Ir para conteúdo

tontonmacoutes

Membros
  • Total de itens

    68
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

1 Seguidor

Sobre tontonmacoutes

  • Data de Nascimento 01-07-1975

Bio

  • Ocupação
    Economista

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Geovanih Tirando a Venezuela e as Guianas, os demais países são geralmente mais seguros que o Brasil. Nas minhas viagens dificilmente faço reservas, pois sempre estamos sujeitos a imprevistos. Por exemplo nesta a Paraguai/Bolívia/Chile e Peru, o roteiro era para ir até a Venezuela e voltar por Roraima, mas meu filho teve os documentos roubados na noite de ano novo em Cusco e daí resolvemos voltar ao Brasil via Acre. Lembro de uns 10 anos atrás de chegar a Puente del Inca em pleno inverno de julho, à noite e nevando, e o hostel estava lotado, e meus filhos pequenos. Fui até o batalhão do exército argentino e pedi hospedagem, eles falaram que não tinha, então pedi para falar com o comandante e ele nos abrigou nas dependências do exército. Neste mesma viagem em Bariloche todos os hotéis estavam lotados e então aluguei um apartamento. Sempre há saída, nem que seja dormir no carro. O que não vou fazer nunca é deixar de viajar porque não reservei a hospedagem.
  2. Camila Pode ir que é tranquilo. O único inconveniente é que às vezes nos finais de semana há bastante fila na aduana. Geralmente ficando sempre a esquerda é mais rápido. Pode estacionar na rua e é quase tudo meio perto.
  3. Geovani Combustível tem em San Pedro de Atacama e depois só em San Cristóbal, uma cidadezinha uns 100 km antes de Uyuni, mas desviando do salar. Alojamento em San Pedro, na laguna colorada, na ilha Incahuasi e na laguna hedionda tem um hotelzinho num lugar muito bonito, rodeado de montanhas nevadas, vulcões e a própria lagoa cheia de flamingos. Achei ele era depois da meia-noite, quando já estava pensando em acampar, mas estava muito frio, -5 graus. Cara vc não sabe como é foda andar a noite no deserto, sem estradas, só caminhos cheios de pedra com um carro baixinho como o prisma. Quando eu vi uma luzinha fraca ao longe quase não acreditei. Alimentação tem lanches em laguna colorada, no hotel da laguna hedionda, na ilha Incahuasi e em algumas vilazinhas no caminho, mas é bom levar alguma coisa porque nunca se sabe se vai achar. Eu estava equipado e até feijoada fiz lá, mas o mais incrível foi no valle de rocas, no início da noite, onde avistei uma casinha ao longe e ao parar surgiu uma menininha de uns 10/12 anos que me ofereceu empanadas, ao qual perguntei do que? Prontamente me respondeu: Ora, de lhama!! Imbecilidade minha perguntar, pois era o único animal que via em dias. Ainda hoje as vezes sonho com aquelas empanadas!? Gasolina estava custando pouco mais de R$3,00 o litro para carros com placas estrangeira e para nacionais perto de R$1,40. Mas tem macetes. Quando abasteci em umas garrafas pet de 2 litros me cobraram o preço normal e falaram porque não era no carro, então seus galões devem cobrar o preço normal. Alguns turistas pedem para um nativo ir abastecer o galão e depois te repassam com uma margem e também aconteceu de um posto não ter a nota para cobrar a diferença de estrangeiro e daí depois de insistir achamos um meio termo no preço. É necessário um seguro internacional contra terceiros, a carta verde não é válida. Como não tinha me tomaram 200 bolivianos na fronteira com o Paraguai, mas depois fui parado várias vezes para pagar as trancas, tipo de pedágio que tem na região de sucre (barato) e também pelo exército sem nunca ser incomodado ou achacado mais. Andar no salar é quase como andar no asfalto, tem muita estrada pior no Brasil. O salar tem dezenas de metros de