Ir para conteúdo

isaribeiro

Membros
  • Total de itens

    36
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    2

Tudo que isaribeiro postou

  1. PARTE 1 BUENOS AIRES 1º dia Confesso que, por subestimá-la, não reservei tantos dias na cidade, e que arrependimento! Ficaria 4 dias fácil. Estava achando que era a mesma coisa que São Paulo, uma cidade grande e só. Saí do Brasil preparada para aguentar a grosseria dos argentinos, taxistas desonestos, comida sem sal, enfim, seria apenas a porta de entrada para a Patagônia. Fico feliz em dizer que a cidade me surpreendeu muito positivamente, em todos os aspectos possíveis. Pessoas, gastronomia, arquitetura, lugares para visitar, transporte, tudo foi incrível. Como chegamos de madrugada no Ezeiza, contratamos aqui do Brasil um transfer para nos levar ao apartamento, com uma parada no mesmo bairro para pegar as chaves. O serviço foi muito útil e eles ainda trocaram R$100,00 por ARS 9. Nossa ideia era ter esse dinheiro trocado para tomar café, comprar o SUBE e o chip, já que estávamos hospedados em Palermo e as casas de câmbio ficam no centro. Na primeira manhã tomamos café em uma padaria francesa próxima ao apto chamada Boûlan. Muito linda, comida gostosíssima. Uma medialuna bem recheada era ARS 75, Sanduíches gigantes de parma e salmão por ARS200, muitos tipos de pães, chá, café, suco... Próximo também tinha uma lanchonete chamada Delicity que tinha empanadas maravilhosas por ARS 35 e medialunas por ARS 20. Achei Palermo com um clima maravilhoso de bairro rico, primeiro mundo, sabe? Ruas limpas e seguras Andamos algumas quadras para os Bosques de Palermo e a expressão “a grama do vizinho sempre é mais verde” nunca foi tão literal. Ao chegar no Rosedal fomos surpreendidos por uma grama verdíssima, bem cuidada e milhares de rosas que você podia sentir o cheiro de longe. Eu amo flores, quis ir na primavera justamente para ver todas desabrochadas e foi a melhor escolha que fiz. Me senti em um quadro renascentista, poderia ficar horas naquele lugar, que foi o meu favorito de Buenos Aires. Depois, fomos andando até o planetário, que infelizmente ainda estava fechado e com uma turma de estudantes em fila esperando para entrar. Tem uns meteoritos do lado de fora e me pareceu ser bem interessante. O prédio também é bem bonito, principalmente à noite. Foi por lá que tivemos a primeira experiência com a água da Argentina que é HORRÍVEL. Gosto de soro e parece que não mata a sede. A única água que parece com a nossa foi a da marca KIN. Gravem esse nome. Fomos andando despreocupados até achar uma estação de metrô onde compramos o SUBE por ARS 65, carregamos e fomos para Recoleta. Descemos na estação da universidade de direito, que é um edifício monumental, e fomos ver a Floralis Generica. Depois, fomos andando rumo aos parques. Passamos pelo Museu de Belas Artes (estava de graça no dia), paramos no Starbucks do Shopping Buenos Aires Design para usar o wifi, infelizmente o Centro Cultural Recoleta estava em obras. Não fomos ao cemitério, pois, particularmente, não me interessa esse tipo de visita. Recoleta, assim como Palermo, é ótima de andar. Bairro rico, seguro, cheio de cultura, restaurantes e museus. Visitado Recoleta, fomos ao centro para trocar dinheiro. O metrô, como todos, é autoexplicativo e te leva para todos os lugares. Descemos na estação Florida e já demos de cara com a famosa rua. Me lembrou o