Ir para conteúdo

João Pedro Carvalho

Membros
  • Total de itens

    46
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    1

João Pedro Carvalho venceu a última vez em Abril 5

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

25 Excelente

3 Seguidores

Sobre João Pedro Carvalho

  • Data de Nascimento 17-11-1996

Bio

  • Ocupação
    Estudante

Outras informações

Últimos Visitantes

666 visualizações
  1. Oi João to querendo fazer uma locura boa viajar mais  como muchileira  vc poderia me ajudar?

  2. Agradecimentos Quando estava no avião de volta para casa, já estava querendo começar a escrever este relato e termina-lo o mais rápido possível. Comecei a escrevê-lo em setembro, achando que em duas semanas terminaria, estava terrivelmente enganado. Cada vez que sentava para escrever, ficava vendo as fotos, relembrando tudo que tinha vivido, tentando lembrar perfeitamente a ordem de como tudo tinha acontecido, o preço das coisas, o nome das agências, tinha anotado tudo, mas não lembrava aonde hehe. Final das contas, terminei esse relato no finzinho de dezembro. Agradeço primeiramente a Deus, que já tinha preparado todo o caminho para mim antes. Queria agradecer muito a todo mundo que já fez esse rolê antes e postou todas as informações e dicas nos fóruns do Mochileiros.com, aos blogueiros de viagens, que também me deram muitas informações. E não posso deixar de agradecer a toda a galera que eu trombei ao longo dessa viagem inteira, às amizades feitas ao longo desses 40 dias incríveis e a toda ajuda que recebi, desde a família curitibana que dividiu o táxi comigo quando cheguei perdidão em Lima, até ao casal em Lua de mel que me deu carona no último dia em Santiago. Sei que esse relato ficou longo demais, mas espero que sirva para ajudar a galera, que assim como eu estive um dia, está organizando o primeiro mochilão e as vezes se sente meio perdidão, usem e abusem desse relato. Só uma correção, que na página anterior eu disse que minha viagem tinha terminado quando cheguei em casa, mentira, minha viagem terminou agora, com a finalização deste relato. Dever cumprido! Viajar é Preciso!!!
  3. Dia 40 (terça-feira, 27/08/2018) – O Sonho Acabou: De Volta a Realidade Como o transfer ia passar as 2:15 da manhã, nem dormi, ele chegou no hostel, tocou o interfone e já desci, depois passamos em mais um hostel, onde outra pessoa embarcou, seguimos para o Aeroporto de Santiago, lá paguei os $ 7600, peguei minha malas, fui ao guichê da Latam fazer check-in, pedi para colocarem a etiqueta de frágil na bagagem novamente. Fui para a área de embarque e lá sim pude cochilar um pouco, pois meu voo era só as 6:15 da manhã, faria uma conexão em Buenos Aires, no Aeroporto Ezeiza, e uma conexão em Guarulhos, a previsão era chegar em Londrina por volta das 6 da tarde. Embarquei, e quando o avião atravessou as nuvens, dava para ver a Cordilheira lá embaixo. O voo foi rápido, logo desci em Buenos Aires, fui correndo embarcar no meu voo para São Paulo, procurava nos monitores em qual portão seria o embarque, mas não achava “São Paulo” nem “Guarulhos” em lugar algum, comecei a procurar pelo número do voo e achei, adivinhem como: “San Pablo”, não estava acreditando que tinham traduzido São Paulo, como assim??? Engraçado que “Rio de Janeiro” não estava traduzido como “Río de Enero”, mas mesmo assim, queria ver se os brasileiros começassem a chamar a capital argentina de Bons Aeres ou simplesmente Bom Ar. Mas enfim, embarquei para “San Pablo”, no avião o piloto falou de novo em espanhol, e seguimos para Guarulhos. Desembarquei no Brasil, peguei minha bagagem na esteira e fui para a fila da imigração. Tudo bem que fazia mais de um mês que eu estava fora de casa, que tinha emagrecido mais de 10 quilos, o que deixou todas as minhas roupas largas, que meu cabelo já dava para usar de vassoura e as olheiras estavam gigantes, mas quando fui passar pela fila da imigração, o agente da Polícia Federal estava de cabeça baixa mexendo no celular, não prestou atenção em ninguém que tinha desembarcado da Argentina, mas quando eu fui passar ele levantou a cabeça e me selecionou “aleatoriamente”, pediu meu passaporte, viu os carimbos de Peru e Bolívia, e eu já imaginei o que devia ter passado na cabecinha dele. Ele me pediu para segui-lo, me levou para a sala do raio-X, fiquei olhando pra ele, tentando lembrar se eu já tinha visto ele no “Aeropuertos” do NetGeo, mas não. Ele pediu para abrir o saco de transporte onde estavam minhas coisas, do jeito que eu abri, que ele viu aquele monte de roupa sem lavar, ele já pediu para eu fechar, passou pelo raio-X, eu fiquei olhando só, perguntei com uma cara de deboche se ele tinha encontrado alguma coisa. Ele disse que não, peguei minhas coisas e saí de lá. Ainda faltava um bom tempo até embarcar para Londrina. Fui despachar novamente minha mochilona no guichê da Latam, quando eram umas 4:30 da tarde, fui até meu portão de embarque. As 5 da tarde estava embarcando para meu último voo, a maioria das pessoas volta empolgada para casa depois de uma viagem longa, não veem a hora de tomar banho, dormir em sua própria cama. Comigo foi diferente, vim o voo inteiro olhando pela janelinha, segurando a tristeza e as lágrimas. Quando cheguei no Aeroporto de Londrina, desembarquei, peguei minha bagagem na esteira. O sonho tinha acabado. Meus pais tinham ido me buscar no aeroporto, no caminho para casa pedi para pararmos num rodízio de pizza, precisava tirar minha barriga da miséria. Quando cheguei em casa, já eram mais de 10 da noite. Só tomei um banho, e capotei na cama, as malas iria desfazer só amanhã. E assim acabou minha trip, que tinha sido 1000x melhor do que eu podia ter imaginado antes. SALDO DO DIA Transfer aeroporto Santiago - $ 7600
  4. Dia 39 (segunda-feira, 27/08/2018) – Fechando a Viagem com Chave de Ouro Para meu desespero, acordei com o barulho da recepção, olhei o celular, 6 da madrugada, pois é, em Santiago só amanhece por volta das 8 da manhã, e escurece umas 7 da noite. Pensei, é sinal que Deus quer que eu meta o louco e vá nessa represa. CAJÓN DEL MAIPO E EMBALSE EL YESO: O Embalse El Yeso é a represa que abastece a cidade de Santiago, fica nos Andes, a leste da cidade, cerca de 110 km longe do centro, é um lugar incrível, as montanhas cobertas de neve, a água do derretimento toda azul clara. É um dos lugares obrigatórios para ir em Santiago. Para chegar lá da pra ir com um carro alugado, se tiver num grupo grande, ou por agências que cobram na faixa dos $ 25000, o passeio dura uma manhã aproximadamente. E tem o jeito doido que eu vi na internet e que ia testar: pegar o metro, depois pegar um ônibus público, depois não tinha jeito, pegar carona na beira da estrada. O barulho era da galera que ia esquiar, incluindo o Leandro, umas 7 da manhã a van ia passar pra pegar eles. (Se eu tivesse um dia a mais em Santiago, teria ido esquiar também, por mais que seja meio salgado o preço, dizem que vale muito a pena, mas enfim, choices né?) Já fiz meu check-out do hostel, guardei minha mochilona no depósito (embaixo da mesa de sinuca da recepção), pois não sabia que horas voltaria do rolê, e não queria pagar mais uma diária. Pedi o cartão do metrô