profundidade, então o que aconteceu com o rapaz, ele deve ter passado em algum lugar que foi extraído sal na borda, e tinha alguma depressão que não tinha sido recomposta ainda. Quando passei, no final de dezembro, estava começando a estação das chuvas e tinha uns 10 cm de água nas bordas. Quando entrei encheu de sal todo a parte inferior e principalmente o motor, que chegou a acender a luz de falta de lubrificação. Parei o carro, vi que o óleo e a temperatura estavam normais e toquei em frente. Mas aquela porra da luz vermelha no painel não apagava, passei um cagaço, mas depois de 40 km ela enfim apagou. Depois até dei a direção para meus piás tocarem um pouco. Devido ao susto só fiquei na rota normal onde forma uma espécie de trilho um pouco mais escuro. Foram 80 km até a ilha Incahuasi e mais 45 km até Chuvica. Foram 125 km de sal e uns 1500 km de terra. Quando cheguei em Calama tive que trocar os amortecedores traseiros que tinham estourado e vazado o óleo e me cobraram R$100,00 para lavar o silver. Vc precisa de pelo menos 600 km de autonomia só para fazer o passeio normal. Eu andei bastante por lá, mas meu carro dava 900 km de autonomia, tava fazendo 18km/l. Para a reserva Avaroa cobram 150 bolivianos por cabeça. Ainda tenho uns mapinhas do salar, se quiser eu te envio. Precisou é só perguntar.
  4. Geovanih Atravessei o salar de prisma agora no final de ano. Se precisar de informações é só pedir. Meu roteiro foi Foz do Iguaçu-PR, Assunção e Mariscal Estigarribia no Paraguai, Sucre, Potosí e Uyuni na Bolívia, San Pedro de Atacama, Calama e Arica no Chile, Tacna, Puno, Cusco, Macchu Picchu e Puerto Maldonado no Peru e entrando no Brasil pelo Acre. Na Argentina leve pesos. Hoje está em 19 centavos. No Chile pode-se pagar quase tudo com o cartão e na Bolívia leve dólar de preferência, mas também trocam reais, inclusive em Uyuni. Vai pegar o salar seco, é tranquilo, chegar a 5000m perto dos geysers, e se prepare para ter pelo menos 600km de autonomia com sua camionete.
  5. Amigos mochileiros Estou descendo o Itupava neste sábado com meus filhos. Quem quiser fazer parte da comitiva já está convidado.
  6. A casa de câmbio ao lado da aduana tem a pior taxa, pois cobra o valor oficial. Em Foz, a melhor taxa é na KM câmbios, perto da Ponte da Amizade, está hoje R$0,21por peso. Vc também pode conferir nos sites das casas de câmbio do Paraguay (Chaco, Mercosur, Alberdi).
  7. Roger Fiz Uyuni à San Pedro de Atacama agora em dez e jan/14, com carro pequeno (Prisma), e o caminho é ruim, e o salar estava alagado nas bordas. Se tiver uma camionete passa tranquilo, mas de carro pequeno não é aconselhável, pois tem lugares com muitas pedras, outras é areião e também muita costela de vaca. Estourei os dois amortecedores traseiros de vazar todo o óleo. Tem outro caminho que é mais tranquilo, que passa por Avaroa, onde passa o trem na fronteira com o Chile.
  8. Vinícius Pode ir de carro que não tem problemas, não precisa de carta-verde. Vou + ou - 100x por ano para Puerto Iguazu, inclusive ontem e nunca tive problemas. Em janeiro passaram 800.000 pessoas pela Aduana, e geralmente há uma pequena fila, que fica grande no início da noite. Não se esqueça de levar pesos para pagar as despesas, economiza muito. A cotação está em torno de 30 centavos. Aqui vc encontra casas de cambio até em mercados. No Duty Free é vantajoso comprar bebidas e perfumes em relação ao Paraguai, mas pague sempre em pesos, que garante uma economia de quase 30% do que pagar em real, dólar ou cartão.