centrão de qualquer cidade, entulhado de gente, muita informação, gente querendo te vender passeios, cambiar, e se você der papo pra alguém ficam insistindo por muito tempo. Fomos direto para a Mais Brazucas, trocamos o dinheiro e fomos atrás de uma claro para comprar o chip. Como estava apenas com a identidade, nos direcionaram para uma loja na Av. 9 de Julio, próxima ao Obelisco. O chip custou ARS 140 e o plano de 2GB com Whatsapp liberado custou cerca de ARS 120. Chip instalado, fomos ao Kentucky fazer um lanche. Combo de 2 empanadas grandonas + chope por ARS 117. É um bom lugar para refeições boas e baratas, além de ser muito bem decorado. Como o Obelisco estava logo à frente fomos lá tirar umas fotos e depois voltamos ao apartamento. Descansamos e descemos para Palermo Soho para jantar. Tem muitos restaurantes nessa área e escolhemos o Club de la Milanesa, que recomendo fortemente! A conta está nas imagens e esse foi o parâmetro para todas as refeições que fizemos, inclusive na patagônia. O La Cabrera fica ao lado, infelizmente não comemos lá, mas parece ser uma boa opção também. Café da manhã na Boulain. Em torno de 150 pesos o croissant recheado + chá Cerveja e empanadas super baratas no Kentucky. Esse é o da Av. 9 de Julio, linda vista para o Obelisco. Esse lancho saiu por volta de 150 pesos no Carrefour Express.
  2. Oi pessoal, tudo bem? Acho que uma das melhores partes de viajar é poder escrever um relato depois e tentar ajudar esse fórum maravilhoso que tanto me ajuda. Essa foi minha segunda viagem internacional, sendo que a primeira foi um mochilão no Peru e esta uma viagem confortável com o meu namorado para a Patagônia argentina em plena primavera. Como esse fórum é voltado para mochileiros, não vou entrar em detalhes com questão de quanto gastei com alimentação, transporte e outras comodidades, pois me planejei bastante para GASTAR, principalmente com comida e vinhos, coisas que amo. Caso tenham alguma dúvida específica nessa questão, ficarei feliz em responder os comentários. INTRODUÇÃO: PASSAGENS: Dividimos a viagem nas seguintes datas: 16/10 – 18/10: BUENOS AIRES 18/10 – 22/10: EL CALAFATE 22/10 – 26/10: USHUAIA 26/10 – 27/10: EL CALAFATE Todos os voos foram Aerolíneas e não tivemos problema com atraso. Compramos a passagem múltiplo destino BSAS – CALAFATE – BRASIL em uma promoção do Melhores Destinos no Viajanet por R$ 1.600,00 incluindo as taxas e deixamos para comprar a de Ushuaia mais para a frente, imaginando que seria a mesma coisa que comprar LIMA – CUSCO. Não achei muitas informações sobre isso, um voo nacional, de apenas 1h não seria tão caro, certo? pensei. ERRADO. Ao colocar o rastreador na passagem, fomos surpreendidos por valores acima dos mil reais e bateu aquele desespero. Ir de ônibus não era uma opção por causa do nosso tempo limitado e cancelar Ushuaia também não. Depois de alguns meses conseguimos comprar a passagem CALAFATE – USHUAIA por R$ 772,40, o que é considerado ótimo para esse trecho. Simulando o mesmo roteiro com uma passagem múltiplos destinos incluindo Ushuaia, daria em torno de dois mil, então acabou que não fez tanta diferença. Transfer em Buenos Aires, Ezeiza – Palermo com a Class Receptivo: R$ 100,00 Transfer Aeroparque – Ezeiza: GRÁTIS se seu voo for conexão da Aerolíneas. Se não for, o ônibus da Tienda Leon custa uns ARS 1.000 e o táxi tem corrida fechada por ARS 780. HOSPEDAGENS: Todas as hospedagens