do Leandro emprestado, já que ele não ia usar hoje, tomei café rapidinho, e já fui para a estação de metrô, coloquei 2 passes de crédito ($ 1360), peguei a Línea Verde, sentido Vicente Valdés e desci no terminal Bellavista de La Florida, cheguei lá ainda estava escuro, fui seguindo as placas escritas “Conexión Intermodal”, lá procurei o ponto da Tur Maipo S.A., encontrei na parte de cima do terminal, lá peguei o ônibus MB-72 com destino a San Gabriel, paguei $ 1800 de passagem, aparentemente tem ônibus desses a cada 40 minutos. Entrei no ônibus, e andei, mas andei, acho que devo ter conhecido uns 60% do subúrbio santiaguino, o ônibus passou por um monte de bairros afastados do centro, e por mais afastados que fossem, não pareciam em nada com as periferias das cidades brasileiras, as casas eram simples, mas bonitas, todas as ruas bem asfaltadas, arborizadas, o trânsito tranquilo, mesmo no horário de pico da manhã, pode até parecer meio doido, mas enquanto eu estava no ônibus, rodando pra lá e pra cá, os bairros me lembravam muito os bairros do GTA San Andreas, os da primeira cidade, o estilos das casas, das ruas, já tava quase me sentindo o CJ. O Sol já estava aparecendo, eram quase 8 da manhã, o ônibus ia parando nos pontos, pegando e deixando gente, até que ele saiu da cidade e entrou numa estrada em direção as montanhas da Cordilheira dos Andes. A estrada era a coisa mais linda, várias chácaras, pequenos sítios, florestas e casas ao lado. O ônibus seguiu, passou por vários povoados conforme ia subindo as montanhas, San José del Maipo, El Melocotón, San Alfonso, até chegarmos a San Gabriel, nesta altura, já não tinha mais nenhum passageiro no bus, o motorista olhou pra mim e disse que aquele era o último ponto da linha, perguntei como faria para subir até o Embalse, ele me disse para ficar ali na estrada, esperar passar algum carro, van ou caminhão que estivesse subindo e pedisse carona. Desci do bus, ainda eram umas 9 da manhã, estava tudo nublado, meio frio, não se via um ser vivo na rua onde eu desci. Voltei andando para a estrada, fui observando as casinhas, cada uma com um jardim gigante, algumas nem cerca tinham, as ruas bem desertas, acho que pelo horário, e novamente me senti no GTA, mas dessa vez naquelas cidadezinhas do interior. Cheguei na estrada, fiquei parado no acostamento, rezando para passar alguma coisa logo que me desse carona. Passaram algumas vans, eu fazia o sinal com os dedos, pedindo uma carona, os motoristas nem paravam, parou um carro, com um senhor de idade dirigindo, perguntou para onde eu estava indo, respondi que ia para a represa, ele iria para outro vilarejo, agradeci e ele seguiu. Fazia uns 5 minutos que eu estava lá esperando, até que um morador atravessou a rua e me disse: “Vai lá na base da polícia que é mais fácil de achar carona”, e me apontou a estrada no sentido contrário da represa, agradeci e fui naquela direção, depois que passei a curva vi, tinha uma casinha na estrada com a bandeira dos “carabineros de Chile” e uma fila de vans paradas ali. Pelo jeito, as vans de turistas tinham que parar ali para o motorista entregar algum papel ou formulário lá dentro. Aproveitei e fui de van em van perguntando aos motoristas se eles poderiam me dar uma carona até lá na represa. O primeiro disse que a van dele estava cheia, o segundo disse que a agência não liberava caronas, o terceiro disse que estava num tour privado, que a família tinha pago para ir sozinha na van. Encostei na parede, estava esperando mais vans chegarem, aí eu reparei que esse terceiro motorista entrou na van, conversou com os 4 passageiros e me fez sinal para entrar no banco da frente. Agradeci aos passageiros, que eram 4 pessoas só e seguimos rumo ao Embalse, pensei que a estrada fosse pior, pelos relatos que vi na internet, só vans e caminhonetes conseguiam subir até lá no inverno, mas a estrada estava sem gelo, tinha um pouco de buracos, mas nada que um Fusca não desse conta do recado. Andamos bastante, chegamos no lugar onde as vans param umas 10:30 da manhã, fica ao lado do lago, de lá, é só caminhar por uma estrada que vai beirando a água, a estrada é bem longa, e as melhores paisagens ficam da metade para o final, onde a multidão quase não chega. Desci, agradeci o motorista e a família novamente e me despedi. Fui andando livremente, estava bem cheio de gente, 80% brasileiros, parecia que todo mundo estava falando português. Estava um pouco frio, mas não tinha vento, e o Sol já estava forte, então só com uma blusinha de lã, jeans, All Star e um corta-vento já estava suando depois de caminhar um pouco, vi muita gente com calças, casacos e botas de esqui (provavelmente alugadas), eu particularmente não acho que tenha necessidade, só em algumas partes do caminho que tinha neve, mas era só desviar, meu All Star velho suportou bem. Fui tirando fotos ao longo da estrada toda, cheguei numa parte que não tinha quase ninguém, achei uma pedra e fiquei sentado um bom tempo lá, só admirando a paisagem e meditando. Quando já era quase meio dia, comecei a voltar para o estacionamento, precisava achar carona para voltar, mas não queria abusar da boa vontade da van que me trouxe, mesmo porque eles já deviam ter ido embora fazia tempo. Os tours dão em média meia hora para tirar fotos, depois servem um vinho, uns aperitivos e já descem de volta. Cheguei ao estacionamento e fui perguntando de van em van, alguns iam parar em outros lugares para almoçar, outras estavam cheias. Até que eu vi um carro estacionado lá, e o motorista estava dentro, mexendo no celular, fiquei olhando para ele de longe, ele levantou o olhar, me viu e manteve o contato visual, era brasileiro, certeza. Fui lá falar com ele, perguntei se ele ia voltar direto para Santiago, ele disse que sim, só estava esperando a esposa terminar de tirar umas fotos e já iam embora. Perguntei se podia me dar uma carona, ele olhou para os bancos de trás, cheios de malas e disse: “Cara, se você conseguir entrar aí atrás, fique à vontade hehe”. Olhei e vi que não seria muito fácil, mas eu era bom de Tetris na infância, me encaixei no meio delas e coube. Quando a esposa dele voltou, nos apresentamos devidamente, André e Carla eram os nomes deles, eram paulistas, estavam em Lua de Mel, tinham chegado do aeroporto, pego o carro na locadora e vindo direto para a Represa, por isso todas as malas estavam no carro. Voltei no meio das malas igual o Burro no Shrek 2, quando eles estão indo para Tão Tão Distante, no caminho, Carla pediu para André parar num lugar chamado Casa do Chocolate, onde vendem sorvete e chocolates quentes. Entramos lá, pedimos sorvete casquinha por $ 2500. Ficamos lá conversando enquanto tomávamos o sorvete. Eles estavam perdidos em relação a cidade e me pediram dicas, no caminho de volta fui falando onde era melhor trocar a grana (Calle Augustinas), que horário era a troca da guarda no La Moneda, onde tomar Terremoto (La Piojera), e sobre os restaurantes famosos (Giratorio, Ocean Pacific’s). Eles ficariam hospedados num Airbnb no bairro Providencia, que é bem próximo ao Bellavista onde eu estava. Eles me deixaram em frente ao prédio deles, agradeci muito pela carona, eles agradeceram por todas as