Ir para conteúdo

Isaac Rangel Machado da Si

Colaboradores
  • Total de itens

    4
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    1

Isaac Rangel Machado da Si venceu a última vez em Junho 29

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

12 Boa

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Em Mariana, Minas Gerais, existe uma outra cidade arqueológica bela e perigosa que poucos conhecem. Considerada como a Machu Picchu brasileira por alguns arqueólogos, o Morro de Santana, carinhosamente chamado de Gogô, é um local impar com uma área aproximada de 132 ha. Foto do autor: tanque de armazenamento de material para produção de ouro do Século XVIII No local existiu uma capela dedicada a Santana construída em 1712 e que foi desmanchada na década de 1970, ainda existem várias ruínas na área do parque arqueológico, residências dos proprietários das minas e de seus escravos e comércios bem próximos às minas. Foto do autor: Ruínas Foto do autor: Ruínas Foto do autor: Ruínas Foto do autor: Ruínas Foto do autor: Ruínas Foto do autor: Lagoa Seca Foto do autor: Mina Além dessa rica história e beleza existe o perigo causado pelos buracos de Sari ou Sarilho, que são dutos respiradouros que permitiam a entrada de oxigênio nas minas subterrâneas. Atualmente, a disposição de centenas desses orifícios na superfície da montanha fazendo da caminhada pela Gogô uma jornada perigosa. Como o local está praticamente abandonado, o mato rasteiro cresceu e se alastrou, encobrindo esses orifícios e disfarçando sua presença dos olhos de pessoas desatentas, como se fossem armadilhas. Foto da Prefeitura de Mariana: Possível busca por vítima ou treinamento Fiz alguns testes para verificar a profundidade desses buracos de Sari, atirando algumas pedras e cronometrando o tempo de queda. Em média a pedra demorava 4 segundos para atingir o fundo do buraco de Sari, sabe o que isso significa? Significa que a profundidade, média verificada foi de 80 metros e a velocidade no instante do impacto é de 141km/h, ou seja as chances de sobreviver a uma queda dessa é quase zero. Por isso, ao visitarem o parque arqueológico do Gogô procurem um guia. Cálculos: tempo: 4 s; gravidade: 9,81 m/s²; profundidade "y" (m): ?; Velocidade final “V” (km/h):?; y=1/2*g*t² = 1/2*9,81*(4²) = 78,48 metros Profundidade aproximada de 80 metros. V=g*t = 9,81*4 = 39,24 m/s = 141,26 km/h Velocidade final aproximada, no instante que a pedra atinge o solo, é de 141 km/h.
  2. Fico feliz por vocês terem conhecido esse patrimônio e por terem gostado. Infelizmente o local continua abandonado e até onde eu sei o processo de tombamento não avançou.
  3. Ouro Preto é um município mineiro, famoso por sua arquitetura colonial. Milhares de turistas visitam a cidade com o objetivo de conhecer os casarios, as ruas e becos, os museus, a gastronomia mineira e as famosas minas. Com a sua topográfica montanhosa, apenas 5% plana, Ouro Preto tem muito a oferecer além do centro histórico. Você já teve a oportunidade de conhecer os morros da cidade? Formados por bairros residenciais simples e por pessoas maravilhosas nos morros não existe infraestrutura como no centro histórico para os turistas, porém são urbanizados e com transporte público. Mas se não tem infraestrutura “adequada” para o turista, o que fazer lá? 1 Admirar o pôr do Sol ou o nascer da Lua Com uma altitude superior a 1.200 metros acima do nível do mar, presenciar o pôr do Sol ou o nascer da Lua nos morros de Ouro Preto é uma sensação impar. 2 Observação astronômica Para os amantes da astronomia os morros de Ouro Preto são ótimos para contemplar os astros celestes. Existem locais seguros com pouca iluminação, ótimos para observação astronômica. (Vênus) 3 Radioamadorismo Longe das interferências do centro, os morros de Ouro Preto são locais perfeitos para a prática do radioamadorismo. Observações: As fotos foram tiradas na pracinha da Capela de São João e no Moinho de Vento (Morro São João). Fotos: Isaac Rangel e Danilo Nonato.
  4. Localizada a 100 km da capital (BH), Mariana é uma cidade histórica, foi a primeira vila, cidade e capital do estado de Minas Gerais, o nome Mariana é uma homenagem do rei D. João V à sua esposa, rainha D. Maria Ana de Áustria. A cidade tem muita influência portuguesa, mas você sabia que os ingleses estiveram presentes no desenvolvimento da cidade e de Minas? Historicamente Portugal e Inglaterra eram grandes parceiros, em Mariana os ingleses começaram a chegar por volta de 1816 e em 1819 compraram dos portugueses a Mina de ouro da Passagem junto com Sócio alemão, o Barão Wilhein Ludvig von Eschwege. Vestígios dessa presença inglesa em Mariana estão abandonados e pouca gente conhece, chamarei de “Complexo Inglês”. É possível conhecer o complexo em alguns minutos, a caminhada é curta e leve. 1 IGREJA ANGLICANA Primeira igreja anglicana de Minas Gerais, demostra mesmo em ruínas a sua beleza. 2 CEMITÉRIO DOS INGLESES Ao lado da Igreja Anglicana, na área externa, é possível ver algumas lápides. São mais de cinquenta túmulos, infelizmente todos foram violados. 3 VALE DA CHAMINÉ Um pouco afastado da Igreja Anglicana é possível fazer uma trilha, plana, na parte superior do Vale da Chaminé. Acredita-se que a chaminé era de uma antiga fábrica de pesticida que usava o arsênio extraído junto com o ouro da Mina da Passagem. COMO CHEGAR: Ônibus: Basta pegar a linha Colina x Passagem, da empresa Transcotta, no ponto da estação de trem ou próximo ao Terminal Turístico, ambos no centro. Ao entrar no ônibus é só falar que você vai descer no ponto do Coreto de Passagem. Carro: Se você vai de carro é só colocar no GPS como destino a “Mina da Passagem” e estacionar próximo ao coreto. Existe também um estacionamento particular da Mina. A CAMINHADA: Basta partir do Coreto margeando a rodovia no sentido Mariana, após uns 150 metros pega a segunda rua a sua esquerda (pequena subida asfaltada) e depois a primeira trilha a sua esquerda. Caminhando na trilha você chegará a um local descampado e com uma subestação de energia elétrica abandona, caso queira ir para o Vale da Chaminé é só seguir direto (uns 200 metros) e para a Igreja Anglicana e Cemitério dos Ingleses basta seguir a trilha a sua direita (uns 100 metros mais ou menos), a caminhada total tem uma duração em média de 20 minutos. Vale ressaltar que o Complexo Inglês é de fácil acesso porém não tem sinalização, na dúvida contrate um guia na cidade ou na Mina da Passagem. Caminho Igreja Anglicana e Cemitério dos Ingleses.kmz Caminho Vale da Chaminé.kmz
×
×
  • Criar Novo...