  9. Realmente Foz do Iguaçu é fantástica. Complementando as informações: A carta verde não é cobrada para ir até Puerto Iguazu, cataratas ou aeroporto-AR. Cambio: Foz e CDE tem centenas de casas de cambio, o que torna as cotações bem favoráveis. Por exemplo, sexta, dia 18.01.13, comprei pesos à R$0,285. Duty Free: Na verdade foi eleito o melhor free shop de fronteira do mundo, e hoje é o melhor e mais barato local para comprar perfumes e bebidas. Normalmente os preços são um pouco maiores que o PY (Em US$), porém a grande barbada é pagar em pesos. Como a Argentina vive um regime de cambio pré-fixado, com grande controle da economia pelo governo, existe uma idiossincrasia que já existiu no Brasil, antes do plano real, que é a diferença da cotação de moeda oficial e a não oficial. No caso específico do dólar, o oficial custa P$4,98 enquanto que no paralelo a cotação está em P$7,50. Como o Duty Free cobra a cotação oficial, estarei pagando pelo dólar R$1,41. Exemplo: Whisky Chivas Regal 750ml 12 anos US$26,00. Pagando em reais R$55,90, pagando em pesos P$129,48=R$36,90, um desconto de 34%.
  10. Oi editor Não poderia escolher melhor hora para visitar Mendoza, ela está fervilhando neste verão, só para citar alguns eventos que que estão ocorrendo neste janeiro Rally Dakar 2010 Festa Provincial do Oregano Festival da Cueca (dança) e do damasco (fruta) Encontro das Nações Festa Provincial do Cordeiro Encontro Nacional de Canto e Dança Festival internacional de Xadrez Festa Nacional do Chivo (Bode novo) Festa de la Vindimia (colheita da uva) em vários departamentos. A cidade é super fácil de se localizar, em forma de tabuleiro e com várias praças, o difícil acho que vai ser vc conseguir hotel nesta época do ano. As temperaturas são semelhantes as de Curitiba com a diferença de o clima ser super seco, porém acontecem algumas chuvas rápidas no verâo, incçlusive peguei até granizo. A Campo Base é uma agência voltada para o público mochileiro, e eu recomendo. Atrações pega turista tem em todo lugar, mas depende do tipo de aventura que vc quer. Por exemplo o Alta Montanha, pra quem não conhece é interessante, mas eu acho pega turista, se vc puder aluga um carro e faz ele bem melhor. Outra atração é que em Janeiro sempre tem clássico de futebol Boca Juniors X River Plate, na Copa Revancha Mendoza, no Estádio Malvinas Argentinas, no Parque San Martin, pertinho do centro da cidade (imperdível). Neste parque também tem um zoo, que tem até urso polar. Saudações Adriano
  11. Oi Renata Eu acho que faz até calor no percurso, se tiver sol, vai estar quente e da pra ir até de bermuda, mas na sombra e a noite faz um friozinho que pode chegar em 0 grau no seu pernoite em Confluência. Óculos de sol é bom que tenha aquelas abas laterais, pra proteger dos reflexos. Protetor solar é de suma importância também. Voce não vai pegar neve, a não ser que de uma tempestade, mas geralmente acontece mais pro final da temporada. Banho tem que acertar com a agência, mas quem faz este trekking curto não toma. Em Plaza de Mulas tem uma cabana com chuveiro que entra muito vento, e cobravam 10 dólares (2005/2006) por 7 minutos de água quente, sem falar do hotel. Em Confluência cada agência tinha uma casinha (cagador) para as necessidades e para tomar banho tinha que pedir para esquentar água e usar uma caneca. Na entrada do parque eles te dão um saco para vc colocar todo o lixo que gerar, mas como vai com agência eles levam e trazem o saco. Se não devolver na saída é multa na certa, era 100 dólares, e eles são numerados. Acima do acampamento de Plaza de Mulas vc recebe outro saco, este sim para as necessidades fisiológicas, e daí não tem jeito, é numero 1, 2 e 3 tudo dentro. Mas se te der aquela vontade no meio da trilha, hummm Não gosto nem de lembrar, mas tinha uma italiana que quase perdeu o intestino na trilha, então é bom estar preparado para o pior. Vários alpinistas tomam remédio no ataque ao cume, para não evacuar, o que não é aconselhado, devido ao perigo de desidratação, que também é perigoso, então também tome muita água, em torno de 4 litros dia.