dicas, nos despedimos e fui andando pela rua, ia voltar para o hostel, mas ainda eram 3:30 da tarde. Olhei para frente e vi ele, o maior prédio da América Latina, o Sky Costanera, estava a poucas quadras dali. SKY COSTANERA: É o maior prédio da América Latina, na base tem um shopping bem grande, o hipermercado Jumbo, excelente para torrar os pesos no fim da viagem com bons vinhos a partir de $ 2000 e outras coisas que custam uma fortuna no Brasil. No topo tem um mirante que dá pra ver a cidade toda, o pôr do Sol é lindo lá de cima, mas custa $ 15000 para subir lá, não tem desconto para estudantes. O último elevador desce às 9 da noite. A princípio, quando montei meu roteiro, tinha excluído o Sky Costanera por causa do preço e por causa do tempo, achava que o passeio do Embalse duraria o dia inteiro, e o preço era meio salgado só para subir lá em cima. Mas depois de ter economizado horrores indo por conta na represa, ter encontrado uma carona que me deixou praticamente na porta dele, pensei que era um sinal claro de “Para de ser tonto e sobe lá”. Entrei no shopping primeiro, fiquei dando altas voltas pelas lojas, queria ver o Sol se pondo lá em cima, mas ainda era cedo. Dei várias voltas pelos 4 andares do shopping, quase que fui ao cinema também, quando eram umas 5 da tarde, resolvi subir, comprei o ingresso por $ 15000. Peguei o elevador, a ascensorista falou que aquele era o elevador mais rápido da América também, que por isso podia doer um pouco nossos ouvidos. Lá no topo dos 300 metros, tem uma vidraça imensa cercando todo o mirante de 360°. Dava para ver as Cordilheiras de um lado, e a montanhas na direção do oceano, a cidade toda plana, exceto pelos Cerros Santa Lucía e San Cristóbal. Nem acreditava que estava lá, fiquei uns 15 minutos admirando cada lado daquele mirante, mas o Sol ainda lá no alto, chegou uma hora que já estava quase descendo, pois não tinha mais nada que fazer lá em cima, ainda eram 6 da tarde e o pôr-do-Sol era só depois das 7, quando fui na direção do elevador, um segurança me parou e disse que dali uns 10 minutos ia ter degustação de vinhos e frisantes ali no terraço, perguntei se tinha todo o dia, ele me respondeu que apenas as segundas e sextas-feiras, não acreditei, era muita sorte, já fiquei por lá mesmo e logo começaram a nos servir vários tipos de vinhos, depois espumantes, frisantes de vários tipos. Não tinha coisa melhor, estava me sentindo lá nas alturas tomando espumante enquanto olhava a vista, quando eram 7 horas, começou a chegar mais gente e todos foram do lado do Sol ver o espetáculo, ficou até difícil achar um lugar bom para ver. Mas tão incrível quanto o Sol se pondo de um lado, são as luzes da cidade do outro, pra quem já queria descer 6 da tarde, acabei indo embora no último elevador as 9 da noite hehe. Peguei o metrô do lado da saída do shopping, desci na Baquedano e voltei para o hostel, quando cheguei lá, foi engraçado, porque a galera tava começando a ficar preocupada comigo, não chegava nunca. Devolvi o cartão para o Leandro, e ele me perguntou como tinha sido, falei que foi bem tranquilo, tudo tinha dado certo, ele disse que acabou fechando com uma agência para ir para lá amanhã por $ 22000 (bem diferente dos $ 3160 que eu gastei ao todo). Encontrei o David e fomos na barraquinha comer cachorro quente de $ 1000, dar uma última volta pelo bairro. Voltei para o hostel, falei com o Oscar, e ele me arrumou um transfer para o aeroporto (o mesmo que a Allana tinha pego dias atrás) por $ 7600, e que ele passaria me buscar as 2:15 da madrugada. Tomei um banho, arrumei minha bagagem de modo a despachar a mochilona, o saco de dormir, o isolante térmico e a barraca, e levando a mochila de ataque e a mochila de presentes na mão. Tinha ainda uns $ 28000 na carteira, vendi para o Leandro pela cotação comercial do dia, ele me devolveu R$ 200. Fui me despedindo de toda a galera, a maioria já ia dormir antes de eu partir. SALDO DO DIA 2 passes de metro - $ 1360 Ônibus até San Gabriel (Tur Maipo S.A.) - $ 1800 Sorvete - $ 2500 Sky Costanera - $ 15000 Cachorro-quente - $ 1000 $ 28000 -> R$ 200,00
  5. Dia 38 (domingo, 26/08/2018) – Olá De Novo Oceano Pacífico Acordamos umas 6:30, tomamos o café do hostel adiantado e pegamos o metrô na Estação Baquedano, ainda tínhamos um passe de crédito cada do dia anterior, fomos até o Terminal Alameda, onde eu tinha desembarcado do ônibus do Atacama. Fomos primeiro ao guichê da TurBus e encontramos passagens para Valparaíso por $ 3000 para dali a 15 minutos. Embarcamos no bus, e seguimos na estrada, a viagem demorou cerca de 1 hora, o ônibus muito bom, descemos no Terminal de Valparaíso, já eram umas 9 da manhã. Nos panfletos que tinham no nosso hostel, havia free walking tours todos os dias as 9 da manhã e as 3 da tarde em Valparaíso e as 3 da tarde em Viña del Mar, então queríamos pegar o tour da manhã em Valpo e o da tarde em Viña. Mas como chegamos tarde ao ponto de encontro, de onde partia o tour, acabamos perdendo. Mas ainda assim, tínhamos um mapa da cidade, com as principais rotas turísticas, fomos seguindo-o. Passamos pelos vários Cerros que tem na cidade, pelas casas todas bem coloridas que tem por lá. Há vários mirantes espalhados pelos Cerros, onde dá para ver toda a costa, o porto, e o Pacífico. Há também vários elevadores, tipo o bondinho do Cerro San Cristóbal, cada um custa na faixa dos $ 100 a $ 300, passamos pelo Paseo Atkinson, depois fomos para o Paseo Yugoslavo, descemos pelo Ascensor El Peral, pagamos $ 100, fomos para a Plaza Sotomayor, andamos pela região e fomos até o Cerro Artillería, subimos pelo elevador por $ 300, lá de cima dá para ver todo o porto bem a frente, tinha um restaurante ali do lado também, comprei uma empanada gigante de camarão com queijo por $ 1500, depois fomos andando pela Avenida Errázuriz, que é a beira-mar, ali tem um porto onde as lanchas e barcos menores ficam parados, tem umas lojinhas de artesanato por ali também, comprei 2 imãs de geladeira e um chaveiro por $ 4000. Já eram quase 2 da tarde, queríamos seguir para Viña, fomos pegar o metrô que liga as duas cidades, mas nosso cartão de metrô de Santiago não valia, precisávamos comprar um cartão do metrô deles, que custava uns $ 1500, fora a passagem, achamos melhor pegar um ônibus mesmo. Ali na avenida tinha um ponto de ônibus, logo passou um que ia para Viña, pagamos $ 650 e rapidinho já estávamos no Relógio de Flores, onde começaria o tour. Logo já vimos o guia, apareceu também um casal colombiano e duas irmãs uruguaias para turistar conosco. Partimos do Relógio de Flores, fomos até o Palácio Presidencial, andamos pelo centro, pelas praças e terminamos no Anfiteatro Quinta Vergara, onde rola o Festival Internacional de Canção de Viña todo ano. Lá o Leandro e eu demos uns $ 2500 cada para o guia, pelo passeio. Na saída do parque, comprei um ímã de Viña por $ 1000. Já eram quase 6:30 da tarde, fomos procurar a Rodoviária de Viña para voltar para Santiago, só esquecemos um detalhe, era domingo e vários ônibus já estavam lotados, as passagens baratas tinham se esgotado, deveríamos ter comprado de manhã lá em Santiago, porque a passagem mais barata que achamos foi por $ 6000, no guichê