foram em apartamentos. Buenos Aires, 3 noites: https://www.airbnb.com.br/rooms/12705538 R$ 428,05 Muito bom apartamento, próximo do centro de Palermo, com ótimos restaurantes ao redor, há poucas quadras do Rosedal e perto do metrô. El Calafate, 4 noites: https://goo.gl/uLQPxo US$: 153,24 Foi a melhor hospedagem da viagem, chalé fofo, confortável, quentinho e próximo do centro. A dona da hospedagem, Paola, e sua cachorrinha fazem o lugar ainda melhor. Ushuaia, 4 noites: https://goo.gl/Cn41vx US$ 159,32 Apartamento muito bom, moderno, equipado com a ressalva que além de um pouco longe da Av. San Martin (cerca de 2km) fica no alto de umas ladeiras. Para descer é fácil mas a subida era impraticável. CÂMBIO: Levei: RS 1.000,00 EUR 250,00 USD 200,00 Cotação do real em Buenos Aires na agência Mais Brazucas (Florida 656 PB 1, Buenos Aires, em frente a Zara) foi de ARS 9,45. Melhor cotação que achamos. Cotação Dólar em Ushuaia foi de ARS 35 Cotação Euro em Ushuaia foi de ARS 39 O real estava entre ARS 8,50 tanto em El Calafate e em Ushuaia. DICA: PRESTEM ATENÇÃO NO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DAS CASAS DE CÂMBIO!! Principalmente em El Calafate. Quando fomos, fechava as 18hrs e não abria no domingo. Em Ushuaia as lojas fecham no almoço e voltam só as 16hrs. Existe uma casa de câmbio em cada cidade, não olhamos o paralelo. Voltei com 50 dólares e alguns pesos. Não usei cartão de crédito, esse dinheiro que levei foi para praticamente tudo: passeios, comida, transporte, compras... salvo passagens, minitrekking, pinguinera terrestre e as hospedagens de BSAS e Ushuaia, tudo foi pago na Argentina. O total aproximado da viagem foi de R$ 5.000,00, lembrando que as únicas coisas que não foram divididas por 2 foram os passeios, compras pessoais e passagens. Se você for uma pessoa econômica, vai conseguir fazer essa viagem por uns 4 mil e dependendo dos passeios, por 3 mil, fácil. O mais caro que achei foi comida em restaurante, em torno de ARS300-500 os pratos mas indo de 2, considerando o tamanho gigante das refeições, tem como dividir tranquilamente. Você também acha empanadas beeem recheadas, pizzas por poucos pesos e os mercados sempre são uma boa opção. CLIMA: Não achei sobre o clima da Patagônia em outubro/primavera em nenhum lugar, o que foi a principal motivação de escrever esse relato. Em Buenos Aires, dos 3 dias que ficamos, fez sol e calor insuportáveis e no último dia choveu de manhã, mas logo o céu abriu. Dos 4 dias que ficamos em El Calafate, a maioria foi de céu limpo e solzão e o último dia foi de chuva torrencial e céu fechadíssimo. A temperatura média era de uns 8° de dia, 2° a noite e no dia da chuva foi de 2° o dia inteiro (com direito a neve nas montanhas). Quando voltamos para pernoitar na cidade 1 semana depois, ainda estava chovendo. Foi onde passei mais frio, as roupas "térmicas" que comprei no Brasil não deram conta. Chegando em Ushuaia tive que comprar uma calça urgente. Dos 4 dias que ficamos em Ushuaia, todos foram de céu limpo e sol com temperatura média de 10°, o degelo nas montanhas era visível. Não sofremos com os ventos patagônicos, acredito que por causa do fim do inverno, mas senti que estavam começando a voltar. Dito isso, vamos ao relato.
  3. Oi, tudo bem?? Gostei muito das suas postagens no blog! Poderia me informar quando você pagou no minitrekking, pinguinera e o passeio para a laguna los tempanos?
