Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Roberto Antiga Junior

Membros
  • Total de itens

    5
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

7 Neutra

Sobre Roberto Antiga Junior

  • Data de Nascimento Maio 3

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Peru, Bolívia, Panamá, Cuba, Holanda, Bélgica, Polônia, República Tcheca, Alemanha, Hungria, Turquia, Espanha, França, Camboja e Tailândia.
  • Próximo Destino
    Vietnã, Myanmar e Camboja
  • Ocupação
    antropólogo
  • Localização
    rua renzo borghi, São Paulo, São Paulo, 05340050, Brasil

Últimos Visitantes

369 visualizações
  1. Outro lugar interessante e essencial, que todos precisam visitar em Havana, e que deixa explícito a influência africana na formação cultural e social é o Callejón de Hamel É basicamente uma viela que foi toda estruturada a partir de 1990 por um artista plástico cubano, Salvador Gonzalez, com inúmeros grafites e outras expressões artísticas que fazem referência a religiosidade afro-cubana, aqueles mesmos orixás cultuados no Brasil, também são cultuados em Cuba. O tronco étnico de africanos escravizados que foram trazidos de maneira forçada ao Brasil também foram levados a ilha. Aqui se formou o Candomblé e por lá se criou a Santeria !!! O espaço, que todos os domingos tem atrações musicais, também marca presença com conferências, peças teatrais e inúmeras expressões artísticas . Inúmeros elementos no espaço fazem alusão aos orishas cubanos, e você ainda pode tomar uns mojitos e conhecer muita gente. Um ponto negativo é que existem algumas pessoas que ficam no local tentanto obter alguma vantagem dos turistas, mas isso eu tirei de letra. Outra dica importante, se caso você tenha curiosidade de se aprofundar na religiosidade afrocubana, saiba que as casas sérias de santeria não se encontram em Havana, mas sim na região de Matanzas. Portanto, não seja inocente e não caía na lábia de alguns que estão por ali somente para conseguir alguns Cucs. Este vídeo mostra um pouco do que rola por lá aos domingos, como as minhas filmagens não ficaram tão boas, preferi pegar esta do youtube. É um lugar sensacional e, particularmente um dos meus lugares preferidos em Havana. Está localizado no Bairro de Cayo Hueso e considero imperdível !!!
  2. Eu consegui por intermédio da moça que ia me hospedar na casa dela. É muito comum entre os próprios cubanos eles fazerem inúmeros bicos, principalmente com o turismo para conseguirem renda. Por exemplo, o senhor que foi me buscar no aeroporto era ex treinador da seleção cubana olímpica de boxe. Existem sites especializados que possibilitam este contato com os cubanos para uma eventual hospedagem. Inclusive no Aibnb também existem inúmeras ofertas. É um conselho que dou para todos que querem ir para Cuba, não fiquem em hotéis, é muito mais interessante se hospedar na casa dos cubanos.
  3. Depois de participar do Congresso de sociologia da religião em Havana, aproveitei para conhecer a cidade. Eu levei um guia do Lonely planet de Havana e consegui conhecer lugares que absolutamente fogem do roteiro mais tradicional. Fui em uma pequena mesquita existente em Habana Vieja, em um museu especialmente feito para as religiões afro-cubanas, mas conhecida como Santeria, e também descobri a calle comércio, um lugar onde conseguimos comprar artesanato e souvernis com um preço bem menos do que aqueles que as pessoas vendem nas regiões mais turísticas. Museu da Revolução: consegue demonstrar toda a importância da revolução cubana para a derrubada do ditador Fulgêncio Batista, desde o inicio da formação dos grupos de guerrilha, a chegada da baía dos porcos(1961) e como a população ajudou na derrubada do ditador. Um museu sem muita interatividade, mas que consegue explicitar o quanto a revolução foi um divisor de águas para a história e construção da sociedade cubana. Obviamente, que no Museu, só existe a história contada pelos vencedores, mas de certa forma conseguimos nos aprofundar na história contada por outro ponto de vista. Afinal, na maior parte dos meios de comunicação, colocam o regime cubano como autoritário e que não respeita os direitos humanos. O Iate que os revolucionários chegaram as Baía dos Porcos, tanques de Guerra, fotografias e inúmeros documentos estão acessíveis e eu, particularmente considero importante ``ganhar´´ algumas horas e dar uma conferida. Aos poucos, estou revendo o material a respeito da viagem e vou compartilhando com vocês por aqui. Estou disponível para auxiliar com alguma informação ou tirar dúvidas Pretendo em breve ir colocando outras informações que considero importante
  4. Alguém já usou o fre passa da Air Asian para voar no Sudeste asiático? descobri recentemente e gostaria de saber se realmente compensa