  12. Renata, Os preços subiram muito desde que eu estive lá em fevereiro/março/2006, eu paguei pouco menos de 1000 pesos, por 10 dias com alimentação, barraca dormitório, mulas e 1 banho, mas sem guias, nem deslocamento de Mendoza. Todos os equipamentos que necessitas consegue alugar com facilidade em Mendoza, inclusive saco de dormir de duvet para menos -30 graus, embora não tivesse do meu tamanho, tinha que dormir com ele aberto, e óculos de sol, que acho extremamente importante, devido ao sol forte, céu limpo e reflexos na neve. Já que não sabe montar uma barraca o ideal é mesmo contratar uma agência, mas acerte com eles todos os detalhes, como por exemplo o deslocamento de Mendoza, pois são quase 200 kms, pernoite na entrada do parque em Penitentes ou Puente del Inca, já ajuda na aclimatação, pois vai dormir à +- 2700 metros. Quando fui fiquei uma noite no albergue Campo Base Penitentes antes e outra depois do trekking, e eles ainda cuidaram do carro. Quanto a ir sozinha é bem tranquilo, embora a trilha não seja muito frequentada como para Plaza de Mulas, o maior perigo é torcer o pé ou escorregar, bastões ajudam muito, e se acontecer alguma coisa os guarda-parques estão lá para efetuar o resgate com helicópteros inclusive. Para fazer comida tem que levar ou alugar o fogareiro ou acertar com alguma agência, em Plaza de Mulas ainda tem um hotel e um Pub que podem ajudar. Não se esqueça que ainda tem que pagar o permisso de entrada no parque, que está subindo todo ano, e seus preços variam de acordo com os dias que vai ficar e com a temporada (alta, média ou baixa). Se for com agência e com guias eles já tem todas as datas de saída da temporada, mas se for com agência e sem guias pode fazer o trekking o dia que quiser, sem obedecer nenhum cronograma e também pode acertar lá e pechinchar bastante. Saudações Adriano
  13. Oi Renata O trekking não é difícil, porém é cansativo e longo. São umas 8 horas de caminhada puxada, grande parte sobre pedras soltas, subindo quase 1000 metros de altitude, saindo e retornando a Confluencia, onde será seu primeiro pernoite, poucas horas de caminhada da entrada do parque. Também pode sentir os efeitos da altitude, pois vai chegar até 4200 metros, mas se passar mal, ou não aguentar mais, é só parar e esperar o pessoal voltar ou voltar sozinha que é só descida. Não é necessário contratar agências ou guias, não tem como se perder. Os guarda-parques são muito prestativos e fiscalizam e orientam os trekkers, também há médicos nos campos base de Plaza de Mulas e Plaza Argentina. As agências e os guias recebem treinamento e também são fiscalizadas pelos guarda-parques, então não se preocupe, todas as que estão habilitadas a trabalhar no parque são confiáveis. Já utilizei os serviços da Campo Base, que na época eram os mais baratos. O meu conselho é vc esticar 1 ou 2 dias a mais e ir até Plaza de Mulas, daí vai ter noção realmente do que é o Aconcagua. Saludos Adriano
  14. É, infelizmente estamos sujeitos a assaltos até em meio a natureza, isto com guarda-parques controlando a entrada e a saida da trilha. Daqui a pouco teremos que ir descalços e amarrar uma folha de parreira na cintura, para não levar nossos pertences. Como falei num relato anterior, tem uma pessoa morando num túnel abandonado, paralelo ao tunel maior usado pelos trens antes de chegar ao santuário do cadeado. Pode ser que seja só um andarilho, mas é bom avisar a polícia, que já deve ter um retrato falado.
×
×
  • Criar Novo...