da Pullman Bus, para voltar para a capital. No ônibus, conversando com Leandro, falei que estava querendo ir para Cajón del Maipo amanhã, mas que por conta própria também, mesmo sem saber como, porque as agências queriam cobrar $ 25000 também. Perguntei se ele topava ir junto, mas ele já tinha combinado com uns outros brasileiros que tinham chegado no hostel de ir esquiar no Valle Nevado, para poderem dividir o transfer. Chegamos ao Terminal Alameda, e já pegamos o metrô, colocamos crédito no cartão ($ 700), chegamos no hostel quase umas 8 da noite. Antes parei numa barraquinha de cachorro-quente que tinha na esquina, bem na avenida do Pátio Bellavista, pedi um completo sem abacate por $ 1000. A galera do hostel tinha feito pizza, comi alguns pedaços também. Depois que tomei banho, comecei a perguntar para a galera se alguém topava ir junto para Cajón del Maipo por conta amanhã, uns já tinham ido por agência, outros estavam com medo de ir por conta, porque não tem ônibus que levasse para lá. Comecei a procurar na internet, ver depoimentos de gente que já tinha ido, perguntei para o Oscar (dono do hostel, que morava em Santiago), e ele me disse que só tinha ido para lá com carro alugado, mas que pelo que eu tinha visto na internet, era bem complicado para ir sozinho e por conta própria, eu estava não estava com medo do caminho em si, estava com medo de dar algum problema, não conseguir achar transporte para voltar e perder meu avião no dia seguinte. Eu queria muito ir para lá, conhecer o Embalse El Yeso, muito mesmo, mas não queria pagar uma fortuna por um passeio de meio dia, ainda mais depois de ter economizado mais de $ 10000 hoje, só por ter ido por conta própria para o litoral. Decidi o seguinte, ia dormir sem colocar o celular para despertar, se eu acordasse cedo suficiente, iria. Se eu acordasse muito tarde, era sinal para eu não ir. SALDO DO DIA 1 passe de metro - $ 700 Empanada - $ 1500 Lembrancinhas - $ 5000 Ascensor El Peral - $ 100 Ascensor Artillería - $ 300 Ônibus entre Valpo e Viña - $ 650 Passagem Santiago – Valparaíso (TurBus) - $ 3000 Passagem Viña del Mar – Santiago (Pullman Bus) - $ 6000 Cachorro Quente - $ 1000 Gorjeta do free walking tour em Viña - $ 2500 Diária Kombi Hostel - $ 7960
  6. Dia 37 (sábado, 25/08/2018) – Meu Primeiro Terremoto Foi em Santiago Já estava ficando automático acordar cedo, nem precisava mais de despertador, todo dia antes das 7 já estava de pé. Fui tomar café, que no Kombi era livre, pães fresquinhos, geleias e doce de leite, leite, café e chás. Encontrei o Leandro e já partimos para o centro, felizmente, no dia anterior ele já tinha dado um rolê com uma outra brasileira do hostel que tinha bebido com a gente ontem, a Allana, e ela já sabia como ir para o centro de metrô, pegamos um cartão de metrô emprestado com a galera e fomos para a Estação Baquedano, duas quadras do hostel, colocamos 2 passagens de crédito cada no cartão, a tarifa varia em função do dia e do horário, mas custa numa média de $ 680, entramos no metrô e logo já saímos na Estação La Moneda, que fica na frente do Palácio de La Moneda, sede do governo chileno, chegamos bem na hora da troca da guarda, que começa as 10 da manhã e aparentemente rola dia sim, dia não. Assistimos todo o show que é a troca da guarda, depois fomos andar pelo centro, passamos na Calle Augustinas, onde tem as melhores casas de câmbio, troquei mais € 100 por $ 77100, andamos pela região, fomos até a Catedral, ao Museu, depois fomos conhecer o Ocean Pacific’s, que é um restaurante temático, parece um submarino, tem um esqueleto gigante de uma baleia dentro dele, mas assim como o próprio Pacífico, tudo lá era bem salgado, então nos limitamos a entrar, tirar fotos e sair. Depois fomos até a Plaza Brasil, no Bairro Brasil, demos umas voltas, mas acabamos voltando para o centro, para almoçar no KFC, um promocional de $ 1850. Depois fomos até ao Mercado Municipal, demos uma volta por lá, encontramos uma lhama gigante na rua, Leandro pagou para tirar foto com ela, acho que $ 1200. Depois vimos que estávamos próximos ao tradicional bar La Piojera, entramos e vimos como é um bar chileno, jogaço de futebol passando na TV, bar lotado, todo mundo gritando emocionado, uns músicos tocando violão e sanfona. E como não podíamos deixar de experimentar, o famoso terremoto, uma bebida com vinho branco, um tipo de groselha e uma bola de sorvete no meio. Dividimos um copo que era gigante e custava $ 2700. Quando já era quase 3 da tarde, voltamos a Plaza de Armas, onde começaria o free walking tour, lá encontramos um grupo, o guia explicava em portunhol mesmo, devido ao tanto de brasileiros que tinha. Passamos por toda a Plaza de Armas, depois fomos até o La Moneda, ao Museu, por algumas ruas famosas do centro, depois contornamos o Cerro Santa Lucía (não daria tempo de subí-lo durante o tour), fomos ao Bairro Lastarria, lá tinha uma feirinha na rua mesmo, comprei uns imãs de geladeira gigantes, 3 por $ 5000, depois fomos até o Parque Florestal, já estávamos de volta ao Bairro Bellavista, o tour passou pelo Pátio Bellavista, passou próximo ao Cerro San Cristóbal, mas também não subiu, seguiria adiante até La Chascona (uma das casas de Pablo Neruda), como eu queria subir o Cerro, e já estava escurecendo, Leandro já tinha subido na véspera, então larguei o grupo e fui para lá correndo. Cheguei tarde para pegar o último funicular (trenzinho que sobe o Cerro), já passava das 18:30, então tive que subir na raça mesmo, pela estradinha íngreme que contorna ele. Fui subindo bem rapidamente, para dar tempo de pegar o pôr do Sol lá em cima. Cheguei bem na hora. Foi meio difícil achar um lugar para ficar, pois estava cheio de gente. Lá de cima dá pra ver grande parte da cidade, o pôr do Sol em agosto começou umas 19 horas mais ou menos, e juro pra vocês, foi um dos mais lindo que eu já tinha visto. Depois que se pôs, comecei a descer o Cerro de novo, voltei até o hostel, onde encontrei a galera na cozinha, resolvi fazer o macarrão esta noite (o mesmo que tinha feito no Atacama), geral jantou e já saímos de novo para comprar cerveja. Gastei mais uns $ 1000 pesos na vendinha com 2 latinhas de cerveja, ficamos de novo no quarto bebendo, mas esta noite a Allana e uma amiga dela iam embora, de madrugada o transfer ia passar para levá-las até o aeroporto. Nos despedimos delas e continuamos bebendo, depois o Leandro e eu resolvemos ir para Valparaíso e Viña del Mar amanhã, mas íamos por conta, tínhamos visto durante o dia algumas agências no centro que faziam esse tour guiado na faixa dos $ 25000 por pessoa (uma facada). Uma passagem de bus custava na faixa dos $ 4000, então estava resolvido. Fui até a recepção e já fiz a reserva pelos próximos dias ali, tinha amado aquele hostel. SALDO DO DIA 2 passes de metro - $ 1360 Lanche no KFC - $ 1850 Terremoto - $ 1350 2 cervejas fora do hostel - $ 1000 Diária Kombi Hostel - $ 7960
