como esse fórum é voltado para mochileiros, não vou entrar em detalhes com questão de quanto gastei com alimentação, transporte e outras comodidades, pois me planejei bastante para GASTAR, principalmente com comida e vinhos, coisas que amo. Caso tenham alguma dúvida específica nessa questão, ficarei feliz em responder os comentários. INTRODUÇÃO: PASSAGENS: Dividimos a viagem nas seguintes datas: 16/10 – 18/10: BUENOS AIRES 18/10 – 22/10: EL CALAFATE 22/10 – 26/10: USHUAIA 26/10 – 27/10: EL CALAFATE Todos os voos foram Aerolíneas e não tivemos problema com atraso. Compramos a passagem múltiplo destino BSAS – CALAFATE – BRASIL em uma promoção do Melhores Destinos no Viajanet por R$ 1.600,00 incluindo as taxas e deixamos para comprar a de Ushuaia mais para a frente, imaginando que seria a mesma coisa que comprar LIMA – CUSCO. Não achei muitas informações sobre isso, um voo nacional, de apenas 1h não seria tão caro, certo? pensei. ERRADO. Ao colocar o rastreador na passagem, fomos surpreendidos por valores acima dos mil reais e bateu aquele desespero. Ir de ônibus não era uma opção por causa do nosso tempo limitado e cancelar Ushuaia também não. Depois de alguns meses conseguimos comprar a passagem CALAFATE – USHUAIA por R$ 772,40, o que é considerado ótimo para esse trecho. Simulando o mesmo roteiro com uma passagem múltiplos destinos incluindo Ushuaia, daria em torno de dois mil, então acabou que não fez tanta diferença. Transfer em Buenos Aires, Ezeiza – Palermo com a Class Receptivo: R$ 100,00 Transfer Aeroparque – Ezeiza: GRÁTIS se seu voo for conexão da Aerolíneas. Se não for, o ônibus da Tienda Leon custa uns ARS 1.000 e o táxi tem corrida fechada por ARS 780. HOSPEDAGENS: Todas as hospedagens foram em apartamentos. Buenos Aires, 3 noites: https://www.airbnb.com.br/rooms/12705538 R$ 428,05 Muito bom apartamento, próximo do centro de Palermo, com ótimos restaurantes ao redor, há poucas quadras do Rosedal e perto do metrô. El Calafate, 4 noites: https://goo.gl/uLQPxo US$: 153,24 Foi a melhor hospedagem da viagem, chalé fofo, confortável, quentinho e próximo do centro. A dona da hospedagem, Paola, e sua cachorrinha fazem o lugar ainda melhor. Ushuaia, 4 noites: https://goo.gl/Cn41vx US$ 159,32 Apartamento muito bom, moderno, equipado com a ressalva que além de um pouco longe da Av. San Martin (cerca de 2km) fica no alto de umas ladeiras. Para descer é fácil mas a subida era impraticável. CÂMBIO: Levei: RS 1.000,00 EUR 250,00 USD 200,00 Cotação do real em Buenos Aires na agência Mais Brazucas (Florida 656 PB 1, Buenos Aires, em frente a Zara) foi de ARS 9,45. Melhor cotação que achamos. Cotação Dólar em Ushuaia foi de ARS 35 Cotação Euro em Ushuaia foi de ARS 39 O real estava entre ARS 8,50 tanto em El Calafate e em Ushuaia. DICA: PRESTEM ATENÇÃO NO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DAS CASAS DE CÂMBIO!! Principalmente em El Calafate. Quando fomos, fechava as 18hrs e não abria no domingo. Em Ushuaia as lojas fecham no almoço e voltam só as 16hrs. Existe uma casa de câmbio em cada cidade, não olhamos o paralelo. Voltei com 50 dólares e alguns pesos. Não usei cartão de crédito, esse dinheiro que levei foi para praticamente tudo: passeios, comida, transporte, compras... salvo passagens, minitrekking, pinguinera terrestre e as hospedagens de BSAS e Ushuaia, tudo foi pago na Argentina. O total aproximado da viagem foi de R$ 5.000,00, lembrando que as únicas coisas que não foram divididas por 2 foram os passeios, compras pessoais e passagens. Se você for uma pessoa econômica, vai conseguir fazer essa viagem por uns 4 mil e dependendo dos passeios, por 3 mil, fácil. O mais caro que achei foi comida em restaurante, em torno de ARS300-500 os pratos mas indo de 2, considerando o tamanho gigante das refeições, tem como dividir tranquilamente. Você também acha empanadas beeem recheadas, pizzas por poucos pesos e os mercados sempre são uma boa opção. CLIMA: Não achei sobre o clima da Patagônia em outubro/primavera em nenhum lugar, o que foi a principal motivação de escrever esse relato. Em Buenos Aires, dos 3 dias que ficamos, fez sol e calor insuportáveis e no último dia choveu de manhã, mas logo o céu abriu. Dos 4 dias que ficamos em El Calafate, a maioria foi de céu limpo e solzão e o último dia foi de chuva torrencial e céu fechadíssimo. A temperatura média era de uns 8° de dia, 2° a noite e no dia da chuva foi de 2° o dia inteiro (com direito a neve nas montanhas). Quando voltamos para pernoitar na cidade 1 semana depois, ainda estava chovendo. Foi onde passei mais frio, as roupas "térmicas" que comprei no Brasil não deram conta. Chegando em Ushuaia tive que comprar uma calça urgente. Dos 4 dias que ficamos em Ushuaia, todos foram de céu limpo e sol com temperatura média de 10°, o degelo nas montanhas era visível. Não sofremos com os ventos patagônicos, acredito que por causa do fim do inverno, mas senti que estavam começando a voltar. Dito isso, vamos ao relato.
  12. Oi, tudo bem?? Gostei muito das suas postagens no blog! Poderia me informar quando você pagou no minitrekking, pinguinera e o passeio para a laguna los tempanos?
×