  4. Stanlley, Obrigado por seu relato! Moro em Brasília, já fui para a Chapada várias vezes mas nunca aproveitei que nem você! 😂 Esse final de semana irei pela primeira vez no complexo dos Couros e seu relato me ajudou bastante! Poderia me dizer se a estrada de chão até a cachoeira está em boas condições? O carro não é muito alto... mas aguenta vale da lua e loquinhas tranquilamente!
  5. Bruna, você acha que dá pra fazer um bate-volta de El Calafate para El Chaltén de carro para fazer a trilha da Laguna de los Três? ou então quais trilhas daria para fazer nesse bate-volta? Estou acompanhando seu tópico, está sendo muito útil para minha viagem! Obrigada!!!! 😄
  6. Ando lendo muitos relatos negativos sobre a Bolívia ultimamente... o que me fez deixar o país para o último da lista. Triste é escapar do Brasil para respirar ares não-corruptos e dar de cara com corrupção em outro lugar. Lamentável.
  7. Obrigada pelas informações! Eu já estava assustada com os valores dos passeios tendo como base o Brasileiros em Ushuaia, agora estou mais tranquila haha Você recomenda um lugar para contratar um guia?
  8. Por muitos anos eu e minha família adiávamos Jeri pelo “mito” de que tudo é caro demais, mas aquela pedra furada sempre foi um sonho meu e depois de reservar bastante dinheiro, tomamos coragem e fomos. Sempre digo que quem mora em Brasília não se assusta com os preços de lugar nenhum e dessa vez não foi diferente, achamos os preços super normais para uma vila simples e de difícil acesso. Usei menos da metade do dinheiro que juntei. Como essa viagem foi feita no final de junho do ano passado, com meus pais, final da baixa temporada, não me organizei para mostrar os preços exatos, mas vou tentar fazer uma estimativa. Importante dizer que não estávamos no perfil mochileiro, então minha intenção é dizer o que realmente achei da cidade e dos passeios. CHEGADA: Peguei um Voo LATAM ida e volta BSB -> FOR por volta de R$ 400,00, sem promoção. Saímos rumo à Jeri no ônibus superconfortável da Fretcar (passagens compradas antecipadamente pelo site, pegamos o ônibus semi-leito no aeroporto por 140,00 ida e volta/pessoa sem o transfer para a vila). Os tranfers apenas de ida em uma Hilux custam entre R$ 450,00-R$500,00 até dentro da vila. Vale a pena? Talvez, se dividir por 4 pessoas e se quiserem chegar logo, já que a diferença para chegar é de umas 3hrs, mas como já tínhamos programado para “perder” o dia, decidimos economizar. A viagem é tranquila, estrada no estilo “retona”, asfalto bom, o ônibus não vai pelo litoral, mas em compensação passa por parques eólicos bem interessantes! O ônibus faz apenas uma parada para um lanche/almoço rápido e segue até um posto de gasolina, onde fica o estacionamento, para pegar o “pau de arara” e seguir para a vila. Quem não comprou o transfer para a vila, compra lá na hora mesmo sem nenhum problema. Dica: Fomos à noite e o vento estava forte, para quem não conseguir ou não preferir ficar dentro do carro, recomendo levar uma blusa de frio leve e um lenço para segurar os cabelos. A ida até Jeri a noite é mágica, um céu cheio de estrelas indescritível! O transfer deixou cada pessoa em seus devidos lugares de hospedagem. HOSPEDAGEM: Para economizar, escolhemos Airbnb e demos a sorte de achar a Casa da Lydie (https://goo.gl/Ee8BdA) O total, com as taxas foi de R$1359,42 para 3 pessoas, 6 dias. Não acredito que tenha uma opção melhor para hospedagem, nem mesmo no famigerado Essenza . A casa é muito bem localizada, superequipada, limpa, linda de morrer! 