  7. Dia 36 (sexta-feira, 24/08/2018) – Chile: Nem Parece América do Sul Queria tanto ficar acordado durante a viagem toda, mas não consegui, afinal, eram 1700 km de distância numa paulada só, acordei quando passamos por Copiapó, bem pra frente de Antofagasta, alguns passageiros embarcaram e outros desembarcaram, fui com o banco ao lado vazio a maior parte do caminho. Entendi porque tantos brasileiros preferem ir ao Chile de carro ou moto, a Carretera Panamericana é duplicada de Caldera até Santiago (900 km), e no restante é bem conservada, o asfalto perfeito, mas também, tem vários pedágios no caminho. A maioria na faixa dos $ 2000 pelo que eu vi nas placas. Amanheceu quando estávamos chegando a Vallenar, mas passamos por outras cidade onde tinha embarque e desembarque de passageiros, em La Serena, Coquimbo, Los Vilos, La Calera, em alguns lugares. Já estava ficando com fome, por volta do meio dia, estávamos em La Serena, paramos na rodoviária, aí subiram alguns vendedores no ônibus, comprei uma empanada deliciosa por $ 1000, foi minha única refeição na viagem toda. Aproveitei os trechos onde tinha torre na estrada para reservar algum hostel em Santiago, encontrei o Kombi Hostel no Bairro Bellavista por um preço bacana e com café incluso, reservei por uma noite lá, caso gostasse continuaria lá. Chegamos ao Terminal Alameda em Santiago por volta das 5:30 da tarde, entre embarques e desembarques, o único rosto que me recordava de ter embarcado em San Pedro e que desceu comigo em Santiago era de um carinha, que pela fisionomia devia ser europeu. Fui logo conversar com ele, aparentemente estava bem perdidão no terminal, perguntei se ele tinha algum lugar para ficar, ele disse que não, falei que tinha achado o Kombi Hostel por um preço bom, que se ele fosse para lá também, poderíamos rachar um táxi. Ele aceitou e já fomos caçar um táxi para nos levar. TÁXI EM SANTIAGO: Acredito que vale para todo o Chile, diferentemente do Peru e da Bolívia, os táxis do Chile têm taxímetro igualzinho no Brasil. Pelo que pesquisei, Uber em Santiago é meio que ilegal, não é recomendado. Entramos num táxi e seguimos para o Hostel, fui conversando com o carinha, David o nome dele, alemão e não falava quase nada de espanhol, só alemão e inglês. Fomos andando por Santiago, e não pude deixar de notar, que cidade incrível, mas um incrível “diferente” de Cusco e de La Paz, juro, nem parecia que eu estava na América Latina, era a imagem que eu tinha de uma cidade americana ou europeia, as avenidas largas, limpas, o trânsito organizado, os prédios históricos ao lado de construções modernas, várias praças arborizadas ao longo das avenidas, parecia uma cidade planejada, nem cheguei direito e já tinha me apaixonado por Santiago. Chegamos no hostel, ficava numa rua cheia de bares, restaurantes e baladas, aliás, o bairro Bellavista é o bairro boêmio de Santiago, então estava numa região bem animada da cidade. O táxi deu $ 3500 para cada (depois descobri que dava pra ter feito o trajeto de metrô por menos de $ 1000, mas enfim), entramos no hostel, fui fazer o check-in, conversei com a recepcionista em portunhol, até ela falar: “Pode falar em português, sou brasileira também”, Iata o nome dela, estava trocando trabalho por hospedagem no hostel. David também conseguiu um quarto na hora mesmo, sem reservas, paguei a primeira noite, foram $ 7960. Tinham várias propagandas de free-walking tours na recepção, tanto em Santiago mesmo, quando em Valparaíso e em Viña del Mar. David e eu guardamos nossas coisas nos quartos, fiquei num quarto com 3 beliches, depois fomos caçar algum mercado ou vendinha pra comprarmos coisas para cozinhar. Andamos pelo bairro, até encontrarmos um mini mercado, compramos coisas para fazer macarrão, deu uns $ 1200 para cada, voltamos ao hostel, fomos conversando, mas eu lembrava de já ter visto a cara dele em algum lugar antes, ele falou que tinha uma brasileira no grupo que ele tinha feito o tour pelo Salar do Uyuni, na hora me caiu a ficha, olhem como o mundo é pequeno, ele estava andando com a Fernanda em San Pedro quando eu encontrei ela na rua, ele tinha feito o tour do Salar com ela. O Kombi tinha uma cozinha razoável, mas como Santiago é uma cidade meio cara (menos que San Pedro), a maior parte da galera prefere cozinhar no hostel do que comer fora, logo, as 8 da noite, a cozinha estava cheia, mas me senti em casa, quando entrei fui ouvindo a maior galera lá falando em português, juro, tinha 7 pessoas lá dentro, 6 brasileiros e um argentino, no fim das contas ficamos lá conversando, nos conhecendo, tinha um, o Hermes que já estava fazendo macarrão, juntamos com um pouco do que a gente tinha comprado e acabamos dividindo entre os 7 brasileiros e o alemão David (sim, fizeram piadinhas referente ao 7x1 nessa hora, que podíamos dar o troco), coitado, ele via a gente conversando, e toda hora tínhamos que traduzir para incluí-lo na conversa. Depois da janta, tomei banho, reencontrei a galera e queríamos beber, mas como os barzinhos da região eram meio caros, o jeito era ficar bebendo no hostel mesmo, a latinha de cerveja do hostel custava $ 1500 e não podíamos trazer bebida de fora, e como bons brasileiros que somos, o que fizemos, a galera juntou uma grana, e fomos num lugar na rua de trás, onde vendiam cerveja (parecia mais uma boca de fumo), custava $ 500 cada lata, compramos um monte, escondemos nos casacos e mochilas e fomos para um quarto no andar de cima, onde só tinham brasileiros, fechamos a porta e ficamos lá, bebendo escondidos, o David no meio, não entendendo nada em português. No dia seguinte, eu estava a fim de fazer o free walking tour, David não queria fazer, aí conversando com a galera, descobri o Leandro, que tinha chegado na véspera lá e que queria fazer os mesmos passeios que eu, combinamos de ir ao centro de manhã para fazer esse passeio. Bebi mais um pouco e fui dormir. SALDO DO DIA Empanada no caminho - $ 1000 Táxi (terminal-hostel) - $ 3500 Mercado - $ 1200 2 cervejas fora do hostel - $ 1000 Diária Kombi Hostel - $ 7960
  8. Dia 35 (quinta-feira, 23/08/2018) – O Dia Que Eu Quase Perco Meus Pés As 5 da madrugada a van passaria no meu hostel para me levar aos Geysers del Tatio, acordei e me arrumei, logo a van já chegou, seguimos até o campo térmico, que fica bem longe de San Pedro, quase chegando na fronteira do Chile com a Bolívia, próximo ao Vulcão Licancabur, chegamos lá, de noite ainda, um frio de uns - 10°, primeiro pagamos a entrada, de $ 4000 para estudantes, em seguida nos levaram para uma casinha, onde o guia nos serviu o café da manhã, tinha bastante coisas, pães, frios, doces, frutas, café e chá quente, achocolatado, suco, muito bom mesmo o café da manhã deles. Quando o Sol já estava quase nascendo, seguimos a até o meio do campo térmico, que diferente do Sol da Manhã da Bolívia, esse é bem maior, são várias manifestações, e elas só soltam vapor, não tem o fedor do enxofre. E como o vapor sai a altíssimas temperaturas, o campo é todo delimitado por onde se pode andar sem perigo. Agora a parte tensa, eu resolvi ir de All-Star, achei que seria OK, estava friamente enganado, o chão lá não tem neve, tem gelo mesmo, o solo congela de madrugada, e demora para descongelar, eu sei que o guia estava dando as explicações sobre o campo térmico, e eu ficava pulando de um pé para o outro, quando um começava a doer muito eu trocava para o outro, já nem estava mais sentindo eles, tentei colocar em cima do vapor que saia de um pontinho no