Ir para conteúdo

José Paulo Divino

Membros
  • Total de itens

    2
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

8 Neutra

Últimos Visitantes

191 visualizações
  1. Até os 60 anos fiz muitos trekkings de um dia . As chapadas, itaimbézinho e outras. Decidi que após os 6a nos, eu faria uma travessia ou um trekking mais encorpado. Completando 7 trekkings até os 66 anos. Aos 60 anos (2015), passei meu aniversario na tríplice fronteira - Monte Roraima. Até os 62 (2016/2017) fiz a trilha do ouro a partir de sjbarreiro e também o Vale do Pati. Sempre estive de olho na Serra fina - mas muito intimidado - a idade já é um limitante, claro, para quem não é atleta. Agora em Abril (2018), completando 63 , enfrentei este desafio. Contratei um guia - Pedro Pereira - (recomendo) preparei a tralha e receoso, (Não gosto de arredar pé) fui. Me instalei no hostel sitio da coruja do Thiago - também guia e montanhista, e no dia seguinte partimos - dia 17/04/2018. Bem de manhã. Eu o Pedro e o Vinicius que embarcou para cumprir a travessia aproveitando para ajudar o Pedro na logística de guia. Chegamos ao capim amarelo às 13 hs (eu já mortinho). Almoçamos e o Pedro decidiu que acamparíamos no maracanã. Eu fiquei maravilhado com o trajeto. As dificuldades que para mim foram muitas, a superação e o pagamento - conhecimento dos limites, das fortalezas e a paisagem - um bonus indescritível. Até o maracanã comecei a sofrer com as descidas. Os dedos dos pés, os joelhos e tornozelos começaram a me incomodar - bastante. Após uma mata em uma descida muito inclinada e longa chegamos ao destino. 16 hs. Montei a barraca - buscaram agua - fizemos o jantar e desmontei. Acordei com um frio miserável e quando abri a porta da barraca, um punhado de gelo caiu sobre mim. Comecei a questionar - que diabos estou fazendo aqui? Quando iniciamos a jornada para a pedra da mina, já estabeleci ( na minha mente) que abortaria de lá. Chegando ao rio vermelho, após peripécias que todos vocês jovens que ja fizeram conhecem. O caminho tinha sido maravilhoso, mas eu bestava esgotado física e mentalmente. Comuniquei minha decisão ao Pedro e ao Vinicius - argumentei que o caminho seria mais do mesmo, com mais sofrimento. O Pedro disse que respeitava minha decisão, mas que tinha que argumentar. A lógica do Pedro: - Se descermos pelo Paiolinho será um sofrimento igual à descida dos 3 estados. Então estamos quites, neste item. - O que separa A pedra da mina do Pico 3 estados são algumas horas. Se cumprirmos vc terminou a travessia - Vc não criará um débito na sua vida. Quem faz meio não fez. - Não é mais do mesmo. Vc não tem idéia das mudanças quando vc visualiza os picos pelos quais vc passou. E também meu amigo, o vale do Ruah. Isso é imperdível por si só. Propôs então aumentar o desafio em vez de aborta-lo. Fazer em 3 dias. Saímos da pedra da mina às 4 manhã e vamos direto até embaixo. Levo 3 kgs do seu peso. Balancei, e fiquei sem argumentos. Topei e enquanto eles guardavam as tralhas do almoço e se abasteciam de agua, parti em direção à pedra da mina. Pareceu que algo me empurrava. Rapidamente passei pelos 2 totens na entrada do topo, e me sentei no chão. De cansaço, emoção e estonteado pela vista. Fiquei muito ansioso e de manhã , às 6 hs partimos para o terceiro dia. Atravessar o vale do ruah, com geada no capinzal foi maravilhoso. Nunca esaquecerei a sensação e o ruído das aguas do riacho. Enfim. O caminho para o pico dos 3 estados foi muito, mas muito desgastante. Para mim, aquelas escalaminhadas eventuais são um caso sério. Passamos pelo Pico e às 22 horas estávamos no sitio don pierre. Não foi permitido a entrado transfer, então caminhei quase 4 kms naquela estradinha. Estava tão moído que levei 2 horas. Terminamos a travessia em 3 dias. Lições aprendidas (quando olho as fotos com aquele cenário incrível - e eu parte dele): 1- A mente. Ela sempre cria argumentos para nos derrotar em momentos onde exige superação. 2- Nada é mais do mesmo. A luz muda, nossa percepção muda, o ângulo de visão do que está na frente e depois de ultrapassado é outro cenário, e o caminho somos nós. 3- Não podemos esquecer o espirito que nos animava quando jovem. Um jovem me lembrou disso. 4- Pati, Roraima e trilha do ouro são Barbie trekking comparando com a Travessia da Serra fina. Agora estou pensando na próxima - aos 64 anos. Chapada das mesas ? Roncador? Não sei qual, mas sei que posso.
×
×
  • Criar Novo...