3 quartos (2 suítes), varanda com rede e sofá, cozinha, e vista para o por do sol. Acredito que é importante detalhar estadias em Airbnb, então tirei muitas fotos da experiência. Acho que a casa é um “puxadinho” do hotel La Villa, pois tem o mesmo estilo do hotel. Nossa hospedagem dava direito de aproveitar as dependências e café da manhã do hotel ao lado se houvesse consumo. O café da manhã supercompleto e delicioso custou R$60,00 por pessoa, que aproveitamos uma vez. Os drinks e petiscos bem servidos estavam em torno de R$ 18 – R$20 e R$20 – R$30, respectivamente. Salvou em um dia que voltamos do passeio mortos de cansaço! Entrada da casa Dependências do Hotel La Villa: Café da manhã PASSEIOS: PEDRA FURADA: Fomos a pé, de manhã com a maré baixa saindo da praia principal. Não demora muito para chegar, cerca de 40 minutos, e o percurso é lindo, mar quentinho, rochas coloridas, cavernas e piscinas naturais, e é tranquilo. No caminho, paramos para tomar banho na praia malhada que, na minha opinião, é a melhor da vila, mas infelizmente quase não tem estrutura de barraca, apenas um senhor que aluga guarda sol e vende água/água de coco/refri e cerveja, a preços de quem não tem concorrência. Enfim chegamos na pedra e... LOTADO DE TURISTAS! Estava lotaaaaaaado! Chega bateu um desânimo... Mas logo vimos que era um grupo dos passeios e logo foram embora, deixando o lugar praticamente vazio. Chegaram outros, e também logo foram embora, e assim foi. É só ter paciência. O cartão postal é bem bonito, a rocha tem coloração rosada, não decepcionou! Porém na volta... SOCORRO! A maré tinha subido e não havia mais caminho pela praia, então tivemos que subir um morro bem íngreme para voltar por “cima”! Aí sim é difícil de verdade! O sol de matar só piorou a situação! Se for fazer esse passeio a pé, leve muita água e abrigo! Não recomendo para idosos. Praia de Jeri com a maré baixa. Caminho para praia malhadaPraia malhadaCaminho de volta DUNA DO POR DO SOL: É lindo, apenas! Dica: Uma boa opção é alugar um cavalo para andar na encosta da duna por R$50,00/1h (preste atenção na condição dos cavalos, caso decida alugar. Verifique se o animal tem machucados e se está bem nutrido, limpo e escovado. Próximo a casa tinha um senhor que cria e vimos que eram bem tratados). Atenção: venta muito mesmo e é um pouquinho frio. Fica lotado apenas em uma parte da duna, o começo, mais pro final praticamente não tem gente. LITORAL LESTE, as Lagoas: Contratamos o passeio com o pessoal da própria associação de bugueiros (fica uma barraquinha na frente do Supermercado Tem Tudo, ao lado do Samba Rock). Custou R$250,00 as 3 pessoas. Acaba que é tudo tabelado e preferimos ajudar a comunidade. LAGOA PARAÍSO: Fomos direto para lá, com uma parada em uma pequena lagoa que não sei o nome, só para fotos. É bem bonita. Chegamos no paraíso por volta de 10h e como não fomos primeiro para a Pedra Furada, o lugar estava bem vazio. O lugar é um Beach Club badalado, ótima estrutura, com comidas e bebidas caríssimas. Porém não paga para sentar nas cadeiras normais e nem para usar os banheiros, pelo menos. Fica tocando uma música meio lounge, meio eletrônica (bem chata e enjoativa para quem não curte). 12hrs é o horário ideal para observar a lagoa, já que o sol está a pino. É realmente belíssima, um verdadeiro oásis e ficar naquelas concorridas redes é maravilhoso . 10hrsR$100,00 para ficar nas espreguiçadeiras 12hrs LAGOA AZUL: Fomos depois da Paraíso e sinceramente? Muito sem graça! Talvez por que ela estava com muita água e por que fomos no Paraíso antes! Talvez seja melhor ir nessa antes para manter a expectativa lá em cima, depois da Lagoa do Paraíso todas as outras perdem um pouco da graça. A água é bem parada, funda e cheia de peixes. Em compensação, é notavelmente mais barato do que a Paraíso. Almoce e beba por lá, se preferir, a comida parece boa e bem servida! Cerveja bem gelada, 600 por R$9,00! Não tocou música, então o lugar é bem