chão, mas nem assim resolvia, fui andando até chegar na van, pra poder sentar e tirar os pés do chão. Aquela hora realmente me arrependi de não ter ido de bota. Fiquei um tempo lá, descongelando os pés, depois, quando o Sol já estava alto, saí e fui até onde estava o grupo, tinham umas piscinas térmicas por lá também, mas ainda estava morrendo de frio, e não tinha levado roupa para entrar na água, fiquei vendo mais alguns geysers enquanto isso. Quando eram umas 10:30 da manhã, fomos para a van e começamos a retornar à cidade, no meio do caminho paramos no Vilarejo de Machuca, lá tinha empanadas chilenas típicas, espetinho de alpaca, pisco e outras coisas típicas. Tinha também um senhor com um filhote de lhama, que eu achei que fosse uma alpaca, era tão pequenina e fofa que dessa vez não tive escolha, tive que tirar foto com ela, o dono cobrava $ 1200 por 3 fotos, nessa hora escutei mais um casal falando português, eram brasileiros, eles também queriam tirar fotos com ela, então me juntei com eles, paguei $ 400 pesos, e obviamente, tiramos um monte de fotos. Depois seguimos adiante, até chegar numa lagoa com um vulcão ao fundo, lá paramos mais um bom tempo para tirar fotos, depois voltamos até San Pedro. Já estava na hora do almoço, conversando com uns brasileiros, descobri um tal de Los Carritos, são vários restaurantes pequenos, um ao lado do outro, e que são baratos e com comida boa. Fui lá, paguei $ 3000 no menu, com macarrão, frango empanado e suco. Depois passei na agência, fui terminar de acertar o preço dos passeios, pois já tinha pago apenas $ 20000, faltavam ainda $ 45000, mas com o reembolso de $ 20000 do passeio que não fiz, paguei os $ 25000 restantes só. Fui de volta no hostel, arrumei minhas coisas para fazer o check-out, tomei um banho, e deixei minhas malas na cozinha. Ainda eram 3 da tarde, e meu ônibus era só daqui a 3 horas. Fui dar mais uma volta pelo centro, comprei um sorvete por $ 1700, fiquei na praça central que tem wifi de graça, andei pelas vendinhas de artesanato, encontrei muitas coisas que já tinha visto a venda no Peru e na Bolívia, tudo pelo dobro do preço. COMPRAS: Não tem como evitar, se você for para algum desses países, você vai voltar com pelo menos uma blusa com estampa de lhama, tanto no Peru, quanto na Bolívia e no Chile, você vai encontrar blusas, cachecóis, toucas, luvas, camisetas, echarpes, colares, chaveiros e outras lembrancinhas, de modo geral eu achei o Mercado San Pedro de Cusco o lugar mais barato, seguido pelo Mercado das Bruxas de La Paz, pela Feirinha de Colchani no Salar. O Chile é de longe, o lugar mais caro para comprar essas coisas. Bem perto do meu hostel, tinha um lugar, parecia uma chácara, com uma placa escrito “Franchuteria” na frente, e uma casinha lá no fundo, desde o primeiro dia em San Pedro, queria descobrir o que era aquilo, resolvi ir lá, era uma padaria francesa, resolvi gastar um pouquinho mais e comer alguma coisa lá antes de pegar o bus, pedi duas empanadas deliciosas, uma salgada e uma doce, por $ 3800. Depois peguei minhas mochilas e fui para a rodoviária de San Pedro, logo meu ônibus chegou, guardei a mochilona no bagageiro e entrei, tinha bem pouca gente embarcando alí, a maioria claramente não era nativa, dava pra ver vários conversando em inglês, tentei identificar algum brasileiro, mas nenhum deles manteve contato visual. TÉCNICA PARA IDENTIFICAR BRASILEIROS FORA DO BRASIL: Pelo menos comigo funcionava perfeitamente, comecei a me ligar nisso lá no Peru ainda, nos lugares turísticos, nos passeios das agência, onde o único nativo era o motorista ou o guia, era só encarar a pessoa, se ela percebesse que você estava olhando para ela e desviasse o olhar: era gringo, podia apostar. Mas se você ficasse olhando, a pessoa percebesse e mantivesse o contato visual, não tinha erro, era só chegar direto perguntando de que estado que a pessoa é, provavelmente te responderia São Paulo ou Rio, mas sempre era brasileira. No Peru e na Bolívia não tinha encontrado tantos, mas no Chile, meu Deus, até os donos das agência eram brasileiros. O ônibus partiu no horário certo, era bem confortável, dois andares, e eu fui bem na janela gigante de vidro que tinha na frente. Saímos de San Pedro de Atacama, logo já estávamos rodando pelo meio do deserto, as rodovias pareciam um tapete, bem sinalizadas, a paisagem era incrível, o Sol quase se pondo. Logo chegamos na cidade de Calama, base do aeroporto mais próximo do Atacama, o Aeroporto El Loa. SANTIAGO-CALAMA: Pra quem está com pouco tempo, compensa pegar um avião em Calama para ir até Santiago, há companhias low-cost, com passagens promocionais de até R$ 150,00 o trecho, para ir de Calama até San Pedro de Atacama, pode-se alugar um carro ou pegar um transfer. No meu caso, por causa da bagagem, compensava ir de ônibus mesmo. Em Calama, paramos na rodoviária, já estava escuro, subiram mais passageiros, alguns já desembarcaram também. Depois continuamos, por mais que eu quisesse ficar acordado a noite inteira, para conhecer as cidades, as estradas que íamos passar, acabei apagando pouco antes de chegarmos em Antofagasta, na Rodovia Panamericana. SALDO DO DIA Entrada Geysers del Tatio - $ 4000 Foto com a lhama - $ 400 Almoço em Los Carritos - $ 3000 Sorvete - $ 1700 Empanadas na Franchuteria - $ 3800
  9. Dia 34 (quarta-feira, 22/08/2018) – Há Males Que Vem Para Bem... Acordei bem na hora, e me arrumei para o tour, eram 7:30 e nada, 8 horas, nada, 8:30, nem sinal de van nenhuma, mandei mensagem no Whatsapp da agência, necas, a dona do hostel ligou lá, ninguém atendia, queria voar no pescoço do vendedor de ontem, tinham me esquecido, eu já estava com o cronograma apertado, perdi uma manhã inteira. Esperei até as 11 horas, que as agências abriam e fui para lá. Encontrei o mesmo vendedor lá, perguntei por que não tinham passado no meu hostel, ele ficou surpreso, olhou no computador e disse que meu passeio estava agendado só para amanhã, respondi que não e mostrei o comprovante que ele tinha me dado ontem, ele viu que realmente, marcara uma data no papel e outra no computador. Me pediu mil desculpas, perguntou quando eu queria remarcar, eu respondi que não teria mais tempo para fazer, pois amanhã a 18 horas eu embarcava para Santiago, ele falou que me devolveria $ 20000 referentes ao preço do passeio dentro do pacote (o mesmo preço cobrado pelas outras agências). Eu estava com raiva, pensando em cancelar o restante dos passeios e fechar com outra agência, mas o serviço deles tinha sido de fato tão bom, no dia anterior no Vale da Lua, a van era boa, o guia nos levava nos lugares antes da multidão de turistas das outras agências chegarem. Mas mesmo assim, devolver a grana era o mínimo que eles deveriam fazer, afinal, eu perdi uma manhã inteira do meu cronograma apertadíssimo, então falei que eles deveriam, além da grana, me darem um passeio de cortesia pela “moléstia”. O cara então disse ia ver com chefe dele. Ainda era cedo para o passeio das Lagunas de Baltinache, então fui comer alguma coisa, encontrei numa esquina da Caracoles, um lugar com empanadas por $ 2000, comprei uma, depois comprei uma garrafa de água e um sorvete por $ 2800, andei pela cidadezinha, fui