  5. Depois de postergar por séculos, segue o relato de quando eu estive talvez na Ilha ``mais amada´´ e ``odiada´´ do mundo Cuba !!!! Já faz um tempo, mas pisar nesta ilha caribenha me marcou profundamente. Fui para participar de um Congresso que ocorre a cada quatro anos neste maravilhoso país, consegui uns dias a mais para poder conhecer um pouco de Havana com toda a sua história e caráter revolucionário. Para isso, consegui um bom voo na época pela Copa Airlines com escala no Panamá e também consegui uma hospedagem excepcional, através de uma amiga da minha irmã, em uma casa de uma família cubana, poderia afirmar que depois destes dias me considero com uma segunda família . Vou tentar não me prender a toda a minha paixão que eu tive por esse país e seu povo e tentarei descrever algumas dicas importantes para o viajante que pretende conhecer esta ilha que, realmente, parece que parou no tempo. Realizei um voo extremamente tranquilo, como retirei o visto na embaixada cubana na cidade onde eu habito (São Paulo) não precisei providenciar nenhuma tarjeta turística na Cidade do Panamá e teoricamente entraria no país sem nenhum imprevisto, só que como todos sabemos, nem tudo saí como planejamos e como consegui bastante doação de materiais escolares, sabonete, cremes dentais, roupas ... a polícia cubana ficou desconfiado de mim, e fiquei quase duas horas sendo revistado, realmente o controle em sua alfândega, ao meu ver, parece ser bem rigoroso. mas, depois do susto inicial e com a minha anfitriã Francis muito preocupada, saí do aeroporto José Marti e lá estavam ela e um senhor que iríamos nos levar para a casa dela. Uma dica importante, o aeroporto José Marti é bem afastado da região central de Havana e provavelmente você tenha que pegar um taxi ou acertar um transporte antes da sua chegada, eu consegui um por 7 CUCS* (pesos conversíveis cubanos) que me deixaria na casa de Francis, localizada no bairro do Vedado, uma região mais residencial de Havana e onde se encontra grande parte das embaixadas e que se transforma no seu outro oposto em uma das regiões mais turísticas próximo a Habana Vieja e Hotel Nacional. O local era ótimo, iria ficar no quarto da filha de Francis, Carolina, uma estudante de medicina e no mesmo apartamento morava a sua mãe. Fui muito bem recebido, e mesmo estranhando um pouco o casteliano cubano, tive muitas dificuldades em compreender passei um bom tempo conversando e tomando café com a mãe de Francis, uma senhora com 80 anos e com muitas histórias para contar, inclusive dos momentos áureos da revolução e outros momentos de muita escassez. *Imagino que todos que pesquisam sobre Cuba devem saber como funciona a questão cambial em Cuba, mas vale relembrar em poucas linhas, que devido a todos os problemas relacionados ao embargo econômico, o governo cubano para arrecadar mais com o turismo, uma das suas poucas fontes de renda, criou uma outra moeda que seria utilizada pelos turistas, chamada CUC, ela tem mais ou menos a cotação do dólar - mesmo que se você for compra-la com dólar tem taxação de 10%- e o peso cubano (cotado 1 CUC=24pesos cubanos) como era a minha primeira vez em Cuba, acabei levando dólares e perdi um pouco de dinheiro . Voltando a viagem, no mesmo dia peguei uma máquina (taxis coletivos naqueles carros antigos da década de 50) paguei cerca de 0,50 cents de CUC e fui para a região turística de Cuba. Parei para tomar um sorvete na sorveteria Coppélia, o interessante que existem duas filas no local, uma gigantesca onde ficam basicamente cubanos e o preço é bem mais em conta e outra minúscula onde é cobrado em CUCs e ficam os turistas. Eu, logicamente fiquei na fila dos cubanos e neste momento consegui erceber o quanto os cubanos e brasileiros são extremamente parecidos, em poucos minutos já havia feito amizade com muitas pessoas e estávamos falando sobre as novelas brasileiras ... Como eles são apaixonados por novelas brasileiras, principalmente as globais, mas como eu não sou um telespectador assíduo da teledramaturgia brasileira, começamos a falar de muitas outras coisas .... Foi paixão a primeira vista . Se quiserem economizar, e o melhor, interagir com o amável povo cubano, super indico que fiquei nesta fila !!!
×
×
  • Criar Novo...