tranquilo. As mesas e cadeiras ficam dentro da água. PREÁ: Vila de pescadores bem simples. Mar agitado e areia cheia de conchas. Almoçamos na Barraca da Mônica por recomendação do guia. O lugar é bonito, mas achei que veio pouca comida para o valor (R$ 70 o prato com camarões pequeníssimos), serve pouco, mas é gostoso. Na vila compramos peixinhos e camarões para abastecer nossa geladeira, o preço é ótimo e é tudo fresco! ÁRVORE DA PREGUIÇA: Parada de 5 minutos. Apenas uma árvore seca (apesar de viva) retorcida e deitada. É bem bonita, mas é só um lugar para tirar foto (Se você der sorte de pegar o lugar vazio...). Para falar a verdade, você vê muitas dessas árvores pelo caminho, acredito que essa seja a maior. LITORAL OESTE: Também pela associação, R$150 3 pessoas. Não fomos ver os cavalos marinhos e seguimos direto ver as árvores secas, é um ambiente bem interessante! Nunca tinha visto nada parecido. As fotos ficam lindas. DUNAS: O motorista do bugue fez umas voltas bem legais, passeio com emoção! Você pode parar nas lagoas que ficam no caminho para fazer um skibunda. LAGOA DE TATAJUBA: É aqui que tem o cardápio vivo. Quando fomos, só tinham 2 famílias além da nossa. A lagoa é uma delícia, existem redes dentro da água também. Comida muito bem servida e muito gostosa, para 3 pessoas sobrou e foi R$ 80,00 o peixe mais guarnições a vontade! Se acabasse era só pedir que traziam mais. Aluguei um SUP por R$40,00 o tempo que eu quisesse. É um lugar para relaxar. A cor da água não se compara com a das outras lagoas, mas é tão paradisíaco quanto! Ficamos até cansar. CIDADE: A vila é simples, cheia de areia. Não há asfalto, então nem considere levar salto ou sapatos elaborados, lá só andam de tênis, chinelo ou descalço mesmo. Como estávamos com uma casa, não gastamos muito com comida, apenas no mercado (os preços são bons!). Comemos na excelente hamburgueria EAT On The Street uma noite, preço normal em torno de R$25-30 e na famosa pizza de metro Peperino, também bem gostosa. E pela vila tem em vários barzinhos legais e restaurantes do “PF” ao gourmet. Nem cogitamos alugar uma cadeira na praia principal, pois é cobrado por hora e a praia não é lá essas coisas, achamos coisa de gringo desavisado. Há várias lojinhas e boutiques, tudo bem caro e nada de especial. Porém, quero chamar atenção para a Associação das Crocheteiras. Nunca na vida achei que iria comprar um vestido de crochê belíssimo por R$40,00. Tudo feito a mão, impecável. Comprei porta guardanapo, vestidos, bolsinhas, tops e lembrancinhas. CONSIDERAÇÕES: Há muito hype em cima de Jeri, percebi que transformaram uma simples vila de pescadores em um lugar com desnecessária fama de badalada. Realmente, há uma estrutura meio hippie-chic mas em sua maior parte, Jeri continua sendo uma vila de pescadores, e ainda é tudo muito simples, não há nem necessidade de extravagância, eu só usei biquíni e shorts o tempo inteiro. Há um rebulinho de pessoas ricas que chegam por lá de helicóptero e ficam hospedados no Essenza com suas festas barulhentas, mas fica por isso mesmo. O clima de simplicidade é predominante. Separe e leve dinheiro em espécie, lá não tem caixa eletrônico (meio impossível para um carro forte chegar lá, né?) e muita coisa só vende no dinheiro mesmo, inclusive o transfer da vila para pegar o ônibus de volta! Ficamos 6 dias inteiros lá e no final das contas achamos muito. O ideal são 3 a 4 dias inteiros, ou 6 dias com passeio ao delta ou lençóis maranhenses. Acaba que depois de fazer os passeios não tem mais muita coisa para fazer. Me arrependi de não ter feito o passeio para Barrinha e ter ido no restaurante Komaki. Considerem incluir esse passeio no roteiro! Com muito planejamento dá pra fazer uma viagem custo-benefício e única!