até a Igrejinha de San Pedro, entrei lá um pouco, depois voltei para a Calle Caracoles, reencontrei a Fernanda andando por lá também, ela estava com o grupo que tinha feito o tour do Salar com ela, todos eles tinham vindo para o Chile depois, me despedi dela e voltei para a agência, as 2 da tarde partiria o micro-ônibus para as Lagunas. LAGUNAS: No Atacama, há dois passeios que vão para lagoas que não afundam, devido a quantidade de sal na água (tipo o Mar Morto), o da Laguna Cejar, que todas as agências fazem, é mais famoso, mais barato, só que as entradas são caríssimas, e tem também as Lagunas Escondidas de Baltinache, que nem todas agências fazem, porque a estrada é ruim, e por sem um passeio novo, é um pouco mais caro o preço do tour, mas a entrada é bem mais barata. No fim das contas, preferi as Lagunas Escondidas porque eram mais baratas no final. O caminho é de fato demorado, quando chegamos, pagamos a entrada de $ 5000, e seguimos para as lagoas, são 7 no total, uma ao lado da outra, apenas na primeira e na última é possível entrar, o guia explicou que era bom, primeiro colocar só as pernas na água, para ver se não dava nenhuma alergia, devido aos minerais da água, depois entrar, mas nunca mergulhar, deixar a água só até o pescoço. Coloquei as pernas, não teve nada de anormal, entrei na água e é incrível como sem fazer esforço algum, seu corpo fica boiando, não afunda de jeito nenhum. Depois de uns 10 minutos na água, resolvi sair, o ar seco do deserto secou minha pele sem nem precisar de toalha, onde secava, a pele começava a ficar branca, por causa do tanto de sal que tinha na água. Deu um pouco de coceira nas coxas, o guia apontou um vestiário com chuveiros de água doce para lavar e tirar o sal, fui lá e tirei aquele branco da pele, me troquei, e voltei para a trilha das lagoas, ela vai passando por todas as lagoas, todas com água cristalina, até chegarmos na última, mas preferi não entrar de novo. Entramos no micro-ônibus, voltamos para a cidade, mas no meio do caminho, o motorista parou num lugar com um muro de pedras empilhadas, montou uma mesa com pães, frios, sucos, bolachas e bolos, e o principal, garrafas de pisco chileno, diferente do peruano. Ficamos um bom tempo lá, comendo, bebendo e apreciando o pôr do Sol no deserto. Depois voltamos para San Pedro, fui até a agência, e o dono veio falar comigo sobre o ocorrido, pediu desculpas mais uma vez, disse que iria devolver os $ 20000 do passeio que eu fui esquecido, e que me daria o tour astronômico para aquela noite de cortesia (custa uns $ 20000 em média), como eu não tinha nada para fazer naquela noite, aceitei, já fui até o hostel correndo trocar de roupa e pegar um casaco, voltei e já apareceu a van para nos levar ao deserto de novo. Isso já eram umas 9:30 da noite, chegamos num rancho no meio do deserto, todo cercado, lá tinha uma área bem grande ao ar livre, com várias espreguiçadeiras, deitamos nelas, aí chegou um outro guia que nos deu uma verdadeira aula de astronomia, primeiros nos apontando no céu alguns planetas, depois algumas constelações, não dava para ver todas as estrelas porque era semana de Lua cheia (uma pena), mas primeiro ficamos fazendo observações do céu a olho nu. Depois seguimos para um outro ambiente, onde ficavam 5 telescópios, primeiro ele os apontou para a Lua, cada um com uma lente diferente, em uma dava pra ver as crateras perfeitas, outro dava para ver todo o contorno, bem bacana, tinha um deles que era adaptado para colocar o celular e tirar uma foto da Lua dele. Depois ele apontou os telescópios para os planetas, pudemos ver Marte, Vênus, Saturno e Júpiter de perto. Por fim nos serviram uma mesa com bolachas, castanhas e frutas cristalizadas, vinhos, pisco e sucos. Chegamos em San Pedro por volta das 11 da noite. Fui até o hostel, paguei os $ 7000 de mais uma diária, fiz mais macarrão com o resto dos ingredientes que sobraram de ontem, tomei um banho e fui dormir. SALDO DO DIA Empanada - $ 2000 Água e sorvete - $ 2800 Entrada Lagunas Escondidas - $ 5000 Diária Hostel Ckapyn - $ 7000
  10. Dia 33 (terça-feira, 21/08/2018) – Passando na Fronteira Chilena Acordamos de madrugada, num frio que não era normal, dentro do quarto era quentinho até, mas quando saímos para guardar as coisas no carro, estava - 15° no termômetro do hostel, 3 da manhã, entramos no carro rapidamente e partimos para os Geyseres Sol da Manhã. Chegamos lá e vimos o nascer do Sol no meio da fumaça que sai da terra, é possível chegar bem perto e ver a água borbulhando nas fendas, é forte o cheiro de enxofre, mas nada absurdo, o pior é o frio mesmo, a mão congela. Ficamos um bom tempo lá, depois seguimos para os Termas de Polques, lá tivemos nosso café da manhã, depois tivemos tempo para entrar nas águas termais, por Bs. 6, mas ninguém do grupo quis, estava muito frio ainda. Seguimos o caminho, passamos pelo Deserto Salvador Dalí, descemos lá, mas o deserto não tem muito a ver com o pintor não. O guia me disse que logo chegaríamos na fronteira e perguntou quem pegaria o transfer para o Chile, apenas eu iria, o restante voltaria para Uyuni. PROPINA NA FRONTEIRA? Na fronteira da Bolívia com o Chile, para quem atravessa o Salar do Uyuni, rola um esquema de propina entre os agentes da migração boliviana. O esquema já é conhecido pelas agências, algumas até te falam quando você vai fechar o passeio, que precisa levar Bs. 15 para pagar a “taxa da fronteira” e dizem que a “taxa” é legal. Mas não é!!! É propina. A maioria dos turistas, principalmente os gringos, caem nessa e pagam. E realmente, é complicado, porque o agente pega seu passaporte para carimbar e te pede o dinheiro, e não é muito recomendado começar a discutir com agentes do governo boliviano no meio do deserto, entre vulcões, sem sinal de civilização por perto. Não confundam essa propina, em português, com propina em espanhol, que significa “gorjeta”. Como a fronteira já estava perto, peguei toda minha grana da carteira e escondi na mochila de ataque, tudo mesmo, deixei apenas o cartão de crédito, ia testar um jeito de não pagar a propina. Continuamos, passamos pela Laguna Blanca e paramos na Laguna Verde, onde se vê uma paisagem incrível com o Vulcão Licancabur ao fundo. Seguimos até a fronteira da Bolívia com o Chile, onde eu pegaria meu transfer. Chegamos lá as 9:30 da manhã. Procurei a van com o nome que estava escrito no recibo que o cara da agência tinha me entregado, rapidamente encontrei, fui falar com o motorista, e aparentemente só faltava eu, ele me mandou ir para a fila da migração carimbar o passaporte logo, ele estava com pressa, nesse meio tempo, o Juan já estava tirando minha mochilona de cima do carro. Fui para a fila, que estava gigante, e a aduana boliviana mais parecia um barraco velho, caindo aos pedaços, já estava com o passaporte e a tarjeta migratória (aquela que recebi na aduana de Kasani, em Copacabana) na mão. Como estava demorando, o motorista do transfer me pediu para seguí-lo, fomos furando a fila de todo mundo (que vergonha), entramos na aduana, ele pegou meu passaporte e minha tarjeta, entregou para o agente e pediu pra carimbar. Prestem atenção que essa parte é importante. O agente pediu os Bs. 15 da propina, o motorista repetiu atrás em inglês (caso eu não tivesse entendido), olhei para os dois com cara de desavisado, como se eu não fizesse a menor ideia de que precisava pagar para sair, já falei: “I don’t have money, sorry”, e repeti em espanhol também: “Yo no tengo plata, ya he gastado todo”, e ainda mostrei a carteira vazia (que eu já tinha esvaziado no caminho). Eles me olharam curiosos, o agente perguntou como que um turista viajava sem dinheiro, eu já emendei atrás: “Eu só uso cartão de crédito, vocês não têm a maquininha?”, e ainda mostrei meu cartão (por ser ilegal, obviamente eles não teriam nenhuma Moderninha lá para passar a propina no crédito). O agente vendo que não ia conseguir arrancar nenhum centavo do meu bolso, recolheu minha tarjeta migratória, carimbou e devolveu meu passaporte. Pronto, me livrei de pagar propina, dava vontade de rir e falar pra ele: “Filhão, propina? Pra cima de mim? Logo eu, brasileiro? Foi meu povo que inventou a propina hahaha. Sorry, mas não será dessa vez!” Quando saí de lá, fui andando pela fila, e vi 5 turistas asiáticas, e o motorista do transfer delas já pedindo a propina, “fifteen bolivianos” ele dizia, e elas abrindo a carteira na maior boa vontade para pegar o dinheiro. Dava vontade de sair gritando lá no meio falando pra ninguém mais pagar isso, mas senti que não seria uma boa ideia. Pode até ser pouco Bs. 15, mas pensem na quantidade de turistas que passam todo dia por lá, se esse relato servir para avisar pelo menos aos brasileiros para não pagarem essa taxa ilegal, já é algo. Mas chega de falar de propina, voltei para o carro, me despedi de Juan e de meu grupo, e fui para a van, guardei minhas coisas, e logo partimos. O motorista entregou o formulário, igual nos outros países, tem que preencher tudo, e marcar se você está levando alguma coisa com restrição. Onde era uma estrada de areia e pedras, cercada de neve e gelo, surge um asfalto impecável, cheio de placas de sinalização, e um complexo aduaneiro gigante, todo fechado e organizado, estava claro, estava em território chileno. Na hora também descobri porque o motorista estava tão apressado, na aduana chilena, que é um galpão, entra uma van de cada vez, todos os passageiros desembarcam, carimbam o passaporte, os agentes inspecionam o veículo, as bagagens do povo, só depois são liberados. O QUE NÃO PODE NO CHILE? Além das coisas óbvias (como drogas, armas, dinheiro demais), não pode entrar com nada de origem animal ou vegetal que não seja industrializado e lacrado na embalagem, ou seja, as folhas de coca que eu trazia desde o Peru, tive que jogar fora, os gringos que compraram umas maçãs gigantes, iguais a da Branca de Neve na Bolívia, tiveram que jogar fora. Se tentar esconder e eles acharem, além de tudo você paga multa. Depois seguimos até chegar em San Pedro de Atacama, chegamos por volta do meio dia lá, na hora mesmo fiz uma reserva pelo Booking no Hostel Ckapyn, fui até lá a pé, pois era pertinho, aliás, tudo em San Pedro é pertinho, nem deve existir táxi lá. Fiz o check-in, o quarto tinha 4 beliches e o hostel tinha cozinha. Depois disso fui atrás de agências e casas de câmbio, queria encaixar o máximo de passeios possíveis em 2 dias e meio, não queria ficar muito tempo lá, sabia da fama que o Atacama tinha de se um lugar caro e não queria gastar tanto lá. Fui até a Calle Toconao, onde estão as casas de câmbio melhores, troquei € 100 por $ 74500, aproveitei e troquei os Bs. 90 restantes por $ 8100 também. Depois fui até a rodoviária comprar passagens para Santiago para dali a dois dias, fui até o guichê da TurBus e comprei uma passagem, no banco da frente por $ 30400 (nos outros assentos custava $ 26000, mas seria uma viagem de 24 horas, então achei melhor pegar um assento mais espaçoso). Depois fui na Calle Caracoles, onde estão as agências, fui novamente, uma por uma, pesquisando preços e passeios, até que encontrei a Mitampi Turismo, que tinha uns preços bacanas e um adesivo gigante do TripAdvisor na vitrine, então acabei fechando com eles todos os passeios. PASSEIOS NO ATACAMA: As agências em San Pedro abrem tarde (11 da manhã), e costumam dar descontos quanto mais passeios você fecha com elas, algumas inclusive, vendem pacotes com preços melhores. Antes de ir para lá, é importante ver quais lugares estão abertos e quais estão fechados, por exemplo, quando eu fui, o Vale da Morte, o Salar de Tara e Piedras Rojas estavam fechados, e por ser Lua Cheia, nem todas agências faziam o Tour Astronômico, a Space que é a mais famosa, não faz durante a Lua Cheia. Fechei o Vale da Lua, o Salar de Atacama, as Lagunas Escondidas de Baltinache e os Geysers del Tatio por $ 65000, exceto o valor das entradas. Como já tinha acabado com meu dinheiro trocado, paguei apenas $ 20000 na hora, o restante pagaria depois (demorou pra me cair a ficha que já tinha gastado mais de 100 euros em menos de 3 horas no Chile). Para mim, ainda dava tempo de almoçar, no meu relógio ainda eram 2:45 da tarde, e o passeio era só as 4, então o carinha da agência me fala para eu ficar por perto, que logo a van chegaria. Nesta hora descobri que o horário do Chile é diferente da Bolívia, é uma hora a mais, o mesmo horário de Brasília, tive que ficar por lá mesmo, chegou a van, embarcamos, e seguimos para o meio do deserto. Lá tive que pagar $ 2500 de entrada. O guia nos levou na parte de cima primeiro, onde dava para ver tudo do mirante, depois descemos e fomos explorar algumas cavernas da Cordilheira do Sal e trilhas no meio das pedras, por fim, fomos caminhando para ver o Sol se pôr do alto de uma duna de areia. Incrível a vista, depois que escureceu, voltamos para a cidade. Fui trocar dinheiro de novo, no mesmo lugar € 100 por $ 74500, procurei algum lugar para comer, mas tudo era caro, principalmente na Calle Caracoles, então passei num mercadinho próximo e comprei um pacote de macarrão, maionese, queijo e tomate por $ 3440, fui para a cozinha do hostel e fiz um super macarrão de forno, e sobraram ingredientes. Já paguei a diária do hostel de $ 7000, fui dormir, porque no outro dia, as 7 e meia da manhã, a van passaria no hostel para me buscar, ia fazer o Salar de Atacama de manhã, e as Lagunas Escondidas de Baltinache pela tarde. SALDO DO DIA € 200 -> $ 149000 Bs. 90 -> $ 8100 Passagem SPA – Santiago (TurBus) - $ 30400 Passeios (Vale da Lua, Salar de Atacama, Lagunas Escondidas de Baltinache e Geysers del Tatio) - $ 65000 Entrada Vale da Lua - $ 2500 Ingredientes macarrão - $ 3440 Diária Hostel Ckapyn - $ 7000
  11. @Pinnng Valeu cara, fico feliz que tu tenha curtido haha Cara, super recomendo subir pela Bolívia, é bem tranquilo, La Paz é muito massa de conhecer, e você vai pagar bem mais barato nos bus na Bolívia do que no Chile, fora que indo pela Bolívia, vc já sai lá no Titicaca, em Puno, que é do lado de Cusco. Sobre os perrengues, hahaha, não poderia faltar né, senão a viagem não estaria completa hahahaha Cara, eu me arrependo de não ter metido o louco antes, de ter deixado só para o último dia da trip hahaha, mas se tu estiver viajando sozinho, não tem medo não, pode ter gente ruim, mas a maioria do mundo ainda é de gente boa Boa aventura pra ti
×
×
  • Criar Novo...