  9. Olá, Mochileiros! Vim trazer meu primeiro e humilde relato para aqueles interessados em mergulhar pela primeira vez em Arraial do Cabo. Escolhemos o dia 27 de fevereiro para realizar o mergulho, tanto por conta da baixa temporada quanto pelo clima, este que na verdade estava meio doido. Choveu muito no estado do Rio por essa época, causando até alagamentos, e a previsão do tempo não estava muito boa, mas o pessoal sempre nos tranquilizou quando mandávamos mensagens desesperadas pelo Whatsapp, informando que a chuva não interferia no passeio. CUSTO: Ok, primeiras coisas primeiro. O mergulho foi feito pela empresa By Fish, nº 1 no Tripadvisor e o mergulho de batismo custou, por pessoa, R$ 185,00 + R$ 60,00 das fotos (se pagar antecipado, é R$ 50,00. Vale a pena? SIM! Serão fotos incríveis feitas pelo profissional @tiagosantosph). Não sei quanto as outras empresas, mas a By Fish é realmente ótima, o cuidado e a hospitalidade são grandes diferenciais. No valor está incluso todo o equipamento e um lanche/café da manhã bem gostoso, com frutas, bolo e suco. EXPERIÊNCIA: Marcamos de estar no Píer 3 às 08:30, recomenda-se chegar 08:00. Se programem para chegar no horário, pois eles são pontuais e depois de 08:30 só tem 15 minutos de tolerância muito bem respeitados, principalmente se estiverem hospedados em Búzios, como nós, onde o trajeto até Arraial vai durar quase 1h apesar da curta distância. Chegamos no Píer, o sol estava de rachar, compramos a taxa por R$5,00, fomos até o barco e... fizemos o mergulho sozinhos mesmo! Por conta da baixa temporada e por ser em uma terça, não havia mais pessoas e sentimos que contratamos um passeio particular. Preenchemos um formulário e nos foi passada as instruções, é tudo muito simples e intuitivo. Chegamos ao ponto onde iríamos mergulhar. Estávamos em casal, mas como apenas um instrutor foi não poderíamos mergulhar juntos. Infelizmente isso não nos foi informado, então seria bom combinar antes do mergulho para quem se interessar em mergulhar em casal. A água é realmente maravilhosa, clara e limpíssima, não estava congelante e havia muitos peixes, inclusive uma tartaruga, águas vivas pequeninas e um baiacu muito fofo, a visibilidade e a diversidade marinha é algo impressionante, é inevitável não se sentir no Procurando Nemo. O mergulho demora cerca de 30-40 min e vai até 10m de profundidade e enquanto outras pessoas mergulham você pode fazer snorkel pela área. Uma dica que considero interessante é combinar com o fotógrafo antes o tipo de foto que você quer, por exemplo, mais perto dos corais, da superfície, ao passar por um cardume etc ao mesmo tempo em que você leva uma GoPro para filmar o passeio. Em resumo, tudo é muito tranquilo e não oferece nenhum perigo, o instrutor estará com você o tempo todo te guiando e você não precisa nem nadar. A experiência é muito maravilhosa e já saí de lá já procurando cursos de mergulho e passagens para Bonaire. Espero que esse relato ajude as pessoas que estão indecisas se incluem esse passeio no roteiro!
×
×
  • Criar Novo...